segunda-feira, 8 de março de 2021

Paralelo entre Ivan e Nonato foi um dos trunfos de "A Força do Querer"

A reprise de "A Força do Querer" está em plena reta final e todas as qualidades da melhor novela de Glória Perez puderam ser constatadas mais uma vez. A maior ousadia da autora foi o drama de Ivana (Carol Duarte), uma menina que não se identificava com seu corpo e sofria diante da pressão da mãe e da sociedade. A situação foi um dos principais trunfos do folhetim, ganhando novos contornos através de um interessante paralelo criado com um outro personagem que cresceu: o Nonato (Silvero Pereira).


A questão do transgênero ser explorada em uma novela foi um bom avanço e a escritora se mostrou muito corajosa. O método escolhido expôs a sua criatividade, além de ter servido como uma explicação objetiva, sem parecer didático ou piegas. Isso porque a dualidade que focalizada no enredo funcionou para destacar os dois perfis, ao mesmo tempo que expôs as diferenças que os separam, embora enfrentem o mesmo tipo de preconceito. O que o público via era um homem muito bem resolvido com seu corpo e uma mulher que não se identificava com o seu reflexo no espelho.

Ivana sempre sofreu pressão da mãe, a fútil Joyce (Maria Fernanda Cândido), para que fosse quase um clone seu. Na breve primeira fase da novela, que durou apenas o primeiro bloco do primeiro capítulo, ficou explícita a intenção da perua para com sua filha, transformando a criança em uma cópia mirim de si mesma.

sábado, 6 de março de 2021

Ao invés de retornar com o querido "Vídeo Show", Globo prefere transformar "Se Joga" em uma cópia

 O "Se Joga" foi uma das grandes apostas da Globo em 2019. O objetivo na época era enfrentar o "Balanço Geral", da Record, que derrotava o extinto "Vídeo Show" quase diariamente. Não por acaso o longevo programa sobre os bastidores da televisão foi retirado da grade, após quase 36 anos no ar. Mas não deu certo. As derrotas continuaram e a atração comandada por Fernanda Gentil, Fabiana Karla e Érico Brás sofreu um massacre de justas críticas. A pandemia do novo coronavírus, iniciada em março de 2020, foi um bom pretexto para cancelar o formato. Mas a emissora resolveu recolocá-lo no ar. 

Neste sábado, dia 6, o "Se Joga" retornou com uma nova roupagem em formato semanal. Agora está na faixa vespertina, no lugar do cansativo "Simples Assim," da Angélica. Também não há mais três apresentadores. Fabiana deixou o programa e Érico virou repórter. Fernanda está sozinha no comando. E a ótima Tati Machado ----- integrante do site Gshow que ganhou várias oportunidades em outras atrações, como "Encontro" e "É de Casa" ---- segue na equipe falando sobre novelas e artistas do canal. Mas não demorou para constatar a intenção da Globo: voltar com o "Vídeo Show", mas com o título de "Se Joga". 

A própria descrição das 'novas características' do programa entrega a inspiração, para não dizer plágio: "Serão tardes cheias de conteúdos especiais, entrevistas exclusivas, revisitas ao passado da TV, spoilers de cena, interatividade, e muitas curiosidades sobre o que acontece por trás das câmeras. Uma programação que faz o balanço da semana na vida dos famosos".

quinta-feira, 4 de março de 2021

Paolla Oliveira viveu grande momento na pele de Jeiza em "A Força do Querer"

Glória Perez conseguiu despertar a atenção do público com uma trama concisa e bem estruturada em "A Força do Querer", cujos conflitos foram conduzidos com competência. A reprise, atualmente na Globo e já em reta final, comprovou. Um dos acertos da novela é a escolha das protagonistas, pois os três perfis femininos são fortes e ganharam intérpretes talentosas. Bibi (Juliana Paes), Ritinha (Isis Valverde) e Jeiza movem o enredo. E Paolla Oliveira sobressaiu em virtude do bom destaque da policial empoderada no folhetim dirigido por Rogério Gomes.


A personagem se mostrou a mais forte do trio. Mulher bem-sucedida no trabalho, dona de si e imponente, Jeiza se destaca como policial e é tratada como líder na sua equipe. Corajosa, a PM não pensa duas vezes antes de prender algum bandido ou ajudar alguém. Mas sua firmeza não a faz antipática ou fria. Ela se mostra bem-humorada e debochada na sua vida 'normal' e vive uma relação de cumplicidade com a mãe, Cândida (Gisele Fróes). Para fechar esse bom conjunto, a mulher ainda luta MMA e é uma campeã nata, amedrontando suas adversárias no ringue.

Portanto, fica claro que o perfil é repleto de atrativos. E, claro, o fato de ser linda deixa a situação ainda mais interessante, pois é um 'padrão' que costuma despertar estranhamento diante da profissão ou da luta. Afinal, mulheres belas são sempre taxadas pela sociedade como modelos ou pessoas fúteis.

segunda-feira, 1 de março de 2021

Reprise de "A Vida da Gente" é a oportunidade de ampliar público de uma das melhores novelas já produzidas

 Nesta segunda-feira (01/03), começou a ser reprisada "A Vida da Gente", folhetim que marcou a estreia de Lícia Manzo como novelista da Globo em 2011. E a autora não poderia ter estreado melhor. A novela é a terceira mais vendida da emissora no mercado internacional e um primor. O público já pedia a reprise nas redes sociais há muitos anos, mas nunca era atendido. Nem mesmo no Canal Viva. Porém, como as gravações de "Nos Tempos do Imperador", próxima trama das 18h, atrasaram por conta da pandemia do coronavírus, uma outra produção precisou ser colocada para substituir "Flor do Caribe" (2013). E finalmente o pedido dos telespectadores acabou aceito. 

