terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Entre justos vencedores, "APCA" valorizou merecidamente "A Força do Querer" e "Sob Pressão"

Após um polêmico "Melhores do Ano", rendendo discussões em cima do merecimento de alguns vencedores da premiação do "Domingão do Faustão", a "APCA" (Associação Paulista de Críticos de Arte) elegeu os melhores de 2017 na Televisão em sete categorias, durante uma reunião realizada na noite desta segunda-feira (11/12). A cerimônia de entrega será realizada no primeiro semestre de 2018, durante a 61° edição do evento, que também premia os melhores em Teatro, Artes Visuais, Música Popular, Literatura, Dança, Cinema, entre outros.


"A Força do Querer" ganhou merecidamente como Melhor Novela, pois seu sucesso é incontestável e honrou o melhor trabalho de Glória Perez. Inspirada, a autora presenteou o telespectador com uma história envolvente e repleta de bons personagens, além do elenco ter sido muito bem escalado. Porém, três concorrentes da categoria também fizeram jus ao prêmio. "Novo Mundo" foi uma primorosa novela das seis e mereceu os aplausos de público e crítica, mesclando a história do Brasil com uma deliciosa ficção, que contou até com piratas e muitas cenas de aventura. "Rock Story", apesar da barriga da metade pro final, se mostrou uma ótima trama das sete e "Malhação - Viva a Diferença" (embora não seja novela) vem colhendo elogio atrás de elogio com honras. Só a fraca "Os Dias Eram Assim" que não merecia ter concorrido, pois foi uma decepção.

"Sob Pressão" faturou o troféu de Melhor Série/Minissérie e não poderia ser diferente. A história derivada do filme homônimo, baseada no livro "Sob Pressão - A Rotina de Guerra de um Médico Brasileiro", dirigida por Andrucha Waddington, impressionou pelo realismo e conseguiu superar o longa. O enredo retratou a precariedade da saúde pública do país com precisão, mesclando com ótimos conflitos em torno de excelentes personagens e um elenco de peso.

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Eva Todor era uma atriz querida e amada por todos

Faleceu em casa, por volta das 8h50 deste domingo (10/12), Eva Todor, aos 98 anos. A atriz não resistiu a uma pneumonia e enfrentava o Mal de Parkinson há alguns anos. Ela estava afastada das novelas desde "Salve Jorge", em 2012, quando fez uma pequena participação na trama de Glória Perez. Sua última aparição pública foi em novembro de 2014, quando recebeu uma merecida homenagem de colegas no Teatro Leblon. Era uma figura amada por todos. Com mais de 80 anos de carreira, a veterana será sempre lembrada como a avó que todos queriam ter.


Filha de uma estilista e de um comerciante de tecidos, Eva era húngara e iniciou a carreira artística ainda menina, chegando a dançar na Ópera Real de Budapeste. Estreou como atriz na peça "Quanto Vale Uma Mulher", em 1934, e deslanchou de vez através do teatro de revista. Em 1940, já tinha sua própria Companhia de Teatro chamada "Eva e Seus Artistas" e ganhou até Getúlio Vargas como admirador, facilitando o processo para conseguir a identidade nacional. Em 1950, ganhou um programa na TV Tupi, cujo título era "As Aventuras de Eva". Sua veia cômica ganhou mais força na atração e viria a ser uma de suas maiores características ao longo da trajetória televisiva.

A primeira novela que contou com a intérprete foi "E Nós Aonde Vamos?", da Tupi, em 1970. Depois, em 1975, chegou a participar da versão censurada de "Roque Santeiro", vivendo Ambrosina Abelha, mas a personagem não voltou na trama clássica que teve Regina Duarte como Porcina. Sua grande estreia na teledramaturgia foi em "Locomotivas", história de Cassiano Gabus Mendes, onde viveu a inesquecível Kiki Blanche, fazendo um imenso sucesso em 1977.

domingo, 10 de dezembro de 2017

"Melhores do Ano" de 2017 deveria ter se chamado "Melhores de A Força do Querer"

O fim do ano vai chegando e com ele as tradicionais premiações elegendo quem mais se destacou na televisão. O "Melhores do Ano", do "Domingão do Faustão", já é um dos eventos 'clássicos' de encerramento e, óbvio, só seleciona produções da Globo. Como são só três indicações por categoria, quase sempre há esquecimentos imperdoáveis. Entretanto, nos últimos anos, houve uma certa justiça nas seleções, priorizando os realmente merecedores, com raras exceções. Mas, em 2017, muitas escolhas provocaram um inevitável incômodo.


