quinta-feira, 14 de novembro de 2013

"The Voice Brasil" e "Amor & Sexo": a combinação que engrandeceu as noites de quinta-feira da Globo

Quando a Globo anunciou que o "The Voice Brasil" deixaria as tardes de domingo e passaria a fazer parte da programação noturna das quintas-feiras, uma constatação ficou óbvia: a emissora percebeu o potencial que o reality tinha para engrandecer a faixa 'pós-novela das nove', após o sucesso da primeira temporada. E de fato engrandeceu. Os índices de audiência só crescem e comprovam que a mudança na grade foi muito bem-sucedida. No entanto, houve um bônus que deixou o que já era bom ainda melhor: a dobradinha feita com "Amor & Sexo".


O programa apresentado por Fernanda Lima sempre agradou mas está em sua melhor fase. Os quadros fixos, que muitas vezes faziam a atração perder o ritmo, ficaram de lado e a atração agora é exclusivamente baseada em divertidos e interessantes debates entre os presentes. O papo é tão descontraído que o telespectador tem a sensação de estar acompanhando a um intervalo das gravações, onde todos conversam despretensiosamente para passar o tempo. Quase uma espécie de 'bastidores'.

E o 'casamento' do "Amor & Sexo" com o "The Voice Brasil" foi muito bem-sucedido. O reality musical se adequou perfeitamente ao novo horário ---- aliás, nunca deveria ter sido exibido à tarde, uma vez que as roupas dos participantes e jurados, o palco e inclusive a iluminação, sempre foram apropriados
para a noite ----- e conquistou uma expressiva audiência (o recorde até agora foi 28 pontos). De quebra, o formato ainda impulsiona os números da atração de Fernanda Lima; que vem marcando em torno dos 15 pontos, um índice extremamente positivo já que costuma entrar no ar depois da meia noite.

O sucesso dessa parceria tem feito a Globo repensar o encerramento do "Amor & Sexo". A emissora havia decidido que a sétima seria a última temporada, até mesmo para evitar um desgaste e sair de cena em alta. Entretanto, a boa audiência e a resposta positiva do público ocasionaram um impasse: se o programa realmente acabar esse ano, que atração virá depois da terceira temporada do "The Voice Brasil", em 2014, capaz de ser beneficiado pelos bons índices da competição musical? "Globo Mar"? "Na Moral"? Algum produto novo? É uma pergunta difícil de ser respondida, porém, acabar com essa tão positiva 'dobradinha' para apostar em algo duvidoso não deixa de ser um equívoco.

Enquanto o "The Voice Brasil" apresenta uma sucessão de grandiosos números musicais, deixando o telespectador preso diante da televisão, torcendo pelos seus participantes favoritos e ouvindo música de qualidade; o "Amor & Sexo" se destaca através da sua bem-humorada abordagem da sexualidade e dos relacionamentos, entretendo e divertindo quem assiste.

As noites de quinta-feira ficaram muito mais agradáveis com esses dois programas. A Globo fez bem em encerrar antecipadamente a desgastada "A Grande Família" (que voltará em 2014 para sua última temporada) para inserir uma atração musical que emplacou em 2012 e que terá vida longa na grade da emissora. E a parceria com "Amor & Sexo", ainda que tenha sido um 'acaso', funcionou perfeitamente, deixando ótimo o que já tinha ficado bom. Resta torcer para que esse 'casamento' seja mantido ano que vem, para a alegria da audiência e para o terror da concorrência.

50 comentários:

Filha do Rei disse...

Sérgio,realmente a mudança de horário foi muito boa, apesar de eu estar acostumada com o domingo,pois aqui em casa nos reuníamos para assistir ao The Voice e torcermos juntos.E a Fernanda Lima está cada vez mais espontânea e pelo que percebo sabe aproveitar os desafios.Acredito que chegará a ser uma das apresentadoras com mais êxito em nossa tv.Tenha um abençoado feriado.Bjs

Felisberto Junior disse...

Olá!Boa noite, Sérgio!
...puxa, para mim, não resolveu muito,pois só assistia The Voice, e continuarei assistindo às quintas feiras.Apesar de gostar muito da F.Lima, que está cada vez melhor,não assistia Amor e Sexo, constantemente!
Resta só ler e elogiar sua bela análise,sobre o casamento, dos programas, que deu certo, que por sinal,acho que foi um acaso,mesmo!
Agradeço, bom feriado e final de semana, abraços!

Neli Souza disse...

