terça-feira, 1 de julho de 2014

Beijo de Clara e Marina na novela "Em Família" comprova que o tabu foi quebrado em "Amor à Vida"

Nesta segunda-feira (30/06), foi exibido na novela "Em Família" um selinho entre Clara (Giovanna Antonelli) e Marina (Tainá Muller). A fotógrafa pediu a namorada em casamento, as duas se emocionaram e trocaram um beijo que deixou muito a desejar. Pareciam duas amigas e não um casal. A cena foi fraca e sem emoção. Porém, as atrizes não tiveram culpa e se saíram muito bem no que foi proposto, pois o problema do par se deve exclusivamente ao autor, que não soube desenvolver a história adequadamente. Impossível se envolver com este romance. Clara se comporta feito uma adolescente boba e Marina se mostrar romântica depois de ter ficado evidente que ela era uma mulher prática, e até excessivamente sexual, não deu para engolir.


E em relação ao beijo, segundo Manoel Carlos, este foi o mais 'leve'. O de maior intensidade será exibido ao longo dos próximos capítulos da trama. Mas deixando a questão do casal 'Clarina' de lado, é preciso constatar que um dos maiores tabus que cercavam as novelas da Globo foi quebrado definitivamente por "Amor à Vida", através do sucesso do par Félix (Mateus Solano) e Niko (Thiago Fragoso), que arrebatou o público. O beijo exibido no último dia da história de Walcyr Carrasco foi antológico, emocionante, e ainda serviu para acabar de uma vez (pelo menos é o que se espera) com a inútil polêmica que assombrava todo romance homossexual na ficção.

Voltando no tempo, por exemplo, pode-se afirmar com toda convicção que Clara e Marina morreriam na inesquecível explosão do Shopping em "Torre de Babel" (1998). Na época, o casal lésbico formado pelas atrizes Silvia Pfeifer e Christiane Torloni, que interpretavam Leila e Rafaela, foi rejeitado pelo público, 'obrigando' Silvio de Abreu a matá-las no atentado, junto com alguns outros perfis que não foram bem aceitos.
Como o casal homossexual de "Em Família" não caiu no gosto popular, ainda que tenha uma forte torcida na internet, não seria surpresa se viessem a morrer em outra época. Mas o beijo ajudou a mostrar a evolução da mentalidade na teledramaturgia e dentro da própria Globo, que chegou a censurar a exibição do beijo gay em "América" (2005).

Afinal, mesmo quando é rejeitado pelo telespectador em uma obra de ficção, um casal hétero não deixa de se beijar por causa disso. Portanto, a atitude do autor foi válida, mesmo o par gerando tantas controvérsias. E todo o tratamento foi dado com naturalidade. Não houve mistério algum e imagens da cena chegaram a ser exibidas no site Gshow com antecedência, como se fosse um casal qualquer --- mas claro que houve a intenção de promover a novela também, vale ressaltar. O intuito, aliás, é justamente este: acabar com a classificação 'beijo gay' e que vire algo corriqueiro (sem alarde ou polêmica) na ficção, como ocorre na vida real. Até porque cada um é dono da sua própria vida.

E é sempre bom lembrar que o primeiro beijo entre mulheres foi ao ar em "Calúnia" (1963), teleteatro exibido na TV Tupi, onde as protagonistas do gesto de carinho foram as atrizes Geórgia Gomide e Vida Alves. Em 2011, o SBT também exibiu um beijo lésbico em "Amor & Revolução", através das personagens interpretadas por Gisele Tigre e Luciana Vendramini. O Maneco até tentou exibir um selinho em "Mulheres Apaixonadas" (2002), dado por Clara (Alinne Moraes) em Rafaela (Paula Picarelli), mas a cena não pode ser considerada já que as personagens encenavam uma peça de teatro, onde uma estava vestida de Romeu e a outra de Julieta.

