quarta-feira, 1 de maio de 2013

Walther Negrão mostra em Flor do Caribe que conseguiu aprender com seus erros

É normal dizer que os erros ensinam mais que os acertos. Afinal, quando uma pessoa enxerga seus equívocos, procura não cometê-los no futuro, mudando seu jeito de agir e se aperfeiçoando. No ramo da teledramaturgia, atores, atrizes, diretores e autores também erram profissionalmente como qualquer ser humano que se preza. Porém, não são todos que conseguem admitir seus tropeços e, infelizmente, muitos preferem insistir errando. Só que, por outro lado, é muito bom ver quando um profissional resolve acordar, conseguindo renovar seu trabalho. Toda essa introdução tem o objetivo de citar o caso de Walther Negrão em "Flor do Caribe".


Após se equivocar completamente com "Araguaia", em 2011, o autor parece ter corrigido quase todos seus erros na atual novela das seis. Na sua trama anterior, Walther optou por uma história pouco atraente, cujo tema principal era baseado em feitiços indígenas, que evoluía lentamente. Além de não se sentir atraído pela trama, o telespectador ainda via diversos personagens desnecessários e que pouco acrescentavam. E para piorar, os papéis centrais também sofriam pela falta de uma bom enredo. O resultado foi um vilão (Max - Lima Duarte) que não funcionou e um casal protagonista (Manuela/Milena Toscano e Solano/Murilo Rosa) que deu errado. A novela terminou sem empolgar e com um clima de monotonia que reinou do início ao fim. Porém, agora, com seu novo trabalho, Walther Negrão mostra que aprendeu com seus deslizes.

"Flor do Caribe" estreou transmitindo a falsa impressão de que nada havia mudado na cabeça do criador da fraca "Araguaia". Capítulo lento, história batida, vilão caricato e casal protagonista meloso. É bem verdade que todo esse conjunto se manteve até a fuga de Cassiano (Henri Castelli), porém, depois do
início da vingança do mocinho e da virada na trama, o público pôde ver que o autor estava disposto a apresentar algo bem mais atraente.

É possível ver que todos os núcleos apresentam uma função na obra, além de todas as histórias estarem amarradas por um ou dois personagens. O ritmo é outro. A novela não é extremamente ágil, mas as tramas se desenvolvem bem, evitando que a monotonia impere. Apesar da temática central ser batida, onde o vilão rouba a mocinha do mocinho, e das histórias paralelas lembrarem novelas passadas do autor, não há dúvidas que o texto de Walther Negrão está sendo muito compensatório e toda a obra está sendo conduzida com muita competência, incluindo aí a direção de Jayme Monjardim. As lindas imagens são pano de fundo para uma trama de vingança que está ficando cada vez mais interessante e para histórias paralelas que começam a ter boas evoluções ---- caso da volta de Guiomar (Cláudia Neto), romance entre Natália (Daniela Escobar) e Juliano (Bruno Gissoni) e o conflito envolvendo o nazismo, tendo como protagonistas Sérgio Mamberti e Juca de Oliveira, ambos ótimos.

Claro que nem tudo são flores. O vilão continua exagerando na cara de malvado e sendo inexpressivo em cena, afinal, Igor Rickli --- embora já tenha melhorado se comparado ao início --- é um ator que ainda precisaria evoluir muito para poder ganhar um papel dessa magnitude. Ester e Cassiano formam um casal protagonista meloso demais e os personagens funcionam melhor quando não ficam muito tempo juntos, porém, os atores estão bem. Já Laura Cardoso é uma atriz extraordinária, mas não está sendo bem valorizada na novela. Após a marcante Dona Dorotéia de "Gabriela", essa grandiosa profissional está vivendo um papel bem apagado. Mas, ao fazer uma comparação entre os pontos negativos e os positivos, fica claro que os negativos perdem para os positivos no saldo geral. Ao menos até agora.

"Flor do Caribe" está longe de ser uma novela fantástica, mas é uma novela gostosa de se assistir e que está tendo sua história muito bem contada. Walther Negrão soube consertar vários erros cometidos em seu trabalho anterior, e, apesar de ser um autor veterano com um currículo bastante respeitado, mostrou que também ainda está na idade de aprender e melhorar.

31 comentários:

Thallys Bruno Almeida disse...

