sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

"Nada Será Como Antes" foi uma grande decepção

A série escrita por Guel Arraes, João Falcão e Jorge Furtado estreou no dia 27 de setembro esbanjando capricho e iniciando uma promissora trama sobre a história da televisão no Brasil. O nascimento da fictícia TV Guanabara e tudo o que a criação desse tão importante veículo representava na vida do público engrandeciam o enredo, mesclando fantasia e realidade através de uma deliciosa metalinguagem. Entretanto, ao longo dos episódios, a premissa da produção foi se diluindo, cedendo espaço para as idas e vindas do casal protagonista Saulo (Murilo Benício) e Verônica (Débora Falabella), além de umas sequências eróticas envolvendo Beatriz (Bruna Marquezine).


O principal diferencial da série foi jogado fora ao longo de sua exibição. Os primeiros episódios foram convidativos justamente porque focaram no surgimento da tevê e nas desconfianças que o novo veículo provocava, levando em consideração a sobrevivência do rádio. Aliás, o trabalho minucioso da equipe merece um destaque à parte, reproduzindo com perfeição os estúdios, figurinos, equipamentos e as câmeras da década de 50. A direção de José Luiz Villamarim sempre engrandece qualquer produto e não foi diferente agora, assim como a brilhante fotografia de Walter Carvalho. O elenco se destacava, principalmente Débora Falabella e Murilo Benício, em torno da elaboração do fictício folhetim "Anna Karenina", enfim. Todo esse conjunto é merecedor de reconhecimento, fazendo valer a premissa do seriado.

Porém, os dramas dos personagens se mostraram limitados desde o início. E a série decaiu justamente porque passou a focar somente nisso, esquecendo todo o contexto que a cercava. Os conflituados bastidores das telenovelas, a guerra de egos, o difícil mercado do patrocínio, a disputa por audiência, o preconceito que atores negros enfrentavam na hora de ganhar papéis, o medo do galã do folhetim ter a sua homossexualidade exposta, entre tantos outros temas inicialmente abordados no seriado, foram se apequenando para focar principalmente no relacionamento de Saulo e Verônica, deixando algumas outras cenas para o triângulo raso composto por Beatriz, Otaviano (Daniel de Oliveira) e Júlia (Letícia Colin).

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

"Malhação - Pro Dia Nascer Feliz" prova que Emanuel Jacobina perdeu a habilidade de conduzir bem um roteiro

Que "Malhação - Pro Dia Nascer Feliz" é melhor que a temporada passada não há dúvidas. O enredo central é muito melhor estruturado, apresentando desdobramentos que despertam interesse do público, além de ter uma vilã bem construída. Entretanto, uma semelhança começou a surgir ao longo da trama, lembrando os equívocos observados em "Malhação - seu lugar no mundo": a perda de rumo da história. Infelizmente, Emanuel Jacobina vem comprovando que perdeu a habilidade de encaminhar com competência um roteiro.


A nova temporada começou de forma promissora e os únicos defeitos eram justamente frutos do resquício da fase passada: o núcleo do colégio Dom Fernão (completamente avulso) e o desnecessário casal Krica (Cynthia Senek) e Cleiton (Nego do Borel) ---- Nanda (Amanda de Godoi) e Jéssica (Laryssa Ayres) foram as exceções, pois ganharam um bom destaque através de novas tramas. Mas atualmente até mesmo o novo enredo vem apresentando falhas, principalmente em torno das mudanças forçadas criadas pelo autor, sem o mínimo de lógica, abusando da inteligência do telespectador.

Joana (Aline Dias), por exemplo, veio do Ceará atrás de uma melhor condição de vida no Rio de Janeiro e em busca do pai, até então um desconhecido. Conseguiu um emprego na academia Forma, cujo proprietário é justamente o seu pai, Ricardo (Marcos Pasquim).

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Entre honrosos vencedores, "APCA" reconhece o êxito de "Justiça"

Os vencedores da "APCA" (Associação Paulista de Críticos de Artes) foram anunciados na noite da última quarta-feira (30/11), na Sede do Sindicato dos Jornalistas de São Paulo. Como sempre ocorre em todos os anos, foram vários segmentos, incluindo teatro, Literatura, Dança,Artes Visuais, Moda, Rádio, cinema e televisão. Foram sete categorias para eleger os melhores da TV e a justiça mais uma vez prevaleceu, pois os vitoriosos fizeram jus aos troféus através de grandes trabalhos ao longo de 2016, ainda que muitos dos derrotados também merecessem.


"Justiça" ganhou como Melhor Série/Minissérie e a vencedora não poderia ser outra. O enredo ousado de Manuela Dias, que interligava quatro histórias independentes ao longo de quatro capítulos por semana, foi primoroso e arrebatou o público. O sucesso foi merecido e o trabalho do elenco merece inúmeros aplausos, sendo necessário destacar Adriana Esteves, Jesuíta Barbosa, Débora Bloch, Antônio Calloni, Leandra Leal, Marjorie Estiano, Enrique Diaz, Drica Moraes, entre outros. Das concorrentes, só uma também fez jus ao troféu: "Ligações Perigosas", da mesma Manuela Dias, exibida em janeiro. Já "Supermax", "A Garota da Moto" e "Me Chama de Bruna" (da Fox), embora boas, não chegaram a merecer premiações.

