quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Há dois anos estreava "A Vida da Gente", a emocionante novela das seis de Lícia Manzo

Em 26 de setembro de 2011, estreava "A Vida da Gente", novela das seis que até hoje é lembrada pelos telespectadores que se envolveram com a emocionante e linda história escrita por Lícia Manzo; que também estava começando uma nova empreitada em sua carreira: a de ser autora principal de um folhetim.


E apesar dos baixos números de audiência (22 pontos de média geral --- um a mais que a recente "Flor do Caribe"), a trama pôde ser considerada um grande êxito. Tanto na condução da novela, quanto na escalação do elenco e na boa e intensa repercussão que teve. O telespectador foi conquistado imediatamente pela história das irmãs que se amavam e tiveram a linda relação rompida após uma tragédia causada depois de uma sucessão de desentendimentos familiares.

O trio protagonista era composto por Marjorie Estiano, Fernanda Vasconcellos e Rafael Cardoso, que eram Manuela, Ana e Rodrigo: o triângulo amoroso que despertou torcidas fanáticas e proporcionou inúmeras cenas marcantes ao longo da trama. Manu e Ana eram irmãs que se amavam e se respeitavam, apesar da mãe Eva (Ana Beatriz Nogueira), que não escondia sua predileção por Ana e seu imenso desprezo
por Manu. Ana, por sua vez, era apaixonada por Rodrigo e da relação nasceu Júlia (Jesuela Moro, na fase crescida). Após muitos dramas e conflitos, as irmãs resolveram fugir com a criança para iniciar uma nova fase e deixar os problemas para trás.

Porém, um grave acidente de carro ---- uma das melhores cenas (senão a melhor) de acidente da história da teledramaturgia, diga-se de passagem ----, Ana entra em coma e Manu se vê sozinha com a sobrinha em meio aos julgamentos de Eva e ao sofrimento de ver a irmã entre a vida e a morte. Ela acaba se envolvendo com Rodrigo, formando um casal lindo e feliz ---- onde Marjorie Estiano e Rafael Cardoso transbordaram química. Porém, quando Ana acorda, anos depois,  novos dramas ocorrem, enriquecendo ainda mais a novela, que também contava com outros núcleos, tão interessantes quanto o principal.

Lícia Manzo foi batizada como a 'discípula de Manoel Carlos' por causa do rico tratamento dado às relações familiares, característica que marca a carreira de Maneco. Porém, a autora mostrou que é muito mais que uma mera aprendiz, é uma profissional que sabe muito bem o que faz e o que escreve. Ela conseguiu criar uma história primorosa e ainda fez com que todos os seus personagens parecessem reais.

Além de Ana, Rodrigo, Manu e Eva, vários outros tipos encantaram através de seus dramas e conflitos: Iná (Nicette Bruno), Laudelino (Stênio Garcia), Suzana (Daniela Escobar), Cícero (Marcelo Airoldi), Vitória (Gisele Froés), Sofia (Alice Wegmann), Nanda (Maria Eduarda), Dora (Malu Galli), Jonas (Paulo Betti), Cris (Regiane Alves), Lourenço (Leonardo Medeiros), Moema (Cláudia Mello), Seu Wilson (Luiz Serra), entre tantos outros. E também é preciso elogiar o elenco escalado, que, além de enxuto, foi muito bem escolhido e todos se entregaram do início ao fim.

A novela ainda ficou marcada pelas viscerais atuações de Marjorie Estiano e Fernanda Vasconcellos. A dupla brilhou e protagonizou inúmeras cenas que exigiram muito profissionalismo. Manu e Ana foram os melhores papéis na carreira delas até agora. E apesar de todos os atores terem tido um bom destaque, vale ressaltar os desempenhos de Nicette Bruno, Ana Beatriz Nogueira, Jesuela Moro, Rafael Cardoso e Gisele Froés. Ainda é preciso lembrar, também, a tocante abertura da novela. Um compilado de fotos e filmagens dos personagens era exibido enquanto tocava a linda música "Oração ao Tempo", na voz de Maria Gadú. Combinação que ficou perfeita no ar.

Em meio à briga de torcidas que o quarteto central causou na internet, a autora optou por seguir a sinopse da trama e encerrou sua obra com Manu ao lado de Rodrigo e Ana ao lado de seu médico (Dr. Lúcio - Thiago Lacerda), exibindo um final emocionante, impecável e repleto de cenas lindas.

"A Vida da Gente" foi uma novela inesquecível e Lícia Manzo estreou sua primeira trama com pé direito. Valeu muito a pena acompanhar cada conflito, cada drama, cada diálogo e cada lágrima desse folhetim que ficou marcado pela intensidade e pelo realismo das cenas. Atualmente, a autora vem escrevendo uma nova história intitulada de "Sete Vidas". Ao que tudo indica, será uma trama para ir ao ar às onze da noite, a primeira inédita do horário. Apesar de inicialmente ter sido cogitada para 2014, foi colocada para 2015. Mas a verdade é que se tiver a mesma qualidade de sua obra das seis, independente de quando estrear, será imperdível.