Em virtude do imenso sucesso de "A Força do Querer", a novela de Glória Perez dominou todas as indicações. Vale lembrar que isso é algo normal e aconteceu algo semelhante com "Avenida Brasil" e "Amor à Vida", outros grandes êxitos da faixa nobre da Globo. O problema é que o ano teve mais novelas ótimas e também com elencos dignos de muito reconhecimento. O quase total esquecimento de "Novo Mundo", por exemplo, é absurdo. O folhetim das seis teve uma excelente audiência, atores brilhantes e repercussão alta. O mesmo ocorre com "Malhação - Viva a Diferença", conseguindo índices não obtidos na faixa há dez anos. Já "Rock Story" não teve índices estrondosos e nem gerou burburinho, mas também merecia o lembrança.

A categoria Revelação, por exemplo, foi uma das mais controversas, repetindo uma polêmica já vista em anos anteriores, selecionando ator que não é revelação de fato. As atrizes foram Carol Duarte, Karla Karenina e Vitória Strada. As três são talentosas, isso não se discute. Todavia, Karla brilhou como Dita em "A Força do Querer", mas estreou na televisão na "Escolinha do Professor Raimundo", em 1995. Também esteve ótima em "Morde & Assopra", novela exibida em 2011. Ou seja, nem deveria estar ali.

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Fernanda Rodrigues fez uma ótima participação em "O Outro Lado do Paraíso"

Embora não aparente, Fernanda Rodrigues tem 38 anos. Ainda com cara de menina, a atriz já pode ser considerada uma veterana na televisão. Ela estreou aos 11 anos na inesquecível "Vamp" (1991), novela de sucesso de Antônio Calmon, vivendo a espevitada Isabel. Desde então, passou a emendar uma produção atrás da outra na Globo, passando por "Deus nos Acuda" (1992), "A Viagem" (1994), "Malhação" (1996/1997), "Zazá" (1997), "Corpo Dourado" (1998), "Vila Madalena" (1999), "Aquarela do Brasil" (2000), "Estrela Guia" (2001) e assim por diante. Ou seja, cresceu diante do telespectador.


E seu rosto angelical lhe rendeu inúmeras personagens doces e gentis. Mas as adolescentes rebeldes também fizeram parte de seu currículo, ainda que tenham virado meninas centradas no fim. Sua única mau-caráter foi a Stelinha, na fracassada "Negócio da China", em 2008. Por isso mesmo a sua participação em "O Outro Lado do Paraíso" se mostrou tão boa e surpreendente. Além de ter marcado seu retorno aos folhetins, após dois anos ---- esteve na primorosa "Sete Vidas", interpretando Virgínia, em 2015 ----, é a primeira novela das nove que ela participa e o perfil é praticamente uma demônia.

Fabiana é a neta de Beatriz (Nathalia Timberg), grande mentora de Clara (Bianca Bin), que conheceu a mocinha em um hospício tenebroso, isolado em uma ilha, convivendo com a protagonista por dez anos. A elegante senhora foi internada no manicômio justamente pela neta, sendo vítima de um golpe da víbora, que ficou com toda a fortuna da avó.

quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

Fernanda Torres e Alexandre Nero formaram uma dupla divertida em "Filhos da Pátria"

Infelizmente, "Filhos da Pátria" foi um fracasso de audiência. E muito por culpa da própria Globo, que resolveu apostar na fraca e desinteressante "Cidade Proibida" para ir ao ar após a novela das nove. A série não teve um bom retorno de audiência, derrubando a média em mais de 15 pontos (chegou a mais de 20 na época de "A Força do Querer"). Ou seja, a série de Bruno Mazzeo (co-criada com Alexandre Machado) acabou herdando baixos números e indo ao ar tarde para um formato de humor. Porém, a produção foi repleta de qualidades e uma delas foi a dupla formada por Fernanda Torres e Alexandre Nero.


Foi a primeira vez que os atores trabalharam juntos e o resultado não poderia ter sido melhor. Mazzeo criou ótimos perfis para os dois, que aproveitaram as possibilidades em todas as cenas. A trama abordou com um delicioso humor crítico o 'nascimento' do famoso jeitinho brasileiro, logo após a Independência do Brasil. E para isso usou a família de classe média da época, liderada por Geraldo Bulhosa (Nero), um funcionário público medroso, e Maria Teresa (Fernanda), sua deslumbrada esposa que sempre sonhou em ser rica, invejando a irmã refinada desde sempre. Eles ainda são pais do folgado Geraldinho (Johnny Massaro) e da empoderada Catarina (Lara Tremouroux).

Desde o primeiro episódio fica claro o ótimo entrosamento da dupla, que protagoniza uma sucessão de momentos hilários. O interessante do humor do casal é a diferença evidente de comportamento, pois Geraldo sempre foi um sujeito conformado com sua vidinha medíocre, enquanto a esposa nunca aceitou a condição deles.

