sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Débora Falabella e Bruno Gagliasso se destacam em "Dupla Identidade"

Eles tiveram um início de carreira muito semelhante. Débora Falabella e Bruno Gagliasso fizeram pequenas participações na Globo até serem aprovados no teste que fizeram para "Chiquititas", no ano de 2000, quando conseguiram um destaque no sucesso do SBT na pele de Estrela e Rodrigo. Quatorze anos depois, os dois se reencontram em "Dupla Identidade" e se destacam interpretando Ray e Edu, um casal que foge dos pares românticos tradicionais.


Edu é um serial killer acima de qualquer suspeita. Formado em direito, Eduardo Borges é estudante de psicologia, trabalha em um escritório de advocacia e conseguiu ganhar a confiança de Oto (Aderbal Freire-Filho), um poderoso político. Para culminar, ainda é voluntário em um grupo de apoio à vida. Mas por trás desta sua máscara social, o rapaz é um verdadeiro monstro que tortura mulheres antes de matá-las. Já Ray é uma carente mulher, que sofre de Transtorno de Borderline, ou seja, é carente demais, apresenta constantes mudanças de estado emocional e está com os sentimentos sempre à flor da pele.

O protagonista psicopata encontrou naquela frágil figura um álibi perfeito. Extremamente manipulável, Ray é dominada por Edu sem dificuldades, que consegue usá-la de todas as formas, inclusive satisfazendo suas fantasias sexuais macabras, como passar na boca o mesmo batom que ele passa na boca dos cadáveres de suas vítimas.

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

"Amor & Sexo" se mantém divertido e despretensioso

Com um fim previsto para 2013, o "Amor & Sexo" ganhou uma sobrevida graças ao sucesso da dobradinha com o "The Voice Brasil" no ano passado. O programa apresentado por Fernanda Lima demonstrou fôlego de sobra para novos episódios, surpreendeu até os responsáveis pela produção do formato e o resultado foi a estreia da oitava temporada no dia 9 de outubro de 2014.


A temporada estreou tão divertida quanto as anteriores e com uma Fernanda Lima completamente à vontade no comando da atração. Este, aliás, é um dos pontos altos do programa: a competência, o carisma e a espontaneidade da apresentadora. O juri fixo com Regina Navarro Lins, Otaviano Costa, Mariana Santos, José Loreto e Xico Sá continua presente e tem uma participação fundamental nas conversas sobre os temas escolhidos, assim como a banda liderada por Leo Jaime.

Sempre procurando uma abordagem bem-humorada em cima de assuntos considerados 'tabus', Fernanda e sua bancada de 'especialistas' não se preocupam com o politicamente correto e muito menos com a forma como tudo é falado e até exemplificado.

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

"Alma Gêmea": um fenômeno do horário das seis

Escrita por Walcyr Carrasco, "Alma Gêmea" foi uma das melhores novelas do autor e um dos maiores fenômenos de audiência do horário das seis. A trama chegou a marcar impressionantes 52 pontos, índice inimaginável na época, e impossível de ser alcançado hoje em dia até mesmo em uma novela de horário nobre. A história de época que tinha a reencarnação como tema central conquistou o público e foi um grande sucesso.


Logo no primeiro capítulo (exibido no dia 20 de junho de 2005), Luna (Liliana Castro), grande amor da vida do floricultor Rafael (Eduardo Moscovis) ---- que criou uma espécie de rosa branca especialmente para a amada ----, leva um tiro durante um assalto (planejado pela invejosa Cristina para ficar com as joias da prima) e morre, para o desespero do florista e da mãe (Agnes - Elizabeth Savalla) da pianista. Mas o sentimento que unia o casal era tão intenso, que a mulher voltou na pele de uma índia (Serena - Priscila Fantin), para reencontrar o amor de sua vida.

Vinte anos se passam, e aquela criança, que nasceu em uma aldeia indígena, vira uma bela mulher. Já Rafael segue amargurado com a vida e infeliz sem Luna ----- apesar de ser constantemente cortejado por Cristina (Flávia Alessandra) ----- e se fecha em seu mundo de sofrimento e solidão, mesmo tendo um filho (Felipe - Sidney Sampaio) com sua falecida mulher.

terça-feira, 14 de outubro de 2014

"Geração Brasil": um equívoco de Filipe Miguez e Izabel de Oliveira

Em plena reta final (outubro é seu último mês de exibição), "Geração Brasil" se encaminha para um desfecho tão desinteressante quanto foi a novela. O desenvolvimento dos personagens, a construção equivocada dos casais e falta de uma boa história foram alguns dos problemas que não conseguiram ser solucionados ao longo da trama, ainda que os autores tenham tentado consertar. Perto do fim, o roteiro segue incapaz de apresentar algo que desperte atenção do público.


