quinta-feira, 3 de julho de 2014

O que há de errado em "Geração Brasil" ?

As chamadas de "Geração Brasil" prometiam uma ótima novela das sete. Os autores de "Cheias de Charme" pareciam inspirados com a nova trama e a expectativa para a estreia era alta. O primeiro capítulo honrou toda a espera: repleta de personagens populares, mostrando o mundo da tecnologia e se aproveitando do mundo digital que está em voga, o folhetim parecia promissor. Mas após umas duas semanas, os problemas já começaram a surgir.


Prejudicada pela Copa do Mundo, a novela precisou ficar uns dias fora do ar. Para resolver a questão, os autores foram muito criativos: criaram o reality Geração Brasil, para promover o sucessor do grande empresário Jonas Marra (Murilo Benício). Entretanto, até o reality começar, a novela ficou claramente enrolando a história. Mas quando a competição se iniciou, a impressão era de que a trama ia começar de fato, até porque o folhetim começou sendo contado no tempo passado e a partir de então tinha chegado no presente.

Entretanto, o reality show, que começou divertido, ficou cansativo e desinteressante. Já com esta fase fraca, a história precisou de uma pausa para a Copa e novamente Filipe Miguez e Izabel de Oliveira mostraram criatividade para o período de ausência da obra: fizeram Manu (Chandelly Braz) e Davi (Humberto Carrão) lançarem um desafio diário para o público através do aplicativo 'Filma-e', onde o telespectador
tinha que fazer alguma coisa exigida pela dupla. Embora as brincadeiras tenham sido bem bobas, foram úteis para preencher o tempo das pílulas de três minutos dos capítulos, que ficaram com esta ínfima duração por oito dias, em virtude da primeira fase da Copa.

Os autores já provaram em "Cheias de Charme" que sabem mesclar televisão com internet e têm comprovado mais uma vez este talento em "Geração Brasil". As interações (chamadas de transmídia) são boas e agora haverá outra, através de Pâmela Parker (ótima Cláudia Abreu): a personagem terá um programa de televisão e convidará garotos que não estudam e nem trabalham para passarem por uma 'reprogramação mental' com Brian Benson (Lázaro Ramos). E estas pessoas serão telespectadores escolhidos no site da novela no GShow.

Porém, o problema da trama não está na interatividade, que é sempre bem-vinda. Está no desenvolvimento da história e em muitos perfis mal construídos. Depois que "Geração Brasil" voltou ao ar, após o breve recesso, a expectativa era de que agora sim o folhetim começaria. Mas não começou. O conteúdo claramente anda em círculos e são poucos os acontecimentos relevantes. Parece que todos os personagens estão sendo cozinhados em 'banho maria', usando a clássica expressão culinária para exemplificar a situação. E mesmo com três mortes (os atores Fiuk, Débora Nascimento e Carlos Miele deixaram a história recentemente), não houve sequer uma guinada na novela.

A impressão passada é que os autores criaram a história e os personagens, mas não tiveram tempo de desenvolver o conteúdo e nem construir alguns perfis. Isso porque há muito personagem para pouca história apresentada. E muitos deles estão deslocados, sem função. Até tipos que pareciam promissores sofrem deste problema, como é o caso de Megan (Isabelle Drummond) ---- que não tem um drama atraente, tendo como único objetivo ir atrás de Davi ----, Dorothy Benson (Luiz Miranda) ---- que roubou a cena no começo, mas perdeu o destaque, virando escada para Brian ---- e Gláucia Beatriz (Renata Sorrah) ---- que iniciou roubando a cena, até ter sua importância diminuída, em um núcleo que parecia promissor, mas que também não disse a que veio: o da Família Marra pobre.

Mais alguns personagens que ainda não mostraram importância e funcionam como meros figurantes são Rita (Gisele Fróes), Marisa (Titina Medeiros), Luene (Ana Terra Blanco), Ernesto (Felipe Abib), Elias (Marcelo Airoldi), Ludmilla (Ellen Roche), Cidão (André Gonçalves), Dante (Nando Rodrigues) e Iracema (Aracy Balabanian, mais uma vez desperdiçada, após a ínfima participação em "Cheias de Charme", dos mesmos autores).

Outro ponto que precisa ser mencionado é o casal protagonista. Chandelly Braz está impecável vivendo uma mocinha que não se intimida diante de ninguém, Humberto Carrão está ótimo na pele de um retraído nerd e há muito química no casal; entretanto, o amor súbito entre Manu e Davi ficou superficial demais. O romance demorou para engrenar (os mocinhos ficaram um bom tempo sem se conhecer) e quando começou foi tudo muito rápido, incluindo as declarações de 'Eu te amo'. O par precisa de conflitos interessantes, o que por enquanto não ocorreu. A dupla até então é apenas a vencedora do reality, que trabalha na Marra. Bons conflitos precisam ser criados.

Segundo consta, a trama só começará de fato depois da Copa do mundo. Mas isso não pode mais ser usado como justificativa, afinal, a novela já passou do capítulo 45 e algo precisa ser feito. Os índices de audiência baixos, somados ao enredo até agora desinteressante, onde a interação com o público muitas vezes fica mais importante do que o conteúdo, promovem um resultado nada agradável.

