terça-feira, 19 de novembro de 2013

Paolla Oliveira e Mateus Solano esbanjam talento, cenas impressionam e elenco se destaca no capítulo mais aguardado de "Amor à Vida"

A cena mais aguardada de "Amor à Vida" foi ao ar nessa segunda-feira (18/11). O grande segredo que movimentou o núcleo principal desde o primeiro capítulo foi finalmente exposto perante toda a família Khoury. E o impactante momento comprovou o talento dos atores, evidenciou a riqueza das interpretações, despiu por completo a complexidade do vilão, ocasionou mais uma reviravolta na história e engrandeceu a novela das nove, que obteve 43 pontos de audiência, atingindo picos de 48, com 67% de participação. Um merecido recorde.


Para se vingar do filho, César (Antônio Fagundes) armou para desmascarar Félix (Mateus Solano) e teve a ajuda de Bruno (Malvino Salvador). Em mais uma reunião dos Khoury ---- após o dono do San Magno ter se casado com Aline (Vanessa Giácomo), cujo casamento proporcionou ótimas cenas ----, a tensão foi a grande protagonista. O pai de Paloma (Paolla Oliveira) contou que o vilão pegou a criança (Paulinha - Klara Castanho) e jogou em uma caçamba, para o choque de todos os presentes. Bruno ainda levou Márcia (Elizabeth Savalla) e Efigênio (Gláucio Gomes), antigo dono do bar, para comprovarem a denúncia. A ex-chacrete mentiu, já que lembrou que era babá de Félix (outra revelação que virá à tona no futuro), mas o pastor confirmou tudo. Ainda assim, Paloma não quis acreditar, o que fez César mostrar o resultado do teste de DNA feito na echarpe que cobria o bebê, comprovando a culpa do vilão; que, acuado, confessou tudo e tirou a máscara.

Foi uma cena de tirar o fôlego. O capítulo foi quase todo dedicado ao núcleo central ----- ainda que tenha dedicado alguns momentos para o cansativo casal Michel (Caio Castro)/Patrícia(Maria Casadevall) e para a trama de Niko (Thiago Fragoso), com o claro objetivo de segurar a audiência, como
qualquer folhetim faz ---- e todos os atores envolvidos deram um verdadeiro show de interpretação. A adrenalina foi tanta que atingiu até mesmo quem assistia.

Mateus Solano e Paolla Oliveira protagonizaram a melhor cena da novela e a melhor de suas respectivas carreiras. Eles se entregaram de uma forma fantástica e viveram todas as emoções dos personagens. Mateus conseguiu imprimir todo o deboche do Félix no início da cena, transmitiu o medo após sua armação ter sido descoberta no meio da mesma, e vomitou todo o rancor do seu vilão no final da sequência. Foi de arrepiar. Já Paolla, começou a mostrar o desespero de Paloma enquanto César e Bruno contavam, com riqueza de detalhes, a monstruosidade feita por seu irmão. Foi uma entrega corporal absurda: o olhar de ódio foi se intensificando, o pescoço enrijecendo e o descontrole aumentando, até o instante em que ela parte pra cima do irmão em meio a um ataque de fúria. A dupla foi de uma genialidade ímpar.

Entretanto, o restante do elenco não ficou atrás. Nathalia Timberg, apesar de não ter tido muitas falas, mostrou a grandiosa atriz que é apenas através de suas expressões faciais. Já Susana Vieira exibiu com competência a perplexidade de Pilar diante das revelações do seu ex-marido e da confissão de seu filho. E Antônio Fagundes mais uma vez comprovou que foi um acerto Walcyr não ter matado César, que é um dos melhores personagens de sua carreira e está sendo divinamente interpretado pelo grande ator. Vanessa Giácomo --- que divertiu com o sarcasmo e o deboche de sua vilã --- e Elizabeth Savalla ---- que emocionou com o sofrimento da ex-chacrete ---- também merecem muitos aplausos. Aline foi um contraponto ótimo na sequência, pois estava se divertindo com o barraco e adorando ver a derrocada de um dos seus rivais. Márcia, por sua vez, chorou ao ver 'seu menino' destruído e prometeu ajudá-lo.

Toda a riqueza da cena foi ainda mais explicitada através da complexidade de Félix. O vilão sempre mostrou que na verdade não passa de uma vítima do pai, porém, nesse capítulo toda a sua fragilidade ficou desnudada. E sem a máscara de 'bom moço', ao contrário, por exemplo, do que aconteceu quando ele teve sua sexualidade exposta ---- um momento que também marcou e humanizou o personagem. Óbvio que suas atitudes não podem ser justificadas, afinal, foram muitos crimes, entretanto, fica cada vez mais claro que na verdade seu grande objetivo de vida era ter a aceitação e o amor de César. A proximidade que teve com Jonathan (Thalles Cabral) e o carinho que demonstrou por Niko, nos capítulos mais recentes, foram outros pontos que ajudaram a mostrar o lado bom do malvado.

E não há dúvidas de que Mateus Solano ganhará absolutamente todos os prêmios de Melhor Ator. Já faturou o "Prêmio Extra" e os futuros troféus serão dele, merecidamente. Se Adriana Esteves ganhou todas as vezes que disputou como Melhor Atriz, em 2012, por causa de sua Carminha de "Avenida Brasil", pode-se dizer, sem medo de errar, que o intérprete do Félix será o grande vitorioso de 2013. E depois do capítulo exibido no dia 18/11, esse fato apenas foi confirmado.

Walcyr Carrasco presenteou o público com uma sequência de encher os olhos e ainda proporcionou para os atores da novela cenas que ficarão eternamente marcadas, não só na história da teledramaturgia, como na carreira de cada um deles. A cena mais esperada de "Amor à Vida" evidenciou a qualidade da história, recebeu o valor que merecia do autor e primou pela intensidade das atuações e entrega dos profissionais envolvidos. Foi um capítulo para aplaudir de pé. Bravo!

82 comentários:

✿ chica disse...

Noooooooooooooooossa! Foi empolgante as atuações deles todos nas cenas de ontem. Félix ganhará, sem dúvida! abração,chica

Anônimo disse...

Eu nunca gostei dessa novela. Achava meio over, sei lá, n gosto do Walcir Carrasco. Mas ontem assisti e foram cenas muito boas. Felix incrivel, uma entrega excepcional do ator. E a Paola, q era razoavel, ontem foi incrível. Otima cena.

Anônimo disse...

Nossa Serginho, "entrou pra historia da teledramaturgia" foi exagero da sua parte, hein? Isso o tempo dirá, não acha? Eu como não gosto dessa novela não vi a cena com essa empolgação toda, achei tudo exagerado, over, parecia mais um dramalhão mexicano. Mas reconheço que o Mateus é ótimo ator, pena que o personagem é caricato demais e suas cenas idem. Mas é culpa do autor, não do ator. E o ibope imagino que cresceu porque todo mundo lá em casa correu pra ver o que estava acontecendo na TV(só minha mãe assiste a novela), com aquela gritaria toda você há de concordar que foi impossível não chamar atenção. Imagino que foi assim em todo lugar que tinha uma televisão ligada.

Maxxi disse...

CENA EXTRAORDINÁRIA!

Gostei demais da atuação do Solano que imprimiu em seu personagem características que não lembra nenhum outro personagem que ele ou outro autor fez. Os trejeitos, jeito de andar, de chorar, de gritar, de agachar-se, de fazer de vítima, foi tudo novo, incrível, numa bela dobradinha com Antônio Fagundes e Susana Vieira. Ele conseguiu engolir inclusive o seu contraponto que foi a Paola Oliveira, uma atriz que mostrou seu talento, fez uma atuação expressiva, mas que destoou quando a fera do Solano estava no vídeo. Incrível mesmo!