Oi,Sergio,
são dois ótimos programas que tornaram a nossa TV aberta atraente e imperdível nas noites de 5ª-feira.Que haja novas temporadas do The Voice Brasil e que se reconsidere o ponto final do Amor e Sexo.Ainda há fôlego e frescor pra novas edições.
Abraços.

Thairys Moreno disse...

Concordo plenamente Sérgio, foi o casamento perfeito!
Já achava antes que a Globo estava precisando renovar seus quadros, e estava necessitado de programas de qualidade, The Voice Brasil e Amor & Sexo preenchem bem esse requisito, estava lamentando muito a retirada definitiva de Amor & Sexo do ar, mas agora sabendo que existe uma possibilidade de essa não ser a última temporada, fico mais alegre! :)
A primeira temporada de The Voice foi boa, mas essa segunda, nem se fala, tá um verdadeiro espetáculo, a primeira não fazia questão de assistir, mas essa segunda não perco um dia. Só tem gente que realmente canta, emociona, gente carismática e talentosa.
Quanto ao Amor e Sexo, essa temporada está ainda melhor, torço pra que não seja a última.
Dois programas de qualidade, dois acertos, que merecem bis, um programa complementa o outro.
Depois de se emocionar, torcer e vibrar com o The Voice, assistir a um bate papo descontraído e descomprometido, com uma boa pitada de humor, com Amor e Sexo é tudo de bom, combinação perfeita.
Beijos e ótimo final de semana!

Carlos disse...

Acho The Voice muito fraco, prefiro as versões estrangeiras. Já Amor e Sexo, acho que essas polêmicas são tão bobas. Quem tem internet (boa parte da população) tem muito mais informação do que esse programa supostamente oferece. Sacanagem já falo na vida real, então nem preciso ficar fazendo o adolescente e rindo dessas bobagens. No final de tudo prefiro a "desgastada" A Grande Família, que mesmo "desgastada" ainda ousa nos temas mesmo sendo um programa de "família". Um ano é sempre diferente do outro, acho isso bem difícil de ser feito, só comparar com outros programas e já dá pra se chegar nessa conclusão.

Abraços

Diogo S. disse...

Confesso que não gostava de Amor & Sexo. Mas os temas são tratados de maneira leve e com boa informação, conteúdo, tirando as vezes o excesso do Otaviano Costa - preferiria o Leo Jaime sentado ali -,o programa está numa ótima fase mesmo. The Voice é sem comentários, um excelente programa! Abraço Sérgio!

Melina disse...

Nunca gostei do Amor e Sexo e achava aqueles quadros e as matérias sonolentas. Mas com a mudança do formato o programa cresceu e agora está ótimo. A combinação com o The Voice foi oportuna e se a Globo for inteligente não vai acabar com isso em 2014. Um beijo, Sérgio, e bom feriado.

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Clau disse...

Oi Sérgio,td bem?!
Preferia The Voice aos domingos,
pois na quinta nunca assisto...
E Amor e Sexo,assisti alguns programas da primeira temporada,
(não posso me dar ao luxo de dormir tão tarde!!).
Bjs \o/

Elvira Akchourin do Nascimento disse...

As duas recentes edições do The Voice Brasil, com a fase das batalhas, foram excelentes. Na primeira delas, torci por Sam Alves e Marcela Bueno. Bom saber que os dois continuam.
Já na de ontem, gostei demais de Cecilia Militão e Vivian Lemos, e achei uma injustiça Vivian ter saído do programa. Outra dupla ótima foi a de Guto e Pedro, numa linda música.
Fernanda Lima está cada vez mais bonita.

MARILENE disse...

Sergio, já havia pensado sobre o assunto, pois passei a ver ambos os programas e me delicio com a descontração de Amor & Sexo. A Globo foi feliz com a opção de horário e espero que o programa de Fernanda Lima continue por mais tempo. Bjs.

Fernanda P. disse...

Olá Sérgio!

Não sou de desprezar o que é daqui e só valorizar o que é de fora, mas acompanho a versão americana do The Voice e acho a versão brasileira tão decepcionante que parei de ver; lá a química entre os 4 técnicos é sensacional e faz toda a diferença (enquanto que no The Voice BR parece tudo tão forçado), o feedback de todos os 4 com os candidatos é relevante, o programa passa 2x na semana e não nessa correria do The Voice Brasil e o nível dos candidatos é altíssimo.

Van disse...

Oi Sergio

The Voice é delicioso de assistir, boa música com bons cantores.

Fernanda Lima é muito espirituosa e carismática, tem feito bonito no comando.

Beijos

Barbie Californiana disse...