58 comentários:

Thallys Bruno Almeida disse...

Bem, Sérgio, concordo em partes.

A missão de Lícia Manzo aparentemente não era fácil. Cordel Encantado se despedia com altíssima aprovação e sendo merecidamente sucesso. Mas o início da nova trama marcou pela beleza do que foi apresentado.

Foi aí que mesmo sendo mocinha de novo Fernanda Vasconcellos começou a surpreender e esbanjar maturidade em cena. Ana foi uma personagem maravilhosa, cheia de complexidades, que se sentia sufocada com tanta bajulação da mãe. Ver a Fernanda brilhando absoluta, mostrando um carisma surpreendente, foi maravilhoso e isso ajuda a explicar a forte torcida que ela ganhou.

Quanto à Marjorie, nem preciso dizer o quanto essa menina é talentosa pra caramba, não foi à toa ter conquistado outra torcida convicta, mas eu achava a Manu a melhor personagem dela até vir a Laura de Lado a Lado. A condução da história após Ana acordar do coma fez com que eu acabasse me decepcionando com algumas de suas atitudes. A melhor cena entre as duas foi o famoso acerto de contas entre as irmãs. E, em se tratando apenas da Marjorie, a melhor cena da Manu foi uma discussão com a mãe onde ela finalmente se cansa de tanto desprezo.

Quanto à química entre Marjorie e Rafael, não posso dizer que era inexistente, mas pra mim era inferior à dele com a Fernanda (vide a primeira cena de Ana e Rodrigo nadando juntos no rio). O outro personagem que o Thiago Fragoso faria em AVDG seria uma boa se não fosse na mão do Eriberto.

O conjunto dos personagens coadjuvantes foi um acerto e tanto. E uma coisa que eu percebi é que a Ana Beatriz Nogueira nas 4 últimas novelas tem alternado personagens mal-aproveitadas (Insensato Coração e Salve Jorge, "faleceu" em ambas) com bons papeis (AVDG e Saramandaia). Espero que depois da trama do Linhares essa "tradição" não continue e que Ana pegue um ótimo personagem.

Se eu disser que gostei do final, eu vou estar mentindo. Pra mim foi um grande balde de água fria. Toda uma história linda de Ana e Rodrigo construída com o tempo ser jogada fora de uma hora pra outra? Entendo que gostou e que acredita que é normal uma torcida ficar desapontada, mas se fosse o contrário? Se o final que eu torcia prevalecesse?

E se eu disser que a trama foi impecável e superior ao Cordel, aí é que eu vou estar mentindo meeeeesmo. Foi uma linda trama e repleta de acertos, mas só não foi melhor por causa dessas coisas que me desagradaram e porque a trama de Cordel me encantou mais pela mistura e inovação (e também porque não acho que CE tenha cansado do meio pro final como vc diz). Dou nota 9,3 à trama, pelos acertos apresentados (e porque Lado a Lado me encantou mais tbm) e torço pelo sucesso de Lícia em Sete Vidas. Abçs!

Thallys Bruno Almeida disse...

PS: o personagem do Eriberto que quase ficou com a Manu, se bem me lembro.

Thairys Moreno disse...

Oi Sérgio! Lembro com saudades da novela, não achava a Fernanda Vasconcellos lá essas coisas, mas depois dessa novela ela ganhou uns pontinhos comigo, não posso negar que ela brilhou em cena. A novela foi cheia de conflitos e cenas memoráveis, com certeza dando destaque ao acidente de carro das irmãs, cena fantástica e de um realismo impressionante!

Ah e eu adorei o final, a Ana e o Rodrigo transbordaram química, mas era aquela coisa adolescente, juvenil, paixonite mal resolvida; enquanto a Manuela e o Rodrigo formaram um casal lindo, com química, história pra contar, cumplicidade, amizade, um amor verdadeiro, um final mais que justo para o casal, a autora soube conduzir bem a história, com certeza foi uma trama linda e envolvente.

Beijos e ótimo restinho de semana!

Anônimo disse...

Gente, que novela foi essa?????

eder ribeiro disse...

Acompanhei pouco a novela, destaco os diálogos inteligentes. Abçs.

Vera Lúcia disse...

Olá Sérgio,

Não acompanhei a novela, mas cheguei a ver algumas cenas interessantes e envolventes. Gosto de ver a Marjorie e a Fernanda Vasconcelos em cena.

Suas considerações são sempre muito bem elaboradas.

Dia excelente para você.

Abraço.

luzes dobem disse...

Ola amigo! Não cheguei a acompanhar, mas pelo que pude notar o enredo foi bom.
Bom mesmo são os enredos que nos prendem, gosto bastante quando abordam a reflexão, mostrando o lado social, pq cativa e ensina o telespectador.
Mais um otimo post
bjs
Flavia

Felisberto Junior disse...