A história tem uma veia dramática arrebatadora e poucos personagens, o que acaba conquistando quem assiste com mais rapidez. Vide o irretocável primeiro capítulo apenas com os protagonistas no núcleo central. É fácil se sentir integrante daquela família. Íntimo daquelas pessoas. O êxito da autora foi total. Tanto na condução da novela, quanto na escalação do elenco e na boa e intensa repercussão que teve há dez anos. O telespectador foi conquistado imediatamente pela história das irmãs que se amavam e tiveram a linda relação rompida após uma tragédia causada por conta de uma sucessão de desentendimentos familiares.

O trio protagonista era composto por Marjorie Estiano, Fernanda Vasconcellos e Rafael Cardoso, que eram Manuela, Ana e Rodrigo: o triângulo amoroso que despertou torcidas fanáticas e proporcionou inúmeras cenas marcantes ao longo da trama. Manu e Ana eram irmãs que se amavam e se respeitavam, apesar da mãe Eva (Ana Beatriz Nogueira), que não escondia sua predileção por Ana e seu imenso desprezo

domingo, 28 de fevereiro de 2021

Juliana Paes mereceu cada elogio na pele de Bibi Perigosa em "A Força do Querer"

Um dos vários acertos de "A Força do Querer" foi a escolha das três protagonistas. Todas foram muito bem selecionadas por Glória Perez, que escreveu o perfil mais adequado para cada uma. Tanto que Paolla Oliveira, Isis Valverde e Juliana Paes brilharam com mérito. Outro êxito foi a sábia ideia da alternância de protagonismo, dando espaço para cada uma se destacar, tendo o seu momento. Primeiro foi Ritinha, responsável pelos conflitos das primeiras semanas, depois veio a policial Jeiza, e no final foi  a vez de Bibi.


A personagem, inspirada em um caso real, ficou 'adormecida' no início da novela. Suas aparições se resumiam em momentos melosos com Rubinho (Emílio Dantas), homem metido a malandro com quem se casou ---- e teve um filho, André (João Bravo) ----, após ter abandonado o advogado Caio (Rodrigo Lombardi) no primeiro capítulo. Os poucos conflitos do núcleo tinham como base a implicância de Aurora (Elizângela), que nunca aceitou o novo genro, principalmente por causa da vida de dificuldades que passavam.

Com a prisão de Rubinho por tráfico de drogas, Bibi começou a crescer na trama, destacando o conhecido talento de Juliana Paes. A obsessão daquela mulher pelo marido fica a cada dia pior, a ponto dela passar por cima de qualquer um para conseguir livrá-lo da cadeia.

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2021

Reprise apenas comprovou que "Flor do Caribe" foi uma novela insossa e esquecível

A reprise de "Flor do Caribe" chegou ao fim nesta sexta-feira (26/02) e reforçou todas as impressões de oito anos atrás: a novela de Walther Negrão teve lindas imagens, mas pouco conteúdo. Não foi um sucesso de audiência, mas também não fracassou. A repercussão foi nula. Os personagens não marcaram, assim como os conflitos, e nenhuma cena ficou na memória do público. Passou despercebida. O mesmo ocorreu durante a reexibição. 


A história de Walther Negrão começou fraca e sem qualquer atrativo. A obsessão do vilão em roubar a mocinha do mocinho era óbvia e os demais núcleos não empolgaram. A boa primeira impressão ficou por conta das lindíssimas imagens, bem usadas pelo diretor Jayme Monjardim. Entretanto, com o passar das semanas, a novela foi ganhando bons elementos. A temática do nazismo começou a ser melhor aprofundada (de uma forma bem didática), a fuga de Cassiano (Henri Castelli) transmitiu a impressão de que uma grande vingança seria iniciada e a entrada de Daniela Escobar deixou claro que Natália e Juliano (Bruno Gissoni) ofuscariam os mocinhos insossos.

Parecia de fato que a trama engrenaria de vez. Porém, com o tempo, foi possível constatar que a obra seria recheada de altos e baixos, onde o ritmo arrastado seria um dos problemas. Poucas viradas ocorreram na trama e quase sempre o público se via diante de situações que se repetiam ou então não saíam do

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2021

Isis Valverde deu um show como Ritinha em "A Força do Querer"

Quando Glória Perez apresentou "A Força do Querer" para a imprensa fez questão de dizer que sua história teria um rodízio de protagonismo. Em cada momento do enredo, uma personagem iria se destacar. E o folhetim é protagonizado por três ótimas personagens, interpretadas por excelentes e lindas atrizes: Paolla Oliveira (Jeiza), Juliana Paes (Bibi) e Isis Valverde (Ritinha). O trio honrou a confiança da autora e a egoísta Sereia ganhou uma intérprete que dominou a essência do papel assim que surgiu em cena.


A faceira menina de Parazinho foi a responsável pela movimentação das primeiras semanas da novela. Tudo era voltado para a sedutora Ritinha, que não pensou duas vezes antes de jogar charme para o imaturo Ruy (Fiuk), mesmo estando noiva do machista Zeca (Marco Pigossi), com o intuito de conseguir vir para o Rio de Janeiro e conhecer a cidade grande. Além de só pensar em si mesma, a personagem sempre teve como principal característica sua paixão pelas águas e a bela cauda de sereia que usa quando está nadando, representando uma espécie de liberdade.

O perfil de Ritinha tem um quê de 'místico', muito em função da própria lenda da sereia (figura mitológica que simboliza a sedução mortal, sempre tendo os homens como vítimas) e também da previsão que um índio fez para Zeca e Ruy, após quase morrerem em um afogamento ainda crianças, alertando sobre um misterioso perigo que vinha das águas.

terça-feira, 23 de fevereiro de 2021

Tudo sobre a coletiva online da volta de "Amor de Mãe"

 A Globo realizou nesta segunda-feira (22/02) uma coletiva online sobre o retorno de "Amor de Mãe", novela de Manuela Dias, dirigida por José Luiz Villamarim, após um ano de paralização por conta da pandemia do novo coronavírus, que interrompeu as gravações em março de 2020. Participaram todos os atores da família de Lurdes: Regina Casé, Jéssica Ellen, Juliano Cazarré, Humberto Carrão, Thiago Martins e Nanda Costa, além da autora. Fui um dos convidados e conto um pouco como foi o bate-papo.

