sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Com ritmo ágil e trilha sonora de qualidade, "Boogie Oogie" reúne vários atrativos de uma boa novela

Assim que "Boogie Oogie" estreou, ficou explícito que seria um festival de clichês. Porém, inicialmente, a história foi deixada em segundo plano, pois o foco maior ficou por conta da década de 70, época escolhida para ser o pano de fundo da trama, e da trilha sonora impecavelmente escolhida. Mas, agora, já com algumas semanas no ar, é possível constatar que o folhetim de Rui Vilhena tem um enredo tão atrativo quanto a escolha das músicas e do ano de 1978.


O excesso de temas batidos não é um problema, uma vez que toda novela tem clichês. Basta serem bem desenvolvidos e contados. E o autor tem conseguido atrair a atenção através de vários ganchos interessantes, além de imprimir um bom ritmo à história. Todo este bom conjunto é somado ao elenco talentoso, que interpreta muito bem vários personagens cativantes.

Rui Vilhena parece não temer que sua trama se esgote e segue desenrolando o conteúdo, sem guardar por muito tempo seus trunfos, imprimindo um bom ritmo à novela. Tanto que a trama principal, da troca de bebês, já foi descoberta pelo mocinho (Rafael - Marco Pigossi),
que já identificou quais são as duas mulheres trocadas na maternidade: sua noiva Vitória (Bianca Bin) e seu mais novo amor Sandra (Isis Valverde). A situação rendeu a primeira reviravolta da novela e rendeu ótimas cenas.

Claro que o excesso de coincidências prejudica a verossimilhança da trama. Muitos encontros, conversas e atitudes soam forçadas, como o fato de Suzana (Alessandra Negrini) ter trocado os bebês com o intuito de se vingar do amante, mas esperar 20 anos para contar o seu feito e ainda nem se preocupar com uma possível prisão; além de pequenas outras situações, como ninguém do escritório de Fernando (Marco Ricca) perceber o óbvio caso dele com Gilda (Letícia Spiller), Márcia (Christiana Guinle) quase ter sido atropelada justamente por Rafael, e ainda revelar imediatamente que havia feito uma troca de bebês anos atrás.

Porém, estas questões acabam ficando pequenas diante da novela, que, por enquanto, tem se mostrado muito atrativa. Os dramas dos personagens estão sendo bem apresentados, assim como todos os conflitos que os cercam. O casal protagonista se mostrou um acerto e a cena do primeiro beijo foi ótima e lembrou o filme "Os Embalos de Sábado à Noite", com Rafael dançando e chamando Sandra para acompanhá-la na pista da boate que leva o nome da trama. Marco Pigossi e Isis Valverde já mostram química e um ótimo entrosamento. Sandra, aliás, uma uma mocinha que dá vontade de torcer: é determinada, não abaixa a cabeça para ninguém, tem uma dose de ambição e ainda é forte. Isis está perfeita no papel.

O núcleo da família de Madalena (Betty Faria) é um dos melhores da novela. A matriarca é respondona, voluntariosa e só pensa em ser feliz, deixando qualquer possível limitação de sua idade de lado. Seus embates com a nora Carlota (Giulia Gam, interpretando magnificamente outra vilã, depois da Bárbara Ellen, de "Sangue Bom") e a neta Vitória (Bianca Bin) são ótimos, assim como suas constantes desavenças com o filho Fernando, e seus momentos de carinho com Ricardo (Bruno Garcia em mais uma atuação repetitiva) ------ seu outro filho, casado com Luisa (Alexandra Richter) e pais da rebelde Dani (Alice Wegmann).

Outro ponto positivo é a família de Sandra, que na verdade não é sua família de sangue. Daniel Dantas está muito bem vivendo o enérgico militar Elísio, tipo bem diferente dos últimos perfis bonzinhos que davam para ele. Heloísa Périssé também convence como uma senhora submissa ao marido e dedicada aos filhos. Giovanna Rispoli, após ter se destacado em uma rápida participação na primeira fase de "Em Família", tem brilhado com sua Cláudia, uma peste que só pensa em si. Já José Victor Pires tem se mostrado uma boa revelação com seu tímido e retraído Otávio.

