sexta-feira, 2 de dezembro de 2022

"Mar do Sertão", "Cara e Coragem" e "Travessia" têm algo em comum: a falta de história

 A atual fase novelística da Globo não anda nada boa. A única inédita que vem correspondendo na audiência é "Mar do Sertão", a produção das seis. Já "Cara e Coragem" e "Travessia" patinam nos números. A das sete está a menos de dois meses do seu fim e o fracasso é um fato. Já a das nove ainda está no começo e pode reverter ao longo dos meses. No entanto, é perceptível que os três folhetins têm a falta de enredo como ponto comum. 

"Mar do Sertão" teve um início dos mais promissores com uma trama clássica de vingança. No entanto, o autor resolveu todo o 'plot' com menos de um mês de história no ar. Zé Paulino (Sérgio Guizé) foi dado como morto, teve uma rápida passagem de tempo de dez anos, e o mocinho logo voltou sem nenhuma explicação convincente para o público de como sobreviveu ao longo dos anos e nem como ficou rico. E sua volta não teve nenhum impacto porque os personagens reagiram como se o rapaz estivesse voltando de uma viagem e não saído de uma cova. Não deu para entender a intenção de Mário Teixeira em aniquilar seu enredo de uma forma tão primária. 

Mas então qual o motivo da novela das seis ter uma boa audiência? É fácil explicar. Todos os personagens exalam carisma e a trama tem bastante leveza. O enredo é sustentado por esquetes nos núcleos secundários e parte do público se contenta com isso. Porém, não há um arco narrativo. O conflito central anda em círculos e Tertulinho (Renato Góes) virou um vilão repetitivo que planeja matar Zé Paulino desde a estreia. Vários personagens somem e voltam sem maiores explicações. E o romance dos mocinhos nem tem mais o que caminhar porque Zé e Candoca (Isadora Cruz)  nem demoraram muito tempo separados.

Agora há o conflito raso da mocinha se indignar com a vingança do seu amado. Porém, o protagonista quer se vingar do quê? Ele não sabe até hoje que Tertulinho tentou matá-lo. E se vingar de Tertúlio (José de Abreu) porque seu falecido pai foi demitido pelo coronel beira o ridículo. É difícil explicar qual o enredo que "Mar do Sertão" está contando. Talvez nem o autor saiba. 

E o que dizer sobre "Cara e Coragem"? A novela das sete de Cláudia Souto já despertou desconfianças somente pelas chamadas fracas. E, pouco depois da estreia, a dúvida virou certeza. A autora não foi feliz em sua primeira novela solo, "Pega Pega", exibida em 2017, e a falta de carisma de seus personagens era um dos graves problemas, assim como o completo fiasco do casal protagonista. A repercussão do enredo na época foi praticamente nula, mas a audiência foi excelente, o que virou uma combinação difícil para os críticos explicarem. Apesar dos vários erros, houve um grande acerto: o casal de vilões formado por Maria Pia (Mariana Santos) e Malagueta (Marcelo Serrado). Mas agora, em seu segundo trabalho, a escritora copiou todos os equívocos de sua primeira obra e não conseguiu criar um acerto sequer. 

A novela das sete tem como único plot o mistério envolvendo o assassinato de Clarice (Taís Araújo), que nem assassinato foi já que ela forjou a própria morte. Não há mais nada a ser contado. Qual o roteiro de "Cara e Coragem"? A vida dos dublês representados pelos insossos mocinhos Pat (Paolla Oliveira) e Moa (Marcelo Serrado)? Os núcleos paralelos são repletos de situações desinteressantes protagonizados por perfis sem alma. E a ausência de carisma de todos os personagens impressiona. É uma novela que dispersa a atenção do telespectador com facilidade. E o único mistério da trama é a identidade do sujeito que tentou matar Clarice. Ainda assim, é bastante óbvio que Danilo (Ricardo Pereira), o maior vilão do roteiro, foi o autor do crime. O pior é que o folhetim terá quase 200 capítulos porque a Globo resolveu esticá-lo antes mesmo da estreia para que a substituta não estreasse no final do ano, período de baixa audiência. Ou seja, só acaba em janeiro de 2023 e não tem nada de relevante para acompanhar na história. 