A novela se perdeu quando ficou evidente que não havia um fio condutor ou uma trama que prendesse o telespectador. A preocupação exagerada em misturar teledramaturgia com interatividade aniquilou o folhetim, enquanto que o desenvolvimento dos pares românticos foi feita de forma totalmente equivocada e superficial. O resultado deste erro ficou mais evidente após a Copa do Mundo, quando a 'desculpa' ----- em relação ao evento esportivo atrapalhar a condução da história ----não pôde ser mais usada.

Agora, em suas últimas semanas, "Geração Brasil" nem parece mais aquela novela que empolgou e divertiu no primeiro mês. Após Jonas Marra (Murilo Benício) perder o império da tecnologia que havia conquistado, o empresário foi morar com a mãe (Gláucia - Renata Sorrah) no subúrbio, enquanto que Herval (Ricardo Tozzi) ri de sua desgraça.

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Estagnada, "Império" necessita de melhores conflitos para prender o telespectador

Enquanto preparava a sinopse de "Império", Aguinaldo Silva prometeu um novelão. E assim que sua novela estreou, sua promessa foi cumprida com louvor. A primeira fase ---- protagonizada por Marjorie Estiano, Chay Suede e Vanessa Giácomo ---- foi impecável e despertou interesse. O início da segunda fase também foi promissor, principalmente devido ao núcleo central, foco dos principais conflitos. Entretanto, há quase três meses no ar, a trama já não é mais a mesma.


Os núcleos secundários, que desde o início apresentaram fragilidades, estão totalmente deslocados na história e o principal tem apresentado situações pouco atrativas para o telespectador. A estagnação da trama está evidente e a famosa 'barriga' tem sido vista há várias semanas, sem qualquer sinal de melhora. A impressão causada é que o autor está poupando seu enredo em virtude da baixa audiência herdada do Horário Eleitoral Gratuito. Entretanto, mesmo durante o pequeno intervalo sem propaganda política pouco coisa foi desenvolvida em "Império".

Um dos principais problemas da novela tem sido a falta de ação das principais vilãs. Cora (Drica Moraes) foi 'vendida' como a grande víbora da história e a cena onde a personagem chora e gargalha após a morte da irmã (Eliane - Malu Galli) foi excelente. Parecia de fato que uma víbora estava a caminho.

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

"Malhação Sonhos" ousa e acerta ao abordar a prevenção do câncer de mama

A atual temporada de "Malhação" tem sido um grande acerto por vários pontos já abordados. Mas além dos ótimos pares românticos, da trama verossímil, dos bons conflitos, da atrativa história, do texto de qualidade e do elenco promissor, a história de Rosane Svartman e Paulo Halm tem sido muito feliz na abordagem de temas importantes para a sociedade.


No capítulo desta quinta-feira (09/10), foi explorada de forma marcante a prevenção do câncer de mama, através de uma cena sensível e de muito bom gosto. A doença foi inserida na trama com Lucrécia, mãe rígida de Jade (Anajú Dorigon) e professora da Ribalta. A personagem não declarou ter a enfermidade claramente, mas já ficou claro que descobriu que não está bem e a cena onde ela apalpa os seios diante do espelho e chora foi muito bonita, além de importante. Helena Fernandes emocionou.

Os autores foram muito felizes na inserção deste útil tema na temporada, ainda mais neste mês, onde há a campanha 'Outubro Rosa', responsável pela conscientização da importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama.

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

"O Beijo do Vampiro": a última boa novela de Antônio Calmon

A ousadia de Antônio Calmon lhe rendeu um estrondoso sucesso, em 1991, com a novela "Vamp". A trama que falava de vampiros marcou a teledramaturgia e até hoje é lembrada. Em 2002, o autor resolveu reviver esta temática e escreveu "O Beijo do Vampiro", que fez uma legião de fãs, conquistados com a 'nova geração' vampiresca, integrante da última boa novela de Calmon.


