terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Mudanças não elevam a audiência e ainda prejudicam "A Lei do Amor"

A atual novela das nove estreou no dia 3 de outubro, ou seja, está há quatro meses no ar. Com encerramento previsto para abril, a trama de Maria Adelaide Amaral e Vincent Villari tem mais três meses pela frente. A produção teve uma ótima primeira fase voltada para o romance dos protagonistas e uma segunda repleta de atrativos em torno do enredo central, cheio de boas amarras. Porém, a audiência não correspondeu, o famigerado grupo de discussão reclamou de várias situações, a crítica especializada criticou o excesso de personagens e o resultado foi o pior possível: a mutilação da história em busca de um crescimento no Ibope.


Mas as alterações no enredo vem sendo feitas há pouco mais de um mês e os índices não apresentaram qualquer melhora. Para piorar, as mudanças na trama prejudicaram a novela significativamente, evidenciando a perda de rumo dos autores. Ou seja, mexeram para nada. Claro que ainda tem três meses de história no ar, entretanto, ainda assim, não deveriam ter mutilado tanto o folhetim visando somente a audiência. Até porque, bem ou mal, os índices são melhores que o do fiasco "Babilônia" e a primeira metade de "A Regra do Jogo".

Aliás, a última novela que sofreu desse mal foi justamente "Babilônia" e nenhuma alteração no enredo surtiu efeito, prejudicando o que já estava ruim. Só que no caso da obra de Gilberto Braga, Ricardo Linhares e João Ximenes Braga ficou claro que a história era fraca desde o início, ao contrário de "A Lei do Amor", que teve um promissor início, apresentando atrativos capítulos.

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Gabriella Mustafá, Juliana Paes e Eliane Giardini fizeram jus ao destaque de Zana em "Dois Irmãos"

"Dois Irmãos" vem se mostrando uma minissérie caprichada, repleta de cenas que exigem muito do elenco. A seleção de atores, por sinal, foi muito bem realizada. Luiz Fernando Carvalho foi preciso na escolha dos nomes e também na preocupação com a semelhança física de vários intérpretes em virtude das mudanças de fase (são três no total). E um dos maiores êxitos da produção foi o trio de atrizes interpretando a emocional Zana.


Gabriella Mustafá, Juliana Paes e Eliane Giardini honraram a importância dessa personagem do romance homônimo de Milton Hatoum. Cada uma pôde brilhar na sua fase correspondente e a precisão da caracterização deixou tudo ainda mais crível. As três realmente pareciam a mesma pessoa em épocas distintas. E ainda conseguiram passar toda a transformação emocional da mulher que sonhava em formar uma família, mas tropeçou miseravelmente na missão de ser uma boa mãe para seus três filhos.

A novata Gabriella participou somente do primeiro capítulo, o mais arrastado da minissérie, e se mostrou uma grata revelação. Apesar da sua curta participação, a atriz teve uma ótima química com Bruno Anacleto (Halim jovem) e soube transmitir o ar enigmático que cercava aquela menina sensual e de olhar sedutor.

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Homenagem a Laura Cardoso foi o único bom momento de "Sol Nascente"

A atual novela das seis é uma das piores da faixa. A trama de Walther Negrão, Suzana Pires e Júlio Fischer tem atores mal escalados, ritmo modorrento, trama insossa, conflitos desinteressantes e casal protagonista fraco. Um conjunto de equívocos. Portanto, não é surpresa constatar a quase ausência de cenas que mereçam menção no folhetim. São raras as sequências que valem algum elogio, por mais que parte do elenco se esforce. Porém, a volta de Laura Cardoso à produção rendeu uma bonita homenagem.


A grandiosa atriz precisou se afastar da trama por conta de uma infecção urinária e ficou praticamente dois meses ausente. A história, que já era fraca, ficou ainda pior sem ela, pois Dona Sinhá é uma das poucas personagens atrativas da novela. A vovó com cara de meiga finge ser uma velhinha boazinha, mas na verdade é uma estelionatária perigosa que passa por cima de qualquer um para atingir seus objetivos. Usa seu neto, César (Rafael Cardoso), para aplicar seus golpes e lavar dinheiro, ao mesmo tempo que planeja se vingar de Tanaka (Luis Melo).

O retorno de Sinhá se deu no bar Rota 94, que estava servindo de ambiente para uma festa com a reunião de todos os personagens. A sua entrada, tímida, com a câmera a focalizando de costas, foi exibida no final do capítulo de segunda-feira (09/01), resultando em uma gancho divertidíssimo, mesclando realidade e ficção. A senhorinha chegou e foi anunciada por Lenita (Letícia Spiller), sendo aplaudida de pé por todos.

