sexta-feira, 19 de abril de 2019

Tudo sobre a coletiva da terceira e última temporada de "Sob Pressão"

A Globo promoveu nesta quarta-feira, 17/04, a coletiva da terceira temporada de "Sob Pressão", série que faz um imenso sucesso e vem ganhando cada vez mais reconhecimento internacional. O evento foi nos Estúdios Globo e a imprensa foi recebida por parte do elenco, equipe e direção. O diretor artístico Andrucha Waddington e o autor Lucas Paraizo abriram o encontro, chamando a exibição de um vídeo com entrevistas do elenco e cenas exclusivas da nova leva de episódios, gravada no segundo semestre do ano passado. Fui um dos convidados e conto aqui tudo sobre coletiva.


O primeiro capítulo da terceira temporada foi exibido e a qualidade da trama segue a mesma. Prendeu a atenção do primeiro ao último minuto. Impressionante como a questão da saúde pública precária do país rende infinitos conflitos. Por isso mesmo todos os jornalistas e blogueiros presentes lamentaram o fim da série. Há fôlego para muitos anos e o próprio Andrucha admitiu isso. Mas, infelizmente, é mesmo o último ano da história baseada no filme homônimo, por sua vez criado a partir do livro de Márcio Maranhão ("Sob Pressão - A Rotina de guerra de um médico brasileiro"), também presente no evento.

Como sempre, a série aborda temas relevantes e atuais do Brasil, conseguindo ligar todas as questões aos problemas da saúde pública. A estreia já explora a greve dos caminhoneiros de forma inteligente e ainda expõe rapidamente a influência tóxica dos traficantes na vida das crianças das favelas. "As questões do país são tratadas na série desde a primeira temporada. Falando de saúde pública, falamos do país como um todo, do micro ao macro", pontuou Andrucha.

terça-feira, 16 de abril de 2019

"Malhação - Toda Forma de Amar" estreia com conflitos promissores

"Vida vida que amor brincadeira; eles amaram de qualquer maneira; qualquer maneira de amor vale a pena; qualquer maneira de amor vale amar; pena que pena que coisa bonita; qual a palavra que nunca foi dita; qualquer maneira de amor vale aquela; qualquer maneira de amor vale amar". O trecho da clássica música "Paula e Bebeto", cantada por Milton Nascimento, combina bastante com a nova temporada de "Malhação" e não por acaso virou o tema de abertura em uma versão cantada por Milton e Iza. A estreia, nesta terça-feira (16/04), causou a melhor das impressões.


Emanuel Jacobina apresentou bem o mote principal de "Malhação - Toda Forma de Amar" através do paralelo entre a família bem-sucedida passeando pelo Parque doo Ibirapuera, em São Paulo, e a vida solitária de Rita (Alanis Guillen), em Duque de Caxias, baixada fluminense, Rio de Janeiro. Enquanto Joaquim (Joaquim Lopes) e Lígia (Paloma Duarte) comemoravam o registro da filha que lutaram para adotar com o filho biológico Filipe (Pedro Novaes), a menina descobria na missa de sétimo dia de seu pai ---- através da vizinha Isaura (Anja Bittencourt) ---- que a sua filha (parida há um ano) não tinha morrido.

O pontapé inicial foi dado de forma clara e sem maiores enrolações. Ainda assim não soou apressado. Esse enredo é um dos maiores clichês da teledramaturgia, mas sempre desperta interesse se bem desenvolvido. Tomara que o autor consiga estabelecer todos os bons desdobramentos que essa situação pode render, até porque Rita e Filipe se apaixonarão.

segunda-feira, 15 de abril de 2019

"Vidas Brasileiras" foi a pior temporada da história de "Malhação"

O sucesso de público e crítica de "Malhação - Viva a Diferença" (que ganhou o Emmy Internacional Kids na semana passada) colocou uma responsabilidade e tanto nas mãos de Patrícia Moretzohn. O enredo primoroso de Cao Hamburger tirou o longevo seriado adolescente da mesmice e provocou uma grande repercussão. Vários temas importantes foram levantados com brilhantismo, os personagens cativaram, os romances foram bem desenvolvidos, enfim. A produção substituta tinha que, no mínimo, manter o alto nível. A própria autora reconheceu isso em entrevista na época da estreia (em março de 2018). Porém, tudo o que a temporada anterior construiu, a trama encerrada nesta segunda-feira (15/04) destruiu.