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Abuso sexual é tratado de forma corajosa em "Malhação", destacando o talento de Talita Younan

Após tantos elogios seguidos e vários acertos constatados, seria possível elogiar mais uma vez a atual temporada de "Malhação"? A resposta é sim. Cao Hamburger está, com o perdão do trocadilho, fazendo a diferença. O autor vem abordando temas muito importantes e um dos mais difíceis de serem explorados ganhou destaque com o drama de K1: o abuso sexual. E Talita Younan está aproveitando a chance para mostrar seu talento.


K1 sempre foi a venenosa da turma e praticou muito bullying com vários colegas, incluindo Benê (Daphne Bozaski). No entanto, a menina sempre teve um lado mais humano e até inocente, principalmente nos momentos de conversa com K2 (Carol Macedo) ou quando tentava escapar das investidas mais pesadas de MB (Vinicius Wester). Foram muitas cenas hilárias e outras mais vilanescas ao longo da trama; mas, recentemente, a curva dramática começou a mudar. A garota passou a chorar escondido e fazia questão de se isolar. Era o primeiro sinal do abuso.

A personagem até se reaproximou de Keyla (Gabriela Medvedovski), que formava o trio K1, K2 e K3 no passado, antes da filha de Roney (Lúcio Mauro Filho) engravidar e formar as 'five'. Foi a partir dessa aproximação que o público teve maior conhecimento do drama que a menina enfrentava.

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

"Tempo de Amar" e "Pega Pega" têm uma semelhança: os mocinhos insuportáveis

Criar mocinhas atrativas tem sido um dos maiores desafios para os autores. Afinal, os vilões sempre tiveram mais elementos para arrebatar o público, até porque movem o enredo. E elaborar bons mocinhos consegue ser ainda mais complicado por várias razões. No entanto, muitos escritores têm conseguido vencer essas dificuldades. Mas, atualmente, Alcides Nogueira, em "Tempo de Amar", e Cláudia Souto, em "Pega Pega", demonstram que fracassaram na missão.


O autor da atual novela das seis criou um tipo apático, sonso e totalmente idiota. Inácio (Bruno Cabrerizo) e Maria Vitória (Vitória Strada) se apaixonaram subitamente no primeiro capítulo da trama e logo decidiram se casar. Porém, uma sucessão de desgraças separou o par. Ele foi tentar um emprego melhor no Rio de Janeiro, mas, pouco depois de sair de Portugal, acabou assaltado e golpeado na cabeça, ficando cego. Foi encontrado por Lucinda (Andreia Horta), vilã que passou a manipulá-lo de todas as formas.

O rapaz acreditou piamente em tudo o que a nova 'amiga' lhe disse sobre Maria Vitória, garantindo que ela havia se casado e colocado o filho deles para ser criado pelo seu novo marido. Apesar disso, ainda tentou descobrir algo mais procurando seu grande parceiro, o vendedor Geraldo (Jackson Antunes), sem sucesso. Com o tempo, Inácio acabou voltando a enxergar e não demorou para pedir Lucinda em casamento.

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Taís Araújo fará falta no "Saia Justa"

O "Saia Justa" é um dos programas mais antigos do GNT e obtém uma ótima audiência desde a estreia, em 2002. O formato do canal a cabo já contou com várias formações ao longo dos anos. Desde 2013 a atração é comandada por Astrid Fontenelle e a apresentadora formou um ótimo quarteto com Bárbara Gancia, Maria Ribeiro e Mônica Martelli. Infelizmente, Maria e Bárbara foram retiradas sem maiores explicações no início de 2017. A primeira foi demitida e a segunda virou repórter. Taís Araújo e Pitty foram chamadas para substituí-las. As duas se agregaram bem e o novo time também funcionou. Porém, agora, Taís é mais uma baixa no 'elenco'.


Ao contrário das duas colegas, a atriz não foi demitida ou 'realocada' pelo canal. Ela simplesmente não pode mais conciliar sua presença no sofá com o reinício das gravações da série "Mister Brau", da Globo, e com o retorno da sua peça, "O Topo da Montanha" ---- os dois trabalhos, por sinal, são protagonizados ao lado do marido, Lázaro Ramos. Então, sua saída se mostrou inevitável e aconteceu na quarta passada (30/11), em um especial do programa, realizado em São Paulo, no teatro Opus, com a presença de uma animada plateia, além das participações de Cláudia Raia e Monica Iozzi.

Foi uma despedida triste, emocionando todas e principalmente Mônica Martelli, com quem Taís teve uma maior ligação no formato. Inclusive, um dos temas da atração acabou sendo justamente a dificuldade de abandonar algo que gosta muito para poder realizar outro objetivo. Monica Iozzi lembrou a sua saída do "Vídeo Show", onde fazia um grande sucesso ao lado de Otaviano Costa.