Perguntados sobre as cenas mais marcantes da primeira parte do folhetim, os intérpretes fizeram questão de relembrar algumas. "Uma das cenas mais bonitas que vi na novela é uma da Vitória (Taís Araújo) quando adota o filho. Me marcou muito. Lembro que estava vendo em casa e fiquei muito emocionado. Até liguei para Taís", disse Thiago Martins. "Tem muitas cenas lindas nessa novela. Uma das muitas cenas fortes é quando Lurdes, no presídio, descobre que não é mãe de Sandro. E a minha cena no hospital foi muito forte também", acrescentou Jéssica Ellen. "Eu gostaria de lembrar de duas cenas. A diplomação da Camila. Vejo ali um esforço familiar. Não é só o personagem da Regina que está sendo recompensado. Todo mundo ali está diplomando a irmã mais nova. A família precisou se estruturar. E a cena do primeiro capítulo quando um irmão corre atrás do outro e vê o irmão ser levado", contou Juliano Cazarré. "A cena que a Lurdes fala para o filho, ainda criança, 'Tua mãe está aqui' também foi incrível", declarou Nanda Costa. 

Humberto Carrão lembrou: "Minhas lembranças mais marcantes são as cenas da Jéssica na escola. A invasão da polícia, os tiros, a forma como se relaciona com seus alunos. E todas da Lurdes, um dos personagens mais lindos que já vi. Mas a melhor foi minha cena com ela na praia quando a personagem conta que não é mãe do Sandro".

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2021

Tudo sobre a coletiva online da reprise de "A Vida da Gente"

 A Globo promoveu nesta sexta-feira (19/02) uma coletiva online sobre a reprise de "A Vida da Gente", novela primorosa de Lícia Manzo, exibida em 2011, e a terceira mais vendida da Globo, que reestreia dia 1º de março. O diretor Jayme Monjardim não conseguiu participar, mas fez questão de deixar um recado carinhoso a todos. Estiveram na entrevista Marjorie Estiano, Fernanda Vasconcellos, Alice Wegmann, Paulo Betti, Gisele Fróes e a autora. Foi um bate-papo delicioso e com muitas boas lembranças. Fui um dos convidados e conto um pouco como foi neste texto. 

"Sempre fui uma menina de observar o ambiente e observar o subjetivo. Vendo hoje em dia as pessoas com dificuldade de ficar em casa e pensar no coletivo tem muito disso. A novela, mais do que o fato do coma da Ana (Fernanda Vasconcellos), mostra a repercussão do fato em volta das pessoas. As pessoas sempre procuram entender seus sentimentos sobre o que está acontecendo. E a novela faz esse convite a reflexão. E a cena que mais me marcou foi a da discussão das irmãs. Tinha oito páginas e lembro que não foi ensaiada. Acho que ali há um casamento muito bonito que mais busco e mais prezo, que o texto bota ressonância nos atores. Mas às vezes a gente investe tanto na palavra e a imagem é soberana", disse Lícia Manzo.

Ainda sobre as cenas que mais marcaram, Fernanda Vasconcellos concordou com a autora. "É também minha cena preferida. E lembro até hoje da minha mão suando e não sei se terei outra oportunidade de viver um texto desse. Com as irmãs às vezes se escutando, às vezes querendo se machucar. Depois de ter trabalhado em algo tão marcante é inevitável você não se frustrar com seus trabalhos posteriores. Parece que fica faltando algo.

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2021

Sérgio Mamberti e Juca de Oliveira foram os destaques de "Flor do Caribe"

Normalmente é uma estratégia infalível: escalar um bom ator para interpretar um interessante personagem e viver uma boa história é garantia de êxito. Portanto, Walther Negrão mostrou que sabia exatamente o que estava fazendo quando escalou Sérgio Mamberti para dar vida ao Dionísio Albuquerque e Juca de Oliveira para viver o Samuel em "Flor do Caribe", atualmente reprisada pela Globo e em reta final.


Desde o primeiro capítulo, ficou evidente que esses dois grandes atores haviam recebido ótimos papéis. Em uma novela onde o 'mais do mesmo' se fez presente em quase todos os núcleos, foi um grande acerto do autor abordar a questão do nazismo, ainda que tenha precisado usar da licença-poética para justificar a diferença de idade entre os personagens.

Dionísio participou ativamente do nazismo delatando as famílias dos judeus, as enviando diretamente para o campo de concentração. Entre os traídos pelo vilão, estava Samuel, na época uma criança, e seus pais. O pai de Ester (Grazi Massafera) acabou ficando sozinho no mundo, enquanto que o avô de Alberto

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2021

Após início trágico, "BBB 21" conquista com o clássico embate entre 'mocinhos' e 'vilões'

 A teledramaturgia é a paixão do brasileiro e não está desgastada, ao contrário do que alguns ainda insistem afirmar. Não por acaso, as temporadas de maior êxito do "BBB" são as que parecem com novelas, onde há a tradicional rivalidade entre 'mocinhos' e 'vilões'. Após um início trágico (repleto de abuso psicológico e declarações deploráveis de participantes), o "Big Brother Brasil" parece ter encontrado seu eixo e vem fazendo um grande sucesso em sua vigésima primeira edição justamente por isso. 