Porém, nem tudo está perdido. Murilo Benício têm uma ótima parceria cênica tanto com Cláudia Abreu, que está dando um show na pele da fútil Pâmela Parker, quanto com Taís Araújo, que brilha com sua ética jornalista Verônica. Leandro Hassum está tendo um merecido destaque com seu Barata, que é um dos tipos mais engraçados da novela. E, ao que tudo indica, agora Megan começou a ter um drama atraente depois que entrou em choque com a notícia do aneurisma inoperável de seu pai. As cenas da atriz com Cláudia, que interpreta sua mãe, também são sempre boas. E o inusitado par formado por Shin-Soo e Lara foi uma grata surpresa. Rodrigo Pandolfo e Elisa Pinheiro têm química em cena e o casal funcionou perfeitamente. O repórter afeminado e afetado diminui consideravelmente seus trejeitos quando está diante da mãe do simpático Tomás (Gabriel Palhares, a revelação mirim da trama), que ao que tudo indica é seu filho.

Ainda é cedo para fazer qualquer tipo de constatação sobre "Geração Brasil", cujo destino é incerto. A trama tem uma boa premissa e vários personagens com potencial, entretanto, precisa de mudanças para despertar algum interesse, começando pelo desenvolvimento da história, que tem deixado a desejar. Amargando uma péssima audiência ---- com a Globo chegando até, segundo vários sites, a cogitar o encurtamento do folhetim ----, a segunda trama de Filipe Miguez e Izabel de Oliveira tem qualidades e defeitos. Porém, após um início onde as qualidades predominaram, os defeitos estão se sobressaindo ao longo dos capítulos. Mas há tempo para alterações positivas. Resta torcer para que elas ocorram, deixando a novela atraente e divertida, como chegou a ser nas primeiras semanas de exibição.

74 comentários:

Mariana disse...

Acho TUDO errado. Teu texto tá impecável mas acrescentaria esse excesso de foco na empresa Marra. Sei que é o foco central mas já deu pra ver que não empolga e fica repetitivo. A novela parecia ótima mas virou uma decepção.

Anônimo disse...

Podiam acaba essa logo e começar a tal Buuu que parece bem boa e diferente.

Alexandra disse...

tudo errado nessa novela. eu tbm acreditava muito nessa novela, mas me decepcionei profundamente. e essa sensação é bem chata. Nem assisto mais essa trama e acho q não estou perdendo nada demais. A história é contada de forma desinteressante e fraca e a novela está acima do tom e exagerada. Que seja encurtada mesmo. Nem a vilã da Renata Sorrah está legal e mais uma vez ela ganhou um personagem uó. beijo

Vivi disse...

Concordo integralmente. Que texto bom! Mas discordo da parte "prejudicada pela copa do mundo". Isso é balela e desculpa esfarrapada. Meu Pedacinho de Chão também foi afetada pela copa, ficou dias sem ser exibida, mas continua linda. Essa começou a ficar ruim logo na segunda semana.

Anônimo disse...

Bom texto mas faltou tu colocar aqueles flashbacks vergonhosos do Murilo Benício sendo filho daquele ator que fez um radialista em Cheias de Charme, parecendo ser mais novo que ele. A preguiça da direção ficou clara!

Thallys Bruno Almeida disse...

Discordo um pouco. De fato não tá o novelão que eu achava que iria ser. Mas vejo alguns leves ajustes feitos na história do Jonas Marra e já gostei do fato de inserir a Megan na trama da doença dele. Acho isso mais útil pra personagem do que ela ficar correndo atrás de um personagem do Humberto de novo.

Acho o atual casal jovem (Manu e Davi) muito superior ao da novela passada, inclusive nas atuações. Chandelly merece o espaço e Carrão tb está bem, embora entre os dois eu acho que ela esteja um pouco melhor.

Pode-se não gostar do Brian Benson à vontade, eu mesmo tb não sou fã, mas acho que Lázaro Ramos encontrou o tom do personagem e não tá tão exagerado quanto aparenta ser. Bem pior é o Herval, este sim um completo babaca e ainda pessimamente interpretado.

Cláudia Abreu, Murilo Benício, Luís Miranda e Taís Araújo continuam espetaculares, em especial as mulheres. O Leandro Hassum ganhou uma ótima trama recentemente emulando em sua loja o concurso da empresa de Marra.

Sobre o encurtamento, li no Ricco que esse boato não procede tanto assim, uma vez que Ortiz e Abreu continuam trabalhando na substituta com os mesmos prazos e a mesma previsão de estreia em novembro.

Geração Brasil não é o que poderia ser, mas ainda pode ser. Não a vejo tããããão ruim assim. E não acredito nessa história de que tá tudo errado. Ainda acredito na novela e no potencial dos autores pra torná-la mais atrativa. Assim como também me permito apostar em Império. Tem um tempo deixei de usar essa mentalidade de "tal novela é de tal autor, vai ser ruim", "tal novela é de tal autor, vai ser um novelaço". Prefiro me deixar surpreender.

Milene Lima disse...

