sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Rejeitada e marcada pelos equívocos, "Babilônia" chega ao fim responsável pelo próprio fracasso

Para o alívio da Globo, chegou ao fim, nesta sexta-feira (28/08), uma das novelas mais problemáticas que já passaram pelo horário nobre: "Babilônia". Escrita pelo experiente Gilberto Braga, em parceria com Ricardo Linhares e João Ximenes Braga, a trama (com apenas 143 capítulos) foi o maior fracasso da história do horário e sai de cena com uma amarga média geral de 25 pontos, índice compatível com um folhetim das sete. Encurtada em praticamente dois meses (seu término era previsto para o fim de outubro), a produção --- que chegou a empatar e a ter, algumas vezes, menos audiência que "Malhação", "Alto Astral" e "I love Paraisópolis" --- teve inúmeros equívocos e ficou pouco mais de seis meses no ar.


A história tinha como protagonistas três mulheres, onde duas delas eram as vilãs e uma a mocinha. Beatriz (Glória Pires), Inês (Adriana Esteves) e Regina (Camila Pitanga) seriam os pilares de sustentação do enredo, que despertou boas expectativas, após a exibição das chamadas iniciais e do atrativo primeiro capítulo. Parecia um folhetim promissor, ao menos em torno da trama central. Porém, ironicamente, foi um núcleo paralelo o causador da primeira polêmica: a novela sofreu uma forte rejeição do público logo na estreia em virtude de um beijo lésbico, protagonizado por Fernanda Montenegro e Nathalia Timberg, intérpretes de Teresa e Estela.

Claro que o fato de terem exibido o beijo logo na estreia, sem o telespectador conhecer a histórias das personagens, foi o fato agravante desta 'rejeição'. Infelizmente não deveria ser assim, mas parte da audiência é muito conservadora. Entretanto, este nunca foi um problema da novela. Pelo contrário, a relação de Estela e Teresa sempre foi muito bonita e telespectador reclamando sempre terá, faz parte. Houve um foco tão grande em cima desta circunstância que ocorreu um certo 'esquecimento' em torno do conjunto da obra, este sim equivocado.

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

O talento de Ana Beatriz Nogueira

Ela é uma grande atriz e merece cada elogio que recebe. Ana Beatriz Nogueira engrandece qualquer elenco com sua presença e a intérprete viveu algo peculiar este ano durante duas semanas ---- a última de julho e a primeira de agosto, mais especificamente. Ela simplesmente apareceu em três novelas (todas da Globo), exibidas praticamente em sequência  ----- "Caminho das Índias", "O Rei do Gado" (reprisadas no "Vale a Pena Ver de Novo") e "Além do Tempo" (inédita). E este fato nada comum apenas ressaltou o que sempre esteve evidente: o seu talento.


Não importa a característica da personagem, uma coisa é certa: a atriz interpretará o papel com total entrega. Em 1996, ano que começou o sucesso "O Rei do Gado", Ana viveu a batalhadora Jacira, mulher sofrida, casada com o sem-terra Regino (Jackson Antunes). A esposa era companheira de jornada do marido idealista, mas sentia falta da quietude de uma casa para poder criar o filho com tranquilidade. Apesar do papel não ter sido muito grande, a intérprete deu um show de emoção; e vale lembrar que, na época, sua última importante participação em uma produção teledramatúrgica havia sido na minissérie "As Noivas de Copacabana" (1992), onde brilhou como Fátima, única vítima sobrevivente do temido serial killer Donato Menezes (Miguel Falabella).

A reprise do folhetim de Benedito Ruy Barbosa chegou ao fim na primeira sexta de agosto (07/08), encerrando este momento de 'tripla' aparição de Ana Beatriz Nogueira. E em "Caminho das Índias" (2009), que agora entrou definitivamente no horário da novela anterior, a atriz viveu a fútil Ilana. A personagem era uma perua arrogante que educava pessimamente o filho playboy (Zeca - Duda Nagle) ao lado do seu marido César (Antônio Calloni), tão irresponsável quanto.

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Chay Suede interpretou o íntegro Rafael com competência e se destacou em "Babilônia"

Rafael foi um personagem que seguiu seu rumo sem maiores contratempos em "Babilônia". Um dos poucos em meio a uma trama repleta de problemas, incluindo tipos rasos e alterações no desenvolvimento de um enredo já frágil. Sua personalidade não foi alterada, a construção do perfil foi bem feita e o ator pôde se destacar ao longo da novela das nove, escrita por Gilberto Braga, Ricardo Linhares e João Ximenes Braga, que chega ao fim nesta semana.