Não demorou para o "BBB 21" apresentar os 'vilões' para o público. Já o processo do nascimento dos mocinhos foi um pouco mais demorado. Mas, em menos de duas semanas, a casa já estava dividida em grupos e com pessoas para odiar e outras para torcer. Nada melhor para atrair o interesse do telespectador, em 'abstinência' de novelas inéditas há quase um ano, vale lembrar ---- "Gênesis", na Record, é a única em exibição. 

Antes amada e agora odiada, Karol Conká virou a grande vilã da edição. Quando a chamada anunciando a entrada da conhecida cantora foi ao ar houve uma avalanche de elogios em todas as redes sociais. Afinal, era uma pessoa conhecida pela militância e músicas de sucesso. Mas fica claro que era uma personagem midiática.

sábado, 13 de fevereiro de 2021

Reprisada no Viva, morte trágica de Fernanda foi a cena mais impactante de "Mulheres Apaixonadas"

 Por ironia do destino, as duas cenas mais emblemáticas de dois grandes sucessos de Manoel Carlos foram exibidas na mesma semana. A primeira foi a emocionante sequência da raspagem dos cabelos de Camila (Carolina Dieckmann), em virtude da quimioterapia para o tratamento contra a leucemia, ao som de Love By Grace" (Lara Fabian), exibida nesta segunda-feira (08/02) em "Laços de Família", no "Vale a Pena Ver de Novo", na Globo. Já a outra foi a trágica morte de Fernanda (Vanessa Gerbelli), exibida neste sábado (13/02) em "Mulheres Apaixonadas", reprisada no Canal Viva. 


A cena do assassinato de Fernanda era a mais aguardada da reexibição no Viva. Vale lembrar que a personagem morreria por volta do capítulo 30. O sucesso, no entanto, fez Maneco adiar o momento, o que valorizou mais o talento da atriz. Vanessa acabou ganhando mais cenas e até um núcleo próprio. Somente no capítulo 150 que a tragédia acontece, após meses de 'preparação' através dos pesadelos de Salete (Bruna Marquezine) com um anjo que alertava sobre a partida da mãe. E a sequência, uma das mais trabalhosas da novela, foi um primor.

A perseguição de policiais a bandidos, situação recorrente no Rio de Janeiro, teve toda a adrenalina necessária para o momento, com direito a trilha embalada pela ótima e apropriada "Faint" (Desmaio), da banda Linkin Park.

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2021

Bruno Gissoni e Daniela Escobar ofuscaram os mocinhos de "Flor do Caribe"

Em toda novela é a mesma coisa: vários pares românticos são formados e as brigas e reconciliações fazem parte do enredo até o final da história, onde todos vivem felizes para sempre. Porém, não há dúvidas que em toda novela há também ao menos um par que sobressai, podendo ser ou não o casal protagonista. "Flor do Caribe", reprisada atualmente pela Globo, não foge à regra e a 'dupla amorosa' que roubou a cena foi formada por Juliano (Bruno Gissoni) e Natália (Daniela Escobar).


Na fase inicial da novela, Bruno Gissoni estava sem função. Porém, foi perceptível o aumento da participação do ator desde que o núcleo formado por Daniela Escobar, Tainá Muller (Ludmila) e Maria Joana (Carol) entrou na trama. Juliano logo se interessou pela matriarca da família e o envolvimento entre os dois não demorou muito para acontecer. O pescador se apaixonou pela bióloga e foi correspondido. De início havia um divertido jogo de 'gato e rato', onde Natália evitava o rapaz por se considerar muito velha e temer a reação das filhas. Após alguns conflitos, beijos, brigas, o casal acabou 'oficializando' o namoro. Mas graças ao retorno de Reinaldo, o ex-marido da bióloga, a relação ficou estremecida.

Aliás, a entrada de Marcos Winter foi enriquecedora para a trama do casal. E também foi inteligente colocá-lo como empresário de Cristal (Moro Anghileri), pois evitou deixar o personagem com a única função de atrapalhar o romance da ex. Romance que se mostrou o mais atraente da novela desde que foi

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2021

Sempre vale a pena rever a cena mais emblemática de "Laços de Família"

 A Globo reprisou a cena mais emblemática de "Laços de Família" nesta segunda-feira (08/02), no "Vale a Pena Ver de Novo": a raspagem dos cabelos de Camila (Carolina Dieckmann). Um dos maiores sucessos de Manoel Carlos que vem repetindo o êxito nas tardes da emissora. A média fica em torno de 18/19 pontos, índices excelentes para a faixa. É a prova do carinho do público pelo novelão que marcou tantas gerações. 


A aguardada sequência entrou para a história da teledramaturgia e marcou a carreira de Carolina. Foi um momento de total entrega. Ao som de "Love By Grace", música cantada por Lara Fabian que passa a embalar o drama da personagem, a cena não tem texto e mostra apenas a raspagem dos cabelos de Camila, que decide retirá-los após o desespero com as constantes quedas em virtude da quimioterapia. É evidente que a emoção da intérprete se misturou com a da personagem. Afinal, é uma mudança de visual brusca. 

E Carolina merece todos os elogios pelo seu profissionalismo. O grande público sabe que não é toda atriz que aceita um pedido assim. Mas valeu a pena o risco. Ninguém esquece da cena e até hoje há uma forte comoção.

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2021

Elenco do "BBB 21" tenta plagiar participantes do "BBB 20" e prova que cada edição é única

 A vigésima primeira edição do "Big Brother Brasil começou há pouco mais de uma semana. Ainda há muito jogo pela frente e todas as opiniões já formadas a respeito dos participantes podem alterar bastante ao longo dos meses. Faz parte. Mas já fica claro que o atual elenco prova que é impossível copiar uma temporada de sucesso do "BBB". Cada conflito é único e todo plágio resultará em algo artificial ou decepcionante. 