Eu também não acho assim tão ruim. E quando me lembro da anterior, então, é que não acho ruim mesmo.
Queria Jonas e Verônica juntos. Era divertido, ele ria com ela.
Amo a ingenuidade e tosquice do Barata. Genial, Hassum.

Beijo, Sérgio.

Fernanda disse...

Os autores dessa novela sofreram do mesmo mal de Duca e Thelma. Quiseram repetir o sucesso de Cheias de Charme reunindo todo o elenco da novela anterior mas se esqueceram do enredo e dos personagens, da mesma forma que as autoras reuniram vários atores do sucesso Cordel Encantado em Joia Rara achando que repetiriam o sucesso, mas se esqueceram da história. O resultado é o fiasco. Parabéns pela crítica, Sérgio!

Letícia disse...

Boa noite, meu caro Sérgio, tudo bem?

Sabe, eu gosto de Geração Brasil, apesar de que não me importo se perco um capítulo ou outro... Acredito que está semanas que a novela não foi ao ar como de costume e acredito que tenha perdido um pouco do ritmo... Outro detalhe que me não gosto muito esta doença que inventaram para o personagem do Benício, ficou dramático demais, poderia ser diferente... Em falar no dono da Marra, gosto muito dele com a Verônica, mais que com a Pâmela, apesar do casal se bonito junto... Não gosto muito da deslealdade de ambos, já que ambos flertam com outras pessoas, deveria ser mais honesto e terminar e partir para outra, mas como é novela...
De fato o enredo precisa ganhar mais dinamismo e ainda há tempo para ganhar fôlego, há espaço para melhor, bons atores a novela tem de sobra, basta melhorar e os autores têm capacidade para isso... Talvez o problema seja que a novela anterior foi a dois anos e vem com outra pouco depois... Talvez não tenham tido tempo para desenvolver melhor a estória... É uma possibilidade... Por exemplo, Gilberto Braga, sua última novela foi em 2011, participou da revisão de texto de Lado a Lado e apenas em 2015 terá sua próxima novela, na minha opinião, tempo o suficiente para criar uma boa novela (não é uma garantia, mas é uma possibilidade), o próprio Walcyr consegue fazer dois trabalhos com um espaço pequeno de tempo, vide Gabriela e Amor a vida... Alguns meses de diferença entre o termino da primeira e o início da segunda, sendo que o autor ainda fez Morde e Assopra em 2011, praticamente um em cima do outro... Neste aspecto cada autor sabe de si... E também dependerá do calendário proposto pela Globo...
Voltando a novela, pode melhorar e tem potencial para isso... Tem tudo para ganhar dinamismo e se tornar mais interesante... Já teve piores, basta lembrar da antecessora, Além do Horizonte...

Um abraço meu caro Sérgio e até a próxima...

F Silva disse...

Algo a comentar...

Sérgio, posso ser franco? A novela é ruim mesmo.

O enredo criado pelos autores associados com temas sobre tecnologia e interatividade ainda não trouxe de volta o público do horário das sete afugentados pela misteriosa trama de "Além do Horizonte".

Essa novela até agora tem pífios 1,5 pontos a mais de média geral que a antecessora. E isso não é nenhum mérito, afinal "Além do Horizonte" teve que enfrentar o horário de verão, que é bastante temido, pois os números de televisores ligados diminuem bastante.

Sérgio eu comentei aqui há um tempo atrás que os autores de teledramaturgia não podem abandonar o velho e tradicional folhetim. Aquelas histórias de amor e ódio, de triângulos amorosos. Uma história envolvente onde se perceba facilmente o início, o meio e o fim. Ou seja, o público quer ser cúmplice dos personagens e da história que está sendo contada.

Essa Geração está repleta de modernidade, porém à história falta o velho, porém não ultrapassado clichê folhetinesco.

A produção é ótima, o elenco é muito bom e Denise Saraceni uma competente diretora, mas os autores precisam fazer uma visitinha para Janete Clair e Ivani Ribeiro... entende?

Um grande abraço...

Anônimo disse...

Concordo,essa cena foi uma das mais ridículas de todas.Ao invés de arranjar um ator mais novo,botaram o Murilo com..boné para atrás tentando enganar alguém. Sinceramente esses flashbacks são podres mas não é só isso que anda errado.

Arthur Silva disse...

Achava Além do Horizonte muito melhor que essa novela cheia de caricaturas. Principalmente na reta final que virou uma novela de ação da melhor qualidade. Já essa de agora aposta em tipos que cansaram em menos de duas semanas.

Gustavo Nogueira disse...

Essa novela não me atraiu, Sérgio.Aliás, nenhuma novela da Globo atualmente me interessa.A única novela que acompanho atualmente é Vitória da Record, que aliás é muito melhor do que a sonífera Em Família.Concorda Sérgio?No começo até que gostava de Geração Brasil, mas depois fui perdendo o interesse até deixar de acompanhar de vez.

Anônimo disse...

Gosto da novela. Gosto bastante do personagem Jonas, Veronica e Manu. Não aguento são os personagens gringos. Brian, Mãe dele, Megan e Pamela. Acho muito cansativos

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Mauro M. disse...