Ainda em cima da excelente minissérie vencedora, José Luiz Villamarim ganhou como Melhor Diretor e com total mérito. Seu trabalho em "Justiça" confirmou mais uma vez a sua extrema competência, já vista em obras excepcionais como "O Canto da Sereia", "Amores Roubados" e "O Rebu".

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Destaque como Luciane em "A Lei do Amor", Grazi Massafera ganhou muito mais que um Emmy

A ex-Miss Paraná apareceu para o grande público na quinta edição do "Big Brother Brasil" (2005), conquistando uma imensa torcida na época. Acabou em segundo lugar, mas com frutos de campeã. Afinal, começou a cursar artes cênicas e estreou nas novelas em 2006, vivendo a interiorana Thelminha em "Páginas da Vida". Embora muito crua ainda, já dava para notar o seu potencial. Enfrentou muito preconceito ao longo de sua trajetória, inclusive de colegas da Globo, que a menosprezavam. Batalhou muito para provar o seu talento e ---- após seis novelas no currículo ----chegou ao auge em "Verdades Secretas" (2015), quando viveu a ex-modelo e drogada Larissa. Ganhou diversos prêmios por esse trabalho e ainda foi indicada ao Emmy Internacional. Agora brilha em "A Lei do Amor", interpretando a impagável Luciane. Essa batalhadora é Grazi Massafera.


A intérprete não ganhou o Emmy de Melhor Atriz, mas isso já era esperado, inclusive pela própria. A única surpresa foi a derrota da favorita Judi Dench para Christiane Paul. Entretanto, Grazi ganhou muito mais que um troféu. Ela não precisa mais provar nada para ninguém na profissão que escolheu. É uma ótima atriz. Sua atuação na trama de sucesso de Walcyr Carrasco impressionou pela total entrega, protagonizando cenas impactantes e que ficaram na memória do público e na história da teledramaturgia. A sequência em que Larissa se olha no espelho e chora copiosamente é apenas um dos muitos exemplos. Todos os prêmios nacionais que ganhou como Atriz Coadjuvante foram merecidos.

E confiando na capacidade de Grazi, Maria Adelaide Amaral e Vincent Villari a escalaram para "A Lei do Amor", lhe presentando com um dos melhores perfis da atual trama das nove. Luciane roubou a cena assim que apareceu e desde então só tem crescido na história, se transformando em um dos trunfos do folhetim.

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Os vencedores do "Prêmio Extra" de 2016

A edição de 2016 do "Prêmio Extra" aconteceu nesta (29/11), no Vivo Rio. Apresentada por Tatá Werneck e Gabriel Godoy, a premiação teve Glória Pires como a grande homenageada da noite e distribuiu troféus em 13 categorias ---- Melhor Novela, Programa, Atriz, Ator, Atriz Coadjuvante, Ator Coadjuvante, Revelação Feminina, Revelação Masculina, Série, Apresentador, Tema de Novela, Ator/Atriz Mirim e Programa de Humor ----, onde algumas delas pecaram pela ausência de nomes que brilharam no ano, ao mesmo tempo que fizeram justiça com outros profissionais. Por sinal, quase todos os vencedores foram merecidos.


A categoria Ator/Atriz Mirim teve finalistas justos em sua maioria. Giovanna Rispoli se destacou como a rebelde gótica Jojô em "Totalmente Demais", Larissa Manoela é o maior nome de "Cúmplices de um Resgate", Xande Valois brilhou como Claudinho em "Êta Mundo Bom", Tobias Carrieres emocionou como Jesus em "Justiça" e Gabriel Palhares fez jus ao troféu, pois foi uma grata surpresa de "Liberdade, Liberdade", divertindo na pele do carismático Caju. Já a indicação de João Guilherme, cujo desempenho em "Cúmplices de um Resgate" deixa bem a desejar, deveria ser substituída por JP Rufino em "Êta Mundo Bom" ou Letícia Braga pela Mayara de "Justiça".

No quesito Revelação Feminina, vale destacar a indicação da maravilhosa Lucy Alves, que impressionou pelo seu desempenho em "Velho Chico". Parecia uma veterana vivendo a Luzia e sua vitória foi incontestável. Giullia Buscacio foi outra boa selecionada, uma vez que emocionou vivendo a Olívia na mesma novela de Benedito Ruy Barbosa e Bruno Luperi.

terça-feira, 29 de novembro de 2016

Por que "Supermax" foi uma das séries mais fracassadas da Globo?

Criada por Fernando Bonassi, José Alvarenga Jr. e Marçal Aquino, "Supermax" é um dos projetos mais ousados da Globo por várias razões: primeira produção nacional voltada para o terror, sobrepondo o suspense e abusando de sequências sanguinolentas; elenco quase todo formado por atores pouco conhecidos do público; e estilo muito semelhante aos seriados americanos do gênero. Outro traço de ousadia foi a forma de divulgá-la: a emissora lançou 11 episódios na internet (através do aplicativo Globo Play), deixando somente o último (décimo segundo) inédito para ir ao ar na televisão. A questão é que todos esses pontos podem explicar o fracasso do produto, que configura a menor audiência de uma série da líder na faixa das 23h, superando até mesmo a problemática "O Dentista Mascarado".


