quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Há um ano estreava "Lado a Lado", uma novela das seis que deixou saudades

Em 10 de setembro de 2012 estreava uma novela linda de dois autores estreantes. Era "Lado a Lado", escrita por João Ximenes Braga e Cláudia Lage, que contava a história de duas mulheres de classes sociais totalmente distintas que tinham um sonho em comum: a sede de justiça. As mulheres, que também tiveram suas respectivas paixões, eram Laura e Isabel, interpretadas por Marjorie Estiano e Camila Pitanga. A trama se passou no século XX e encantou quem assistiu. 


Um dos muitos pontos altos do folhetim era o casal Laura e Edgar. Marjorie Estiano e Thiago Fragoso formaram um lindo par, que despertou torcidas apaixonadas e conquistou o público assim que surgiu na tela. A química presente era nítida e a dupla protagonizou cenas emocionantes. A grande vilã também foi um presente e tanto para o telespectador: Constância, mãe de Laura, interpretada magnificamente por Patrícia Pillar. A atriz ainda fazia um ótimo trio com Isabela Garcia (Celinha) e Christiana Guinle (Carlota).

A trama em si também foi de uma qualidade inquestionável. A novela retratou com primor o Rio de Janeiro do século XX e abordou temas históricos que nunca haviam sido inseridos na teledramaturgia. Vide Revolta da Chibata, Revolta da Vacina, a entrada do futebol no Brasil, o racismo em relação aos negros que eram impedidos de jogar um esporte de 'elite', a 'descriminalização' da capoeira, as dificuldades enfrentadas no mundo teatral, enfim, o que não faltou foi tema interessante. 

Claro que nem tudo foi perfeito. Afinal, não tem como esquecer os exageros heroicos de Zé Maria (Lázaro Ramos) e a fase em que Isabel ficou extremamente irritante, porém, os defeitos ficaram ínfimos diante de tanta qualidade. Afinal, além de todos os pontos positivos já mencionados, a obra ainda contou com uma direção excelente de Dennis Carvalho, um figurino riquíssimo e um grande elenco. 

Além dos nomes já citados, Cássio Gabus Mendes, Alessandra Negrini, Bia Seidl, Débora Duarte, Werner Schunemann, Maria Padilha, Paulo Betti e entre tantos outros, participaram da produção que ficou marcada na memória de todos os que assistiram. Pena que, infelizmente, poucos prestigiaram, uma vez que a trama foi um grande fracasso nos números de ibope e detém o pior índice do horário das 18h: média geral de 18 pontos. 

Apesar dos baixos índices de audiência, "Lado a Lado" provou que elevados números não implicam necessariamente em qualidade e foi uma novela que entrou para a lista de produções primorosas da teledramaturgia. Nessa terça-feira (10/09/2013), a estreia da trama completou um ano. E, coincidentemente, a cidade cenográfica da obra de Cláudia Lage e João Ximenes Braga está sendo utilizada para a nova novela das 18h: "Joia Rara", que também será de época. Ou seja, a partir da próxima segunda-feira (16/09), os saudosos poderão matar as saudades de parte do cenário dessa linda trama e ainda se deliciar com uma nova história que tem tudo para agradar. 

42 comentários:

Bruno Marques disse...

Perfeito Sérgio!!!
Lado a Lado merece essa homenagem.Que novela linda.
Como esquecer de Laura e Edgar??? Com certeza um dos melhores casais já formados na dramaturgia brasileira!!!
Patrícia Pillar também brilhou como a calculista Constância!!!
Vc sabe que até do núcleo do teatro eu gostava!!!
Definitivamente Lado a Lado deixou saudades!!!

Anônimo disse...

Você tinha que trabalhar na globo, de preferencia naquele quase falecido vídeo show, relembrando novelas recentes no novelão, ia dar certinho.

Letícia disse...

Meu queridíssimo Sérgio,

Você acaba de me dá uma belo presente por lembrar da minha novela favorita. Estava escrevendo no meu computador e ia fechar a sua página, mas vi que você lembro, fiquei tão feliz que não poderia deixar para postar nada amanhã e fiz agora mesmo. Não vou negar estou com um imenso sorriso nos lábios. Agora você me emocionou.