Estava esperando esse texto. E sabia que viria postagem boa, como de fato veio. Concordo com tudo. A novela tinha tudo para empolgar mas não aconteceu. A audiência é um fracasso, a novela não se desenvolve, o aneurisma do Jonas é um clichê de novela mexicana, o núcleo americano já encheu o saco, não há um casal que empolgue, atores estão sem função, tem personagens demais... Tudo errado. E os autores estão mesmo se preocupando muito mais com isso de interatividade do que com conteúdo. Excelente crítica!

Melina disse...

Sérgio, querido, você sabe que eu desde o início não achei essa novela boa. Até nas chamadas iniciais já previ o fiasco. E também não vou repetir as mesmas coisas que já falei aqui porque não sou uma vitrola quebrada que repete as mesmas coisas várias vezes.

E sua crítica está ótima. Concordo com quase tudo. Só discordo sobre Pâmela, Verônica e Jonas, porque também acho que isso já cansou (a mim nunca empolgou). E até aquela Além do Horizonte era melhor do que isso. Até porque eu vi a reta final graças ao seu texto elogiando e gostei bastante das melhorias feitas naquela trama.

E li que essa Geração Brasil tá com menos audiência que Guerra dos Sexos e Sangue Bom. Muito justo. Não merecia ter mais que elas. Um beijo e bom jogo hoje!

Pamela Sensato disse...

Olá amore...então eu não acho a novela ruim não pelo contrário está sendo a melhor na Globo no momento...e gosto muito de alguns personagens.....
curto muito a novela!

Beijoss *-*
==> Pâm Focada na Dieta

Valéria disse...

Oi Sérgio!

Então, concordo completamente com tudo que você escreveu, e exalto a situação do casal de protagonistas. Gostei muito de Manu e Davi no começo, mas depois sinceramente eles perderam a graça,não existem conflitos como você bem disse, e ambos só estão no mimimi tornando a história mera água com açúcar,o que de fato é chato pra kct; arrisco agora dizer que Megan como par de Davi seria mais interessante. A cena do Murilo mais jovem, lamentável, não há nem o que acrescentar. E discordando de alguns comentários acima, Além do Horizonte era bem melhor que Geração Brasil, mas parece que nem todo mundo teve neurônio pra entender e conseguir acompanhar, rs.

Um abraço!

M D Roque disse...

Como não conheço a novela, abstenho-me de comentar sobre ela.
Deixo ficar um beijo. BFS. D

http://acontarvindodoceu.blogspot.pt

Anônimo disse...

Pra gostar dessa novela ruim só quem achou que Cheias de Charme não teve barriga...

Barbie Californiana disse...

Apesar de ver eventualmente, não posso opinar muito. beijinhos

Andréa disse...

Este problema de "muito personagem para pouca história" parece que se tornou uma regra para todas as novelas de uns tempos pra cá.
Acho que a Copa prejudicou a audiência sim. Até quem normalmente não se liga em futebol, durante a Copa quer assistir todas as partidas, comentários, mesas redondas, e muda de canal. Novelas ficam em segundo plano.

Maxxi disse...

Olha, Sérgio, sinceramente meu desabafo em relação a GB não tem mais tanta pressa... Afinal, você falou tudo o que acho... Vou tentar apenas somar algumas informações, pois tal como um líder, você soube verbalizar tudo o que nós público, sentimos sobre essa novela... Pois bem...

Em primeiro lugar, considero válida a opinião da leitora: acho também que na expectativa de repetir o sucesso, Izabel e Felipe preferiram cair na onda da repetição de elenco, esqueceram de desenvolver a história. E os problemas de elenco são ainda mais graves em GB que Joia Rara. Há muita gente mendigando pouquíssima história.

No que diz respeito à bandeira de inovação e interação, eles estão indo super bem. Porém o que falta é a base do folhetim: a história. Não há conflitos, tanto que torço por Davi e Manu juntos. Ah! Perder um capítulo dessa novela não é significativo. Após esse hiato de silêncio por causa da Copa do mundo, voltei a assistir e achei tudo igual. Inclusive Megan e Herval que são os personagens mais chatos dessa novela. Não, a Dorothy, que eu tanto apostava, consegue ser muuuuuito pior. Infelizmente.

Acho a Aracy realmente desvalorizada (por sinal, apenas em Passione e Da Cor do Pecado vi valorização dela), mas a Máslova de Cheias de Charme era ao menos uma personagem interessante para a história da Cida. Por sinal, fico com vergonha alheia quando vejo essa novela, pois sei que os autores foram os mesmos que desenvolveram os conflitos e o drama de uma das melhores personagens das novelas da 7: a Cida.

A história da Marra é ruim, o reality show terminou desinteressante, Megan é chata. A química entre Murilo e Cláudia parece naufragar. Hoje o personagem que ainda me arranca gargalhadas e admiração é o Barata. Pena que falta espaço a ele. Por outro lado, eles têm uma otima atriz como Sorrah. Mas sua Gláucia Beatriz não se decide entre o humor e a maldade. E ainda falta-lhe bons conflitos. Quantos erros!

Por fim., não gosto de ser apocalíptico. Mas não vejo mais salvação para a novela. Ando muito desesperançoso depois das tranqueiras que vimos na TV. Espero que da próxima vez, os autores tenham mais tempo para se prepararem e construírem uma história realmente interessante. Precisamos!