Olá!Bom dia
Sérgio
... não sou muito de lembrar das novelas que acompanhei, mas lendo a sua análise, recordei , porque ela, Licia , abordou com muita propriedade a fina fronteira entre a vida e a morte,o coma, e também, pela primeira vez, uma atuação de Fernanda Vasconcelos,na qual ela foi muito bem,e também, como dito, Lícia se Mostrou uma verdadeira "discípula" de Manoel Carlos no tema relações familiares ... e agora , vamos aguardar a Lícia Manzo, pela sua próxima novela.
Agradeço
Belo dia
Abraços

Paty Michele disse...

Sérgio,
não assisti a essa novela, mas o que me marcou nela foi a abertura, com a música de Caetano cantada pela Maria Gadú. Lembrava minha infância com meus irmãos, sendo que em 2011, meu irmão faleceu, então eu ficava saudosa que só!
rsrs
Mas todo mundo que assistia adorava a trama.
Um abraço.

Pedro Bertoldi disse...

Oi Sérgio!
Eu adorava essa novela. No começo eu assisti só porque se passava em Gramado, onde eu moro, mas logo a novela me conquistou. Diálogos inteligentes, tramas bem construídas e a naturalidade incrível com que Lícia escreveu. A Marjorie declarou, na época, que temia se tornar a vilã da história, mas que quando leu a cena escrita pela autora, entendeu tudo e não temeu mais.
Amor Eterno Amor teve mais audiência, mas passou desapercebida. AVDG mostrou que somos moldados pelo tempo! E que audiência e repercussão andam juntas!
Aguardando Sete Vidas!!!

Pedro Bertoldi disse...

Opa! Eu quis dizer que não andam juntas! Perdão, Sérgio!

Demian disse...

Preciso admitir que quando acabou Cordel Encantado eu me senti completamente órfão, pois era fascinado pela novela (quem não era?). Por isso, no início, não quis dar uma chance para A Vida da Gente... Assistia esporadicamente, sem me prender muito. O capítulo do acidente eu assisti e fiquei estarrecido com a perfeição da cena. Mas nem isso me convenceu a acompanhar a novela diariamente. Passado um tempo, já no meio da novela mais ou menos, me deu vontade de assistir, mas aí já havia perdido tantos capítulos, que meio que desanimei... Porém, vendo o último capítulo (mesmo a novela sendo ruim ou não tendo acompanhado, assistir o último capítulo é obrigatório), me emocionei muito com o que vi, e me bateu um arrependimento enorme por não ter acompanhado a novela. Outras novelas nem tão boas eu acompanhei, e infelizmente A Vida da Gente eu deixei passar...

Aleatoriamente disse...

Olá querido!
Passando para matar saudades dos amigos inesquecíveis.
Chegar aqui é respirar intimidade feito casa da gente.
Obrigada Sérgio.

Beijo =*

Filha do Rei disse...

Sérgio, acompanhei "A Vida da gente". Foi emocionante a relação entre as irmãs, os conflitos em cada situação. Relamente deixou saudades. Bjss

Fábia disse...

Essa novela era linda e tudo era perfeito.Marjorie e Rafael fizeram um casal que me fazia chorar todos os dias.Saudades.

Anônimo disse...

A novela foi linda e o final foi ainda mais lindo. Que homenagem ótima voce fez!

A Viajante disse...

Novela linda, leve, romântica e densa... tudo concentrado, com cenas do cotidiano... adorei relembrar da trama, sob seu olhar. Beijo, querido!

MARILENE disse...

Sergio, vi a novela e gostei muito. Tenho-a como melhor que Flor do Caribe. Você fez uma análise fundamentada e verdadeira. Bjs.

Anônimo disse...

Adorei o texto Sérgio, com certeza AVDG é uma novela para ficar na memoria.O grande mérito da Lícia foi ter criado uma história envolvente com personagens que não se enquadravam nos papeis de vilões ou mocinhos além é claro do texto delicado e sóbrio cheio de reflexões, penso que essa é a verdadeira função da novela não apenas entreter mas fazer refletir e emocionar e AVDG fez isso.Bom falar de AVDG sem falar de Fernanda e Marjorie é ignorar o talento dessas duas atrizes, a Marjorie sempre me emociona ( sou fã declarada ) já Fernanda me surpreendeu, simplesmente impossível não se emocionar com Ana e Manu que para mim foi o verdadeiro "casal" da novela.

MICHELE disse...

Que saudade desta novela. Sempre fui noveleira, mas confesso que antes de a A VIDA DA GENTE,eu andava meio afastada deste vicio.Não acompanhei Cordel encantado,a A VIDA DA GENTE,me encantei ao ler a sinopse e durante as chamadas.A história da Ana me pareceu emocionante...mas com o passar dos capítulos, foi a Manu que me conquistou.A cena que mais me comoveu, foi aquela em que ela estava no hospital e a Eva disse que Deus estava levando a filha errada.