A série estreou com 15 pontos e foi perdendo audiência a cada semana. Até chegar aos 9 pontos, perdendo algumas vezes a liderança para o sucesso "MasterChef Profissionais" ---- na penúltima terça de novembro (dia 22), a Band chegou a ficar mais de uma hora em primeiro lugar (74 minutos) -----, e até mesmo ficando atrás do SBT. É um resultado péssimo, onde sua média geral é de apenas 12 pontos. Entretanto, o capricho da produção é evidente. O presídio construído é grandioso e os efeitos especiais dos elementos sobrenaturais passam longe de qualquer tipo de 'tosquice', por exemplo. Então qual a razão do público não corresponder? É difícil fazer qualquer tipo de análise de um fracasso, pois não existe ciência exata em se tratando de televisão. Mas, como citado no primeiro parágrafo, há algumas explicações plausíveis.

O 'thriller' é um gênero de nicho, ou seja, só agrada um determinado tipo de público. Uma pessoa que não gosta de comédia romântica, hipoteticamente, pode vir a gostar de um seriado ou filme com essas características caso o enredo lhe agrade. Mas um telespectador que não gosta de terror por causa das cenas fortes e momentos de 'susto'' jamais se interessará por alguma produção do tipo, por mais que a história seja interessante.

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Débora Falabella é o grande destaque de "Nada Será Como Antes"

"Nada Será Como Antes" vem cumprindo menos do que prometeu. A série escrita por Guel Arraes, Jorge Furtado e João Falcão tem uma boa premissa, mas o enredo deixa a desejar, pois foca em situações não muito atrativas em detrimento da história do surgimento da televisão. Os dramas da ficção são fundamentais para o conjunto, mas, infelizmente, os que foram criados não prendem o telespectador, ainda mais em um formato semanal. Entretanto, a direção precisa de José Luiz Villamarim novamente se sobressai , extraindo o melhor do elenco muito bem escalado. E um dos grandes destaques é Débora Falabella.


A atriz estava longe da telinha desde a sua ótima participação em "Dupla Identidade" (2014), onde viveu a complexa Ray, namorada do serial Killer Edu (Bruno Gagliasso). Em 2015 ainda esteve em um dos episódios da série "As Canalhas", do canal a cabo GNT, mas não participou de nenhuma outra produção. O seu retorno é mais do que bem vindo e o seu papel faz jus ao seu talento, principalmente porque explora várias vertentes cênicas, incluindo uma deliciosa metalinguagem. Débora interpreta justamente uma atriz que enfrenta problemas pessoais e profissionais, precisando lidar com o julgamento da sociedade e com o inesperado rumo que sua carreira toma.

É um perfil muito atrativo, o que proporciona para a intérprete bons momentos na série. Verônica era uma atriz de rádio-novela que viu sua vida mudar quando conheceu Saulo (Murilo Benício), seu grande amor. Ele virou uma espécie de empresário da esposa e a fez ficar ainda mais famosa --- no caso, a sua voz.

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

"Carinha de Anjo" é uma graça de novela

Mantendo a já tradição de produzir folhetins infantis, o SBT estreou, nesta segunda-feira (21/11), "Carinha de Anjo", nova produção da emissora que com certeza terá uma duração tão grande quanto as tramas que vieram antes. Entrando no ar simultaneamente com a reta final de "Cúmplices de um Resgate", o novo remake tem como principal objetivo manter os pequenos diante da televisão, preservando a ótima audiência de "Carrossel", "Chiquititas" (que vem sendo reprisada logo depois) e da atual novelinha protagonizada por Larissa Manoela que está perto do seu fim.


Porém, apesar de seguir mantendo o mesmo tipo de público, houve uma mudança na equipe. A autora Íris Abravanel e o diretor Reynaldo Boury, responsáveis pelas três novelas anteriores, saem de cena e cedem lugar para Leonor Corrêa (responsável pela condução do roteiro) e Ricardo Mantoanelli (na direção). É verdade que Íris não saiu tão de cena assim, pois é supervisora de texto, entretanto, já é uma renovação importante. A própria história, por sinal, exige uma alteração na forma de ser contada, uma vez que é ainda mais infantil que as antecessoras.

É uma novela de crianças para crianças, onde a 'fofura' é o mote do enredo. Ao contrário das outras produções, que tinham personagens saindo da infância e entrando na pré-adolescência, "Carinha de Anjo" é totalmente infantil. O elenco é repleto de pequenos cuja idade máxima não passa de sete ou oito anos. E a protagonista tem apenas cinco aninhos, fazendo jus ao título da trama.

terça-feira, 22 de novembro de 2016

Emmy Internacional consagra o estrondoso sucesso de "Verdades Secretas"

O 44º Emmy Internacional foi promovido nesta segunda-feira (21/11), no hotel Hilton, em Nova York, Estados Unidos. A importante e prestigiada premiação teve seis indicações brasileiras em cinco categorias, sendo elas: Melhor Ator, Melhor Atriz, Melhor Comédia, Melhor Telefilme/série e Melhor Novela. Alexandre Nero (pelo Romero de "A Regra do Jogo") perdeu para Dustin Hofmann (Roald Dahl`s Esio Trot); Grazi Massafera (pela Larissa de "Verdades Secretas") perdeu para Christiane Paul (Unterm Radar); "Zorra" perdeu para "Hoff the Record" (Reino Unido) e "Os Experientes" perdeu para "Capital" (Reino Unido). Somente "Verdades Secretas" triunfou, derrotando também a brasileira "A Regra do Jogo", que nem deveria estar concorrendo e, sim, "Sete Vidas" ou "Além do Tempo".


