sábado, 2 de novembro de 2013

Com um final coerente e emocionante, "Sangue Bom" fecha seu ciclo e sai de cena honrando suas inúmeras qualidades

A novela das sete que abusou da complexidade de seus personagens, da metalinguagem na história, do ótimo texto e da crítica ao mundo das celebridades fechou seu ciclo. Com 160 capítulos exibidos, "Sangue Bom", dirigida por Dennis Carvalho, chegou ao fim abusando da emoção e do bom humor, características que marcaram a trama desde o primeiro capítulo. E o telespectador que acompanhou, torceu, chorou, riu e se envolveu com esse folhetim com certeza terá boas lembranças para guardar.


A história de Maria Adelaide Amaral e Vincent Villari foi a primeira novela inédita da dupla ---- a anterior ("Ti ti ti") era um remake, assim como "Anjo Mau", cujo autoria era somente de Maria Adelaide, já que Vincent na época era só colaborador. E essa estreia foi em grande estilo. Os autores conseguiram apresentar todos os elementos clássicos de uma novela das sete e ainda souberam brincar com muitas críticas sociais que eram inseridas na obra de uma forma ácida e totalmente real.

Através da Amora (Sophie Charlotte), a personagem que carregou a trama, foi abordado o conflito entre o 'ser' e o 'ter', em meio ao 'submundo' das celebridades, que servia como pano de fundo para toda a história central. A patricinha vivia de sua imagem, apresentava um programa que falava sobre a rica vida
dos famosos, chamado 'Luxury', e ainda tinha que fingir que era amiga de Lara Keller (Maria Helena Chira), rival que sempre quis roubar seu lugar. Para culminar, sua mãe (Bárbara Ellen - Giulia Gam) era, além de uma péssima influência, uma atriz decadente e que fazia de tudo para aparecer, incluindo adotar crianças.

O 'jornalismo-fofoca' foi muito bem explorado dentro dessa situação através da ferina Sueli Pedrosa (ótima Tuna Dwek), uma repórter faminta por desgraças e polêmicas da vida das celebridades que comandava um programa sensacionalista. Qualquer semelhança com a realidade não era mera coincidência. E ainda houve uma divertida abordagem em cima das mulheres-fruta. A participação da Mulher Mangaba (Ellen Roche) agradou tanto que a atriz ficou no elenco fixo e ganhou até músicas para cantar.

Mas além dessa inspirada crítica ao mundo das celebridades, a novela soube usar a metalinguagem para rir da própria teledramaturgia. "Avenida Brasil", "Cheias de Charme", "Caras & Bocas", "Vale Tudo", "Belíssima", "A Próxima Vítima", "Senhora do Destino", enfim, várias novelas foram lembradas e homenageadas. Tina (Ingrid Guimarães), Damáris (Marisa Orth) e Bárbara Ellen foram as principais protagonistas dessas situações. Vale lembrar a vingança de Tina, que até vestiu um uniforme de empregada idêntico ao de Nina, e os diálogos entre Damáris e Nice (Izabela Bicalho), quase sempre fazendo referência às empreguetes.

O drama também foi abordado de forma competente. A dor do abandono, o rancor, o ódio, a mágoa, o sofrimento, o passado que nunca conseguia ser esquecido, os amores, enfim, todos os sentimentos foram tratados com muita sensibilidade. Os personagens que mais apresentaram dramas ---- incluindo um passado condenável ---- foram Wilson (Marco Ricca), Glória (Yoná Magalhães), Irene (Débora Evelyn) e Simone (Andreia Horta). Mas Érico (Armando Babaioff), Verônica (Letícia Sabatella), Renata (Regiane Alves), Fabinho (Humberto Carrão), Bento (Marco Pigossi) e, claro, Amora, foram outros que abusaram da dramaticidade. As relações e os conflitos foram tão envolventes e sofridos que não tinha como o telespectador assistir sem se emocionar.

A ambiguidade foi outro ponto bem colocado na história. Praticamente todos os tipos apresentados não eram só bons ou só maus. Amora foi sem dúvida a personagem mais complexa e controversa da história, carregou inúmeros dramas nas costas, e Sophie Charlotte se entregou por completo. A 'it girl' era uma mocinha que tinha várias atitudes de vilã e despertou uma avalanche de sentimentos no público, principalmente quando expôs por completo seu lado frágil e humano na reta final. Fabinho também foi um tipo repleto de controvérsias e Humberto Carrão soube incorporar perfeitamente um 'bad boy' que fez muita coisa errada na vida e que, posteriormente, soube dar a volta por cima e mudar por um amor.

O seis jovens protagonistas fizeram bonito e os casais despertaram várias torcidas. Além dos já citados Amora e Fabinho, Bento, Malu (Fernanda Vasconcellos), Giane (Isabelle Drummond) e Maurício (Jayme Matarazzo), formaram um ótimo time e honraram a confiança dos autores. Só é de se lamentar que Giane, além de ter tido algumas características esquecidas --- vide sua paixão pelo futebol ---- tenha demorado tanto para crescer na história e que Maurício não tenha tido uma trama individual mais aprofundada. Porém, não há dúvidas de que houve uma boa evolução quando ambos se apaixonaram. A linda relação entre Malu e Maurício foi ficando cada vez mais bonita, enquanto que Giane e Fabinho foram misturando declarações apaixonadas com provocações, intensificando o charme do casal e a química da dupla. Já Amora e Bento demonstraram sintonia desde o primeiro capítulo, deixando claro o forte amor que os unia.

O elenco foi muito bem escalado e ainda contou com boas surpresas. Sophie Charlotte e Humberto Carrão foram os atores mais exigidos do sexteto central e corresponderam plenamente. Isabelle Drummond, Fernanda Vasconcellos, Jayme Matarazzo e Marco Pigossi também brilharam e o time de protagonistas foi muito bem defendido. Herson Capri, Yoná Magalhães, Débora Evelyn, Marco Ricca, Armando Babaioff, Letícia Sabatella e Regiane Alves mostraram o quão são talentosos, enquanto que Marisa Orth, Ingrid Guimarães, Joaquim Lopes e Giulia Gam comprovaram a facilidade que têm no humor, sendo os responsáveis pelos momentos mais hilários da novela. Carla Salle (a fútil e idiota Mel) ----- revelada em "Malhação" ----, Tatiana Alvim (a talifã Socorro) e Samya Pascotto (a inteligente Tábata) foram gratas surpresas.

Luis André Alvim divertiu na pele da Mulher Pau de Jacu e sua participação foi crescendo merecidamente ao longo da história. Carmem Verônica (Karmita Lancaster) só ficaria alguns capítulos, mas sua cativante atuação fez com que ela permanecesse até o final. Sylbeth Soriano, Edwin Luisi, Cris Nicolotti e Wandi Doratiotto conseguiram se destacar vivendo Sandrona, Tio Lili, Odila e Nestor, mesmo tendo poucas aparições. Noemi Marinho fez uma doce Margot e merece mais oportunidades na televisão. E impossível não falar da participação arrebatadora de Andreia Horta, interpretando Simone, que protagonizou a cena mais emocionante da história ao lado de Sophie Charlotte, quando a patricinha perde a irmã vítima de leucemia.

Entretanto ---- abusando do clichê, uma vez que havia a floricultura 'Acácia Amarela' na trama ----, nem tudo foram flores. O prólogo da história foi longo demais e o público tinha a sensação de que tinha algo prendendo a evolução dos acontecimentos. Nada parecia sair do lugar. Bento não foi bem desenvolvido, ficou insuportável com seus discursos politicamente corretos e sua burrice ultrapassou muitos limites. O drama de Felipinho teve um destaque excessivo, Josafá Filho não convenceu e o personagem era um tipo irritante. Para culminar ainda houve uma polêmica envolvendo o ator que acabou sendo afastado da história. A trama envolvendo Perácio (Felipe Camargo), Brenda (Letícia Isnard) e Rosemere (Malu Mader) não foi muito bem desenvolvida e quando foi desdobrada não empolgou, apesar do ótimo desempenho dos atores. Tina foi uma personagem divertidíssima, mas parte de sua história --- envolvendo o trauma do casamento e sua internação em um manicômio ---- foi cansativa.

Os seriados 'Sangue Bom' e 'Família Calabresa' valeram para criticar os formatos que abusam de romances vampirescos e do humor rasteiro, porém, não demorou muito para começar a irritar, incluindo o personagem Vitinho (Rodrigo Lopez), que não tinha graça nenhuma. Madá (a sempre bem Fafy Siqueira) entrou na história repleta de piadas ácidas e abusando do sarcasmo, mas infelizmente a mãe de Bárbara Ellen acabou virando uma puxa-saco da Malu e perdeu o humor que tinha, ficando desinteressante. E Rômulo Arantes Neto mostrou que continua fraco e como ator é um ótimo modelo. Tito era um bom papel e era o misterioso sabotador que movimentou as semanas finais, mas não rendeu o esperado por culpa da falta de talento do intérprete.
Alguns atores não foram devidamente valorizados. Vide Louise Cardoso, Daniel Dantas, Norival Rizzo, Tarcísio Filho e Mayana Neiva, além da própria Malu Mader, que foi tendo sua participação diminuída depois que Felipinho se ausentou da história.

Porém, os deslizes ficaram muito pequenos diante da grandiosidade de "Sangue Bom" e o último capítulo fechou com chave de ouro esse excelente folhetim. A coerência prevaleceu em todos os finais, deixando tudo bem explicado e evidenciado para o público. Tito era o sabotador que agiu a mando de Lara Keller. A rival de Amora queria prejudicá-la para voltar ao comando do 'Luxury' e tentou matar Malu porque nunca se conformou com o fato de Maurício tê-la rejeitado por causa do sentimento que sentia pela filha de Plínio. Fabinho deu um murro em Tito e um tapa em Lara, que também apanhou de Amora. A dupla acabou protagonizando mais uma situação semelhante no final, enfatizando o quanto que os papéis apresentaram desenvolvimentos parecidos.

E a 'ex-it girl' finalmente saiu da prisão, expulsou Bárbara Ellen de sua vida na frente de Sueli Pedrosa e começou a ganhar a vida como professora de inglês. A protagonista ainda andou de ônibus sem reclamar e passou a se dedicar aos sobrinhos. Ela tentou voltar para Bento, mas o rapaz recusou e precisou se libertar. Bento, por sua vez, beijou Malu e ambos concluíram que a relação ficou fraternal mesmo e que eles ficariam juntos sempre, mas não como casal. O ciclo foi fechado de uma forma muito bonita. Damáris e Lucindo, honrando o posto de dupla mais esquizofrênica da história, estabeleceram um relacionamento aberto e que era a cara deles. Lara Keller respondeu por seus crimes em liberdade e ainda se candidatou a Deputada Federal, refletindo bem a podridão do país. Tina, Bárbara e Vitinho entraram em um reality chamado "A Que Ponto Chegamos" (denominação perfeita, diga-se) e a personagem de Ingrid Guimarães teve um surto e começou a bater panelas dentro da casa, cena hilária inspirada na participante de mesmo nome que agitou o "BBB 2". Giane e Fabinho continuaram entre tapas e beijos e protagonizaram uma divertida sequência quando ela pega o buquê jogado por Mulher Mangaba (a única personagem que se casou --- com Nelson --- no final) e depois arremessa para Mulher Pau de Jacu, deixando claro que aquilo era coisa de mulherzinha, para a 'indignação' do ex-bad boy. Malu e Maurício finalmente se acertaram e iniciaram um namoro sem insegurança e medos. Érico e Verônica resolveram partir do zero: o empresário se 'apresentou' novamente para seu grande amor e pediu para conhecê-la melhor, tendo sua proposta plenamente aceita.

Já Amora e Bento tiveram um desfecho apropriado e muito tocante: após uma passagem de tempo, Bento faz um protesto junto com a população (todo o elenco da trama), onde todos cantam o tema de abertura da novela ("Toda forma de amor", original de Lulu Santos). Lá o rapaz acaba vendo Mayara (uma clara alusão ao seu amor de infância) no meio das pessoas e acaba achando Amora. Os dois se olham, congelam e mostram que irão mesmo se amar de 'janeiro a janeiro e até o mundo acabar' (linda música- tema deles, cantada por Nando Reis e Roberta Campos). Foi exatamente a mesma situação vivida pela dupla no primeiro capítulo. A história acabou deixando em aberto esse recomeço, que será marcado por um novo ciclo, dessa vez sem desconfianças e armações, mas com o mesmo sentimento que sempre os uniu. Ainda foi exibido uma compilação de fotos com todos os atores que participaram da novela, fechando a obra da melhor forma possível.

"Sangue Bom" saiu de cena entrando para a lista de maravilhosas produções que, infelizmente, não foram valorizadas pela audiência. A trama marcou 26 pontos no último capítulo ---- dois a menos que "Guerra dos Sexos", cuja média geral foi de 23 pontos ---- e ficou com uma média geral de 25 pontos, cinco abaixo da meta estipulada para o horário e o mesmo alcançado por "Aquele Beijo", considerado um fracasso. Entretanto, apesar do baixo ibope, Maria Adelaide Amaral e Vincent Villari cumpriram o que prometeram e exibiram uma novela linda, sarcástica, com uma trilha sonora maravilhosa, com um primoroso texto, repleta de ótimos personagens e que envolveu o telespectador do início ao fim. Quem acompanhou essa deliciosa história --- muito bem dirigida por Dennis Carvalho --- guardará na memória tudo o que viu e sempre terá boas recordações. Obrigado, autores, foi bom demais!

172 comentários:

Lucas disse...

Boa noite, Sérgio

Muito bom esse seu texto. Concordo com tudo que você disse. Parabéns pelas criticas sempre construtivas e coerentes. Nesse debate eu vou adicionar duas coisas que eu percebi no capítulo final. Primeiro, a cena em que a Amora da aula de inglês. Não sei se você reparou, mais no quadro estava escrito My name is Mayara. Essa mensagem expôs claramente a transformação interna de Amora para Mayara. A segunda cena foi o reencontro de Bento e Amora. A cena teve foi muito importante porque primeiro o Bento viu a sobrinha Mayara. Repare que os autores quiseram demonstrar a volta da pureza, da simplicidade e do amor de infância de Bento e Amora através da sobrinha dela. Para mim ficou muito claro isso. Depois eles se olham, ambos se dando conta que se amam e que o amou renasceu dentro deles. Ali começa o recomeço para eles, despidos de todas as suas camadas e apenas com uma certeza, o amor deles durar para sempre. Essa cena é pontapé inicial para redescobrimento deles, mas sem perder a essência do amor que eles descobriram na infância. No fim, Bento e Mayara reiniciaram uma nova história, que agora será escrita de maneira diferente. A única coisa que eu não gostei nesse capítulo final foi que não tocou De Janeiro a Janeiro. Mas pelo belo desfecho, isso foi um mero detalhe. Parabéns aos autores por nos brindarem com uma novela incrível, do inicio até o fim.

Thairys Moreno disse...

Olá Sérgio! O último capítulo realmente foi muito bom, gostei do desfecho, o final de Amora na trama mostra que sempre é possível recomeçar, gostei do desenvolvimento dos autores em relação a Amora e Fabinho, não os transformando em santos, mas em pessoas que podem se arrepender e tentar melhorar como pessoas através do amor.
Bento na minha opinião foi um personagem cansativo e chato, e continuou assim até o final, passou a novela inteira girando ao redor de Amora, o típico bobão, sei lá, mas esperava um desfecho mais interessante pra ele.
Adorei o final entre Malu e Maurício, o casal me conquistou com o tempo, muito fofos.
Giane e Fabinho nem se fala, o melhor casal da trama na minha opinião, adoro o jeito marrento dos dois, além da evidente química entre eles, os dois arrebentaram na novela.
De resto sem muitas colocações, concordo com o que falou em relação aos outros personagens.
E que agora venha, Além do Horizonte!
Beijos e ótimo final de semana.

Letícia disse...

Meu caro Sérgio,

esperava por este post assim que vi a última cena de Sangue Bom, se lembra que foi a resposta que me deu, e reconheço que foi muito bonito vê os dois, Bento e Amora, terminarem apensa se olhando. Você acerto e tiro o chapéu para isso.

Como lhe disse antes, gostei de Sangue Bom, mas não foi uma das minhas favoritas, mas isso pouco importa. A novela teve suas qualidades, gostei muito do uso constante de citações há outras novelas. Aliás, a autora já tinha feito isso no remake de TITITI, quando o personagem do Murilo Benício, Ari, sempre se referia a Susana de Malu Mader como "A Fera Radical", ou "A Justiceira".