A aproximação entre Madalena e Vicente (Francisco Cuoco) também tem despertado interesse, principalmente porque os dois respeitados atores formaram um casal emblemático na primeira versão de "Pecado Capital". É preciso elogiar ainda a personagem Inês, que age como uma telespectadora que interfere nos rumos da história envolvendo a troca de bebês e Deborah Secco está muito bem. Sandra Corveloni vivendo uma senhora sofrida (Augusta), Fabíula Nascimento interpretando uma tia interesseira e chata (Cristina), Thais de Campos na pele de uma intrometida (Célia), Christiana Guinle interpretando uma enfermeira picareta (Márcia) e Rodrigo Simas vivendo um cara desinteressado (Beto) também merecem elogios. Só é necessário que nomes como Ana Rosa e Zezé Motta tenham mais destaque.

"Boogie Oogie" tem se mostrado uma ótima novela. A trama de Rui Vilhena tem uma trilha saudosa e uma década querida como principais pontos fortes, mas, ao longo das semanas, vem exibindo uma atrativa história, repleta de bons ganchos e ótimo ritmo. Todos os capítulos têm presenteado o telespectador com um bom folhetim. Que siga assim até o seu final.

66 comentários:

Ana Carolina disse...

Acho essa novela bem ruim, Sérgio. Uma festival de obviedades e absurdos. Todas as inverossimilhanças que vc citou pra mim não ficam pequenas, ficam grandes mesmo. Mas o elenco e a trilha são mt bons mesmo.

Anônimo disse...

Discordo, acho a novela ridícula. Nunca vi tanto absurdo junto ainda mais com um texto patético.

Paulo Roberto disse...

Essa novela é novela na sua forma mais pura. Não é seriado, não é documentário, não é conto de fadas, não é novela de Glória Madagan, não é filme, não é crônica. É NOVELA. Na Tv Tupi anos 70 a maioria das novelas eram iguais Boogie Oogie. Talvez por isso muitos talifãs da Globo (chatos por sinal) não gostavam. Mas eu gostava das novelas que a Globo exibia também. Enfim, essa novela é cheia de tramas e bons personagens e bem clichê. Afinal novela é clichê. Se quiser fazer coisa diferente, vá pro teatro, vá pro cinema. Novela é novela e não aceito autores que deturpam o gênero. Alguns saudosistas dos anos 80 não vão gostar por que essa geração é muito medíocre. Não aceita mudanças. Nós da década de 70 somos saudosistas, mas aceitamos as mudanças da vida. Não vivemos de uma única modinha a vida inteira. Por isto acho Boogie Oogie uma novelinha deliciosa igual Salário Mínimo, Como Salvar Meu Casamento, João Brasileiro, etc

Fernanda disse...

Acho a novela boa, Sérgio, mas nada de espetacular. O elenco é bom e o autor não enrola mas todas essas fragilidades do roteiro me cansam. Não acompanho diariamente justamente porque não tenho paciência. Mas comparando com as que estão no ar, acho a melhorzinha. Só não incluo O Rebu na comparação porque este remake é um primor e está anos luz a frente de qualquer produção.

Anônimo disse...

A novela é razoável. E só.

Uma Interessante Vida disse...

É uma pensa eu não estar com tempo para assistir. :( bjs

Thallys Bruno Almeida disse...

Adorei Boogie logo de cara e a meu ver acho a melhor novela no ar de longe.

Desde tudo que foi anunciado dessa trama eu apostava que Boogie me conquistaria e assim foi feito. Uma novela que não tem a menor vergonha de ser novela, não tem essa pretensão toda de querer inovar como muita trama que se perdeu ao longo da condução, onde o que importa aqui é uma boa história pra contar.

A Sandra é mocinha do jeito que eu gosto: não tem medo de cara feia, não se intimida com gente escrota, vai à luta atrás do que quer, é ativa, tem personalidade forte pra enfrentar todo mundo e ainda sabe ser apaixonante em alguns momentos. Passa bem longe de ser uma pamonha apática-idiota ou de uma garota metida de prepotência exacerbada que vomita arrogância gratuita pra cima de todo mundo. Todas as "patadas" da Sandra têm um motivo convincente e tudo que move as atitudes da personagem é bem verossímil, me fazendo ter vontade de torcer por ela. Arrisco dizer ser a melhor mocinha no ar.

