quarta-feira, 17 de agosto de 2022

Bárbara Paz e Danilo Mesquita formaram uma ótima dupla de vilões em "Além da Ilusão"

 A dois dias de seu desfecho, "Além da Ilusão" vem apresentando uma última semana movimentada por ótimos acontecimentos e viradas aguardadas. Mas não do núcleo central. São os núcleos paralelos que estão dominando a narrativa final da história de Alessandra Poggi. O fato comprova que foram mesmo o maior êxito da novela das seis. E as cenas recentes mostraram o quanto Bárbara Paz e Danilo Mesquita honraram o posto de vilões do folhetim. 


A dupla formada por mãe e filho movimentou a história ao longo dos meses, mas não apenas em cima da equivocada saga de Davi (Rafael Vitti), que tem sido a parte menos interessante da reta final da trama. A vilã tinha em Violeta (Malu Galli) a principal rival por conta de um interesse em comum: o amor de Eugênio (Marcello Novaes). Um triângulo amoroso secundário que rendeu bem mais atrativos que as repetições em torno da cansativa santificação do mocinho.

 Úrsula nunca mediu esforços para atingir seus objetivos e tinha no filho uma arma contra seus opositores. O rapaz era um parceiro e cúmplice perfeito. Enquanto Joaquim transbordava passionalidade, a mãe expunha uma frieza em todos os planos. E os personagens foram bem construídos pela autora.

Tanto que uma dos melhores viradas da história foi a revelação que a vilã não era mãe biológica de Joaquim porque o roubou no passado para enganar o pai de Eugênio. O podre foi exposto com a chegada de Margot (Marisa Orth) na história. Aliás, a troca de ironias entre as personagens eram um show à parte. 

Outro bom desenvolvimento da narrativa foi em cima do processo de humanização de Joaquim, que sempre foi arrogante, grosseiro e fingido. Mas teve um choque de realidade quando viu a mãe matar Abel (Adriano Petermann) na sua frente e foi obrigado por ela a se desfazer do corpo. Ali o personagem percebeu que não era capaz de tudo como a mulher que o criou. O crime virou uma chave e provocou um trauma no rapaz a ponto de despertar gatilhos. Enquanto Úrsula se encaminhava para um futuro cada vez mais sombrio, seu filho, mesmo sem perceber, já procurava outro caminho. Tanto que a cena, exibida nesta quarta-feira (17/08), em que Margot revelou a verdade a Joaquim, ocasionou uma espécie de libertação para o rapaz. O vilão não escondeu o horror que sentia por aquela mulher que o roubou de outra família. "Você me tirou a oportunidade de ter sido outra pessoa", disse ele. 

Os atores protagonizaram várias cenas merecedoras de elogios ao longo da novela, mas a melhor foi a do acerto de contas. Porque os dois personagens ficaram totalmente expostos em suas fragilidades. Não dá para negar que Úrsula amou aquele filho, mas Joaquim não mentiu quando declarou que foi transformado em um monstro, ainda que ele tenha tomado todas as suas atitudes por livre e espontânea vontade, vale ressaltar. A dupla nunca teve caráter, mas havia uma condição de manipulador e manipulado. 

Bárbara Paz já está acostumada a interpretar vilãs. Foram várias e três delas em novelas de Walcyr Carrasco, vide Virgínia, em "Morde & Assopra" (2011); Edith, em "Amor à Vida" (2013); e Jô, em "O Outro Lado do Paraíso" (2017). Sempre se destacou e agora não foi diferente em "Além da Ilusão". Já Danilo Mesquita encarnou seu primeiro malvado, após tantos perfis bonzinhos e corretos (ao mesmo tempo que irritantes). E se saiu muito bem. Mostrou uma nova faceta e só comprovou como é talentoso. Aliás, Joaquim teve mais carisma que todos os mocinhos que ele já viveu. 

A dupla de vilões de "Além da Ilusão" foi muito bem representada e foi um dos êxitos de Alessandra Poggi. Mas Bárbara Paz e Danilo Mesquita merecem grande parte dos créditos. 

16 comentários:

Anônimo disse...

Eles foram muito bons e ofuscaram os mocinhos insuportáveis.

William O. disse...

Ela sabe fazer vilãs muito bem e gostei de vê-lo como vilão pela primeira vez.

Chaconerrilla disse...

Eles arrasaram muito. E as dancinhas comemorativas? Eram muito engraçadas. Só não concordo que Joaquim foi mais carismático que todos os mocinhos que o Danilo interpretou. Nicolau de "Rock Story" era maravilhoso e formava um casal lindíssimo com Luana!

Maria Rodrigues disse...

Excelente análise à performance dessa dupla de vilões brilhantemente interpretada.
Abraços

Pedrita disse...

eu achei muito repetitiva essa trama e sempre eles se davam bem. ocupou espaço demais reduzindo o tempo de oturas tramas bem mais interessantes. mas sim, os dois estavam ótimos. beijos, pedrita

Anônimo disse...

De fato "Além Da Ilusão" foi bem servida de núcleos paralelos, e no que tange aos antagonistas não poderia ser diferente. Bárbara Paz e Danilo Mesquita os defenderam com maestria, assim como Antonio Calloni.

Guilherme

Vinicius disse...

Barbara sempre faz vilãs ou mulheres desequilibradas e faz isso como ninguém sempre se destaca,já danilo mostrou o como talentoso só não concordo que os mocinhos dele são irritantes o único que eu achei irritantes foi aquele valentim daquela novela horrível,mais eu amava o nicolau d gostava do carlos

Anônimo disse...

Merecido destaque para Bárbara Paz e Danilo Mesquita, bem como Antonio Caloni.

Sérgio Santos disse...

Foram excelentes, anonimo.

Sérgio Santos disse...

Idem, William.

Sérgio Santos disse...

Eu adorava tb, chaconerrilla.

Sérgio Santos disse...

Obrigado, Maria.

Sérgio Santos disse...

Isso é verdade, Pedrita.

Sérgio Santos disse...

É isso, Guilherme.

Sérgio Santos disse...

Eu achei todos irritantes, Vinicius... kkk

Sérgio Santos disse...

Concordo, anonimo.