A primeira aparição de Chay Suede foi no programa "Ídolos", da Record, em 2010. Ele fez sucesso na competição musical e caiu no gosto dos adolescentes. Após ter conquistado o quarto lugar na atração, o cantor foi escolhido pela emissora para protagonizar a versão brasileira de "Rebelde" (em 2011), uma vez que a trama mexicana contou com seis atores/cantores protagonizando a história. Chay ainda não podia ser considerado um ator, pois era sua primeira experiência na teledramaturgia, e o risco desta estreia ser um equívoco era grande. 

Mas não foi. Ele mostrou que sabia atuar, além de cantar, e conquistou ainda mais o público protagonizando a novela, ao lado de Arthur Aguiar, Lua Blanco, Sophia Abrahão, Micael Borges e Mel Fronckowiak. Chay Suede ainda se aventurou como apresentador na MTV, comandando "A Hora do Chay" (2013), e fez uma participação em um episódio de "Milagres de Jesus", ainda na Record.

terça-feira, 25 de agosto de 2015

"A Regra do Jogo": o que esperar da próxima novela das nove?

João Emanuel Carneiro está com dois pesos nas costas. A expectativa em cima de sua nova novela, após o fenômeno "Avenida Brasil", é altíssima ---- promovendo, inclusive, especulações na imprensa internacional ---- e o autor ainda por cima terá a responsabilidade de reerguer o horário nobre da Globo, que foi afundado pelo imenso fracasso de "Babilônia". Ou seja, uma missão que amedrontaria qualquer profissional. Mas ele tem se mostrado tranquilo (ou então disfarça muito bem) e sua próxima trama já despertou interesse através de um instigante teaser e atrativas chamadas --- o clipe de 10 minutos pode ser visto aqui.


"A Regra do Jogo" promete ter todos os conhecidos ingredientes que o escritor usa em suas obras: uma loira diabólica, personagens de forte apelo popular, tipos ambíguos, uma dose alta de suspense e perfis que inicialmente se mostram bondosos até revelarem lados obscuros, ou vice-versa. O primeiro teaser mostrou parte do elenco em um tabuleiro de xadrez, onde um encarava o outro. O momento que mais chamou atenção foi o empurrão que a grande vilã dá em um dos adversários. Quem será? Logo nesta chamada já foi possível observar que o enredo será voltado para os limites da ética e até onde vai a integridade de cada um.

A história, dirigida por Amora Mautner, será protagonizada por Alexandre Nero, que viverá um tipo dúbio: o Romero Rômulo. A escalação do ator ---- inicialmente Murilo Benício havia sido escolhido, mas deixou o projeto ---- gerou controvérsia, afinal, ele foi a figura central de "Império" e o comendador José Alfredo de Medeiros foi muito marcante. E também era um perfil dúbio. Ou seja, ele praticamente emendou duas novelas e mal teve férias.

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Adriana Esteves e Glória Pires brilharam como de costume, mas rivalidade entre Inês e Beatriz foi a grande decepção de "Babilônia"

"Babilônia" está chegando ao fim e não foram poucos os problemas da novela de Gilberto Braga, Ricardo Linhares e João Ximenes Braga. Mas, sem dúvida, a maior decepção deste folhetim foi a rivalidade entre Inês (Adriana Esteves) e Beatriz (Glória Pires). Inicialmente, esta trama parecia ser o grande trunfo da história, repleta de núcleos paralelos fracos. Só que, infelizmente, a elaboração deste enredo (assim como todos os outros que compuseram a obra) se mostrou frágil e desinteressante. Porém, apesar disso, as atrizes mais uma vez mostraram talento e fizeram o melhor que puderam para salvar a trama que envolvia suas personagens.


As primeiras chamadas de "Babilônia" despertaram atenção justamente por causa da questão envolvendo o ódio entre duas ex-amigas. Beatriz e Inês pareciam vilãs promissoras, daquelas que entram para a história da teledramaturgia. E o fato de serem interpretadas por Adriana e Glória, duas grandes profissionais, era uma espécie de 'bônus'. Afinal, uma viveu a icônica Maria de Fátima, em "Vale Tudo", uma das canalhas mais lembradas da ficção, e a outra interpretou Carminha, a víbora de "Avenida Brasil", que entrou para a história.

Mas, infelizmente, a trama não correspondeu às expectativas geradas, assim como as vilãs. Um dos erros foi exibir o encontro das rivais logo no primeiro capítulo. A estreia do folhetim foi ótima, com um capítulo movimentado, cujo ponto alto foi o primeiro embate das inimigas, que rendeu até o bordão "Não estou disposta".

sexta-feira, 21 de agosto de 2015

O merecido sucesso de "Verdades Secretas"

A novela das onze estreou no começo de junho e terminará no fim de setembro. Terá apenas quatro meses, mais ou menos a média de uma trama desta faixa. Ou seja, já passou da metade. E é impressionante como Walcyr Carrasco está inspirado. A história segue apresentando uma sucessão de acontecimentos e vários ganchos primorosos, que despertam ainda mais a vontade de continuar acompanhando os desdobramentos. A audiência, por sua vez, tem correspondido e a produção está fazendo um sucesso incontestável ---- até agora a média geral é de 19 pontos, a mesma de "O Astro", um ponto a mais que "Gabriela" e quatro a mais que "Saramandaia" e "O Rebu".