Sérgio, eu amei Lado a Lado, desde a primeira vez que vi algo a respeito sobre da novela me fiquei curiosa e quando assisti o primeiro capítulo, a exato um ano atrás, fiquei apaixonada pela história.

Adorei ver a amizade de duas mulheres de origens tão distintas, mas que tinham os mesmos ideais, a luta por uma vida mais justa, a conquista por um espaço em uma sociedade patriarcal e machista. O desejo de viver um amor verdadeiro, enfim, como não amar as personagens da Marjorie (impecável como Laura) e da Camila (Confesso que quando descobre o filho fica um tantinho obcecada pelo garoto o que torna a personagem um pouco chata, mas nada que não seja relevado pela beleza da novela).

Como não amar Laura e Edgar (Marjorie e Thiago estavam perfeitos e tinham, de fato, química maravilhosa, algo que faltou a Camila e ao Lázaro). Foi uma linda história a dos dois, começam com um casamento indesejado, mas acabam se apaixonado para mais tarde, como em todo bom folhetim, se separarem e finalmente terminarem juntos.

Marjorie é um caso a parte, a pequena defendeu a sua adorável Laura com uma dignidade, com uma firmeza digna da própria personagem. Amei a Laura, não era uma mocinha romântica típica, ela chorava, mas ia a luta, não se deixava abater, e mesmo quando se divorciou do Edgar, se manteve em pé, com todo o sofrimento. Em nenhum momento ela deixou seus ideais de lado, suas convicções. bateu de frente com quase todos, mas conseguia sair fortalecida de todas as intemperes. Realmente fiquei encantada com a personagem. Laura aceita Edgar de volta apenas no momento que percebe que o advogado, finalmente, entende a ex-esposa. Ela não muda em momento algum, Edgar que teve que aprender aceitar a esposa e sua redenção é quando assume ser Antônio Ferreira.

Patrícia Pillar foi fantástica como Constância. A grande dama da sociedade de falsa moral e que não media esforços para conseguir o que queria, mesmo que para isso tivesse que dever favores ao senador Bonifácio (Cássio Gabus Mendes fantástico).

Todos os atores estavam ótimos, a novela foi praticamente perfeita, sempre há um probleminha aqui outro ali, mas tudo foi primoroso. A fotografia (Walter Carvalho) foi maravilhosa, o figurino, os cenários, a direção, o texto, tudo foi encantador para mim. É por isso Sérgio que eu não dei a melhor bola para Flor do Caribe.

É uma novela que sinto falta e sentirei por muito tempo. Lamento muito que não tenha tido a audiência que merecia, ela foi muito superior a muitas que estavam no ar na época que passou e até agora. Lamento muito por aqueles que não de terão o trabalho de assistir, não sabe o que perderam. Mas enfim, eu assisti e me apaixonei por esta belíssima história. Espero que estes mesmos autores voltem a trabalharem juntos e façam uma história tão maravilhosa como essa.

Já escrevi demais... Um abraço e obrigada por lembrar da minha querida Lado a Lado, foi um presente que você me deu...

A Viajante disse...

Te lendo, me deu saudade!!!! Beijo, querido.

Danizita L. disse...

Foi uma ótima novela mesmo. Audiência não significa qualidade, os autores foram muito competentes, e de qualquer maneira sempre tem telespectador que sabe valorizar uma trama rica como Lado a Lado, que foi injustiçada na questão da audiência assim como os Maias.

Bjs Sérgio.

Thallys Bruno Almeida disse...

Bela homenagem, Sérgio.

Marjorie é maravilhosa e o talento dessa menina é uma coisa de impressionar. Laura foi uma personagem apaixonante, fez uma parceria maravilhosa com Thiago, uma mocinha excelente, daquelas que dá vontade de torcer. Não à toa ser uma das melhores de sua geração.