Meirioanai disse...

Olá, olha eu qui outra vez. Não comento a algum tempo, mas sempre leio, parabéns pelo post, eu realmente não poderia ficar sem comentar sobre essa novela linda.


Quando li que A Vida da Gente se passaria no Rio Grande do Sul já fiquei de olhos abertos, acho que essa mudança de foco pra novelas ambientadas no eixo Rio-São Paulo já foi uma boa sacada, e todas as boas sacadas eram necessárias já que Licia Manzo tinha uma árdua tarefa: estrear logo após minha novela das 6 favorita, Cordel Encantado. E ela fez mais que isso, criou protagonistas irmãs, e essa novidade fragilizou os sentimentos dos telespectadores, era difícil torcer por uma ou pela outra, as duas tinham suas razões e seus direitos,não havia uma vilã.

Jayme Monjardim fez o que faz de melhor, mostrou uma fotografia impecável, com trilha sonora deliciosa, orquestrou cenas emocionantes e transformou a novela em uma obra de arte.

Quanto aos atores, tudo que se diga será redundante, Marjorie, Fernanda, Rafael e Thiago deram show... cenas incríveis serão lembradas com grande emoção. A cena em que Ana acorda do coma, com close nos belos olhos de Fernanda, Vasconcelos, com aquela musica da Tânia Mara foi realmente algo deslumbrante. A cena do acidente com Malu, Ana e Julia também foi impecável. O primeiro beijo de Manu e Rodrigo no aniversário de Julia também foi de grande delicadeza. A épica briga de acerto de contas entre as irmãs foi sensacional. E pra fechar com chave de ouro: A leitura do e-mail que encera o romance de Ana e Rodrigo, e as cenas de Rodrigo na porta de Manu, e Ana na porta de Lúcio foi fofo. Aliás, outro detalhe que fez a diferença foram as narrações, seja quando Inaiá fazia comentários sábios , ou quando Manu narrava o que escrevia no blog sobre o crescimento de Julia ou quando relatava seu envolvimento com Rodrigo como se pedisse permissão à irmã em coma... tudo com grande delicadeza...

Esperemos com ansiedade pelos próximos trabalhos de Lícia Manzo, e que sua parceria com Monjardim se repita.

Barbie Californiana disse...

Essa novela era muito boa, Sérgio, não vi toda, mas os capítulos que vi, gostei. Lembro da Marjorie Estiano na trama e ela atuava muito bem como sempre. beijinhos

Letícia disse...

Boa noite meu caro Sérgio,

que bom ver esta singela homenagem a novela "A vida da Gente", esta, também, foi uma novela que eu gostei muito de assistir pela sua simplicidade. Era uma história acolhedora, a sensação que tinha era como se fosse a autora escrevesse como se tivesse intimidade com quem assistia. Era como participar de um almoço em família, daqueles que pode acontecer de tudo, das conversas onde todos falam ao mesmo tempo como as discussões. Mas que no fundo todos se querem bem. Era uma história que criou intimidade com quem assistia.

Foi uma história bonita de ser ver. Confesso que ali torcia para que a Ana terminasse com o Lúcio e a Malu com o Rodrigo, e foi assim o final. Adora a avó delas, dona Iná, era a verdadeira mãe delas, poderia não ter parido, mas tinha sempre o conselho certo a dá.

Minha analise da Eva, a mãe das protagonistas era que tinha preferência pela Ana (belo trabalho da Fernanda) porque a moça, a princípio, talentosa tenista, que a mãe colocava todas as fichas para ter um futuro promissor, representava o sucesso, algo que, erroneamente, não via na doce Malu (Marjorie sempre maravilhosa), já que dava a entender que a menina tinha uma pequena deficiência física. Sem contar que não tinha vida própria já que insistia em viver a vida da filha famosa, mas seus planos vão por água abaixo quando Ana fica grávida, logo do enteado e depois quando a moça sofre o acidente e fica em coma por vários anos. Provavelmente não vá concordar comigo, mas acho que a Malu, representava para Eva seu próprio fracasso (como disse erroneamente já que a moça assume as rédeas da própria vida, cuida da sobrinha e depois se torna uma empresária de sucesso, mas mesmo assim não consegue a simpatia da mãe).

Outro ponto muito bonito na novela e você mencionou acima, foi as relações familiares. E ali foi colocadas de uma maneira bem delicada já que tinha vários exemplos de famílias problemáticas, a começar pela família do Jonas, o pai renega o filho assim de descobre que engravidou a Ana, depois coloca uma periguete dentro de casa, mas paga para o irmão ser o doador do material genético para engravidar a nova esposa. E depois que a verdade vem à tona se livre do garoto como se fosse um pacote e este vai morar com o verdadeiro pai. Que pai é este? Realmente a personagem do Paulo Betti não era um homem de família, já que preferiria ignorar seus filhos.