Até agora a novela não perdeu o ritmo e vem apresentando uma agilidade invejável, ainda mais se for levado em consideração que a história tem poucos personagens, o que implica em menos tramas paralelas para 'desviar a atenção'. Tudo está, direta ou indiretamente, ligado ao enredo central, envolvendo o triângulo Alex (Rodrigo Lombardi), Arlete/Angel (Camila Queiroz) e Carolina (Drica Moraes). E os perfis são repletos de dubiedades, onde todos têm um telhado de vidro, o que deixa o enredo instigante e destaca o elenco, muito bem escalado.

A fixação doentia que Alex tem por Angel está piorando a cada dia, o que eleva a adrenalina da novela. E desde que o empresário se casou com Carolina, há um clima de tensão maior em torno da trama, causando a impressão de que existe uma panela de pressão prestes a explodir a qualquer momento.

quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Estreando na Record, Xuxa se mostra o único trunfo de seu programa

A saída da Xuxa da Globo e sua entrada na Record, como não poderia deixar de ser, provocou uma imensa repercussão. Afinal, a 'rainha dos baixinhos' ficou 30 anos na emissora líder e era praticamente um dos símbolos do canal. Desde então, a expectativa em torno da sua estreia na 'nova casa' ficou altíssima. E, levando em consideração a assinatura do contrato, este novo ciclo demorou para ser iniciado. Portanto, era de se esperar que o primeiro programa da apresentadora na concorrente despertasse atenção. E realmente despertou.


Com o título de "Xuxa Meneghel", o programa estreou nesta segunda-feira (17/08), às 22h30m, tendo duas horas de duração. Este horário, vale ressaltar, ficou marcado como o de Hebe Camargo, a rainha da televisão brasileira, que comandou por anos a sua atração nas noites de segunda do SBT. O novo programa de Xuxa, aliás, também tem um grande sofá branco no cenário, o que faz lembrar a apresentadora que faleceu em 2012. Mas a semelhança fica por aí. O formato não ficou muito diferente do que ela tinha na Globo.

E a própria Xuxa fez questão de confirmar todas as notas que saíram a respeito desta sua nova empreitada, deixando claro que ela está, sim, se 'inspirando' na conhecida Ellen DeGeneres ----apresentadora e comediante americana de sucesso, que comanda um talk-show chamado "The Ellen DeGeneres Show".

terça-feira, 18 de agosto de 2015

"Malhação - Seu Lugar no Mundo" faz boa estreia e apresenta trama central envolvente

Rosane Svartman e Paulo Halm fecharam o ciclo de "Malhação Sonhos" da melhor forma possível e agora o horário fica sob a responsabilidade de Emanuel Jacobina, autor que conhece bem o universo do seriado ----- afinal, ele foi um dos criadores deste formado, originado em 1995, escrevendo ainda as fases de 2001 e 2010. Assim sendo, estreou, nesta segunda-feira (17/08), uma nova temporada de "Malhação". Com o subtítulo de "Seu Lugar no Mundo", a trama é dirigida por Leonardo Nogueira e a principal missão desta nova 'saga' será manter a qualidade da anterior, que chegou ao fim deixando saudade.


A nova trama trará de volta para o centro do enredo o universo escolar. Na fase passada, este tema recorrente ficou de lado para ceder lugar ao universo das lutas e das artes. Agora, dois colégios serão os principais ambientes dos personagens e haverá uma rivalidade entre as instituições (chamadas de Leal Brazil e Dom Fernão). Uma será de primeira linha, frequentada por alunos de boa condição financeira. Já a outra terá estruturas precárias e jovens de baixa renda serão os frequentadores do local, que reflete a realidade de muitas escolas públicas do país.

Uma cidade cenográfica de 4.200 metros quadrados foi construída para a nova temporada e é a maior já feita pela emissora em se tratando de "Malhação". Porém, a história começou longe deste ambiente, que conta ainda com pista de skate, lanchonete, loja de bicicletas, etc.

segunda-feira, 17 de agosto de 2015

"Criança Esperança" completou 30 anos e acertou com as mudanças no formato

Depois das reformulações em seus telejornais (deixando todos menos formais) e na mudança no "Zorra Total" (que agora é apenas "Zorra" e não há mais nos quadros os tradicionais bordões), a Globo também resolveu mudar o formato do "Criança Esperança", exibido no último sábado (15/08). O esquema de doações da campanha da emissora, em parceria com a UNESCO, seguiu o mesmo; entretanto, a atração sofreu algumas alterações, que deixaram o conjunto bem melhor.