Também acho o programa Amor & Sexo leve e de vez em quando assisto, Sérgio. beijinhos

eder ribeiro disse...

Tanto a versão americana do The Voice qto a brasileira demonstram que é o melhor programa no gênero. Abçs.

Letícia disse...

Boa noite Meu caríssimo Sérgio,

tenho adorado as noites de quinta feira, afinal de contas o The Voice está melhor que a edição passada, que era ótima. Gostos dos 4 jurados juntos, a química deles é muito boa, sem contar que parece que se entendem muito bem, sempre estão brincado um com o outro e isso é bastante divertido. Sobre os competidores, torço para o Dom Paulinho Lima e o Sam Alves, para mim são os melhores...
Também gosta da forma de conduzir o programa do Tiago Leifert e ontem, recitando Eça de Queiroz em "Amor I Love You" foi muito legal e depois cantando um pouquinha a música apenas demonstrou a descontração que parece ter nos bastidores do programa.

Sobre o Amor e Sexo, para mim é pura diversão, é muito interessante a forma como debatem sobre sexo, acabam desmistificando um pouco o assunto, é claro que ali não é nenhuma aula de sexologia precisamente, mas o assunto acaba acontecendo descontraidamente e isso é legal ao meu entender. Sempre assisto ao lado a minha mãe e vejo que ela gosta bastante também, apenas lamento que seja a última temporada, acho que poderia ter mais um ou duas, quem sabe a Globo não reveja sua decisão, afinal de contas o programa já era para ter terminado lá atrás e não aconteceu... Quem sabe...

Também gosto a postura da Fernanda Lima como apresentadora do programa. Ela não tenta mostrar ser uma conhecedora profunda do assunto, é como se ela aprendesse ali, como todos nós. Sem contar que o programa ficou mais rico com a participação dos convidados permanentes e os rotativos... Sem contar com a presença ilustre do Léo Jaime que gosto muito, apenas acho que poderia participar mais um pouco, acho que nas outras edições ele foi mais presente com seu comentários.

A Globo acertou em cheio na noite de Quinta, gosto muito dos dois programas e tento não perder nenhum...

Um abraço meu caríssimo Sérgio e um ótimo final de semana.

Alexandra Amaral disse...

Antes achava o Amor e Sexo um programinha ruim, obsoleto, igual a novela Além do Horizonte. Mas ele mudou sua postura e está imperdível. Quem assiste garanto q dá muitas risadas. E o The Voice, é um maravilhoso programa, e a Globo fez bem em mudar o horário. Domingo de tarde todo mundo vai dormir, passear, sair slá. Já numa quinta à noite, não existe nada de bom pra fazer. Essa grade das quintas feiras poderia continuar pra sempre. Deveriam suspender a Grande Família, seriado que foi bom até 2012 mas atualmente está tão desgastado q tá de dar dó. Sempre me animo qd chega a quinta-feira, até trabalho com ânimo.
Abraços Sérgio

Sérgio Santos disse...

Oi Cléu. É verdade, a Fernanda tem tudo para ser uma das melhores apresentadoras do país. Aliás, já é. Bjssss

Sérgio Santos disse...

É verdade, Felis, lembro que vc nunca foi mt fã de A&S. Mas esse êxito foi um acaso mesmo, não há dúvidas. Mas um bom acaso. Abçsss

Sérgio Santos disse...

Pois é, Neli, vamos torcer. As quintas ficaram ótimas. Bjssss

Sérgio Santos disse...

Thairys, o The Voice é um formato pra a noite e ficava estranho vê-lo de tarde. Que bom que agora a mudança fez com que o programa tivesse mais audiência e ainda casasse bem com o A&S. A combinação ficou mt agradável e tomara que a Globo repense o fim da atração da Fernanda. Bjsssssssss

Sérgio Santos disse...

Carlos, o A&S nem tem polêmica, pelo contrário, é um bate-papo descontraído e despretensioso. Não tem nada demais. O The Voice virou o melhor programa musical do Brasil, não há dúvidas. Porém, o formato estrangeiro deve ser melhor mesmo, até por causa dos jurados. Aqui o Lulu é o único que fala de uma forma sincera e que acrescenta.

Vc sabe que eu gostava de AGF até o ano em que a Dona Abigail foi tirada e que começeram a fazer aquelas mudanças que considero péssimas. Depois, para mim, se perdeu. Abçs

Sérgio Santos disse...

Isso é mesmo, Diogo, os excesso do Otaviano cansam mesmo. E muito. Mas tirando isso, é tudo muito divertido. Abraços!

Sérgio Santos disse...