Ver a Isis Valverde brilhando muito nessa personagem é um verdadeiro presente pra ela que teve um início de ano tenso com o acidente e enfrentando uma porrada de fofoca e um monte de gente xingando a garota no instagram. Amo demais a Isis, amo meeeeeeesmo. Linda, sensual, talentosa, carismáica, enfim, escolha acertadíssima pra essa personagem tão maravilhosa.

Deborah Secco, que sempre alternou altos e baixos, me conquistou nessa personagem de uma forma impressionante. Sua Inês é outra personagem apaixonante, ainda mais porque ela tem uma paciência de jó pra aguentar tanta coisa. Sem contar que a amizade de Sandra e Inês é algo maravilhoso.

Betty Faria tá dando um show absoluto e Francisco Cuoco tá impagável. Já torço pra os dois personagens deles se envolverem também.

Alessandra Negrini mesmo vivendo outra personagem obcecada tá ótima. Bianca Bin tava me irritando no começo com aquele eterno tom nervosinho dela mas tá melhorando aos poucos. Marco Ricca e Giulia Gam fantásticos.

Só quem tá péssimo pra mim são, por enquanto, Zé Loreto, Junno Andrade e Bruno Garcia.

A cena de hoje do primeiro beijo de Rafael e Sandra (Marco Pigossi e Isis Valverde) foi linda, linda, linda. Desde o primeiro momento apostei nesse par e essa cena veio pra coroar a intensa química existente entre os dois. Linda demais.

Adoro Boogie Oogie e não me arrependo de achá-la muito superior às outras três (Império tá só com a trama principal, os outros parece que ficaram sem história; O Rebu tá bem longe de ser esse biscoito fino, pra mim é um negócio beeeeem mais ou menos; e Geração Brasil eu não vou nem falar). Gosto de história boa e bem-contada e de personagens que me conquistem. Pouco importa se são tradicionais ou inovadores.

Fernanda P. disse...

Estou adorando a novela! Os temas batidos e os clichês e o texto que não é nenhuma obra prima não têm me incomodado nenhum pouco. Boogie Oogie é uma novela deliciosa de acompanhar, é ágil, tem ótimos ganchos, a trilha sonora é maravilhosa, tem um elenco repleto de gente boa e um casal protagonista que dá gosto de torcer.



Anônimo disse...

Quem gosta de Boogie Oogie não tem como gostar de O Rebu. São novelas pra públicos de diferentes níveis.

William O. disse...

Acho a novela boa e concordo com os elogios ao elenco, ao ritmo e a trilha. Mas quanto a trama discordo. O problema não é o clichê, o problema é a forma como está sendo contado. Uma mulher trocar bebês pra que? Pra 20 anos depois tomar uma atitude? Isso é ridículo. E o festival de coincidencias prejudicou toda a trama. Fora o texto da novela que é pavoroso.

Gustavo Nogueira disse...

Oi Sérgio.Boogie Oggie realmente é uma ótima novela,considero Boogie Oggie e o Rebu as melhores novelas no ar.Geração Brasil você já sabe minha opinião e Império só tem de ponto positivo a trama principal e poucos elementos das tramas paralelas(Xana, Naná, Lorraine, a trama envolvendo o Cláudio, Beatriz e Leonardo), considero Império por enquanto uma novela regular, nada de incrível como era nos primeiros capítulos.Voltando a Boogie Oggie, é uma ótima novela, com uma história interessante(apesar de ter bastante clichê, mas isso não é ruim), é ágil e a cada capítulo é um gancho para o dia seguinte.Isis Valverde e Marco Pigossi estão ótimos em seus personagens, transbordam química em cena e formam um ótimo casal protagonista.A Bianca Bin, que critiquei no início da trama, está melhorando bastante como sua vilã Vitória.O José Loreto continua péssimo com seu vilão Pedro(na minha opinião seu personagem é um dos pontos negativos da novela).Giulia Gam está ótima como a vilã Carlota, em nada lembra a vilã cômica Bárbara Ellen.Betty Faria e Francisco Cuoco também estão ótimos em seus personagens e estão fazendo ótimas cenas juntos.Déborah Seco, de quem não era muito fã, me surpreendeu positivamente nessa novela e está muito bem como sua Inês.Alessandra Negrini continua lembrando vilãs anteriores em sua carreira com sua neurótica Susana, mas não está ruim.O ator que interpreta o Rodrigo(que nem sei o nome) é fraco na minha opinião e a ótima Alice Wegmann merecia um par romântico melhor.Em relação as falhas do enredo, eu concordo com vc, são coincidências demais, destino demais, mas isso não compromete a novela, que é ótima.Espero que Boogie Oggie não se perca e continue sendo essa ótima novela que está sendo até o fim.

