quarta-feira, 20 de janeiro de 2021

Tudo sobre a coletiva online da reprise de "Malhação Sonhos"

 A Globo promoveu nesta segunda-feira (18/01) uma coletiva online com parte do elenco e autores de "Malhação Sonhos", próxima reprise da emissora que entra no lugar de "Malhação - Viva a Diferença". A temporada exibida em 2014 foi um baita sucesso de público, crítica e repercussão. Os escritores Paulo Halm e Rosane Svartman participaram, assim como o diretor Luiz Henrique Rios e os atores Rafael Vitti, Isabella Santoni, Emanuelle Araújo, Eriberto Leão, Arthur Aguiar e Bruna Hamu. Fui um dos convidados e conto um pouco como foi a deliciosa entrevista. 

Perguntei a Isabella Santoni e Bruna Hamu qual foi a cena mais difícil que protagonizaram juntas e qual a mais emocionante que guardam com grande carinho. "A briga com a Karina. Porque foi culpa da Bianca e depois provocou aquilo tudo na trama. A gente criou uma conexão muito forte eu e a Bella. Somos como irmãs mesmo. É muito verdadeiro. Antes mesmo de começarmos a gravar. Eu sofri de verdade naquela cena com a Bella. Foi um marco até na história. Também lembro de uma cena na reta final já, quando a Bianca tem uma conversa linda com a Ka de reconciliação", contou Bruna. Já Isa concordou com a amiga: "Essa cena da briga foi realmente foi forte. E lembro que você era muito ativo no Twitter na época e sempre que a gente ia ver os episódios líamos o que você escrevia. Um prazer te conhecer, ainda que virtualmente", complementou a querida atriz. 

Perguntado sobre o êxito do elenco, que até hoje faz sucesso, Luiz Henrique Rios argumentou: "A gente trata as pessoas como talentos do futuro. E ajudar a prepará-los. A indústria da mídia tem uma mudança grande na vida das pessoas e se elas não são trabalhadas pra isso fica muito difícil. Há diferença entre ser famoso e ser artista.

segunda-feira, 18 de janeiro de 2021

"Amor sem Igual" foi uma boa novela, mas última semana lembrou um culto da Igreja Universal

 A novela de Cristianne Fridman foi a primeira que voltou ao ar em plena pandemia do novo coronavírus. A Record concluiu as gravações dos capítulos restantes de "Amor sem Igual" durante a retomada dos trabalhos (entre agosto e setembro), ocorrida também na Globo. E a continuação da trama inédita estreou no dia 28 de outubro. A produção teve seu início em dezembro de 2019 e teve 93 capítulos exibidos antes da paralização. Após pouco mais de um ano, o folhetim chegou ao fim nesta segunda-feira (18/01) com um saldo positivo. 

A autora conseguiu construir uma história repleta de irresistíveis de clichês e soube desenvolver a trama com competência, driblando bem os percalços da pandemia. Tanto que ficou difícil saber quais foram as cenas gravadas antes ou depois do coronavírus após o retorno da novela. A escolha da talentosa Day Mesquista para interpretar a carismática protagonista, a prostituta Angélica/Poderosa, também foi essencial para o êxito do enredo e sua química com Rafael Sardão, intérprete do mocinho Miguel, funcionou desde a primeira cena. 

A premissa do enredo foi ousada para uma emissora evangélica como a Record. Fridman teve coragem quando colocou uma garota de programa como mocinha. A inspiração foi o clássico filme "Uma Linda Mulher", de 1990. Mas ao invés de se apaixonar por um rico empresário, a garota de programa se encanta por um agrônomo que vende legumes cultivados em seu sítio no Mercado Municipal de SP, o retraído Miguel.

sexta-feira, 15 de janeiro de 2021

Tiago Leifert odeia o Twitter porque nunca tolerou críticas

A uma semana da estreia do "BBB 21", Tiago Leifert deu uma declaração que repercutiu bastante negativamente: "Detesto a rede do passarinho. Eu já saí de lá e acho que todo mundo deveria sair também. Mas eu queria ter um outro canal de comunicação com vocês, principalmente durante o BBB, que não fosse a rede do passarinho. Uma coisa mais ágil, mas que também não tenha um monte de gente trollando e xingando. Um lugar mais seguro, disse o apresentador. E não é difícil saber a razão da reclamação. 


Desde que assumiu o comando do "Big Brother Brasil", na décima sétima edição, Leifert vem sofrendo cada vez mais críticas na rede social que mais repercute o reality show. Entretanto, tudo começou mais especificamente no "BBB 16", a última edição apresentada por Pedro Bial. Na temporada, houve uma grande polêmica em torno da briga entre Ana Paula Renault e Laércio. Isso porque a marcante participante não tolerava o jeito que o colega, de 53 anos, olhava para as meninas da casa. Em fevereiro, o jogador foi eliminado e em maio acabou preso por pedofilia e condenado a 12 anos de prisão. 