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

"Dois Irmãos" estreia caprichada e com a forte marca de Luiz Fernando Carvalho

A Globo estrear uma minissérie caprichada no início do ano já virou um costume nos últimos anos. "O Canto da Sereia" (2013), "Amores Roubados" (2014), "Felizes para sempre?" (2015) e "Ligações Perigosas" (2016) são a prova disso. Agora, em 2017, a emissora resolveu lançar uma produção adiada por dois anos. "Dois Irmãos" foi gravada no final de 2014/início de 2015 e sua estreia era prevista para o ano seguinte, mas acabou adiada duas vezes. Porém, a espera finalmente acabou. A obra estreou nesta segunda-feira (09/01), logo após "A Lei do Amor", com um capítulo longo (quase uma hora e vinte de duração).


Livremente inspirada no romance homônimo de Milton Hatoum, a trama é escrita por Maria Camargo e dirigida por Luiz Fernando Carvalho. Por sinal, a direção de Luiz já pôde ser notada logo nas primeiras sequências, valorizando as expressões faciais e corporais dos atores, a luz ambiente e os cenários caprichados. O toque de poesia é constante, o que virou uma marca nas produções comandadas por ele ao longo dos anos. Há também uma teatralização em vários momentos, evidenciando mais uma característica do trabalho do diretor, que costuma explorar o máximo do seu elenco.

A história é ambientada em Manaus, entre 1920 e 1980, e conta a trajetória de uma família de libaneses através de Nael (Theo Kasper/Ryan Soares/Irandhir Santos), filho da índia Domingas (Sandra Paramim/Zahy Guajajara/Silvia Nobre), que narra a trama. O foco principal é a relação conflituosa dos gêmeos Omar e Yaqub (Enrico Rocha/Matheus Abreu/Cauã Reymond), que crescem vivendo uma rivalidade cada dia pior.

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Elenco brilhou em "Escrava Mãe"

Após oito meses no ar, "Escrava Mãe" chegou ao fim honrando a boa impressão inicial. A produção foi ao ar toda gravada e o risco era alto, afinal, não poderia ser mexida caso houvesse rejeição. Mas não houve e nem poderia. É possível constatar, inclusive, que foi uma das melhores novelas da Record. A trama escrita por Gustavo Reis e dirigida por Ivan Zettel reuniu todos os elementos clássicos folhetinescos, sem se preocupar em fugir dos clichês. E funcionou. Entre os êxitos da produção esteve o elenco bem selecionado, principalmente levando em consideração a dificuldade da escalação, uma vez que a maioria dos nomes conhecidos segue na Globo e uma parte ainda estava trabalhando nas histórias bíblicas.


Ao contrário do que se esperava, o time não ficou frágil em virtude das dificuldades. Pelo contrário, se mostrou bem mais forte que o fraco elenco de "Os Dez Mandamentos", por exemplo. Foram vários os atores que se destacaram desde a estreia, entre eles a grande Zezé Motta. Intérprete da Tia Joaquina, a atriz engrandece qualquer produção e esteve irretocável na pele da escrava mais sábia e experiente da história. Fiel conselheira da mocinha Juliana (Gabriela Moreyra), a personagem foi a responsável pela narração do primeiro capítulo, sendo a representante da luta dos negros.

Apesar da curta participação, Antônio Petrin é outro que merece menção, pois seu Coronel Custódio foi brilhantemente defendido por ele. O fazendeiro era um homem íntegro e tratava seus escravos com respeito. Seu trágico desfecho, assassinado pela própria filha, encerrou o ciclo em grande estilo. Aliás, a assassina foi a arrogante Maria Isabel, vivida pela ótima Thais Fersoza.

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

O que a televisão reserva para o telespectador em 2017?

O ano de 2017 não será muito diferente de 2016 em relação ao momento de crise que o país vive. Portanto, a televisão terá que se adequar ao período complicado. Porém, apesar das dificuldades, todas as emissoras conseguiram apresentar vários produtos de qualidade no ano que passou. E por tudo o que vem sendo noticiado e anunciado, é possível constatar que o mesmo ocorrerá ao longo dos próximos doze meses. Boas produções, aparentemente, se aproximam.





"Dois Irmãos":
A série começou a ser gravada em fins de 2014 e estava prevista para 2015. Porém, a Globo a adiou para 2016 e depois para 2017. A produção é dirigida por Luiz Fernando Carvalho, escrita por Maria Camargo, e protagonizada por Cauã Reymond, que interpreta dois irmãos gêmeos. Na primeira fase, aliás, o personagem principal será vivido pelo estreante Matheus Abreu. A trama, que terá dez episódios, é uma adaptação do romance homônimo de Milton Hatoum. A história é em torno de uma família de imigrantes libaneses, ambientada na Amazônia, no início do século XX. O conflito central é a difícil relação dos gêmeos. Aliás, a mãe dos rapazes acaba escolhendo um deles para ir morar no Líbano, longe da família. Juliana Paes, Antônio Fagundes, Irandhir Santos, Antônio Calloni, Maria Fernanda Cândido, Ary Fontoura e Eliane Giadini são alguns nomes do elenco. Estreia dia 9 de janeiro. Pelas chamadas, promete muito.