Anônimo disse...

O que ficou faltando em Geração Brasil, é um foco definido para os protagonistas. Em Cheias de Charme: Rosário queria ser uma cantora de sucesso, Penha uma vida melhor para a família e Cida viver um conto de fadas com um príncipe encantado. E o que os protagonistas de Geração Brasil querem afinal, porque eu ainda não descobri. Um mais sem foco q o outro. Isso sem falar na abertura "País do futebol", q é uma música mto boa por sinal, mas não para uma novela q é para falar de tecnologia. Deviam cancelar essa besteira e reprisar Cheias de Charme no horário, ia fazer muito mais sucesso

Mila disse...

Oi Sérgio, o que mais me incomoda em GB é o elenco repetitivo. É praticamente o mesmo elenco de Cheias de Charme e eu tenho uma certa dificuldade de desvincular a imagem dos personagens e dos atores. Quando olho para Claudia Abreu, eu só consigo me lembrar na Chayene. Olho pra Tais Araújo e só me lembro da Penha. E fora essa repetição de elenco esse lance de interatividade com o público eu vejo como se eles estivessem forçando a barra para a novela se tornar mega popular. BJus

Anônimo disse...

eu simplesmente acho que os autores colocaram certos atores pra chamar o publico , pois sao populares. no entanto gosto de alguns como Barata ilario tem historia.MEGAN eu gosto da personagem, pois é bastante engraçada extrovertida, imprevisivel, louca de pedra,agora esta sem uma historia sua fica meio que dependente das do outros, e esse negocio dela ficar correndo atras do Davi, ja virou forro,confesso que torco pra ela ficar com Davi, mais se for pra ficar nessa musica 'eu quero ve voce correndo atras de mim" prefiro ela com um badboy bem bad sarcastico, que juntos causem , Pamela tambem é um personagem divertido,manuela,e legal, mais eu acho meia sem graça, sem humor sem vontade de viver, Davi é um personagem introvertido, mais tem vez que se torna chato, sem reaçao,eu acho que o jonas meio dubio, sei la.

Anônimo disse...

Melhor crítica que li sobre essa novela. Não conhecia esse blog e nem o autor dele mas já virei fã. Parabéns!

Andressa Mattos M. disse...

Sérgio, parabéns por mais esta crítica exemplar. Eu fiquei até sem nada para acrescentar ao que vc já postou no texto. Mas assim como a Melina, eu nunca cheguei a achar que esta novela seria boa. Não sei explicar, mas já pelas chamadas eu percebi que não havia muita história além do tal Jonas Marra que é um Steve Jobs tupiniquim. E de fato não há. A única trama com alguma consistência é a dele porque o resto praticamente não serve pra nada.

Também concordo com o comentarista que diz que falta um objetivo aos personagens. O que Megan quer? E Davi e Manuela? E Pâmela, qual sua função? A própria Dorothy Benson, que concordo que é um atrativo da trama, o que ela faz na história? A Gláucia Beatriz quer chantagear o filho e ficar rico. Legal, mas e daí? Vai ficar nisso até quando?

Não há história mesmo como vc disse. Tá tudo andando em círculos. Não há conteúdo. E tenho visto bem esporadicamente essa trama. E digo que o atual período de teledramaturgia é crítico. Não gosto de nada. Estou esperançosa com O Rebu e com aquela novelas das seis dos anos 70. Mas o resto... Beijo!

Maíra disse...

Boa pergunta Sérgio, o que há de errado em Geração Brasil?
Eu mesma não acompanho a novela, sei lá, ela não me fisgou. Mas é uma novela da dupla de Cheias de Charme e tem um elenco maravilhoso e acreditava que seria um sucesso. Não um sucesso meteórico como Cheias, mas uma novela aplaudida com uma audiência aceitável como foi Sangue Bom. Como não vejo, não posso falar da trama em si, mas me surpreende ver seus números, a pouca repercussão e criticas como essa evidenciando que Geração Brasil não é uma ótima novela.
Eu particularmente, não gosto dessa forma que a Globo vem inserindo a internet nas suas novelas. Ela esta vendendo a alma pra internet afim de capturar o publico dela e leva-los para a TV, e vem fazendo isso errado. Não vou conseguir expressar o que penso em palavras escritas que sou péssima pra isso, mas de maneira breve, acho que novela tem que ser folhetim puro, uma história pra contar, se der pra casar com a internet como foi o clipe das empreguetes, ótimo, mas se não, não adianta ficar enchendo de videozinhos amadores do publico na TV achando que isso é trazer o publico da internet pra TV. Novela tem que contar uma história. Avenida Brasil por exemplo que foi uma novela aclamada nem pen-drive existia e foi um grande sucesso. E bombou na web também, não houve uma interação direta do publico na novela, mas mobilizou o publico. Temo que essa inserção de redes sociais atrapalhe O Rebu, que me parece ser uma ótima novela, com uma excelente história pra contar, mas se ficar pautando muito em cima das redes sociais afim de interagir o publico com a história atrapalhe o desenvolvimento dos capítulos, da história. Enfim, o que eu quero dizer, é que na vontade de querer interagir com a internet, a Globo esteja prejudicando suas novelas, elas estão perdendo a essência. Novela tem que contar uma história.