Mas certamente o que teve de mais belo na história foi a amizade dessas duas irmãs. Na época, muitos criticaram a Malu por ficar com a vida da irmã, mas pensa comigo Ana e Rodrigo se apaixonaram adolescentes, e tiveram isso interrompido pela gravidez e depois pelo acidente. Obviamente que foi uma questão que não foi resolvida, era uma amor tipo Romeu e Julieta. Mas quando Malu assume a filha da irmã e ajuda a cuidar da Julia junto com o Rodrigo, ao meu entender, começa a nascer ali, um amor diferente, um tipo mais realista, menos romântico. Nasce do convívio, da cumplicidade,do companheirismo, da dificuldade de encarar a vida adulta com uma criança nos braços e sem muita opções, a não ser seguir em frente.

Quando Ana acorda do seu como, apesar da estar mais velha, mas sua mente ainda é daquela adolescente apaixonada e só depois, com muitas dificuldades, um rompimento com a sua querida irmã, a filha que reconhece a outra como mãe e não ela, mesmo sabendo que de fato é filha da tenista, mas que seu referencial de mãe era a tia. Enfim a dificuldade de aceitar uma nova realidade é que se rende ao amor de Lúcio, que propõe um amor mais maduro e realista. Mas tudo isso vem depois de um acerto de contas e a doença da menina, finalmente as duas se reconhecem com mães da pequena e acertam suas diferenças.

Nossa escrevi demais, só para variar... Mas foi uma linda novela. Pena que ultimamente as pessoas não prestem tanta atenção em histórias tão interessantes como esta. Perde quem não assiste, mas quem vê não tem do que reclamar...

um abraço Sérgio

Sérgio Santos disse...

Thallys, adorei Cordel Encantado, mas pra mim a novela se perdeu sim do meio pro final. E o último capítulo foi incrível, apesar da morte do Timóteo ter deixado mt a desejar. Porém, os sequestros repetidos e aqueles outros casos que já mencionei me fizeram desencantar com a trama. Mas, concordo, fez um merecido sucesso, nunca neguei isso.

AVDG eu considero impecável porque teve uma trama bem conduzida, todos os personagens se destacaram, dramas densos, não tento criar núcleo cômico pra conquistar as massas, enfim. Claro, teve seus deslizes, como aquele envolvimento ridículo da Suzana com o personagem do Luis Vasconcellos, mas isso acaba fazendo parte de 99,9% dos folhetins.

A relação da Ana com Rodrigo não acabou de uma hora pra outra, Rodrigo demorou anos pra começar a se envolver com Manu. E tudo foi muito bem colocado. Mas se ele tivesse ficado com Ana, não, eu não gostaria menos da novela por causa disso. Assim como não gostaria menos de GdS se Roberta ficasse com Nando.

Achei Laura uma personagem incrível, mas considero Manu a melhor porque tinha mais densidade e exigiu mais da Marjorie. Fernanda cresceu absurdamente nessa novela e por isso será difícil tirar da Ana o posto de melhor personagem dela.

Sobre a Ana Beatriz, concordo, mas nem acho que ela tenha sido lá muito valorizada em Saramandaia. Maneco a escalou e espero que a valorize. Abçs

Sérgio Santos disse...

Thairys, concordo com vc. Apesar de ter gostado da Fernanda em Páginas da Vida, ainda tinha muitos pés atrás com ela. Mas a Ana me conquistou e ela amadureceu a olhos vistos.

Sim, a mensagem ficou essa mesmo: Ana e Rodrigo tiveram uma paixão que não pôde ser aproveitada por causa do trágico acidente (grande cena mesmo e muito bem feita). Com Manu o amor veio de uma forte amizade e cumplicidade, que mostrou a solidez da relação. Beijos.

Sérgio Santos disse...

Foi uma grande novela, eder. abçs

Sérgio Santos disse...

Muito obrigado, Vera. Marjorie e Fernanda fizeram uma grande dobradinha. bjsss

Sérgio Santos disse...

Oi Flavia. Tava sumida. Bjsssss

Sérgio Santos disse...

Essa novela ficou marcada pra quem assistiu, Felis. Foi uma obra primorosa. Abraços.

Sérgio Santos disse...

Paty, a abertura dessa novela também era de uma beleza impressionante. Emocionava mesmo. bjssss

Sérgio Santos disse...

Pedro, concordo totalmente com seu comentário! AEA fico um um ponto a mais na média geral mas não teve nem a metade da repercussão. AVDG foi lindamente escrita pela Lícia e lindamente interpretada pelo elenco. abçssss

Sérgio Santos disse...

Demian, pois eu digo que vc perdeu uma linda novela. O último capítulo foi tocante mesmo, assim como toda a história. E a cena do acidente foi uma das melhores (senão a melhor) que eu vi. Abraços!

Sérgio Santos disse...

Que saudades, Fernanda. Bjão!

Sérgio Santos disse...

Sem dúvida, Cléu. bjssss

Sérgio Santos disse...

Concordo, Fábia. bj

Sérgio Santos disse...