Parabéns ao Solano por nos presentear com cena extraordinária como essa!

Uma curiosidade: aqui no Nordeste, a novela passa "duas vezes", uma vez na parabólica, seguindo o horário de Brasília e outra vez nas TVs locais seguindo o horário regional. A cena foi tão excepcional, que a maioria das pessoas que conheço assistiu à cena duas vezes, portanto temos respaldo duplo para comentar aqui rsrsrsrs

Thallys Bruno Almeida disse...

Vi o capítulo envolvido naquele clima todo e depois revi, com mais calma, pra evitar que algo fosse dito em contexto errado. E ficou a conclusão: o grande acerto do Walcyr é focar no núcleo principal, já que alguns dos paralelos bons não renderam/rendem mto.

Mas eu sinceramente juro que não entendo, qual a necessidade de mais uma vez inserir outra cena de sexo desnecessária só pra deixar o Caio Castro sem roupa??? Ele só pode estar ali pela mesma razão que o Félix contratou o Anjinho no hospital! Faz sucesso, há química, mas tem hora pra tudo! Mas enfim.

Pra começar, Antônio Fagundes. Genial como sempre. A hipocrisia de César novamente ficou visível, uma vez que César estava pouco se lascando para o sofrimento da filha a quem tanto dizia amar e ter como preferida. Seu principal objetivo era ter o prazer de destruir Félix. Por causa disso, é o tipo do personagem que merece terminar mal em vida. Na sarjeta, destruído, perdendo tudo que tem, sendo vítima da Aline (tem horas que dá pra torcer por ela fazer isso mesmo com o César).

Depois, Elizabeth Savalla. Foi maravilhoso vê-la evocando seu brilhantismo dramático e se percebeu que Márcia guarda um carinho por Félix, a ponto de se sentir penalizada ao vê-lo sendo desmascarado e disposta a ajudá-lo a recomeçar a vida.

Nathalia Timberg e Vanessa Giácomo igualmente perfeitas. Bernarda sempre primando pela sensatez e Aline só olhando o circo pegar fogo, vendo a confusão se abater sobre os Khoury.

Paolla Oliveira merece uma menção especial. Digo sem medo de exagerar, ela arrasou tanto, mas tanto, deu um verdadeiro tapa na cara de muito 'cricrítico' e mostrou que o problema não é o talento (que ela tem de sobra), mas sim alguns dos rumos de suas personagens. A sequência da explosão de fúria e as duras palavras que ela dirigiu a Félix foram uma coisa de arrepiar. A entrega dela foi sensacional, ela deu um verdadeiro show, e digo sem medo de exagerar. Melhor sequência da carreira dela. Torço pra que sua próxima personagem puxe mais pro lado vilanesco, sensual ou pra comédia. Ela merece muito.

MATEUS SOLANO, em maiúsculas propositais, foi o grande nome da noite. Que ator. Que interpretação. Que entrega. Domínio de cena impressionante. Um personagem sensacional, para poucos. E Solano honrou a escolha a ponto de merecer todos os prêmios de melhor ator (aliás, sempre que ele e o Fagundes concorrerem, torcerei pelos dois). Deu até pena do Félix, sério mesmo. E até quero ver como vai ser explorada essa possível relação com o Niko.

E, por último, Suzana Vieira. Maravilhosa. A grande Suzana Vieira que existiu até 2005 (Senhora do Destino) estava de volta em definitivo. Assim como Paloma, Pilar também acordou. Nunca imaginou que seu filho querido e preferido seria capaz de tamanha atrocidade.

O texto alternou altos e baixos, a edição pecou por inserir o maldito núcleo Michel e Patrícia no meio, mas os atores e a direção foram sensacionais. A novela ainda tem lá seus problemas, por isso não acho que dizer que "Maneco e Aguinaldo vêm aí" vá diminui-los, mas acerta muito quando foca justamente no núcleo principal. Uma grande sinopse que, pra mim, poderia ter um texto melhor, mas que rendeu uma sequência que mobilizou o público. Abç!

Thallys Bruno Almeida disse...

PS: Mudando um pouco de assunto, eu tava vendo aqui umas coisas sobre a programação de fim de ano da Globo e, pelo que percebi, de uns tempos pra cá, eles estão investindo mais em Janeiro do que em Dezembro. Ano passado de novidade praticamente só teve o Doce de Mãe (e o filme Xingu), enquanto em Janeiro foram O Canto da Sereia, o filme Gonzaga e Pé na Cova.

Agora, de novidade mesmo, só a final do The Voice ao vivo, uma série do Luiz F. Carvalho (Alexandre e Outro Herois) e um especial de festival de sertanojo. De resto, a mesma coisa (as retrôs, encerramentos de temporada, especial RC...). E pra Janeiro, os dois filmes (Tempo&Vento e Serra Pelada), Amores Roubados e A Teia. É uma pena que esses investimentos no fim de ano tenham diminuído. Abç!

Elvira Akchourin do Nascimento disse...

Ótima análise, Sérgio. O capítulo teve um texto inspirado e uma direção que extraiu o melhor dos intérpretes, especialmente de Mateus Solano, Paolla Oliveira, Antônio Fagundes e Elizabeth Savalla.
Concordo que Nathalia Timberg, embora com poucas falas, demonstrou toda a dor da personagem na expressão corporal.
Achei Susana Vieira com as mesmas expressões de sempre. Malvino Salvador, Vanessa Giácomo e Thales Cabral, apenas medianos.
As tentativas de aliviar a tensão, com as cenas do quarteto amoroso no motel, foram fracas.
Mas o saldo final foi positivo. Valeu a pena a espera.

A Viajante disse...

Relendo você, agora, me senti injusta nos julgamentos. Eu criei uma espécie de antipatia à novela... talvez seja isso. Ou talvez, não... mas é fato que esperava que fosse de outro jeito. Essa explosão de Félix, da dificuldade de ser amado e aceito pelo pai já foi feita tantas vezes.... não convenceram. Mas a sua análise me convenceu... risos.. beijo, querido!

Flávia disse...

Cena ARREPIANTE, texto impecável e atuações extraordinárias! Foi maravilhoso, Sérgio! Walcyr deu um presentão para nós telespectadores! Valeu a pena esperar por esse antológico momento! Que cena!!!!! Até fui rever tudo no site depois de tão empolgada que eu fiquei! Beijos!

Alexandra Amaral disse...