Gostei muito do final de Érico e Verônica, achei de uma delicadeza, aliás, gostei da química dos dois atores. Para mim, a Globo, deveria apostar mais no Armando Babaioff, é um ótimo ator, na minha opinião, e que tem uma sensibilidade que me encanta. Letícia Sabatella é sempre uma delícia de se vê atuando.

Gostei muito do final da Renata da Regiane Alves, ela se redescobrindo em um novo lugar.

A novela teve um belo elenco nos atores veteranos, os seis jovens protagonistas estavam bem acompanhados neste aspectos, o time de atores começando pela Giulia Gam, Malu Mader, Marcos Ricca entre outros apenas enriqueceu e deram o amparo a mais a trama.

Foi uma delícia ver Carmem Verônica, adorei ver a veterana atriz de volta as novelas, gosto muito de sua forma de atuar, a acho bastante engraçada, espero vê-la em breve na telinha novamente... e
como Karmita Lancaster, uma empresária super de bem com a vida, foi perfeita, adoraria ter uma avó assim. Com o conselho certo no momento certo...

O final de Vitinho, Barbara Ellen e Tina não poderia ser melhor, quando vi a personagem de Ingrid Guimarães entra no really com aquela panela me lembrei imediatamente da Tina do BBB2, mais uma referência que os autores usaram e o nome era realmente adequado e sugestivo.

Sobre a direção de Denis Carvalho, aliás sou suspeita porque sou fã do diretor, gosto muito da maneira como dirige suas novela, vide Lado a Lado e não preciso dizer mais nada. E como marca registrada a homenagem aos atores que participaram da trama, com a fotografia deles no final.

Sérgio, um ótimo final de semana e até a próxima...

paulo disse...

Mais uma novelinha esquecível, ibope lá embaixo, a cara das produções atuais da globo. Entendo sua empolgação, Sergio, mas pra quem já assistiu grandes novelas das 7 no passado essa tal de Sangue Bom e afins não desce mesmo. A próxima parece ser tão ruim quanto. Acesso o seu blog só porque me divirto com seus textos empolgadíssimos, mas você sabe do meu gosto, né?
Abrçs!

Lirio disse...

Oi,

é a primeira vez que vejo seu blog e li várias postagens.
Concordo com suas críticas, acho que a personagem da
Ingrid Gumarães se perdeu um pouco na trama, bem como a Madá.
O que me incomodou muito foi o final da Lara Keller, pois achei meio absurdo. Queria que antes de aparecer as fotos tivesse passado aquelas legendas do futuro, sabe? Uma forma de "explicar" o futuro dos personagens, pois sempre sinto falta, além de ficar indignada com a impunidade sempre presente.
Vou postar aqui o link do que escrevi sobre a novela, mas não bem uma crítica, mais considerações sobre o que achei. Abraços,

http://ideias.lilienfeld.com.br/post/65736467111/o-que-aprendi-com-novela-sangue-bom

Thallys Bruno Almeida disse...

Que novela, hein. Que novela. Mesmo não sendo exatamente um estouro de ibope, foi uma trama tão sensacional que arrisco dizer que mexeu com minha emoção mais até do que a tão aclamada Avenida Brasil. Tantos fãs nas redes sociais e blogs defendendo com unhas e dentes seus protagonistas favoritos. É muita coisa pra se dizer, então se prepara que a coisa é longa, rsrs.

Bento e Amora, como sabe, nunca me agradaram, mas gostei do final em aberto, deixando a sensação no ar de como pode ser esse recomeço, agora sem tantas amarras. Quanto à Malu, gostei mesmo da cena em que ela se entrega de vez pro Maurício (uma vez que quanto Bento começou a me irritar de vez direcionei minha torcida pro filho de Verônica). Foi bem mais saudável pra ela, evitando o risco de viver eternamente com a sombra de Amora, como ela mesmo disse no capítulo de ontem. Nenhuma pessoa aguentaria isso. E Giane e Fabinho sendo de longe o melhor casal protagonista, cheios de ironias e provocações entre si, mesclando tudo isso com amor e desejo mútuos.

Quanto aos protagonistas, já falei, refalei, trefalei, rsrsrs. Sophie, que nunca fui fã, me conquistou da metade da trama pra cá e sai com um saldo positivo ao carregar a personagem mais emblemática da carreira e da trama (embora não tenha tido simpatia por Amora). Fernanda, por sua vez, mesmo com mais uma mocinha, mandou muito bem (foi a que mais me cativou, vc sabe) e protagonizou ótimos embates com a Sophie e a Giulia Gam e belíssimas cenas com Pigossi e Matarazzo. Cada embate mostrou a capacidade que ela tem de viver tipos diferentes e ela os merece PRA ONTEM. Ela mesma já manifestou que gostaria de viver uma vilã numa entrevista ao Terra. E existem autores que investem nisso de "tirar estigmas de eterno-mesmo-papel". Isabelle, por sua vez, sendo a mais talentosa das três, confirmou o carisma e o talento de sempre (e é outra que tbm quero fazendo vilã). Carrão foi o melhor dos três masculinos de longe. Matarazzo começou fraco, mas cresceu quando Maurício e Malu começaram a se aproximar. Pigossi mandou bem, apesar do Bento ter sido pra mim o mais irritante dos três homens protags.

Entre os coadjuvantes, destaco Giulia Gam. Desde a Diva (A Favorita) ela não fazia uma personagem impactante (ou mesmo desde Heloísa de Mulheres Apaixonadas), sendo que nos três últimos anos só fez praticamente pontas. Bárbara foi a grande mentora de toda a bandidagem que Amora aprontou e ainda foi uma personagem importantíssima na crítica interna sobre a fama, representando perfeitamente a fogueira de vaidades que existe por trás das câmeras. Aplaudo ainda Marisa Orth e sua Damaris/Gladys, na qual vi uma ótima sátira do fanatismo religioso que vem dominando a cena política atual. Não lamento nem um pouco a repetição do caso de Bang Bang (a beata que vira prostituta) porque aqui foi BEM melhor desenvolvido. Meu elogio tbm pra Marco Ricca, Edwin Luisi, Cris Nicolotti, Wandi Doratiotto, Deborah Evelyn, Herson Capri, Yoná Magalhães, Regiane Alves, Joaquim Lopes, Tatiana Alvim e Samya Pascotto. É muita gente pra mencionar.

Acho que eu nunca vi tanta homenagem a outras novelas quanto agora em Sangue Bom, ainda mais que MAA foi colaboradora do Sílvio de Abreu e Villari do JEC (e o JEC tbm foi colaborador da MAA).

Foi delicioso demais ver Carmem Verônica de volta numa personagem fantástica, pronta pra viver a vida do modo mais alegre possível e incentivar quem lhe rodeia a fazer o mesmo. Verônica e Érico emocionaram ao "se conhecerem" de novo e Renata ganhou a chance de finalmente ser feliz.

Thallys Bruno Almeida disse...

(continua)

A representação do mundo da fama foi perfeita. Bárbara como a atriz-canastrona-decadente; Socorro como o tipo perfeito de talifã obcecado pelo ídolo mas na primeira "burrada" do mesmo é capaz de odiá-lo com a mesma proporção; Tabata representando as assessorias de imprensa que mais atrapalham do que ajudam; Sueli Pedrosa representando os jornalistas de celebridade inescrupulosos (alguns inclusive bem na nossa cara na vida real); Vitinho como o diretor ególatra que acha que é mais gênio e mais poderoso do que todo mundo; os programas trashes; os realities onde os tipos esc***** têm grande preferência do público (crítica até interna, é só ver parte dos vencedores do BBB); as mulheres-fruta... Aliás, fico feliz pela Ellen Rocche ter ficado até o fim porque agora ela fez da Mangaba uma personagem muito além da simples gostosona: divertidíssima, carismática, maravilhosa.

O que não gostei foi a Saga Sangue Bom em si e os dois maiores erros da novela:
> Josafá Filho, que ganhou um imerecido destaque fazendo de Felipinho um personagem horrendo, que acabou tendo mais destaque pela polêmica que provocou. E ainda deixou Malu Mader e Tarcísio Filho quase sem fazer muita coisa.
> Rômulo Neto, sem exagero, o pior ator da Terra.

Pena que ele tenha ganho essa "honra" imerecida de ser o sabotador, mas compenso isso porque o vejo mais como um ***-mandado da Lara Keller (a linda da Maria H. Chira). Como ela queria Maurício e tentou se aproximar do Caio, provavelmente já sabia do envolvimento dele com a Giane, tentou de uma tacada só prejudicar as três protags (sufocar Giane, tentar matar a Malu por causa do Maurício e botar a culpa das duas em Amora com ajuda da Socorro). E a filiação dela pra deputada federal foi mais um gancho perfeito pra retratar a baixeza do atual cenário. Lara "KILLer" foi épico... hahahahaha

É visível o carinho de Dennis Carvalho pelo elenco da trama ao encerrar o capítulo com os rostos dos mesmos.

No fim das contas... uma novela GENIAL. SENSACIONAL. MAA e Villari estão de parabéns por terem criado uma trama fascinante, que superou de muito longe sua antecessora e vai deixar saudades e um público fiel. Deixo meus parabéns para o delicioso texto dos autores, a precisa direção de Dennis Carvalho, o talento dos atores, de protagonistas a coadjuvantes e toda a equipe que participou dessa novela épica! Nota DEZ! CEM! MIL! DEZ MIL! CEM MIL! hahahahahahaha. abç!

Danuza disse...

Sérgio, desculpe discordar desta vez. Mas não achei o final desta novela nada coerente. Sobretudo, o final de Malu. Foi um tanto forçado o final dela com Maurício. Nada tenho contra ator e personagem, apenas achei que a trama deles era linda no começo, mais pareciam amigos do que apaixonado. Isso senti por Bento e Malu. Madá passou metade da novela empurrando Malu para Bento e no fim e de repente passa a empurrá-la para Malu. Cadê a coerência nisso? Ficar subtendido que Bento terminaria com Amora/Mayara, não me surpreendeu em nada. No fim das contas a mensagem dada pela novela, não prevaleceu. Na minha opinião. Me convenceu muito mais a regeneração de Fabinho, do que da Amora que foi super forçada. No mais à novela terminou sem grandes surpresas, nem mesmo a do tal sabotador. Me decepcionei bastante.

DASFEG disse...

Otimo testo, parabens , essa novela deixará uma saudade enorme ...

carlos disse...

por ora vou dizer se não gostaram ou acharam ruim o sabotador ser tito a mando de lara reclamem com humberto carrão, que com toda a sua grande interpretação e carisma deu aceitação ao fabinho e mudando o sabotador para
Eles dois, nada me tira da cabeça que a idéia inicial era que fabinho estava fingindo pra se vingar e acabaria sendo ele,mas com sua aceitação e também do casal com giane, acabaram mudando pra recuperação dele e mudando o sabotador para tito e lara

MICHELE OLIVEIRA disse...

Sérgio, como sempre , excelente texto.Mas descordo de você, de que a Amora carregou a trama.Que ela teve mais destaque, não há duvida, já que fomos brindados com verdadeiras overdoses de cenas dela, principalmente nas primeiras semanas, o que contribuiu para que a personagem ganhasse boa parte da antipatia do público que a odiou pelo resto da história. Eu particularmente, nunca cai de amores pela Amora e acho que a dubiedade dela , deveria ter sido melhor trabalhada, já que ela foi mais vilã do que mocinha dúbia. Mas enfim, a novela foi realmente linda e encantadora. Me apaixonei por Giane e Fabinho e me encantei, pela doçura da história da Malu e do Mauricio. Apesar do pouco destaque, Mauricio sempre foi fiel e coerente em relação aos sentimentos dele e achei linda a forma como ela se entregou definitivamente para seu grande amor. Ela e Bento, para mim ,sempre foi uma linda relação de amizade e carinho.
Achei bonita a sequencia final, quando o Bento vê a Mayara e em seguida a Amora, dando a entender que desta vez a ex-it era a mesma que ele tanto amou e que sempre iria amar. Vou sentir saudades desta novela e aguardo uma próxima, que me cative tanto quanto.

Patricia Galis disse...

Eu achei essa novela muito legal e o final tbm. Todos tiveram oportunidade e isso é que fez a diferença. Um texto muito bem escrito.

Catarina Schneider disse...

A novela foi incrivelmente bem feita! As cenas, os atores, as críticas, as homenagens... uma novela ótima que vai fazer falta. Falam tanto de audiência, mas eu particularmente não dou bola para isso. Foi tanta repercussão que vi pela internet, notícias a toda hora, paixões pelos personagens, mobilizações, ódio, amor e tantas discussões! Com a internet, as pessoas acabam não vendo a novela no momento que passa mas depois veem pela globo.com! É nítido que esta novela deu o que falar! (rs) A Amora então, despertou todos os sentimentos que existem pois cada um a viu de forma diferente... essa é a graça, uma mocinha fora do comum como ela, foi algo extraordinário. Nunca esquecerei a Amora, a melhor personagem que já vi em uma obra. As lições que ela passou, foram lindas! Obrigada MAA e VV pela novela, pela escolha dos atores (super importante), pela coerência, pela coragem de terem feito uma história assim! Fiquei muito feliz que não cederam a pressão Benlu; foi lindo o desfecho que eles tiveram, se descobrindo em um amor totalmente fraternal, aquilo que nos foi passado durante a novela. Sempre torci pela Amora e fiquei muito emocionada com seu final lindo. Se transformou na Mayara que era, se descobriu, entendeu e superou suas mágoas, aceitou perder o Bento quando ele diz que não tem volta. Deixar Bento e Amora sozinhos foi a decisão mais coerente, eles precisavam disso! Depois de passar o tempo, se reencontrarem daquela forma foi ESPETACULAR! Deveria ter Sangue Bom parte 2 (hehe) para vermos a história nova deles, mas somente aquele olhar... S2 Eles nunca deixaram de se amar... Seria realmente forçado se voltassem e ficassem juntos como família feliz em todos os finais de novela. O final deles foi exatamente perfeito, coerente e delicado. Amei.

Quanto a Malu e Maurício, achei lindo! Gosto da Malu e dele juntos, e não era pela Amora. Realmente a história deles precisava de uma chance de acontecer de verdade, o Maurício merecia a Malu e ela merecia alguém inteiro, alguém como ele. Giane e Fabinho não tem muito o que falar, a história deles já estava resolvida e foi demais a forma como eles se uniram, a regeneração dele, as brigas e beijos (hahaa). Só lamento que o Maurício e Giane ficaram um tempo apagadinhos, sabe lá porque mas depois tiveram ganchos importantes nas suas vidas. A história dos seis protagonistas foi um amarrado de situações que os levavam para perto um do outro, super interessante mas como vc disse a Amora foi a principal, sem dúvidas.

Parabéns aos autores, colaboradores, diretores, equipe de produção (deve ter tanta gente trabalhando nos bastidores q nem sonhamos), os atores, enfim todos os envolvidos. Foi uma bela novela! Vamos ficar todos órfãos! =( Fico feliz que acabou da forma coerente que eu esperava e agora chega de sofrer pela redenção da Amora... UHUL!

Obrigada pela torcida da Amora que vc também teve! Em momentos que eu me desanimava pela redenção que não vinha, vc me dava esperança com seus comentários e textos. Sucesso pra vc! Bj!

A Viajante disse...

Oh, que legal sua retrospectiva. Terminou do jeito que começou. E achei lindo o modo nada óbvio que escolheram para sugerir uma reaproximação de Bento com Amora. Já deixou saudades!!! Beijo, querido!

Elvira Akchourin do Nascimento disse...

Bom texto, Sérgio, mas achei o final com altos e baixos.
Não gostei do desfecho de quem eram os sabotadores da Amora. Preferia que fosse a Bárbara Ellen - seria mais interessante e dramático. Fraca atuação de Rômulo Neto, mais uma vez. Mas foi coerente mostrar a impunidade da Lara, que ainda concorreria a deputada federal.
Muito destaque foi dado a personagens secundários, como os funcionários da agência do Natan.

Gostei dos finais românticos. Sempre achei que Bento e Malu sentiam um amor fraternal, mas foi importante eles de desvencilharem das ilusões. Malu ficou com aquele a quem sempre amou, o Maurício.
Com a passagem do tempo, Amora e Bento voltaram a sorrir e a cena final mostrou uma possível volta do casal, desta vez, cultivando uma relação sadia.
Érico e Verônica juntos foi outra cena bonita. Renata, feliz, mesmo sozinha e buscando novos rumos, foi muito bom.
Damaris mudou da água para o vinho e foi coerente um relacionamento aberto para ela e Lucindo.
Amora se desvencilhando da influência maléfica da Bárbara Ellen foi outro ponto positivo.
Ótima sequência dos personagens reunidos na passeata, ao som da linda música.
Boa crítica à busca da fama a qualquer preço, ao jornalismo sensacionalista e aos realities.