"The Voice Kids":
Após uma bem-sucedida primeira temporada, levantando a audiência das tardes de domingo, a versão infantil do desgastado "The Voice Brasil" tem tudo para repetir o sucesso, obtendo um ótimo retorno do público. Os técnicos Ivete Sangalo, Carlinhos Brown e Victor e Leo foram mantidos, mas agora André Marques assume a função de apresentador e Thalita Rebouças de repórter. Estreia dia 8 de janeiro. Que venham mais crianças talentosas e carismáticas, ensinando muito adulto a emocionar a plateia.


sábado, 31 de dezembro de 2016

Retrospectiva 2016: os destaques do ano

A última retrospectiva do blog, como já virou costume, é sobre tudo o que se destacou ao longo de 2016. Tivemos duas novelas (uma das seis e outra das sete) que foram fenômenos de audiência e repercussão, duas minisséries primorosas, uma participante que virou a protagonista do "BBB", uma boa surpresa da teledramaturgia da Record, mais um acerto infantil do SBT, a transmissão impecável das Olimpíadas, enfim... Vários acertos que merecem ser listados e relembrados. Vamos a eles.





"Ligações Perigosas":
A minissérie da até então estreante Manuela Dias primou pelo capricho, tanto da produção de arte, quanto da direção de Vinícius Coimbra. A interpretação precisa do elenco brilhantemente escalado foi outro acerto, sendo necessário citar Selton Mello, Patrícia Pillar, Marjorie Estiano, Alice Wegmann, entre outros. A trama, baseada no clássico da literatura francesa "As Ligações Perigosas", de Chordelos de Laclos", foi a primeira grande produção da Globo em 2016. Foram 10 capítulos primorosos, repletos de cenas instigantes.






"Totalmente Demais":
A novela de Rosane Svartman e Paulo Halm, dirigida por Luiz Henrique Rios, foi um fenômeno de audiência e repercussão. Chegando a marcar 33 pontos de audiência na reta final, a novela atingiu índices que o horário não alcançava desde "Cheias de Charme". Os autores emplacaram o terceiro sucesso seguido, após o êxito das temporadas "Intensa" (2012) e "Sonhos" (2014) de "Malhação". A trama da florista Eliza, do humilde Jonatas, da arrogante Carolina, do ambicioso Arthur e da atrapalhada Cassandra conquistou o público, destacando nomes como Marina Ruy Barbosa, Felipe Simas, Juliana Paes, Fábio Assunção, Juliana Paiva, entre tantos outros.



sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Retrospectiva 2016: as melhores atrizes e os melhores atores do ano

Foram muitas grandes cenas ao longo de 2016. Portanto, isso implica em ótimas atuações, sendo mais do que necessário listar as melhores atrizes e atores do ano que está perto do seu fim. Vários se destacaram, emocionaram e protagonizaram grandes momentos em novelas, minisséries e séries. Vamos a eles.


Melhores Atrizes:



1- Patrícia Pillar.
Um nome que engrandece qualquer produção. E não foi diferente em "Ligações Perigosas", primeira grande produção da Globo em 2016. A atriz se destacou na pele da ardilosa Isabel, figura que representava a manipulação e a sedução na minissérie de Manuela Dias. Sua parceria com Selton Mello foi maravilhosa e as cenas da personagem exigiam um toque de sarcasmo que Patrícia soube imprimir com maestria.





2- Selma Egrei.
O grande nome feminino de "Velho Chico". A atriz, veterana no teatro, mas com poucas participações na televisão, ganhou seu melhor papel na carreira na novela de Benedito Ruy Barbosa e Bruno Luperi. A amargurada Encarnação participou das suas fases da trama e chegou aos 100 anos, graças ao trabalho primoroso da equipe de caracterização. Selma brilhou em todos os momentos e mostrou o seu imenso talento ao longo dos meses. Foi um prazer vê-la em cena. Ela, por sinal, já ganhou dois prêmios merecidos: "Prêmio Extra" e "APCA".


quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Retrospectiva 2016: as melhores cenas do ano

Mais um ano se passou e foram muitas cenas merecedoras de elogios exibidas ao longo de 12 meses. Vários atores se destacaram, protagonizando sequências repletas de drama, tensão e comicidade. Teve momento para todos os gostos e uma retrospectiva dessas grandiosas interpretações (incluindo, claro, direção e texto) merece ser feita. Vamos, então, relembrar tudo o que aconteceu de mais marcante na teledramaturgia em 2016.