Tiago, até então um mero espectador e ainda com uma conta no Twitter, logo defendeu Laércio enquanto estava no jogo. Criticou Ana Paula e chegou a dizer que quem estava em um reality de exposição não poderia reclamar de quem a observava. Até hoje essa sua defesa repercute na rede através de prints antigos.

quinta-feira, 14 de janeiro de 2021

"As Five" tem boas qualidades, mas não foi feita para quem acompanhou "Viva a Diferença"

 O título do texto parece contraditório. Afinal, todo spin-off que se preza é oriundo de um produto de imenso sucesso com o intuito de agradar aos fãs 'órfãos', após o fim de uma determinada série, novela ou filme. Porém, "As Five" foge da regra. A série, escrita por Cao Hamburger e dirigida por José Eduardo Belmonte, é repleta de qualidades e merece o sucesso que vem fazendo na Globoplay (a primeira temporada, exibida semanalmente pelo serviço de streaming da Globo, chegou ao fim nesta semana). A questão é que os problemas do roteiro ficam evidentes para o telespectador de "Malhação - Viva a Diferença". 

O primeiro e mais perceptível é o arco temporal. A série é exibida seis anos após o encerramento de "Malhação". E a história foi exibida pela Globo (reprisada atualmente, já na reta final) em 2017. Mas a trama de "As Five" é de 2019 (ano em que foi gravada) e as personagens se referem ao passado como se fosse por volta de 2012 ou até na década de 90. Vide uma fala de Keyla (Gabi Medvedovski) dizendo que a última vez que saiu para dançar a banda Jota Quest estava no auge. Parece bobagem, mas é justamente através dos pequenos diálogos que a confusão do período do enredo sobressai. 

Outro fato impossível de não ser questionado é a premissa da série. As cinco protagonistas se reencontram no enterro da mãe de uma delas (Tina - Ana Hikari), após seis anos de afastamento e três sem mensagens enviadas no grupo de WhatsApp. A ideia é ótima, pois retrata o oposto do primeiro encontro do quinteto em "Malhação": o nascimento de uma criança.

terça-feira, 12 de janeiro de 2021

"Shippados" na Globo é a chance do grande público prestigiar o último trabalho de Fernanda Young

 A Globoplay estreou "Shippados" em junho de 2019, exclusivamente para os assinantes da plataforma. Foi o último trabalho da saudosa escritora Fernanda Young, em parceria com seu marido, Alexandre Machado. A autora faleceu dois meses depois. Mas encerrou sua trajetória com uma ótima produção. A história protagonizada por Tatá Werneck e Eduardo Sterblich, agora, estreou na grade da Globo, quase dois anos após o lançamento em seu serviço de streaming. 


A trama marcou a volta dos autores da inesquecível "Os Normais" (2001/2003) e das ótimas "Os Aspones" (2004), "Minha Nada Mole Vida" (2006), "Separação?!" (2010), "Macho Man" (2011), "Como Aproveitar o Fim do Mundo" (2012), "Surtadas na Yoga" (2014/2014), "Odeio Segundas" (2015) e "Edifício Paraíso" (2017) ---- as três últimas no canal a cabo GNT. Claro que a inspirada dupla teve também séries fracassadas, vide a cansativa "O Sistema" (2007), a péssima "O Dentista Mascarado" (2013) e a equivocada "Vade Retro" (2017).

Como os erros foram bem menos numerosos que os acertos, é evidente que os escritores têm um currículo televisivo admirável e "Shippados" entrou para a lista de seriados bem-sucedidos. A história protagonizada por Rita e Enzo ---- o 'shipper' 'Rizo' não é obra do acaso ---- mistura momentos essencialmente cômicos com outros depressivos de forma hábil e inteligente. 

sexta-feira, 8 de janeiro de 2021

Reprises de "Laços de Família" e "Mulheres Apaixonadas" expõem a evolução da sociedade ao longo dos anos

 No ano de 2020, a televisão brasileira completou 70 anos. E a teledramaturgia tem suma importância. Ao contrário do que muitos pensam, não se trata apenas de um mero entretenimento ou produtos de qualidade questionável. As novelas brasileiras viraram referência no mundo e um símbolo de produção de alto nível. Mas não é só. As tramas também servem para observar a evolução do comportamento da sociedade e as histórias de Manoel Carlos são as que mais evidenciam isso. Vide as duas reprises atuais: "Laços de Família", no "Vale a Pena Ver de Novo", na Globo, e "Mulheres Apaixonadas", no Canal Viva. 