Também não achei bem conduzida a trama de Perácio-Rosemere e considerei fraco o desempenho do Josafá Filho.
Carmen Verônica foi uma ótima presença. Ellen Roche conquistou o público com a humanização da Brunetty.

Pelo conjunto da obra, nota 9.







Elvira Akchourin do Nascimento disse...

Esqueci de elogiar, mais uma vez, o casal Giane e Fabinho. E foi bonito ver a alegria de Plínio e Irene com a futura chegada do bebê.

Fábio Coutinho disse...

Oi Sérgio.Diferente de você, eu não gostei do final.Nunca tive a menor simpatia pela Amora, sempre a detestei, e ela ficar com o Bento, depois de aprontar todas e de mentir, foi muito injusto.Ela nem pagou pelos erros que cometeu, ficou pouco tempo na cadeia.Mas concordo que a Sophie Charlotte atuou muito bem, especialmente na cena da morte da irmã dela, a Simone e a Andréia Horta também deu um show de interpretação.E eu queria que a Malu ficasse com o Bento, uma vez que a história dos dois era muito mais coerente, já que foram separados cruelmente pela Amora.E acho que ela e o Mauricio não tem química nenhuma, achei muito forçado eles ficarem juntos no final e também achei muito infantil o que o Mauricio fez com a Malu, de fazê-la ficar implorando pelo amor dele(lembra de quando a Malu o procurava para se declarar e ele a desprezava?).Enfim, na minha opinião, o final de Sangue Bom foi muito ruim, uma decepção.Mas concordo com você em algumas partes: o núcleo do Perácio, Rosemere e Brenda não foi bem desenvolvido e o Filipinho teve um destaque exagerado na novela e o Josafá Filho não atuou bem nesse personagem.E o núcleo do Vitinho era insuportável, o humor era totalmente forçado e sem noção e o personagem também não tinha graça nenhuma.Sérgio, eu estou te seguindo no Twitter, espero que me siga também, tenha um ótimo dia.

Afra Soares disse...

Excelente texto!!! Parabéns!!! Concordo com tudo. Só acrescento mais dois pontos fracos:
1- O final de Filipinho com Xande foi muito forçado. Xande é hétero e desenvolveu uma relação fraternal com Filipinho ao longo da novela. Pra quê terminarem como um casal??? O Peixinho tinha muito mais a ver com ele.
2- Fabinho e Giane mereciam mais espaço no final. As cenas dos dois nos dois últimos capítulos foram relâmpago. Quase não apareceram e a cena do buquê, apesar de engraçada, não merecia ter sido a cena final deles.

Anônimo disse...

Discordo, a coerência faltou quando o tempo todo mostrou-se um amor entre Malu e Bento, a história deles era mais completa e verdadeira, do que a dela com Maurício, que nem história tiveram direito. Eles sim, tiveram um amor fraternal. Fora que a história de Bento e Malu foi interrompida bruscamente por Amora. Sobre esta personagem, nunca gostei. Apesar da novela ter tentado passar uma mensagem sobre regeneração, a forma como se deu ficou forçada. Bom mesmo foi a empatia e desempenho dos atores Isabelle Drumond e Humberto Carrão, esses sim foram o casal da novela. No mais, 'Sangue Bom' foi uma decepção!

Anônimo disse...

O que eu mais gostei nessa novela foi a crítica ao mundo das celebridades, sempre afiada e divertida. Realmente acho que audiência não reflete qualidade, visto q Amor à Vida é considerado um sucesso e é uma grande porcaria. Enfim, acho que Sangue Bom cumpriu seu papel.

GustavoGM disse...

Ótimo texto. O final da novela apesar de coerente não foi surpreendente. Mais gostei muito.

Ao contrario de alguns comentários, prevaleceu a coerencia no final dos casais. Bento e Amora sempre tiveram uma paixão arrebatadora enquanto Bento e Malu viveram mais um amor fraternal. O verdadeiro amor da Malu sempre foi o Maurício.

Apesar do saldo ter sido muito positivo, tb vi alguns pontos negativos na novela:

1- O elenco gigante. Muitos personagens não ganharam o destaque devido, enquanto outros eram completamente desnecessários. Não lembro quem disse, mas era muito filho e empregada nessa novela. O núcleo da Rosemery e do Filipinho achei bem desnecessário.

2- Atuações fracas de Malu Mader, com seu sotaque ridículo, e Josafa Filho, péssimo ator, sem carisma nenhum e para piorar pegou um papel muito sem graça. O mesmo vale do Rômulo Arantes, pra que a Globo resgatou essa bomba da Record?

3- O mal desenvolvimento do Bento, que virou um tipo irritante e politicamente correto, que no final das contas só aceitou a Amora pq ela cedeu ao que ele achava ser ideal. O mesmo vale sobre a Amora, apesar de gostar muito da personagem, não deixo de ver que os autores perderam a mão na personagem. Sua vilania foi muito mais acentuada do que seus atos bondosos. Sem contar que ela poderia ter adotado um toma mais debochado, esse tom foi bem apresentado na cena em que ela pergunta ao Plínio se ele tá sabendo que a Malu virou piriguete.

4- Outro erro é a Amora com vidinha de classe média-baixa. Sério isso? Venderam durante toda a novela, a menina como super famosa, capa de várias revistas e protagonista de vários comerciais e agora ela fica andando de ônibus e dando aula de inglês? Jura que ela não tem nenhum dinheiro guardado? Nem um apartamentinho no nome dela? Colocaram ela pobre no fim só para o mala do Bento aceitá-la.

Dito isso, esses pontos negativos não tiram o mérito da novela.

Os trunfos da novela foram o texto ótimo e inspirado com um humor mais refinado, assim com a direção, fotografia e trilha sonora. Sem contar o elenco principal bem entrosado e carismático.

Sangue Bom, a melhor novela desse ano sem dúvidas nenhuma, vai deixar muitas saudades.

Neli disse...

Oi Sergio,
é mesmo para agradecer aos autores a ótima história que nos ofereceram.
Ainda estou com os efeitos residuais do último capítulo que amei.Já revi no site, vou rever hoje à noite.
Como você, achei extremamente coerentes os finais dos três casai de protagonistas.Malu e Bento, escrevemos aqui várias vezes ao longo da novela, tinham afinidades, interesses comuns,mas o que os unia era um amor fraterno mesmo, destituído de qualquer atração sexual, da coisa de pele que aproxima um homem e uma mulher.Ficou evidente na cena final dele com Amora, só na troca de olhares e no riso enternecido, o quanto se amaram desde sempre até o reencontro.
Malu amava Maurício desde sempre também.Também confundiu as afinidades com o Bento com outro tipo de amor.Percebeu a tempo o engano e pôde se entregar ao verdadeiro amor pelo e com o Maurício.
Fabinho e Giane também viveram um amor bonito e interessante por conta do jeito marrento de ambos.Mas, na contramão da maioria, pra mim, o principal par amoroso da novela foi mesmo Amora e Bento.E o final sugerido e aberto deles foi bonito demais.
Ri muito nestes meses com as loucutas da Damáris e do Lucindo.Só lamento pela Nice que poderia ter sido muito mais desenvolvida.Figuraça. E que atriz expressiva!
De tudo e todos mais você falou mais e melhor que eu falaria.Não discordo de nada, nada a acrescentar.
Só repetir o agradecimento aos autores, aos atores, à direção, ao responsável pela trilha sonora.
Quro Sangue Bom no vale a pena ver de novo assim que O cravo e a rosa acabar.
Abração pra você.Valeu cada post seu sobre Sangue Bom.Valeu cada troca aqui, no twitter.

Carlos disse...

Vi alguma falhas em Sangue Bom:
1- O pedido de desculpas do Bento ao Fabinho depois de todas as acusações injustas que fez ao Fabinho
2- As faltas de cenas emocionantes entre Plinio e Fabinho depois da descoberta do exame como aconteceu com Bento e Wilson que inclusive apareceu no Mais Voce, com uma relacao tao conturbada entre pai e filho deveria ter tido cenas como igual a de Bento e Wilson
3-Mais cenas entre Fabinho e Giane teve cenas bem interessantes e boas, mas se aproveitou pouco desse casal que fez tanto sucesso ainda mais que começou a ficarem juntos tarde
4-Um pouco mais de cenas emocionantes familiares entre os protagonistas, sé teve brigas,confusões, absurdos, muito poucas cenas familiares bonitas de se ver

Anônimo disse...

Essa flopou total, e não venha com essa de que teve repercussão na internet porque qualquer coisa tem repercussão na net, o que interessa é ibope e isso passou longe.

Janaína disse...

"E agora, que faço eu da vida sem você?"rs Relembrando Caê por causa de Sangue Bom.O que será das minhas noites às 19 horas? Resta aproveitar o horário de verão e ir caminhar porque não consigo entrar em outra história assim sem um período de 'luto'rs.
Meu querido Sérgio, eu amei Sangue Bom. Houve momentos em que odiei por ver meus personagens mais amados Bento e Amora tão maltratados pelos autores.Mas, ao fim e ao cabo, valeu a pena, porque o reencontro do casal, na sequência simbólica que foi, (primeiro ele vê a Mayara, depois a Amora), e aquele 'olhar 42- louco por você' de ambos foi uma cena arrebatadora!
A novela não foi só romance.Não tratou só de encontros e desencontros de amor.O que aliás fez de forma contagiante, emocionante.Foi também um texto divertido e leve,mas crítico.Inteligente.Toda a superficialidade de um segmento amplo da nossa mídia foi posta em xeque.E de forma brilhante. A ideia do Reallity Show com expressões tão cristalizadas dos nossos apresentadores foi um achado. E que delícia foi identificar as citações a outras produções da nossa TV.
Audiência, hoje, é um aspecto que precisa ser reavaliado, repensado.A repercussão de Sangue Bom nas redes sociais, não autoriza ninguém a achar que foi uma trama pouco acompanhada.
Gostei muito também de personagens pouco convencionais como um par de floristas(Bento e Giane)- e sob este aspecto achei uma concessão dos autores ela ter se tornado uma 'modelo'...pra quê??? - ; uma atriz que trabalha como estátua viva e como divulgadora de livros(Irene)...Enfim,personagens de um outro rico universo pouco apresentado em nossas novelas.
Pra mim, foi uma das melhores tramas das 7 da Globo.Vai deixar muita saudade.
Beijos,Sérgio. Fique bem.

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Rafael Barbosa disse...

saudades master já... amei Sangue Bom, achei que foi uma novela encantadora que mexeu comigo do inicio ao fim, acho que ela foi bem mais do que simplesmente entreter e fez criticas, nos proporcionou várias reflexões e deixou belas mensagens. Amei o final, na minha visão é um dos finais mais espetaculares dos últimos anos, driblou os clichês do: Casamento, sequestro, parto, acertos de contas loooongos e da delicadeza e dinamismo prevaleceu. Bento e Malu poderiam ter tido uma longa DR para chegar a conclusão de que não ficariam juntos, mas não, foi tão bonitinho a forma que eles decidiram isso, assim como ela correndo nos braços do Mauricio e os dois se acertando , como a reconciliação do Érico e da Verônica, tudo sutil, objetivo sem delongas. a cena final da Renata, também foi linda. a sátira do reality foi uma das coisas mais sensacionais dessa novela, e é claro, o fim subtendido para bento e Amora que comentamos no outro post, aconteceu mesmo Sergio, inclusive como você imaginou, na manifestação que aliás foi ótima também com todo elenco cantando a musica da abertura . Enfim, guardarei para sempre Sangue Bom como uma de minhas novelas preferidas, e olha que depois de Cheias de charme, pensei que fosse demorar até me encantar por uma novela das sete como novamente. O melhor de tudo é que Sangue Bom me fez ter um outro olhar para as novelas, me tornou fã de Fernanda Vasconellos me apaixonei por ela nessa novela rs, me fez acreditar ainda mais na Sophie como uma grande atriz, respeitar ainda mais grandes atores e jovens promissores atores, me fez refletir por diversas vezes, me emocionou, me divertiu e foi uma bela companhia. Vila longa a parceria de MMA e Vincent.

Zilani Célia disse...

OI SÉRGIO!
UM ÓTIMO FINAL, QUE AGRADOU A TODOS.
EU COMECEI A VER ESTA NOVELA, COM UM PÉ ATRÁS,PRINCIPALMENTE POR SER NUM HORÁRIO QUE EVITO ME APEGAR, JÁ QUE PRIORIZO A DAS 9, SÓ EM FUNÇÃO DO HORÁRIO MESMO.MAS, DO MEIO DA NOVELA PARA CÁ, COMECEI A VÊ-LA E CONFESSO QUE ME CATIVOU, DAÍ A ACOMPANHEI ATÉ O FINAL. QUE COMO JÁ DISSE ME AGRADOU BASTANTE.
MUITO BOM, TEU TEXTO, COMO SEMPRE.
ABRÇS
http://zilanicelia.blogspot.com.br/

Luiza G. disse...

Durante toda a novela li este blog, algumas vezes comentei.Sempre deixei clara minha admiração pela Sophie Charlotte por interpretar tão bem uma personagem tão cheia de nuances [ e por isso mesmo tão interessante] como Amora.Reitero essa admiração agora que o ponto final foi colocado nesta bela história.
Do que não gostei nem quero falar, não vem ao caso.Pelo menos hoje, tão recentes as emoções do último capítulo.
O que busco, ao me sentar diariamente com a família à frente da TV para acompanhar uma novela por tantos meses, é bom entretenimento.Uma história interessante, que me emocione, me contagie, me divirta , me faça rir e seja bem contada.E Sangue Bom cumpriu plenamente essas expectativas. Com um texto de crítica sutil,mas ferina, a um mundo midiático sobre o qual pouco se reflete, com uma trama muito envolvente vivida por um elenco talentoso e carismático, com uma direção primorosa e segura, com uma trilha linda linda linda.
O capítulo final,em que se resolveram os nós amorosos, foi criativo, delicado e incomum em suas soluções. Inclusive, ou sobretudo, a cena final da Amora e do Bento , tão cheia de simbolismos e possibilidades de leitura e inferências. Belíssima.
Que venham outras obras da dupla Maria Adelaide Amaral e Vincent Villari.

Barbie Californiana disse...

Realmente a novela terminou com chave de ouro, Sérgio... suas observações ficaram perfeitas. beijinhos

Maria Lúcia Gromann disse...

Realmente achei interessante o fato da novela terminar como começou. Bem legal também o elenco todo feliz e cantando Toda Forma de Amor.
Essa novela foi incrivelmente perfeita, bem escrita, bem dirigida, com um bom elenco. Um primor de novela. Não mereceu os modestos 25 de média; realmente quando estreou eu imaginava uns 30. MAA e VV fizeram a melhor novela de 2013, ultrapassando em mil a chatissima Amor a Vida e a insossa Flor do Caribe. Joia Rara quase empata, mas não vale pois ela ainda está no começou.
Além disso tudo, a novela tinha trama muito boa e todos os personagens eram bem escritos e ganharam falas e história. Ainda não engoli Alem do Horizonte e eu vou morrer de saudades dessa novela que eu acompanhei todinha. SAUDADES SANGUE BOM!
Abraços!

Helena disse...

Eu tinha perdido o último capítulo ontem em viagem.Mas li tudo sobre hoje. Pois bem, fui ver com uma grande expectativa por causa de tantos elogios.E todas se superaram.Foi muito emocionante, apesar de eu já ter conhecimento prévio de tudo o que se passaria.E,lamento as torcidas meio talifãs, achei perfeitos os três casais que se formaram.Não poderia ser diferente.
Fabinho e Giane já estavam juntos, definidos, assumidos.Nascidos um para o outro.
Malu e Maurício, tudo a ver desde o início.A constatação entre ela e Bento de que o afeto que os unia era fraterno, já era percebida pelo público há tempos.Cansei de ler isso nas redes sociais.Bonito o texto dos dois, um se declarando pro outro a seu modo.
Bento e Amora foi o casal central da novela.Ela, a personagem que fez a história acontecer. Hoje o próprio Vincent Villari declarou que esta 'foi a novela da Amora'. Bento era o contraponto dela.A trama pretendeu, desde o início, discutir o binômio SER X TER personificado nele e nela respectivamente.Essência x aparência foi o tema que permeou a novela e o grande embate entre eles dois, apesar do amor que os unia e - ainda bem - prevaleceu .Não por acaso, a novela começa e termina com eles dois. Não por acaso, nos créditos, os nomes deles dois puxam o elenco.
E houve temas secundários: papel da mídia, corrupção e oportunismo político, homossexualidade. E houve metalinguagem.Sempre com humor fino e texto inteligente e afiado.
Sangue Bom entrará para a história da nossa teledramaturgia como uma das mais bem elaboradas e uma das mais bem contadas novelas.
Sergio, gosto muito dos seu blog, dos seus posts.
Receba um carinhosos abraço.