Com exceção da trama de João Emanuel Carneiro, a sua mais fraca da carreira, todos mereceram as indicações. Alexandre brilhou como Romero, Grazi deu um show como Larissa, "Zorra" foi totalmente reformulado e está muito melhor sem o humor popularesco, e "Os Experientes" foi uma série primorosa de Fernando e Quico Meirelles, valorizando os atores veteranos. Infelizmente nenhum levou o troféu, mas as indicações já valeram bastante. Já o triunfo de "Verdades Secretas" foi a consagração de um dos melhores trabalhos de Walcyr Carrasco, que conseguiu criar um folhetim extremamente ousado, onde vários temas polêmicos foram abordados com maestria, conquistando o público do primeiro ao último capítulo.

A novela tinha como pano de fundo a prostituição no mundo da moda, despertando a fúria de várias agências de modelos que faziam questão de negar o esquema. Mas a verdade é que o autor se baseou em fatos reais, tocando na ferida e ainda usando a situação como um ótimo elemento ficcional. Não demorou para o telespectador se interessar pela saga da protagonista Arlete (a grata revelação Camila Queiroz), que acabou virando a sensual Angel assim que entrou na agência da cafetina Fanny (brilhante Marieta Severo).

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Fazendo jus ao protagonismo de "A Lei do Amor", Reynaldo Gianecchini e Cláudia Abreu transmitem a linda sintonia de Pedro e Helô

A missão não era nada fácil: repetir a química arrebatadora vista entre Chay Suede e Isabelle Drummond na primeira fase de "A Lei do Amor". Entretanto, Reynaldo Gianecchini e Cláudia Abreu conseguiram atingir o objetivo com louvor e logo na primeira cena deles, na segunda fase da novela das nove, que está há pouco mais de um mês no ar. A essência do par foi mantida, assim como a sintonia observada no prólogo de cinco capítulos do folhetim, protagonizado pelos jovens atores citados.


Pedro e Helô têm uma história muito bem construída por Maria Adelaide Amaral e Vincent Villari, que souberam conquistar o telespectador com uma primeira fase voltada praticamente para o nascimento desse amor. E o par representou um dos maiores clichês da teledramaturgia em seu início: a mocinha pobre e o mocinho rico que se apaixonam, mas acabam tendo a paixão destruída por uma armação dos vilões, representados pelo pai e pela madrasta do rapaz. Vinte anos se passaram, mas o sentimento continuou intenso, apesar da distância e do mal entendido (uma traição inexistente) provocado por Fausto (Tarcísio Meira) e Magnólia (Vera Holtz).

O receio do encanto do casal ter se quebrado com a mudança de fase era inevitável, afinal, Chay e Isabelle formaram um par encantador. Mas Gianecchini e Cláudia logo acabaram com esse medo assim que protagonizaram o reencontro dos protagonistas, justamente em uma praia que representava um dos locais mais marcantes dos personagens.

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

"MasterChef Profissionais" expõe a longevidade do formato tão explorado pela Band

No dia 4 de outubro estreou o "MasterChef Profissionais", menos de dois meses depois do término da terceira temporada do "MasterChef", que durou quase seis meses. A nova versão do reality culinário, como o próprio nome diz, é composto somente por cozinheiros experientes, onde o nível da disputa é bem maior. Mas, apesar da leve mudança, não deixa de ser mais do mesmo. E a grande questão era uma só: a Band estaria desgastando o formato? Pois o imenso sucesso da atual fase apenas expõe que esse programa tem uma longevidade invejável, por mais que a emissora esteja mesmo abusando de sua exibição.


A atual edição não demorou para apresentar índices expressivos de audiência, ao contrário das temporadas anteriores, que começaram de forma mais 'tímida' nos números. A atração chegou até a liderar, deixando a série "Supermax" e o "Jornal da Globo" para trás. Ou seja, o público aprovou o reality e não se cansou nem um pouco dele, pelo contrário. Mesmo com um intervalo muito curto entre uma temporada e outra, a competição mantém o interesse do telespectador, se firmando como a galinha dos ovos de ouro da Band.