O "BBB 21" tem feito sucesso. A audiência está em alta e nem poderia ser diferente. Uma das poucas atrações inéditas na televisão aberta. Também há o fator "BBB 20", que foi um fenômeno. E o êxito da temporada passada tem influenciado o comportamento de quase todos os participantes. Ano passado, toda a dinâmica do jogo acabou mesclada com um combate ao machismo e enaltecimento do feminismo através da força das mulheres no reality. Tudo de forma natural. 

Os novos participantes, empolgados com o sucesso da edição passada, estão tentando repetir tudo o que foi visto. Não por acaso houve uma maior facilidade na entrada de 'famosos'. Todos animados com o ótimo retorno que nomes como Manu Gavassi, Rafa Khalimann, Boca Rosa e Babu Santana tiveram.

terça-feira, 2 de fevereiro de 2021

Reprise comprova que Shirlei e Felipe foram os verdadeiros mocinhos de "Haja Coração"

"Haja Coração" teve um ótimo início em 2016, mas foi perdendo o rumo ao longo das semanas e a reprise comprova. Essa queda de qualidade pôde ser observada principalmente através do desenvolvimento de vários casais da história ---- muitos deles começaram promissores e tiveram o enredo estagnado. Já o par protagonista, composto por Tancinha (Mariana Ximenes) e Apolo (Malvino Salvador), cansa pela repetição desde o começo do folhetim. Porém, em contraponto a tudo o que foi mencionado, Daniel Ortiz criou um casal que caiu nas graças do público assim que surgiu e roubou o protagonismo: Shirlei e Felipe.


Os personagens interpretados com competência por Sabrina Petraglia e Marcos Pitombo protagonizam um dos enredos mais clássicos dos contos de fadas: o da gata borralheira em busca do seu príncipe encantado. É uma situação que transborda clichê, mas sempre funciona quando bem construída. E foi o caso da novela. Aliás, embora seja um remake de "Sassaricando" (1987), Shirlei não pertencia ao folhetim das sete de Silvio de Abreu. Mas fazia parte de outra novela do autor, do horário das nove: "Torre de Babel" (1998). A menina ingênua que tinha um problema na perna foi vivida na época por Karina Barum, fazendo um grande sucesso ---- a música "Corazón Patío", de Alejandro Sanz (tema da personagem), estourou.

Ao inserir Shirlei no contexto de "Haja Coração", o autor se viu obrigado a criar uma trama e não simplesmente seguir com a obra original. E foi algo bem positivo, ainda mais levando em consideração os erros que Daniel Ortiz cometeu com vários perfis e enredos da sua história, muitas vezes tentando repetir situações de 1987 que não funcionaram ---- vide o sumiço de Teodora (Grace Gianoukas) e toda a trajetória de Aparício (Alexandre Borges).

sábado, 30 de janeiro de 2021

Vale a pena rever o desempenho de Carol Duarte em "A Força do Querer"

A trajetória de Ivana sempre foi um dos maiores atrativos de "A Força do Querer", reprisada atualmente na Globo. Isso antes mesmo da estreia da trama de Glória Perez. Afinal, a autora resolveu abordar um tema complexo, polêmico e ousado: a transexualidade. A transição de uma menina que vira menino nunca havia sido exposta na ficção e o contexto ainda despertou curiosidade em virtude da atriz escolhida: uma estreante. Portanto, tudo resultou em um chamariz para o folhetim. E o conjunto se mostrou um acerto desde o começo, sempre funcionando como um conflito de grande destaque, expondo o imenso talento de Carol Duarte.


Todas as angústias daquela garota que nunca se sentiu à vontade com o próprio corpo foram exploradas com precisão pela autora, que se preocupou em fazer o público se compadecer pelos dramas da filha de Joyce (Maria Fernanda Cândido). A tristeza por não se adequar aos padrões, a indignação de ser cobrada por uma vaidade que nunca teve, o incômodo que seus seios sempre lhe causaram, o desconforto que as roupas femininas provocavam; enfim, tudo foi sendo exibido aos poucos, sem atropelos. O tempo foi fundamental para deixar a situação cada vez mais familiar para o telespectador, que foi entendendo o que estava acontecendo com ela.

E, em todos os momentos, Carol Duarte brilhava. Impressionante a sua dedicação e total entrega ao papel, valorizando cada sentimento daquela menina que procura uma identidade. Foram muitas grandes cenas protagonizadas pela intérprete, sendo necessário destacar o instante em que Ivana se bateu e quebrou o espelho, demonstrando ódio profundo pelo que é, querendo sair de dentro do seu próprio corpo.

sexta-feira, 29 de janeiro de 2021

Reprises de "Laços de Família" e "Mulheres Apaixonadas" mostram o melhor de Regiane Alves

 As melhores reprises atuais são as duas novelas de sucesso de Manoel Carlos. "Laços de Família", no "Vale a Pena Ver de Novo", e "Mulheres Apaixonadas", no canal a cabo Viva. Ambas fazem sucesso em suas respectivas exibições e possibilitam ao público acompanhar o trabalho primoroso de grande parte do elenco. Não por acaso, o time de atores é quase o mesmo. Todo autor tem sua 'panelinha' e a do Maneco fica evidente com as reexibições. Entre os destaques, há Regiane Alves em dois papéis odiosos. 

Em "Laços de Família", a atriz interpreta a mimada Clara. Amargurada e arrogante, a personagem não sente a menor vergonha em ser desagradável com todos os familiares de seu marido, o passivo Fred (Luigi Baricelli). Está constantemente de cara amarrada e com péssimo humor. Quando seu casamento entra em crise, não pensa duas vezes antes de usar a filha como elemento de chantagem emocional e mostra de vez o ser humano deprimente que é. Não deixa de ser uma vilã secundária do enredo. 