Melina disse...

Sérgio, e não é que tudo o que você havia dito se concretizou? Tu é colaborador da novela, fala a verdade! kkkkkkk

Querido, eu amei o final e me emocionei muito. Principalmente com a conversa teoricamente definitiva de Bento e Amora. A cena final dele vendo a Mayara na multidão e depois encontrando a Amora foi LINDA! O final do primeiro capítulo se repetiu de uma forma mais singela no último. Uma tacada de mestre.

E os talifãs da Malu com Bento se roeram de raiva com o final. kkkkk Reclamaram, choraram, protestaram contra a Globo e até fizeram um abaixo assinado para que o Vincent voltasse a ser só colaborador. Você soube disso, Sérgio? kkkk Crianças. Pobres crianças.

Só não gostei da situação do sabotador. Foi coerente mesmo mas foi óbvio demais ser a Lara. E é uma pena que todos os mistérios de novela acabem se revelando óbvios. O grande assassino é sempre o vilão da história e nesse caso a autora era a rival clara da Amora.

Também acho que deveriam ter citado o diploma que o Fabinho comprou no início da novela. Não exigiram tanta punição pra Amora? Por que ignoraram isso?

Mas de resto foi perfeito. E o seu texto é o mais completo escrito sobre a novela. Fez um belo balanço sobre erros e acertos. Te admiro muito! Beijos e até a próxima!

Fernanda P. disse...

Que novela maravilhosa e genial. É a melhor novela do ano e uma das melhores que eu já vi. Não me lembro de uma novela mexer tanto comigo como Sangue Bom, me emocionei com cenas, diálogos, personagens, ri, chorei, aplaudi as críticas ao mundo das celebridades, me apeguei à Amora! O final foi a cereja do bolo. O reencontro de Bento e Amora semelhante ao do primeiro capítulo foi de uma sensibilidade impar, simples e poético. Não tocou de Janeiro à Janeiro mas tocou a música das cenas deles de infância! Sangue Bom vai deixar saudades! Precisamos de mais novela assim!

Laura disse...

Há muito tempo não gosto tanto de uma novela, não fico tão envolvida pela história como aconteceu com Sangue Bom.Fiquei tão triste com o fim! Mas, achei que o último capítulo foi o fecho de ouro.Como me encantou a sutileza no reencontro da Amora e do Bento.E a originalidade nas falas do Érico com a Verônica.E as declarações rasgadas da Malu e do Maurício.
Sergio, acompanho você aqui e no twitter.Quero elogiar sua paciência com os/as talifãs.Leio cada coisa inacreditável.Alguém acertadamente já definiu aqui como as irracionais, fanáticas e beligerantes torcidas de BBB.Não devem nada mesmo.Mas, são ossos do ofício.O que vale é a maioria que curte bons folhetins e ponto.

Anônimo disse...

Na minha opiniao, a novela comecou bem, mas se perdeu um pouco com o passar do tempo. O principal erro dos autores foi mudar a personagem do Bento. No comeco da trama, ele era um rapaz bom e inteligente. Depois de se casar com a Amora, virou burro e chato. Estragou completamente a personagem. Muitas pessoas que antes torciam para que Bento e Malu ficassem juntos, cansaram das babaquices do Bento e passaram a preferir que Malu ficasse com Mauricio (eu mesma passei a torcer para o Mauricio. Ele acabou se tornando um cara mais interesssante do que Bento).

Achei o final da novela meio sem graca. Tambem nao engoli a redencao da Amora – foi rapida demais e muito forcada. Seria mais convincente se ela tivesse ido para a cadeia por uns anos (como a Carminha, em Avenida Brasil), pagado pelos seus crimes e dai sim, tentado reconstruir a vida. Mas nada disso aconteceu...

Sobre os atores, Giulia Gam deu um show de interpretação. Dos atores veteranos, alguns realmente nao foram bem aproveitados, o que eh uma pena. A novela no geral foi boa, mas se os autores tivessem trabalhado melhor as personagens, poderia ter sido um sucesso. Como eles erraram na mao, acabaram estragando a trama e isso se refletiu na audiencia (baixa, pois muita gente acabou desistindo de assistir).

Rita disse...

Bom gostei do texto muito bem escrito
Quanto a Amora nunca gostei dela na novela, acho que foi o papel que não me agradou apesar de fazer bem...mas aquele choro dela foi muito enjoativo......Fabinho+Giane ótimos
Mas não foi minha novela preferida não....nem sempre assisti, mas gostei do final sim, mas a cada um com seu talento mostrou seu bom papel, aos atores meus parabéns pelo desempenho na novela
Bjusss


. (.") .
. /█\..└──●► *Rita!!

Elisabete disse...

Aqui, começou a pouco tempo mas não sigo essa novela, só vejo as apresentações.
Bom domingo

MICHELE OLIVEIRA disse...

Sérgio, fiz um breve comentário sobre seu texto logo a cima, mas só hoje pude voltar e dar minha impressão sobre as tramas.
Como você deve ter percebido, não sou muito fã da Amora, nunca simpatizei com a personagem, que para mim poderia ter sido melhor trabalhada sim. Não sei se você chegou a ler algo a respeito, mas Amora foi comparada a Rubi, personagem de Barbara Mori, protagonista da novela do mesmo nome. Confesso que mesmo antes de ter visto isso nas redes sociais, cogitei a possibilidade dos autores terem se inspirado na protagonista mexicana, já que as semelhas entre as duas eram muitas e algumas armações, bem parecidas. Ao contrária da Amora, Rubi foi castigada da pior maneira, ao perder tudo que mais valorizava, que foi a beleza, dinheiro e seu grande amor, além de ficar manca.rsrsr Mas claro, é novela mexicana, nunca esperei que a Amora tivesse o mesmo desfecho.
Malu e Bento para mim, tiveram o final completamente coerente com a relação que tiveram. Não sei onde o pessoal BenLu conseguiu ver amor de homem e mulher, numa relação que sempre ficou implícito que era de uma grande e bonita amizade. Malu sempre amou o Mauricio e se envolveu com o florista, por achar que não tinha mais chances com o rapaz. Já Bento, ficou cego de amor pela it a novela inteira e a única razão que eu via para ficar com a Malu, seria a promessa de uma vida tranquila, com alguém que ele poderia amar como companheira, mas que jamais despertaria o mesmo sentimento que teve pela Amora. Malu merecia alguém que a amasse como ela sempre sonhou ser amada,que tivesse ciúmes, medo de perde-la e que fosse companheiro também.
Vi em um comentário que algumas pessoas se revoltaram contra o Villani e sinceramente, não entendi a revolta contra um se foram dois que escreveram a novela. Enfim, gostei muito dos desfechos, porque foram coerente. Se os autores tivessem deixado Amora presa, teriam outros personagens que deveriam ter ido para a cadeia também.

Eumaria disse...

Sérgio, parabéns pelo resumo fiel que você fez da novela. De fato a coerência prevaleceu no final da história. Amora e Bento tinham a relação mais densa e complexa da trama; não por acaso foram os protagonistas mais exigidos. A Sophie me conquistou, com o show de interpretação que deu e se sobressaindo, algo que não era tarefa fácil por conta de tantas feras no elenco. Fiquei surpresa em perceber que houve várias pessoas que fecharam os olhos para os tantos vacilos do Fabinho (comprar diploma, furtar e colocar a culpa na mãe; tocar fogo na ONG, que só não queimou por conta do Bento que se arriscou, tentou matar uma pessoa etc), mas que bradaram por mais punições para a Amora, que foi bem mais punida do que ele, afinal ele ficou rico, conquistou a Giane, encontrou os pais e ainda tem a mãe adotiva que sempre o amou (imagina se ele tivesse tido uma Bárbara da vida como mãe!!!).
Enfim, os autores foram bastante coerentes, tal como você tinha antecipado aqui no blog. Parabéns!!!

Gislei Brasil disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Thallys Bruno Almeida disse...

PS: Ontem na cena da Amora sendo professora de inglês, se apresentando como Mayara, ficou uma dúvida sobre o uso do nome dela. Ela nasceu e cresceu no abrigo sob o nome Mayara, foi adotada por Bárbara e fez sua fama com o nome Amora (provavelmente dado pela ex-atriz) e agora voltou a usar o nome Mayara. Como mudar de nome no registro é bem difícil no Brasil, acredito que Amora seja um nome artístico.

Thallys Bruno Almeida disse...

Errata: Sei que ela nasceu...

Linda disse...

Apesar de discordar parabéns pelo texto!Gostaria de indicar um link pra um dos melhores textos q li sobre o final da novela.Não é de nenhum critico ou blogueiro famoso e vai de encontro ao seu mas a pessoa manda muito bem!!Se puder postar...

----> http://cirandadeincertezas.tumblr.com/post/65748676917/sangue-bom

Thallys Bruno Almeida disse...

Ainda sobre a teoria que postei aqui em cima: nome falso tbm não acho que iria rolar porque não conseguiria se sustentar por mto tempo. Enfim, a minha dúvida é: ela sempre foi Mayara mesmo quando fez sucesso como Amora?

Lilia Mendes disse...

Parabéns por esse sublime texto, Sérgio. E ao ler uns poucos comentários questionando a coerência do final eu me pergunta: - Será que leram o texto tão bem escrito por você? - Será que viram a novela? - Será que entenderam a história? - Ou só estão preocupação com Malu e Bento e que se exploda o resto? Mas vou ignorar essas pessoas porque uma novela tão bonita quanto essa não merece ter o foco desviado.

O final foi coerente e muito emocionante. Todas as peças se encaixaram e todos foram contemplados com finais apropriados e justos. Boa lembrança da comentarista Melina sobre o diploma comprado do Fabinho. Ele não foi punido por isso? Por que o fãs da Malu com Bento não reclamam disso também? Será que porque o Fabinho não atrapalhou o romance inexistente do casalzinho que eles tanto veneram? Hoje tô venenosa, Sérgio! hehe

Seu texto tá completíssimo e acho que você não esqueceu de nada. Falou tudinho da novela, sem tirar nem por. Abraços!

Lilia Mendes disse...

* pergunto
** preocupados

MARILENE disse...

Sergio, você fez uma abordagem completa, mencionando os pontos positivos e os que deixaram a desejar. O final já era esperado e o considerei coerente. Não haveria sentido em colocar Malu com Bento, depois de sua história com mauricio.
Parabéns poe sua análise, completa e fundamentada. Bjs.

Bia Hain disse...

Sérgio, um texto impecável! Meu destaque vai para a ambiguidade que citou, mostrou personagens humanos que não são perfeitos ou completamente vilões.
Não acompanho as novelas assiduamente, assisto esporadicamente, mas me parece que nesse momento voltamos a ter mais de uma novela destaque. Vamos aguardar a próxima!
Um abraço!

Carolina G. disse...

Bom demais este seu texto.Eu curti muito Sangue Bom.Por tudo o que você destacou.Achei incrível, desde o começo, a ideia dos seis protagonistas com a mesma importância.Não se cumpriu exatamente essa ideia inicial,mas não houve prejuízo nem para o desenvolvimento da novela, nem para cada um dos personagens.Todos tiveram seu momento de crescimento. Inegável que Amora e Bento foram o par central, até pela discussão que norteou a história entre ser e ter e que eles encarnavam.Adorei o trabalho da Sophie, elogiadíssimo pelos autores e pelo diretor, adorei a personagem Amora, embora ache até hoje que eles pegaram muito pesado com ela na falta de outro vilão.Por tudo isso, adorei o final dos dois, numa cena pra lá de linda em que, sem palavras, tudo foi dito.Dois intérpretes muito talentosos mesmo.Sangue Bom deixou o maior vazio.Abração,Sergio.

Sérgio Santos disse...

Lucas, mt obrigado! Sobre a Mayana na multidão eu havia reparado, mas fiz questão de acrescentar um parêntese enfatizando isso no texto. Sobre o nome no quadro, confesso, não havia reparado. Fiz questão de rever a cena e vc é mt observador. Realmente, são sutilezas que os autores quiseram mostrar. Pena que teve gente que fez pirraça pq o final não foi do jeito que queria. Abçs.

Sérgio Santos disse...

Thairys, muito obrigado. Foi isso mesmo, um recomeço. Uma segunda chance. E a regeneração de Amora e Fabinho, de fato, não os transformou em imbecis. Eles continuaram topetudos, o que deixou tudo ainda mais coerente. E eu lembro que vc odiava a Amora mas ainda assim conseguiu enxergar a mensagem. Bacana. Obrigado pelo carinho. bj

Sérgio Santos disse...

Minha cara Letícia! Pois é, eu confesso que adorei. Não sou arrogante, mas modéstia à parte, absolutamente tudo o que eu previ nessa novela aconteceu. E óbvio que eu adorei porque meu pensamento esteve em completa sintonia com o dos autores. Aquele era o final que eu esperava e de fato aconteceu e de uma forma muito tocante.

Carmem Verônica é maravilhosa e Karmita tinha mesmo o conselho certo na hora certa.

Aquele reality é genial e a Tina paneleira foi hilário!

E Dennis Carvalho é um dos meu diretores preferidos tb e eu sou fã desse final que ele sempre faz, com as fotos de todo o elenco. Dá um charme a mais no desfecho.

Adoro seus comentários e vc foi uma das pouquíssimas torcedoras de Bento e Malu que foi possível dialogar de uma forma gostosa. Mas não me surpreendo porque vc sempre faz ótimos comentários. Um beijo.

Sérgio Santos disse...

Paulo, essa novela foi um fracasso mas foi deliciosa. Até vc que reclama de tudo iria gostar se tivesse visto sem fazer julgamentos precipitados.

Sim, sei do seu gosto, mas que bom que gosta de vir aqui, ainda que para reclamar. Abçs.

Sérgio Santos disse...

Obrigado, Lirio. A personagem da Ingrid teve altos e baixos e a Madá se perdeu msm. A trama da Lara não foi absurda, foi até óbvia.

Sérgio Santos disse...

Ah, Letícia, sobre as citações, eles faziam isso em Ti ti ti também e fizeram em Anjo Mau. É uma marca deles e do Silvio de Abreu. bj

Sérgio Santos disse...

Foi uma novela maravilhosa mesmo, Thallys, ainda que tenha tido seus tropeços.

Malu sempre amou Maurício e acho estranho que tenha gente que ache coerente a paixão súbita que ela sentiu por Bento pouco depois de levar um fora do seu grande amor e ache incoerente o final dela com ele. Ela não tinha razão pra ficar vivendo atrás da Amora de novo e fez bem em segui a vida.

Discordo sobre a Giulia Gam, pq seu último grande papel foi em Mulheres Apaixonadas. Em A Favorita ela viveu uma coadjuvante da coadjuvante e foi uma das atrizes desvalorizadas da trama, ao lado da Angela Vieira.

Mas a novela foi mt envolvente mesmo e toda história onde não há maniqueísmo há mais telespectadores exaltados e torcedores. É aquilo, arruma-se defeitos no outro para defender o seu.

Os autores estão de para´bens pela novela. E como o ibope algumas vezes não é justo, digo que essa trama merecia ter sido um sucesso e o remake de Ti ti ti (que foi), nem tanto. Abçs.

Sérgio Santos disse...

Danuza, sem problemas. Sobre a Madá, eu concordo. Ela foi totalmente incoerente mesmo, mas a personagem se perdeu desde que deixou o sarcasmo de lado pra virar puxa-saco da Malu.

Respeito não ter gostado do final, até porque quem queria Malu com Bento, claro, se indignou. Mas dizer que foi incoerente não concordo. Malu sempre foi apaixonada por Maurício e o envolvimento dela com Bento foi um capricho para roubar dela o amor da mesma forma que Amora 'lhe roubou' Maurício. E tb foi bem prático, né? Quem não queria se apaixonar por uma pessoa igual em tudo? Sem brigas, sem divergências, sem conflitos, só a perfeição. Isso não existe nem em novela. Depois foi ficando claro, principalmente no último mês, que eles viraram irmãos mesmo. Mas foi bom terem se beijado pra constatar isso e fechar o ciclo.

Fabinho e Amora foram iguais e a história fez questão de sublinhar isso em tudo. Ela não ficou presa? Ok, ele também não. Ela teve outra chance e ele tb. A diferença é que ela sempre foi o foco de ação da trama e se tivesse se regenerado na mesma época que ele não teria mais novela. Amora e Bento sempre foram o casal principal e a própria De janeiro a janeiro explica o amor deles. Tudo foi muito bem colocado. Mas não ter gostado do final por não ser o casal que queria, ok, é direito de cada um. Sobre a Lara, foi lógico e muito bem explicado, mas foi óbvio, isso não há como negar. Bj

Sérgio Santos disse...