Mas o beijo que quebrou de fato um grande tabu foi o de "Amor à Vida", até mesmo por ter se tratado de dois homens. E, como se observa em "Em Família", o beijo do casal Félix e Niko foi benéfico para os demais autores da emissora, que poderão abordar esta questão com maior naturalidade, caso a Globo continue seguindo pelo caminho do 'não-preconceito'. Até "Império", que estreará dia 21 de julho, tem boas chances de se beneficiar desta nova 'fase' da teledramaturgia ---- ainda que o autor Aguinaldo Silva tenha dito que jamais teria beijo entre duas pessoas do mesmo sexo em suas novelas ----, uma vez que haverá um casal gay, composto por um personagem (interpretado por José Mayer) casado com uma mulher, que tem um romance de anos com um rapaz bem mais jovem (vivido por Klebber Toledo). Ou seja, este tema tem tudo para ser uma página virada o quanto antes.

O selinho de Marina em Clara (que não alterou em nada a baixa audiência da novela) acabou confirmando o êxito da exibição do beijo do vilão regenerado em seu 'Carneirinho', na trama de Walcyr Carrasco, 'liberando' as outras produções da Globo a fazerem o mesmo caso haja algum casal homossexual na história. E resta torcer para que no futuro, não muito distante, finalmente seja encerrada a temática 'beijo gay' em folhetins; até porque em séries (nacionais e internacionais) esta questão já acabou há tempos. Chegou a hora de mudar de assunto e enterrar esta 'polêmica' de vez.

55 comentários:

Anônimo disse...

Foi quebrado e aquela novela faz falta. E eu critiquei tanto que me arrependo! Mas esse beijo aí foi uma porcaria!

Flávia disse...

Sérgio, parece mesmo que Amor A Vida deu um fim a esse tabu, mas o beijo das duas foi frio, sem graça e sem emoção como você bem colocou. Casal péssimo! bjk

Thallys Bruno Almeida disse...

Em qualquer dos dois casos, acho que se deu valor demais pra um gesto tão simples (tanto por parte de quem defende quanto por parte dos setores que criticam). Não acho que um simples beijo seja a grande solução de toda essa problemática. Os dois episódios do Pé na Cova trouxeram uma crítica social a uma coisa bem mais completa nesse sentido do respeito à diversidade e eu não vi a mesma repercussão, o que é uma pena.

Meu medo em Império é o fato do autor ser chegado numa caricatura, mas o personagem do Zé Mayer é válido porque Aguinaldo sempre lhe deu tipos diferentes do pegador-de-meia-idade.

E acho que não tem necessidade nenhuma de ficar eternamente comparando o beijo Clarina com o de Félix e Niko. Isso cansa. Vou falar só do de agora, que foi realmente bem abaixo do que se esperava, apesar de as duas atrizes terem mandado bem como sempre.

Só acho que além do erro do Maneco de desenvolver mal as personalidades delas, tem também uma outra coisinha que tb contribui pra rejeição: a própria torcida "clarina" que fica dizendo que qualquer crítica simples ao par é homofobia. Sem contar que elas enchem a boca pra dizer que Alinne Moraes "jamais conseguiria ser tão boa" como Tainá Muller. Têm bola de cristal por acaso?

✿ chica disse...

Foi uma cena que em nada convenceu. Pareciam bobocas! Sei lá! Não gostei. Ainda estou esperando um fato que empolgue.Já que assisti até aqui, quero ir até o fim,rs


abração,chica

Letícia disse...

Boa noite meu caríssimo Sérgio, tudo bem?