Gustavo Nogueira disse...

Ah, Sérgio esqueci de elogiar o Marco Ricca, ele está muito bem como o canalha Fernando.As empregadas da Carlota são uma comédia, lembram bastante a Zezé e Janaína da ótima Avenida Brasil.

Bia Hain disse...

Oi, Sérgio, como vai?
Já leu o livro? :)
Olha, essa é uma das melhores novelas que vi entre as últimas que passaram. Gosto dos atores, das histórias, da trilha, falou muito bem... a maniera como se levam os temas é o que faz a diferença. Pena que nesse horário nem sempre consigo assistir, ms gosto bastante. Um abraço!

Anônimo disse...

Boogie oogie realmente tem um bom e empolgante ritmo e um ótimo elenco, mas seu excesso de clichês e situações absurdas irritam um pouco. Como só vejo a trama através das cenas do Rafa,pelo site da novela, dá até pra levar. Mas é uma novela razoável. Fácil de esquecer.

Anônimo disse...

Se é pra retratar o final dos anos 70 e com o tema de troca de criança eu fico com PECADO MORTAL, essa sim foi uma excelente novela que por um simples detalhe de não ter sido exibida na globo teve um ibope fraco. Novelas da globo ultimamente eu nem passo perto, prefiro ficar com as do passado como A Viagem e Historia de Amor no viva, essas sim são NOVELAS.

Anônimo disse...

Esse povo acha que Pecado Mortal chega aos pés de Pantanal e Corpo Santo kkkkkkkkkkkk só rindo mesmo

Milene Lima disse...

Poxa. Eu acho uma novela de grandes atores, mas personagens muito chatos. Então você vê algum sentido na personagem da Deborah Secco? Por que até agora eu não entendi esse empenho todo dela pra resolver o caso das trocas, sendo que a Suzana ( Alessandra Negrini interpretando ela mesma pela milésima vez ) é grandinha e deveria arcar com suas maluquices sozinha.
Pra mim é apenas uma novela razoável. Me encanta o tema, a trilha sonora. Gosto da Sandra. Tenho aflição do Rafael e a sua cisma de colecionador dos amores perdidos. Acho que vai ser bacana o entrosamento da Madalena e o Vicente... já está, né? Enfim, algumas coisas eu gosto, outras são extremamente cansativas.
Bora esperar.
Beijo.

Anônimo disse...

O-D-E-I-O essa tal de Isis Valverde, acho a Deborah Secco um pé e outros atorezinhos que nem vou citar. O pior é que nos anos 70 da globo as mulheres usam chapinha com seus cabelos modernamente esticados. Faça parte da campanha DIGA NÃO AS DROGAS, evite as novelas atuais da globo.

Kellen Bittencourt ( Trilhamarupiara) disse...

Olá amigo, eu gosto muito do figurino da novela, da trilha sonora e até da história em si, mas de fato tem pecado um pouco como vc relatou, o motivo da troca de bebes realmente é meio sem noção rsrs abraçoss

Vitor disse...