Camila, como disse noutra vez, é o tipo da atriz que já não precisa mais provar nada pra ninguém. Mesmo com a fase obcecada que deixou a personagem chata no último mês, Isabel foi o outro vértice da luta feminina pela igualdade de direitos. Pena não ter tido sorte no par romântico; não apenas na falta de química com Lázaro, mas também no pouco desenvolvimento de um possível relacionamento com Albertinho, caso ele se regenerasse e fosse homem pra assumir de vez o filho que teve com ela.

Sobre Zé Maria, acredito que o excesso de heroísmo dele foi um erro dos autores, que ao tentarem não mostrar o negro como vítima, acabaram pecando pelo excesso ao colocá-lo como o grande resolutor de todas as situações. Isso sem falar na chatice natural dele e no próprio machismo.

Isso sem falar em Patrícia Pillar e Alessandra Negrini recebendo vilãs maravilhosas e todo o grande elenco que esteve brilhante. Aliás, também estranhava porque alguns fãs criticavam o Teatro Alheira. Sempre vi função no mesmo, ao contrário de um "núcleo Cadinho/núcleo Patrícia-Michel" da vida.

Pena seu fracasso sem qualquer razão aparente. Ainda torço para que JXB e CL voltem a trabalhar juntos de novo no futuro, agora que vão "se separar". Torci o nariz pra Flor do Caribe e nunca me enganei com os bons momentos que a trama de Negrão apresentou, já que a achei instável pra caramba. E, embora vá enfrentar o horário de verão, torço pra Joia Rara emplacar. Duca e Thelma não brincam em serviço e só têm coisa boa no currículo. Que venha JR logo pra nos livrar desse marasmo. Abç!

Milene Lima disse...

Azar, então, de quem não viu essa beleza sob forma de novela. Inesquecível.

Beijo, Sergio.

Anônimo disse...

Se há duas injustiças em relação a audiência as duas são a recente Lado a Lado e a mais de dez anos Os Maias. A novela e a minissérie foram muito bonitas e de um acabamento impecável. Eu tenho prazer em assistir um produto assim. E é tão raro ter produtos assim na tv aberta. Não entendo a rejeição. É uma pena.

Não sei se notaram, mas Lado a Lado, teve dois CDs lançados, um com as músicas principais da novela, que gostei bastante, mas houve um segundo com a trilha incidental, algo que a Globo normalmente não faz. E para uma novela que teve uma audiência baixa não deixa de ser algo de notar. Eu tenho os dois cds e são realmente muito bons.

Li que a Globo poderia deixar de investir em novelas de época por um tempo por causa da audiência injusta de Lado a lado, mas que bom que não se deixou influenciar e tenha produzido Joia Rara. Tomara que tenha a qualidade técnica de LAL, mas com um ibope mais justo.

Marcos Homero disse...

Que novela maravilhosa! Ao mesmo tempo em que os temas densos da escravidão, machismo, entre outros, estavam lá, a trama se desenrolou de forma leve, plenamente condizente com o horário em que era transmitida.

Os núcleos paralelos eram em sua maioria muito bons. E o elenco excelente também. Patrícia Pilar se destacando novamente com uma personagem forte como a ex-baronesa Constância, que brilhou até o fim da novela. E claro, as duas mocinhas, Isabel e Laura, muito bem defendidas pelas atrizes.

Dessa novela eu ainda gostei muito a fotografia, sem contar que foi bom ver uma novela de época depois de um tempinho já sem alguma ser exibida naquela altura.

Ótima lembrança, Sérgio. Essa novela merece ser lembrada mesmo!

Vera Lúcia disse...

Olá Sérgio,

Não acompanhei a novela, mas cheguei a ver alguns episódios que me agradaram e que atestam suas considerações sobre a trama e seus atores.

Valeu a sua bem posta homenagem.

Abraço.

Natália Vilma disse...

Realmente, foi uma novela incrível, apesar de ter tido uma baixa audiência inexplicável. E não tem como lembrar dessa novela sem lembrar desse casal, Laura e Edgar foi sim, diferente do outro casal protagonista, um casal cheio de química e que emocionou quem acompanhou a novela.

eder ribeiro disse...