Obrigado, DASFEG.

Sérgio Santos disse...

Não concordo, Carlos. Na sinopse já constava o futuro envolvimento dele com a Giane. Não iriam fazer esse relacionamento e criar um personagem tão ambíguo quanto ele pra depois jogar tudo no lixo. Aí sim seria incoerente.

Sérgio Santos disse...

Muito obrigado, Michele! Sim, sei que vc nunca gostou da Amora mas isso não te deixou cega, vc viu todo o contexto da novela. Realmente Malu e Maurício reataram de uma forma mt bonita e a relação agora será sem medos e desconfianças. A cena em que Bento vê Mayara foi de uma delicadeza absurda. Ali ele viu o amor de infância e tudo recomeçou. Mas agora sem armações. Obrigado pelo comentário. Bjsssss

Sérgio Santos disse...

Foi mt boa mesmo, Patrícia. bjsss

Sérgio Santos disse...

Catarina, eu que agradeço! Foi uma novela linda mesmo e que soube mostrar várias situações de forma tocante e bem feita. O final foi lindo e eu disse pra vc que essa bobajada de enquete não manda em nada. Trouxe dos talifãs que ficaram a madrugada toda votando em algo inútil. Isso nunca foi determinante, é apenas uma interação.

Sim, os autores ainda tiveram essa delicadeza pra passar ainda mais veracidade no final. Bento não ficou com Amora depois que ela saiu da cadeia. Ela precisou se libertar e ir viver um pouco para suas flores. E fechou o ciclo com a Malu de uma forma bonita e sincera.

Depois de uma passagem de tempo, aí sim, ele a reencontra de uma forma inesperada. Melhor impossível e igual ao primeiro capítulo. Ou seja, tudo já esteja desenhado. Só não viu quem não quis. Bjs e obrigado pelo carinho.

Sérgio Santos disse...

Exato, Ju, terminou do jeito que começou. Adorei isso. bj

Sérgio Santos disse...

Oi Elvira. Não gostei de terem colocado o Tito como sabotador por causa da péssima atuação desse ator que nem ator é. Mas foi coerente a trama da Lara. A Bárbara seria incoerente, não? A derrocada da Amora foi o sepultamento definitivo dela. A filha era um ponto de apoio vital e a queda foi seu fim. Não teria razão parta que ela prejudicasse a própria filha.

Não vi problema em dar destaque para atores secundários, até porque gosto quando há valorização de todos. Porém, a agência do Natan foi um núcleo ruim. Aliás, nem citei isso no ponto negativo, mas deixa pra lá.

Malu sempre amou Maurício e a relação dela com Bento virou fraternal mesmo. Aliás, eles eram tão iguais que nem pareciam um casal. E é aquilo, um quebra cabeça não se completa com peças iguais.

Giane e Fabinho foram geniais, asim como Carmem Verônica. E Plínio com Irene formaram um casal bonito, ainda que algumas vezes fosse pedante. Bjssss

Sérgio Santos disse...

Fábio, quando li o início do seu comentário dizendo que foi injusto Amora não ter sido punida imaginei que vc queria Malu com Bento e não deu outra. Mas Fabinho tb não pagou e ficou com Giane. Aí tudo bem? Jura que vc acharia lógico o Maurício, um dos protagonistas, terminar a novela sozinho indo embora? E ele fez mt bem em bancar o difícil, afinal, um pouco de orgulho não faz mal a ninguém e a própria Malu se mostrava insegura. Mas ok, vc como torcedor de Malu e Bento odiou o final, natural. Mas incoerente não foi. Abraços.

Sérgio Santos disse...

Afra, obrigado! Eu tb acho que o Peixinho seria um melhor par pro Felipinho, mas esse personagem foi tão insuportável que nem me importei. Tanto faz. Eu gostei da cena final da Giane com Fabinho. E na verdade nem tinha mt o que mostrar, eles já estavam felizes e juntos. Abraços.

Sérgio Santos disse...

Que relação, anônimo? Bento e Malu não ficaram juntos nem um mês e nem transaram. Se for contar o tempo, ela teve mt mais tempo com Maurício, que por sinal foi o primeiro amor dela. E relação fraternal não tem sexo. Mas ok, por causa de um final vc achou tudo uma decepção. Paciência.

Sérgio Santos disse...

Tb gostei muito disso, anônimo. E ibope nem sempre implica em qualidade mesmo, mas não cito o caso de Amor à Vida. A novela é um sucesso e com méritos.

Sérgio Santos disse...

Obrigado, Gustavo. Isso é fato, surpreendente não foi em nada, foi é coerente em tudo. E claro que Amora e Bento se amavam, assim como Malu amava Maurício. A trama sempre deixou isso bem claro.

Respeito que tenha odiado o final por ter torcido para que Bento e Malu ficassem juntos, mas daí a dizer que foi incoerente não dá. Pior ainda é jogar toda a novela no lixo pq os autores não fizeram o que a pessoa queria.

Concordo com os pontos negativos, mas sobre a pobreza da Amora, tb questionei isso uma época, já que ela havia declarado que tinha mais de um milhão aplicado. Mas depois foi explicado que tudo foi sendo gastado pra manter o apartamento dela e o tratamento da irmã, que sabemos, é caro mesmo. E quem se queima na mídia dificilmente volta, verdade seja dita. Ela nunca mais seria a referência que era após tantos podres divulgados na imprensa.

Sobre o excesso de maldades, concordo, principalmente no caso da pichação que ficou gratuita. Discordo sobre a Rosemere pq adorei ver a Malu em um tipo diferente. Mas Felipinho foi um tipo irritante e o ator era ruim. Romulo Arantes nem pode ser chamado de ator. Tb não entendi pq tiraram ele da Record.

Enfim, no saldo geral foi uma grande novela. Abraços.

Sérgio Santos disse...

Neli, muito obrigado e eu concordo com você em tudo. Sobre Giane e Fabinho, eles foram o casal sensação da novela e com méritos, mas o principal sempre foi Amora e Bento.

Eu ainda verei de novo o último capítulo pra ver se perdi algum outro detalhe. Foi um final muito bonito e que honrou as qualidades da novela.

Malu e Bento queriam se apaixonar, afinal, seria muito mais fácil. Mas quebra cabeça não se completa com peças iguais, não tem jeito. Não havia uma discordância sequer entre eles. Pareciam gêmeos.

Valeu muito ter acompanhado a novela e obrigado pelo carinho. bjs

Sérgio Santos disse...

Carlos, também acho que deveria ter tido mais cenas do Plínio com o Fabinho. Mas ele nunca gostou do filho, ficaria forçado se do nada surgisse um amor absurdo. Mas poderiam ter mostrado o início da reaproximação.

Sobre Giane e Fabinho, concordo plenamente: eles começaram a ficar muito tarde mesmo e mereciam ter tido mais cenas antes. Mas depois que ficaram juntos vi um bom destaque. Mais que isso seria impossível.

Sérgio Santos disse...

Anônimo, talvez vc não tenha lido que eu coloquei no texto que a novela foi um fracasso.

Sérgio Santos disse...

Pois é, Janaína, agora fica o vazio. Também acho que foi uma das melhores novelas das sete da Globo e endosso todo o seu comentário. Nem acrescentarei nada. Obrigado pelo carinho. Beijos.

Sérgio Santos disse...

Saudades também, Rafael! E concordo, foi um dos finais mais lindos já feitos. Tudo se encaixou e ainda fugiu dos clichês mesmo. Aliás, o final de A Vida da Gente também foi igualmente lindo e nem casamento teve. Eu passei a admirar a Fernanda justamente na novela da Lícia. Em Sangue Bom quem me arrebatou mesmo foi a Sophie. Eu já gostava dela, mas minha admiração aumentou uns 100%.

Pois é, o final foi do jeito que eu imaginei mesmo e fechou a novela com chave de ouro. O mesmo reencontro do primeiro capítulo mas agora sem armações e só com o amor. Valeu demais ter acompanhado. Abraços.

Sérgio Santos disse...

Obrigado, Zilani! Beijos!!!

Sérgio Santos disse...

Luiza G, obrigado por ter me acompanhado durante todo esse tempo. E foi uma novela linda mesmo e minha admiração pela Sophie cresceu muito com essa novela. Ela se entregou por completo.

O final do casal foi muito bonito e de uma forma singela. Emocionante. Bjs.

Sérgio Santos disse...

Obrigado, Barbi. Tava sumida. bjs

Sérgio Santos disse...

Foi uma novela muito bem escrita mesmo, Maria e o final foi muito bem colocado e mostrando que tudo estava sendo desenhado desde o primeiro capítulo. Saudades desde já. bj

Sérgio Santos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Sérgio Santos disse...

Helena, o carinhoso abraço já foi recebido. Obrigado! E concordo absolutamente tudo o que vc escreveu. E sobre os créditos, eu já havia falado sobre isso. Tava lá Marco/Sophie, Fernanda/Jayme e Isabelle/Humberto. São tantas evidências de que tudo estava amarado desde o início que não há como falar de incoerência. Foi uma trama muito bem amarada e escrita. Valeu a pena acompanhar. Bjs e obrigado pelo carinho.

Sérgio Santos disse...

Pois é, viu Melina? Sou vidente. rs

Foi um desfecho lindo e emocionante mesmo. E quando eu soube que a cena final seria um protesto, eu tive praticamente certeza que seria o palco para o reencontro do casal que nem o início.

Sim, os talifãs ficaram loucos e alguns vieram me encher no Twitter só que eu bloqueei todo mundo pq não tenho mais saco e nem estrutura pra isso. Sobre isso aí do Vincent eu não sabia, mas é tão ridículo que eu nem me darei ao trabalho de comentar.

Realmente terem esquecido desse diploma comprado do Fabinho foi uma falha mas não afetou a obra e nem o final. Porém, imagine se tivesse sido a Amora a compradora do diploma falso. Ih, ia ter um bando de gente indignadíssimo com a 'injustiça'. Dois pesos duas medidas.

Sobre o sabotador, foi óbvio mas eu achei tão coerente e bem explicado que não achei ruim. Mas realmente em novelas o grande assassino sempre acaba sendo o vilão mesmo, é verdade.

Beijos e muito obrigado.

Sérgio Santos disse...

Concordo, Fernanda. Nem acrescentarei nada. Mas eu preferia que tivesse tocado De janeiro a janeiro, ainda que essa tenha sido a da infância deles. Bjão

Sérgio Santos disse...

Laura, obrigado. Bom saber que vc tb me acompanha lá pelo Twitter. Eu tenho uma baita paciência mas não tanto. A minha estourou há uns meses atrás.

Não adianta vc explicar para quem não está disposto a entender. Essa frase resume tudo.

E a novela foi mt envolvente mesmo e não teve como ver sem se apegar aos papéis. O desfecho foi lindo e a cena do Érico com a Verônica foi parecida com a de Amora e Bento: começando do zero mas com o mesmo amor de antes. Bjs e obrigado.

Sérgio Santos disse...

Anônimo, respeito sua opinião, mas o Bento já tinha virado um completo panaca bem antes de se casar com a Amora.

Amora não poderia ficar presa por alguns anos simplesmente porque nenhum crime que ela cometeu dá pena pesada. Mas vc não acha que Fabinho deveria ter sido preso tb? Ele seria coautor do incêndio na Toca. Roubou moto, tentou matar, comprou diploma falso etc. Ambos tiveram uma segunda chance e souberam aproveitar.

Alguns atores não foram valorizados mesmo. Mas isso de que 'muitos desistiram de assistir' é bobagem. A novela nunca teve um bom ibope, com bom desenvolvimento ou não. Infelizmente. Abraços.

Sérgio Santos disse...

Obrigado pelo comentário, Rita. bjssss

Sérgio Santos disse...

Ok, Elisabete. bjs

Sérgio Santos disse...

Michele, adorei seu comentário. Embora discorde sobre a redenção pq achei perfeita, vc tem toda razão; se ela fosse presa outras pessoas tb tinham que ser, incluindo Fabinho. Ponto.

Os finais foram coerentes e muito bonitos. Bento nunca esqueceu Amora e usava, ainda que inconscientemente, Giane e Malu pra isso. Malu e Maurício mereciam ficar junto e recomeçar de fato. O personagem do Jayme já não teve mt destaque, imagine indo embora sozinho? Seria um cúmulo.

Os talifãs se revoltaram com Vincent pq ele sempre disse que adorava a Amora e a MAA dizia que a odiava. Então na cabeça dessa gente ele """"influenciou"""" a autora. Eu sabia dessa revolta, previsível, aliás, mas nem sabia que tinham até abaixo assinado pra ele voltar a ser colaborar com a Melina disse. Mas enfim, é gente que é pior do que a Socorro. Triste. Beijos!

Sérgio Santos disse...

Eumaria, muito obrigado. E isso é engraçado, quem exige punição exemplar pra Amora fechava os olhos pro Fabinho. Aí é fácil argumentar. Mas esse tipo de argumento nunca colou e eu nem falo mais sobre isso pq escrevi um texto imenso só falando da semelhança deles. O final foi lindo mesmo e obrigado pelo carinho. bjs

Sérgio Santos disse...

É nome artístico, Thallys, óbvio. Não tem nada de nome falso, até pq isso é crime. Mas como quase todo artista ela tinha um outro nome, natural.

Sérgio Santos disse...

Oi Lilia, obrigado e adorei seu veneno! rs Pois é, só reclamam do que convém, aí é fácil... E todos que não gostaram do final queriam Malu com Bento, quem não queria ou não se importava com isso adorou. Isso já deixa tudo claro.

O final foi muito bonito e tudo ficou bem evidenciado. Obrigado pelo carinho. bjs

Sérgio Santos disse...

Exato, Marilene, não teria como. E obrigado. Deu um trabalhão! rs bjs

Sérgio Santos disse...

É verdade, Bia, uma das qualidades da novela é que ninguém era só bom ou só mau. Claro que tinha algumas exceções, mas foram poucas. bjs

Sérgio Santos disse...

Carolina, obrigado. Também adorei a novela e os atores receberam elogios merecidamente. Foi gostoso acompanhar. Beijos!

Anônimo disse...

Sérgio, sobre seu comentário que as pessoas se revoltaram com Vincent pq ele adorava a Amora e a MAA a odiava, e que Vicent teria influenciado a MAA:

A meu ver, o que causou revolta foi que os auores deram entrevistas dizendo que a Amora iria pagar por seus crimes, o que não aconteceu. Concordo com você que tanto ela como o Fabinho deveriam ter sido julgados e presos (pelo menos, julgados). Como não aconteceu NADA, ficou uma sensação geral de impunidade... Isso não combina muito bem com a mensagem geral da novela né?

O outro problema foi que a MAA deu entrevista dizendo que não haveria redenção para a Amora, mas no final, houve sim. Então por que a autora disse que não haveria? Só para segurar o público? Não sei, fiquei com a impressão de que os autores ficaram enrolando o público só para garantir audiência...

Flávia disse...

Serginho, adorei seu saldo final! E adorei também o último capítulo! Foi lindo, sensível e acima de tudo coerente. A última cena com Bento e Amora se reencontrando que nem aconteceu no primeiro capítulo foi muito lindo! Chorei, claro!

Gostaria de falar com o anônimo que comentou por último se você me permitir. Se houve essa revolta por causa da impunidade por que só falaram sobre a Amora e ignoraram o Fabinho? Impunidade? Amora perdeu o dinheiro, a fama, a irmã e ainda ficou presa por um crime que não cometeu. Vocês queriam mais o que? Que ela morresse? E o Fabinho? Ele também não foi punido e aí? Mas aí ninguém reclama. É engraçado.

Maria Adelaide nunca disse que não haveria redenção da Amora. Ela disse que poderia ser uma redenção tão dúbia quanto ela e claro que falou pra gerar curiosidade. Qual o problema?

E como não combina com a mensagem da novela? O título era sangue bom e isso refletia a própria Amora e o próprio Fabinho. Eles foram frios e malvados por um tempo mas no fundo eles tinham um sangue bom. Justificativa fajuta essa de vocês, fãs de Malu e Bento.

Pronto, Sérgio, já falei e hoje falei demais. kkk Obrigada e até a próxima postagem!

Anônimo disse...

Li comentários de talifãs doentes e imbecis dizendo que a novela foi um fracasso de ibope porque o Bento ficou com Amora e que se Malu tivesse ficado com ele teria sido um sucesso. Nojo desse retardados mentais que merecem uma internação numa clínica psiquiátrica. Coitada da Fernanda Vasconcellos que só tem fã idiota.

Anônimo disse...