A emissora, inclusive, agora só tem esse programa para se apoiar. Afinal, abriu mão dos direitos do Campeonato Brasileiro e dos jogos estaduais, deixando toda a equipe de jornalismo esportivo apreensiva. A estreia do "X Factor", que seria um novo produto para atrair público, ainda decepcionou, apresentando jurados equivocados e candidatos fracos.

terça-feira, 15 de novembro de 2016

"Pai Herói", "A Gata Comeu" e "Torre de Babel": três ótimas reprises do Canal Viva

O mês de outubro foi marcado por três grandes estreias do Viva. O canal começou a reprisar uma trinca de novelas de imenso sucesso e que marcaram a história da teledramaturgia, após as reprises bem-sucedidas de "Laços de Família", "Mulheres de Areia" e "Meu Bem Meu Mal". "Torre de Babel"  (a polêmica trama de Silvio de Abreu) estreou no dia 10, "Pai Herói" (um dos grandes clássicos da saudosa Janete Clair) no dia 17 e "A Gata Comeu" (um dos inúmeros êxitos da inesquecível Ivani Ribeiro) no dia 24. As três produções têm estilos completamente distintos e as reprises são um presente para o público saudosista.


As histórias, o ritmo, as temáticas, as épocas, enfim, os folhetins se diferem em tudo. Ou seja, tem novela para todos os gostos e é muito interessante observar as narrativas de cada momento da teledramaturgia, além do processo de cada autor, sendo que dois deles precisaram lidar com adversidades em seus trabalhos. Janete e Silvio enfrentaram desafios complicados: ela recebeu a missão de escrever uma novela rapidamente para substituir Lauro César Muniz (que se adoentou e não pôde desenvolver a sua trama prevista para a faixa nobre) e ele precisou mexer em toda a estrutura de sua obra em virtude da rejeição do público. Os dois foram bem-sucedidos na difícil tarefa. E no caso de Ivani não houve complicações, emplacando outro remake de sucesso de sua carreira.

"Pai Herói" (1979) foi dirigida por Walter Avancini, Gonzaga Blota e Roberto Talma, três diretores de extrema competência. A autora --- conhecida como a 'maga' das novelas --- fez o folhetim cair nas graças do público através da saga de André Cajarana (Tony Ramos), homem humilde que sempre admirou o pai e faz questão de investigar as causas da sua morte, além de lutar bravamente para limpar seu nome.

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Por que o "Estrelas" tem um quadro de culinária?

O "Estrelas" estreou nas tardes de sábado no dia 8 de abril de 2006. Ou seja, completou dez anos neste ano. E a trajetória do programa comandado por Angélica é respeitável. Ao longo deste tempo sofreu algumas modificações, até chegar ao formato ideal, valorizando o bate papo da apresentadora com seus convidados. Entretanto, um dos problemas da atração (e que curiosamente nunca foi solucionado) é a presença de um quadro de culinária.


Angélica já declarou várias vezes a sua falta de aptidão para a cozinha, portanto, são os convidados que fazem os pratos. Enquanto cozinham, há uma conversa quase sempre sem relevância. E para culminar, a apresentadora tem várias restrições alimentares, amplamente divulgadas por ela, inclusive. Não come carne, gorduras e nem chocolate, citando apenas alguns exemplos. Ou seja, alimentos presentes em inúmeras receitas, ainda mais de pessoas que não são cozinheiras profissionais, como é o caso de cada ator, atriz ou cantor que participa.

Portanto, não são poucas as vezes em que Angélica se recusa a provar algum prato. Claro que quando isso ocorre se instaura um clima desagradável, por mais que haja uma tentativa de aparentar naturalidade. E até quem assiste se sente incomodado. Recentemente, por exemplo, João Baldasserini (que viveu o Beto em "Haja Coração") preparou uma carne de panela e ela não comeu.

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

"Rock Story" tem estreia movimentada e com elementos promissores

"Uma história de amor movida a música e uma história de música movida a amor". Esse slogan anunciado nas chamas iniciais resume o enredo de "Rock Story", nova novela das sete, que estreou nesta quarta (09/11) ---- em virtude do término atípico da produção anterior ----, substituindo "Haja Coração". A trama marca a estreia de Maria Helena Nascimento como autora solo, após vários trabalhos como colaboradora. O desafio maior será manter a média alta da obra de Daniel Ortiz, que por sua vez manteve os ótimos índices de "Totalmente Demais". E o primeiro capítulo conseguiu mostrar tudo o que está por vir, priorizando os conflitos que envolvem o núcleo central, não poupando acontecimentos.


Dirigida por Dennis Carvalho e Maria de Médicis, a novela tem a música como pano de fundo e o imenso sucesso de "Cheias de Charme" (reprisada atualmente no "Vale a Pena Ver de Novo") é um bom indicativo para a atual produção. Claro que repetir o fenômeno é quase impossível, mas há bons elementos para atrair o público. Afinal, não é nem um pouco anormal observar a rivalidade entre dois cantores famosos, disputando espaço entre os fãs lançando hits que estouram no mercado musical. E o folhetim retrata justamente isso, expondo ainda todos os meandros que costumam ficar nos bastidores. O intuito não é ser um retrato da realidade, mas as situações são de fácil comparação com alguns casos da vida real, embora a ficção seja bem mais exagerada, obviamente.