Interessante isso, Sérgio. Sempre gostei de novela de época. Abçs.

Vanessa disse...

Sérgio, meu querido, tudo bem?
Antes de comentar o post, queria te dizer que morri de inveja (boa!) da sua visita ao Projac. Sempre sonhei conhecê-lo, especialmente a área das novelas e cidades cenográficas, pena que a Globo não abra suas instalações para curiosos/admiradores. rs

Sobre o post...
Puxa, que saudades deu da nossa novela querida!!! Deu uma nostalgia até do (chatérrimo) núcleo do teatro. Ou do Zé Maria e seu heroísmo exagerado. Não, brincadeira! Esses eu passo. rs.

Fala-se muito na audiência, mas ninguém lembra, por ex, que "Fina Estampa" foi melhor nos números do que "Avenida Brasil", de longe a mais aclamada dos últimos tempos. Por isso, acredito que "LAL" fique marcada por sua qualidade, não por sua baixa audiência.
Aliás, só para amenizar esse triste fardo, faltou dizer que ela enfrentou horário político, de verão, férias, festas de fim de ano, "Malhação" em transição... rs. Talvez, até um horário inadequado. Pela qualidade e conteúdo, acredito eu que "LAL" casaria melhor às 23h.

De qualquer forma, foi uma novela para ser lembrada sempre com carinho pela qualidade de seu texto, enredo, fotografia, pesquisa. E como nos ensinou mais sobre nosso Brasil e Rio de Janeiro, não?

A mim, ela já instigou desde as chamadas, todas muito caprichadas. No ar, só confirmou as expectativas gerais.

Particularmente, achei que a trama demorou um pouco a engrenar. Os primeiros capítulos foram muito arrastados. E, durante muito tempo, a história do Edgar e da Laura foi a única coisa que segurou. Aos poucos, porém, ganhou mais ritmo, em especial a partir da passagem de tempo.

E como foi bacana, em especial para nós, mulheres, acompanharmos a história de Lauras, ISabeis, Sandras, etc, por mais espaço na sociedade. A mim, em especial, tocou demais a cena em que a Laura é reconhecida como jornalista, já que é minha profissão. Se hoje assino uma reportagem é porque Lauras lutaram lá atrás. Isso é muito maluco, não?

Já escrevi outras vezes aqui que gostaria de ter visto as vilãs terem mais peso e espaço na trama. A (maravilhosa) Constância ficou capítulos como mera coadjuvante. A Catarina teve ainda menos espaço. Adoro a Alessandra Negrini, mas não curti tanto o trabalho dela nesta novela. Já a Patrícia Pillar foi espetacular, divina!!!

Assim como a Marjorie Estiano, que soube mesclar doçura e fortaleza em sua Laura. Que personagem linda. Aliás, mais uma na carreira dessa brilhante atriz.

Relembrando "Lado a Lado", só reforçamos o quão fraca é "Flor do Caribe". Na certa, será uma novela pouco lembrada daqui alguns anos.

Era isso, querido.
Pra variar, escrevi demais. Mas precisava fazê-lo para falar da nossa novela querida, não? Aliás, no final do mês, "AVDG" completa dois anos de estreia. Poderia ter uma homenagem como esta, não? Aquela foi, pra mim, a melhor novela dos últimos anos! Só está no mesmo nível de "Mulheres de Areia" e "A Próxima Vítima". ;))

Beijos, Vanessa



Lucia Navarro disse...