Fiz uma versão antiga de Boogie Oogie:

CHRISTIANE TORLONI - Sandra
GILBERTO MARTINHO - Elísio
THERESA AMAYO - Beatriz

LAURO CORONA - Rafael
IVAN CÂNDIDO - Mário
TAMARA TAXMAN - Cristina

LÍDIA BRONDI - Vitória
RUBENS DE FALCO - Fernando
NEUZA AMARAL - Carlota
OSMAR DE MATTOS - Beto
HELOÍSA HELENA - Madalena
CARLOS VEREZA - Ricardo
JACQUELINE LAURENCE - Luísa
SUZANA QUEIROZ - Daniele

PEPITA RODRIGUES - Inês
MÁRIO LAGO - Vicente
SUZANA VIEIRA - Susana
GÉSIO AMADEU - Tadeu
NATHÁLIA TIMBERG - Márcia

TONY FERREIRA - Alex
JOÃO PAULO ADOUR - Pedro
LEONOR LAMBERTINI - Augusta

ARLETE SALLES - Gilda
HAROLDO BOTTA - Rodrigo
DIANA MOREL - Célia
ÁTILA IÓRIO - Arthur

Removi alguns personagens pros personagens ficarem mais concentrados

Anônimo disse...

Ai sim Vitor, nessa época valia a pena ver novela.

MARILENE disse...

Sergio, estou conhecendo a novela através de sua postagem. Não a tenho visto. Uma noite dessas vou assistir, para conferir os pontos altos que você mencionou. Bjs.

Felisberto Junior disse...

Olá, Boa noite, Sérgio
também, conhecia a novela Boogie Oogie mais pela sua trlha sonora, espetacular, do que por acompanhar a trama...então, resta me assistir ou ler as suas belas análises ,torcendo para que "Boogie Oogie" tenha um ótimo ritmo e consiga seguir assim até o seu final...
Obrigado pelo carinho,belo domingo,beijos!

Felisberto Junior disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Celio belo disse...

Acho que o fato de não colocarem Deborah secco em evidência fez com que sua atuação ficasse mas natural já que ao tem pressão em cima dela a isis tbm e ótima nasceu para ser protagonista.

Andressa Mattos M. disse...

Sérgio, eu acho que a novela poderia ser excelente, mas o excesso de situações forçadas e a fragilidade do roteiro a impediram de ser. Concordo que a trilha é impecável, o elenco é bom e relembrar a década de 70 é uma delícia, mas o enredo e os personagens prejudicam o conjunto. Tudo soa forçado. Um beijo e bom domingo.

Anônimo disse...

Acho a novela uma paródia mal feita de um folhetim.

Paulo Ricardo disse...

Depois de escrever sobre "A Viagem" uma novela com N maiúsculo você vem falar de uga-buga ou seja lá como se chama essa droga. Daqui a pouco você vai colocar também no mesmo balaio as outras duas bagaceiras Imperio e Geração brasil, vou te contar viu...

Sérgio Santos disse...

Respeito sua opinião, Ana.

Sérgio Santos disse...

Tudo bem, anônimo.

Sérgio Santos disse...

Tb tenho gostado mt de Boogie Oogie, Paulo. Está bem bacana de se acompanhar e o bom ritmo e a boa música são bons ingredientes pra deixar tudo melhor.

Sérgio Santos disse...

Fernando, entendo essa questão das fragilidades do roteiro e até citei algumas delas no texto, mas por enquanto não me incomoda porque os demais acertos estão mais fortes. Mas nem dá pra comprar com O Rebu mesmo porque aquela novela é espetacular. Comparar é covardia. bjs

Sérgio Santos disse...

Ok, anônimo.

Sérgio Santos disse...

Barbie, acho que vc iria gostar.

Sérgio Santos disse...

O Rebu não tem como ser comparada com as demais porque o nível é infinitamente superior. Mas se vc acha mais ou menos, ok, sua opinião, sue gosto, Thallys.

E claro que Sandra é a melhor mocinha no ar, a das onze não tem mocinha, a das sete sumiu porque os autores não souberam conduzi-la e a das nove é uma panaca. Sandra está em grande vantagem e é uma mocinha que eu amo, bem diferente da Cristina. É topetuda e arrogante quando quer pisar em quem tenta se impor.

Boogie Oogie é uma ótima novela e até agora está uma delícia de ser acompanhada.

Sérgio Santos disse...

Tb tenho gostado, Fernanda P. Bjssss

Sérgio Santos disse...

Gosto das duas, anônimo, mas O Rebu humilha todas as outras. Nem se compara. É uma produção impecável. Quem critica arruma motivos bobos e infundados. Seria mais honesto dizer que não gosta e pronto, não arrumar justificativas bestas.