Pois é, acredita que no momento em que passava a cena, eu tive que sair da frente da TV para resolver um problema cotidiano e quando voltei já havia passado, fazer o quê. Ainda bem que temos a internet e acabei vendo hoje no site da novela, e para ser bem honesta, não teve emoção nenhuma... Por outro lado houve o ganho de ser tratado como algo rotineiro, ainda bem... Interessante que tenha sido agora e não no final, como aconteceu em Amor a vida (que foi maravilhosamente antológico, que saudades do Félix e do Niko).
Já disse outras vezes aqui, realmente o autor não soube desenvolver a estória do Cadu, Clara e Marina... Para mim, seria interessante se houvesse sim o interesse da fotógrafa pela dona de casa, porém a moça foi para cima da personagem da Antonelli e maneira muito invasiva desrespeitando a relação que a moça tinha... Se ela tivesse o interesse e respeitasse, e a Clara se sentisse balançada e tendo uma relação bacana com o marido, ficaria na dúvida, mas sabia que já tinha era bom, e mesmo assim se sentiria atraída pela fotógrafa. Mostrar tanto o Cadu, como a Marina como alguém que realmente valesse a pena ficar e assim a disputa seria mais justa... Porém o autor optou por forçar a barra e acabou criando um casal insosso, sem emoção... E certamente a culpa não é das atrizes, já que a Antonelli é uma atriz maravilhosa e com carisma suficiente para se destacar e a Tainá Muller é linda e talentosa também... Confesso que antes até torcia para o Cadu voltasse com a Clara, porém agora... Quem você prefere, a Sílvia ou a Verônica? Eu ainda não escolhi minha favorita... Elas também não me entusiasmo muito...

Um abraço meu caro Sérgio e uma excelente semana...

Anônimo disse...

Amor á Vida faz muita falta Felix e Niko mais ainda, foram eles realmente que quebraram esse tabu, mas não gostei do par Clara e Marina

Maxxi disse...

Sérgio, concordo com a Letícia, embora o beijo tenha sido frio, sem romance, devido a péssima história que o autor construiu e a evidente falta de traquejo do Monjardim para cenas do tipo, o fato de ter soado comum foi benéfico ao tabu. Pena que o comportamento da Globo em antecipar a cena tenha sido considerado como "desespero". Espero ver novas cenas do tipo na teledramaturgia.

Ah, nao confio no Agnaldo! Acho que não vai ter beijo e pronto. Agnaldo prefere ir pela onda do escárnio (vide Bernardinho de Duas Caras e Crô), esteriopando o personagem, colocando o gay no núcleo cômico. Por isso, não assisto mais a suas novelas. (Torço pelo evidente fracasso de Império).

E Sérgio, imploro por um post sobre Geração Brasil, preciso desabafar com urgência sobre o que estou achando do desenvolvimento dessa novela que tanto prometeu e não aconteceu. É o que sugiro.

Bell disse...

Achei sem graça, até pq houve um capitulo com uma cena, onde as duas dormiam juntas. Como não rolou nenhum beijo?
Acredito que teria sido o melhor momento.

Tenha um ótimo mês =)


F Silva disse...

Algo a comentar...

Eu penso um pouco diferente.

Sérgio, sinceramente, espero que beijos gays não se tornem frequentes na teledramaturgia.

Os beijos entre um homem e uma mulher são muito mais agradáveis de assistir, pois a masculinidade e a feminilidade se completam de de uma forma incomparável.

A questão da homossexualidade deve sim, ser abordado na teledramaturgia de forma muito natural.

Porém...

Não será nada agradável ver uma mulher dar um "chupão" daqueles em outra mulher, e a mesma coisa os homens com homens.

Walcir Carrasco e Wolf Maia acertaram com o beijo entre os personagens de Mateus Solano e Thiago Fragoso Em "Amor à Vida". A cena foi muito bem concebida e o beijo modesto foi terno e carinhoso.

Eu assisti um entrevista do Aguinaldo Silva no Roda Viva, e ali ele disse que no resultado de uma pesquisa feita pela Globo, a maioria do público brasileiro não gostaria de ver beijos entre pessoas do mesmo sexo. Grande parte das pessoas que acompanham as novelas são religiosas e guardam os conceitos cristãos. E elas também devem ser respeitadas.

O beijo gay de "Amor à Vida" prova que é possível achar espaço para a moderação.

Um grande abraço...

OX disse...