A trama, dirigida pelo saudoso Marcos Paulo, virou uma febre e teve até álbum de figurinhas. As crianças e os adolescentes foram os principais fãs do folhetim, que teve um grandioso elenco, personagens cativantes e uma história bem construída, repleta de ótimos efeitos especiais. Um enredo de amor, entremeado por elementos sobrenaturais, drama, humor e a clássica luta do bem contra o mal foram as principais marcas deste folhetim tão bem feito.

A trama começa no século XII, com o vampiro Bóris Vladesco (Tarcísio Meira) se apaixonando perdidamente pela princesa Cecília (Flávia Alessandra), que vive um romance com o conde Rogério (Thiago Lacerda). No dia do casamento da princesa com o conde, o vampiro mata o noivo de seu grande amor em um duelo, assim como toda sua família.

terça-feira, 7 de outubro de 2014

Renata Sorrah: um talento desperdiçado

Renata Leonardo Pereira Sochaczewski atua no teatro há mais de 40 anos e é uma das grandes atrizes contratadas da Globo. Conhecida como Renata Sorrah, esta grande profissional já interpretou várias personagens marcantes, engrandecendo sua respeitável e longeva carreira. Entretanto, ela não vem tendo sorte na televisão nos últimos anos, infelizmente.


Após papéis de destaque como a Heleninha Roitman, de "Vale Tudo", a Pilar, de "Pedra sobre Pedra", a Mariana, de "Rainha da Sucata", e a Zenilda, de "A Indomada", a atriz ganhou sua melhor personagem da carreira em 2004: a Nazaré Tedesco, de "Senhora do Destino", trama de Aguinaldo Silva. A vilã sarcástica, cruel e debochada é até hoje lembrada pelo telespectadores e entrou para a história da teledramaturgia. Mas depois deste papel parece que nada mais fez jus ao talento da atriz.

Claro que dificilmente haverá outra personagem tão marcante quanto Nazaré. Porém, Renata merecia papéis mais interessantes depois do show que deu em um dos maiores sucessos da Globo. Em 2006, ela ganhou uma juíza em "Páginas da Vida", que aparentava ser uma boa personagem.

sexta-feira, 3 de outubro de 2014

Revelação da troca de bebês destaca elenco e movimenta "Boogie Oogie"

A atual novela das seis está há dois meses no ar e seu bom ritmo tem sido uma de suas principais qualidades. Repleta de bons ganchos, a trama de Rui Vilhena consegue prender o telespectador através dos encontros e desencontros dos personagens, ainda que muitas vezes as situações soem absurdas. E nesta última semana, "Boogie Oogie" teve o principal segredo de sua história revelado: a troca de bebês.


Desde que a novela estreou, no dia 4 de agosto, não se fala de outro assunto na trama. Suzana (Alessandra Negrini) trocou Sandra (Isis Valverde) e Vitória (Bianca Bin) na maternidade para se vingar de Fernando (Marco Ricca), seu amante, que preferiu ficar com a esposa Carlota (Giulia Gam). Através de constantes diálogos, a situação foi e é repetida inúmeras vezes e, aos poucos, praticamente todos os personagens do núcleo central foram sabendo desta confusão. E na quarta-feira (01/10), o crime chegou aos ouvidos das duas 'trocadas'.

A revelação promoveu uma reviravolta na novela e proporcionou ótimas cenas. Suzana contou para Carlota parte da verdade e a vilã não pensou duas vezes antes de jogar a notícia no ventilador para prejudicar sua até então filha e inimiga declarada, que está investigando um segredo de seu passado ---- até agora não descoberto.

quinta-feira, 2 de outubro de 2014

"Plano Alto": uma ótima trama política de Marcílio Moraes

Guido Flores (Gracindo Jr.) é um governador que enfrenta uma sucessão de problemas justamente no período que está prestes a se lançar à Presidência. Instauração de uma CPI liderada por seu inimigo político, descontentamento do sindicado dos profissionais de saúde e para culminar uma onda de manifestações populares que há anos não se via na cidade. Sob esta ótica, a Record estreou, nesta terça-feita (30/09), sua nova minissérie: "Plano Alto".