Cena final do penhasco em "Além do Tempo":
Elizabeth Jhin foi muito feliz nessa sua novela e o último capítulo foi em grande estilo, reproduzindo a sequência mais marcante do final da primeira fase, mas com um desfecho diferente. Pedro (Emílio Dantas) matou Melissa (Paolla Oliveira) e os mocinhos Lívia (Alinne Moraes) e Felipe (Rafael Cardoso) na vida passada, só que mais de cem anos depois foi ele quem pagou por tudo o que fez. Melissa matou o vilão com um tiro e se regenerou, salvando a vida dos até então inimigos, os retirando do precipício com a ajuda do anjo Ariel (Michel Melamed). A sequência ficou tão boa quanto a da primeira fase e os atores deram um show.




Mariana morre de tristeza em "Ligações Perigosas":
Após descobrir que Augusto (Selton Mello) era um galanteador e estava apenas a usando, Mariana começa a definhar. A religiosa que adorava a vida perdeu a alegria que tinha e mergulhou em uma profunda depressão, vivendo praticamente estática em uma cama. Apesar dos cuidados das freiras e de pessoas próximas, não conseguia mais comer e mal andava. Só tinha força para chorar. No final, se entregou para a morte. A interpretação visceral de Marjorie Estiano impressionou e a atriz mais uma vez mostrou a grande atriz que é. Foi impossível não ter se emocionado vendo a personagem naquele estado deplorável.


quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Retrospectiva 2016: os melhores casais do ano

Os romances foram e sempre serão fundamentais em qualquer obra ficcional. Ter um ou mais casais para torcer é vital para o desenvolvimento de uma novela ou série. E em 2016 tivemos vários pares ótimos, implicando em muitos nomes de "shippers" (combinações de nomes de casal). Aliás, o termo "shippar" já entrou no vocabulário do brasileiro, o que só comprova a importância dos romances na ficção. Vamos, então, aos melhores pares do ano.





Romero e Atena ("A Regra do Jogo"):
O único casal atrativo da novela de João Emanuel Carneiro. Os bandidos que tinham um lado humano protagonizaram as melhores cenas da novela ao lado do divertido Ascânio (Tonico Pereira). Alexandre Nero e Giovanna Antonelli transbordaram química em "Salve Jorge", quando viveram Stênio e Helô, e repetiram a boa sintonia com Romero Rômulo e Francineide. O nome "Romena" se proliferou nas redes sociais e os personagens caíram no gosto do público, apesar dos vários problemas que a trama apresentou ao longo de sua exibição.




Mariana e Augusto ("Ligações Perigosas"):
A minissérie exibida em janeiro, escrita por Manuela Dias e baseada no romance de Choderlos de Laclos, foi primorosa e um dos acertos foi a relação intensa desse casal. O frio Augusto seduziu a religiosa Mariana com o intuito de vencer uma aposta, mas acabou se apaixonando perdidamente por ela, caindo na própria armadilha. Marjorie Estiano e Selton Mello protagonizaram grandes cenas, onde o drama e a química se fizeram presentes até o fim. A morte trágica dos personagens também merece menção, fechando o ciclo desse romance de uma forma sombria e muito triste.


terça-feira, 27 de dezembro de 2016

Retrospectiva 2016: os piores do ano

Como já virou tradição no blog, a última semana do ano será voltada exclusivamente para as retrospectivas. A primeira foi sobre os artistas que nos deixaram e essa é sobre tudo de ruim que a televisão nos apresentou em 2016. Infelizmente, todas as emissoras estão inseridas na lista e tivemos novelas, séries e programas que pecaram em vários aspectos. É melhor citar os piores primeiro para depois priorizar apenas os produtos de qualidade que foram apresentados ao longo do ano. Vamos a eles.





Segunda temporada de "Os Dez Mandamentos":
Provando que não sabe lidar com o sucesso, a Record resolveu esticar tanto o fenômeno de audiência "Os Dez Mandamentos" que criou uma nova fase de 66 capítulos. Isso após já ter estendido a novela original, passando de 150 capítulos para 176. O resultado foi catastrófico. Além de ter prejudicado o final da trama (que ficou incompleto), a emissora exibiu uma segunda fase com bem menos recursos financeiros que a primeira. Ou seja, os efeitos toscos se fizeram presentes e a enrolação da história foi inevitável. Não havia mais nada de relevante para contar. E o mais constrangedor foi a caracterização do elenco idoso. Como os atores não foram substituídos, tiveram que envelhecer todos e ficou ridículo. Ver nomes como Guilherme Winter, Gisele Itiê e Marcela Barrozo (que nem 30 anos tem) com rugas artificiais e fazendo voz de velhinhos foi triste. É preciso citar ainda o talco branco jogado nas perucas, deixando o conjunto ainda mais vergonhoso. A emissora poderia ter terminado no auge e colhendo elogios, mas preferiu prejudicar a qualidade em virtude de uns números a mais na audiência.