Amei essa cena. Mas acredito que não entrará para a história da teledramaturgia. Existem ainda várias cenas arrebatadoras e podem vir outras muito mais. No mais, achei todas as atuações incríveis, me diverti com Aline, gostaria de ser ela naquele momento, comendo uma pipoca, tomando refri.
Matheus Solano mostrou que é um ator de peso, que pisa, esmaga, ri e sai sambando em cima daquele Caio Nojo. Ô atorzinho de merda aquele. Solano demonstrou a frieza, o ódio e depois o arrependimento. Meu pai amado, que ator!!! Merece todos os prêmios, todos mesmo. Um dos melhores atores dessa geração.
Paolla Oliveira fez ótimas expressões, as melhores da sua carreira. Nunca gostei da atriz, achava que só tinha uma expressão só. Mas nessa cena me impressionou, ainda que em alguns momentos parecia uma gata no cio ou que estivesse parindo. No mais, achei boa. Mas merece receber papéis diferentes, não insossos. Minha filha acha ela péssima atriz, só tem um jeito, é insossa sem graça. Opinião dela né, heh.
Já Antônio Fagundes, brilhou muito nessa cena. Genial. Ele demonstrou sua inconsequência. O César não está nem aí ao que causou a Paloma, direto ou indiretamente. Que ator. Que personagem. Wacyr Carrasco fez bem em não matá-lo.
Elizabeth mostrou que indenpendente da cena ser cômica ou dramática, brilha em qualquer uma. A parceria dela com Werneck é ótima. Aliás, fizeram bem em não exibi-la. Valdirene está com história pra lá de desgastada e o núcleo é pra lá de sem graça. Anteriormente adorava a personagem. Mas agora está insossa e parece querer apelar pra esquete.
Mas, voltando ao núcleo central, Natália Timberg merece viver mais 30 anos, atriz maravilhosa, mesmo que tenha tido uma aparição ínfima na cena, ela brilhou quando confessaram tudo. Mostrou o desespero de Bernardo.
Suzana mais uma vez mostrou que nunca foi canastrona e exibiu a indignação de Pilar sobre o crime de Félix.
Vanessa deu o ar cômico da cena, ela lá sentadinha no divã só vendo tudo de camarote foi de rachar o bico. Adoraria ser ela no momento e ficar lá, vendo tudo de camarote e ainda bebendo uma cervejinha ou um refri.
Resultado: achei um ótimo capítulo, mas dou nota 0 pelas cenas ridículas de Patrícia e Michel. Ah, e o casal nem faz sucesso, muita gente odeia esses lixosos, principalmente aqueles dois canastrões horríveis, Caio e Maria, dois atores pra lá de horríveis, merecem o framboesa de ouro de pior atuação e pior personagem. Saldo positivo: Atuação dos atores, brilhante. Nota 9


Melina disse...

Sérgio, se eu cheguei a ter alguma ressalva com essa novela não tenho mais nada depois do que vi ontem. Eu fiquei extasiada. Que cena impactante e bem interpretada. Paola calou minha boca porque eu nunca gostei dela e sempre a achei apática e sem carisma. Mas essa cena me deixou muda. A entrega dela foi absurda. O Mateus nem precisa comentar, não é? Esse homem é um mestre e o melhor ator da sua geração. Vive sua melhor fase e vai mesmo ganhar todos os troféus. Justo? Justíssimo!

O texto da cena foi forte, as atuações maravilhosas (o que foi o olhar da Nathalia Timberg?) e a direção magnífica! Um conjunto de fatores que fez desse capítulo o melhor até agora. Será que algum outro vai superar? Tomara.

O Walcyr está de parabéns e você também por mais esse ótimo texto! Um beijo!

Lucas disse...

Olá Sérgio

Realmente as cenas da revelação de ontem de Amor à Vida foram muito boas. Mas o texto dessas cenas foi horroroso. Os personagens ontem, pelo menos, falaram a palavra caçamba umas vinte vezes. O Walcyr realmente debocha da inteligência do povo com seu texto fraco e seu circo nas cenas. Desculpe, sei que você gosta da novela, mas na minha opinião ela é péssima. Quanto as atuações, Mateus Solano foi o dono do capítulo. Atuação Magistral. Fagundes esteve excelente também. Essa dupla é o grande acerto de AAV. Já a Paolla, eu achei atuação dela boa, mas nada comparado ao Solano e Fagundes. A Savalla também deu show.

A única coisa que me incomodou foi o César não ter mostrado o laudo antes. Para que fazer aquele circo todo. Para que levar testemunhas, se ele tinha o laudo e com isso ficava provado que o Félix jogou a menina no lixo. O Walcyr erro feio nesse sentido. Não fez nenhum sentido. Sei que ele quis que a revelação fosse estendida pelo capítulo todo. Mas isso não foi bem conduzido pelo autor.

De qualquer forma, as cenas da revelação foram boas. Mas a novela está muito longe de ser um novelão, na minha opinião. Abraços.

Kelvin disse...

Olá, Sérgio.
Concordo com você em tudo para variar. Adorei a capítulo de ontem, só achei quê o núcleo central merecia total destaque sem nenhuma interrupção dos núcleos paralelos, mas enfim né. Nathalia Timberg, Antônio Fagundes, Vanessa Giacomo, Susana Vieira e Mateus Solano dispensam elogios. Mesmo sem a Vanessa ter dito muita coisa, ela deixou transparecer muito bem no olhar quê a personagem estava muito satisfeita vendo o circo pegar fogo. Nathalia foi a quê menos falou também, mas só o olhar dela já disse muita coisa. Sem se esquecer da Elizabeth Savalla, quê também estava excelente em cena. Digo o mesmo da Susana Vieira, há tempos quê eu não a via defender tão bem uma personagem como ela está fazendo com a Pilar, como uma colunista do Yahoo escrever certa vez: Impressionante como essa senhora de 1.60 de altura cresce quando está em cena. Para mim, o Walcyr Carrasco está retratando a hipocrisia e o preconceito presentes na sociedade magistralmente através do César, para mim é um personagem quê está se destacando e muito no currículo do Fagundes, César é um personagem muito melhor do quê aquele tão sem graça dele em Insensato Coração. Diria também quê Félix é de longe o melhor personagem na carreira do Solano, e ele merece ganhar todos os prêmios ano que vem assim como a Adriana. Mateus está extremamente genial nesse papel. Malvino Salvador estava razoável como sempre. Mas até a Paolla Oliveira quê eu sempre achei ser muito fraca para interpretar esse papel, me surpreendeu e muito ontem. O grito quê ela deu e a reação quê ela teve foi de arrepiar ao Félix assumir ter jogado a Paulinha na caçamba de lixo, ela deixou totalmente visível o desprezo e a perplexidade da sua personagem. Com certeza, a Paloma é a melhor personagem da carreira da Paolla. Ela aprendeu e evoluiu muito com todos os seus erros desde Insensato Coração (Marina, outra personagem muito sem graça). Ela calou a boca de muita gente quê dizia quê ela era uma atriz meia boca, até eu queimei a minha língua. Para mim, a cena em quê o Félix sentou na cadeira, cruzou as pernas e disse quê jamais amou Paloma foi a melhor do capítulo. Querendo ou não, gostando ou não a sequência vai ficar marcada na história da teledramaturgia brasileira com certeza. Não só pelo desempenho do elenco mas também pelo texto inspirado de Walcyr. Corrigindo: Segundo a Patrícia Kogut, o capítulo de ontem cravou 43 de Média e 45 de Pico. Tenho certeza quê irei sentir muita falta dessa novela. Acho uma bobagem isso das pessoas comentarem quê o Walcyr precisa voltar para o horário das seis. Ele está estreando no horário escrevendo uma novela muito melhor quê as últimas escritas dos veteranos no horário: Viver a Vida, Fina Estampa, Salve Jorge e Insensato Coração. Maneco, Gilberto, Aguinaldo e a Glória sempre foram veteranos do horário nobre mas o quê não significa quê as suas ultimas novelas tenham sido boas, pelo contrário. Estou ansioso para quê chegue fevereiro, não por causa do término de AAV, mas porquê estou ansioso para ver esse povo queimar a própria língua. Lembro quê 3 meses antes de Salve Jorge estrear, quando a novela nem tinha logotipo ainda, minha intuição me disse quê a novela seria bem puxada. Essa "Em Família" não está me cheirando muito bem não. Pode até ser boa, mas vai ser difícil de se acostumar novamente com a narrativa lenta e detalhada do Maneco depois de uma narrativa tão ágil quê é a do Carrasco. Mas como é a ultima novela dele, vou dar uma moral para a novela. Sobre os furos de AAV, para mim toda a novela tem. Mas não é necessário comparar com SG, já quê no caso de Salve Jorge, a Glória retratou um tema sério e delicado de forma extremamente absurda e fantasiosa, o quê é inaceitável. Independente dos furos, não há como negar quê o núcleo principal é o grande trunfo da novela. Junto com o núcleo Autismo e o núcleo dos idosos, para mim são os melhores. Como Sílvio de Abreu já disse certa vez: Não importa o quê você escreve quando o público gosta. Se a novela tem furos não interessa, só interessa quê ela é boa.
Abraços!