A história, dirigida por Natália Grimberg, adaptou o formato da série canadense "30 Vies", que apresentava um enredo a cada quinze capítulos. Nunca deu certo. Uma das funções da teledramaturgia é envolver o telespectador através dos conflitos de seus personagens. Como atingir esse objetivo em um enredo que trocava de protagonista em menos de três semanas? Sim, porque muitas vezes o drama em questão nem durava 15 dias. Era resolvido em dez mesmo, por exemplo. Não tinha como funcionar exibir uma espécie de "minissérie" dentro de um seriado. O telespectador nem conseguia se apegar ao personagem e o conflito era sempre desenvolvido de forma superficial. O desfecho, então, era súbito e nada convincente.

A única personagem que permanecia no foco da trama era Gabriela (Camila Morgado), professora do Colégio Sapiência. O objetivo da autora era colocá-la como elemento conciliador dos adolescentes. Ou seja, Gabi descobria o problema do aluno em questão e logo virava uma parceira. Porém, não demorou para o papel cansar.

domingo, 14 de abril de 2019

"The Voice Kids" manteve as qualidades na quarta temporada

A quarta temporada do "The Voice Kids" estreou no primeiro domingo de 2019 e logo mostrou a que veio. Crianças carismáticas e talentosas divertiram, emocionaram e encantaram os técnicos. Mas não só eles, claro. A plateia também não escondeu a animação e quem assistia se empolgava com as apresentações. E foi assim ao longo dos meses. As movimentações nas redes sociais eram uma resposta imediata. E isso só comprovou que o formato seguiu atrativo, ao contrário da versão adulta, cada vez mais desgastada.


André Marques continuou ótimo na apresentação e sua interação com as crianças nunca fica nada forçada. Leva jeito pra coisa. Cláudia Leitte e Carlinhos Brown também merecem elogios. Aliás, Brown já deu o que tinha que dar no "The Voice Brasil", que necessita de uma mudança total no juri, mas o "Kids" parece o seu lugar. Funciona, inclusive, como uma espécie de líder dos técnicos. Cláudia é outra que se deu muito melhor no formato infantil. Não por acaso é tão querida pelos pequenos.

Já Simone e Simaria precisam tomar um certo cuidado. Divertidas na terceira temporada, quando estrearam na função no lugar de Victor e Léo, as duas se mostraram repetitivas nos comentários e nas piadas. Para culminar, berraram cada vez mais. Não é necessário transmitir uma alegria tão imensa o tempo todo.

sexta-feira, 12 de abril de 2019

"Toda Forma de Amar": o que esperar da próxima temporada de "Malhação"?

A atual temporada de "Malhação", chamada "Vidas Brasileiras", é a pior de sua história. Patricia Moretzohn se equivocou por completo e criou um amontoado de situações rasas que não despertaram a menor atenção do público. O fracasso de audiência e repercussão foi merecido. A missão de Emanuel Jacobina, portanto, é reverter esse desastre provocado pela colega, após a bem-sucedida "Malhação - Viva a Diferença",  de Cao Hamburger.


A nova trama se chama "Malhação - Toda Forma de Amar" (dirigida por Carlos Araújo e Adriano Melo) e o autor também terá que reverter a má impressão causada pelas duas temporadas que escreveu em sequência, entre 2016 e 2017. "Malhação - seu lugar no mudo" e "Malhação - Pro Dia Nascer Feliz" apresentaram sérios problemas de desenvolvimento, além da construção rasa de casais e abordagens de temas relevantes realizadas de forma superficial.