Já em "Mulheres Apaixonadas", Regiane vive a interesseira Dóris. Outra víbora em sua carreira e com características semelhantes a Clara. Não se preocupa em destratar os familiares, principalmente seus avós Flora (Carmem Silva) e Leopoldo (Osvaldo Louzada).

quarta-feira, 27 de janeiro de 2021

"Flor do Caribe" foi o penúltimo trabalho do grande Elias Gleizer na televisão

A reprise de "Flor do Caribe" vem repetindo o que ocorreu em 2013, ano de sua exibição original: a novela não tem repercussão e nem empolga, mas mantém uma média aceitável de audiência. A produção deixou a desejar, mas Walther Negrão acertou ao presentear o público com a volta de um grande ator que entrou para participar dos capítulos finais: Elias Gleizer.


Afastado das novelas desde "Passione" (2010), onde viveu um hilário triângulo amoroso com Cleyde Yáconis e Leonardo Villar ---- como esquecer das brigas entre Diógenes, Brígida e Lutero? -----, o ator de 79 anos estava fazendo muita falta na televisão. E após ter se recuperado de um problema de saúde, ele próprio chegou a dizer que já estava entrando em depressão após ficar tanto tempo na ociosidade e que ter voltado à tevê era como ter voltado à vida. Foi seu penúltimo trabalho.

Elias ganhou do autor da novela das seis o Manolo, um cigano espirituoso e melhor amigo de Samuel (Juca de Oliveira). O alegre senhor também é um sobrevivente que presenciou as crueldades do nazismo e a frieza de Dionísio (Sérgio Mamberti) na época da guerra. Sua vinda está diretamente ligada à queda do vilão, que será

segunda-feira, 25 de janeiro de 2021

Reprise de "Malhação Sonhos" expõe a força de Rosane Svartman e Paulo Halm na Globo

 A Globo anunciou na primeira sexta-feira de dezembro (04/12) de 2020 a reprise de "Malhação Sonhos" como substituta da reprise de "Malhação - Viva a Diferença". Isso porque a emissora adiou a produção da nova temporada escrita por Priscila Steinman e Mária Prates, chamada de "Malhação - Transformação", em virtude da pandemia do novo coronavírus. A estreia foi nesta segunda, dia 25. E a escolha da bem-sucedida fase de 2014 expõe a valorização da dupla de autores formada por Rosane Svartman e Paulo Halm. 

O sucesso da parceria é observada em todos os trabalhos até o momento. Em 2012, Paulo era um dos colaboradores de "Malhação - Intensa", que foi escrita por Rosane e Glória Barreto. A temporada caiu na boca do povo e até hoje os telespectadores lembram da personagem mais querida do enredo: a periguete Fatinha, vivida por Juliana Paiva. A dupla se oficializou em "Malhação Sonhos", dois anos depois, e o êxito da história foi incontestável. Mesmo em um período ingrato para a audiência (2014 foi ano de Copa do Mundo e eleições), a fase teve uma enorme repercussão. 

Após duas temporadas bem-sucedidas de "Malhação", Rosane e Paulo foram "promovidos" pela Globo. A emissora os colocou como autores titulares da novela das sete. Porém, a dupla começou a trabalhar no novo enredo com "Malhação Sonhos" ainda no ar. Uma jornada desgastante. O esforço ao menos valeu a pena, afinal, resultou em "Totalmente Demais" (2015), fenômeno de audiência e repercussão.

sexta-feira, 22 de janeiro de 2021

"Gênesis" apresenta bom início e conhecida história bíblica desperta a atenção do público

 Anunciada como a 'nova superprodução da Record', "Gênesis" estreou nesta terça-feira (19/01), na faixa antes ocupada por "Amor sem Igual", até então a única novela inédita no ar atualmente. A nova produção bíblica da emissora agora é o segundo folhetim inédito em meio ao caos da pandemia do novo coronavírus. Após ter fugido um pouco da mesmice com a boa trama de Cristianne Fridman, o canal volta a apostar nas histórias bíblicas para atrair o público. 

A nova novela tem um alto investimento da emissora. É o maior elenco da teledramaturgia nacional até hoje, com mais de 250 atores, e dividida em sete fases: "Criação" (Adão e Eva); "Dilúvio" (Arca de Noé); "Torre de Babel"; "Ur dos Caldeus", "Abraão"; "Jacó" e "José do Egito". Serão 150 capítulos. Ou seja, a bem da verdade, há uma boa estratégia de marketing. Afinal, analisando friamente, não se trata de um folhetim e, sim, de várias minisséries interligadas por poucos atores. Apenas dois estão em todas as fases: Flávio Galvão, intérprete de Deus (apenas por voz), e Igor Rickli, que vive Lúcifer. 

A produção é escrita por Camilo Pelegrini, Raphaela Castro e Stephanie Ribeiro, dirigida por Edgard Miranda. A trama aborda os primeiros 2.300 anos da humanidade a partir da história contada no primeiro livro da Bíblia. Há uma boa frente de capítulos já prontos. O início das gravações foi em janeiro de 2020, dois meses antes do início da pandemia no Brasil.

quarta-feira, 20 de janeiro de 2021

Tudo sobre a coletiva online da reprise de "Malhação Sonhos"

 A Globo promoveu nesta segunda-feira (18/01) uma coletiva online com parte do elenco e autores de "Malhação Sonhos", próxima reprise da emissora que entra no lugar de "Malhação - Viva a Diferença". A temporada exibida em 2014 foi um baita sucesso de público, crítica e repercussão. Os escritores Paulo Halm e Rosane Svartman participaram, assim como o diretor Luiz Henrique Rios e os atores Rafael Vitti, Isabella Santoni, Emanuelle Araújo, Eriberto Leão, Arthur Aguiar e Bruna Hamu. Fui um dos convidados e conto um pouco como foi a deliciosa entrevista. 