Que bom que gostou, Ju. bjsss

Sérgio Santos disse...

Mas sem dúvida alguma, Marilene. Nem se compara. AVDG está uns 10 níveis acima. bjs

Sérgio Santos disse...

Anônimo, obrigado. Concordo com tudo o que vocês escreveu. Assino embaixo. abç

Sérgio Santos disse...

Nossa, Michele, vc relembrou uma cena fortíssima, hein? Marjorie e Ana Beatriz Nogueira deram um show. A trama me conquistou logo de cara. bjssss

Sérgio Santos disse...

Meirioanai, muito obrigado. Concordo com todo o seu comentário e nem tenho mais o que dizer. Aliás, vc lembrou de cenas maravilhosas e lindas. Deu até pra ver só de ler o que vc colocou.

Lícia e Jayme repetirão a parceria em Sete Vidas e Marjorie Estiano e Gisele Fróes estão cotadas pro elenco. Bjssss

Sérgio Santos disse...

Foi mesmo, Barbie. bjsss

Sérgio Santos disse...

Letícia, que bom que vc escreveu muito. Adorei e concordo com absolutamente tudo (pra variar), inclusive com essa boa análise sobre a Eva e Manu.

A paixão da Ana com o Rodrigo foi intensa mas depois a cumplicidade diante de dificuldades fez nascer o amor de Manu e Rodrigo. Foi tudo muito bem desenhado e colocado. As relações familiares foram primorosas.

E realmente parecia que todos aqueles personagens eram pessoas reais e que nós fazíamos parte da família deles.

Falou muito bem da família do Jonas também. Concordo de novo. Enfim, foi uma novela primorosa e que deixou saudades. Tomara que Sete Vidas seja tão boa quanto. Beijos!!

Felipe disse...

A Vida da Gente foi uma novela diferente de tudo o que eu já tinha visto na TV e até hoje ela não foi superada nem igualada (quem sabe a nova novela da Lícia Manzo consiga?). Foi a única novela da qual eu não perdi um único capítulo e sou apaixonado pela história e suas personagens até hoje. Tudo nela funciona tão bem e foi tão harmonioso que não consigo imaginar como a novela seria sem os mesmos atores, a mesma direção, a mesma trilha sonora, a mesma abertura, etc.

Falando das tramas em si, a história de Ana, Manu, Rodrigo, Lúcio e Júlia com certeza foi o ponto alto, como não poderia deixar de ser. Não tinha como não se emocionar e não comprar os dramas das personagens, prova disso foi a formação das torcidas apaixonadas. Uma segunda história que não era a principal mas que eu amei com todo o meu coração foi a evolução do Lourenço, que começou a novela como um fracassado com medo de ser pai e, com o passar do tempo e vendo que faltava algo em sua vida mesmo depois da realização do sonho de ter seu livro publicado, acabou lutando pela paternidade do Tiago, que sofria com a indiferença dos pais. Fiquei feliz em saber que Sete Vidas, a nova novela da Lícia Manzo, vai tratar também desse tema da doação de sêmen, dando ainda mais destaque para ele.

Saudade do núcleo de Gramado, mostrando que a terceira idade também tem dramas, alegrias, que os idosos também podem levar uma vida ativa, mas sem deixar de lado a experiência trazida pelo tempo e o orgulho da idade que se tem. O amadurecimento da Nanda, que sempre divertiu a todos mas que também sabia emocionar quando necessário. As mães megeras Eva e Vitória, que sempre davam show tanto separadas quanto juntas em cena. O relacionamento de Dora e Marcos, uma mulher extremamente real passando por problemas extremamente reais e cotidianos, incluindo o marido sonhador e sem nenhum dos pés no chão, um folgado que eu, particularmente, amava odiar! hahaha Enfim, todas as histórias foram maravilhosas com mensagens muito bem passadas.

Durante as últimas semanas eu revi a novela inteira, por coincidência tendo terminado ontem, dia em que a estreia completou dois anos. Foi uma experiência e tanto! Rever toda a trama com olhos de quem já sabe o final foi demais! Da primeira vez torci tanto por Manu e Rodrigo que foi como se eu só tivesse olhos pra eles. Já agora, pude ver tudo com mais imparcialidade e pude curtir ainda mais e com mais calma as histórias de Ana e Lúcio, Manu e Gabriel e até Ana e Rodrigo. Recomendo a experiência! :)

Que a Lícia Manzo volte logo com Sete Vidas!

Elvira Akchourin do Nascimento disse...

Boa crítica, Sérgio. Foi um prazer recordar esta que foi uma das melhores novelas das seis. Fernanda, Marjorie, Rafael, Nicette, Giselle, Ana Beatriz, Malu, Leona, Leonardo, Alice, Polyana - todos estiveram ótimos e emocionaram.
Eu preferia o final feliz para Ana e Rodrigo, mas respeitei a opção da autora. Linda abertura mesmo, tanto nas imagens quanto na música. Lembro que "A Vida da Gente" despertou uma imensa interatividade com o público das redes sociais.
Espero que "Sete Vidas" tenha a mesma qualidade daquela.