Escrita por Marcílio Moraes, e com 12 capítulos, a trama gira em torno dos protestos ocorridos em 2013, época que o autor criou a história, que acabou demorando mais do que o previsto para ir ao ar, devido a questões envolvendo os custos na produção. Porém, ainda que as manifestações tenham acabado (pelo menos até agora), o roteiro continua atual, principalmente porque o Brasil encara as eleições para deputados, senadores, governadores e para a Presidência da República.

A última produção política da televisão nacional foi a impecável "O Brado Retumbante", protagonizada por Domingos Montagner, na Globo. Agora, a Record aposta no tema, trazendo de volta um importante assunto e que sempre rende ótimos desdobramentos.

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

"Lili, a Ex" aposta nos exageros para atrair o telespectador

Baseada nas histórias em quadrinhos de Caco Galhardo, o GNT estreou mais uma nova série, após o término da primorosa terceira temporada de "Sessão de Terapia". "Lili, a Ex" tem 13 episódios e narra a vida de uma ciumenta que tem obsessão pelo ex-marido (Reginaldo - Felipe Rocha). Protagonizada por Maria Casadevall, a trama tem um humor bem infantilizado, com um nível de exagero que remete aos desenhos animados.


A adaptação da tirinha para a televisão faz jus ao estilo agitadíssimo da personagem central, que não para um segundo. Está sempre imaginando alguma coisa, pensando em como vigiar o ex ou agindo sem pensar nas consequências de seus atos. O primeiro episódio mostrou o início da perseguição de Lili a Reginaldo e como a separação se deu.

Na história, a protagonista resolve fugir com um domador de circo, mas volta três semanas depois como se nada tivesse acontecido. Acaba sendo dispensada pelo marido, de quem se torna ex-mulher. Obcecada em recuperar esta relação, ela se muda para o apartamento vizinho ao dele e ainda inverte o olho mágico da porta de Reginaldo para acompanhar tudo o que se passa lá dentro.

terça-feira, 30 de setembro de 2014

Nathalia Timberg: 85 anos de vida e 60 de uma admirável carreira

No dia 5 de agosto de 1929 nascia uma das maiores atrizes do país. Nascia Nathalia Timberg, uma profissional respeitada pelo público e pela crítica, que completou 85 anos de vida e 60 anos de carreira em 2014. Um feito que merece ser comemorado de todas as formas possíveis, como vem ocorrendo com muito merecimento.


A Globo News fez uma justa homenagem em agosto, relembrando toda a trajetória da atriz na televisão e no teatro, através de um bom compacto no "Arquivo N". Já a 16ª edição do Prêmio Contigo de Televisão também fez questão de aplaudi-la em uma homenagem especial durante as premiações dos melhores do ano. A atriz ainda ganhou a sua primeira biografia, escrita pelo seu amigo Cacau Hygino, com um poema de Carlos Dimuro, que foi lançada na última quarta-feira.

Ou seja, uma leva de justas homenagens tem sido feita a uma das maiores atrizes do Brasil, cujo último papel na televisão foi a doce e sábia Bernarda, de "Amor à Vida", onde Nathalia brilhou do início ao fim e fez um lindo casal com o também talentoso Ary Fontoura.

sexta-feira, 26 de setembro de 2014

História bem escrita, ótimos casais, talentoso elenco e personagens cativantes compõem "Malhação Sonhos"

Receber a missão da Globo de assumir o roteiro de uma temporada de "Malhação" não é nada fácil. A novelinha completa 20 anos em 2015 e já exibiu uma avalanche de temáticas e histórias que involuntariamente são novamente contadas, mas de um jeito diferente. Por isso mesmo, o risco de cair em uma repetição cansativa, ou então em um formato inovador demais e distante da essência da novelinha, é elevado. Entretanto, os autores de "Malhação Sonhos" ignoraram o risco de cair nestas inúmeras armadilhas e têm conseguido apresentar uma trama cativante.


Rosane Svartman e Paulo Halm, com supervisão de Glória Barreto, construíram uma história repleta de possibilidades e que têm fôlego para ficar um ano no ar sem grandes dificuldades. O enredo começou de forma promissora e todas as boas impressões iniciais têm se mantido. A academia de lutas e a escola de artes são ótimas bases de sustentação para o conteúdo, que está enriquecido com bons dramas, ótimos casais e carismáticos personagens.