´paulo disse...

O texto da novela é terrível, parece teatro infantil. É tudo óbvio, com palavras que não cabem nas cenas. E a novela tem coisas absurdas, como um dia em que o tal Félix mandou fazer as roupas dos funcionários cor-de-rosa. Nem vi essa cena(não assisto a novela) mas lí a repercussão negativa: ridículo, bobo e sem nexo foram alguns adjetivos que os críticos e o publico usaram pra tal cena. A novela é cômica ou é pra ser levada a serio? Decida-se Walcyr Carrasco. Quanto ao barraco de ontem eu fico me perguntando: como uma família rica, onde a maioria são médicos, podem protagonizar tanta baixaria? É difícil imaginar que pessoas assim rolariam no chão e se estapeariam e gritariam tanto. Pareceu sim novela mexicana.

Maria Lúcia Gromann disse...

Nunca fui chegada nessa novela, mas fui obrigada a assistir a cena por causa da minha mãe e foi incrível. Paolla fez uma péssima vilã na chatíssima ''Cama de Gato'' e ums mocinhas pra lá de insossas em 'O Profeta'' e ''Insensato Coração''. Paolla evoluiu muito nesses tempos. O olhar de raiva dela era impressionante, no momento em que ekla deu o tapa em Félix, foi milimetricamente planejado para dar tensão ao telespectador. Foi assim mesmo.
Já Matheus, a atuação dele é digna de aplausos de pé. Meu deus que ator.
PS: A novela Além do Horizonte continua insossa, sem graça e sem nexo. Ô novelinha podre!
E Sérgio, estou sentindo falta de um post de Joia Rara, mas não estou te obrigando heim kkkk
abração

Iara Lima Samburá Zulai disse...

O texto do Walcyr Carrasco não é nem um pouco afiado, mas vamos dizer q essa cena foi:
INCRÍVEL. A melhor cena da novela. Mas vamos dizer que não é o melhor capítulo por conta das patéticas cenas de Sílvia-Guto-Michelixocanastrão-Patrícianojentapéssimaatriz.
Simplesmente impactante a cena.

Danizita L. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Danizita L. disse...

Foi emocionante mesmo, do início ao fim, Mateus Solano dispensa comentários, pra mim é um ator completo.Mas a Paolla Oliveira...Surpreendeu, tão atacada pelos críticos desta vez calou a boca de muita gente, nem vou me aprofundar muito pois a maioria dos leitores aqui já disseram tudo.Mas não poderia deixar de vir aqui comentar, até porque já sabia que você iria fazer uma ótima análise Sérgio.

Karina disse...

Foi uma cena de tirar o fôlego. Os atores estavam de corpo e alma na cena. Adorei!!!!!!!!!

Sérgio, gostaria de te parabenizar pelo seus mais de 500 textos no blog. É muito texto! hehehe Infelizmente só comecei a vir aqui no início desse ano mas nunca larguei depois disso. Abraço!

Vera Lúcia disse...


Olá Sérgio,

Sua análise está perfeita e muito bem escrita.
O capítulo foi mesmo carregado de emoção e a interpretação dos atores dignas de reconhecimento e elogios. Fiquei impressionada especialmente com a atuação de Mateus Solano. Um espetáculo. Grande ator. Cheguei a ter pena do Félix ao vê-lo desnudar-se e refletir tão dramaticamente a dor de sua rejeição pelo pai.
Foi um capítulo envolvente e regado a emoção. Os atores convenceram com suas excelentes atuações.

Beijo.

Anônimo disse...

Sérgio, você chegou a ler a crítica do Maurício Stycer? Ele diz que faltou coerência na cena da echarpe mas está sendo humilhado pelos leitores. Até um especialista da área criminal disse que foi plausível a cena. Achei que iria gostar de saber!

Anônimo disse...

Bem que esses ricaços poderiam resolver tudo na base do argumento. Mas como o texto do Walcyr é fraco, ele resolveu tudo no tapa. Pareciam aqueles pobretões favelados. Imaginei tudo numa favela do Alemão de Salve Jorge.
Mas no mais, as atuações foram super entregues e imprewsionantes.

Lulu on the Sky disse...

Olha eu fiquei impressionada com a atuação do Solano, ainda acho a Paola fraca como protagonista.
Big Beijos
Lulu
http://luluonthesky.blogspot.com.br

Felisberto Junior disse...

Olá!Boa tarde, Sérgio!
...nem tem como discutir, Matheus Solano está num grande momento e cada vez mais, vem demonstrando seu grande talento.
Parabéns pela análise!
Agradeço,muito obrigado,bela semana, abraços!

Letícia disse...

Boa tarde meu caro Sérgio, tudo bem?

Adorei ontem assim a novela, estava muito boa, a revelação foi muito bom, mas por um motivo chamou atenção, normalmente é o tipo de cena que aparece mais para o final, nas últimas, ou na última semana de uma novela. Mas o Walcyr nos presenteou com a cena mais importante da novela com um pouco mais de dois meses de novela pela frente. É praticamente uma nova reviravolta. Pergunto como será daqui para frente, já que o principal já foi revelado e como será Félix, já que seu império desabou.

Pela primeira vez gostei da atuação da Paola Oliveira, sempre a achei bastante limitada, mas não sei se era pelos personagens, ou se era uma limitação dela mesma. Mas ao ver sua expressão de raiva e dor que parte para cima do Mateus Solano, eles caídos no chão e ela batendo com "vontade", ali, sim, vi que pode ter um potencial.

O Mateus, como sempre, foi fabuloso e, de fato, ninguém tem que se preocupar em descobrir quem vai ganhar, ele já ganhou todos, não tem para ninguém. Soube mesclar sarcasmo, sofrimento, fragilidade, arrogância, raiva, ressentimento em cena. O desejo desmedido de ser amado e aceito pelo pai ao ponto de cometar atrocidades, como jogar a sobrinha na caçamba, deixar a irmã desacordada sem prestar socorro, e tudo por causa da ganância, mas principalmente, por causa do pai, que sempre o desprezou. É claro que as atitudes não se justifica o ato. Quando a novela começou e no primeiro capítulo se via aquela família aparentemente normal, feliz em uma viagem juntos, não mostrava como estava desestruturada. Outro problema é sempre colocar sempre o hospital acima da família, já que tudo gira em torno do hospital. A preocupação de não chamar a polícia para não expor o hospital. Há algo de errado nisso, afinal de contas ali seria apenas o ganha-pão da família, e não o centro.

Mas a novela está ótima, tenho apreciado bastante. E espero que o nível continue o mesmo. Ver o Félix na versão pobre vai ser bastante interessante. Definitivamente o Walcyr soube costurar muito bem está trama.

Um abraço...



Soube

MARILENE disse...

Sergio, foi um verdadeiro show de interpretação esse capítulo. Emocionante! Mateus Solano estava sensacional e até provocou sentimentos distintos, indo da raiva pelos seus atos a um grande dó por seu sofrimento decorrente da rejeição. Bjs.