Sérgio,

Excelente e muito justa sua homenagem! Afinal Lado a Lado foi uma das novela mais lindas que já vi, foram tantas coisas boas que só posso lamentar pelas pessoas que não tiveram o privilégio de ver essa maravilha! Quem saiu perdendo foram eles!
Eu amo novela de época, e acho que tudo foi brilhante, a trama da novela entremeada com a verdadeira história e conflitos do Brasil naquela época, a fotografia linda, os figurinos impecáveis, o elenco maravilhoso, a trilha sonora primorosa, e ainda para completar tanta coisa boa teve a química do nosso casal predileto, LaurEd!
A Marjorie e o Thiago foram maravilhosos, souberam mostrar com maestria os dilemas que enfrentaram antes e logo após o casamento, a amizade e admiração que foi surgindo, e o profundo e sincero amor, que apesar da distância e dos problemas, sobreviveu e se fortaleceu ainda mais! Ah, como era bom sentar à frenta da TV no final da tarde e ver esse casal, suspirar com eles, chorar com eles e até mesmo dar risadas nas crises de ciúmes, e por fim, comemorar o reencontro com a certeza de que nasceram verdadeiramente um para o outro!
E qual mulher nesses meses não sonhou em ter um "Edgar para chamar de seu" ???? rsrsrs
E depois de tanta maravilha, não tive a menor vontade de ver Flor do Caribe, pois para mim era "mais do mesmo", sem nenhum encanto, e se gostasse seria quase uma "traição" com Lado a Lado...rsrsrs
Enfim, Lado a Lado ficará para sempre na minha memória, e o casal LaurEd principalmente!
Espero sinceramente que os atores Marjorie e Thiago voltem muito em breve a formar um par romântico, pois eles tem um entrosamento que poucos casais tem.
Parabéns pela sua homenagem e me junto a você e a todos que comentaram aqui para aplaudir essa novela encantadora!
bjs,

Sérgio Santos disse...

Eu também, Bruno! Aliás, escrevi até um texto na época só pra elogiar o núcleo do teatro. Foi uma novela mt boa. abçssss

Sérgio Santos disse...

Anônimo, se vc tiver algum contato me indica porque se me pagarem tá tudo certo.

Sérgio Santos disse...

Eu que agradeço o seu carinho, Letícia! Pois é, confesso que nem ia escrever sobre e escreveria até sobre outra coisa, mas me pediram tanto no Twitter que acabei escrevendo.

Pra variar, nem tenho muito o que acrescentar, vc disse tudo. Assino embaixo de cada palavra. Foi uma novela de uma qualidade incrível.

Marjorie e Thiago tiveram uma química absurda e o casal conquistou logo de cara, assim como a vilania de Constância. Enfim, tudo o que você escreveu eu endosso. E que bom que gostou do 'presente'. =) Bjão!

Sérgio Santos disse...

Escrever também me deu saudade, Ju. bjs

Sérgio Santos disse...

Isso, Danizita. Nem sempre ibope e qualidade caminham juntos. Os Maias também foi um inexplicável fracasso. Bjsss

Sérgio Santos disse...

Obrigado, Thallys. O erro foi mesmo a insistência no casal Zé/Isabel e não ter investido no relacionamento dela com Albertinho. O heroísmo também ficou forçado. Mas foram erros que ficaram pequenos diante do resto.

Adorava o teatro, assim como também gostava do núcleo Cadinho.

Foi uma grande novela que teve um injusto ibope. Joia Rara vai enfrentar o horário de verão e será um péssimo adversário, mas a trama parece mt boa. abçs

Sérgio Santos disse...

Azar mesmo, Milene! bjs

Sérgio Santos disse...

Anônimo, foi uma injusta audiência mesmo. E a trilha da novela era linda. É verdade, esse fato dos 3 CDs não é comum. Pelo menos isso valeu.

Também tnha lido que a emissora daria um tempo nas novelas de época justamente por causa do fracasso, mas ainda bem que mudaram de ideia. Abçssss

Sérgio Santos disse...

Obrigado, Marcos. Concordo com tudo o que você falou. Outro ponto positivo da trama foi a valorização dos atores e o elenco enxuto. Até nisso acertaram. abraços.

Sérgio Santos disse...

Muito obrigado, Vera. bjssss

Sérgio Santos disse...

Verdade, Natália. O que Laura e Edgar tiveram de química, faltou em Isabel e Zé Maria. bjsss

Sérgio Santos disse...