Melina, vc tem razão, aqueles quadros, incluindo as matérias nas ruas, tinham desgastado mesmo. Mas o programa se encontrou quando propôs essa conversa alegre e sem compromisso. Bjs

Sérgio Santos disse...

Tudo bem, Clau! Sem problemas. ;) bj

Sérgio Santos disse...

Elvira, considero as batalhas a melhor parte do The Voice. Mais até do que às cegas. E também achei uma BAITA injustiça a Vivian Lemos sair. Ela protagonizou a melhor batalha da noite. Não merecia.

Mas Sam Alves e Marcela não serão superados. Entraram pra história do The Voice Brasil.

A Fernanda é linda mesmo. Bjssss

Sérgio Santos disse...

É entretenimento de qualidade, Marilene. Bjsssss

Sérgio Santos disse...

Oi Fernanda. Sim, eu entendo. Cheguei a ver uns trechos do formato de fora e achei ótimo mesmo. Eu particularmente só gosto do Lulu de jurado e acho que os demais tinham que ser mudados e que Rita Lee tinha que estar. Mas eu gosto do programa e acho mt bacana. Os candidatos são bons também, embora há sim perfis que pouco acrescentam. Bjssssss

Sérgio Santos disse...

Obrigado pelo comentário, Van. Bjsssss

Sérgio Santos disse...

Beijos, Barbie!

Sérgio Santos disse...

Concordo com vc, Eder! Abçsss

Sérgio Santos disse...

Olá minha cara Letícia! É verdade, a combinação está deliciosa de se ver. Eu, embora só goste mesmo do Lulu, concordo que o quarteto está bem entrosado e que há boa dinâmica, incluindo a boa apresentação do Tiago Leifert. A segunda temporada está mais legal do que a primeira mesmo.

O Leo Jaime tinha mais participação em A&S antes, fato. E o programa não tenta ser didático mesmo. Aliás, ao contrário das primeiras temporadas, onde o didatismo se fazia presente. Mas ele evoluíram e acertaram com esse novo formato onde o bate-papo e as brincadeiras dominam. Tomara que tenha pelo menos mais uma temporada. Beijão e bom fim de semana!

Sérgio Santos disse...

Alexandra, o A&S chegou a cansar por um período e justamente por causa dos quadros que se repetiam. Mas agora ele está perfeito. Merece uma sobrevida. E o The Voice tem tudo para ter tantas edições quanto o BBB. Bjsssss

Carlos disse...

Quando falei de polêmicas são essas que eles criam, como a nudez. Óbvio que quem fez isso pensou em polemizar, se não quisesse faria no segundo programa ou terceiro, e não no primeiro logo no início, colado no The Voice. Achava Amor & Sexo interessante na primeira temporada, com os famosos tirando a roupa dos bonequinhos, era divertido. Mas depois o próprio tema fica chato. Quem tem curiosidade no assunto, procura um médico, busca na internet, conversa entre amigos. Isso é tabu só na TV pq na intimidade sempre arrumamos um jeito de procurar saber. Um adolescente que tem curiosidade e não fala com os pais, busca por si só. Por isso que pra mim esse programa é mais do mesmo e a Globo está certa em retirar. Está tendo um bom ano? Ótimo, melhor encerrar assim, em alta.

O The Voice de lá de fora é bem melhor e isso não é exagero. Assim como falo que o BBB daqui é bem melhor, The Voice tem tudo superior, desde o júri até os candidatos. Pra piorar aqui ainda rola de virar para "amigos", candidato que conhece A ou B. Fica complicado ver assim. E esses jurados vivem levantando da cadeira. Não aguento isso, gente amostrada. Pelo visto a Globo está cheia desse tipo de gente rsrs.

A Grande Família sofre dos anos e não falo de desgaste dela, mas de quem assiste. Já reparou que todo programa longo as pessoas falam disso? Desgaste é a palavra que surge sempre. Uma prova de discordância é aqui. Você gostou até 2011, já uma outra comentarista gostou até 2012. Tem gente que fala "depois do Seu Flor não prestou", outros dizem "depois da Marilda não gostei". Você fala da Dona Abigail... Afinal de contas, onde caiu? Rsrs. Para a Globo deixar no ar é porque alguma coisa vai bem além da audiência e retorno financeiro. O programa não é repetitivo e o roteiro é excelente (só ver os elogios recebidos no episódio em homenagem ao Seu Flor. Muitos riram das piadas deles na internet, não apenas do personagem do vovô). Não vou dizer que seja implicância de alguns pela série, em tantos anos é normal enjoar e não ver ou enjoar e depois rever, sempre ver, nunca ver, não gostar e após anos gostar. Tudo isso é possível. mas a série continua boa, o ultimo episódio desse ano foi uma maravilha com aquele gancho, foi inusitado e uma garantia de próxima temporada para aqueles que achavam que ia ser o fim (tava perfeito demais). Isso é brilhante e muito comum em série estrangeiras, esse suspense. Aqui vemos coisas óbvias como o "até breve" de TLDC e Pé na Cova. Só diminuiria o drama, como te falei. Acho interessante mesmo na comédia, mas só o drama das novelas já é uma desgraça imagina no programa de humor após ela? Achei válido o coma pela ligação com o filme da série e pela superação, muito melhor que em muita novela. Opinião e gosto rsrs.