Filha do Rei disse...

Cenas cheias de movimento,emoções misturadas e talento.Eles estão de parabéns.

Rafael Barbosa disse...

Bem, Amor á Vida esta longe de ser uma novela que eu goste, me empolguei muito no inicio com aquele primeiro capítulo sensacional, mas fui perdendo o interesse ao longo dos meses seguintes e não engulo muitos defeitos que a novela tem. Fazia um tempinho que eu não via regularmente, mas claro que criei inúmeras expectativas para essa sequencia que realmente foi muito aguardada, fiquei ansioso para ver e o minimo que eu esperava era o grande show dos atores. Para mim os conflitos da família Khoury e os momentos de clímax na família são a melhor coisa na novela. Não achei o capítulo maravilhoso por causa da mesma coisa que muitos já disseram, os cortes para outras cenas desnecessárias nos núcleos chatos, quando o circo tava prestes a pegar fogo, mas tudo bem é uma estrategia pra segurar o publico, ta valendo. Outra coisa que não gostei, foram as primeiras cenas, o texto descabido misturando humor com drama, eles discutindo bobagens, enfim, enrolando ao invés de ir diretamente ao que interessava e o excesso de explicações. Mas quando finalmente o capitulo foi direto ao ponto, aí sim começou a valer a pena assistí-lo. Uma coisa que gosto do Walcyr e que tem em todas as suas novelas são esses momentos de impacto, essa catarse que as grandes viradas promovem. Com exceção das oscilações do texto, achei o capítulo espetacular, a direção, o significado deste momento para historia, a entrega e intensidade dos atores e o melhor, a exposição dos complexos de Félix que na minha opinião sem a aquela típica caricatura do gay, é um grande personagem, até melhor que o César. Enfim tudo isso fez valer á pena eu ter visto. Mateus Solano esta extraordinário, uma das melhores atuações masculinas desde muito tempo, é um monstro em cena, ele reinou absoluto, me emocionou e pra falar a verdade me compadeci de Félix, acho que é a primeira vez que não comemoro a queda de um vilão. Simpatizo muito com a Paolla e acho ela uma boa atriz, mas especialmente nessa novela onde acho que é tudo muito exagerado, acaba tendo umas cenas dela que não gosto, mais pelo texto do que por ela, nessas sequencias acho que ela oscilou, a entrega foi visível, mas houve umas caras e bocas e uns tons acima que não curti , no entanto ela brilhou quando a Paloma diz aquelas duras palavras ao Félix, mas contida. os coadjuvantes da cena também brilharam, Malvino e o pastor seguraram bem a onda, Nathália e Aline com uma participação mínima na cena, no pouco que interviram brilharam. Fagundes e Susaninha sempre competentes e grandiosos e a Savalla como sempre arrasando. Acho que o capítulo mereceu a audiência e a repercussão que teve, os atores estão de parabéns, Mateus deve ser reverenciado sempre e acho que o Walcyr acertou em cheio com essa virada na novela. Abçs

Clau disse...

Boa noite Sérgio!
Vc é ótimo!Sua análise foi tão minuciosa que mesmo eu não tendo assistindo a cena de ontem,pude perceber que a emoção e a tensão foram grandes.
Hoje pela manhã ouvi muitos comentários a respeito da grandiosa atuação dos atores envolvidos.
Pelo jeito foi bom mesmo...
Se vc escreveu que a cena foi de tirar o fôlego,eu acredito!
Bjs!

Celina Alves disse...

O capítulo de ontem foi o máximo e essa cena sem comentários, vai ficar na história da TV, Mateus Solano arrebentou.
BjoBjo querido;)
Celina Alves
Luxos e Luxos

Barbie Californiana disse...

A cena foi mesmo perfeita, Sérgio, assim como sua análise. beijinhos

Leandro disse...

Não gosto dessa novela, e desisti de assisti-la nas primeiras semanas de exibição, depois tentei ver eventualmente mas se tornou impossível pelos seguintes motivos:
O TEXTO: Acho o texto do Walcyr certinho demais, e não é só nessa novela. Tempos atrás li que a Thelma Guedes disse que novela das 18 horas exige que o autor seja mais descritivo e didático pois nesse horário o telespectador está muitas vezes cozinhando, ou realizando qualquer atividade que o impeça de estar na frente da TV, e está só escutando. Parece-me que o autor de Amor à vida trouxe para a sua atual novela essa característica e, em minha opinião, uma novela das 21 horas deve ter o texto mais dinâmico e descontraído.
O CASAL NINFOMANÍACO: Essa dupla foi responsável por uma sequencia de repetições irritantes, eles não tinham outro objetivo senão transar, e se pegavam em qualquer lugar. O rapaz eu já vi em outras novelas e sempre com o mesmo péssimo desempenho, sempre a mesma expressão, já ela não é má atriz.
O FAMIGERADO VILÃO: Ok existem gays afeminados, mas o Félix já é uma caricatura! Aqueles bordões irritantes: “ devo ter salgado a santa sei para merecer isso” ou “Devo ter dançado não sei onde para merecer aquilo” aff... Mas o pior é ele passando o dedinho na sobrancelha, não sei se rio ou se choro.
A MÃE DO VILÃO: Não vou dizer que Suzana Vieira nunca foi uma boa atriz, ela fez ótimos papéis e um deles foi a ótima Branca de Por Amor, mas seus últimos trabalhos foram péssimos. Sempre a mesma composição, os mesmo trejeitos, muitos dizem que ela não interpreta mais um personagem e sim que ela própria é um personagem. Infelizmente tenho que concordar.
O TÍTULO E A MUSICA DE ABERTURA: Por que cargas d’água a novela tem esse título? Até hoje não entendi! Me parece um título muito apropriado para uma novela de Manoel Carlo, que gosta de escrever sobre o cotidiano, o dia-a-dia das pessoas e suas alegrias e tristezas. E a musica escolhida para abertura na voz do Daniel é um crime, só isso que tenho a dizer.
Não pretendi fazer uma crítica à novela, até porque não sou capacitado para isso, apenas expressei os motivos, que em minha opinião, tornam essa novela chata

Fernanda Barbosa disse...

Concordo com absolutamente tudo que você escreveu, Mateus Solano e Paolla Oliveira foram magistrais...SIMPLES ASSIM e qualquer opinião contraria, principalmente em relação a Paolla é pura implicância pessoal. Mateus como sempre soberano, gênio na interpretação e dispensa mais comentários pois sabemos que é um dos maiores atores desse país e já se consagrou como tal. Paolla sem falsa modéstia vem se revelando uma grata surpresa a cada capítulo e não precisa provar a mais ninguém a que veio. Sua evolução como atriz é visível, com certeza ontem protagonizou a melhor cena da sua carreira e os críticos realmente sérios e imparciais como você concordam. Foi emoção do início ao fim, sequencias de arrepiar, épicas e que ficarão marcadas SIM na teledramaturgia brasileira. Cada olhar, cada gesto, cada pequeno detalhe culminaram em uma interpretação impecável e que mereceu SIM todo o reconhecimento de crítica e público. Só nos resta baixar a guarda e aplaudir DE PÉ o magnifico trabalho desses DOIS GRANDES ATORES !

Carlos disse...

Vi que você tinha escrito no outro comentário que gostaria que tivesse visto, li seu texto aqui e li alguns comentários por aí. Imagino que a cena tenha sido muito boa pelo Mateus, mas não consigo gostar desse personagem. Acho muito caricato para um suposto "no armário", agora que ele saiu tanto faz rs.