A estreia foi promissora. A autora não poupou conflitos e nem apresentou os personagens, como se costuma fazer no início de qualquer história. A sensação de correria se fez presente por alguns momentos, mas, ainda assim, o capítulo (que chegou a parecer o 25 e não o 1) prendeu atenção e nem deu para piscar em virtude das constantes reviravoltas que ocorreram logo no começo.

terça-feira, 8 de novembro de 2016

"Haja Coração" tinha todos os ingredientes de uma ótima novela das sete, mas deixou a desejar

Foram apenas cinco meses no ar e 139 capítulos. "Haja Coração" estreou em 31 de maio, excepcionalmente uma terça-feira, e chegou ao fim (também excepcionalmente) nesta terça, dia 8 de novembro ---- o caso da estreia houve a justificativa plausível de adiar o fim de "Totalmente Demais" para não enfrentar um feriado prolongado, mas no caso da trama atual foi algo gratuito e desnecessário mesmo. A segunda novela de Daniel Ortiz foi um remake de "Sassaricando" (1987), grande sucesso de Silvio de Abreu, e cumpriu sua missão no quesito audiência: teve média de 27,5 pontos, empatada tecnicamente com o fenômeno anterior de Rosane Svartman e Paulo Halm (27,4). Excelentes números. Porém, a produção poderia ter sido muito melhor do que foi.


Após seu bom trabalho como estreante em "Alto Astral" (2014), o autor apresentou um início promissor de seu segundo folhetim. Havia ali todos os ingredientes de uma deliciosa novela das sete. E o primeiro mês foi animador, onde a dupla formada por Fedora (Tatá Werneck) e Teodora (Grace Gianoukas) logo se destacou, assim como o trio impagável de amigas interesseiras formado por Rebeca (Malu Mader), Penélope (Carolina Ferraz) e Leonora (Ellen Roche). A composição de Mariana Ximenes como Tancinha também agradou e parecia uma ótima protagonista, tendo ainda a rivalidade com Fedora como um dos atrativos. Os erros observados em alguns núcleos paralelos deslocados e na história cansativa do mocinho Apolo (Malvino Salvador) pareciam pequenos diante dos acertos.

Entretanto, ao longo dos meses, Ortiz começou a dar claros sinais de falta de domínio de seu enredo. Os problemas começaram a crescer e até mesmo os pontos positivos começaram a ficar negativos. A falsa morte de Teodora foi um dos mais graves equívocos do autor, que preferiu seguir o roteiro original de "Sassaricando", ignorando a diferença do contexto atual. O resultado foi catastrófico para o núcleo Abdala, que era o melhor da novela. Com a saída da melhor personagem da família, todos os perfis ficaram sem função e perdidos na história.

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Mariana Ximenes compôs uma ótima Tancinha em "Haja Coração"

"Haja Coração" chega ao fim nesta terça (08/11), marcada por altos e baixos. Apesar do êxito nos números de audiência, a novela de Daniel Ortiz teve sérios problemas de condução e equívocos evidentes. Entre eles a falta de um enredo que fizesse jus ao protagonismo de Tancinha, personagem icônico de Cláudia Raia em "Sassaricando", que voltou ao ar 29 anos depois nas mãos de Mariana Ximenes. Mas, apesar da falta de história, o perfil foi defendido com brilhantismo pela intérprete, cujo desempenho arrancou merecidos elogios.


Na novela original de Silvio de Abreu, exibida em 1987, Tancinha era um perfil pequeno que foi crescendo até dominar a trama, ofuscando o enredo principal. Tudo graças ao talento de Cláudia Raia, que adotou um tom caricato da feirante que comia o plural, inseria o pronome 'me' em todas as frases e exagerava no sotaque paulistano. Visando esse sucesso, o autor optou em transformar a personagem em protagonista de "Haja Coração". Entretanto, se esqueceu de criar um enredo digno de perfil principal e que move a história. Inicialmente, até parecia que a trama dela renderia, pois a rivalidade com Fedora (Tatá Werneck) funcionou e a investigação sobre o desaparecimento do pai gerava interesse.

Mas ao longo dos meses nada se manteve. A rivalidade da feirante com a patricinha se diluiu quase por completo e a procura dela pelo pai acabou sem maiores explicações. A única função da personagem passou a ser a indecisão amorosa. Tancinha ficou 'divididinha' entre Beto (João Baldarreini) e Apolo (Malvino Salvador), protagonizando cansativas idas e vindas com ambos. Até mesmo o sonho da personagem (fazer balé) era fruto do desejo da mãe e não dela.

sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Bárbara França é uma grata revelação de "Malhação - Pro Dia Nascer Feliz"

"Malhação - Pro Dia Nascer Feliz" estreou no final de agosto e desde então tem sido possível observar um bom enredo, principalmente se comparado com a fraca temporada passada, escrita pelo mesmo Emanuel Jacobina. O principal acerto é o núcleo central, envolvendo Ricardo (Marcos Pasquim), o dono da Academia Forma. Tudo que está ligado a ele desperta atenção, vide a sua relação conturbada com as três filhas, seu romance com Tânia (Deborah Secco), o desgaste com a namorada Tita (Paula Possani), a rivalidade com o ex-amigo Caio (Thiago Fragoso) e a descoberta da filha Joana (Aline Dias). Mas entre todos os pontos da trama principal, há um que merece uma menção especial: o desempenho de Bárbara França.