Perguntei a Isabella Santoni e Bruna Hamu qual foi a cena mais difícil que protagonizaram juntas e qual a mais emocionante que guardam com grande carinho. "A briga com a Karina. Porque foi culpa da Bianca e depois provocou aquilo tudo na trama. A gente criou uma conexão muito forte eu e a Bella. Somos como irmãs mesmo. É muito verdadeiro. Antes mesmo de começarmos a gravar. Eu sofri de verdade naquela cena com a Bella. Foi um marco até na história. Também lembro de uma cena na reta final já, quando a Bianca tem uma conversa linda com a Ka de reconciliação", contou Bruna. Já Isa concordou com a amiga: "Essa cena da briga foi realmente foi forte. E lembro que você era muito ativo no Twitter na época e sempre que a gente ia ver os episódios líamos o que você escrevia. Um prazer te conhecer, ainda que virtualmente", complementou a querida atriz. 

Perguntado sobre o êxito do elenco, que até hoje faz sucesso, Luiz Henrique Rios argumentou: "A gente trata as pessoas como talentos do futuro. E ajudar a prepará-los. A indústria da mídia tem uma mudança grande na vida das pessoas e se elas não são trabalhadas pra isso fica muito difícil. Há diferença entre ser famoso e ser artista.

segunda-feira, 18 de janeiro de 2021

"Amor sem Igual" foi uma boa novela, mas última semana lembrou um culto da Igreja Universal

 A novela de Cristianne Fridman foi a primeira que voltou ao ar em plena pandemia do novo coronavírus. A Record concluiu as gravações dos capítulos restantes de "Amor sem Igual" durante a retomada dos trabalhos (entre agosto e setembro), ocorrida também na Globo. E a continuação da trama inédita estreou no dia 28 de outubro. A produção teve seu início em dezembro de 2019 e teve 93 capítulos exibidos antes da paralização. Após pouco mais de um ano, o folhetim chegou ao fim nesta segunda-feira (18/01) com um saldo positivo. 

A autora conseguiu construir uma história repleta de irresistíveis de clichês e soube desenvolver a trama com competência, driblando bem os percalços da pandemia. Tanto que ficou difícil saber quais foram as cenas gravadas antes ou depois do coronavírus após o retorno da novela. A escolha da talentosa Day Mesquista para interpretar a carismática protagonista, a prostituta Angélica/Poderosa, também foi essencial para o êxito do enredo e sua química com Rafael Sardão, intérprete do mocinho Miguel, funcionou desde a primeira cena. 

A premissa do enredo foi ousada para uma emissora evangélica como a Record. Fridman teve coragem quando colocou uma garota de programa como mocinha. A inspiração foi o clássico filme "Uma Linda Mulher", de 1990. Mas ao invés de se apaixonar por um rico empresário, a garota de programa se encanta por um agrônomo que vende legumes cultivados em seu sítio no Mercado Municipal de SP, o retraído Miguel.

sexta-feira, 15 de janeiro de 2021

Tiago Leifert odeia o Twitter porque nunca tolerou críticas

A uma semana da estreia do "BBB 21", Tiago Leifert deu uma declaração que repercutiu bastante negativamente: "Detesto a rede do passarinho. Eu já saí de lá e acho que todo mundo deveria sair também. Mas eu queria ter um outro canal de comunicação com vocês, principalmente durante o BBB, que não fosse a rede do passarinho. Uma coisa mais ágil, mas que também não tenha um monte de gente trollando e xingando. Um lugar mais seguro, disse o apresentador. E não é difícil saber a razão da reclamação. 


Desde que assumiu o comando do "Big Brother Brasil", na décima sétima edição, Leifert vem sofrendo cada vez mais críticas na rede social que mais repercute o reality show. Entretanto, tudo começou mais especificamente no "BBB 16", a última edição apresentada por Pedro Bial. Na temporada, houve uma grande polêmica em torno da briga entre Ana Paula Renault e Laércio. Isso porque a marcante participante não tolerava o jeito que o colega, de 53 anos, olhava para as meninas da casa. Em fevereiro, o jogador foi eliminado e em maio acabou preso por pedofilia e condenado a 12 anos de prisão. 

Tiago, até então um mero espectador e ainda com uma conta no Twitter, logo defendeu Laércio enquanto estava no jogo. Criticou Ana Paula e chegou a dizer que quem estava em um reality de exposição não poderia reclamar de quem a observava. Até hoje essa sua defesa repercute na rede através de prints antigos.

quinta-feira, 14 de janeiro de 2021

"As Five" tem boas qualidades, mas não foi feita para quem acompanhou "Viva a Diferença"

 O título do texto parece contraditório. Afinal, todo spin-off que se preza é oriundo de um produto de imenso sucesso com o intuito de agradar aos fãs 'órfãos', após o fim de uma determinada série, novela ou filme. Porém, "As Five" foge da regra. A série, escrita por Cao Hamburger e dirigida por José Eduardo Belmonte, é repleta de qualidades e merece o sucesso que vem fazendo na Globoplay (a primeira temporada, exibida semanalmente pelo serviço de streaming da Globo, chegou ao fim nesta semana). A questão é que os problemas do roteiro ficam evidentes para o telespectador de "Malhação - Viva a Diferença". 

O primeiro e mais perceptível é o arco temporal. A série é exibida seis anos após o encerramento de "Malhação". E a história foi exibida pela Globo (reprisada atualmente, já na reta final) em 2017. Mas a trama de "As Five" é de 2019 (ano em que foi gravada) e as personagens se referem ao passado como se fosse por volta de 2012 ou até na década de 90. Vide uma fala de Keyla (Gabi Medvedovski) dizendo que a última vez que saiu para dançar a banda Jota Quest estava no auge. Parece bobagem, mas é justamente através dos pequenos diálogos que a confusão do período do enredo sobressai. 