Sérgio, esse casal foi um grande fiasco assim como toda novela. Mas o tal beijo (não vi e não posso opinar, mas pela foto achei forçado) entre Clara e Marina só foi dado por causa de Amor à Vida e você faz muito bem em fazer uma comparação. Aquele beijo do Félix e Niko será sempre a referência e duvido que superem. Pela primeira vez vimos o público praticamente exigindo um beijo gay. Histórico.

Agora não deu certo, mas mesmo assim teve beijo. Menos mal, o tabu foi quebrado de fato. E achei interessante você falar da Torre de Babel. Elas morreriam naquela explosão mesmo, não tenho dúvidas.

Muito boa sua crítica. Um abraço!

Anônimo disse...

Não trate como Félix e Niko quem nasceu pra ser Clara e Marina. Jamais serão! Mt boa a crítica!

Gustavo Nogueira disse...

Oi Sérgio.Gosto da Giovanna Antonelli e Thainá Muller como atrizes, mas odeio as personagens que ambas interpretam na novela e do núcleo delas.As duas não combinam juntas na minha opinião, são muito sem graça e a trama delas anda em círculos e as próprias personagens não despertam interesse, pela falta de carisma e também como a trama foi desenvolvida.Nem vi a cena do beijo das duas, então não posso julgar a cena.Mas de tudo que vi, posso dizer que essas personagens foram uma perda de tempo na carreira de Giovanna Antonelli e Thainá Muller.As duas logo serão esquecidas.

Anônimo disse...

Pra mim isso foi desespero da Globo pra aumentar a audiência. Mas concordo sobre a evolução em relação ao beijo gay. Detesto o casal Clarina com sua história patética. Pra mim estragaram as personagens.
Em relação à Império duvido que tenha beijo gay, mas isso é o de menos. Só sei que tem muita gente torcendo contra Império por causa do Aguinaldo.

Melina disse...

Sérgio, querido, não vi o beijo mas lendo sua crítica e os comentários, percebo que fiz muito bem. Esse casal lésbico é um grande erro e só faz sucesso mesmo entre as talifãs da internet, oriundas daquele clã-clanessa.

Quer dizer que a tal fotógrafa que deu em cima descaradamente de uma mulher casada sem se importar com nada agora virou uma romântica? Depois era o Walcyr que mudava a personalidade dos personagens...

E falando nele, realmente Félix e Niko quebraram um tabu e é bom constatar isso. Tomara que acabe mesmo esse papo de beijo homo porque ninguém aguenta mais esse assunto. Que fique algo normal em novelas porque assim acaba essa eterna discussão. E é verdade, mesmo um casal hétero rejeitado se beija, então nada mais normal do que um homo se beijar também. Mas que esse par foi um fiasco, não se pode negar.

E as chamadas de O Rebu, Sérgio? Ansiosa. Um beijo.

Fernanda disse...

Ótima crítica. Esse beijo só aconteceu por causa do sucesso da novela anterior. Caso contrário seria impensável, até porque o par foi amplamente rejeitado e teve uma história totalmente irreal e forçada. Mas se até esse par lésbico rejeitado teve um beijo (e segundo você terão outros até o final), com certeza o tabu foi quebrado em Amor à Vida, que entrou para a história, para o desespero de quem odiou a novela e quer apagar esse feito fingindo que foi algo sem importância.

Não sei se em Império haverá beijo, porque aí já inclui também o fato de ser um homem bem mais velho com um novinho, mas se tiver será o fim definitivo dessa polêmica. E daqui a pouco os beijos serão dados desde o início e não só no final da novela. Estou otimista? Talvez, mas o Walcyr deixou um legado mesmo. Mérito dele.

Anônimo disse...

Essa novela conseguiu o feito de errar em todos os quesitos até no casal homossexual, que virou uma espécie de cota em novela. Salve Jorge afundou a audiência de Avenida Brasil e agora Em Família afundou a audiência de Amor À Vida.

Andressa Mattos M. disse...