Abraços

Thallys Bruno Almeida disse...

Agora sim o "caminho da felicidade" foi encontrado, hahaha... Essa aposta de colocar The Voice Brasil e A&S na noite da quinta deu muito certo. Até porque da Grande Família só vi o episódio do Seu Flor.

Pra quem vê as versões estrangeiras, como American Idol, The Voice, X Factor, etc, é normal considerá-las superiores às brasileiras. Mas gosto sim da versão brasileira. Percebi que na fase de audições a quantidade de músicas estrangeiras foi sensivelmente superior à mesma fase da primeira temporada.

Lulu Santos continua sendo o melhor jurado, mas Cláudia Leitte tem a seu favor o emocionande duelo de Sam e Marcela, elogiado até pela autora original da música. Brown já começou de novo com aquele teatrinho irritante, mas de vez em quando acerta na escolha de boas vozes (vide o duelo de Krystal e Lucy Alves homenageando Dominguinhos). Só Daniel que continua inexpressivo.

O A&S nunca foi um programa pra se levar a sério, sempre foi uma grande zoeira. Era um bom programa no formato antigo, mas começou a se desgastar na 5ª temporada (início de 2012). A reforma promovida na sexta (fim de 2012) deixou o programa muito melhor e agora, então, tá ainda mais divertido. Fernanda Lima tá cada vez mais linda e transparecendo que adora o que faz, aprimorando a experiência de seus bons tempos de MTV. Foi lançado agora o boato de que o A&S pode continuar. Será que vai?

De toda forma, essa dobradinha deu muito certo e animou ainda mais as noites. Duplicou a audiência do The Voice e ainda beneficiou o A&S em um horário complicado. Abç!

Sissym Mascarenhas disse...

Sergio,

Quando posso assisto The Voice, muito bom mesmo! A minha filha adora.

Quanto ao outro programa, normalmente já estou mais dormindo do que acordada.

The Voice tambem passa um pouco tarde para mim, mas como é musica, a adrenalina acompanha.

Bjs

Sérgio Santos disse...

Sim, Carlos, a nudez foi pra polemizar mesmo mas foi uma coisa tão boba que fizeram um Carnaval à toa. Sobre isso de "quem se interessa pelo assunto vai na internet", não tem nada a ver. O objetivo do programa não é ensinar, é só entreter. É uma brincadeira e um bate-papo. Só isso. Nas primeiras temporadas, sim, havia um didatismo que muitas vezes cansava, mas depois isso acabou. E esse quadro do 'Strip Quiz' era justamente um dos que se esgotaram. Fizeram bem em acabar.

Eu acho que AGF se perdeu quando tentou mudar toda a essência, curiosamente, com o intuito de evitar o desgaste. Foi aquele maldito coma do Lineu que começou a afundar o barco. O drama reinou e o tom cômico foi ficando de lado. Válido ousar? Claro, mas nesse caso houve a perda da essência. E falo da Dona Abigail como um geral dos tipos coadjuvantes que eram tão ou até mais importantes do que os principais. Abigail foi excluída sem explicação e Mendonça e Beiçola viraram coadjuvantes que apareciam uma vez a cada sabe-se lá quanto episódios. Talvez porque eles sejam tipos mais escrachados e a série passou a apresentar um tom mais sóbrio e melodramático. Enfim...

E claro que a série dá retorno pra Globo. E mesmo com a queda do ibope, ainda dá um bom índice. E tb temos que levar em consideração que é preciso um ótimo produto pra por no lugar, afinal, é uma faixa disputada e que está há mais de 10 anos ocupada. Não pode ser qualquer coisa. Eu colocaria Doce de Mãe, mas enfim, não mando em nada. rs Abraços.

Sérgio Santos disse...