Eu também, eder! abçs

Sérgio Santos disse...

Sabia que vc iria aparecer, Vanessa. rs

Me senti honrado com o convite da Globo e fiquei ainda mais impressionado com o cuidado e o trabalho da produção. Foi muito legal. E em cada foto que eu tirei pensei em vocês. Tanto que quis mostrar assim que pude.

LAL deixou saudades. Eu odiava o Zé, mas amava o teatro e vc sabe. rs

A novela teve seus erros, aliás, é quase impossível existir a novela perfeita, por melhor que seja, há sempre uns deslizes. Mas o saldo final ficou incrível.

Também acho que o horário das onze seria interessante para a trama, que poderia explorar muito mais algumas situações.

Sim, a novela nos ensinou muito e pena que alguns chatos tenham chamado isso de "aula de história", dizendo que tudo era "didático". Óbvio que sempre discordei.

Enfim, foi uma obra muito bacana.

Puxa, dois anos de AVDG? Será que eu escrevo? Dá vontade, mas não sei. Vamos ver... A Próxima Vítima eu tenho vontade de escrever porque foi o maior sucesso do Silvio de Abreu. Bjão!

Sérgio Santos disse...

Lucia, bom te ver por aqui! Pois é, quem não viu perdeu uma grande novela. E o casal Laura e Edgar foi muito bonito. Encantou do início ao fim.

Flor do Caribe será uma novela esquecível porque não deixou nada marcante de 'legado'. Detestei a estreia, cheguei a me empolgar depois, mas desisti quando vi que ficaria andando em círculos.

Obrigado pelo carinho. Bjssss

Barbie Californiana disse...

As novelas de época são as melhores, linda homenagem, Sérgio. beijinhos

Sérgio Santos disse...

Obrigado, Barbie. bjssss =)

Elvira Akchourin do Nascimento disse...

Sérgio, foi ótimo recordar "Lado a Lado", uma das melhores novelas do horário das seis, assim como fora "A Vida da Gente". Ambas, biscoitos finos.

Sérgio Santos disse...

Obrigado, Elvira. É verdade, A Vida da Gente e Lado a Lado foram tramas impecáveis e riquíssimas. Deixaram saudades. bjs

Anônimo disse...

LADO A LADO E A VIDA DA GENTE AS MELHORES e com a MARJORIE ESTIANO no elenco. o/

Carlos disse...

Me responde uma coisa Zamenza o extra mostrou os concorrentes para premio de melhor ator e estao concorrentes Thiago Fragoso e Lazaro Ramos desta novela mesmo e ainda tem Antonio Fagundes,Malvino Salvador e Mateus Solano de Amor a Vida e Marco Pigossi de Sangue Bom, eu achei que Humberto Carrao foi levemente melhor que Malvino, Marco e Lazaro mas o suficiente pra merecer mais estar na lista, o que voce acha disso?

Sérgio Santos disse...

Verdade, anônimo. abçs

Sérgio Santos disse...

Também acho que o Humberto merecia entrar na lista, principalmente no lugar de Malvino ou Lázaro. No resto, acho todos merecedores.

Filha do Rei disse...

Assino em baixo cada palavra :)
Realmente deixou saudades.

Sérgio Santos disse...

Obrigado, Cléu! =)

Carlos disse...

quase a mesma coisa no coloquei tambem o Marco

Sérgio Santos disse...

Sim!

Carlos disse...

Só pra deixar bem claro eu fiquei com a sensação de que eles pensaram temos que colocar um ator da novela Sangue Bom na eleição porque a novela merece, a;i tiveram que escolher um e acharam melhor o Pigossi mas acho que entre Humberto e Pigossi o Carrao acho que esta melhor (nao sei voce, o que acha que se tivesse que escolher algum quem escolheria?) que ele mas concordo que ele deveria estarno lugar do malvino e Carrao e Pigossi ficariam disputando

Sérgio Santos disse...

Escolheria o Carrão pela riqueza do papel. Marco tá bem mas seu personagem não proporciona cenas muito interessantes pra ele.