O projeto completou 30 anos em 2015 apresentando algo bem mais 'intimista'. O tradicional show gravado em uma grande Arena foi extinto, assim como os números musicais cheios de coreografias. O programa foi ao vivo e exibido no próprio Projac (complexo de estúdios da Globo), em um cenário não muito grande, com a presença de uma pequena plateia. Apresentada por Leandra Leal, Lázaro Ramos, Flávio Canto e Dira Paes, a atração teve uma imensa bancada, repleta de atores e atrizes da emissora, que iam atendendo as ligações dos telespectadores.

Esta mudança (que na verdade não deixou de ser uma espécie de 'volta às origens', pois anos atrás o formato não se resumia apenas em shows grandiosos, sempre gravados) deixou o programa bem mais agradável de se acompanhar. Os apresentadores interagiam o tempo todo com os demais artistas, que estavam na bancada atendendo os doadores, e foram exibidas matérias mostrando para onde vai o dinheiro arrecadado.

sexta-feira, 14 de agosto de 2015

Com um final irretocável, "Malhação Sonhos" fecha seu ciclo e entra para a lista das melhores temporadas

No dia 14 de julho de 2014 estreava "Malhação Sonhos", substituindo a fracassada "Malhação Casa Cheia", iniciada em 2013. A partir de então, o público começou a acompanhar uma trama adolescente repleta de tipos críveis, que precisavam enfrentar muitos dilemas e, apesar das inúmeras diferenças de personalidade, tinham algo em comum: todos sonhavam. O sonho era o que movia todos os personagens, sem exceção. Pois esta saga, que durou mais de um ano e envolveu o telespectador, chegou ao fim nesta sexta (14/08), com um capítulo emocionante, tenso e irretocável.


Escrita por Rosane Svartman e Paulo Halm, com direção de Luiz Henrique Rios e Marcus Figueiredo, a história prendeu a atenção desde o primeiro capítulo. Apesar de ser um seriado adolescente, esta temporada foi voltada para todas as idades, uma vez que abordou diversos assuntos com propriedade, sem subestimar o público. O sucesso alcançado fez jus ao conteúdo de qualidade que foi apresentado. Não ficou devendo a nenhuma ótima novela, cujos gastos de produção são bem maiores. E esta foi praticamente a mesma equipe responsável pela "Malhação Intensa", exibida em 2012/2013, que também conseguiu conquistar o telespectador através de um enredo bem escrito.

A saga de vários jovens que buscavam seus sonhos foi muito bem desenvolvida pelos autores, que conseguiram manter o ritmo da história, evitando maiores enrolações ou estagnação do roteiro. O esquema de rodízio em torno dos casais e dos dramas de cada núcleo foi uma das principais razões para o êxito na condução da história.

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

"Chiquititas" cumpriu seu objetivo e conseguiu fidelizar o público

Foram mais de dois anos no ar. Uma longa, para não dizer exagerada, duração. "Chiquititas" começou a ser exibida em julho de 2013 e só se despede do público nesta sexta (14 de agosto de 2015), após 545 capítulos exibidos. O SBT emplacou outro remake de sucesso e conseguiu manter a audiência conquistada na época da exibição de "Carrossel". Ou seja, o esticamento da produção teve um forte motivo. E tudo leva a crer que "Cúmplices de um Resgate" manterá o público utilizando basicamente a mesma fórmula.


Esta trama, dirigida por Reynaldo Boury, foi um remake do remake. Isso porque a versão brasileira, exibida em 1997, foi uma adaptação da original argentina e esta, escrita por Íris Abravanel, é uma versão da nacional, que revelou vários talentos na época, como Bruno Gagliasso e Débora Falabella, por exemplo. A história se baseou mais uma vez na rotina do orfanato Raio de Luz e nos conflitos vividos pelos adolescentes que moravam naquele casarão e que precisaram enfrentar vários dilemas clássicos da idade, além de alguns dramas tipicamente novelescos.