Eu soube desse boato, Thallys, mas acho que não vai. No entanto, quem sabe... A combinação foi muito boa ainda que tenha sido fruto de um mero acaso. As quintas ficaram interessantes para o telespectador.

Claudia Leitte acertou em cheio com o dueto que já entrou pra história do programa e repercutiu no mundo. E foi com uma música estrangeira. Certa ela, isso de patriotismo é um saco. Música tem que ser boa, independente de qual lugar seja. Abçsss

Sérgio Santos disse...

Entendi, Sissym! O A&S entra depois da meia noite, é tarde mesmo. Bjss

Carlos disse...

Então, como disse, se a vontade é entreter e não ensinar, prefiro me entreter fazendo ou conversando com amigos do que vendo uma apresentadora que faz parte de uma das panelas da Globo.

Acho que você não viu o ano passado direito. Teve drama? Sim. O humor da série não é escrachado, se fosse o coma seria zoação do início ao fim, sendo que foi apenas zombado em 2 oportunidades. A saída da Gina e da Abigail tiveram uma explicação, inclusive a Natália Lage deu uma explicação implícita. Para quem acompanha, sabe que o Tuco vinha enrolando a noiva, com a passagem de tempo e com o coma, não tinha como ter um casamento, sendo assim os dois terminaram. Tuco até mencionou o término. A Abigail foi mencionada pelo Agostinho, e ele falou que ela não apenas fez uma denúncia do edifício que ele havia comprado o apartamento, tudo para não ser construído ali e prejudicar o sol na casa dela, e que mesmo conseguindo isso, se mudou um tempo depois. Óbvio que não seria necessário falar que ela terminou com o Beiçola. Quanto ao Mendonça, pesquisando um pouco, desde que ele entrou, teve uma média de 12 episódios por ano. Em 2006 fez 14. Em 2013 fez 10 episódios,em 2012 11 episódios. Na média, nem mais nem menos. E Beiçola só teve menos história nesse ano. Em 2013: 13 episódios (metade do ano), 2012: 26 episódios, 2011 e 2010: 31 episódios. Ou seja, o Beiçola só apareceu menos em 2013, não em 2012 quando passou o tempo.

Achei o coma válido porque mostrou como a família seria se ele não estivesse ali, curiosamente a pergunta que o Lineu fez no filme e que muitos passam na realidade. O bom é que teve a superação dos personagens. O drama veio no decorrer de situações possíveis e não engraçadas na vida real (coma, prisão e expulsão de casa), mas o ano não teve apenas isso. Se eu fosse eles diminuiria o drama em 2014, porque querendo ou não, isso acaba criando um destaque maior quem viu o coma no primeiro episódio e a briga de Nenê e Lineu sendo resolvida apenas no segundo, acha que o terceiro vai ser ruim e não vê a temporada toda, e olha que no segundo episódio teve "churrasco povão" o que fez ser engraçado com os demais personagens.

Não achei que retiraram a essência, por mais que a série seja descrita como "um lado engraçado da família brasileira" é difícil tirar um lado engraçado de um coma, de uma prisão injusta e da expulsão de uma casa. Se fosse humor tipo "Pânico" ou "Dentista Mascarado", teríamos um Tuco e uma Bebel, por exemplo, fazendo piadinhas sobre o pai em coma, uma Nenê saindo com vários homens, tudo isso pra ter graça, mas não, eles resolveram fazer o mais difícil: tirar leite de pedra. Evoluíram os personagens e aos poucos, após o Lineu voltar, a graça retornar, e foi assim logo no terceiro episódio de 2012 e permaneceu no quarto com o karaokê. Foi como uma "montanha-russa": drama - comédia - drama - comédia. Mas para um programa de humor semanal, a pessoa pode dar o azar de ver dois dramas seguidos. Por isso acho mais interessante no ano que vêm eles voltarem só na comédia mesmo. Se tiver drama, 1 ou 2 episódios já são suficientes.

Abraços

Sérgio Santos disse...

Carlos, eu realmente não vi o ano passado direito e nem esse. Tenho visto raramente. E justamente por isso, perdi o interesse que tinha. Só vejo quando quero escrever sobre a temporada.

Vc é fã mesmo porque conseguiu esse dados das aparições dos personagens. Incrível. O filme de A Grande Família foi inteligente porque usou o drama e aí sim poderia usar até mesmo para diferenciar da série, afinal, se tá no cinema e na tv ao mesmo tempo tem que ter alguma diferença pra motivar o público a assistir. Mas quando trouxeram isso pra série...