Sérgio Santos disse...

Realmente, William, essa questão da troca de bebês ficou mal contada e ficou forçada. Mas não me incomoda, só que entendo quem critica.

Sérgio Santos disse...

Gustavo, acho O Rebu de longeeeee a melhor no ar. Mas depois vem Boogie Oogie. Império tá piorando gradativamente e a das sete já não tem mais jeito.

Pois é, o excesso de coincidências e forçações prejudicam o roteiro, não há como negar. Mas, até agora, isso tem ficado pequeno. Tb acho o Pedro um dos pontos negativos da novela. Giulia está ótima e a Deborah finalmente ganhou uma personagem diferente e tá se saindo bem. Chega de periquete interesseira. Acho a Negrini bem, mas a personagem é cansativa e repetitiva. Fora que essa questão da troca soar mt forçado.

Mas a novela tá bem bacana e tenho gostado mt. abçsssss

Sérgio Santos disse...

Bia, a novela é boa, né? Tb gosto mt. E não li ainda, mas fique tranquila que lerei. bjsssss

Sérgio Santos disse...

Entendo, anônimo. abçs

Sérgio Santos disse...

Anônimo, não acho que o Ibope de Pecado Mortal tenha sido fraco pq não passou na Globo. Claro que se passasse daria mt mais, mas ela ao menos poderia ter ficado com os 10 pontos almejados pela Record. Mas ela não fez sua parte.

Sérgio Santos disse...

Pantanal foi um clássico, anônimo, mas Corpo Santo não vi.

Sérgio Santos disse...

Entendo, Milene. Tem uns personagens que eu amo e outros que acho um saco. Suzana é uma que acho um saco. A Inês por enquanto não tem vida, ela vive a vida dos outros, mas gosto da personagem. A aproximação de Madalena e Vicente é um acerto. Enfim, vamos aguardar! bjs

Sérgio Santos disse...

Acho a Isis uma excelente atriz, anônimo, e estava cansado de ver a Deborah se repetindo o tempo todo, portanto gostei dela nesse novo perfil.

Sérgio Santos disse...

Sim, Kellen, essa situação é meio furada, né. rs Mas a novela é boa! bj

Sérgio Santos disse...

Interessante, Vitor.

Sérgio Santos disse...

Ok, Marilene. =) bjs

Sérgio Santos disse...

Veremos, Felis. Abçsss e boa semana!

Sérgio Santos disse...

Concordo, Celio.

Sérgio Santos disse...

Andressa, sim, entendo o que vc quer dizer. Muita gente enfoca isso mesmo. Mas tenho gostado bastante. bjsssssss

Sérgio Santos disse...

Já li isso antes, anônimo. Em algumas situações até parece msm.

Sérgio Santos disse...

Não dá pra agradar a todos, Paulo. Abçsss

Raquel disse...

Fala, Sérgio!

Gosto de Boogie Oogie, mas acho a trama apenas "boazinha". Parece aqueles filmes bobos de seçao da tarde que a gente desliga o cérebro em frente da TV. Estou começando a achar que o sucesso da novela até agora tem se dado principalmente ao estado de degraça que tem assolado as novelas da Globo nos últimos meses. É a novela melhorzinha ambientada numa época interessante, com bons atores e num momento difícil pra dramaturgia da emissora. Sorte do autor, eu acho.

Gostei também do fato do Rafael já ter descobrido a troca de Sandra e Vitória. Isso mostra que o autor tem um plano e sabe pra onde a novela vai; sem medo de ir evoluindo os pontos principais da história. Mais um ponto positivo pra ele.

No mais, acho Boogie Oogie mais novelão rasgado do que Império. Mas tenho que admitir que é a novela mais redondinha da atualidade (não acompanho Rebu, então não sei). Talvez por ser novato na Globo, Rui Vilhena ainda parece se divertir ao escreve novelas... E isso se reflete da obra.

Alexandra disse...