O SBT soube aproveitar o êxito de exibir uma atração voltada para o público infantojuvenil às 20h30m, faixa cujas opções para este nicho são inexistentes nos canais abertos. A boa ideia funcionou com "Carrossel" e foi mantida, inteligentemente, com "Chiquititas", que nada mais foi do que uma produção extremamente parecida com a anterior.

terça-feira, 11 de agosto de 2015

Jade e Bianca: a dupla que roubou a cena na reta final de "Malhação Sonhos"

Elas se detestavam. Foi praticamente ódio à primeira vista. Assim pode ser descrita o início da relação de Jade (Anaju Dorigon) e Bianca (Bruna Hamu) em "Malhação Sonhos". As personagens tiveram uma antipatia mútua logo que se conheceram e a rivalidade não demorou muito para nascer. Porém, o tempo foi apaziguando esta inimizade, fazendo com que as duas virassem melhores amigas na reta final da temporada. E esta 'nova relação' se transformou ---- juntamente com as vilanias de Lobão (Marcelo Faria) ---- em um dos trunfos dos momentos derradeiros da história de Rosane Svartman e Paulo Halm.


Jade e Bianca eram as típicas rivais de uma boa trama adolescente. Ambas disputavam o posto de melhor atriz na Ribalta e ainda havia a questão envolvendo Lucrécia (Helena Fernandes), mãe de Jade, que sempre cobrava muito da filha e tecia mil elogios à 'adversária'. Os relacionamentos amorosos também eram razões para brigas, entretanto, elas nunca disputaram o mesmo garoto, ao contrário dos clichês do gênero. Enquanto uma sempre foi apaixonada por Duca (Arthur Aguiar), a outra se envolveu completamente com Cobra (Felipe Simas). Mas os problemas que cada uma tinha com seu respectivo namorado serviam de combustível para provocações.

As personagens ainda protagonizaram uma das mais fortes cenas da trama, justamente a que provocou a grande virada no enredo: a descoberta a respeito do suborno pago por Bianca a Pedro (Rafael Vitti), com o objetivo de fazê-lo namorar a irmã Karina (Isabella Santoni). Jade vomitou todo o segredo da rival em meio a uma forte briga, diante de uma plateia lotada que marcava presença para assistir ao espetáculo dos alunos da Ribalta.

segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Apesar da ausência de novidades, "É de Casa" tem estreia agradável

A programação matutina de sábado nunca recebeu uma devida atenção das emissoras. Sempre foi considerado um horário 'morto', sem espaço para grandes investimentos; afinal, é uma faixa que sempre representou baixos números de audiência. Portanto, desenhos e atrações 'enlatadas' preencheram a programação da tevê aberta por muitos anos. Porém, a Globo resolveu sair na frente e criou um programa para investir no público das manhãs: o "É de Casa", que estreou no dia 8 de agosto.


O programa matinal é composto por seis apresentadores, um número recorde. André Marques, Cissa Guimarães, Patrícia Poeta, Ana Furtado, Zeca Camargo e Thiago Leifert comandam a atração e todos apareceram na estreia. Porém, a atração terá um sistema de rodízio. Serão quatro apresentadores no estúdio e dois fazendo matérias em cada sábado. Afinal, é gente demais apresentando e o primeiro dia do formato já expôs a dificuldade de cada um ter o seu espaço. São três horas no ar (das nove da manhã ao meio dia) e ao vivo. Um desafio e tanto.

A estreia foi bem agradável, apesar da clara insegurança dos apresentadores, ainda um pouco desorientados. A atração nada mais é do que uma junção do "Mais Você" e "Bem Estar" com o "Encontro", os três produtos que fazem parte da grade matutina da Globo de segunda a sexta.

sexta-feira, 7 de agosto de 2015

Bruna Hamu, Isabella Santoni e Anaju Dorigon: o trio feminino de destaque de "Malhação Sonhos"

Um dos motivos da longevidade de "Malhação", que completou 20 anos em 2015, é a quantidade de atores que o seriado adolescente lança para o mercado. Muitos são aproveitados em novelas, não só da Globo, como da Record e SBT também. Os que conseguem se fixar na líder, mostrando talento, vão ganhando cada vez mais destaque na emissora. Claro que há exceções, onde rostinhos bonitos e sem vocação alguma para as artes cênicas acabam ganhando oportunidades sem merecer. Mas muitos deles fazem jus ao reconhecimento que ganham. E na atual temporada, pode-se afirmar com certa tranquilidade que há três grandes destaques femininos: Bruna Hamu, Isabella Santoni e Anaju Dorigon.


As três foram escaladas para os mais importantes perfis femininos da fase "Sonhos" e todas se mostraram gratas revelações. O elenco desta temporada teve um longo trabalho de preparação antes das gravações serem iniciadas e esta atitude da equipe se mostrou bastante acertada. Afinal, o resultado visto no ar é extremamente positivo, principalmente com estas atrizes. Bruna, Anaju e Isabella ganharam personagens difíceis e que vêm exigindo muito delas desde a primeira semana de história, iniciada em julho de 2014. 