"Sol Nascente":
Após uma trinca de ouro no horário das seis da Globo ("Sete Vidas", "Além do Tempo" e "Êta Mundo Bom!"), a emissora viu a qualidade da sua faixa cair bruscamente. A novela escrita por um acomodado Walther Negrão, além de Suzana Pires e Júlio Fisher, é uma das piores que a faixa já apresentou e apresenta um conjunto de equívocos. A trama é simplória, os personagens cansativos, o elenco equivocado em grande parte, os conflitos insossos e o ritmo arrastado. Apesar da audiência não ser considerada ruim para os parâmetros (embora tenha derrubado os índices expressivos da anterior), é um folhetim de repercussão nula e assim que acabar será completamente esquecido. Sem dúvida, é a pior novela de 2016 (e provavelmente será a de 2017, pois só acaba em abril).


segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

Retrospectiva 2016: os artistas que deixaram saudades

O ano de 2016 não foi nada fácil. Aliás, foi um dos anos mais complicados para o Brasil. Além dos inúmeros problemas voltados para o meio político e economia do país, teve ainda a partida de muitas figuras queridas que deixaram o meio artístico mais vazio. Atores, diretores, jornalistas, enfim, foram várias perdas dolorosas ao longo do ano e vale a pena lembrar (e homenagear) todos os que faleceram.





Domingos Montagner (1962 - 2016):
A morte mais chocante do ano. O ator mais talentoso da sua geração brilhava protagonizando "Velho Chico", quando se afogou nas águas do Rio São Francisco no dia 15 de setembro, durante o intervalo das gravações. A novela estava em plena reta final e o elenco acabou tendo que contracenar com uma câmera representando o querido Santo dos Anjos. Ele nos deixou cedo demais e essa tragédia jamais será esquecida. Ainda tinha uma legião de personagens para interpretar e emocionar o público. Tinha apenas 54 anos. O sentimento de inconformismo ainda permanece vivo.




Umberto Magnani (1941 - 2016):
O grande ator faleceu em abril, aos 75 anos, e também estava no elenco de "Velho Chico". Interpretando com competência o afetuoso padre Romão, Umberto participou de toda a linda primeira fase da novela e também participaria da segunda. Mas não deu tempo. Logo nos primeiros capítulos da nova fase, ele sofreu um Acidente Vascular Encefálico e não resistiu. Deixou um legado de ótimos personagens e muita saudade no coração do telespectador.


sábado, 24 de dezembro de 2016

Feliz Natal!


Quero desejar aos leitores um Natal cheio de paz, saúde, luz e realizações. Agradeço a presença constante de todos no blog. Não só aqueles que comentam os textos, como também os que apenas leem as postagens. Esse espaço (bem simples, por sinal) não existiria sem vocês e foi criado exatamente para isso. Que o espírito natalino se mantenha vivo sempre, pois nunca precisamos tanto dele quanto agora. Felicidades a todos!

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

Mudanças no "The Voice Brasil" foram válidas, mas não surtiram efeito

A quinta temporada do "The Voice Brasil" estreou excepcionalmente em uma quarta-feira (05/10), a primeira de outubro, iniciando mais um ciclo de apresentações de novos talentos da música. O conjunto, após cinco anos, precisava urgentemente de novidades. E ficou perceptível a tentativa de alterações nesta edição. Os técnicos continuaram os mesmos ---- Cláudia Leitte, Lulu Santos e Carlinhos Brown seguem no time, além de Michel Teló que estreou na função em 2015 ----, mas as mudanças em relação aos anos anteriores ocorreram a partir da segunda fase da atração, que é justamente a mais atrativa: a das batalhas.


Ivete Sangalo virou a supertécnica, a novidade da edição. Ao invés de quatro assistentes (um para cada técnico), a etapa das batalhas teve a cantora como auxiliar geral. Ela foi a conselheira de todos, participando do 'treinamento' dos cantores. Essa alteração se deve, com toda certeza, ao imenso sucesso do "The Voice Kids", onde Ivete se destacou como técnica ao lado de Carlinhos, Victor e Leo. A novidade foi mais do que bem-vinda, até porque o formato está desgastado, principalmente pela permanência dos mesmos jurados por tanto tempo. Porém, não surtiu efeito.