A intérprete da vilã Bárbara, ironicamente o seu nome real, se sobressaiu logo na estreia, já prometendo bons momentos no seriado adolescente. E a promessa vem sendo cumprida com louvor. A personagem é riquíssima, cheia de nuances, proporcionando para a atriz ótimas cenas. Não é apenas um perfil malvado, pois há todo um contexto explicativo para a sua personalidade nada fácil. A irmã de Juliana (Giulia Gayoso) e Manuela (Milena Melo) tem uma relação de extrema carência com o pai, fazendo de tudo para ter aprovação ou reconhecimento do seu esforço ---- ela trabalha na academia e é o braço direito dele. A ausência da mãe (já falecida), com quem era muito ligada, a afeta e o seu relacionamento amoroso com Gabriel (Felipe Roque) é de insegurança, refletindo um ciúme intenso e tentativa de posse.

Todas essas características engrandecem o papel, provocando várias vezes uma compreensão pelas suas motivações. Muitas de suas atitudes não têm justificativa, mas têm explicação. E quando isso ocorre é sinal claro da densidade do perfil. O conjunto que a cerca sempre foi desenhado e vem sendo bem desenvolvido pelo autor desde a estreia, valorizando a intérprete.

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Marisa Orth pôde explorar uma faceta dramática pouco conhecida em "Haja Coração"

Todo ator foge do estigma. Nenhum intérprete gosta de ser conhecido apenas por um determinado tipo de papel. O sonho de um profissional das artes cênicas é justamente ter a possibilidade de exercer versatilidade, mostrando que é capaz de viver qualquer tipo. Nem todos conseguem. Alguns por falta de oportunidade e outros por falta de talento mesmo. Marisa Orth, por exemplo, ficou conhecida por muito tempo pelos seus papéis cômicos, especialmente a inesquecível Magda, de "Sai de Baixo". Mas, em "Haja Coração", pôde mostrar que também tem talento de sobra no drama.


A batalhadora Francesca se viu abandonada pelo marido ---- o sumiço de Guido (Wernner Schunemann) foi um dos 'mistérios' da novela, só sendo revelado no último mês ---- e criou os quatro filhos sozinha, trabalhando como feirante. Tem uma relação de cumplicidade com o filho Giovanni (Jayme Matarazzo), enquanto demonstra um grande afeto por Tancinha (Mariana Ximenes) e uma superproteção com Shirlei (Sabrina Petraglia). O seu relacionamento com Carmela (Chandelly Braz) é bastante problemático e ainda demorou muito para se abrir a um novo amor. Ou seja, é um perfil que não tem absolutamente nada de cômico.

Daniel Ortiz confiou no talento da atriz para o papel e valeu a pena. Inicialmente, a personagem seria interpretada por Christiane Torloni, com quem o autor trabalhou em "Alto Astral", mas a intérprete foi deslocada para "Velho Chico", havendo assim a troca. Sorte da Marisa, que pôde exercer uma faceta não muito conhecida do grande público.

terça-feira, 1 de novembro de 2016

Reprise de "Torre de Babel" no Viva comprova a coragem e a ousadia de Silvio de Abreu

O Viva começou a reprisar a polêmica "Torre de Babel" no dia 10 de outubro e desde então tem sido possível observar com mais clareza o quanto a novela de Silvio de Abreu, dirigida por Denise Saraceni, era ousada e corajosa para época. Aliás, seria ousada até nos tempos atuais, levando em consideração o politicamente correto e a rejeição do público por questões mais complexas. A novela, exibida originalmente em 1998, teve um início muito conturbado e problemas de audiência. No entanto, o autor conseguiu reverter a situação, a transformando em um imenso sucesso. E são várias as razões que explicam o porquê da resistência inicial do telespectador 'médio', assim como expõem a riqueza do enredo e a coragem do autor.


As primeiras semanas da história foram muito pesadas e não havia um casal protagonista parta torcer. O enredo se baseava primeiramente em três pontos: a vingança do agressivo Clementino (Tony Ramos), o romance de Rafaela (Christiane Torloni) e Leila (Silvia Pfeifer) e as implicações provocadas pelo vício em drogas de Guilherme (Marcelo Antony). Três situações consideradas polêmicas. Para culminar, as cenas do primeiro capítulo foram muito fortes e hoje em dia só poderiam ir ao ar em uma novela das 23h. O personagem vivido magistralmente por Tony flagrou a sua mulher com dois homens e a matou com golpes de pá. Ele também chegou a matar um dos amantes. Uma sequência chocante e grandiosa, toda ambientada em 1978. Já no final da estreia da novela, após uma passagem de vinte anos, houve uma invasão de traficantes na mansão dos pais do rapaz viciado, iniciando um tiroteio no meio de uma luxuosa festa.

Ou seja, foi um início nem um pouco 'suave'. E isso não foi um demérito, pelo contrário. Mostrou a coragem do autor em sair do mais do mesmo, apostando em um enredo denso e repleto de situações extremamente dramáticas. Porém, quem arrisca muitas vezes paga um preço e Silvio pagou com a rejeição do público, que considerou tudo pesado demais.