Sérgio Santos disse...

Felipe, vc me contou sobre essa feliz coincidência no Twitter. Muito bacana. Nem tenho muito o que acrescentar até porque seu comentário serviu como um bom complemento pro meu texto. Abraços! =)

Sérgio Santos disse...

Saudades, né Elvira. Foi uma novela tão boa. Uma das melhores mesmo. A história, o elenco, os personagens , a abertura, enfim, tudo. Estou muito ansioso com Sete Vidas. Que venha logo! bjs

Vanessa disse...

Sérgio, meu querido!
Que lindo ver um post da minha novela preferida aqui!
Vc acredita que eu me esqueci do aniversário de dois anos de "AVDG"??? rs.

Bom, antes de começar a escrever sobre ela, queria encarnar a advogada. Não se pode compará-la aos números de "Flor", que foi ao ar no primeiro semestre! E 22 não foi tão ruim assim, levando-se em conta das dificuldades das tramas do segundo semestre.

Tirando essa parte chata dos números, até porque qualidade e audiência nunca falaram a mesma língua, quero relembrar com vc a nossa amada "AVDG". rs.

Que história linda! Foi ela a responsável por me fazer ter paixão de novo por novela. E me pegou de um jeito tão despretencioso. Dia a dia, como em pequenas doses.

Quando me dei conta, estava completamente encantada, atrás de informações extras em blogs (foi aí que conheci o seu), comunidades, fóruns... Algo que eu nunca tinha feito antes!

Também nunca tinha me apaixonado por uma personagem como aconteceu pela Manu. O mais bacana foi que eu comecei a ver a novela sem qualquer informação, sem saber que haveria acidente, coma, segunda fase...

Sequer conhecida direito o trabalho da Marjorie. Só tinha duas novelas na memória: "Malhação" e "Páginas da Vida". Muito antigas, por sinal. Ainda assim, lembrava que se tratava de uma boa atriz, mas só.

Pois ela e sua Manuela me ganharam de vez na cena do hospital, quando conta à Iná que teve que escolher entre salvar a Ana e a sobrinha. A partir dali, minha forma de ver o trabalho da Marjorie jamais seria indiferente! Virei fã, a ponto de acompanhar novela de época, da qual nunca gostei! Fui atrás também de vídeos de "Duas Caras" e "Caminho das Índias", escritas por autores que eu também não gosto. Tudo para entender quem era aquela atriz que dava vida à personagem mais linda da trama!

"AVDG" também me apresentou essa belíssima Lícia Manzo, autora que desbancou Maneco e Sílvio de Abreu da minha lista dos favoritos. Que texto delicioso! Quantos ensinamentos diários!

Amava, especialmente, as cenas da Manu com a Júlia. Eram simples, muitas vezes na mesa da cozinha, mas ao mesmo tempo tocantes. Traduziam, de forma perfeita, a questão dos novos laços familiares. Fora que a Marjorie e a Jesuela tinham uma química incrível.

Estou, mais do que nunca, na contagem regressiva para a volta da Lícia. Espero mesmo que seja no próximo espaço das 23h, como andaram noticiando. E quero ainda mais que a parceria com a Marjorie se repita! Temos ótimos indícios para que isso aconteça no meio do ano que vem!!!!

Beijão, querido!

Sérgio Santos disse...

Vanessa, senti sua falta. Depois que escrevi o texto e não vi vc pensei: Ué, cadê ela que não veio? rs

AVDG foi uma novela linda mesmo e que bom que vc conheceu meu blog graças a ela. Marjorie, Nicette e Jesuela tinham uma química incrível mesmo e toda a trama era muito envolvente.

E vc fez um interessante comentário sobre a audiência, é verdade.

Nem ia escrever um texto de homenagem, mas como me pediram tanto resolvi postar. Valeu a pena. Foi bom recordar.

Sim, também estou no aguardo por Sete Vidas. Li que Marjorie e Gisele Fróes estão cotadas. Que tudo se confirme! Beijos!!!

Vanessa disse...

Sérgio, como eu poderia deixar de vir aqui para escrever sobre "AVDG"?? rs. Não seria eu. rs.

Creio que voltarei a ser mais ativa no seu blog durante "Em Família", embora tenha um certo receio de que seja mais próxima de "Viver a Vida" do que das maravilhosas "História de Amor", "Por Amor"... De qualquer forma, vem aí um autor do qual sou muito fã, além de uma atriz que está entre as minhas preferidas, no caso a Vivianne Pasmanter. ;)

Vc viu como "AVDG" ainda tem uma legião de órfãos? Foi um dos posts mais comentados dos últimos que vc postou! rs.