Os folhetins são os melhores trabalhos do autor, praticamente empatados com "Por Amor", outro clássico. "Laços" foi exibida no ano 2000 e "Mulheres" em 2003. Há 20 anos e 17 anos, respectivamente. Parece pouco tempo, ainda mais levando em consideração a análise da mudança no comportamento das pessoas. Mas não é. E fica evidente ao longo dos capítulos das duas tramas. Tem sido muito interessante acompanhar as produções ao mesmo tempo, até para observar a semelhança do time escalado. Em um intervalo de três anos, o autor selecionou praticamente o mesmo elenco. 

Começando por "Laços de Família", é impossível não estranhar a forma como era tratado o assédio de Danilo (Alexandre Borges) em Ritinha (Juliana Paes), empregada doméstica que trabalhava na mansão de Alma (Marieta Severo), sua esposa. Tudo era exibido com um tom de "leveza" e "comicidade". Algo impensável hoje em dia.

terça-feira, 5 de janeiro de 2021

O que a televisão reserva para o telespectador em 2021?

 Se 2020 foi um ano trágico, 2021 será um ano de incerteza. A pandemia do coronavírus não acabou com a virada do ano e grande parte da população já não se importa mais em se aglomerar em praias ou festas. A curva de contágio, até então em queda, está aumentando novamente. As vacinas já chegaram no mundo, mas no Brasil segue sem previsão exata. No entanto, a imunização chegará. Ainda assim, não se sabe como será a resposta imunológica. Tudo segue na base do achismo. Isso não difere na programação das emissoras. Muitas produções são incertas. Já outras certamente virão. A primeira postagem deste blog serve exatamente para listar o que virá (ou não).




"BBB 21":
Após o fenômeno do "BBB 20", Boninho tem uma dura missão pela frente: manter o imenso sucesso, uma vez que superar será quase impossível. A vigésima edição com famosos e anônimos deu muito certo, embora a pandemia e o início do isolamento social tenham contribuído para a audiência. O paredão entre Manu Gavassi e Prior ultrapassou um bilhão e meio de votos, além de comemoração nas janelas de várias regiões do país com a eliminação do problemático rapaz. A vitória de Thelma foi merecida e vários participantes marcaram, como Boca Rosa, Rafa Khalimann, Gizelly, Pyong, Flay, Babu, entre tantos outros. A vigésima primeira edição repetirá o esquema vitorioso: metade com "influencers" e metade com desconhecidos. Resta saber se repetirá o sucesso. 



Final de "Amor de Mãe":
A novela de Manuela Dias precisou ser interrompida por conta do fechamento dos Estúdios Globo em virtude da pandemia. As gravações só retornaram em agosto e com todos os protocolos sanitários. O excesso de cuidados implicou em uma maior demora e por isso a emissora resolveu retornar com o folhetim apenas quando estivesse totalmente finalizado. E os trabalhos foram encerrados em novembro. Restavam mais de 50 capítulos para a conclusão, mas a autora foi obrigada a reduzir para 23. Ao que tudo indica, vai ao ar em março, após o término da reprise de "A Força do Querer" e exibição de um compacto dos "melhores momentos" da "primeira fase" para o público relembrar a história. 

quinta-feira, 31 de dezembro de 2020

Retrospectiva 2020: os destaques do ano

 Em um ano tão problemático como 2020, foi possível elaborar uma lista de destaques da televisão?  A resposta é sim. Várias reprises tomaram conta da grade de todas as emissoras, mas ainda no primeiro semestre produções iniciadas em 2019 foram concluídas brilhantemente. Séries até então exclusivas da Globoplay migraram para a tevê aberta para ocupar espaços vazios. E algumas reexibições foram muito bem escolhidas. Vamos a elas na última retrospectiva do ano. 




"Éramos Seis":  O quinto remake do romance de Maria José Dupré, baseado na novela exibida pelo SBT em 1994, manteve as qualidades vistas nas produções anteriores, além de algumas diferenças. Angela Chaves conduziu brilhantemente essa versão exibida pela Globo e o folhetim primou pelo capricho da direção de Carlos Araújo. O elenco também foi escalado com precisão e Glória Pires deu um show como Dona Lola, assim como vários outros intérpretes, vide Cássio Gabus Mendes, Nicolas Prattes, Kelzy Ecard, Carol Macedo, Simone Spoladore e Ricardo Pereira. Foram muitas cenas emocionantes e lindamente interpretadas. Pela primeira vez a protagonista teve um final feliz, mas o título continuou fazendo sentido. Antes representava a tristeza. A quinta adaptação expôs o crescimento de uma família, que de seis passou a ter quinze integrantes. A novela foi a última que conseguiu ser finalizada antes da pandemia do novo coronavírus. 