Bianca, Karina e Jade são garotas de personalidades completamente diferentes e cada uma tem particularidades que, além de diferenciar bem os perfis, servem para evidenciar todos os conflitos internos delas. Enquanto uma ama as artes dramáticas, a segunda descobriu a paixão pela enfermagem, e a outra é apaixonada por muay thai (sonhando ser uma grande lutadora).

quinta-feira, 6 de agosto de 2015

Sequência de Larissa na Cracolândia evidenciou a direção impecável de Mauro Mendonça Filho em "Verdades Secretas"

"Verdades Secretas" é um conjunto de acertos e vem mostrando isso em cada capítulo. A trama não perde o ritmo, os personagens são repletos de dubiedades, há um clima de tensão constante no ar e o elenco está primoroso. Mas além de todas estas qualidades e do texto ácido de Walcyr Carrasco, a novela tem uma direção impecável de Mauro Mendonça Filho. E a cena da Cracolândia, exibida nesta primeira segunda-feira de agosto (03/08), já entrou para a lista das mais marcantes desta produção, evidenciando justamente a primorosa direção da obra.


A degradação de Larissa (Grazi Massafera em seu melhor momento na carreira) vem sendo mostrada desde o início da história. Modelo decadente, a personagem vinha garantindo seu maior lucro com o Book Rosa da agência de Fanny (Marieta Severo), cujo dinheiro recebido pelos programas era dado quase que integralmente para a mãe (Divanilda - Ana Barroso), que cafetina a própria filha. O que sobrava ela usava para usar cocaína --- obtida através do seu até então 'ficante', Sam (Felipe de Carolis). Porém, o vício foi ficando cada vez mais forte, até que ela trocou de 'namorado' e conheceu Roy (Flávio Tolezani), outro traficante, que lhe 'apresentou' ao crack.

Foi apenas a gota d`água para transbordar o copo cheio que virou a vida de Larissa. A personagem, que já estava completamente desorientada e viciada, afundou ainda mais. E a imagem da modelo enfiada em uma espécie de barraca, armada no meio da Cracolândia, observando aterrorizada todos aqueles seres humanos se comportando feito zumbis, foi tenebrosa.

quarta-feira, 5 de agosto de 2015

"Seu Lugar no Mundo": o que esperar da próxima temporada de "Malhação"?

A próxima temporada de "Malhação" estreia no dia 17 de agosto e sua missão será manter os bons índices da atual fase, a "Sonhos". O grau de dificuldade em manter a qualidade da faixa é o mesmo de aumentar os índices após um fracasso. Ou seja, o risco que Rosane Svartman e Paulo Halm correram (sucedendo a fracassada "Casa Cheia") será enfrentado por Emanuel Jacobina. Só que ele pegará um horário em alta, substituindo uma história de sucesso e que colecionou elogios. Mas o autor tem uma boa bagagem em relação ao seriado adolescente.


Emanuel faz parte da equipe que está diretamente envolvida na criação da "Malhação", que completou 20 anos em abril de 2015. O autor já escreveu várias temporadas, incluindo a primeira. A última fase que contou com sua autoria foi a de 2010, protagonizada por Pedro (Bruno Gissoni) e Catarina (Daniela Carvalho), que ainda contou com o carismático goleiro Maicon (Marcelo Mello Jr.) entre os destaques. A história teve uma boa audiência, um ótimo elenco e apresentou vários conflitos interessantes. Ele inseriu até uma situação enigmática envolvendo o desaparecimento de uma personagem ---- a bipolar Raquel (Ariela Massoti) ----, cercando seu enredo com um instigante suspense.

Agora, cinco anos depois, o autor retorna ao horário com uma temporada cujo subtítulo é "Seu Lugar no Mundo". Saem os sonhos dos alunos da Ribalta e da academia do Gael, e entram os dilemas de jovens de colégios rivais que estão em busca justamente deste lugar no mundo. A trama se passará no subúrbio e falará sobre o ensino público brasileiro (tema importante).

terça-feira, 4 de agosto de 2015

"Cúmplices de um Resgate" tem tudo para manter a boa audiência conquistada pelo SBT

Com o intuito de manter o público conquistado através dos sucessos "Carrossel" e "Chiquititas", o SBT estreou, nesta segunda (03/08), "Cúmplices de um Resgate", mais um remake adaptado por Íris Abravanel. A versão original da novela mexicana foi exibida pela emissora em 2002 e agora a brasileira começou a ser exibida simultaneamente com as duas outras produções infantis (sendo que uma está sendo reprisada pela segunda vez e a outra se encontra em sua reta final).