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

Reprise de "Por Amor" no Viva prova que a sociedade evoluiu em 20 anos

O machismo é um mal que nunca será extinto, ainda mais em uma sociedade marcada por tantos anos pela patriarcalidade como a brasileira. Entretanto, é inegável que houve (e vem havendo) uma evolução. Hoje em dia, situações comuns no passado não são mais vistas com normalidade e há veículos de sobra para expor indignação. Em alguns casos, há um certo exagero em se tratando da ficção, por exemplo. Se exige demais para um produção ficcional. Mas, é preciso ressaltar que também são feitas críticas pertinentes. Tanto que muita coisa mudou. E a reprise de "Por Amor" no Viva é a maior prova de como o machismo era visto como algo natural e aceitável.


O clássico de Manoel Carlos, um de seus maiores e mais aclamados sucessos de 1997 ---- cuja estreia completou 20 anos em outubro ----, vem sendo reexibido pela segunda vez no canal a cabo, repetindo o êxito nos números de audiência. É um folhetim maravilhoso que o público não cansa de ver. O dramalhão criado pelo talentoso escritor prima pelo visível conjunto de qualidades. Contudo, atualmente, tem sido possível observar todo o contexto absurdo que cercou Marcelo (Fábio Assunção), o filho queridinho da inesquecível vilã Branca Letícia de Barros Motta (Susana Vieira).

O personagem é considerado o 'galã' da história, sendo disputado constantemente por duas mulheres: Maria Eduarda (Gabriela Duarte) e Laura (Vivianne Pasmanter). Porém, todas as suas atitudes são dignas de um vilão de folhetim e na época não houve qualquer estranhamento. Arrogante, mimado e agressivo, o rapaz nunca respeitou ninguém e jamais aceitou ter suas vontades contrariadas.

quinta-feira, 30 de novembro de 2017

Fuga de Clara promove aguardada e eletrizante virada em "O Outro Lado do Paraíso"

A primeira fase de "O Outro Lado do Paraíso" se alongou demais. Duas semanas eram suficientes para a apresentação de todos os conflitos principais e os mais de 30 capítulos cansaram, deixando o contexto repetitivo. Porém, Walcyr Carrasco mostrou que estava com várias cartas na manga, apresentando uma virada empolgante e repleta de ótimas cenas, destacando ainda seu ótimo elenco. A expectativa do público era alta e o autor até agora vem fazendo jus ao aguardado momento da atual novela das nove.


A esperada passagem de dez anos, exibida na segunda (27/11), foi muito bem explorada através de breves cenas, como o casamento de Renato (Rafael Cardoso) e Livia (Grazi Massafera), o treinamento de Clara (Bianca Bin) no hospício, a dedicação aos estudos de Raquel (Érika Januza), o prosseguimento das escavações para a retirada das esmeraldas, os aniversários de Thomaz (Vitor Figueiredo), enfim. E todos os momentos ao som de Hold On (Alabama Shakes), além da também ótima "That Smell" (Lynyrd Skynyrd), expondo a qualidade da trilha sonora. A prova do interesse do telespectador foi a média de 36 pontos, com picos de 40, do capítulo.

Já o capítulo de terça (28/11), exibindo a descoberta de Renato sobre a internação da mocinha em uma clínica psiquiátrica isolada em uma ilha, conseguiu ser ainda melhor. O rapaz logo inventou uma viagem para a esposa, conseguindo trabalhar por um período na tal clínica, reencontrando Clara e renovando as esperanças da neta de Josafá (Lima Duarte).

terça-feira, 28 de novembro de 2017

Segunda fase evidencia semelhanças entre "O Outro Lado do Paraíso" e "Chocolate com Pimenta"

A vingança é um dos maiores clichês da ficção e até hoje faz sucesso. Nada mais empolgante do que ver uma pessoa injustiçada se voltando contra todos que a arruinaram. "O Conde de Monte Cristo", romance da literatura francesa, escrito por Alexandre Dumas, em 1844, é a maior referência do gênero. Tanto que vários filmes, peças teatrais, séries e novelas já se inspiraram na obra. "Fera Radical", em reprise no Viva, por exemplo, ou o seriado americano "Revenge", além de "Avenida Brasil", entre tantas outras produções. Atualmente, "O Outro Lado do Paraíso" é o folhetim que se baseia nesse recurso. E, curiosamente, Walcyr Carrasco, acabou se inspirando também em outra novela sua: "Chocolate com Pimenta", exibida em 2003.