*desses

Anônimo disse...

Flávia,

1) "Se houve essa revolta por causa da impunidade por que só falaram sobre a Amora e ignoraram o Fabinho?"

Muita gente mencionou o Fabinho também.

2) "Impunidade? Amora perdeu o dinheiro, a fama, a irmã e ainda ficou presa por um crime que não cometeu."

Mas não foi julgada nem condenada pelos crimes que cometeu. Portanto, é impunidade sim. Para que existem leis, se não forem cumpridas?

3) "Vocês queriam mais o que? Que ela morresse?"

Quem está falando isso é você...
Eu queria que ela fosse a julgamento, como qualquer pessoa que comete crimes. Ou você não acha isso justo?

4) "E o Fabinho? Ele também não foi punido e aí?"

Está errado também. Veja meu comentário acima...

Anônimo disse...

Flávia, ainda sobre seu comentário:

1) "Maria Adelaide nunca disse que não haveria redenção da Amora."

Ela disse que não via como ocorrer redenção e que SE houvesse, poderia ser dúbia. Ou seja, ela ficou jogando com as palavras... e numa dessas, enrolou o público. Teria sido mais decente assumir logo que haveria redenção e pronto.

2) "E como não combina com a mensagem da novela?"

Uma pessoa sangue-bom não aceitaria ficar impune por crimes que cometeu...

E veja bem, eu nem torcia para Malu ficar com o Bento. A minha questão aqui é outra. Não gosto de novelas onde os vilões aprontam e no final ainda se dão bem. Acho sacanagem isso. Gostei de Avenida Brasil justamente porque a Carminha pagou por seus crimes no final.

Eumaria disse...

Não é só cadeia que leva uma pessoa a pagar pelo mal que comete. Daí porque a lei prevê, segundo me disse um estudante de Direito, prestação de serviços à comunidade, penas restritivas de direitos, penas pecuniárias etc. E no plano exta penal, sabe-se que o mal feito também pode ser pago com o bem que se faz daí para a frente com o arrependimento sincero. A Amora pagou tanto materialmente, afinal perdeu tudo e ainda foi presa, como também começou a pagar pela via moral: dando amor, carinho, cuidado, educação aos filhos de uma irmã que, no passado, abandonou-a na rua, sozinha, pequena, o que a fez ser adotada pela Bárbara e perder toda a referência de decência que tinha antes. Como o Plínio disse, talvez ela não passasse por nada disso caso não tivesse a Bárbara por mãe, uma mãe que se aproveitou da fragilidade e do abandono dela para ter facilidade de repassar valores equivocados. Claro que a Amora tinha livre arbítrio, mas sabemos que este, em muitas situações, sofre a influência de pessoas que têm a função de educar. É claro que tudo pelo qual a Amora passou não justifica o que ela fez, mas influencia. O Fabinho teve amor, atenção, boas referências e carinho dos pais adotivos: a revolta dele somente começou quando os pais ficaram pobres, o que mostra o quão interesseiro ele sempre foi; não obstante, a Margot sempre o amou e sempre foi maltratada por ele. No final, o castigo dele foi muito pequeno comparado ao da Amora, que perdeu tudo. Ele ganhou pais, dinheiro, a Giane e não devolveu o diploma falso que comprou; talvez até o use no negócio que abriu. Enfim, o final foi muito, mas muito coerente. Se a Amora devia ser presa, outros também deveriam. Alguns queriam castigo eterno, mas somente para a Amora.

Anônimo disse...

Pois é, Eumaria, poderiam ter colocado a Amora e o Fabinho fazendo prestação de serviços à comunidade. Daí sim o final teria sido melhor. Mas do jeito que ficou, pareceu que ninguém pagou pelos crimes e ficou por isso mesmo (exceto talvez pela Socorro).

Anônimo disse...

Aliás, bem lembrada a questão do diploma falso do Fabinho. Também achei isso complicado... Ele deveria ter contado a verdade e prometido voltar a estudar, né? Seria um ato mais digno e sangue-bom... Enfim, vários pontos que ficaram mal-resolvidos...

Melina disse...

Fabinho e Amora nunca foram vilões. Quem não conseguiu entender isso não conseguirá entender nunca mais. Eles tomaram pancada pela vida e não pela justiça. E aprenderam com isso. Se Amora tivesse que ser presa Fabinho deveria ser também. Aí Giane, as crianças e Bento terminaram infelizes. Belo final esse que alguns queriam.

Rosana disse...

Amora nunca foi vilã? Questão de ponto de vista. Para mim, e para muita gente, ela era vilã sim. Mau-caráter, mentirosa, fingida, manipuladora. Isso é coisa de vilã, não de mocinha. Não adianta ficar arranjando desculpa, senão daqui a pouco vocês estão desculpando até a Bárbara Helen.

Melina disse...

O Fabinho não, Rosana? kkkkkkkk Você vai dizer que faz parte da maioria também? Ela era tudo de ruim mas ele se arrependeu de verdade e merecia perdão. Cada um entende o que quer ou o que é capaz de entender.

Rosana disse...

Não Melina, cada um acredita no que lhe é mais conveniente. Se você gosta de gente mau-caráter como a Amora, problema seu.

Rosana disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Melina disse...

Ai, tô ofendida agora! E o Fabinho nunca foi mau-caráter, ela é que era muito malvada e feia. Vai brincar, criança!

Eumaria disse...

Pois é, Melina, a gente sempre coloca isso para reflexão, mas acabam não enfrentando estes argumentos, já colocados também pelo Sérgio. Outra coisa, ninguém nunca disse aqui que gostava das atitudes da Amora, mas sim que gostaria que ela mudasse, como efetivamente mudou e achei muito bom! Claro que a Amora (e também o Fabinho) foi mau caráter em alguns momentos da novela, mas ela superou esta fase e mostrou ser sangue bom no final, dando amor, comida e educação aos sobrinhos. Amora mudou, que bom!

Heloísa disse...

Além do Horizonte começou e eu só quero Sangue Bom de novo na minha telinha.Céus, quanto tempo vou precisar para me desapegar?Quero ouvir aquela trilha linda, quero ver meu sexteto de personagens lindos, seus acertos seus desacertos.Eles deveriam virar uma série tipo Friends.A única coisa ruim seria continuar aturando certas torcidas radicais que querem ter razão a qualquer preço e que amam odiar.Mas já já chega o BBB e esses haters canalizam sua energia pra outros alvos.Sergio, meu amigo, como faço para desapegar? Dá aí a fórmula kkk. Bjs

VERINHA TIBURSKI disse...

Olá Sérgio.
Parabéns pelo belo texto,apesar de não ter acompanhado a novela na integra, adorei o final, os temas abordados, o arrependimento e um recomeço mostrando que podemos retornar e concertar alguns erros cometidos.
alguns pontos mal resolvidos, mas na geral um final digno de aplausos.
Agradeço seu carinho, uma linda semana. Beijos.

Isaura disse...

Sangue Bom deixou saudades. Muitas. Aquele capítulo final só confirmou o que foi toda a trama: bem amarrada, coerente, emocionante, inteligente, sutil em seu formato. Desejo sucesso a todos os envolvidos que , durante tantos meses no brindaram com uma produção tão esmerada e fugiram dos clichês. Sim, errar é humano; há traumas que detonam comportamentos sociais indesejáveis, condenáveis. Mas, sobretudo, o ser humano é capaz de se redimir, se humanizar, rever conceitos e atitudes, se conhecer melhor, entender melhor suas ações e reações e, a partir deste autoconhecimento, se humanizar, ser melhor, tornar-se íntegro.
Sergio, que novela deliciosa tivemos o prazer de acompanhar.Todos deixarão saudades, mas o grupo jovem de protagonistas: Malu&Maurício, Geane&Fabinho, Amora&Bento ficará no coração e na lembrança para sempre.
Foi ótimo ler seus posts aqui e dividir com você tantas impressões e emoções ao longo da novela. Valeu.Abraço.

Sérgio Santos disse...

Anônimo, a novela deixou bem claro que eles estavam respondendo pelo que fizeram. E como a justiça do nosso país é lenta pra caramba não é possível dizer que isso foi inverossímil. E quem reclama da falta de punição para os dois, ok, eu não contesto e entendo. Mas quem reclama da falta da punição só de um não.

Vc disse que a MAA mentiu, mas vamos supor que Amora terminasse a novela presa ou 'não regenerada'. Vc reclamaria sobre a falta de punição do Fabinho ou ficaria feliz? E a autora disse que ela não sabia se haveria redenção mas se houvesse poderia ser algo dúbio. Mas, desculpe, a redenção dela está tão clara desde o início que nem deu para levar esse 'suspense' dela a sério. E nenhum autor conta o final da sua novela, mas mentir eu acho ridículo. Só que ela não mentiu, ela deixou no ar.

E é aquilo, Amora e Fabinho foram personagens ambíguos e não foram vilões. Foram protagonistas que agiram como antagonistas por um tempo, só isso. Não podem ser comparados com Carminha, que era uma vilã clássica de folhetim. Não tem cabimento.

Sérgio Santos disse...

Flávia, muito obrigado. E o final foi lindo e coerente mesmo. Tudo se encaixou. E gostei dessa sua teoria do 'sangue bom'. Não é que faz sentido? Os dois agiram erroneamente, cometeram muitos erros, mas no fundo tinham um sangue bom. Não havia parado para olhar isso. Gostei. Beijos.

Sérgio Santos disse...

Eu tb li essa idiotice, anônimo. Mas é um argumento tão babaca que nem vale a pena comentar sobre. Li gente comemorando o baixo ibope dizendo "bem feito" só pq Malu e Bento não ficaram juntos. É gente que não se dá conta do quanto é patética.

Sérgio Santos disse...

Eumaria, seu comentário foi perfeito. Concordo plenamente. E como eu havia dito, as atitudes deles não justificavam e óbvio que eles fizeram coisas erradas que não mereciam ser apoiadas. Porém, aprenderam com os erros. E, no fim das contas, ele foi muito menos punido do que ela. Mas aí quem reclama da Amora finge esquecer isso. Conveniente. bj

Sérgio Santos disse...

Melina, concordo e também digo que eles nunca foram vilões. É muito simplista usar esse argumento. Tão simplista quanto quem exige novelas complexas mas não é capaz de entendê-las. bjs

Sérgio Santos disse...

Rosana, Amora foi tudo isso mesmo, mas teve um lado humano e foi se regenerando. Assim como Fabinho, que também era dissimulado, frio etc. Mas se vc não quis ver isso, ok, paciência.

Sérgio Santos disse...

Heloísa, eu também tô precisando dessa fórmula. Hoje o vazio ficou mais acentuado mas vai demorar a passar. Saudades dessa turma. Realmente o único ponto positivo desse fim é o sumiço desses talifãs insuportáveis. Bjssss

Sérgio Santos disse...

Verinha, obrigado pelo carinho. É, a novela representou isso mesmo. Foi bacana. bjs

Sérgio Santos disse...

Isaura, assino embaixo do seu comentário. Nem tenho mais nada a dizer, vc disse tudo. Eu que agradeço. Beijos.

Anônimo disse...

Sérgio, a Amora e o Fabinho não foram julgados e condenados por que "a justiça do nosso país é lenta pra caramba"? Tem dó, né? Não vamos ficar desculpando os autores. Eles simplesmente não cuidaram deste detalhe.

Quanto às declarações da MAA, ela deveria ter sido mais sincera. Se a redenção da Amora estava "tão clara desde o início", então falasse isso. Mas ela não é boba, sabia que se dissesse isso muita gente iria desligar a TV e a audiência do último capítulo seria um desastre. Não vamos ser hipócritas, a Globo não paga autores para escreverem novelas que dá ibope baixo. Eles até mudaram o final de Guerra dos Sexos para melhorar a audiência...

No começo da novela, eu gostava da Amora. Ela era fútil, mas não era ruim. Mas OS PRÓPRIOS autores começaram a transformá-la em uma pessoa má, que cometia crimes. Daí no final, resolvem rapidinho transformá-la em uma pessoa boa... Olha, me desculpe, mas a novela foi meio mal escrita. Não deveriam ter transformado a Amora em criminosa, simples assim. Quanto ao Fabinho, a redenção dele também não foi tão bem feita. Faltou ele corrigir vários dos erros que fez.

Enfim, a novela no geral foi boa, mas teve lá suas falhas. Isso é inegável.

Melina disse...

Anônimo, se a autora confirmasse a redenção o ibope seria um desastre? E o ibope dessa novela foi bom algum dia? Ora, eu que digo, me poupe! Só falta dizer que a novela foi um fracasso de audiência por culpa da Amora. Esses argumentos é que são ridículos. Não transformaram Amora numa pessoa boa rapidinho. ELA ERA UMA PESSOA BOA e por causa da ferida que nunca cicatrizou e da influência medonha da Bárbara ela virou uma pessoa egoísta e inconsequente. A entrada da Simone serviu pra isso. Como costuma dizer o Sérgio só não viu quem não quis!

Anônimo disse...

Melina, calma, não precisa ficar nervosa, rsrsrs.

Acho que você tem problemas de interpretação de texto. Eu não disse que a audiência foi ruim por causa da Amora... o que eu disse é que os autores ficaram oscilando na forma de desenvolver a Amora e isso prejudicou a personagem e a trama sim.

A Amora era boa no começo (era imatura, mas não era má pessoa). No meio da novela, ela virou uma pessoa ruim (cometeu crimes e mais crimes, por semanas a fio). Daí no final ela muda novamente (e foi rápido). Isso tudo foi mal feito.

Uma personagem ambigua é essencialmente boa, mas às vezes cometes uns deslizes (sente inveja, sente raiva, mente para encobrir um erro). Porém cometer deslize é uma coisa, cometer crimes é outra...

Os autores exageraram na forma como trataram a Amora e o público acabou não gostando dela. No começo, o problema era que ela era arrogante e fútil, mas isso ainda dava para perdoar. Mas depois que ela passou a cometer crimes, ficou difícil torcer por ela. Daí no final, os autores quiserem redimi-la. Algumas pessoas engoliram isso, outras não. Estão no direito delas. Nem todo mundo é obrigado a engolir história mal contada.

Quanto à audiência, se não importava nada, então por que a MAA ficou enrolando para dizer o final? Só para criar charminho? Ah, sei...

Na boa, não fica nervosa. Isso aqui é só uma conversa.





Anônimo disse...

Uma porcaria! Como alguém pode dizer que essa novela teve um bom final? Me decepcionei com o da Renata, pois, tinham garantido um final feliz p/ ela, e a mesma acabou rolando na areia da praia. Ridículo!

Isadora disse...

Amora está rendendo até hoje? O que se discute aqui ainda, dias depois de a novela ter terminado? Amora, apenas.Sinal de que, efetivamente , ela foi e será sempre o eixo central de Sangue Bom.Sinal evidente de que Sophie Charlotte a interpretou brilhantemente.
Também quero falar dela.Porque a compreendi e amei durante meses,porque adorei o seu final.
Crianças em situação de rua são desprovidas de tudo o que se merece e se necessita na infância: proteção, carinho, necessidades básicas minimamente atendidas. Não saber se haverá o que comer, o que aplacar o frio e qualquer dor é causa de uma insegurança que não tem cura. Perder, por abandono, a única referência afetiva que se tem, no caso a irmã de sangue, só potencializa essa insegurança. Acrescente-se a isso, uma brevíssima passagem por um lar para adoção onde se conhece por um breve tempo a felicidade e torna-se a perder, é traumático. Ser 'adotada' por uma pessoa sem qualquer caráter, sem amor para dar, sem valores éticos ,e está sedimentado um quadro de difícil horizonte do bem. Ao desamor e oportunismo de Barbara Ellen junta-se a omissão quase criminosa do 'bondoso e correto' Plínio, que deu à menina seu nome e desprezo , nada mais.
Criada para ser fonte de renda da 'mãe', cai em um mundo de falsidade e guerra de vale tudo pela sobrevivência como o das (sub)celebridades fabricadas pela mídia. Ou seja, infância e adolescência de ausência de amor, de valores, de segurança.Um salve-se a qualquer preço.E está formada uma pessoa capaz de quase tudo para não cair outra vez na pobreza, no desamparo.E tome de comprar, e tome de aparentar para ser vista como vencedora.E tome de criar ardil sobre ardil para se manter.
Qual dos outros cinco protagonistas sofreu esta ausência de afeto, de valores morais e segurança em fase de formação?Nenhum...
Mas,eis que... 'quem um dia irá dizer que não existe razão nas coisas ditas pelo coração'? Surge o amor por uma pessoa avessa a tudo o que o mundo da mídia remete e valoriza. Que questiona todo o tempo o apego ao dinheiro, às aparências, a tudo o que alicerça (de forma movediça) a construção de mundo da menina/moça.Haja conflitos.Internos e externos.E tudo se sucede vertiginosamente.Ascensão e queda da figura pública.Cometeu atos vis e criminosos? Inúmeros.Sempre norteados pelo que conheceu na vida: a busca pela segurança financeira. Se viesse associada à conquista do grande amor, melhor ainda.Fracassou. Perdeu tudo.Carreira, fama, dinheiro, a cumplicidade da mãe adotiva e mentora, a irmã referência afetiva mais uma vez, o homem amado.Mas, sobrevivente das ruas,arregimentou forças para que os dois sobrinhos tivessem suas vidas escritas de maneira diferente. E ela se reinventou.Compreendeu que, sem ajuda, seria impossível.Procurou o que tanto ouviu do seu amado:um tratamento psicológico.E reescreveu sua história e das duas crianças cujas vidas abraçou como responsável.Assumiu-se Mayara, uma pessoa comum que pega ônibus, trabalha, cozinha e pode sim ser feliz e viver em paz.Pronta , pela primeira vez, para um (re)
encontro com o amor verdadeiro.Assim se deu.
The end.
Não houve história bonita e intensa como a da Amora.Coerente, verossímil.Nenhum personagem da novela evoluiu tanto.Nenhum exigiu tanto de sua(seu) intérprete.
Vincent Villari e Maria Adelaide Amaral nos brindaram com uma personagem riquíssima que provocou ódios e amores,leituras mais rasas ou mais profundas, mas jamais indiferença.Fez a roda girar do início ao fim.
Como disse o autor em entrevista ao Extra: "para o bem ou para o mal, esta foi a novela da Amora." Só foi.Sem demérito para nenhum dos demais intérpretes do sexteto protagonista, todos ótimos, carismáticos e talentosos,Amora levou Sophie e Sophie levou Amora a um patamar mais alto.
Desculpe, Sergio, pelo espação que ocupei.Ainda estou com muita saudade de Sangue Bom.Fosse um livro,já teria começado a reler.
Beijos.