Já "Travessia" ainda está em seu início e tem tempo de melhorar os índices de audiência, assim como o roteiro. No entanto, parece que Gloria Perez está perdida. A autora começou sua trama focando excessivamente em Chiara (Jade Picon), que parecia a protagonista. E ainda colocaram uma pessoa que nunca atuou na vida para segurar um papel de grande importância. Óbvio que não daria certo. Depois a escritora passou a focar na sua real protagonista, Brisa (Lucy Alves), que foi vítima de uma fake news. Só que a questão foi muito mal desenvolvida porque o crime foi cometido por um adolescente frustrado, o que impossibilita qualquer vingança da mocinha. E foi uma abordagem rasa para um problema tão sério do país. Tanto que atualmente o fato nem é mais citado. Só que sem esse tema fica impossível entender qual o arco narrativo da novela. O que está sendo contado? Porque não há conflitos que movimentem o roteiro. Os núcleos paralelos até agora não apresentam acontecimentos que prendam alguém diante da televisão. A rivalidade das irmãs Guida (Alessandra Negrini) e Leonor (Vanessa Giácomo) por conta de Moretti (Rodrigo Lombardi) se esgotou em uma semana. E quem é Moretti afinal? É um psicopata? Ele quer se vingar do Guerra (Humberto Martins)? E daí? E Brisa? O conflito da protagonista vai se resumir em disputar a guarda do filho com Ari (Chay Suede)? Até quando o embate pode durar? E parece que para por aí. Não há mais nada na história. Os poucos acertos até agora têm sido o romance de Brisa e Oto (Romulo Estrela) e o trio formado por Creusa (Luci Pereira), Helô (Giovanna Antonelli) e Stênio (Alexandre Nero), vindos de "Salve Jorge" (2013), outra novela problemática da autora. 

Os três folhetins atuais da Globo vêm decepcionando no quesito roteiro. A melhor novela inédita da emissora é "Todas as Flores", de Joao Emanuel Carneiro, exibida exclusivamente no Globoplay. Já o trio que vem ocupando a grade da líder não está com muita história para contar. Uma pena.

31 comentários:

Anônimo disse...

Três novelas muito fracas.

J.P. Alexander disse...

Gracias por la recomendación, se ven interesantes. Te mando un beso.

Anônimo disse...

Endosso todo o seu texto, Sérgio. É nítida a fragilidade dos enredos dos três folhetins em exibição na Globo. E, às vezes, a questão da assinatura dos roteiros soa como um prenúncio sobre a qualidade (ou a ausência dela) do desenvolvimento das narrativas de determinadas obras. Em se tratando da quantidade de capítulos, já se sabia que "Cara E Coragem" ficaria por mais meses no ar do que de costume para não prejudicar "Vai Na Fé" em audiência próximo ao período de festas de fim de ano, apesar de não honrar em momento algum a sua longa permanência na grade de programação. Mas para "Mar Do Sertão", amparada em esquetes, e "Travessia", que até então parece conter tramas em looping, seria mais sensato ambas contarem com um total de 143 capítulos, pois provavelmente não chegarão ao fim com atrativos suficientes para fidelizar um público ávido por acompanhar histórias que primam pelo apuro dramatúrgico, e não apenas pelo estético.

Guilherme

chica disse...

Que pena quando tantos investimentos ,tantas expectativas e não emplaca.... abração, ótimo fds! chica

Marly disse...

Oi, Sérgio,

Embora a gente saiba que o pilar de sustentação dos folhetins é mesmo o enredo, me ocorreu agora que deve faltar algo mais nesses três. É que me lembrei da série estadunidense 'Seinfeld' que, versando sobre nada, fez um grande sucesso. Sei que não são trabalhos comparáveis, mas é coisa para se pensar, né?

Beijo e bom fim de semana (e obrigada pelos votos de recuperação da Covid)

Catiaho Reflexod'Alma disse...

Sabe Sérgio,
Lamento muito que esteja
tudo como seu texto diz, pois
o entretenimento fica longe do
objetivo que é nós distrair
ou nos abrir os olhos para algo.
Aliás te pergunto como Ser informado s sabe
algo a respeito de nenhum trabalho com
Regina Duarte poder ser reapresentado na Globo?
Isso é real é fale news?
Bjins de gratidão por seu
Blog tão necessário e
Expressivo.
CatiahoAlc.

FABIOTV disse...

Olá, tudo bem? Parece que a TV Globo desaprendeu a produzir telenovelas... Abs, Fabio www.blogfabiotv.blogspot.com.br

Maria Rodrigues disse...

Análises sempre pertinentes e esclarecedoras.
Para alcançar o público os programas têm de ter conteúdo.
Bom fim de semana
Abraços

- R y k @ r d o - disse...

Em Portugal passam ou já passaram diversas novelas da Globo. Gostei da análise.
.
Feliz fim de semana … Saudações poéticas.
.
Pensamentos e Devaneios Poéticos
.

Fatyma Silva disse...

Olá, Sérgio!
Não lembro de Cara e coragem, mas Mar do Sertão, pelo nome era pra ser uma boa novela, mas está muito chata, como diz o sertanejo, tá sem pé nem cabeça!
Travessia, tem muito o que melhorar, para o horário!