Os quatro protagonistas honram a importância dos personagens e se destacam merecidamente. Enquanto Arthur Aguiar e Bruna Hamu convencem na pele dos românticos Duca e Bianca, Rafael Vitti e Isabella Santoni brilham interpretando os opostos que se atraem Pedro e Karina. Os dois casais têm química de sobra e os atores mostram uma cumplicidade cênica visível.

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Em meio a uma trama fraca e com excesso de caricaturas, elenco é o ponto forte do "Vai que Cola"

Em julho de 2013, o Multishow estreou o "Vai que Cola", claramente inspirado no sucesso do extinto "Sai de Baixo". Era a época em que começava a vigorar a 'Lei de Cota de Produção Nacional na TV Fechada', obrigando os canais a cabo a produzirem formatos brasileiros em suas respectivas grades. A série ambientada no Méier, subúrbio do Rio de Janeiro, acabou dando certo e foi uma das maiores audiências da tevê fechada.


O êxito da produção, obviamente, resultou na garantia de uma segunda temporada, que estreou em setembro (dia 1). O formato continua exatamente igual: os personagens moram na pensão da Dona Jô (ótima Catarina Abdalla), que é representado por um cenário giratório, com uma parte da sala, outra da cozinha, banheiro e até quartos. Todos os perfis são caricaturas e o enredo é uma bobagem, onde quase sempre há um desfecho sem sentido. O erro de exibirem a atração diariamente também foi mantido, assim como a fragilidade do roteiro.

Mas o ponto forte do programa é seu elenco, que se diverte participando da atração e se destaca através de improvisos, inclusive corporais. A segunda temporada conta com três atores a mais no time: Marcelo Médici (o mais atuante), Tatá Werneck e Júlia Rabello (que aparece mais esporadicamente).

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

"História de Amor": uma das marcantes novelas de Manoel Carlos

Exibida entre 3 de julho de 1995 e 2 de março de 1996, "História de Amor" foi uma novela das seis marcante e mais uma grande trabalho do autor Manoel Carlos, dirigido com maestria pelo competente Ricardo Waddington. Reprisada com êxito no "Vale a Pena Ver de Novo" entre 10 de dezembro de 2001 e 28 de junho de 2002, a novela vem fazendo novamente sucesso na reprise do Canal Viva, de segunda a sábado, às 15h30.


A trama, como não poderia deixar de ser, gira em torno de Helena (Regina Duarte), uma mulher batalhadora que enfrenta a gravidez prematura de sua filha Joyce (Carla Marins), uma garota mimada, prepotente e voluntariosa, que engravida de um playboy de caráter duvidoso (Caio - Angelo Paes Leme), que a abandona sem sentir remorso. Helena é separada do pai da garota, o machista Assunção (Nuno Leal Maia), que não consegue aceitar a situação da filha.

Em meio a todos estes problemas familiares, a protagonista muito bem escrita por Maneco acaba se apaixonando e sendo correspondida pelo endocrinologista Carlos Alberto (José Mayer), homem que está prestes a se casar com Paula (Carolina Feraz),

terça-feira, 23 de setembro de 2014

"Sessão de Terapia" encerra mais uma temporada esbanjando profundidade e qualidade

Novamente dirigida com brilhantismo por Selton Mello, mais uma temporada de "Sessão de Terapia" chegou ao fim no canal a cabo GNT. E a terceira temporada teve um gosto especial por se tratar de um produto 100% nacional, cujos personagens foram desenvolvidos pela roteirista Jaqueline Vargas. Ao contrário da versão original israelense, que durou apenas duas temporadas, a versão brasileira deu tão certo que continuou no ar e continuará por mais tempo, pois uma quarta temporada está prevista para estrear em 2015.


Uma das principais qualidades desta série tão bem realizada é a capacidade de surpreender o telespectador com um novo drama e uma nova história. E todas as novas situações compõem perfeitamente o universo de Theo, um protagonista magnificamente vivido pelo ator Zécarlos Machado. Na terceira temporada, novamente o público foi envolvido com questões profundas e personagens impecavelmente bem escritos, com direito até a algumas reviravoltas surpreendentes.