Ao contrário do que se esperava, Ivete não esteve no palco junto dos técnicos participando das avaliações. Ela apenas aparecia rapidamente na hora em que os candidatos ensaiavam. E foi só. Ou seja, além de ter sido uma espécie de propaganda enganosa, a cantora de 'supertécnica' não tinha nada.

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

Amanda de Godoi e Laryssa Ayres ganharam uma oportunidade melhor em "Malhação - Pro Dia Nascer Feliz"

"Malhação - Pro Dia Nascer Feliz" quebrou um padrão que já tinha ficado estabelecido no seriado adolescente desde 2008: a migração de alguns personagens de uma temporada para a outra. Isso foi extinto no ano citado, iniciando do zero a nova fase, fechando completamente o ciclo da antiga. Até mesmo os autores mudavam, assim como diretores, equipe, enfim, tudo. Agora nada foi assim. Optaram pelo resgate do que ocorria anos atrás: alguns perfis da fraca "Malhação - seu lugar no mundo" foram mantidos e o autor é o mesmo: Emanuel Jacobina. A situação rendeu erros e um acerto. O êxito está justamente na permanência de Jéssica (Laryssa Ayres) e Nanda (Amanda de Godoi).


As personagens já se sobressaíam na temporada passada, mas Jacobina não soube desenvolver o enredo delas (e nem a trama toda, diga-se). Nanda ainda teve um bom destaque inicial, formando o melhor casal da história ao lado de Filipe (Francisco Vitti). Já Jéssica sempre ficou avulsa, servindo de escada para os demais perfis, subaproveitando o talento da intérprete. E após alguns meses de trama, até mesmo a Nanda perdeu a função juntamente de seu namorado, só ganhando destaque na reta final, quando o rapaz morreu em um gratuito (e mal realizado) acidente de moto. As últimas semanas evidenciaram o imenso sofrimento da menina, destacando a entrega da atriz. 

Agora, em "Malhação - Pro Dia Nascer Feliz", as duas ganharam importância desde o início da história. Principalmente Jéssica, que ficou em segundo plano na temporada passada. Um dos graves erros, por sinal, era a ausência de uma família para poder explorar mais o perfil. O autor criou uma irmã mais nova para ela (Martinha - Malu Pizzatto), cuja atriz escolhida é bastante semelhante fisicamente, inclusive.

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

"A Cara do Pai" tem uma proposta honesta

Estreou no último domingo (dia 18/12), após uma semana de adiamento em virtude da tragédia envolvendo o voo do time da Chapecoense, "A Cara do Pai" ---- indo ao ar logo depois do "Esquenta!". A série foi idealizada por Paulo Cursino e escrita por Daniel Adjafre, com direção de Fabrício Mamberti. A produção marca a volta de Leandro Hassum à tevê depois de ter emagrecido mais de 65 quilos (isso porque em "Chapa Quente" ele ainda estava no processo de emagrecimento). O ator e Mel Maia são os protagonistas e a trama se mostra harmoniosa em cima do tema proposto.


A série conta a história de Théo, um comediante sem prestígio que ganha a vida fazendo stand-up comedy contando a sua rotina com a filha, a esperta Duda, que tem 10 anos. Assim que se divorciou de Silvia (Alessandra Maestrini), o personagem iniciou uma verdadeira saga ao lado da filha, fazendo de tudo para provar a todos (e até a si mesmo) que é um ótimo pai. Entretanto, as suas tentativas sempre resultam em momentos de puro constrangimento, expondo a sua total imaturidade e a vergonha de Duda, que se mostra mais madura que ele.

Além dos três personagens citados, a série conta com mais alguns, como Joana (Cristina Pompeo), a ex-namorada e atual vizinha de Théo, que criou sozinha a sua filha única, Alice (Pietra Hassum) ---- uma típica 'it-girl' e melhor amiga de Duda, sendo uma fonte de inspiração da menina.

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

"Sete Vidas", "Além do Tempo" e "Êta Mundo Bom!" formaram uma trinca de ouro no horário das seis

A faixa das seis da Globo apresentou uma boa sequência de novelas, começando no início de março de 2015 e chegando ao fim em agosto deste ano. Uma novela impecável foi substituída à altura e a substituta cedeu lugar à outra tão boa quanto. Ou seja, três folhetins da melhor qualidade e que presentearam o público com histórias repletas de atrativos. As produções são "Sete Vidas", "Além do Tempo" e "Êta Mundo Bom!", escritas por Lícia Manzo, Elizabeth Jhin e Walcyr Carrasco, respectivamente.