O folhetim de sucesso das 18h até hoje é lembrado e a saga da doce Ana Francisca (Mariana Ximenes) arrebatou o telespectador na época. É uma das produções de maior êxito do autor, marcada pelo humor delicioso, personagens carismáticos, muita guerra de torta e enredo empolgante. Após ser ridicularizada na fictícia cidade de Ventura, recebendo um banho de tinta verde durante uma festa de formatura, a mocinha promete voltar e destruir todos que riram dela, entre eles o banqueiro, o delegado, a maior rival, o prefeito, entre outros. E ela consegue graças ao querido Ludovico (Ary Fontoura), homem muito mais velho, que se casa com a menina apenas por amizade e para deixar sua herança com uma boa pessoa, evitando que a irmã ambiciosa ficasse rica.

O juramento que Ana fez, diante de uma paisagem deslumbrante e no topo de um quase morro, marcou a virada da personagem. "Por essa terra que eu piso, por esse barro de que sou feita, nunca mais vão rir de mim. Pelo céu que desce do horizonte, pela chama que arde em meu coração, eu vou me vingar um dia. Eu vou me vingar! Olho por olho, dente por dente, disse a magoada protagonista, pegando a terra do chão e encostando em seu peito.

sábado, 25 de novembro de 2017

"Conversa com Bial" presta bela homenagem a Jô Soares

O "Conversa com Bial" estreou em abril deste ano, substituindo o "Programa do Jô", na Globo, que estava no ar há 16 anos. Desde que o programa entrou no ar, havia a expectativa por uma entrevista com Jô, até para simbolizar essa 'passagem de bastão'. Infelizmente, não ocorreu. Porém, sete meses depois, o momento finalmente veio: Pedro Bial entrevistou Jô e a conversa foi exibida na madrugada da última sexta-feira (25/11).


O bate-papo fluiu com naturalidade e sem qualquer constrangimento, até porque os dois são amigos de longa data. O objetivo da entrevista foi a divulgação de "O Livro de Jô - Uma Autobiografia Desautorizada (Volume 1)", escrita com Matinas Suzuki Jr. (Companhia das Letras). O livro conta os primeiros 30 anos de vida do apresentador, ator, redator, humorista, diretor, entre tantas outros ofícios que exerce, e exerceu, ao longo de sua rica trajetória.

A conversa foi tão agradável que o programa teve uma duração até maior que o normal e não deu para sentir. Bial aproveitou vários trechos interessantes do livro para deixar Jô brilhar, contando vários casos interessantes, como quando acabou perseguido pela Ditadura e o momento que fracassou no teatro.

sexta-feira, 24 de novembro de 2017

"O Outro Lado do Paraíso" presenteia público com Fernanda Montenegro e Laura Cardoso juntas em cena

A nova novela das nove da Globo está no ar há pouco tempo. Porém, já havia ficado claro desde as chamadas que o elenco da trama de Walcyr Carrasco era estelar. O autor escalou vários nomes de peso e impressiona a quantidade de veteranos em papéis de destaque. Isso acaba proporcionando momentos grandiosos para o público, como o encontro de duas damas da teledramaturgia, por exemplo. Foi exatamente o que aconteceu há duas semanas, através do reencontro de Mercedes e Caetana, interpretadas pelas fantásticas Fernanda Montenegro e Laura Cardoso.


A vidente e a cafetina tiveram uma espécie de acerto de contas, após uma armação do passado. A dona do bordel do interior de Tocantins tramou para separar Mercedes de Josafá (Lima Duarte), atingindo o seu objetivo com louvor. Porém, ela acabou não ficando com o seu amor, pois o homem de sua vida sempre foi apaixonado pela rival. Acabou apenas destruindo a relação, modificando o destino dos três. Nada disso foi mostrado, apenas falado. E nem precisava de flashback. A força interpretativa das duas bastou para deixar qualquer um hipnotizado com a longa cena. 

A sequência durou quase dez minutos, uma eternidade na teledramaturgia hoje em dia. Caetana se desculpou pela armação e Mercedes agradeceu pelo ato, pois a separação a fez passar por várias provações, até conseguir 'escutar vozes' que a orientam. A atitude da vidente surpreendeu a cafetina e as duas até se abraçaram.

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Interrompendo sequência de tramas de época, "Apocalipse" tem início bastante ousado

Em virtude do claro esgotamento das tramas bíblicas, a Record resolveu apostar em uma trama contemporânea para substituir "O Rico e Lázaro", folhetim de repercussão nula e baixa audiência da emissora. Vivian de Oliveira, autora de "Os Dez Mandamentos" (2015), o maior sucesso do canal, foi escolhida para assumir essa nova empreitada. Assim, nesta terça-feira (21/11), estreou "Apocalipse", trama que falará sobre o fim do mundo, explorando as vilanias de um 'anticristo' e tento três fases (1980, 1996 e 2017), divididas em 170 capítulos, caso não haja um esticamento no percurso (o que costuma ocorrer em produções da emissora) .