Sérgio, parabéns, mais uma crítica precisa. Concordo integralmente. Esse casal não funcionou, a cena foi sem emoção, mas o beijo só aconteceu por causa do sucesso de Félix e Niko, em Amor à Vida, que conseguiu quebrar um tabu histórico na teledramaturgia. Foi apenas um passo mas que significou uma caminhada para as demais e posteriores novelas. Adorei o texto. Bjs!

Anônimo disse...

Casal pessimo e beijo idem! Depois da ótima Amor à Vida deveriam ter colocado Império e não isso.

Thiciane D. disse...

Olha Sérgio, sempre comento aqui e costumo concordar com você em vários pontos, mas hoje não concordo com a sua posição com relação ao casal Clara e Marina. cada um claro, tem sua opinião. Na minha, apesar de alguns deslizes cometidos pelo autor na história, o casa feito por Giovanna e Tainá foi o único acerto nessa novela! Foi aliás, o único casal por que eu consegui torcer! As duas tiveram muita química, e a cena do beijo delas pra mim pelo menos, foi muito mais convincente e romântica do que a de Félix e Nico. Claro, essa é a minha opinião! As duas aliás, conseguiram reunir um grupo enorme de torcida (principalmente nas redes sociais), o que não é fácil de se ver por aí. Conheço gente que comenta sobre Clarina até fora do Brasil. A cena do beijo foi delicada, sensível e muito bonita! Fiquei feliz que não resolveram deixar para o último capítulo, e fiquei feliz de saber que ainda terão mais dois beijos vindo por aí! As duas foram muito aceitas pela grande maioria do público, o que é muito bom, mostra que as pessoas estão conseguindo respeitar mais a diversidade..o casal realmente rejeitado nessa novela foi Luiza e Laerte. A novela já está próxima de acabar, e daqui a alguns anos quando alguém falar nessa novela, a única coisa que eu me lembrarei dessa trama é de Clara e Marina.

Mauro M. disse...

Concordo com todo o texto, sem tirar nem por. O casal foi amplamente rejeitado pelo público que não faz parte desses fãs-clubes de internet e o beijo só ocorreu por causa de Félix e Niko. Mas eu gostaria de fazer coro com outro comentarista que te pediu pra escrever sobre Geração Brasil. Queria ler sua opinião sobre essa novela que virou uma grande decepção. Tá ruim demais.

Angelina disse...

Não entendo como gostam do Manoel Carlos! Há anos me pergunto: Só eu sou diferente?

Fabrício disse...

A cena deixou muito a desejar para não dizer que foi péssima. Sem emoção, tudo forçado e irreal. Como pode aquela frescura toda pra dar um selinho sendo que de acordo com a novela elas já até transaram? Teve gente que gostou disso tirando as fãs Clarinas parceiras das fãs Clanessas? Com certeza não. Como disse o Maurício Stycer, esse beijo não significou nada. Muito boa sua crítica, Sérgio. Félix e Niko deixaram um legado e o casal de sucesso foi responsável por esse beijo do casal fracassado.

Lilly Silva disse...

Acho que o manuel Carlos já foi mais criativo, mas enfim está valendo pela quebra de tabu, que eu particularmente sempre aprovo!
Vi seu blog no top comentaristas do blog do Felisberto e vim conhecer.Já fiquei por aqui!!!
Bjins

http://simplesmentelilly.blogspot.com.br/

Manu disse...

Nem se compara. Casal sem química nenhuma. Vanessa e Marina tem mais química que Clara e Marina.
Fora o jeito deprimente que a Marina se insinuava para a Clara. Uma mulher que se mete dentro da sua familia e usa disso para tentar destruir um cansamento é nojento. Ali já começou errado.
Esse beijo foi tão sem graça que quem fez o drama foi a torcida Clanessa, porque fora isso ninguém deu a minima. E Felix e Niko vieram com força total para o twitter sem precisar de torcida levantando tag de maneira forçada.
Nem os homofóbicos deram muita bola pra o tal beijo.