E eu sei que não teve zoação no coma, aliás, pelo contrário. É justamente isso que falei, sem piadas.

As explicações sobre a saída das personagens foram coerentes, claro, mas a questão não é essa. É a eliminação delas mesmo. Até porque não haveria explicação senão houvesse saída. E tiraram as personagens pra quê? Pra enfiar a Maria Clara Gueiros e o Danton Mello vivendo vilões cômicos? Parecia novela das sete aquilo.

E é aquilo que vc b em disse: a pessoa vê dois episódios e acha que tá chato e mt dramático, não vê mais. Tomara que a última temporada resgate os velhos tempos. Abraços.

Catarina Schneider disse...

Amei essa junção também! A Globo precisa reformular a programação de vez em quando... A grande família era insuportável de ver! Eles ficam devendo tirar do ar Zorra total, eu to esperando...tenho fé! kkkk!

Carlos disse...

Eu entendo o ponto que você diz, e imaginei que você não tivesse acompanhado mesmo. Inclusive essa passagem de tempo fez sentido sim, o problema é como descrevi, quem perde alguns episódios fica perdido. Tem gente que até hoje acha que é furo o Tuco não ter filho e isso foi explicado em um episódio, do garoto ser filho do Remela. Até a Mônica Iozzi cometeu essa gafe no twitter rsrs. Para quem perde houve uma "quebra" quando na verdade não teve.

O drama no filme foi o diferencial e até lá alguns reclamaram. Mesmo assim achei ousado os autores irem para esse lado em alguns episódios. Acho isso interessante para os momentos emocionantes da série, principalmente se um dia eles resolverem fazer uma homenagem a todos os personagens, assim como fizeram com seu Flor. Eles terão muito acervo de momentos divertidos, tristes, emocionantes, etc, normal na vida de qualquer um. Não é por acaso que muitos se identificam com a série, com os personagens passando por todo tipo de momento que um brasileiro passa, só ver a subida deles: eram bem pobres com a casa caída, foram melhorando ano após ano (a televisão da sala do Lineu mudou bastante e mostra essa evolução) e hoje em dia são a tal classe C propagada.

O bom deles não terem feito piadas com o coma é que não teve a tal falta de essência que alguns falam. A essência teria ido pro espaço se isso ocorresse. E quando Agostinho falou do tal coma, falando em um episódio, após um atropelamento da Nenê que essa família tinha uma sina por hospital e que esperava que dona Nenê não ficasse de gracinha com nenhum médico (a coitada ainda teve que ouvir isso rsrs) os demais personagens falaram que aquele não era o momento pra isso. Se fosse outro programa, a piada não ficaria só no Agostinho, os demais iriam continuar zombando da Nenê com piadas de mau gosto pra baixo. Não foi o caso.

Quanto a Maria Clara Gueiros e Danton Mello, achei a entrada dela bem interessante, por isso ela vai continuar ano que vêm. E não é a primeira vez que a série teve uma longa participação especial na série. Fábio Assunção fez 3 episódios em sequência. Danton e Maria Clara fizeram 5 e serviram de aprofundamento da história do Agostinho na cadeia e ao mesmo tempo mostrar as falhas (uma crítica que fizeram no ano passado quando Luiz Fernando Guimarães estava cheio de regalias dentro da cela). Nesse ano o Danton saiu umas 3 vezes (Indulto? Respondendo em liberdade mesmo sendo perigoso?). E ainda foram esses dois personagens que levantaram um outro tema novo na série: adoção. A entrada do Lineuzinho foi por conta dos dois.

Mas sim, espero que eles façam episódios voltados só na comédia. Melhor para a série e para seu último ano.

Abraços

Sérgio Santos disse...

Catarina, o Zorra é mais difícil porque, por incrível que pareça dá audiência. Bjão!

Sérgio Santos disse...

Nem sabia que vc tinha Twitter, Carlos. E sim, eu vi gente reclamando do filme mas eu gostei justamente por causa do drama, que serviu para diferenciar da série e ainda enriquecer um pouco as relações da família. Mas não gostei de ver isso na série. Um ou outro episódio, ok, mas em vários, não.

Eu não gostei dos personagens da Maria Clara e do Danton justamente porque parecia cena de novela das sete. E isso que me referi, se eles vão continuar, pq não deixaram os clássicos? Poderiam abordar a adoção de outra forma, ou então com os personagens mesmo, mas sem precisar suprimir os coadjuvantes que já eram ótimos.

Eu torço mesmo para que a última temporada resgate os bons tempos (que para mim foi até 2011) e saia de cena com chave de ouro. Vamos ver. Abraços.