Dirigida por Edson Spinello, a novela abusará dos efeitos especiais e vai misturar amor, fé, catástrofes e redenção. O clipe do folhetim deixou claro que o enredo é sombrio e bastante pesado, repleto de momentos de tensão, incluindo assassinatos macabros e tiroteios. Uma ousadia e tanto, levando em consideração parte das críticas em torno da história pesada de "O Outro Lado do Paraíso", escrita por Walcyr Carrasco e exibida atualmente na Globo. Também ficou evidente o elenco numeroso. Há mais de cem atores escalados, ocorrendo algumas entradas e saídas a cada mudança de fase. 

A trama se passa em quatro países: Brasil, Itália, Estados Unidos e Israel. Os sinais do fim dos tempos estarão presentes em todos os locais. A primeira fase narra a trajetória de quatro jovens ---- o americano Alan (Maurício Pitanga), a brasileira Susana (Carolina Oliveira), o italiano Adriano (Felipe Cunha) e israelense Débora (Manuela do Monte) ----, nos anos 80, que escolhem Nova York como destino universitário.

terça-feira, 21 de novembro de 2017

Primeira fase de "O Outro Lado do Paraíso" não precisava ser tão longa

A nova novela das nove da Globo estreou no dia 23 de outubro. Já está claro que Walcyr Carrasco pretende contar uma trama repleta de vinganças, provando que a lei do retorno existe. Por enquanto, o público tem acompanhado o calvário das vítimas, tendo Elizabeth (Glória Pires) e Clara (Bianca Bin) como protagonistas, além de Raquel (Érika Januza) correndo por fora. E o enredo tem duas fases: uma ambientada em 2007 e a outra em 2017. Parece promissor. O único senão até agora, porém, tem sido a duração da primeira etapa dessa saga.


São cerca de trinta capítulos com a história, dirigida por Mauro Mendonça Filho, ambientada em 2007. E, pelo que tem sido apresentado, é um período excessivo. Não havia necessidade de tantos capítulos para introduzir o drama dos personagens. Duas semanas já eram suficientes para exibir a primeira fase, sem correria. Isso porque a sensação de se deparar com situações repetidas se torna inevitável. Na tentativa de preencher o tempo desse início, o autor vem reiterando conflitos e brigas, que sempre rendem ótimas cenas, mas acabam andando em círculos.

Clara e Gael (Sérgio Guizé), por exemplo, se casaram e já brigaram várias vezes, resultando quase sempre em agressões do marido. A mocinha foi espancada e parou no hospital em três momentos, assim como se abrigou na casa do avô, Josafá (Lima Duarte), nos mesmos períodos. Também recebeu o apoio de Renato (Rafael Cardoso) nessas situações.

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Não foi uma boa noite para o Brasil no Emmy Internacional de 2017

O 45º Emmy Internacional foi promovido nesta segunda-feira (20/11), no hotel Hilton, em Nova York, Estados Unidos. A importante e prestigiada premiação teve nove indicações nacionais em oito categorias, sendo elas: melhor série dramática, com "Justiça"; melhor novela, com "Velho Chico" e "Totalmente Demais"; melhor comédia, com "Tá no Ar: a TV na TV"; melhor filme/minissérie, com "Alemão" ---- série derivada do filme homônimo ----; Júlio Andrade como melhor ator pelo desempenho na série da FOX "1 Contra Todos"; melhor programa artístico, com "Portátil" ---- criado pelo Porta dos Fundos e exibido no Comedy Central ----; melhor série de formato curto, com "Crime Time" --- produzida pelo Stúdio+ ---- e Adriana Esteves como melhor atriz pela sua interpretação na pele da Fátima em "Justiça". Infelizmente, ninguém ganhou.


Apesar das derrotas, todas as indicações foram merecidas, com destaque especial para o desempenho irretocável de Adriana Esteves em "Justiça", que também se mostrou uma grandiosa produção de Manuela Dias. A atriz viveu seu auge com a vilã Carminha, no fenômeno "Avenida Brasil", e não teve sorte na fracassada "Babilônia", interpretando um papel que se perdeu totalmente no enredo. Com a sofrida Fátima, a intérprete apagou qualquer vestígio da inesquecível vilã de João Emanuel Carneiro e emocionou o público dando vida a uma mulher que primava pela ética e transbordava integridade, mesmo diante das inúmeras desgraças que ocorriam em sua vida. Foi uma atuação realmente digna de Emmy.

Vale lembrar, inclusive, que é a segunda indicação de Adriana ao prestigiado prêmio. Ela também foi indicada pelo seu grande trabalho na minissérie "Dalva e Herivelto - uma canção de Amor", escrita por Maria Adelaide Amaral e exibida em 2010, onde deu um show na pele da passional Dalva de Oliveira. É uma atriz cada vez mais respeitada no mercado merecidamente. E em "Justiça" ganhou uma das melhores personagens da série, aproveitando a chance para novamente expor seu imenso talento.