Sérgio Santos disse...

Faz falta msm, anônimo.

Sérgio Santos disse...

O casal não emplacou mesmo, Flávia, mas ao menos o tabu parece que foi msm quebrado. bj

Sérgio Santos disse...

Thallys, no caso de Amor à Vida n]ao se deu uma importância demasiada simplesmente porque era um tabu que estava prestes a ser quebrado e no horário nobre. E foi. Quanto as comparações, já falei tudo o que era necessário e não vou me repetir, mas isso sempre haverá e ignorar seria hipocrisia, já que esse beijo só ocorreu por causa do anterior.

Pé na Cova já teve beijo gay, mas a série é um escárnio, então a repercussão foi bem menor,além de que, como eu coloquei no texto, esse tabu já foi quebrado há mt tempo em séries. A própria Doce de Mãe teve beijo gay e ninguém falou nada.

Realmente, tem alguns talifãs que fazem qlq um perder a paciência e acabar pegando raiva de determinado personagem ou ator/atriz, mas não tenho mt o que falar de Clarinas pq como comentei pouco dessa novela poucas vieram me encher. E algumas que falaram foram educadas.

Sérgio Santos disse...

A cena em si não convenceu msm, Chica, pq o par não convenceu. Vc não desiste nunca, hein. rs bj

Sérgio Santos disse...

Olá, minha cara Letícia. Pra variar um pouquinho, onde eu assino? Concordo com tudo e o desenvolvimento desse trio foi muito mal elaborado. Marina deu em cima da Clara de forma descarada e invasivo mesmo. Depois virou uma romântica? Romanticos não fazem isso. Como engolir? E Clara irritou com essa sua cara de pau de ficar enrolando os dois por tanto tempo e bancando a vítima incompreendida...

Olha, eu prefiro de longe Cadu e Verônica. Até escrevi um texto sobre esse casal. Vc nem viu, né? Chateado com vc. rs Bjão!

Sérgio Santos disse...

Faz muita falta, anônimo!

Sérgio Santos disse...

Maxxi, ao menos o tabu está sendo quebrado e Amor à Vida deixou um legado pra teledramaturgia.

Em Império não deve ter mesmo e o próprio autor voltou a declarar que 90% do público não quer ver beijo gay, ou seja, ele não deve colocar.

E não precisa mais implorar, escrevi o post sobre GB. Confesso que nem ia escrever tão cedo, mas me pediram aqui e lá no Twitter tb, então pronto. Feito. abçs

Sérgio Santos disse...

Exato, Bell. Ficou estranho tanta demora pra um selinho sendo que, teoricamente, já transaram. bj

Sérgio Santos disse...

Mas, F Silva, chupão muitas vezes é desagradável de se ver até em um casal hétero. Tanto que quase nunca tem esse tipo de beijo. Mas acho que, caso o beijo gay seja visto a partir de agora como algo natural, será sempre dessa forma mais suave. Isso se tiver, o que eu acho que terá por causa de Amor à Vida. Abç

Sérgio Santos disse...

Mt obrigado, OX. Foi histórico mesmo. E será sempre lembrado. Pois é, resolvi falar de Torre de Babel porque se as duas estivessem naquela novela na mesma época morreriam na explosão. Abçs

Sérgio Santos disse...

Obrigado, anônimo.

Sérgio Santos disse...

Gustavo, tb gosto mt da Giovanna e da Tainá, mas as personagens foram mt mal construídas. Isso ainda lembrando que Clara no início se vestia feito uma adolescente tonta. Aliás, Giovanna ganhou a excepcional Capitu do Maneco, mas depois só ganhou bomba dele. Em Viver a Vida e agora.

Sérgio Santos disse...

Anônimo, claro que foi, não somos bobos. Mas ainda assim, em outra época, não teria isso nem que fosse pra aumentar audiência. Já é uma evolução. Eu acho que Império promete ser bem boa, mas não sei.

Sérgio Santos disse...