Cláudia disse...

Nossa, agora começaram até a fazer discurso para a Amora. Vamos lançá-la como candidata a presidente, hahaha.

Não gostei do final do Érico e da Verônica. Foi muito sem sal. Eles viveram uma grande paixão e no capítulo final não passou nem 5 minutos deles juntos. Uma droga!

Sérgio Santos disse...

Anônimo, não sei se vc chegou a ler o texto, mas nele eu cito todos os pontos que considerei negativos na novela. Eu elogiei a novela e defendi todas as suas inúmeras qualidades, além de seu final impecável, mas fiz questão de citar os erros. Só que, realmente, eu não acho que a situação de Amora e Fabinho tenham sido erros. Pelo contrário, eles foram os melhores personagens do sexteto e causaram boas comparações e bons debates.

Acho que esse detalhe dos trabalhos comunitários ficou pequeno diante da beleza do final. Até porque, como foi dito, eles terminassem presos seria um final péssimo, não só para eles, que se mostraram arrependidos, quanto para os demais personagens. E também tem aquilo: nada do que eles fizeram dá pena pesada. Talvez a tentativa de assassinato da Odila, caso ela fosse depor, mas o resto não. Até mesmo o incêndio (sendo que Fabinho seria coautor), já que não houve flagrante.

E discordo que se MAA falasse sobre a redenção 'muita gente desligaria a tevê'. Isso é jogar nas costas de uma personagem o fracasso de uma novela inteira, o que não tem o menor cabimento. E apesar de fracassar nos números, a novela teve uma boa repercussão na internet e isso é inegável.

Sobre Guerra dos Sexos, vc está equivocado. Silvio sempre deixou claro que ele mudaria os finais do remake. Aliás, foi a única coisa que ele mudou. E a mudança não serviria pra mexer nada, afinal, não era o último capítulo que elevaria a audiência dos outros 180.

Sérgio Santos disse...

Anônimo, a Renata terminou a novela infeliz? Ela terminou feliz e realizada e a cena da praia foi linda. Agora se vc achou que a cena representou depressão, ódio, tristeza, aí é seu problema de interpretação.

Sérgio Santos disse...

Isadora, não se desculpe. Eu amei seu comentário e concordo plenamente. E realmente a Amora foi a protagonista não só da história como dos debates também. Só se falava dela. E até os que a odiavam não tiravam o nome dela da boca. Se se ela não tivesse existido, não haveria novela e nem as teorias e análises sobre a personagem. Concordo com tudo o que vc postou, fechando com chave de ouro citando o final dela. Foi tudo muito bem desenvolvido. Tô com saudades tb. bjs

Sérgio Santos disse...

Cláudia, vc queria que eles protagonizassem no último capítulo uma cena de 15 minutos em uma novela que precisava apresentar o desfecho de mais de 60 personagens? A cena deles foi delicada e bonita. Um reencontro partindo do zero, da mesma forma que ocorreu com Amora e Bento. Talvez por isso vc não tenha gostado. Mas ok, cada um com sua opinião. Eu achei ótimo.

Cláudia disse...

É isso o que dá deixar TUDO para resolver no último capítulo. Fica tudo feito na correria.

Helena disse...

Sergio,
seu blog virou um fórum de debates rs. Temos de agradecer este espaço que você, tão generosamente, divide conosco.
Ainda em fase de desapego, vim hoje aqui só pra ler um pouco mais sobre Sangue Bom e seu es-pe-ta-cu-lar último capítulo.
Obrigada, Sergio, sempre.

Melina disse...

Sérgio, permita-me elogiar sua admirável paciência. Você tem uma educação admirável, até com quem não merece. Parabéns.

Anônimo disse...

Melina, por que você está se doendo tanto com os comentários dos outros?? Só você tem direito de escrever aqui? Você é a dona do blog?

O Sérgio realmente é muito educado. Já você...

Heloisa disse...

Sergio,
Sangue Bom deixou mesmo muita saudade.Seus posts sobre a novela também.E alguns dos que comentam no 'De olho nos detalhes'idem. Dá prazer ler certos comentários aqui, independente de opiniões, por serem bem escritos, respeitosos, interessantes.Há os beligerantes por falta de escolha, Deus os guarde e afaste kkk. Gosto muito do seu blog,e torço para me apaixonar por outra produção para correr para cá , comentar, ler, me divertir. Por enquanto, Sangue Bom ainda está forte como referência.Mas, pelo twitter, ficarei atenta aos seus novos posts.Beijinhos.

Anônimo disse...

Heloisa, assino embaixo. Quando a pessoa escreve coisas do tipo "Vai brincar, criança!", não está sendo muito educada... Não há necessidade de ofender os outros, né?

Sérgio, desculpe se abusei da sua paciência, rsrsrs. Estava apenas expressando meu ponto de vista. Como você sempre diz: ok, cada um com sua opinião. Abraços!

Ana disse...

Achei muito triste o fim de Renata, afinal era amor o que existia entre ela e Érico. Palmira e Érico era uma paixão. Achei muito machista a opinião deles não ficarem juntos, afinal quando é o contrário nas novelas a mulher perdoa ... E na novela criou um casal sem química.

Judy disse...

Ótimo seu texto Sergio. Concordo inteiramente com você. E com a Isadora.E com todos que gostaram da Amora. Abçs

Sérgio Santos disse...

Desculpa, Cláudia, mas o último capítulo não teve nada de correria. Os autores souberam ir desenvolvendo e praticamente fechando os núcleos ao longo da semana. Em Ti ti ti, sim, o final foi corrido e afetou totalmente o último capítulo, mas agora eles souberam corrigir os erros. E Érico e Verônica protagonizaram inúmeras cenas românticas na novela e se houvesse continuação depois daquele bonito recomeço talvez quebrasse o encanto do final.

Sérgio Santos disse...

Helena, eu que agradeço a presença de todos aqui. Se estão vindo é pq gostam e fico feliz. Beijos.

Sérgio Santos disse...

Obrigado, Melina. bjs

Sérgio Santos disse...

Puxa, Heloísa, muito obrigado. Será sempre bem vinda aqui! Beijos.

Sérgio Santos disse...

Anônimo, vc não abusou da minha paciência, não. Vc dialoga e isso é ótimo. O que me tira a paciência é talifã birrento vindo me encher dizendo que os autores são ridículos, que a novela mereceu o fracasso pq Bento não ficou com Malu, que Amora é um lixo e nunca foi dúbia, que a atriz é péssima etc etc etc... Abçs.

Sérgio Santos disse...

Discordo, Ana. Érico e Verônica transbordaram química e o amor deles era nítidos. Renata não sabia se amava ou não Érico e quando descobriu era tarde demais. E trair o noivo com o primo, ainda por cima vestida de noiva é demais. Impossível o casal ficar bem depois daquilo. Isso sendo homem ou mulher na posição do traído. O final dela foi condizente.

Sérgio Santos disse...

Judy, obrigado! Beijos.

Anônimo disse...

Já estamos na quinta, sei que Sangue Bom já é pagina virada, mas vou lá comentar algumas coisas que não tive tempo de falar. rs

Eu adorei o final da novela. Achei o máximo a cena final em que Bento e Amora se reencontram e apenas trocam olhares e fecha a história ficam subentendido. Achei hilario e ousado. Tudo a haver com a novela que desde o inicio se mostrou fora dos padrões habituais das novelas. Talvez por isso que a novela provocou tantos sentimentos, inclusive em mim, que não queria aceitar que a minha personagem favorita se encaminhasse para a 'vilania', mas depois de algum tempo fui entendo que o que os autores queriam era isso mesmo, algo fora do habitual. Como eu li um comentário em um outro lugar que dizia "A Amora com certeza foi algo muito inesperado para os telespectadores. Uma personagem que nos obriga a abandonar velhos rótulos, conceitos e expectativas habituais e a analisar um pouco mais fundo as questões". Acho que é isso mesmo, a Amora e a intensão dos autores foi contar algo novo, folhetinesco mas diferente. E talvez por o publico estar tão acomodado as velhas formas tenha causado tanto barulho.

Mas confesso que me surpreendeu a Malu e o Bento não terminarem juntos. Não que eu quisesse, mas eu ja estava com o espirito preparado haja vista o histórico da autora. Em TI TI TI, o coerente era e Valquiria e o Luti terminarem juntos, mas como Camila conquistou o publico e tinha mais torcida a autora terminou o Luti com a Camila. E jurava que isso se repetiria, porque vamos admitir que a torcida pela Malu era maior, o que não significa que a Amora não tinha torcida como muitos inconformados estão dizendo que 'ninguém' gostou do final. Como não? Eu gostei! Mas enfim, se Bento terminasse com a Malu, seriam os fãs da Amora que estariam chiando. Como não... Adorei o tupete dos autores!

Mas se Dom Casmurro fosse uma novela e Machado de Assis ouvisse o publico, Bentinho enfim descobriria que estava enganado sobre suas duvidas e que de fato Ezequiel era seu filho e Capitu o perdoaria pela sua desconfiança e eles seriam felizes para sempre. E Dom Casmurro JAMAIS seria um marco, um clássico da nossa literatura.

É isso! Abs.

Maíra.

Sérgio Santos disse...

Maíra, sempre é tempo para comentar, não tem problema. E é bom porque vamos matando as saudades.

Eu achei o final impecável e o final de Bento com Amora foi lindo e coerente. Honrou a trajetória deles. E eu nunca me importei com a vilania da Amora até porque sempre soube que a regeneração viria. Só achei exagerada algumas situações como pichar a Toca do Saci e vir com aquele papo de "dar o golpe" em Plínio, sendo que ela era cheia da grana. Mas tirando isso foi perfeito.

E ao contrário do que alguns disseram, a redenção dela não veio "de repente". Já começou a surgir quando Simone voltou. Não foi só na hora da morte. E sempre ficou bem claro que Amora era uma menina doce e boa quando criança. As circunstâncias e a mágoa a transformaram.

Discordo sobre torcida de Malu e Bento ter sido maior. As torcidas estavam bem equiparadas, incluindo aí quem queria Malu com Mauricio. A diferença é que a torcida "Bento/Malu" tentava (em sua grande maioria se impor no grito. E eramos mesmos fãs de Ano/Rodrigo de A Vida da Gente que também tentaram empurrar esse papo de que eram maioria e que Manu/Rodrigo foi um final incoerente e mimimi.

Sua comparação com Dom Casmurro foi ótima. É verdade, o autor tem que ser fiel ao contexto de sua obra. Se puder modificar por causa do gosto popular, ok, mas se não puder por causa da coerência, não faça.

Nem me lembrava dessa situação de Ti ti ti, mas aquela novela se perdeu da metade pro final. Ainda lembro que aquela secretária da Jaqueline que era uma víbora a novela toda se arrependeu no último capítulo e virou uma santa. Quer dizer, muitos tropeços. Mas que bom que em Sangue Bom eles souberam corrigir tudo. Beijos!

Anônimo disse...

Olá, Sérgio

Eu estou com saudades de Sangue Bom. Oh novelinha boa. Essa nova novela também não ajudou a amenizar essa saudade. Com relação ao final de Sangue, só posso dizer que foi fantástico. Há muito tempo eu não vejo uma novela fechar redonda e de forma tão coerente. Confesso a você que eu fiquei temeroso que MAA fosse estragar o final assim como Ti Ti Ti. Mas dessa vez ela me surpreendeu positivamente. Aos que não gostaram do final, é uma pena que não tenham entendido a proposta dos autores.

Lembro que nos primeiros meses, vi uma entrevista do Vicent, em que ele disse que o fio condutor da história sempre foi a relação de Bento e Amora e isso ficou muito claro com o decorrer da trama. Com relação ao casal, eu achei incrível como autores conduziram a história deles. O reencontro, a construção do relacionamento, o casamento, deterioração do mesmo, o fim e o recomeço. E no final dá para perceber os dois se reencontram separadamente e voltando a ser feliz. Mas como a felicidade deles não estava completa, quis o destino que eles se reencontrassem e fechassem o ciclo juntos. Com já dizia a música do casal, o destino deles é o amor sendo que se amaram de janeiro a janeiro, até mundo acabar. hahahahahahaha. Desculpe pelo devaneio, mas eu achei que o final teve uma licença poética incrível.

Bom, mesmo o Bento me irritando ás vezes, é inegável que ele e a Amora foram os que mais passaram por transformações ao longo da trama. Talvez o Fabinho e a Giane sejam, depois deles, os que mais se transformaram.

Sangue Bom pode não ter sido um sucesso de audiência, mas já está deixando saudades. Essa novela com certeza marcou aqueles que acompanharam e entenderam a proposta dos autores. Sem sombra de dúvida, na minha opinião, pode ser considerada uma das melhores novelas dos últimos tempos, junto com A Vida da Gente e Lado à Lado. Abraços

Luis

Flavia disse...

Quem não tem mais Sangue Bom na telinha à noitinha, nem novidades da novela no site da globo, faz o quê? Ouve a trilha sonora, Vagalumes, de Janeiro a Janeiro, Açucena, Jacarandá e outras. Além disso, vem dia sim outro também dar uma conferidazinha no blog do Zamenza para ler o que ainda estão postando, reler os ótimos textos dele, Sergio aqui. E, assim, poder falar da saudade de tantos personagens que se tornaram visitantes diários na nossa casa e que sumiram assim tão definitivamente.
A rotina de meses assistindo aos capítulos e twitando com você,Sergio, Zamenza lá rs,esperando seus posts sobre a trama, lendo, interagindo aqui no De olho nos detalhes com você, com outros aficcionados pela novela, essa rotina repito,foi quebrada e deixou a maior saudade. Nem sou uma pessoa nostálgica, apegada ao que passou, mas com Sangue Bom e nossa interação estou meio esquisita, com dificuldade de escrever internamente o 'FIM'.É que foi tudo tão gostoso, tão leve, salvo as exceções dos talifãs barulhentos mas pouco numerosos, que deixou um buraco difícil de ser preenchido com tanto prazer.Sergio, faço parte do grupo que te agradece pelo espaço, pela interação, pelo carinho.Beijos, felicidades.

Sérgio Santos disse...

Luisa, concordo com você. E eu também li essa entrevista do Vincent. Mas isso era tão óbvio que nem precisava ser dito. Pena que nem todos notaram. Tanto que Amora e Bento tinham bem mais destaque que os outros. Mas isso não fazia deles menos protagonistas, até porque o sexteto central era claro.

A história fechou de uma forma poética e coesa mesmo e vc não teve devaneio nenhum, o amor deles era de janeiro a janeiro. Aliás, a Ana Maria Braga disse isso no programa em que todos eles participaram ("É difícil escolher uma música dessa pra um casal sem dar bandeira sobre o final"). E olha que ela nem viu a trama.