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Guto e Benê esbanjam delicadeza em "Malhação - Viva a Diferença"

"Malhação - Viva a Diferença" não é uma trama sobre casais. Ela se diferencia das demais temporadas por focar nas questões individuais dos personagens, tendo cinco protagonistas e não um ou dois pares. O foco é a força da amizade, tendo vários conflitos e dramas pessoais correndo por fora, incluindo os relacionamentos amorosos, obviamente. Mas o espaço para momentos românticos existe e a melhor relação da história é a de Guto (Bruno Gadiol) e Benê (Daphne Bozaski).


Primeiramente, porque Benedita é o perfil mais cativante do quinteto central, apresentando particularidades apaixonantes, como levar tudo o que é dito ao pé da letra, além de jogar verdades na cara dos outros de forma natural e até inocente. Ela sofre de Síndrome de Asperger, um grau leve de autismo, mas o 'problema' nunca foi dito no enredo. Todos sabem que a menina é diferente, embora ninguém saiba exatamente o porquê. Sua dificuldade com o toque e o barulho sempre foi seu maior obstáculo, provocando alguns surtos, inclusive. 

Já Guto é um dos tipos masculinos mais complexos da história, carregando um nuvem de incertezas consigo. Tímido e retraído, o rapaz nunca teve facilidade em socializar com as meninas, mesmo sendo considerado o bonitão da escola. O fato de nunca ser visto namorando, por sinal, começou a despertar desconfianças de alguns.

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

"O Rico e Lázaro" expôs o esgotamento das tramas bíblicas da Record

Após o fenômeno "Os Dez Mandamentos", maior sucesso da Record, exibida em 2015, deixando a Globo para trás algumas vezes, a emissora resolveu adotar de vez o esquema de obras bíblicas. O canal dos bispos sempre priorizou esse tipo de produção, mas, ainda assim, havia espaço para outro tipo de histórias. Porém, na faixa das 20h30 ficou estabelecido esse padrão. A questão é que depois nenhuma outra chegou perto do êxito ou da repercussão da mesma. E, com "O Rico e Lázaro", esse esgotamento, que era cada vez mais inevitável, chegou de vez.


A trama de Paula Richard, dirigida por Edgar Miranda, estreou em março, substituindo "A Terra Prometida", um folhetim que obteve uma audiência razoável, mas longe do desejado, pois tinha entrado no lugar da equivocada 'segunda temporada' de "Os Dez Mandamentos". Ou seja, foi a quarta produção bíblica seguida. A coprodução com a Casablanca, iniciada durante todo esse processo de padronização de folhetins da emissora, melhorou um pouco a qualidade de alguns cenários e nos efeitos especiais de cenas específicas. O problema foi a mesmice.

A história, que chega ao fim em novembro, seguiu a cronologia das passagens da Bíblia e, teoricamente, o encaminhamento observado nos folhetins anteriores. Mas, claro, com novos personagens e outros conflitos. Só que todo o conjunto permaneceu igual.

terça-feira, 14 de novembro de 2017

Briga do quinteto central promove boa virada e comprova o talento das atrizes em "Malhação - Viva a Diferença"

Quando há assunto de sobra para ser comentado sobre uma trama é sinal de que a produção está no caminho certo. "Malhação - Viva a Diferença" já provou e comprovou isso várias vezes desde a sua estreia, em maio. Após abordagens precisas sobre o uso de drogas na adolescência e racismo, a temporada apresentou uma grande virada na história: o rompimento da amizade do quinteto protagonista. E a cena fez jus ao aguardado clímax.


Cao Hamburger esbanjou criatividade na semana passada, quando resolveu contar o drama de cada personagem em um dia da semana. Para isso, o autor usou o telefonema de Benê (Daphne Bozaski), expondo a tristeza das cinco meninas, plantando a dúvida na cabeça do telespectador a respeito do que teria acontecido com elas. E a 'saga' das explicações começou na terça-feira passada (07/11), com o conflito de Tina (Ana Hikari), sendo obrigada pela mãe a viajar para o Japão, após ter sido flagrada com Anderson (Juan Paiva) em seu quarto.

O drama de Lica foi exposto na quarta, com a garota conversando com Tina, e contando os problemas que enfrentou no período 'pós-balada em seu apartamento', confessando ainda que beijou Deco (Pablo Morais) em outra 'festinha'. A quinta foi o dia de Ellen, protagonizando o capítulo mais dramático. A garota se viu mais uma vez humilhada pelas colegas de escola, sendo vítima do preconceito social e do racismo.