Lendo alguns comentários acima, concordo com praticamente tudo que o Leandro falou e discordo do Paulo na parte que ele fala de família rica e de médicos não brigar. Não vi a cena, não sei qual nível chegaram, mas acho que em um assunto série como esse, não tinha como não ter uma briga séria. Acho que aí já é muita implicância com a novela rs.

Vi umas outras 2 críticas quanto a possíveis furos. Tinha uma galera comentando da manta do bebê ter sido guardada suja de sangue e de sujeira de lixo e que ela foi a prova do crime. Segundo um especialista, no Stycer, é possível sim ter digitais graças ao sangue, nenhum problema, mas guardar o pano sujo? Ele guardou por lembrança? Guardou uma prova contra ele? Não seria mais coerente ele ter lavado, ter usado na bebê e quando ela tivesse crescido ele, aí sim, guardaria, só que limpa? Outro furo que li foi de ter prescrito o crime e alguns comentaram que não seria possível, que só ocorre em 20 anos e, a Paulinha não tem essa idade toda né?

Bom, não posso me aprofundar mais porque faz tempo que não vejo, então fico até meio perdido, estou me baseando em leitores de vários sites, inclusive os daqui.

Abraços.

Luma Rosa disse...

Análise perfeita, Sérgio!
A cena foi excelente e a Paola Oliveira mostrou na medida certa todos os sentimentos contraditórios que ocuparam seus pensamentos. Da incredulidade, da não aceitação até a raiva por ter sido tão enganada tanto tempo.
Mateus Solano foi divino e eu quase fiquei com dó de Félix. Acredito em sua redenção - Talvez vá morar no suburbio com Márcia - já pensou?
As fotos que postou na sua fan page estão ótimas. Aliás sua fan page é um capítulo à parte. Você deveria colocar o link para lá no final dos posts, pois muitos acessam o seu blogue pelo feed e não sabem da existência da página no facebook.
Boa semana!!
Beijus,

Anônimo disse...

Não vi essa cena com bons olhos. Será que pra dar picos de ibope as novelas precisam apelar pra barracos? Não seria mais interessante se a novela sempre tivesse picos de ibope pelo bom texto e historia, independente de barracos? Texto que não é o forte desse autor, pelo contrario, é quase primário. Dá pra levar a serio uma personagem que em um capitulo chora, briga, se desespera quando é desmascarado e no capitulo seguinte fala coisas como "mami" e "papi"?

Adriana Helena disse...

Oi Sérgio, tudo bem amigo?
Nossa, que cena, que interpretação, que tudo!
É TUDO, porque você disse tudo!
Mateus Solano e Paolla foram perfeitos.. Ambos em um show de entrega e interpretação nunca vistos, até então, na novela! Foi de arrepiar!
E eu fiquei com pena do Félix... mesmo ele tento feito coisas horríveis, monstruosas,sua reação, ao final foi digna de muita pena...

Enfim, sua análise foi engendrada com perfeição amigo! Parabéns!
Beijos e uma semana maravilhosa!

Kellen Bittencourt ( Trilhamarupiara) disse...

Olá amigo, eu amei o capitulo, adoro ver o Mateus Solano dando show de interpretação, a Paola tbém foi muito bem, mas ele é impar, foi demais mesmo o capitulo! Abraçossss

eder ribeiro disse...

O Solano tá dando mostra do seu gde talento. A sua entrega é de se aplaudir de pé. Essa cena será lembrada por muitos anos. Abçs.

Sérgio Santos disse...

Foi incrível, Chica. Bjs

Sérgio Santos disse...

Obrigado pelo comentário, anônimo. abç

Sérgio Santos disse...

Anônimo, não foi exagero, não, porque se entra pra história quando uma cena brilhantemente bem interpretada fica na mente das pessoas e essa ficará. Quando se falar de Amor à Vida daqui a alguns anos a primeira cena que virá a cabeça será essa.

E discordo que o personagem seja ruim, aliás, é graças a esse papel que o Solano será consagrado.

Sobre ibope, nada a ver. As pessoas correram pra sua sala mas a televisão continuou sendo uma só. Não é assim que se conta audiência. É número de televisores ligados e não de pessoas em frente à tv.

Sérgio Santos disse...

É mesmo, Maxxi? Não sabia que passava duas vezes aí. rs Sorte a de vocês! Foi uma cena extraordinária mesmo. O Mateus foi incrível mas a Paolla não ficou atrás. Foi uma dobradinha maravilhosa. Valeu a pena esperar esse momento. Deu gosto de ver. Abraços!

Sérgio Santos disse...

Paolla e Mateus foram extraordinários, Thallys, e todo o elenco envolvido fez bonito. Aliás, tudo foi perfeito, e eu incluo o texto, que os haters do Walcyr tanto desprezam. Foi uma cena de encher os olhos.

Sobre a cena inútil do Michel, concordo porque odeio todas as cenas que o envolvem, no entanto, isso ocorre em todo folhetim. Lembro mt bem que no meio de algum embate épico de Av.Br Brasil aparecia o núcleo Cadinho (que eu adorava, vale dizer) e assim em qlq folhetim. A novela foi praticamente voltada pro drama familiar, mas algumas minutos foram dedicados para enrolação. Perfeitamente normal.

Claro que o fato de vir Maneco e Aguinaldo não ameniza os erros, mas que erros? Sério, não vejo nem a metade dos erros que alguns veem. Sempre considerei Michel/Patrícia um erro porque o ator é ruim e as cenas nada acrescentam, porém ,os outros núcleos, todos, são ótimos. E que bom que o Walcyr valoriza todos e não só o central como Glória Perez fazia, deixando todo o resto no lixo. E todos as tramas têm potencial e rendem quando exploradas.

Aliás, eu já fiz isso no Twitter com algumas pessoas que odiavam a novela. Pedi pra citar 3 erros. Falam "texto", Patricia/Michel e empacam nisso. Ou seja, não tem tanto erro assim. E texto por texto, já disse, há de se diferenciar aqueles excepcionais (como Sangue Bom, por ex), pq no resto há equiparação, sem medo de exagerar.

Não cheguei a me informar ainda sobre os especiais da Globo, mas é verdade, ela não tem investido muito nos últimos anos. Abçs

Sérgio Santos disse...

Obrigado, Elvira. Foi um grande capitulo mesmo. Qlq cena com Michel é ruim, inevitável. O elenco foi magistral e a entrega foi total. Discordo sobre Susana, Thalles e Vanessa, mas respeito sua opinião. Bjsss

Sérgio Santos disse...

Ju, talvez seja isso, até porque quem odeia a novela dificilmente dá o braço a torcer. O mesmo vale pra qlq trama. Beijão!

Sérgio Santos disse...

Flávia, arrepiante mesmo. Eu gravei o capítulo pra guardar. Merece. rs bjs

Sérgio Santos disse...

Alexandra, foi uma grande cena mesmo. Não deu nem pra piscar e a Aline deu um ar cômico e sarcástico. Mateus e Paolla foram fantástico e o resto do time também. Pena que Michel e Patrícia encheram a paciência por alguns minutos. A Savalla é maravilhosa e se sai bem no drama e na comédia. Bjsss

Sérgio Santos disse...

Melina, muito obrigado. Eu nunca tive ressalva com a novela, pelo contrário, sempre gostei e muito. Walcyr é um dos meus autores preferidos. Mateus foi incrível como sempre e Paolla deu um show. Eu sempre gostei dela, só a critiquei (e muito) em Insensato Coração.