Para vc ter uma ideia da minha paixão por essa novela, cheguei a fazer uma fanpage para compartilhar o conteúdo dela com o pessoal do Equador, Chile e Uruguai, lugares onde já foi exibida. Foi muito curiosa essa experiência de ver como os estrangeiros enxergam nossas tramas. E, mesmo em culturas diferentes, ela provocou o mesmo alvoroço daqui, com "guerras" entre os torcedores da Ana e Manu. rs. Só foi uma pena porque, na edição internacional, cortaram praticamente td a história do Rodrigo com a Manu na época do coma. Perdeu-se uma parte importante para entender o todo da novela!

Beijão, querido.

Vanessa

Vanessa disse...

Vou aproveitar para fazer meu merchan. rs. https://www.facebook.com/lavidasigue2013

Agora a fanpage está meio parada, já que a novela acabou nesses países que citei. Começou ontem na Costa Rica, vamos ver se o pessoal se empolga lá tb! rs.


Beijos!!

Vanessa

Flávia disse...

Quis que você escrevesse sobre essa novela linda,mas nem vim comentar, Sérgio. Olha como sou louca? kkkkk Adorei recordar essa trama maravilhosa e que terminou com um lindo casal que foi Manu e Rodrigo. Amei o texto. Amei muito. Beijinhos.

Sérgio Santos disse...

Vanessa, torço para que o Maneco faça uma novela tão incrível quanto Por Amor, Laços de Família e Mulheres Apaixonadas. Que não seja parecida com Páginas da Vida e não chegue nem perto de Viver a Vida.

Não sabia que a novela também estava rendendo nesses países. Que bacana. Lícia merece.
Beijos!

Sérgio Santos disse...

Que bom que gostou, Flávia. Bjssss

Anônimo disse...

Novela linda, autora linda, Marjorie linda, Rafael Lindo, tudo lindo. Saudades.

Sérgio Santos disse...

Obrigado pelo comentário, anônimo.

Álvaro disse...

Pra mim, a novela mais emocionante dos últimos anos! Parabéns do Chile!

Anônimo disse...

A Vida da Gente foi a novela mais leve e gostosa que eu já assisti.

Me lembro dos finais de tarde no horário de verão quando tocava "Tempo, tempo, tempo, tempo...". Os cenários do Sul davam um ar aconchegante à novela, o figurino era impecável, tudo, repito, tão leve.

Me emocionei com toda a história. Sempre torci pela Ana, mas o amor que a Manuela tinha pela irmã era muito comovente. Confesso que cheguei a sentir pena da Eva no começo da novela quando um flashback mostrou ela mais nova e apaixonada pelo Jonas num aniversário da Ana. E também senti uma pontinha de raiva da Júlia por desprezar a mãe Ana. Enfim, muitas emoções.
A Dona Iná e o colo de vó, os conselhos, o amor que sentia por ambas as netas sem priorizar nenhuma delas...

Ainda bem que o site da Globo disponibiliza todos os capítulos. Sempre que consigo estou re-assistindo essa novela linda que tanto me encantou.

Desejo que a Lícia Manzo faça mais novelas como essa, que na minha opnião superou as tramas do Maneco pela delicadeza dos detalhes.

Andreza Araújo disse...

Olha, eu não sou fã de novela. Não tenho muita paciência porque a maioria das tramas são batidas e previsíveis. Odeio aquela mesma historinha do casal que se apaixona no início, fica a maior parte do tempo separado e são felizes para sempre no final. Também não sou fã de histórias com vilões, a menos que ele seja O vilão. Gosto de histórias que fujam do previsível, do comum. AVDG é a melhor novela que já vi na vida. Ela me conquistou completamente e não só pelo enredo central, dava vontade de assistir a todos os núcleos. Eu me dispus a assistir a novela por causa da Marjorie porque sou apaixonada por ela desde a Maria Paula de Duas Caras com aquela história de amor doentia e uma química perigosamente explosiva com o Ferraço. Não preciso dizer que a minha personagem favorita em AVDG era a Manu. Eu poderia escrever um jornal de tantos elogios que tenho pra esta novela. Na época, eu até escrevi uma carta para a Marjorie e outra para a Lícia com elogios e agradecimentos ao trabalho delas. Eu baixei a novela completa no computador e de vez em quando fico assistindo e chorando muito porque era pura emoção quase todos os dias. Estou ansiosíssima pela próxima novela da Lícia e que Deus lhe ilumine a mente criativa e lhe encha de excelentes ideias. Que Sete Vidas venha com tudo e supere AVDG! E que a Marjorie continue sendo uma atriz sortuda que só pega personagens ricas em tramas complexas como tem sido até agora. Que ela sempre nos presenteie com seu talento estrondoso! Eu andei procurando notícias sobre o próximo trabalho da Marjorie e não sabia que ela estava cotada para "Sete Vidas". Li em algum lugar que João Emanuel Carneiro quer puxá-la pra sua próxima novela. Graças a Deus que a Glória Perez não conseguiu levá-la para "Salve Jorge" e a assim a Marjorie pode brilhar em Lado a Lado.