sexta-feira, 11 de junho de 2021

Globo erra feio ao não renovar o contrato de Elizabeth Jhin

 A jornalista Patrícia Kogut noticiou na sexta-feira passada, dia 4, que a Globo não renovou o contrato com Elizabeth Jhin, após 30 anos de parceria. O esquema do fim de contratos longos já é uma realidade na emissora há alguns anos. Poucos têm o privilégio no momento e nem o time de autores escapou. Todavia, o canal comete um erro grave ao dispensar uma autora tão talentosa e que já encantou o público com tantas novelas lindas. 

A escritora trabalhou como colaboradora de vários autores por 13 anos, entre eles Manoel Carlos e Antônio Calmon ---- "Felicidade" (1991); "História de Amor" (1995); "Era uma vez..." (1998); "Andando nas Nuvens" (1999) e "O Beijo do Vampiro" (2002) foram alguns folhetins que contaram com seu trabalho. Foi 'lançada' como co-autora em "Começar de Novo", de 2004, ao lado de Antônio Calmon. A trama foi um fracasso (e merecido), mas a Globo apostou no talento de Jhin e a colocou como autora titular em 2007.

 O primeiro trabalho autoral de Elizabeth foi a ousada "Eterna Magia", dirigida por Carlos Manga e supervisionada por Silvio de Abreu. A produção das 18h tinha como temática a bruxaria e o mundo da magia. O público rejeitou inicialmente a história, mas com algumas adaptações feitas ao longo do percurso a audiência melhorou e o enredo entrou nos trilhos.

Cássia Kiss brilhou como a bruxa Zilda e Irene Ravache foi indicada ao Emmy Internacional por conta de sua atuação na pele da sofrida Loreta. Foi uma boa novela. 

Já em 2010, a autora mergulhou  de vez no universo espírita. Foi o início de uma saga escrevendo folhetins com a temática espiritualista que virou a sua maior marca. "Escrito nas Estrelas" foi um grande sucesso de público e crítica. Protagonizada por Nathalia Dill, Humberto Martins e Jayme Matarazzo, a trama conquistou a audiência com a história da mocinha Viviane (Nathalia), que se apaixonava por Daniel (Matarazzo) e tinha seu amor interrompido em um trágico acidente de carro. A morte do rapaz, no entanto, a fez conhecer o cético Dr. Ricardo (Humberto), pai de Daniel, que era um amor de vidas passadas. Foi uma linda produção que ainda teve algumas referências ao filme "Ghost - do outro lado da Vida" (1990) e outros nomes que brilharam no elenco, como Jandira Martini na pele da cartomante Gilda e Débora Falabella e Zezé Polessa (Beatriz e Sofia) como uma dupla de vilãs hilárias. 

Em 2012, Jhin cometeu seu único equívoco como autora solo. "Amor Eterno Amor" também teve a temática espírita, mas teve muitos núcleos secundários sem função e excesso de personagens. A história também se arrastou em vários momentos e o mocinho vivido por Gabriel Braga Nunes não convenceu. O visual de alguns atores ainda caía no exagero, como a peruca branca de Verbena (Ana Lucia Torre). A novela ainda recebeu a difícil missão de substituir a primorosa "A Vida da Gente" (2011), o que deixou seus problemas de roteiro um pouco mais evidentes. Os poucos acertos foram a vilã vivida por Cássia Kiss (Melissa), o picareta Virgílio (Osmar Prado) e a aposta na então novata Letícia Persiles (Miriam) como mocinha. 

Mas, em 2015, a autora conseguiu viver o melhor momento de sua carreira. "Além do Tempo" foi seu melhor folhetim e a ousadia em apresentar uma passagem de tempo de mais de 150 anos resultou em uma cena que entrou para a história da teledramaturgia: a morte dos mocinhos na primeira fase, no século XIX, e o reencontro, em 2016, em um breve esbarrão no vagão de um metrô. Rafael Cardoso e Alinne Moraes transbordaram química como Livia e Felipe, enquanto Paolla Oliveira e Emílio Dantas deram um show como os vilões Melissa e Pedro. Irene Ravache foi outro destaque na pele da poderosa condessa Vitória Castellini e vale citar ainda nomes como Ana Beatriz Nogueira, Nivea Maria, Julia Lemmertz, Luis Melo, Rômulo Estrela e Carolina Kasting. Um novelão da melhor qualidade, sucesso de público e crítica, e que pode ser reprisado ainda este ano por conta da pandemia. 