Sérgio Santos disse...

Obrigado, Mariana. Acho o foco na empresa Marra importante, mas nem isso é desenvolvido direito.

Sérgio Santos disse...

Anônimo, agora Buu se chama Alto Astral, mas estou bem otimista com essa novela.

Sérgio Santos disse...

Alexandra, eu não esperava mt coisa, mas depois das chamadas irem ao ar, comecei a me entusiasmar. Mas até agora decepcionou mt. Pois é, a Gláucia prometia tanto...até agora não disse a que veio. bj

Sérgio Santos disse...

Vivi, concordo que a partir da segunda semana já tenha começado a dar sinais de problemas. Mas acho que ela foi prejudicada pela Copa sim, porém, acho que os problemas seriam os mesmos com ou sem copa. E é vdd, a das seis tb foi prejudicada, mas não afetou sua qualidade.

Sérgio Santos disse...

Anônimo, esses flashbacks são patéticos mesmo e é triste terem colocado o Murilo e a Sorrah naquela situação esdrúxula. Mas nem coloquei no texto pq a novela poderia estar ótima, msm com essa situação tosca, o que não é o caso.

Sérgio Santos disse...

Thallys, eu coloquei a inserção da Megan no drama do Jonas mas já me arrependi pq ela já voltou a ser o que era e vai novamente ficar nesse mimimi de ir atrás do Davi.

Nem coloquei no texto o fato do Brian ser um personagem insuportável, até pq a novela poderia ser excelente msm tendo esse tipo sem graça na trama. Mas o Lázaro está exagerado sim e o papel é uma caricatura ambulante. Porém, nesse caso é um 'casamento plausível', já que uma coisa pede a outra, então sem problemas.

Bem, pra mim Lili e Marlon são infinitamente melhores que Manu e Davi, começando pela trama que os envolvia, que era mt mais densa. Esse casal de agora nem drama tem. Só viraram chefes de uma empresa e nada mais. Nem sei o que move o par. Mas os atores estão ótimos e há química. Só não há conflitos, o que, obviamente, acaba afastando o público.

Bem, vc tinha certeza que essa novela seria espetacular pq vc idolatrou Cheias de Charme e ama os autores, mas se agora mudou de concepção, ok. Eu acho que Império parece boa, embora a personagem mais atrativa seja a Cora. O resto é uma grande incógnita.

Sérgio Santos disse...

Eu prefiro a Verônica com o Barata, Milene. Esse casal ganhou minha torcida, até pq não vejo mais química nela com o Jonas depois que ele fez declarações apaixonadas para Pâmela msm depois de ter ficado com a jornalista. bjsssss

Sérgio Santos disse...

Bacana seu comentário, Fernanda. É verdade, a sua comparação foi interessante.

Sérgio Santos disse...

Olá minha cara Letícia. Eu não desgosto não. Só que no início achei ótima, depois passei pra legal e agora estou na fase do razoável. rs

E nem ia escrever sobre, ao menos por enquanto, pra esperar mais mesmo, mas como um bando de gente pediu, escrevi. E foi bom pq gostei de mts comentários.

Tb acho que ainda há tempo pra dar uma guinada na trama, mas por enquanto não tem despertado interesse.

Interessante isso que vc falou. Pode ser mesmo, o tempo curto pra elaborar a trama pode ter atrapalhado. Acho que li em algum lugar eles dizendo que fizeram a novela em 5 meses. Nunca vi nenhum autor fazer uma trama tão rápido. Mas é verdade, depende do autor em questão. E o Walcyr fez uma maratona msm depois de Morde e Assopra. Nem tinha parado pra pensar nisso. Como ele conseguiu? Sabe-se lá. Bjssssss

Sérgio Santos disse...

Entendi sim, F Silva. E tb vejo uma preocupação excessiva dos autores com a interação da novela com a internet, mas deixando a trama de lado. Isso tem ficado evidente. Em Cheias de Charme, a tecnologia vivia em função da trama, agora parece o oposto e isso é bem ruim.

A audiência tá pífia mesmo e me surpreendi, pq achei que ao menos teria a mesma coisa que Guerra dos Sexos e Sangue Bom.

Enfim, vamos ver se melhora. Mas é vdd, novela tem que ser novela sempre.

Sérgio Santos disse...

Sim, anônimo, não é só isso.

Sérgio Santos disse...

Arthur, eu detestei Além do Horizonte no começo, mas depois das mudanças que os autores fizeram passei a gostar da novela. E a reta final foi boa demais.

Sérgio Santos disse...

Entendo, Gustavo. Mas, olha, acho Em Família mt ruim, mas tb não gostei de Vitória, não. Acompanhei mais assiduamente o começo e só o núcleo da Juliana Silveira me interessou. O resto me cansa mt.

Sérgio Santos disse...

Tb gosto de Jonas, Verônica e Manu, anônimo. Mas tirando o mala do Brian, gosto desses personagens do núcleo americano.

Sérgio Santos disse...