A paciente de segunda-feira, por exemplo, Bianca, vivida muito bem por Letícia Sabatella, iniciou suas sessões se mostrando uma mulher oprimida pelo marido e que era constantemente espancada por ele. Theo, inclusive, a aconselhou denunciá-lo à polícia. Entretanto, nas últimas semanas da temporada, foi revelado que ela mentia para o terapeuta.

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Com uma bem elaborada trama, "Dupla Identidade" tem ótima e promissora estreia

Após uma sucessão de chamadas atrativas e bem feitas, estreou, nesta sexta-feira (19/09), "Dupla Identidade", a nova série de Glória Perez. Dirigida por Mauro Mendonça Filho, a trama conta a história de um serial killer com sede de sangue e que é um homem acima de qualquer suspeita. Um enredo incomum no universo brasileiro, embora "As Noivas de Copacabana" (1992) tenha sido uma produção inesquecível e muito marcante.


Escalado para viver o assassino, após o próprio ator ter lutado pelo papel e ter feito testes para interpretá-lo, Bruno Gagliasso impressionou logo na estreia. Ele está impecável na pele do galanteador homem que manipula os outros com grande facilidade e demonstra uma absurda frieza quando elimina suas vítimas, sempre mulheres escolhidas de forma aleatória. Seu olhar diabólico, ao mesmo tempo parecendo um animal selvagem em busca da presa, assusta e impacta.

A ideia da autora de colocar o personagem como um homem inteligente, simpático, sedutor e solidário foi uma sacada de mestre, afinal, é um tipo acima de qualquer suspeita. Eduardo Borges é formado em direito e estudante de psicologia, que trabalha no escritório de advocacia de Assis (Gláucio Gomes) e se aproxima do senador Oto Veiga (Aderbal Freire Filho) para experimentar também o poder político.

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

"The Voice Brasil" estreia terceira temporada mantendo as qualidades e apresentando boas novidades

A terceira temporada do "The Voice Brasil" estreou nesta quinta-feira (18/09), no lugar de "A Grande Família", que chegou ao fim em definitivo. Após duas temporadas de sucesso, o programa, dirigido por Boninho, iniciou a terceira mantendo todas as qualidades vistas nas edições anteriores e com algumas boas novidades também.


Entre as novas ideias, está a 'Segunda Chance', que como o próprio nome diz, abre novamente uma oportunidade de um candidato reprovado nas audições anteriores ser escolhido por algum dos jurados. Outra novidade da edição é a 'Audição às cegas' para o público. Ou seja, o telespectador não conhece o participante e nem sabe da história de vida dele. A pessoa se apresenta escondida por uma cortina vermelha e quem está em casa tem a mesma sensação do juri: apenas ouvir e julgar a voz. Sem dúvida, foram duas novidades acertadas.

A entrada de Fernanda Souza como repórter, substituindo Miá Mello, também foi algo novo na terceira edição. A atriz, inclusive, se saiu bem e não fez feio ----- ela também apresenta um conteúdo on-line exclusivo, o "The Voice Web". Já o restante não foi alterado, até porque não se deve mexer em um formato que deu tão certo.

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

"A Fazenda" estreia sétima edição com algumas novidades e os erros de sempre

A sétima edição de "A Fazenda" estreou no último domingo (15/09), pontualmente às 22h. Todas as edições são repletas de subcelebridades, onde muitas estão mais para 'ex-famosas esquecidas', entretanto, os participantes da nova temporada são ainda menos conhecidos. Quase todos são figuras de pouca importância, onde somente alguns podem ser classificados como 'figuras públicas', vide o ex-atleta Robson Caetano e a ex-paquita Andréia Sorvetão.


Mas os demais participantes são praticamente anônimos. Como ocorre em toda edição, há uma ex-panicat, no caso Babi Rossi, e dois homens que se encaixam na categoria 'modelo/ator': Marlos Cruz e Diego Cristo. O empresário Oscar Maroni, a socialite Heloísa Faissol, a modelo Lorena Bueri, o cantor sertanejo Léo Rodriguez, a cantora Bruna Tang, o ex-integrante do 'Menudos' Roy Rossello, o ex-dublador do "Qual é a música?" Felipeh Campos, a MC Bruninha, a ex-Miss Brasil Debora Lyra, o vocalista da 'Banda Cine' Diego e a polêmica Cristina Mortágua compõem o resto do time selecionado.