Carlos disse...

Tenho twitter mais não, mas ela escreveu isso faz uns 2 anos.

Acho que a maneira como abordaram o tema doação foi legal, porque o bebê foi conquistando não apenas os personagens aos poucos, como o próprio telespectador que achou o bebê bonitinho e bem amigável. Eles sem querer escolheram o bebê ideal pro personagem, não sei se era esse o plano, de ele ficar, mas dava pra vê-lo feliz em cena e quando a Nenê resolveu adotá-lo, sério, fiquei rindo muito pela linda história que eles construíram. Acho que ele entrou de uma forma diferente, engraçada e inusitada (ele era o suposto filho de Lineu, depois passou a ser do Mendonça, depois foi do Caveira (Danton) com a Lurdinha (Maria Clara) e no final de tudo, pra surpresa de todos, era de ninguém, o que foi engraçado, mas que no final deu uma pena, mas voltou a ser engraçada com a vontade da Nenê de adotar. Ufa! Achei essa "montanha-russa" de fatos bem legal, uma maneira impactante do personagem entrar e conquistar.

Volto a falar, dos coadjuvantes o único que não apareceu tanto foi o Beiçola, os demais tiveram a mesma média de aparições. Não achei com cara de novela das 7 o Danton e a Maria Clara, e só ela que vai ficar na próxima temporada como uma bandida arrependida, imagino que seja pra ela ficar mesmo. Não sei como eles vão conduzir, se será um trio amoroso entre os dois e a Dani da padaria ou se ela vai rodar mesmo após anos esnobando o Paulão. Acho que a primeira opção seria mais interessante pra comédia e pra dar destaque aos coadjuvantes que são tão importantes quanto os principais.

E torço também que eles fiquem só na comédia em 2014 pra encerrar com chave de ouro. Ou ter drama em um ou dois episódios ou em cenas pontuais. Gosto do ar melancólico que sempre teve, principalmente no terceiro bloco que era quando tudo resolvia e tinha a "lição do dia". Achei válido o drama em alguns episódios de 2012 e 2013 (aí entra aquilo do azar de ver um episódio dramático, não ver mais e quando resolve ver está passando mais um, dando a sensação de que todos estão), justamente pelos temas serem complicados pra fazer piada. Como fazer piada de um coma ou de um Lineu sendo injustiçado por um crime que não cometeu, justo o Lineu? (veja essa cena do link a seguir, e veja a emoção da cena. Um Lineu raro de se ver, mas fazendo o de sempre que é defender o seu nome e o de sua família. O episódio foi engraçado, mas essa cena não poderia ser puramente engraçada, mas emocionante: http://globotv.globo.com/rede-globo/a-grande-familia/t/episodios/v/antes-de-deixar-o-bairro-lineu-desabafa-com-vizinhos/2281115/).

Por esse bom senso da equipe do programa, com episódios de bom gosto e um texto inspirado, que eles estão anos no ar com a aprovação do público. Saiu inclusive uma notícia de que a Globo já não sabe se ano que vêm será mesmo o final. De qualquer forma, espero que a Globo respeite a série e os telespectadores e avise a eles com antecedência para o final ser bem planejado. De qualquer forma espero que 2014 seja bem engraçado e que o fim não seja muito adiado. Não tenho pressa, mas também quero ver esses atores em novelas e acho que não precisa estender bastante a série. 2015 no máximo já está bom. Depois, quem sabe, uma reunião de 10 anos, né?

Abraços
ps.: será que a gente para de falar da Grande Família nesse comentário? O assunto tem nada a ver com o tema rsrs.

Sérgio Santos disse...

É verdade, Carlos, o assunto acabou virando A Grande Família. Vou ver essa cena do link que vc postou. Abraços.

Fernanda P. disse...

Na edição do ano passado vi o quanto a Globo estragou o formato do The Voice por avacalhar a votação na fase de apresentações ao vivo. Pelo que andei lendo, já que me recuso a assistir pra não passar raiva, insiste no erro. Lamentável, isso é o que dá não colocar o programa duas vezes na semana. Sérgio, você deveria estar acompanhando a quinta edição do The Voice americano, está simplesmente sensacional. É uma aula de como se faz um reality show musical decente que o Boninho deveria aprender!

Sérgio Santos disse...

Fernanda P., infelizmente o erro da edição passada foi mantido nessa. Colocam o número para a votação antes dos candidatos cantarem. Quer dizer, muito injusto... Eu vejo tanta coisa que fica difícil acompanhar tudo... rs bjão!

Sérgio Santos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.