O conteúdo desta trama está voltado para a clássica história folhetinesca das gêmeas que cresceram separadamente, mas o universo é totalmente infantil, uma vez que as protagonistas ---- ao contrário de Ruth e Raquel ("Mulheres de Areia") e Paola e Paulina ("A Usurpadora"), por exemplo ---- são crianças. Dirigida por Reynaldo Boury, a novela apresenta todos os elementos vistos nas duas produções de maior sucesso do SBT e o intuito é mesmo conquistar os pequenos. A emissora adotou, sem ressalva alguma, este estilo, assim como a Record fez com os enredos bíblicos. E as duas vêm conseguindo bons resultados com esta estratégia.

Protagonizada por Larissa Manoela (que vive as gêmeas Manuela e Isabela), "Cúmplices de um Resgate" já tem 250 capítulos planejados. Podendo ocorrer um esticamento, obviamente, de acordo com a recepção do público. "Carrossel" teve 310 e "Chiquititas" chegará ao fim com 545 capítulos. Ou seja, a chance deste novo remake ultrapassar a meta elaborada pelo SBT é bem alta.

segunda-feira, 3 de agosto de 2015

Arthur Aguiar, Rafael Vitti, Guilherme Hamacek e Felipe Simas: quatro atores que se destacaram em "Malhação Sonhos"

A atual temporada de "Malhação" está perto do seu fim e deixará saudades. Além da ótima história e dos bem construídos personagens, a fase 'Sonhos' apresentou um elenco talentoso. Foram vários os intérpretes que brilharam. E, do elenco masculino, pode-se dizer que quatro atores se sobressaíram ao longo dos muitos meses (mais de um ano) de história: Arthur Aguiar, Rafael Vitti, Guilherme Hamacek e Felipe Simas.


Os quatro ganharam bons perfis. Arthur é o mais experiente, uma vez que já participou de novelas na Record ("Rebelde" e "Dona Xepa") e ainda esteve em "Em Família", na Globo. Já Rafael, Felipe e Guilherme estrearam neste seriado, que já lançou vários talentos no mercado. Mas todos amadureceram igualmente com este trabalho e cresceram artisticamente ao longo da temporada. Basta assistir aos primeiros acontecimentos, exibidos em julho de 2014, e comparar com as situações protagonizadas por eles agora para observar como o tempo foi um grande aliado.

Arthur teve o desafio de interpretar o mocinho clássico da "Malhação" e Duca foi muito bem defendido. O lutador de muay thai sempre precisou encarar as pancadas da vida de frente e sua família passou a ser Dona Dalva (Iná de Carvalho) e Alan (Diego Amaral), depois que um acidente de carro matou seus pais, deixando sua avó paraplégica.

sexta-feira, 31 de julho de 2015

"I love Paraisópolis" peca por excesso de personagens e trama que não sai do lugar

A atual novela das sete estreou em maio e desde então tem sido motivo de alegria para a Globo. A trama de Alcides Nogueira e Mário Teixeira conseguiu elevar ainda mais os índices da bem-sucedida "Alto Astral" e até agora tem mantido uma média geral em torno dos 24 pontos, que é um número bastante significativo. E a novela é muito bem produzida, apresentando ainda várias características que o horário costuma exigir, como o humor escrachado, por exemplo. Entretanto, "I love Paraisópolis" tem pecado em alguns pontos que acabam afetando a trama como um todo.


Com mais de dois meses no ar, o enredo central ainda não disse a que veio. Talvez o maior erro dos autores tenha sido exibir a viagem de Mari (Bruna Marquezine) e Danda (Tatá Werneck) a Nova York logo na primeira semana. A boa sintonia entre personagens pôde ser vista e elas formaram uma ótima dupla. Parecia que as irmãs de coração protagonizariam vários momentos cômicos e dramáticos. Porém, não demorou muito para que se afastassem em virtude dos acontecimentos da novela. Embora seja 'vendida' como coprotagonista, Danda está avulsa na história e Mari tem ficado entre cansativas idas e vindas com Benjamin (Maurício Destri).

A mocinha até agora tem como seu maior conflito a sua indecisão a respeito da sua relação, que aumentou ainda mais depois que Margot (Maria Casadevall) engravidou do mauricinho. São idas e vindas constantes. Grego (Caio Castro) completa este imbróglio amoroso e segue apaixonado por Mari e brigando com Benjamin. O traficante, aliás, foi envenenado pela mãe de Benjamin e ainda sofreu um atentado, implicando em um afastamento de Paraisópolis.

quarta-feira, 29 de julho de 2015

"Terra Nostra": um sucesso que marcou época

Exibida entre 20 de setembro de 1999 e 2 de junho de 2000, "Terra Nostra" foi mais um fenômeno de audiência de Benedito Ruy Barbosa, depois do autor ter colhido os frutos do imenso sucesso de "O Rei do Gado" em 1996. A novela ----- reprisada no "Vale a Pena Ver de Novo" em 2004 ---- foi dirigida por Jayme Monjardim e teve o romance de Matteo e Giuliana como foco central de uma trama que contou um pouco sobre a imigração italiana no Brasil.