Pois é, Melina, engraçado, né? E olha que em Amor à Vida nem teve isso. Eram críticas sem o menor fundamento e pegaram o Ninho como bode expiatório, desconsiderando que ele sempre foi um grande babaca.

E o beijo de agora foi sem graça, mas ao menos teve, confirmando a quebra do tabu. E não é? Qd um casal hétero da ficção é rejeitado não deixa de se beijar, portanto, normal...

As chamadas de O Rebu estão fantásticas. De tirar o fôlego. Mt ansioso tb. bjs

Sérgio Santos disse...

Obrigado, Fernanda. Exato, se não tivesse tido beijo graças ao sucesso de Félix e Niko, com toda certeza nesse caso não teria beijo nunca. Um caso está interligado no outro. E foi um legado mesmo. bjs

Sérgio Santos disse...

Pior que é verdade, anônimo, essa novela tinha todas as chances de acertar, mas Maneco errou em todas. Dá até raiva pq ele é um grande autor.

Sérgio Santos disse...

Nossa, mt obrigado, Andressa. De verdade. bjs

Sérgio Santos disse...

O casal não deu certo msm, anônimo.

Sérgio Santos disse...

Thiciane, sem problema discordar. Até porque discordar não é ofensa alguma. Mas eu realmente não acho que esse casal tenha tido um bj mais romântico que Félix e Niko, até pela situação que as envolvem. Não deu pra esquecer a forma como Marina se jogou pra cima da Clara e mt menos o tempo que Clara ficou bancando a tonta e pensando no que iria fazer. E demorar tanto pra dar um selinho levando em consideração que elas já até transaram ficou irreal. Mas respeito sua opinião e o fato de vc ter amado o par.

Mas o casal não teve a aprovação da grande maioria do público, não. Foi rejeitado. Não do nível que Luiza e Laerte foram, mas tb teve rejeição. Porém, sim, claro, teve um bom e forte fã-clube tb. Mas não representou a maioria. Até Luiza e Laerte tinham fã-clube, pra vc ter uma ideia. Bjsssss

Sérgio Santos disse...

Obrigado, Mauro. E já escrevi sobre Geração Brasil, tá novinho o post. abçs

Sérgio Santos disse...

Angelina, eu era fã do Maneco e ele estava na minha lista de autores preferidos até Viver a Vida. Em Páginas da Vida ele errou, mas na época cheguei a pensar que era só um deslize, mas aí veio Viver a Vida e acabou de vez. Ele perdeu a mão, o que é uma pena.

Sérgio Santos disse...

Apesar das atrizes terem feio o que podiam, a cena deixou a desejar mesmo, Fabrício. Abç

Sérgio Santos disse...

Bem vinda, Lily! =))) bj

Letícia disse...

Oi meu caro Sérgio, tudo bem? kkk

Eu sabia que tinha esquecido de ler algo... kkk. Mas não lembrava o que era... Era o seu post da semana passada... Eu já li, bjs... kkkk

Até mais...

Letícia disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Ricardo disse...

O casal é tão fraco que raramente entram para os assuntos mais comentados no twitter espontaneamente. Nesse dia mesmo, só entraram por causa dos talifãs. Ate a cena do Cadu beijando Silvia e Veronica, levou Cadu naturalmente para os treddings topics. E realmente, Marina é quase uma periguete um pouco mais refinada e do nada virou romantica. Tenha dó.

Sérgio Santos disse...

Ah, que bom que leu agora, cara Letícia. rs bjssss

Sérgio Santos disse...

Pois é, Ricardo, ficou forçado.

Anônimo disse...

eu achou uma safadeza pois as filha da atriz nao ver a novela ,ela deveria coloca as filhas para ver isso .cade tira da sala ai uma turma de enbecil colaca seus filhos
para ver

Anônimo disse...

O casal foi um fracasso. bem diferente de Félix e Niko, um sucesso.

Sérgio Santos disse...

Nem se compara com Niko e Félix mesmo, anônimo.