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Ao explorar declarações racistas de William Waack no "Domingo Espetacular", Record expõe seu telhado de vidro

Neste domingo (12/11), o "Domingo Espetacular" colocou como a matéria da semana as declarações de cunho racista de William Waack, provocando seu afastamento na Globo. Foram onze minutos de reportagem sobre toda a polêmica que ocorreu em torno do jornalista de sua concorrente. Nada de anormal nisso, afinal, foi um assunto de imensa repercussão e toda a imprensa noticiou o caso (provocando atenção até de veículos internacionais). O problema dessa reportagem específica é o telhado de vidro da Record.


A emissora dos bispos exibiu uma longa reportagem, sem apresentar nada de novo, reexibindo o trecho da declaração deprimente do jornalista e expondo as reações negativas de alguns atores da Globo, como Bruno Gagliasso, Cris Vianna e Lázaro Ramos, além de ferrenhas críticas de militantes negros. O programa ainda entrevistou Diego Pereira, operador de TV que presenciou o comentário de Waack e o divulgou um ano depois, quando foi demitido da emissora. Ainda exibiu declarações de Robson Cordeiro, amigo do rapaz que o ajudou a divulgar o vídeo.

Mas, ironicamente, quem estava apresentando a revista eletrônica dominical da Record e ainda anunciou a matéria foi Paulo Henrique Amorim. Para quem não lembra, o jornalista foi condenado por injúria racial em 2015,  quando perdeu definitivamente o processo movido por Heraldo Pereira, comentarista político do "Jornal da Globo" (e cotado para substituir Waack na bancada).

sábado, 11 de novembro de 2017

Márcia Cabrita era o retrato do sarcasmo e da alegria de viver

Nesta sexta-feira (10/11), o Brasil ficou mais triste. Márcia Cabrita faleceu, aos 53 anos, após lutar por sete anos contra um câncer no ovário. Diagnosticada em 2010, retirou os ovários e o útero, iniciando um tratamento que lhe acompanharia até o fim da vida. A atriz estava internada no Hospital Quinta D`Or, no Rio de Janeiro, há dez dias. Apesar de doente, nunca desistiu de trabalhar e sempre que apresentava alguma melhora participava de uma produção, sendo filme, novela ou série.


Sua última aparição na televisão foi na pele da impagável Narcisa, em "Novo Mundo", na Globo. A atriz seria a suja Germana (Vivianne Pasmanter) na novela primorosa de Alessandro Marson e Thereza Falcão, mas, em virtude do estágio do câncer, acabou não conseguindo ficar com um papel tão grande e precisou de um tempo para voltar. Os autores, então, escreveram a nova personagem especialmente para ela, que brilhou sempre que surgiu em cena. As tiradas da esposa de José Bonifácio (Felipe Camargo) eram hilárias e o sotaque português da intérprete idem.

Entretanto, infelizmente, Márcia precisou se afastar novamente da trama e Narcisa saiu antes do previsto, não retornando mais. Era um sinal da gravidade do seu estado. E a atriz ter conseguido forças para participar ao menos de alguns capítulos do folhetim apenas comprovou o quanto amava seu ofício e a vida.

sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Novos conflitos enriquecem trajetória de Ellen e destacam Heslaine Vieira em "Malhação - Viva a Diferença"

A atual temporada de "Malhação" tem merecido elogios diários e não é exagero. Cao Hamburger está exibindo uma trama repleta de bons personagens, tratando a adolescência com total veracidade. "Viva a Diferença" não podia ser um subtítulo melhor. O enredo prioriza o cotidiano, valorizando a vivência de cada perfil, revezando o destaque de cada um, focando mais nas cinco protagonistas, obviamente. E, agora, o autor iniciou uma nova saga para Ellen, vivida pela ótima Heslaine Vieira.


A menina do subúrbio foi a mais resistente em iniciar uma amizade com Lica (Manoela Aliperti), Tina (Ana Hikari), Keyla (Gabriela Medvedovski) e Benê (Daphne Bozaski), alegando a diferença social que as separavam. Mas, com o tempo, acabou se apegando demais a essas novas amigas, formando um quinteto inseparável. Ela, Benê e Keyla estudavam no Colégio Cora Coralina, instituição pública, enquanto Tina e Lica frequentam o Colégio Grupo, uma escola particular. Porém, o verbo ficou no passado para Ellen porque a garota conseguiu uma bolsa de estudos no colégio das amigas mais ricas.

E iniciou-se uma nova fase para a personagem a partir desse ponto. Bóris (Mouhamed Harfouch) foi quem conseguiu essa bolsa, após ter enfrentado Malu (Daniela Galli) e Edgar (Marcello Antony). A bolsa só veio, por sinal, depois de uma difícil prova aplicada, em uma tentativa do pai de Lica de barrar a entrada da menina humilde. Mas, ela passou com louvor e agora é uma aluna do Grupo.