Mt obrigado, Mauro. Que bom que gostou do texto. O aneurisma do Jonas seria chamado de mexicano para alguns críticos se fosse escrita pelo Walcyr, mas como não é eles se fingem de cegos. Só que eu sinceramente não vejo problema nisso e até acho a questão da doença interessante pra trama. O problema é o desenvolvimento dela que tem cansado. abçs

Sérgio Santos disse...

Lembro sim, Melina. Vc nunca chegou a gostar mesmo. Mas eu gosto de Jonas, Verônica e Pamela. E a reta final de ADH foi mt boa mesmo.

Mas concordo, Guerra dos Sexos e Sangue Bom foram infinitamente melhores que Geração Brasil. bj

Sérgio Santos disse...

Tudo bem, Pamela, que bom que gosta. bjsss

Sérgio Santos disse...

Oi Valéria. Pois é, o casal tem química e os atores estão mt bem, mas quem aguenta essa trama? Manu e Davi não têm conflitos, não têm dramas, não têm nada. Difícil se envolver assim. Por isso prefiro casais onde um é o oposto do outro, senão fica parecendo irmãozinhos e fica chato. Nem sei que quero Megan com Davi pq acho ele tão chato...Mas a trama deles é mais atraente pq há essas divergências. Porém, se Manu e Davi tiverem bons conflitos, aí ficará bom.

E eu gostei mt de ADH da metade pro final. Fazendo uma comparação no atual momento, prefiro a anterior do que essa. Mas td pode mudar com o tempo. bjs

Sérgio Santos disse...

Um beijo. M D Roque.

Sérgio Santos disse...

Anônimo, Cheias de Charme teve barriga msm.

Sérgio Santos disse...

Tudo bem, Barbie.

Sérgio Santos disse...

Pois é, Andréa, acaba prejudicando. Mas confesso que achei mt surpreendente o fato da nvela não ter conseguido se 'aproveitar' da alta audiência dos jogos. Qd acabam, os índices caiu bruscamente, ou seja, nem assim deu pra levantar um pouco o ibope.

Sérgio Santos disse...

Maxxi, que bom que vc gostou. Eu procurei falar tudo sobre a novela no atual momento, destacando todos os problemas e as qualidades que ela ainda tem.

Fazendo uma comparação, eu tb prefiro a Máslova do que essa personagem da Aracy. E olha que a anterior já era figurante de luxo. E Aracy nem queria aceitar esse novo convite justamente por isso. Mas em Passione ela tinha um baita destaque. Só que Silvio de Abreu valoriza os veteranos sempre. E ela é uma das xodós dele.

Os autores parecem mais preocupados com a transmídia do que com o conteúdo. Isso está ficando bem evidente. Mas não sou tão pessimista. Eu ainda acho que a trama pode dar uma guinada boa. Ainda tem mt capítulo pela frente. Mas se continuar assim será complicado mesmo. Abraços!

Sérgio Santos disse...

Excelente comentário, anônimo. Falta foco mesmo. Tb não sei o que vários querem e nem que rumo terá a trama. Está tudo deslocado.

Quanto ao tema de abertura, concordo, não tem absolutamente nada a ver com o tema da novela. Foi um erro de escolha claro. Mas ainda assim, isso nada tem a ver com os problemas da novela. Ela poderia estar ótima mesmo com essa música.Abçs

Sérgio Santos disse...

Mila, todo autor tem uma panelinha, normal. Mas nesse caso houve um exagero mesmo. Foi uma panelona. Mas acho Taís e Cláudia ótimas na novela. Sobre a interatividade, tb vejo forçação. Principalmente agora, com mais essa situação criada com o novo programa da Pâmela. Isso acrescenta o que na trama? Nada.

Sérgio Santos disse...

Anônimo, o Jonas é um personagem dúbio. Manu é ótima e sabe se impor qd necessário, mas seu romance com Davi não tem história e foi rápido demais pra já ter declarações apaixonadas. Apesar do Carão estar bem, o Davi é um saco. Acho o personagem chato pra caramba. O Barata é engraçado msm.

Sérgio Santos disse...

Mt obrigado, anônimo. Seja bem vindo.

Sérgio Santos disse...

Andressa, que bom que gostou. Pois é, falta algo que prenda, um mote pra novela seguir, alguma trama que comece a ser desenvolvida mesmo. Por enquanto não há nada disso.

Concordo com todos os teus questionamentos. E eu tb estou mt ansioso por O Rebu. E essa novela dos anos 70 será Boogie Oogie, que tb parece ser boa. bjssss

Sérgio Santos disse...

Boa colocação, Maíra. Nessa novela se preocuparam demais com a interatividade e se esqueceram do conteúdo. Fica claro isso. A história não prende, os personagens parecem soltos, sem função ou objetivo, enfim...

Mas olha, não acho que O Rebu terá essa preocupação com interatividade. Pelo que vi será uma trama clássica, repleta de suspense e mistério. E promete ser espetacular.

Verdade, Av Br nem pen drive tinha e fez um baita sucesso. Bjs

Sérgio Santos disse...

Ah, anônimo, eu tb acho que a Megan precisa de um conflito bom ao invés de ficar correndo atrás do Davi.

Thallys Bruno Almeida disse...