"Bom Sucesso":
A novela das sete de Rosane Svartman e Paulo Halm, dirigida com maestria por Luiz Henrique Rios, foi um fenômeno de audiência e mereceu todo o sucesso. A trama se encerrou em janeiro, época em que a pandemia ainda não existia no Brasil. Quase um outro mundo. Os autores, responsáveis pelas também ótimas "Malhação - Intensa" (2012), "Malhação Sonhos" (2014) e "Totalmente Demais" (2016), emplacaram outro produto de qualidade e conquistaram o público com uma história deliciosa que abordou a literatura com delicadeza, apresentou personagens bem construídos, formou casais apaixonantes e ainda explorou viradas que emocionaram e tiraram o fôlego com boas doses de tensão. Impossível não ter se envolvido com Paloma (Grazi Massafera), Marcos (Romulo Estrela), Alberto (Antônio Fagundes), Nana (Fabiula Nascimento), entre tantos outros bons e bem interpretados perfis. É o melhor folhetim das 19h desde "Totalmente Demais", ironicamente, também escrito por eles e reprisado em 2020.

quarta-feira, 30 de dezembro de 2020

Retrospectiva 2020: as melhores atrizes e os melhores atores do ano

 Todo ano, a retrospectiva de melhores intérpretes fica gigantesca neste blog. Normalmente, em torno de 160 nomes. Mas 2020 foi um ano atípico. A pandemia do novo coronavírus interrompeu as gravações de todas as novelas e séries. Nacionais e internacionais. As reprises viraram as protagonistas do entretenimento. Mas, ainda assim, alguns nomes merecem entrar na lista por produções encerradas no primeiro semestre ou então breves especiais gravados com todos os protocolos de segurança para presentear o telespectador com cultura de qualidade. Vamos a eles. 


Melhores Atrizes:



1- Marjorie Estiano.
Foram apenas dois episódios de "Sob Pressão - Plantão Covid". Mas o especial valeu por uma temporada inteira somente pela entrega do elenco. E a principal foi Marjorie. Magnífica como sempre, a atriz deu um show de emoção em todas as difíceis cenas de Carolina fazendo de tudo para salvar os vários pacientes da covid-19. A cena mais emblemática do especial foi o momento em que a médica precisou tirar a máscara e sorrir para a foto de seu crachá do hospital de campanha. Um rosto cheio de marcas, os olhos vermelhos de tanto chorar e um sorriso que pareceu um pedido de socorro. Marjorie não precisou nem falar. Que cena! 


2- Fernanda Montenegro.
Elogiar Fernandona é chover no molhado. E a veterana esteve em dois especiais gravados em plena pandemia (pela sua própria família). A ranzinza Gilda foi brilhantemente interpretada tanto em "Amor e Sorte" quanto em "Gilda, Lúcia e o Bode", exibido na noite de Natal. A atriz mesclou momentos cômicos e dramáticos com a maestria que só alguém de seu talento consegue. A personagem é tão boa que vale a dica para a Globo fixar a série em sua grade. 

terça-feira, 29 de dezembro de 2020

Retrospectiva 2020: as melhores cenas do ano

Mais um ano está chegando ao fim e mais uma vez o telespectador foi presenteado com várias cenas grandiosas da nossa teledramaturgia. Momentos marcantes de novelas, séries e minisséries emocionaram, impactaram ou divertiram ao longo de 2020. Porém, a pandemia do novo coronavírus interrompeu as gravações de todas elas. Algumas ainda conseguiram ser encerradas antes do caos mundial. Outras não. A programação de todos os canais foi preenchida com reprises. Ao menos muitas sequências de produções inéditas merecem menção para relembrar o show dos atores, a competência da direção e o talento dos escritores. Vamos a elas.






Adelaide surpreende Justina em "Éramos Seis":
Após um reencontro conturbado, que resultou em um surto da filha autista de Emília (Susana Vieira), a irmã mais velha resolveu surpreender a irmã com um voo de avião. Encantada, Justina lembrou das duas na infância e a cena transbordou sensibilidade. Júlia Stockler e Joana de Verona deram um show.




Vitória conta que é a mãe de Sandro em "Amor de Mãe":
A advogada toma coragem e revela para a babá de seu filho que houve uma grande confusão envolvendo a vida de ambas. Lurdes tenta negar a realidade, mas chora quando vê o resultado do exame de DNA que prova que Vitória é a mãe biológica de Sandro. Lurdes se demite e sai desnorteada. Taís Araújo e Regina Casé perfeitas.