A seleção de Rodrigo Carelli mostra que o diretor quer muito barraco. E tem chances de ter seu desejo realizado, uma vez que ficou explícito que a maioria não tem muita coisa a perder e muito menos uma 'imagem a zelar'.

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

"Sexo e as Negas" tem uma proposta interessante, mas história e personagens deixam a desejar

Após muita polêmica levantada por questões envolvendo racismo ----- várias organizações enviaram manifestos à Globo questionando o título da produção e alegando preconceito racial na abordagem da mulher negra na sociedade -----, estreou nesta terça-feira (16/09), "Sexo e as Negas", nova série de Miguel Falabella, que faz uma paródia suburbana do seriado americano "Sexy and the City".


O universo das protagonistas é a Cidade Alta, em Cordovil, local onde Lia (Lilian Valeska), Zulma (Karin Hills), Soraia (Maria Bia) e Tilde (Corina Sabbas) moram e se divertem, enquanto não encontram um amor para chamar de seu. As quatro são amigas inseparáveis, trabalhadoras e sempre batem ponto no bar de Jesuína (Cláudia Jimenez) para colocar a conversa em dia e desabafar sobre os problemas.

Lia é a mais velha, tem 38 anos, uma filha de 21 e uma neta de 8. Vive às voltas com o ex-marido contraventor (Alaor, vivido por Marcos Breda) e apesar dos problemas tenta ser feliz. Zulma é liberal, trabalha como camareira no teatro e é braço-direito de uma atriz famosa (Leonor, interpretada por Bia Nunnes).

terça-feira, 16 de setembro de 2014

Penúltimo e último capítulos de "O Rebu" honraram todas as qualidades da melhor novela de 2014

O remake de "O Rebu" chegou ao fim na última sexta-feira (12/09) e saiu de cena de forma primorosa. Todos os capítulos da trama de George Moura e Sérgio Goldenberg foram repletos de bons embates, uma boa dose de mistério e um nível de tensão alto. Mas o penúltimo e o último capítulos desta tão instigante obra conseguiram superar todos os outros, encerrando esta produção da melhor forma possível.


Os autores surpreenderam o telespectador ao revelar já no penúltimo capítulo a tão aguardada cena do Bruno (Daniel de Oliveira) levando uma pancada na cabeça e sendo trancado no freezer. Ao invés de esperar o último dia para expor toda a situação do crime, como costuma ocorrer na maioria dos folhetins que usam o recurso do 'Quem matou?', optaram em dividir a revelação em duas partes excepcionais e impactantes.

A primeira parte foi em cima da mensagem de texto que Bruno enviou para Kiko (Pablo Sanábio), pedindo socorro e contando que Duda tinha lhe prendido no freezer, descoberta por Rosa (Dira Paes) e Pedroso (Marcos Palmeira). Esta informação serviu de pretexto para a exibição de uma das cenas mais fortes do remake.

sábado, 13 de setembro de 2014

Com fortes cenas e grandes interpretações, "O Rebu" chega ao fim considerada uma das novelas mais caprichadas da Globo

Após 36 capítulos de muito luxo, qualidade, fortes embates, grandiosas interpretações e uma intensa investigação policial, chegou ao fim "O Rebu", uma das mais caprichadas novelas já produzidas pela Globo. O remake baseado na obra de Bráulio Pedroso impressionou logo no primeiro capítulo e manteve a boa impressão durante toda a sua exibição, prendendo o telespectador através de uma trama instigante, bem entrelaçada e repleta de tipos ambíguos.


Escrita primorosamente por Sérgio Goldenberg e George Moura, a novela teve uma direção impecável de José Luiz Villamarim e uma fotografia de encher os olhos de Walter Carvalho ---- mesma competente equipe de "O Canto da Sereia" e "Amores Roubados". Todo este belo conjunto foi acrescido de uma gama de personagens cheios de nuances e de um elenco maravilhoso. Para culminar, a trilha sonora era repleta de clássicos nacionais e internacionais. Com tantas qualidades reunidas, ficou difícil não se encantar por esta produção, que engrandeceu o horário das onze.

Aos poucos, foi sendo possível perceber que a história era muito mais que um simples 'Quem matou?'. Os autores fizeram questão de construir um enredo riquíssimo, inserindo fortes dramas na vida de todos os personagens, valorizando automaticamente a interpretação dos atores que fizeram parte deste tão bem escalado time.