Sangue Bom está na minha lista de novela preferidas e A Vida da Gente e Lado a Lado também, assim como você. Abraços.

Sérgio Santos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Sérgio Santos disse...

Flávia, sem querer se piegas, digo que seu comentário me deixou emocionado de verdade. Muito obrigado pelas palavras e também gostei muito dos debates, tanto aqui como lá no Twitter. É bom quando uma novela nos envolve tanto e isso sempre ocorre quando não há maniqueísmo. E eu sentia prazer em escrever sobre Sangue Bom, gostava mesmo. Alguns textos eu escrevo, digamos, por obrigação já que tento deixar o blog completo sobre tudo o que está passando, mas outros escrevo com prazer. E óbvio que os textos de novelas e programa que eu gosto são sempre escritos com prazer. Fico feliz que venha aqui sempre, assim como lá no Twitter. Sangue Bom deixou muitas saudades e o vazio ainda se faz presente. Um beijo!

Flavia disse...

:) Beijinhos, Sergio.

Catarina Schneider disse...

Aaaahhh que SAUDADE! Volta, Amora! Ainda me pego vendo as cenas da Amora, lendo os comentários desse blog, os seus textos... Meus 3 cd's da novela estão tocando no carro ainda! kkkk Sério, Sangue Bom foi especial, Amora foi especial pra mim. Queria dizer que amei os comentários de Isadora, Maíra, Luis e Flavia. Queria poder mostrar para os fanáticos da Vasconcellos como Amora tinha torcida. E que torcida! :) Bjos Sergio!

Sérgio Santos disse...

Bjs, Flávia!

Sérgio Santos disse...

Catarina, também estou sentindo muita falta da novela e, claro, da Amora. Tudo ainda está mt fresco na memória. Que saudades! Beijão!

Thallys Bruno Almeida disse...

Nem um mês que a novela acabou e a saudade já aperta. A gente era feliz e sabia. Nem que pra isso eu tivesse que aguentar a insuportável Amora de novo (ser a personagem mais importante, dúbia e tudo mais da novela não a exime de eu a achar um porre completo), mas que saudade boa. Fiquei feliz com os finais porque àquela altura Bento e Amora/Mayara pouco me importavam pra mim, eu sempre torci pra Malu e Giane.

O que me chateou um pouco foi que no último mês algumas opiniões diferentes sobre a Amora foram resumidas a uma simples "birra de talifã", como se todo mundo que tivesse detestado o final de A Vida da Gente fosse talifã. Eu não gostei e nem por isso me enquadro nesse grupo, tanto é que gostei desse final de Sangue Bom! Parecia até que no meio de tantos elogios à Amora/Sophie, dar uma opinião diferente fosse quase uma heresia, como se não tivesse o direito de gostar. Existiam talifãs da Fernanda? Sim! Mas existiam talifãs da Sophie também, eu não conseguia fechar os olhos pra isso! Eram tão irritantes quanto os outros! Do jeito que ficou colocado, ficou parecendo que TODOS os fãs da Fernanda são idiotas e imaturos, isso me incomodou. Porque nunca me considerei desse grupo. Só achava que pensar diferente não faz mal pra ninguém.

Não queria nem resgatar isso, mas a saudade da novela me lembrou essa questão chata que vinha nas discussões. Fora isso, só a saudade de uma das melhores novelas que vi.

Sérgio Santos disse...

Claro, Thallys, vc tinha todo o direito de achá-la um porre, ainda que adorasse falar dela.

Bem, que bom que gostou do final, porém, seu discurso antes era outro. Lembro de vc dizendo que Amora ficar com Bento seria "incoerente". Vc torcia pra Malu e Giane mas quando Giane xingava Malu vc se mostrava 100% contra Giane. Mas ok.

Toda generalização é burra, portanto, claro que não eram todos os fãs da Fernanda que eram idiotas, mas, desculpe, a maioria sim. Tanto que ainda surge algum cretino pra me encher no Twitter. Claro que bloqueio. Aliás, tem mts ainda ainda sentem um ódio mortal de mim e que "comemoram" a baixa audiência do último capítulo. Problemas deles, só lamento.

Sempre respeitei vc não ter gostado do final de AVDG, só nunca respeitei o fato de vc dizer que foi "incoerente" ou "ridículo" como disse algumas vezes. Mas eu mesmo retuitei um tempo atrás uma menina doente pra mostrar que o que eu falava era verdade.

E claro que pensar diferente não faz mal a ninguém, pelo contrário, mtas vezes enriquece o debate. Só não dava pra admitir papo de que Amora era vilã e Fabinho não e aquele mimimi de sempre. Aí ficava puxado.

Mas Sangue Bom deixou saudades e eu ainda sinto falta.

Thallys Bruno Almeida disse...

Era outro sim, porque os rumos da novela não estavam muito claros pra mim. Assim como você disse no primeiro capítulo que gostaria que o Bento ficasse com a Giane, ainda sem a história ter sido desenhada antes de vc torcer pela it girl. Mas o resto da história já sabemos.

Sobre os talifãs, se pensa assim, ok, mas isso me dá liberdade pra opinar que a maioria dos fãs da Sophie é talifã tbm. Me irritaram demais sempre se achando os coerentes, os que sabiam de tudo da história, etc. Às vezes sobrava até pra Giane/Isabelle que normalmente não tinham nada com isso. E foi aí que minha paciência acabou. Ficou claro pra mim que dá pra contar nos dedos os que realmente a admiram.

Enfim, paro por aqui.

Luiza G. disse...

Sergio, a premiação (merecidíssima) de Lado a Lado ontem me lembrou você, me deu uma saudade enorme do seu blog, da sua paixão pelo que gosta. Não estou acompanhando nenhuma das novelas em cartaz.Ainda - veja você - sinto falta de Sangue Bom, daquele sexteto jovem, do nosso sofrimento pela Amora...rs Ô meses bons foram aqueles, de voltar pra casa correndo pra não perder o capítulo, ligar TV e computador, acompanhar você no twitter e aqui.Sabe que, de vez em quando, volto aos posts seus da novela que mais gostei? Hoje rio tanto com o flaXflu das torcidas... Vou continuar visitando pra matar as saudades.Bjs

Sérgio Santos disse...

Oi Luiza G.

Eu fiquei mt feliz com a vitória de Lal! Merecido demais! E eu também estou sentindo muita falta de Sangue Bom! Ô novelinha boa! Que bom que vc ainda vem aqui pra ler textos antigos! rs =) Bjão!

Sérgio Santos disse...

Bem, Thallys, Amora ficar com Bento e não ser uma vilã era uma análise coerente, desculpa. Tudo diferente disso fugia de qualquer lógica.

Mas vc sempre chamou os fãs da Sophie de talifãs, já sabia dessa sua opinião. E eu gostei da quimica da Isabelle com Marco no primeiro capítulo, depois com a história e os perfis sendo apresentados, tudo mudou naturalmente. Ok, paro tb e vc que voltou com isso.

Anônimo disse...

Daqui a pouco vai fazer um mês que a novela acabou e ainda não consegui desapegar! Saudade de Amora, Fabinho, Giane, Bento, Malú e Mauricio! Mas, apesar da saudade, adorei o final; meu preferido desde A vida da Gente. A única coisa que não gostei foi Xande terminar com Felipinho, achei forçado demais, teria sido muito mais legal se eles mantivessem uma relação de irmãos. Sem contar que a interpretação do Josafá Filho não ajudou.
Também senti falta de relações familiares tão complexas como as de Fabinho e Plinio e Wilson, Bento e Glória terem sido mais exploradas ao longo da trama.
Aliás, Plínio me provocou alguma antipatia, pois, era muito duro com os que não pensavam como ele. Sei que Fabinho era difícil, mas, achei o fim ele oferecer dinheiro ao próprio filho para sumir da vida dele e das mães. Isso é ético? Além disso, tentava proteger os outros filhos de Barbara, mas, nunca fez nada para salvar Amora da influência nefasta da mãe adotiva. Pelo contrário, lembro claramente dele dizendo para ela que não era sua filha porque Bárbara a tinha adotado sozinha, ela só usava o sobrenome. Mais um ponto em comum entre os anti-heróis da trama: o filho biológico e a filha adotiva foram rejeitados por Plínio, da forma mais arrogante possível.

Mas o que importa é que no geral amei tudo e concordo com você em gênero, número e grau.
Acho que apesar de não ter sido sucesso de audiência, Sangue Bom teve merecida repercussão, porque despertou polêmicas e discussões nas redes sociais, como só acontece com uma boa novela. Quanta saudade!

Anônimo disse...

Como só agora li os comentários - ainda para aplacar a saudade - queria observar algumas coisas. Não entendo os que dizem que Amora e Fabinho não foram punidos. Uma das coisas mais geniais da novela, na minha opinião, foi justamente, a punição de ambos ter ocorrido ao longo dos capítulos e não apenas no último. Poucas vezes vi vilões serem tão punidos! ( e olha que concordo com o Sérgio, não vi nenhum deles como vilão clássico, eram mais anti-heróis). Ele sofreu um baque com o resultado do exame de DNA negativo e após aprontar de novo e ir para na cadeia ficou sem ter para onde ir - graças a sua própria arrogância e desprezo pelos outros, que afastou todo mundo - e só teve ajuda de Malú. Ainda assim por pouco não pôs fogo na Toca e isso detonou de vez o fundo do poço para o personagem. Ficou sozinho de vez, fugindo para não pagar por um crime que não cometeu, passou frio, fome, humilhações. Ficou doente e só não morreu como um indigente por conta da compaixão de Giane. Isso não é ser punido? Já Amora perdeu tudo, prestígio, dinheiro, o homem que amava, levou surra de Giane (até sem motivo, já que não teve coragem de dar em cima de Fabinho), foi acusada de um crime que não cometeu, perdeu a irmã, que como ela mesma disse era a única coisa que tinha lhe restado, foi presa. Isso não é ser punida?
E foi ótimo tudo isso ter sido gradual. E foi lindo os autores terem falado de redenção com tanta delicadeza. Seria triste demais se Fabinho e Amora acabassem em um presidio, por exemplo. Não só para eles, mas, para os outros. Acabaria como? Com Giane e Margô indo visitar Fabinho e Bento indo visitar Amora na cadeia? Deprimente!
Foram as melhores cenas de regeneração que já vi, justamente, porque não foram gratuitas. Em Ti-ti-ti, por exemplo, uma coisa que me irritou no fim, foi que o personagem do Marco Pigossi que é mau caráter a novela toda - e que ao contrário de Fabinho e Amora não dá qualquer sinal de humanização ao longo da trama - sofre um acidente de moto e do nada acorda bonzinho e fica com a garota que ele maltratou a novela inteira. Não houve nenhum processo para a transformação, como aconteceu em Sangue Bom. Aí sim é difícil de comprar! Outra coisa muito legal foram os nossos protagonistas com características de antagonistas - mais uma vez copiando o Sérgio - terem mantido a essência de seu caráter. Ele continuou ambicioso, prezando o dinheiro, mas, aprendeu a prezar outras coisas também. Ela continuou guerreira e aguerrida, só que agora lutando com outros meios, mais dignos. E ambos ilustram lindamente pessoas que (talvez por conta do abandono) confundiam o ser com o ter e se sentiam vazios sem bens materiais. Pessoas que á duras penas descobrem que a vida não é bem assim. E que tem uma nova chance para recomeçar. Lindo!
Sinceramente, acho que a única vilã não punida da trama foi Lara (o máximo de punição foi perder o Luxury), mas, isso não foi ruim. Pelo contrário, foi uma critica bem pertinente ao nosso sistema político. Aliás, acho que Lara, no fim das contas, era a única vilã 100% do mal.

Anônimo disse...

Só mais uma coisa. Toda vez que Felipinho aparecia ficava imaginando que se o personagem fosse interpretado por outro ator, com mais carisma, seria genial! Mas do jeito que foi ficava chato. Por várias vezes imaginei um ator como o André Arteche fazendo o Felipinho. Sei que podia até soar repetitivo porque ele fez um gay em Ti-ti-ti, mas, ainda assim acho que daria conta com muito mais propriedade de um personagem que tinha tudo para ser interessante e complexo e se perdeu no meio do caminho. E vocês? O que acham?
Beijos e obrigada pelas postagens, sempre tão interessantes.

Sérgio Santos disse...

Anônimo, concordo com vc em tudo. Também sinto muita falta da novela e achei o final tão impecável quanto o de A Vida da Gente. O Felipinho se fosse interpretado por um bom ator seria outro nível mesmo. André Arteche seria um bom nome, mas ficaria repetitivo pq tb fez um gay em Ti ti ti

Aliás, assino embaixo. O remake foi bom até a metade, depois desandou e o final foi horrível. O personagem do Pigossi se regenerou do nada mesmo, assim como aquela secretária da Jaqueline que era uma víbora e virou uma santa. Isso sim é forçado, não o que aconteceu agora.

E isso mostra que os autores souberam aprender com seus erros e evoluíram. O resultado foi essa linda novela.

Verdade, deveriam ter aprofundado algumas relações, como as citadas por vc. O Plínio irritava mtas vezes mesmo. Enfim, assino embaixo. Beijos e obrigado pelo carinho.

Luiza G. disse...

Anônimo 27 de novembro,como gostei dos seus comentários.Você, como eu, traz a lembrança da novela com muito frescor ainda.E, realmente, a redenção da Amora e do Fabinho foi o ponto alto da trama.Corajoso por parte dos autores, sobretudo a da Amora, personagem que dividiu mais a torcida do público, até pelo antagonismo com a Malu, a mocinha do bem.
Como você, tenha altas restrições ao Plínio, justamente por transferir para a Amora, sua enteada, o desprezo pela Bárbara, sua ex-mulher. Se era tão do bem, deveria ter lutado para neutralizar a influência totalmente equivocada da mãe adotiva sobre ela.Rejeitou-a simplesmente.
Até hoje sinto muita falta daquela história se tecendo dia a dia na minha telinha. Por isso, vira e mexe, venho aqui reler os textos do Sergio e os comentários apaixonados da hora em que as ações aconteciam.
Um abraço para você e outro para o Sergio.

Sérgio Santos disse...

Luíza G., o anônimo fez ótimos comentários mesmo e eu concordo com vc tb. E, claro, sinto muita falta da novela. Beijos!

Anônimo disse...

Hoje fazem exatamente 1 mês que acabou Sangue Bom. Que saudades dessa novela. Da Amora, hahaha. Adorava as peripécias dela e seu romance conturbado e cheio de conflitos com o Bento. Sophie Charlotte brilhou nessa novela, que saudade de conferir seu talento e de todos os outros, Afinal, essa novela teve um dos elencos mais fantásticos dos últimos tempos, muito gente talentosa, que nos fazia envolver com os dramas dos personagens, seja ele pequeno ou grande. Claro, que ha exceções, mas não vou entrar nisso.
Mas enfim, saudades, muitas saudades, estou saudosista e como não acompanho nenhuma novela atualmente (nenhuma no ar me chama a atenção) as vezes me resta ir ao site rever cenas da novela e relembrar. Era muito bom, e tenho um apego enorme pelos protagonistas, virei 'fã' deles e quero acompanhar seus próximos trabalhos. Admiro muito esses jovens talentos, que nos encantaram e que agora nos deixam saudades. Mas enfim, vou parando por aqui, que já estou começando a rasgar ceda, e detesto bajulação.
E encerro dizendo: SAUDADES!!!! rsrs.

Maíra

Lucas disse...

Ah, que saudade dessa novela incrível, Sérgio. Sangue Bom foi, na minha opinião, a melhor novela de 2013. Sangue é o típico novelão. Personagens complexos, textos inteligentes, humor bem dosado, drama na medida, além de um elenco primoroso. Da garotada que foi protagonista, é indiscutível o talendo do Marco Pigossi, Sophie Charlotte, Fernanda Vasconcellos, Isabelle Drummond e Humberto Carrão. Todos mandaram bem em seus papeis. Quero muito vê-los em outros papeis. Na minha opinião, eles juntos com a Natália Dill e Rafael Cardoso são os melhores atores dessa nova geração. Também não dá para esquecer as atuações de Giulia Gam, Marisa Orth, Marco Ricca, Yoná Magalhães, Debora Evelyn, Letícia Sabatella e Joaquim Lopes. Atuações memoráveis de cada um deles. E pensar que um pouco mais de um mês tínhamos esses atores incríveis na tela e agora temos que aturar Tardio, Juliana, Thiago, Simas, Ebach, Alexandre Borges e entre outros. Ai que saudade fica maior de Sangue Bom. Desculpe pelo texto enorme mas quando eu falo de Sangue, acabo ficando inspirado. kkkkkkkkkkkkkkk. Abraços.