Entretanto, Jacobina foi um dos idealizadores do seriado adolescente em 1995, juntamente com outros escritores na época da estreia desse formato tão longevo. Ou seja, ele entende do produto. E a fase escrita em 2010, apelidada de "Cidade Partida", protagonizada por Bruno Gissoni (Pedro) e Daniela Carvalho (Catarina) foi ótima.

quinta-feira, 11 de abril de 2019

"BBB 19" mereceu o completo fracasso

A décima nona edição do "Big Brother Brasil" chega ao fim nesta sexta-feira (12/04) com a marca da pior audiência da história do reality (20 pontos). É verdade que o fracasso de "O Sétimo Guardião" ajudou a prejudicar os índices do "BBB 19", mas esse fiasco é muito merecido. Um conjunto de fatores resultou no afastamento do público e implicou diretamente na repercussão baixa e negativa da temporada.


Boninho e sua equipe erraram feio na seleção dos participantes. Quase todos se omitiram do jogo e tinham verdadeiro pânico de qualquer conversa sobre o assunto. Tanto que o clima de paz e amor que reinou na casa, sem uma briga sequer, não foi resultado de um sentimento sincero e, sim, reflexo da covardia de pessoas que evitaram o famigerado comprometimento. A preocupação maior era ficar na mansão curtindo férias e esperando o número de seguidores no Instagram crescer para ganhar uma grana com merchan no futuro.

Alguns jogadores até se dispuseram a jogar, como Gustavo, Diego e Hana. Porém, todos acabaram eliminados precocemente pelo público. Os dois homens, no entanto, foram bem arrogantes. Já Danrley e Elana foram bons jogadores, mas também acabaram fora. Outra que soube jogar foi Paula, que virou favorita graças aos produtores do programa que fizeram um verdadeiro malabarismo para esconder a avalanche de comentários preconceituosos sobre negros e de intolerância religiosa proferidos pela participante ao longo do programa.

quarta-feira, 10 de abril de 2019

Tudo sobre a coletiva de "Malhação - Toda Forma de Amar"

Uma noite para celebrar o amor com atrações que remetem ao universo de "Malhação - Toda Forma de Amar" foi preparada para o lançamento da nova temporada. No salão do hotel Grand Mercure, na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro, autor, direção, elenco e equipe receberam a imprensa para falar sobre a trama, prevista para estrear na próxima terça-feira, dia 16. Fui um dos convidados e contarei, como sempre, tudo o que aconteceu na coletiva.


A festa foi promovida na segunda-feira (08/04). Justamente o dia do temporal que provocou várias destruições no Rio e resultou em dez mortes. Ou seja, a cidade estava um caos e não foi fácil chegar e muito menos sair do local. Tanto que alguns atores nem conseguiram chegar, como Karine Teles e Olívia Araújo, que acabaram presas em uma enchente no Jardim Botânico. No entanto, o evento ocorreu normalmente, apesar da chuva.

Mariana Santos, que viverá a batalhadora Carla, falou da surpresa positiva em ver a empolgação dos atores novatos com o primeiro trabalho e como tem sido gratificante compartilhar a experiência com eles. Ela também falou sobre a construção da sua nova personagem, que é o oposto da Maria Pia, de "Pega Pega" (2017).

terça-feira, 9 de abril de 2019

A consagração internacional de "Malhação - Viva a Diferença"

Aclamada por público e crítica, "Malhação - Viva a Diferença" entrou para a lista das melhores temporadas do longevo seriado adolescente da Globo. Exibida entre 2017 e 2018, a produção teve uma gigantesca repercussão e levantou temas importantes dentro de uma dramaturgia de extrema qualidade. Era tudo perfeito. Só faltava mesmo uma premiação que honrasse esse grande trabalho. Não falta mais. A temporada ganhou o "Emmy Internacional Kids" de Melhor Série nesta terça-feira, 09/04, em Cannes, na França.