As novelas não apresentam semelhança alguma no quesito história, entretanto, as similaridades se dão justamente através de pontos fundamentais de um bom folhetim: elenco bem escalado, trilha sonora primorosa, personagens construídos com competência, dramas envolventes, conflitos convidativos e bom ritmo. As três tramas enriqueceram o horário das seis, cada um a seu modo. Para completar o conjunto harmonioso, todas representaram um crescimento de audiência na faixa, expondo o interesse do telespectador.

"Sete Vidas" elevou em dois pontos a média do horário, obtendo 19,4 no salgo geral, revertendo uma queda que parecia inevitável. Lícia Manzo conseguiu emocionar o público mais uma vez, após já ter atingido o objetivo com sua primeira novela, exibida em 2011: a inesquecível "A Vida da Gente".

domingo, 18 de dezembro de 2016

As justiças e as injustiças do "Melhores do Ano" de 2016

A vigésima primeira edição do "Melhores do Ano" foi ao ar neste domingo, dia 18 de dezembro. Repetindo o que ocorre em todos os anos, a premiação comandada por Faustão foi uma grande confraternização do elenco da Globo e o evento contou com algumas indicações justas, alguns esquecimentos graves e vencedores que fizeram jus ao troféu na maioria das categorias. A edição de 2016, por sinal, contou com uma nova categoria (Melhor Personagem) com o claro intuito de corrigir injustiças frequentes envolvendo atores veteranos, muitas vezes esquecidos vergonhosamente.


Foi o programa mais longo do ano, começando às 17h30 e terminando às 21h25. Quase quatro horas de premiação. Foi uma bonita festa. A categoria de Melhor Ator ou Atriz Mirim contou com JP Rufino (que convenceu como Pirulito em "Êta Mundo Bom!", se consagrando vencedor), Mel Maia (que fez a primeira fase de "Liberdade, Liberdade") e Gabriel Palhares (que deu um show como Caju em "Liberdade, Liberdade"). Gabriel era o mais merecedor e Mel, embora seja um poço de talento, não merecia a indicação pois participou apenas de um capítulo. Xande Valois (Claudinho de "Êta Mundo Bom!"), Tobias Carrieres (Jesus de "Justiça") e Giovanna Rispoli (Jojô de "Totalmente Demais") mereciam a vaga dela.

Em Atriz Revelação houve um merecimento triplo. As três indicadas tiveram ótimos desempenhos em sua respectivas produções. Amanda de Godoi surpreendeu como Nanda na fraca "Malhação - seu lugar no mundo", Giullia Buscacio emocionou com a sua Olívia em "Velho Chico" e Lucy Alves deu um verdadeiro show na pele da complexa Luzia em "Velho Chico", ganhando importância de veterana.

sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

As madrugadas não serão as mesmas sem o "Programa do Jô"

Nesta sexta, dia 16, o "Programa do Jô" saiu da grade da Globo definitivamente. A atração estreou na emissora em abril de 2000, ou seja, ficou 16 anos no ar. Um tempo respeitável. Porém, Jô já havia comandado por 11 anos o "Jô Soares Onze e Meia", no SBT, entre agosto de 1988 e dezembro de 1999. Portanto, juntando os dois períodos da carreira, o apresentador fez parte das madrugadas do telespectador por 27 anos. Foram 5.600 programas e 14.426 entrevistas somando todo esse período. Analisando essa vitoriosa trajetória, é impossível não se indignar com a estupidez da Globo em acabar com um programa tão icônico.


Jô foi o pioneiro no formato popularmente conhecido como "talk-show", engrandecendo a televisão brasileira com um produto que fazia (e ainda faz) muito sucesso no exterior. Mas, claro, a atração nunca foi uma mera cópia. Havia a identidade do apresentador, que ainda contava com um quinteto de talentosos músicos, que posteriormente viraria um sexteto. Humorista nato, Jô sempre contava piadas e fazia introduções bem-humoradas em todo programa, usando com talento a sua trupe musical como escada. A intimidade deles fazia diferença nas interações, dando um charme à parte e criando um clima confortável de família.

Até mesmo durante as entrevistas, Jô costumava pedir a opinião de alguns dos integrantes da banda, principalmente Derico, um dos mais sacaneados por ele. E a gargalhada contagiante de Bira virou uma das maiores marcas da atração, assim como os clipes musicais que faziam para divulgar o e-mail do programa.

quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

Dayse venceu o "MasterChef Profissionais" e o machismo

Nesta terça (13/12), foi ao ar a final do "MasterChef Profissionais". Após três meses de mais uma temporada do maior sucesso sucesso da Band, o público finalmente conheceu o vencedor do reality culinário, cujo nome foi anunciado depois da uma da manhã. Dayse foi a merecida vencedora e o seu triunfo lavou a alma de grande parte do público, coroando a vitória da competente participante em cima dos adversários que sempre a subestimaram e consagrando a derrota do machismo.