Ambientada entre o final do século XIX e início do século XX, a maior parte da história se passa nas fazendas de café do interior de São Paulo, locais cobiçados por vários italianos que vêm ao Brasil procurando melhores condições de trabalho. O enredo focou na importância da imigração na formação da sociedade brasileira através do casal interpretado por Ana Paula Arósio e Thiago Lacerda, que precisou enfrentar inúmeros obstáculos e várias adversidades para ficar junto.

A trama foi iniciada em 1894 com o navio Andrea I deixando o porto de Gênova, na Itália, e cruzando o Oceano Atlântico, transportando várias camponeses italianos que fugiam da crise econômica do seu país para tentar a sorte em terras brasileiras. Afinal, os fazendeiros estavam precisando de mão de obra nas plantações de café depois da libertação dos escravos.

terça-feira, 28 de julho de 2015

Consuelo é um dos poucos acertos de "Babilônia" e destaca o talento de Arlete Salles

"Babilônia" é um dos maiores (senão o maior) fracassos da Globo. Os inúmeros problemas da fraca história de Gilberto Braga, Ricardo Linhares e João Ximenes Braga já foram amplamente abordados e enumerados desde que a trama estreou. Porém, em meio a tantos problemas e equívocos ---- incluindo até mesmo a inicialmente promissora rivalidade entre Inês e Beatriz, que se esgotou por completo ----, a novela tem um ponto positivo: a preconceituosa Consuelo, vivida pela grande Arlete Salles.


A personagem é um poço de conservadorismo e intolerância. Mãe do prefeito Aderbal Pimenta (Marcos Palmeira), político homofóbico que usa o eleitorado evangélico para conseguir votos, a mulher é uma religiosa fervorosa e vive vomitando declarações preconceituosas aos quatro ventos. Este perfil, infelizmente, é um tipo muito comum na sociedade e representa a parcela da população que não tolera quem é diferente ou não segue a sua cartilha. E ela começou pequena na trama, mas foi crescendo ao longo dos meses.

Consuelo, além de servir como espelho para tantas situações deploráveis que acontecem na vida real, tem uma comicidade 'espontânea'. E muita desta característica peculiar vem do show de Arlete Salles na comédia. As declarações daquela mulher amargurada são tão hipócritas e absurdas que soam engraçadas, principalmente quando a atriz apresenta um festival de caras e bocas, elevando propositalmente o tom da 'defensora dos bons costumes'.

segunda-feira, 27 de julho de 2015

Sem graça e repleto de equívocos, "Tomara que Caia" é uma boa ideia mal executada

A missão da Globo para preencher o espaço vago desde o fim do "Sai de Baixo" tem sido muito difícil. A faixa 'pós-Fantástico' se transformou em um grande problema para a emissora. Já foram várias tentativas, entre elas os fracassos "Norma" e "Batendo Ponto" (ambos cancelados rapidamente), a série "SOS Emergência", além de realities como "Jogo Duro" e "Hipertensão". O "SuperStar", apesar de perder algumas vezes para o "Programa Silvio Santos", se mostrou uma boa opção. Entretanto, com o fim da competição musical, mais uma aposta foi feita pelo canal, que estreou no dia 20 de julho: o "Tomara que Caia".


A atração, antes mesmo de estrear, contou com inúmeras chamadas que criavam várias dúvidas a respeito da identidade do formato. Afinal, é game ou humor? A pergunta já era uma dica sobre o conteúdo do programa, que mistura as duas características e transforma o público em protagonista. A cada semana, o elenco se divide em dois times de quatro pessoas, onde um é o espelho do outro. Ou seja, o ator X de um grupo interpretará o mesmo personagem do ator Y da equipe rival. A mesma cena tem que ser interpretada pelos dois quartetos e é o telespectador o responsável pelos momentos de substituição ----- quando um grupo não está agradando, há uma votação por meio de um aplicativo no celular (parecido com o esquema do "SuperStar"), onde está disponível a opção "Tomara que caia" ou "Tomara que fique".

Heloísa Périssé, Daniele Valente, Eri Johnson e Ricardo Tozzi formam uma equipe e Fabiana Karla, Priscila Fantin, Nando Cunha e Marcelo Serrado compõem a outra. Todos atuam em uma espécie de cenário e diante de uma plateia ---- nos mesmos moldes do "Sai de Baixo" e "Vai que Cola" (do Multishow).