Olha, não sei se a novela conseguirá outra cena mellhor que essa, mas tb torço para que consiga. Quanto mais melhor. Beijos.

Sérgio Santos disse...

Lucas, respeito vc não gostar da novela, sem problemas. Mas não achei o texto "horroroso" não e nem a novela péssima. E sobre o circo feito pelo César, é novela, né? Precisa desse início até chegar ao clímax. Até porque, o "normal", seria falar isso só pra Paola, que depois passaria para cada um dos familiares. Mas qual a graça? Novela não é assim e nunca será. Aliás, que bom. Abraços e obrigado pelo comentário.

Sérgio Santos disse...

Kelvin, posso assinar embaixo do seu comentário? Então está assinado. E eu corrigi o índice do ibope, aliás, o pico foi de 48. O próprio Walcyr disse que depois de Amor à Vida ele quer escrever uma novela para as seis, ou seja, não ficou deslumbrado. E é uma bobagem isso que falam mesmo. Concordo com vc que AV é muito melhor que todas essas citadas, assim como concordo que César enriqueceu o currículo do Fagundes e Félix é o melhor personagem do Solano.

A cena foi fantástica e mereceu o ibope que teve. Bom ver uma novela boa recebendo o devido valor da audiência, já que isso foi tão raro esse ano, vide Lado a Lado, Guerra dos Sexos e Sangue Bom.

Torço para que a última obra do Maneco seja maravilhosa, mas estou com um pé atrás e óbvio que sentirei falta de AAV. Enfim, concordo com tudo. abçs.

Sérgio Santos disse...

Paulo, dá pra ver que vc não vê a novela mesmo porque Félix não mandou fazer uniformes rosas, ele simplesmente optou por um produto mais vagabundo para poder desviar dinheiro e calhou de ser rosa, lilás, azul, bege, etc...

Desculpe, Paulo, mas essa sua desculpa para criticar a novela soa ridícula. Como assim rico não faz barraco? Não sei da sua condição financeira, mas se descobrisse que seu irmão jogou seu filho no lixo anos atrás vc não partiria pra cima dele?

E mais uma coisa, nas novelas de 1980 não tinha barraco no núcleo rico? Vc nunca viu uma novela do Manoel Carlos ou do Gilberto Braga, né? Ou com eles isso pode e com o Walcyr não? Menos, Paulo.

Sérgio Santos disse...

Maria, eu gostei da Sônia e da Verônica, interpretadas pela Paolla. Mas da Marina, não. A cena ficou ótima mesmo.

ADH está péssima e está difícil melhorar. Sim, já ia escrever sobre Joia Rara. Amanhã eu escrevo. Bjs

Sérgio Santos disse...

Foi incrível, Iara. Concordo sobre a cena inútil do quarteto. Beijos!!!!

Sérgio Santos disse...

Danizita, obrigado pelo carinho e fico feliz que goste de vir aqui. Foi uma cena excelente mesmo e a Paolla calou a boca de mt crítico, de fato. Bjão.

Sérgio Santos disse...

Karina, muito obrigado. Acredita que eu nem tinha reparado? Realmente estou com 502 textos postados. É texto pra caramba. rs bjs

Sérgio Santos disse...

Obrigado, Vera. Foi fantástico mesmo! Mateus foi incrível e o time deu um banho. Cena memorável. bjs

Sérgio Santos disse...

Sim, anônimo, eu li. Mas ele postou outro texto depois com a análise de um perito dizendo que a cena foi perfeitamente plausível. E nem precisava, porque óbvio que não houve erro nenhum. Ele exagerou na crítica.

Sérgio Santos disse...

Anônimo, como resolver na base do argumento? Vc resolveria na base do argumento se descobrisse que seu irmão jogou seu filho no lixo? Isso nada tem a ver com texto fraco, tem a ver com verossimilhança mesmo.abç

Sérgio Santos disse...

Tudo bem, Lulu. bj

Sérgio Santos disse...

Muito obrigado, Felis. Abraços.

Sérgio Santos disse...

Olá minha cara Letícia, que cena! Foi de uma qualidade ímpar! E o Walcyr mais uma vez causou uma reviravolta na novela e expôs o principal mistério com dois meses de antecedência do final. Por isso não concordo jamais com quem ousa dizer que essa novela tem barriga. Barriga não é isso, desculpa.

Ele costurou muito bem a história mesmo e quando um núcleo se destaca, outro fica com menos cenas, o que é válido para não deixar uma trama cansativa ou então passar a tal impressão de barriga. O esquema de rodízio deu super certo.

Pois é, não quiseram chamar a polícia porque o hospital ficaria exposto e ainda poderiam descobrir os desvios do Félix e deixar o hospital mais sujo ainda. Fora que César não é nenhum anjo.

A novela está excelente. Beijos!

Sérgio Santos disse...

É verdade, Marilene. Ele despertou raiva e pena também. O personagem, aliás, é riquíssimo. Bjs

Sérgio Santos disse...

Estão mesmo, Cléu. bjs

Sérgio Santos disse...

Bem, Rafael, não acho que a novela tenha muito defeitos, muito pelo contrário, mas ok. E achei a Paolla tão bem quanto o Solano. O início da cena cabia o sarcasmo do Félix, até porque ele é assim. E enrolar para depois vir o ápice é normal em qualquer folhetim. A cena, as atuações, o texto, a virada, enfim achei tudo impecável e o recorde de audiência foi justo.

O Félix é um tipo muito complexo, assim como o César. E ambos são interpretados brilhantemente. Abraços!

Sérgio Santos disse...

Clau, obrigado pelo carinho. bj

Sérgio Santos disse...

É verdade, Celina. bjs

Sérgio Santos disse...

Obrigado, Barbie. bj

Sérgio Santos disse...

Leandro, sem problemas vc não gostar.

Concordo que o texto de Thelma Guedes pareça com o do Walcyr, até pq ela é uma discípula dele, no entanto, todo autor tem uma escrita e isso não muda, independente do horário. Claro que há palavreados mais fortes dependendo da hora, no entanto, fica nisso.

Amor à Vida realmente pouco tem a ver com o tema da novela e talvez seja apenas uma referência ao gesto do Bruno em pegar o bebê. Em nome do pai era um título mt mais apropriado e foi escolhido pelo Walcyr na época.

No entanto, há inúmeras novelas onde o título não condiz com a trama. Flor do Caribe nada tinha a ver com a trama, Sangue Bom nada tinha a ver com o ser X ter, Salve Jorge nada tinha a ver com tráfico de pessoas, Avenida Brasil nada tinha a ver com Carminha X Nina, enfim, poderia ficar a noite toda dando exemplos...

A música do Daniel é irritante mesmo, mas isso faz a novela ser ruim? É só uma música.

E o Félix está mt longe de ser apenas uma caricatura de um gay. Quanto aos bordões, vai de cada um gostar. Mas respeito que odeie. Abraços.

Sérgio Santos disse...

Fernanda, obrigado. os dois foram grandes mesmo e fizeram bonito. Foi uma grande cena. Obrigado pelo comentário. bjs

Sérgio Santos disse...

Carlos, falei pq eu tenho quase certeza que vc iria gostar da cena. E claro que esse comentário do Paulo é implicância, afina, o que mais tem em novela é personagem rico brigando. E na vida real tb. Aliás, é óbvio, como resolver um assunto monstruoso desse na base do papo? Por favor, né.

Sim, o Stycer publicou um texto criticando isso e ignorando toda a beleza da cena, mas os leitores o criticaram muito e discordaram. Entre os leitores, tinha um especialista que falou que era perfeitamente plausível e que em CSI tinha mt mais absurdos. E não teve erro mesmo.