Isso porque o machismo entrou em voga quando a participante começou a ser constantemente menosprezada principalmente por Marcelo, Ivo e Dário. Ao longo do primeiro mês, a disputa seguiu normalmente, havendo muita rivalidade e competitividade, o que é plenamente normal nesse tipo de programa. Foi assim nas três temporadas do "MasterChef" 'amador' e se manteve no 'Profissionais', embora com uma guerra de egos bem maior. Entretanto, à medida que as semanas se passavam e o número de competidores diminuía, o clima foi pesando, atingido quase sempre Dayse.

A disputa pessoal da competidora com Ivo, seu ex-chef (ela chegou a trabalhar com ele em um restaurante), rendia várias discussões e o machismo do cozinheiro chegou ao ápice quando o mesmo mandou Dayse varrer o chão depois que a companheira de grupo reclamou da ausência de tarefas na reta final da prova de imunidade.

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

"Rock Story" vem se mostrando uma agradável surpresa

A atual novela das sete estreou no dia 9 de novembro, ou seja, está há pouco mais de um mês no ar. E a trama da estreante Maria Helena Nascimento vem agradando bastante. "Rock Story" reúne elementos de um delicioso folhetim, ao mesmo tempo que foge das características das últimas produções da faixa. Afinal, a história não tem muito humor, não há excesso de cores ou casais adolescentes em posições de destaque e seu protagonista é um roqueiro falido quarentão. Para culminar, como o próprio título comprova, a trilha é composta por rock e pop.


A ousadia da autora é muito válida, mas vale ressaltar que não há nada de errado em ter personagens jovens protagonistas ou apresentar a comédia contrabalançando o drama. Afinal, o fenômeno "Totalmente Demais" foi um dos maiores acertos de 2016, reunindo um conjunto impecável que arrebatou o público. Já "I Love Paraisópolis" foi péssima e "Haja Coração" começou promissora, mas se perdeu por completo. Portanto, repetir fórmulas nem sempre dá certo, assim como fugir do comum pode ser um grave erro.

No caso da atual trama, houve uma nova proposta, cujo maior objetivo é mesclar a música com a dramaturgia, tendo uma premissa semelhante ao sucesso "Cheias de Charme", mas deixando de lado o tom caricato e carnavalesco da obra atualmente reprisada no "Vale a Pena Ver de Novo". Em "Rock Story há um tom mais 'sombrio', principalmente em torno do protagonista, que representa a figura de um ídolo que viu tudo o que conquistou escorrer pelos seus dedos.

domingo, 11 de dezembro de 2016

Felipe Simas e Sophia Abrahão elevaram o nível da "Dança dos Famosos" de 2016

A décima terceira temporada da "Dança dos Famosos" estreou no dia 28 de agosto e chegou ao fim neste domingo, dia 11 de dezembro. A competição deveria acabar no dia 18, mas a final foi antecipada em virtude do adiamento da última rodada do campeonato brasileiro ---- por causa da tragédia que abalou o país, envolvendo a queda do avião que levava o time da Chapecoense. A alteração fez com que a última rodada contasse com três casais, ao invés de dois previstos inicialmente. E a disputa de 2016 teve um diferencial, comparada aos anos anteriores: o nível de igualdade de dois participantes: Sophia Abrahão e Felipe Simas.


Os dois se mostraram dançarinos natos desde a primeira rodada. Tanto que viraram favoritos logo na primeira apresentação, quando ainda havia a divisão de grupo feminino e grupo masculino. Ela era a melhor das mulheres e ele o melhor dos homens. Além dos dois, participaram Solange Couto, Marcelinho, Nego do Borel, Rainer Cadete, Brenno Leone, Leona Cavalli, Valesca, Lisandra Souto, Letícia Lima e Sidney Magal. Nenhum deles conseguiu chegar perto da dupla, que parecia até profissional, sem exagero. Ficava claro que neste ano duas competições ocorriam separadamente: Sophia e Felipe disputavam entre eles e os demais faziam um enfrentamento paralelo pelo terceiro lugar.

E foi isso mesmo que aconteceu, sem maiores surpresas. O agraciado pela terceira posição foi Rainer Cadete, que se mostrou um bom competidor, conseguindo com méritos a vaga na final. Mas, como já era previsto, ele foi figurante na última rodada. Sophia Abrahão e Felipe Simas tiveram o placar zerado, como sempre ocorre, mas mesmo se mantivessem as colocações nada mudaria simplesmente porque ambos estavam rigorosamente empatados em primeiro lugar.