Eu ñ mudei totalmente minha concepção. Se eu mudasse 100% concordaria com outros comentaristas que opinam que a novela está péssima, o que já não acho que esteja tanto assim. E sim, eu gosto dos autores, adorei Cheias de Charme, não acho que tenha tido barriga e ainda acho esta trama melhor que ADH e sua reta final, que eu não gostei e achei desinteressante. Simples.

Vinícius disse...

Muito boa a crítica. Aliás, acabei de ler uma do Nilson Xavier e achei a sua infinitamente superior. Não precisa comentar a respeito dessa minha opinião porque imagino que não se sinta confortável, mas quis me expressar e fazer justiça. Sobra a novela, assino em baixo de tudo o que foi escrito. O enredo é fraco, a trama não se desenvolve, os personagens quase todos não tem função, falta foco, falta carisma, falta atratividade, falta drama, falta tudo mesmo. Preferia muito mais a Além do Horizonte se for pra comparar.

Maxxi disse...

Também concordo com o Vinicius... Li a opinião do Nilson e a considerei bastante superficial. Parabéns, Sergio!

Andressa Mattos M. disse...

Quero aproveitar e fazer coro com Vinícius e Maxxi. Sérgio, você é ótimo! Parabéns mesmo!

Raquel disse...

Oi, Sérgio!

Acho que já até tinha dito aqui antes que apesar da grande expectativa em torno de GB, eu sempre vi essa novela com um pouco de substância porque parecia vir com muito auê (cenas gravadas em são francisco, steve jobs brasileiro, atores bem populares e pegada tenológica) e pouca profundidade. Sempre soubemos que a história giraria em torno da sucessão de Jonas Marra, mas e aí? O que mais? Isso tem combustível suficiente pra segurar pelo menos alguns meses da novela e toda essa penca de personagens? Já vimos que a resposta é não.

Sempre existe a possibilidade de a novela melhorar e dar uma guinada, mas com o curso que as tramas e os personagens têm seguido até agora, acho difícil... Adorei o Jonas Marra no começo porque parecia dúbio. Mas eu acho que fazerem ele se envolver com a Verônica estando casado com a Pâmela foi um erro. O cara é desleal nos negócios, arrogante, é extremamente preocupado com aparências e ainda por cima é adúltero! Sobrou alguma coisa pra se identificarem com ele? E ainda por cima, seu protagonista "rival" o Davi é mesmo meio chato. Não tem pra onde correr.

Talvez matar Jonas Marra seja a resposta pra guinada na novela. Mesmo sendo o melhor personagem no começo, algo assim daria uma sacudidada geral em toda novela e provavelmente daria espaço pra outras tramas mais interessantes aparecerem. Porque fora isso, eu não consigo imaginar um arco-íris no final do túnel pra isso aí.

E sim, sinto (muitas) saudades de ADH... Fico me perguntando se a Globo não se arrependeu de ter terminado a novela em maio mesmo, ao invés de esticá-la até o começo da Copa. Apesar da audiência baixa (mas fiel), pouparia GB de ter que se virar nos 30 nesse período.

Sérgio Santos disse...

Vinícius, muito obrigado. E fazendo uma comparação, eu tb prefiro Além do Horizonte, mas depois das melhorias feitas, claro.

Sérgio Santos disse...

Mt obrigado, Maxxi! De verdade!

Sérgio Santos disse...

Andressa, muito obrigado. Fico feliz mesmo. Um beijo!

Sérgio Santos disse...

Raquel, falou sim, eu lembro bem. E eu tb no início vi que só Jonas Marra sustentava a trama, mas minha esperança era de que isso com o tempo fosse sendo elaborado. Mas até agora não. Hj e ontem por exemplo, os capítulos foram muito ruins! Acho que os piores ate agora. Tá complicado.

Não sei se o Jonas morrendo tudo ia ter uma guinada, até pq como tudo está em função dele, sei lá, talvez seja ainda pior. No início, via química entre Jonas e Verônica, mas depois de vê-lo se declarando pra Pâmela msm depois de ter transado com a jornalista, o tal romance perdeu a graça. O msm vale pra Pâmela, que tb é desleal com ele e fica com aquela praga do Herval. Davi é um baita mala, ô personagem chato! Enfim, difícil ter alguma identificação.

E depois das melhorias, eu tb sinto falta de Além do Horizonte, até pq a reta final foi de tirar o fôlego. Mas saudade mesmo eu tenho de Sangue Bom. bjsssss

Sérgio Santos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Raquel DSP Paraiba disse...

Geração Brasil é o tipo de novela que tem tudo pra ser boa mas não é! Os atores são bons, mas a novela cansa! Comecei a assistir mas não aguento mais, não dá vontade de ver no outro dia, ficou chata, parada.

Elvira Akchourin do Nascimento disse...

Também fiquei decepcionada com Geração Brasil e desisti de assistir. Pena, porque o início era promissor.

Sérgio Santos disse...

É bem isso, Raquel. Cansou e a paciência pra ficar esperando a novela engrenar acabou. Tinha mt potencial mesmo mas naufragou.

Sérgio Santos disse...

Pois é, Elvira, o início prometeu uma grande novela, mas não há história e mt menos conflitos atraentes. Pena.