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Na pele da sofrida Shirlei, Sabrina Petraglia foi o maior destaque de "Haja Coração"

"Haja Coração" está quase no seu fim e a segunda novela de Daniel Ortiz teve mais erros que acertos. Entretanto, a trama apresentou alguns bons destaques e outros que fizeram um sucesso além do esperado. O caso de Shirlei, por exemplo, ultrapassou até o mais otimista: a personagem tinha uma participação relativamente pequena no início do enredo, mas foi crescendo à medida que Sabrina Petraglia ia mostrando o seu talento. Até chegar ao ponto de virar um dos trunfos do folhetim das sete, ganhando ares de protagonista.


A personagem foi a única que não fazia parte de "Sassaricando", produção de Silvio de Abreu que originou a atual versão, e sim de outra novela: "Torre de Babel", do mesmo autor, cuja reprise pode ser vista no Canal Viva. A menina extremamente sensível, com baixa autoestima e que tem uma deficiência na perna fez um imenso sucesso na obra original, destacando Karina Barum, que emocionou e cativou o público na época. Ironicamente, agora, não foi diferente. O perfil mais uma vez caiu nas graças do telespectador.

Para culminar, Shirlei ainda protagoniza um romance claramente inspirado nos contos de fadas, especialmente "Cinderela". Ela conheceu Felipe (Marcos Pitombo) quando o rapaz quase a atropelou e perdeu sua bota ortopédica, que ficou com ele até o aguardado reencontro. O 'príncipe' calçou a bota em sua amada e aí o amor se concretizou, iniciando uma saga que encantou o público.

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Jurados equivocados e candidatos fracos fazem do "X Factor" uma decepção

O "X Factor" é um vitorioso formato que faz sucesso no mundo todo. Criado em 2004 por Simon Cowell, a atração não é muito diferente dos inúmeros outros programas do gênero. Consiste em achar talentos musicais e transformá-los em estrelas. Quatro jurados são os responsáveis em julgar os concorrentes até a grande final. A versão nacional até que demorou bastante para surgir, mas finalmente veio e na Band, que adquiriu o produto em coprodução com a TNT e a Freemantle, estreando a primeira temporada no dia 29 de agosto.


Apresentado por Fernanda Paes Leme (que está em seu primeiro trabalho fora da Globo), o programa tem o produtor musical Rick Bonadio e os cantores Paulo Miklos, Di Ferrero e Alinne Rosa integrando o juri. A emissora, com o intuito de resolver um pouco os buracos que surgiram na sua grade após a desistência dos direitos de transmissão do Campeonato Brasileiro, colocou a atração em dois dias da semana: segundas e quartas, às 22h30. Em virtude do sucesso do formato, havia um otimismo grande em relação ao retorno do público. Porém, já há quase dois meses no ar, o resultado não poderia ser mais desanimador.

Infelizmente, quase nada tem funcionado na versão nacional. O nível dos candidatos é fraquíssimo; os jurados estão cada vez mais equivocados e muitas vezes forçados; não houve explicação em cima da seleção dos escolhidos para as primeiras audições; e a duração do programa (mais de duas horas, ou seja, praticamente quatro horas e meia por semana) se mostra acima do necessário em função do que vem sendo apresentado.

terça-feira, 25 de outubro de 2016

"Rock Story": o que esperar da próxima novela das sete?

A próxima novela das sete chegou a se chamar "Sonha Comigo" por um bom tempo, até mudar definitivamente para "Rock Story". E a trama marca a estreia de Maria Helena Nascimento como autora solo, após ter sido colaboradora de vários autores, como Antônio Calmon ("Caras & Coroa", "Um Anjo Caiu do Céu", "O Beijo do Vampiro" e "Começar de Novo"), Aguinaldo Silva ("Suave Veneno") e Gilberto Braga ("Pátria Minha", "Celebridade", "Paraíso Tropical" e "Insensato Coração"), entre outros. Agora o seu desafio é manter os bons índices de audiência de "Haja Coração" e conquistar o público de uma das faixas mais complexas da Globo.


A trama será bem musical, tendo um quê de "Cheias de Charme" (fenômeno das sete que vem sendo reprisado no "Vale a Pena Ver de Novo"). O mocinho é interpretado por Vladimir Brichta, que retorna aos folhetins após 11 anos (sua última novela foi "Belíssima", em 2005). Ele viverá o Gui, um roqueiro que fez muito sucesso nos anos 90, mas enfrenta um período de esquecimento, principalmente pela perda de espaço do rock no mercado da música. Seu objetivo é tentar se reerguer nos dias atuais. E seu maior inimigo será Léo Régis (Rafael Vitti), cantor romântico que faz imenso sucesso entre as adolescentes.

A rivalidade se dará por conta da canção "Sonha Comigo", que Gui garante ser sua e acusa o concorrente de roubá-la. A situação lembra um pouco, guardada as devidas proporções, a vivida por Maria Clara Diniz (Malu Mader) e Laura Prudente da Costa (Cláudia Abreu) em "Celebridade. Na trama, a empresária ganha fortunas após ser intitulada a "Musa do Verão", em virtude da música de mesmo título escrita para ela.