Bruno guardou o pano de lembrança mesmo, aliás, normal isso. E não era uma prova contra ele, era uma prova contra quem abandonou a criança. A ainda que tivesse lavado, não tiraria o sangue, já que vestígios sempre ficam. Não vi problema nisso.

E os personagens não vão denunciar porque não querem escândalo com o nome do hospital. Mas isso, apesar de não ter embasamento, eu concordo, não tinha como o crime prescrever com 12 anos. Abraços.

Sérgio Santos disse...

Luma, obrigado. Ele vai morar com ela no subúrbio mesmo. rs E eu também acredito numa redenção e numa relação com o Niko no futuro. Quem sabe.

Eu costumo postar o link da página do blog no Facebook no Twitter, mas aparece aqui do ladinho no blog. Acho que nem é necessário, mas valeu pela dica. Bjsssss

Sérgio Santos disse...

Anônimo, vc já viu novela sem barraco? Eu nunca. Resolver uma questão tensa quanto essa com meros xingamentos seria decepcionante. Mas ok, vc não gostou.

Sérgio Santos disse...

Adriana, obrigado pelo carinho de sempre. Mateus e Paolla foram maravilhosos mesmo e a cena idem. E deu pena do Félix mesmo, fato. Beijão.

Sérgio Santos disse...

O capítulo foi ótimo mesmo, Kellen. bjsss

Sérgio Santos disse...

Nunca será esquecida, Eder. Abçsss

Thallys Bruno Almeida disse...

Vou tentar explicar os problemas que vejo, juntando aos dois que vc mencionou. Superficialidade de tramas paralelas (no que resultou aquele tratamento de câncer da Sílvia? A exploração do alcoolismo da Vivian? A funcionária do hospital que é vítima de violência? Não duvido que se bobear a quase figurante que vai se descobrir soropositiva vai pelo mesmo caminho), a repetição de cenas do núcleo Valdirene mesmo depois de ela ter ido morar com a sogra (porque eu já vi gente reclamando disso, o esticamento pra mim se devia ao sucesso ~inicial~), diálogos que nem sempre cabem no contexto, exagero nos núcleos que não têm importância... E sobre a primeira, se for pra colocar um monte de temas sociais pra abordar desse jeito, melhor nem inserir. Porque eu tbm apostava nisso e queria um bom foco para essas boas tramas. Como não veio, então acabo preferindo que se enfatize o núcleo principal.

O que eu concordo, sim, é que o Walcyr sempre dá um jeito de valorizar os atores embora isso resulte algumas vezes em núcleos que não acrescentam, ao contrário da Gloria Perez que insistiu a todo momento com uma protagonista chatíssima e criticada demais e desperdiçou gente pra cacimba. Se eu for sentir falta de alguma coisa em AAV, provavelmente será do núcleo principal. Mas Walcyr tem suas vantagens. Só isso. Abç.

Sérgio Santos disse...

Thallys, isso de superficialidade foi o Nilson que falou, né? Pelo menos acho que foi ele, não lembro com clareza. Mas isso é uma bobagem. Impossível aprofundar inúmeros temas numa novela com mais de 80 personagens. Aliás, a proposta da trama nem é essa, até porque se tudo fosse aprofundado perderia a agilidade. Aliás, é contraditório exigir profundidade desses temas e ao mesmo tempo criticar a importância que o Walcyr dá em todos os núcleos.

E eu acho que vale muito inserir esses temas todos porque destaca os atores, levanta discussões e movimenta a novela, disfarçando a tal barriga que 90% das obras têm. Mas profundidade há com Maneco ou Lícia. Cada autor com um estilo.

A questão da Valdirene é aquilo: cresceu porque fez e faz sucesso. E ainda serviu para destacar o Emilio Orciollo que estava sumido. Antes reclamavam de "um famoso por dia", depois que ela ia em busca de um rico, depois do romance com Carlito, depois da casa da sogra e com certeza reclamarão dela no BBB. Mas entendo que vc tenha se cansado. Porém, ainda assim, é um defeito que fica em desvantagem comparando o que vc diz gostar. Até porque, embora não tenha mencionado, que eu saiba, vc tb gosta do núcleo Linda, Leila, Niko etc. Abçs

Carlos disse...

Mas o erro nem está nas digitais, que fica mesmo. Pra mim a forçada está no pano sujo. Guardar um pano sujo de lembrança? Guardar uma flor murcha do primeiro encontro, por exemplo, até vai, um dente de leite, até vai, agora um pano sujo de sangue desconhecido e de lixo? Se o personagem vive em uma casa toda suja, ok, mas pelo que vi não é o caso. Como ultimamente temos que viajar com essas novelas, vamos viajar em mais uma rsrs.

Antes que venham com mas em filmes isso é comum, em filme as pessoas tbm falam desses detalhes, só que até nisso passa batido pq em filme temos umas 2 horas e só, novela não. CSI como citado tem mentiras? Muitas. Mas como é semanal, passa mais batido, mas quando é frequente... Acho que ficção pode ter seus delírios, mas deveriam ser um pouco mais discretos ou coerentes. Custava o personagem do Malvino ser um pouco mais desorganizado pra bater com o pano sujo de agora? Mesmo assim seria forçado, mas teria coerência com a personalidade dele.

obs.: a lavagem tiraria a prova contra o Félix, porque as digitais sairiam com o sangue antigo. Pra análise acho que só identificariam que ali já esteve sujo de sangue, não sei nem se daria para descobrir de quem é o sangue, mas digital de Félix não teria. Prova contra o Bruno viria dele ter pegado a criança e mesmo sabendo que não é dele o próprio registrou. Mas esse não acho grave, achei nada a ver foi o pano sujo por mais de 10 anos. Mas se vc viu e gostou, aí é contigo. Eu não vejo mesmo, por mim pode voar bastante que não ligo rs.

Abraços

Abraços.

Anônimo disse...

Novelinha grosseira e estapafúrdia! Vi apenas três capítulos em outubro e pretendo nem ver mais! WC necessita voltar pras seis, o exemplo é O Cravo e a Rosa, novela simples e adorável que está sendo reprisada. Novela sem contextos melodramáticos, sujos e horrorosos!
Simples e romântica.
Sim, ok, novelas das nove seriam patéticas se fossem todas voltadas pra simplciidade, mas, essa AmorA Vida exagera no peso e no dramalhão mexicano.

Sérgio Santos disse...

Carlos, mas não é pano de lixo, é a echarpe da Paloma, no caso de uma mulher. Ele guardou porque no fundo tinha esperança de encontrar quem havia feito uma crueldade daquela. E a digital do Félix ficou no sangue coagulado. Mas ele guardou numa gaveta, bem escondido. Juro que não vi forçação nisso.

Eu não vejo CSI, então não posso falar, mas quem vê diz que tem absurdo pra caramba. E eu insisto: vc deveria ver, ao menos, a cena da revelação. Foi muito boa. Mesmo!

Ps: vc ainda vê Revenge? Eu tenho visto e gostado muito, principalmente, por se tratar de uma série que parece uma novela. Abçs

Sérgio Santos disse...

Anônimo, tenho lido algumas críticas de telespectadores dizendo que só tem desgraça na novela e que de tristeza já basta a vida. Desculpa, mas quer paz e tranquilidade veja um documentário sobre pássaros.

E como vc mesmo disse, não tem como comparar temas de uma obra das seis com uma das nove. Os temas, óbvio, tem que ser mais pesados.

Mas ok, respeito que vc odeie a novela.