Outro fato impossível de não ser questionado é a premissa da série. As cinco protagonistas se reencontram no enterro da mãe de uma delas (Tina - Ana Hikari), após seis anos de afastamento e três sem mensagens enviadas no grupo de WhatsApp. A ideia é ótima, pois retrata o oposto do primeiro encontro do quinteto em "Malhação": o nascimento de uma criança.

terça-feira, 12 de janeiro de 2021

"Shippados" na Globo é a chance do grande público prestigiar o último trabalho de Fernanda Young

 A Globoplay estreou "Shippados" em junho de 2019, exclusivamente para os assinantes da plataforma. Foi o último trabalho da saudosa escritora Fernanda Young, em parceria com seu marido, Alexandre Machado. A autora faleceu dois meses depois. Mas encerrou sua trajetória com uma ótima produção. A história protagonizada por Tatá Werneck e Eduardo Sterblich, agora, estreou na grade da Globo, quase dois anos após o lançamento em seu serviço de streaming. 


A trama marcou a volta dos autores da inesquecível "Os Normais" (2001/2003) e das ótimas "Os Aspones" (2004), "Minha Nada Mole Vida" (2006), "Separação?!" (2010), "Macho Man" (2011), "Como Aproveitar o Fim do Mundo" (2012), "Surtadas na Yoga" (2014/2014), "Odeio Segundas" (2015) e "Edifício Paraíso" (2017) ---- as três últimas no canal a cabo GNT. Claro que a inspirada dupla teve também séries fracassadas, vide a cansativa "O Sistema" (2007), a péssima "O Dentista Mascarado" (2013) e a equivocada "Vade Retro" (2017).

Como os erros foram bem menos numerosos que os acertos, é evidente que os escritores têm um currículo televisivo admirável e "Shippados" entrou para a lista de seriados bem-sucedidos. A história protagonizada por Rita e Enzo ---- o 'shipper' 'Rizo' não é obra do acaso ---- mistura momentos essencialmente cômicos com outros depressivos de forma hábil e inteligente. 

sexta-feira, 8 de janeiro de 2021

Reprises de "Laços de Família" e "Mulheres Apaixonadas" expõem a evolução da sociedade ao longo dos anos

 No ano de 2020, a televisão brasileira completou 70 anos. E a teledramaturgia tem suma importância. Ao contrário do que muitos pensam, não se trata apenas de um mero entretenimento ou produtos de qualidade questionável. As novelas brasileiras viraram referência no mundo e um símbolo de produção de alto nível. Mas não é só. As tramas também servem para observar a evolução do comportamento da sociedade e as histórias de Manoel Carlos são as que mais evidenciam isso. Vide as duas reprises atuais: "Laços de Família", no "Vale a Pena Ver de Novo", na Globo, e "Mulheres Apaixonadas", no Canal Viva. 

Os folhetins são os melhores trabalhos do autor, praticamente empatados com "Por Amor", outro clássico. "Laços" foi exibida no ano 2000 e "Mulheres" em 2003. Há 20 anos e 17 anos, respectivamente. Parece pouco tempo, ainda mais levando em consideração a análise da mudança no comportamento das pessoas. Mas não é. E fica evidente ao longo dos capítulos das duas tramas. Tem sido muito interessante acompanhar as produções ao mesmo tempo, até para observar a semelhança do time escalado. Em um intervalo de três anos, o autor selecionou praticamente o mesmo elenco. 

Começando por "Laços de Família", é impossível não estranhar a forma como era tratado o assédio de Danilo (Alexandre Borges) em Ritinha (Juliana Paes), empregada doméstica que trabalhava na mansão de Alma (Marieta Severo), sua esposa. Tudo era exibido com um tom de "leveza" e "comicidade". Algo impensável hoje em dia.

terça-feira, 5 de janeiro de 2021

O que a televisão reserva para o telespectador em 2021?

 Se 2020 foi um ano trágico, 2021 será um ano de incerteza. A pandemia do coronavírus não acabou com a virada do ano e grande parte da população já não se importa mais em se aglomerar em praias ou festas. A curva de contágio, até então em queda, está aumentando novamente. As vacinas já chegaram no mundo, mas no Brasil segue sem previsão exata. No entanto, a imunização chegará. Ainda assim, não se sabe como será a resposta imunológica. Tudo segue na base do achismo. Isso não difere na programação das emissoras. Muitas produções são incertas. Já outras certamente virão. A primeira postagem deste blog serve exatamente para listar o que virá (ou não).




"BBB 21":
Após o fenômeno do "BBB 20", Boninho tem uma dura missão pela frente: manter o imenso sucesso, uma vez que superar será quase impossível. A vigésima edição com famosos e anônimos deu muito certo, embora a pandemia e o início do isolamento social tenham contribuído para a audiência. O paredão entre Manu Gavassi e Prior ultrapassou um bilhão e meio de votos, além de comemoração nas janelas de várias regiões do país com a eliminação do problemático rapaz. A vitória de Thelma foi merecida e vários participantes marcaram, como Boca Rosa, Rafa Khalimann, Gizelly, Pyong, Flay, Babu, entre tantos outros. A vigésima primeira edição repetirá o esquema vitorioso: metade com "influencers" e metade com desconhecidos. Resta saber se repetirá o sucesso. 



Final de "Amor de Mãe":
A novela de Manuela Dias precisou ser interrompida por conta do fechamento dos Estúdios Globo em virtude da pandemia. As gravações só retornaram em agosto e com todos os protocolos sanitários. O excesso de cuidados implicou em uma maior demora e por isso a emissora resolveu retornar com o folhetim apenas quando estivesse totalmente finalizado. E os trabalhos foram encerrados em novembro. Restavam mais de 50 capítulos para a conclusão, mas a autora foi obrigada a reduzir para 23. Ao que tudo indica, vai ao ar em março, após o término da reprise de "A Força do Querer" e exibição de um compacto dos "melhores momentos" da "primeira fase" para o público relembrar a história.