Regular, Sérgio, não acho nada de tão impressionante. A trama é clichê mas felizmente é bem desenvolvida e o elenco salva tudo. Um dos melhores dos últimos anos. Giulia Gam está dando um show depois da Bárbara Ellen (sempre dando um jeito de mencionar Sangue Bom, viu como amo essa novela? rs), Betty Faria e Francisco Cuoco contracenando juntos novamente é um deleite, além de Isis Valverde (perfeita sempre), Thais de Campos (ainda bem que voltou!), Letícia Spiller, Bianca Bin, Alessandra Negrini e principalmente, Deborah Secco. Salvam a novela. Só acho que deveriam colocar mais espaço para Zezé Motta e Ana Rosa, ver esses monstros sagrados como domésticas é dose heim. Mesmo não achando espetacular, pra mim é melhor que Império, que na minha opinião está patinando.

Anônimo disse...

Quem gosta disso não tem moral pra abrir a boca pra falar de O Rebu. Aliás, tinha que ter vergonha de ousar dizer!

Thallys Bruno Almeida disse...

Exatamente, eu amo a Sandra porque ela corta sempre quando outros idiotas tentam pisar e crescer pra cima dela e com motivo, não em tempo integral. Arrisco dizer que esse pode ser um dos melhores papeis da Isis.

Sobre a Cristina, bem, olhando o atual momento, acredito que o problema é outro, que até vc mesmo disse: a novela decaiu. Muita coisa ali tá estagnada. Sem história. E a Cristina idem. Ela não teve uma cena útil sequer depois do beijo do Vicente, tá tão avulsa que nem pra dizer que ela é idiota dá. Outra promessa que o Aguinaldo não cumpriu - lembra que ele disse que o público torceria por ela?. Aliás, não tem nada, a novela não anda. Se alguma coisa anda ali, é Maria Marta e olhe lá. Andreia Horta, então, tá sem história desde bem antes (no caso, a transição de fases na primeira semana). Cadê as irmãs disputando o Vicente? Cadê a Cristina embarcando de vez na grana? O que eu vi é que ela assumiria o Vicente e mandaria o Fernando pastar. Aguinaldo precisa rever isso aí antes que seja tarde.

Raquel disse...

Falando sobre Império, já que o Thallys deu a deixa, acho que o problema é que Agnaldão resolveu focar no romance aguado de José Alfredo e Maria Isis. Acho incrível que alguém torça por um relacionamento assim, mas parece que tá fazendo sucesso e Agnaldo tá aproveitando. Parece que só esse lado da história está andando enquanto o resto está às moscas.

Mas pelo Cristina tem um par romântico pelo qual dá pra torcer. Ela e Vincente formam um casal fofo e são o único casal digno de torcida dessa novela. O resto pode morrer afogado no riachinho de Em Família.

Sérgio Santos disse...

Eu tb não acho nada de espetacular, Raquel, mas é boa. Mas a melhor novela no ar em todos os aspectos é O Rebu e pena que vc não acompanhe. Mas o Rui tem escrito uma trama bacana, apesar das situações forçadas que ainda não comprometem a história.

Sobre Alfredo e Isis, não vejo graça no casal. Mas tb não vejo na Cristina com Vicente. A novela tá piorando. bj

Sérgio Santos disse...

Concordo com vc, Alexandra. E tb acho que Ana e Zezé tinham que ser mais valorizadas. E que saudades de Sangue Bom! Tb amava a novela. Tb acho melhor que Império que anda mal mesmo. bj

Sérgio Santos disse...

Tb sou fã de O Rebu, anônimo.

Sérgio Santos disse...

A Andreia Horta, Thallys, parece ter entrado numa furada. E a novela está fraca e sem atrativos.

Elvira Akchourin do Nascimento disse...

De uns tempos pra cá, a única trama de Boogie Oogie é a troca das bebês na maternidade. Bianca Bin exagera no papel, Ísis Valverde e Marco Pigossi estão bem.

Sérgio Santos disse...

Pois é, Elvira, só se fala desse assunto, o que cansa, convenhamos. Eu tô gostando da Bianca, assim como da Isis e do Marco. bjssss

Izabele Ferreira disse...

É tudo novela, mas de fato, talvez o de boogie oogie seja um público especial.

Sérgio Santos disse...

Izabele, obrigado pelo comentário.