Tenha um bom final de semana com muitas alegrias.

Um abraço

recomenzar disse...

cADA DIA LEO MENOS EN LIBROS sOLO NOTICIAS Y nETFLIX

Maurício disse...

Só acompanho Travessia e endosso a crítica, Sérgio. A novela tem um ótimo elenco e perfis com potencial para folhetim, como as irmãs Guida e Leonor, mas por algum motivo não deu liga, parece que Glória não sabe o que fazer com os personagens que criou e nada sai do lugar. A novela parece um amontoado de cenas soltas com pouca coesão. Não tem emoção, não tem tensão, não tem mistério, não tem suspense, não tem catarse, não tem uma única cena memorável! Gosto do casal Brisa e Oto, mas eles têm pouco tempo de tela juntos, sinto que a química dos atores é desperdiçada em uma trama tão rasa e mal escrita. As situações de conflito são forçadas, como essa entre Oto e Moretti por causa de Brisa. Para embarcarmos nessa rivalidade, penso que seria importante ter apresentado o início da relação dos dois, que vai além de trabalho, já que Oto foi praticamente “adotado” por Moretti, mas isso só foi mencionado em cenas rápidas! O telespectador fica perdido. Se Brisa é mesmo filha de Guerra, como especula-se, por que não começaram a contar a história a partir do nascimento dela para o telespectador ter a expectativa da grande virada da novela? Pra narrativa ter um fio condutor claro, que é a descoberta da paternidade da protagonista, o que mudaria completamente a vida dela? Pelo contrário, Brisa praticamente só foi aparecer na novela ao final da primeira semana com esse plot mal alambrado da deepfake! Um total descaso. Creio que começar a contar a partir do nascimento de Chiara foi um erro porque a descoberta sobre o verdadeiro pai biológico dela não gera reviravolta alguma, é uma patricinha rica descobrindo que é filha de outro rico. Mas se essa expectativa fosse transferida para Brisa, haveria a perspectiva de virada da mocinha, de vingança contra Ari e Nubia, de mudança real de vida.

Tenho a impressão de que a trama foi estruturada dessa forma porque quiseram forçar demais os personagem de Picon e Chay no início pra criar polêmica e fisgar caprichete de casal, mas foi um fiasco e agora temos uma novela completamente esvaziada de história, em que o telespectador menos ligado aos spoilers não consegue esperar nada. Espero que fique a lição pra Globo de que não adianta tentar fisgar o telespectador pela polêmica vazia em detrimento de contar uma boa história, com uma espinha dorsal bem delineado e uma trama central forte que gere expectativa de reviravoltas.

Teresa Isabel Silva disse...

Passando para desejar um bom domingo!

Bjxxx
Ontem é só Memória | Facebook | Instagram | Youtube

Anônimo disse...

Só pelos logotipos(?) dessas novelas se percebe que a Globo não é mais a mesma, mas nem é culpa da emissora em si, os tempos mudaram, os atores/atrizes de hoje são fracos, os autores idem, falta criatividade, entusiasmo, falta tudo. Até as músicas se pararmos pra pensar, ou são regravadas ou usadas músicas das décadas passadas, o seja, falta emoção em tudo. O negócio é assistir as novelas dos anos 80 e 90 como a incrível e perfeita Bambolê que está passando no Viva e Força de Um Desejo.

Sérgio Santos disse...

Uma pena, anonimo.

Sérgio Santos disse...

Abçs, JP.

Sérgio Santos disse...

Exato, Guilherme, no minimo tinham que ser mais curtas.

Sérgio Santos disse...

Sim, Chica...

Sérgio Santos disse...

FFica bem, Marly!!!!

Sérgio Santos disse...

Fico honrado, Catiaoho.

Sérgio Santos disse...

Puxado, Fabio.

Sérgio Santos disse...

Obrigado, Maria.

Sérgio Santos disse...

Abçs, Rykardo.

Sérgio Santos disse...

Perfeito, Fatyma.

Sérgio Santos disse...

Ok, recomenzar

Sérgio Santos disse...

Que excelente comentário, Mauricio. Assino embaixo.

Sérgio Santos disse...

Bjs, Teresa!

Sérgio Santos disse...

Os logos também são bem ruins, anonimo.

aquele Lucas disse...

É triste ver a queda de qualidade

Jovem Jornalista disse...

Gostei muito da sua reflexão e ponto de vista.

Boa semana!

O JOVEM JORNALISTA está de volta com muitos posts e novidades! Não deixe de conferir!

Jovem Jornalista
Instagram

Até mais, Emerson Garcia

Anônimo disse...

Mar do sertão é otima❤