A história de Cao, dirigida com brilhantismo por Paulo Silvestrini, concorreu com produções da Austrália, Canadá e Alemanha. Os vencedores foram anunciados pela Academia Internacional de Artes e Ciências da Televisão em uma cerimônia durante o MipTV. Essa foi a quarta indicação de "Malhação" no Emmy Kids e disputou duas vezes na categoria Digital ----- antes concorreu com "Malhação Sonhos" (2016) e "Malhação - seu lugar no mundo" (2017). Em 2015, concorreu como Melhor Série. É a primeira vez que a Globo vence essa premiação internacional na categoria "Kids".

O reconhecimento a respeito das inúmeras qualidades do enredo tão bem construído e desenvolvido por Cao Hamburger é mais do que merecido. O autor conseguiu tratar de assuntos relevantes como racismo, homossexualidade, autismo, abuso sexual, bullying, entre tantos mais, de maneira clara e inteligente para o andamento dos arcos dramáticos dos personagens.

sexta-feira, 5 de abril de 2019

Tudo sobre o passeio pela cidade cenográfica de "Malhação - Toda Forma de Amar"

No dia 26 de março, estive nos Estúdios Globo para conhecer a cidade cenográfica da nova temporada de "Malhação" e bater um papo com alguns atores da trama de Emanuel Jacobina ---- a estreia está prevista para o dia 16 de abril. O título será "Malhação - Toda Forma de Amar". Vou contar um pouco para vocês como foi o passeio e a entrevista com Alanis Guillen, Pedro Novaes, Mariana Santos e Henri Castelli.


A cidade é a mesma de "Segundo Sol", trama de João Emanuel Carneiro encerrada em 2018, mas com algumas modificações, obviamente. O espaço também foi usado para "Shippados", série protagonizada por Tatá Werneck que estreia em maio na Globo Play. A produção recriou com preciosismo dois locais quase opostos do Rio de Janeiro: Duque de Caxias, na baixada fluminense, e Ipanema, bairro nobre da zona sul carioca.

A mocinha Rita (Alanis Guillen) fará parte do núcleo da baixada e o mocinho Filipe (Pedro Novaes) será morador da zona sul. Um dos cenógrafos, Alexis Pabliano, estava presente e contou um pouco sobre a construção de locais tão distintos: "A gente teve a preocupação de facilitar o visual para quem está vendo, sempre se localizar onde você está.

quarta-feira, 3 de abril de 2019

"Órfãos da Terra estreia com cenas fortes e muito capricho

"Em qualquer idioma, cidade, país, o que a gente sente não muda. Somos todos filhos da mesma terra". Baseada na premissa da igualdade e da humanidade acima de tudo, "Órfãos da Terra" estreou nesta terça-feira (02/04) com uma difícil missão: ocupar a faixa das 18h que exibiu duas novelas primorosas em sequência ("Orgulho & Paixão" e "Espelho da Vida"). O público teve a sorte de acompanhar duas tramas totalmente distintas e igualmente preciosas. O 'luto'' pelo término de uma foi bem preenchido pelo início da outra. Agora resta torcer para que ocorra uma trinca de boas produções.


Escrita por Duca Rachid e Thelma Guedes, a trama tem como tema a questão dos refugiados e o "amor impossível" da cristã Laila (Julia Dalavia) e do muçulmano Jamil (Renato Góes) serve como fio condutor para as abordagens em cima dos imigrantes que tentam fugir da guerra para recomeçar a vida em outros países. O enredo é bastante pesado e provoca até um certo estranhamento estar no horário das seis. O primeiro capítulo, inclusive, reforçou essa impressão em virtude das fortes sequências exibidas logo no início.

A trama começa com a família de Laila comemorando o aniversário do caçula, o pequeno Khaled (Rodrigo Vidal), na fictícia Fardús, cidade do interior da Síria. Em poucos minutos a alegria se transforma em desgraça quando guerrilheiros invadem o local e mandam todos fugirem. Os personagens olham para o céu e veem vários aviões sobrevoando o local.