A última novela de Jhin foi outro trabalho primoroso. "Espelho da Vida", exibida em 2019, foi tão ousada quanto "Além do Tempo", mas com uma diferença: ao invés da passagem de tempo de mais de 150 anos, a protagonista tinha a possibilidade de voltar ao passado e encarnar sua vida anterior através de um espelho, presente em um casarão abandonado. Cris (Vitória Strada) descobriu a história trágica de Júlia Castelo, sua vida passada, e conseguiu desvendar todo o mistério em torno do assassinato da mulher. O assassino, ao contrário do que todos pensavam, não era Danilo Breton (Rafael Cardoso), e sim o pai da jovem, que a matou acidentalmente. E a mocinha só descobriu tudo isso com a ajuda de André (Emiliano Queiroz), seu filho da vida anterior, que teve tempo de ver sua mãe reencarnar. Um enredo irretocável que misturou espiritismo e realismo fantástico. A audiência foi baixa nos primeiros meses porque parte do público não entendeu a proposta da autora, mas ao longo dos meses a trama deslanchou nos números e teve recordes no Ibope na reta final. Vitória e Rafael emocionaram como mocinhos e vale citar ainda Alinne Moraes (maravilhosa como a vilã Isabel), Irene Ravache, Felipe Camargo, Júlia Lemmertz, entre tantos mais. O folhetim recebeu vários elogios merecidos da crítica. 

Elizabeth Jhin tem apenas cinco novelas como autora solo e ainda tem muitas histórias para contar. Merecia, inclusive, uma oportunidade na faixa das 21h com uma trama espírita e com várias fases, representando várias vidas. Seria uma produção e tanto. Ou então escreveria alguma série com a mesma temática que a consagrou para a Globoplay, por exemplo. A Globo não foi inteligente. A escritora disse já ter duas propostas de trabalho, mas vai descansar por ora. Resta torcer para que esse tempo sirva para a emissora que a lançou reavalie sua péssima decisão. O público agradeceria.

25 comentários:

Unknown disse...

A globo pisou na bola não renovado com ela amo as novelas dela saudades de livipe e junilo

Anônimo disse...

Até agora nao entendi esse absurdo!!!!

Fernanda disse...

QUE SAUDADES DE ALÉM DO TEMPO E ESPELHO DA VIDA!!! GLOBO BURRA.

Unknown disse...

Fiquei chocado com a decisão da globo, e o que foi estranho é que tinha sido noticiado ano passado que ela tinha renovado por 2 anos e estava assistindo filmes para se inspirar para próxima novela
Tomara que volte nem que seja por obra, adoro as novelas dela

Pedrita disse...

eu não consegui acreditar. estou assistindo era uma vez e ela é a principal colaboradora. mesmo sendo uma novela antiga, com texto machista, é claro qd parece ser ela q escreve, os diálogos de algumas mulheres. eu amo as novelas dela. fiquei muito triste. bela homenagem. a globo está indo para os autores conservadores antigos. ousando pouco, infelizmente. beijos, pedrita

Maria Rodrigues disse...

Excelente e esclarecedora crónica.
Bom fim de semana
Araços

FABIOTV disse...

Olá, tudo bem? É a nova política da empresa... Isso atingiu em cheio centenas de profissionais. É o fim de uma era. Abs, Fabio www.blogfabiotv.blogspot.com.br

Chaconerrilla disse...

Nãooooooooooooooooooooooo! Minha autora preferida tem que voltar com mais novelas tipo "Além do tempo" e "Espelho da vida". Eu ultimamente só assisto as obras dela e de Paulo e Rosane. Que tristeza! Queria tanto mais um amor épico que nem Livipe e Junili para manter a esperança viva!!!! Eu comentava com minhas amigas "mal posso esperar pela próxima novela da Jhin". Buááááááááá!

Rajani Rehana disse...

Beautiful blog

Rajani Rehana disse...

Please read my post

piteis da dinha disse...

É amigo, novos tempos na Globo e velhos erros. Que pena!
Que vcs tenham uma semana maravilhosa é o que desejo

Jovem Jornalista disse...

É uma pena mesmo que ela tenha saído da Globo. Gostei de "Escrito nas estrelas".

Boa semana!

Jovem Jornalista
Instagram

Até mais, Emerson Garcia

Clarisse disse...

Não sou fã de novelas com temáticas espíritas mas como a Senhorita Petrida estou vendo a novela Era uma vez e é uma ótima novela

Sérgio Santos disse...

Tb acho, anonimo.

Sérgio Santos disse...

Nem eu, anonimo.

Sérgio Santos disse...

Tb acho, Fernanda.

Sérgio Santos disse...

Eu lembro disso, anonimo.

Sérgio Santos disse...

Concordo, Pedrita.

Sérgio Santos disse...

Beijo, Maria.

Sérgio Santos disse...

Nao com todos, Fabio. abçs

Sérgio Santos disse...

Triste mesmo, Chaconerrilla.

Sérgio Santos disse...

Obrigado, Rajane.

Sérgio Santos disse...

Vc tb, Piteis.

Sérgio Santos disse...

Eu tb, Jornalista.

Sérgio Santos disse...

Entendo, Clarisse.