Um dos grandes acertos do Walther Negrão em Flor do Caribe, de cara, é a abordagem do tema do nazismo, através do Dionísio, colaborador dos nazistas, e do Samuel, judeu, sobrevivente do horror da 2ª Guerra. As referências ao tema, como Dionísio mencionando a medalha que ganhou do exército do III Reich no cap. de hoje; ou o Samuel tendo uma crise ao ver o filho de Ester com uma medalha com a suástica nazista, renderam boas cenas.

Sobre a Laura Cardoso, embora seu papel tenha menos força que a Dona Dorotéia, não acho a personagem exatamente apagada. Claro que podia ser maior, mas não é algo que chegue a incomodar, a grandiosidade de Laura compensa isso numa boa.

O romance de Natália e Juliano pegou e já começa a ganhar seus empecilhos: a filha Ludmila (Tainá Muller) e o ex-marido dela. Cláudia Netto já chegou mostrando serviço e em toda cena tá sempre brilhando.

A Grazi acertou o tom e desde a melhora da trama vem dando mostras mais claras de amadurecimento na carreira e uma boa entrega à personagem. A Débora Nascimento (Taís, irmã do Cassiano) foi outra que pra mim tá se saindo bem, já se diferencia mais da Tessália. Idem o Henri Castelli, embora o personagem dele seja um tanto mala em certas horas. Isso sem falar em tanta gente boa como Bete Mendes, Cacá Amaral, Luiz Carlos Vasconcellos, Cyria Coentro...

E, quem diria, até o núcleo dos aviadores bobocas tá servindo pra alguma coisa, no caso, uma cena de hoje em que eles combinam com o Cassiano pra colaborar na vingança dele com o Alberto.

A disposição de Walther Negrão e Jayme Monjardim em acertar surte o resultado e Flor do Caribe deixou pra trás a falsa impressão do início. Tá bem agradável e torçamos que assim se mantenha. Abç!

Rafael Barbosa dos Santos disse...

Primeiro a comentar rs.

Bem Sérgio, eu vi com bons olhos Araguaia por isso discordo que a novela foi um completo equívoco. A trama era baseada em feitiços indígenas, e sim em um homem marcado para morrer graças a uma maldição lançada sob sua família, que por ironia do destino acaba se tornando a grande paixão de uma descendente da índia responsável pela maldição e que tem a missão de fazer com que esta se cumpra, a partir daí surgem muitos conflitos. O grande trunfo da novela era o triangulo amoroso formado por Solano-Estela-Manuela que não me parece ter resultado pelo fato do casal Manuela e Solano ter dado errado, e sim pela paixão de Estela por Solano que é o que desencadeia a maioria dos conflitos,que com certeza já era prevista. Lembro que o público da novela se dividiu entre as duas para ficar com o herói. Também não acho que o vilão Max tenha deixado de funcionar. As tramas paralelas realmente eram bem fracas, embora as empregadas solteironas, e a personagem da Laura Cardoso fossem divertidíssimas. Acho que o grande erro de Araguaia, foi realmente a lentidão dos acontecimentos, o marasmo, o que não é suficiente e talvez um certo conservadorismo já que Negrão abriu mão de qualquer inovação. De qualquer forma a novela não teve barriga, ainda que a passos lentos, a história não deixou de andar. Enfim, achei uma boa novela, mas com essas falhas que impediu a trama de atingir um publico maior. Em Flor do caribe todos esses erros realmente foram corrigidos e os resultados está sendo ótimo. Bacana ver um autor tão experiente com ele, se reinventar dentro de seu estilo. Flor do Caribe segue bem agradável de se ver, um acerto.

Abraços

Rafael Barbosa dos Santos disse...

Hahahhaha, não fui o primeiro =)

Danizita L. disse...

Sim, eu já vi várias críticas ao Igor, que interpreta o vilão, que ele é inexpressivo, caricato, bem, acho que falta maturidade, mais experiência. Mas enfim, de qualquer maneira, também tô gostando de acompanhar a novela!
Bjosss.

Felisberto Junior disse...

Olá!
Bom dia
Sérgio
Bela análise!
...que bom que W.Negrão conseguiu aprender com seus erros e retomar sua bela carreira de autor. Mas, creio que escolhas equivocadas para a trama central, como H.Castelli e Igor Rickli, atrapalham o bom andamento da obra.Ambos, com "papeis" acima de suas "expressões".
Gosto do Juca de oliveira e a inserção do Nazismo em uma telenovela brasileira!
Obrigado!
Boa quinta feira
Abraços

EDER RIBEIRO disse...

Sérgio, assisto pouco, mas do pouco q vi, percebi essa evolução citada por vc. Abçs.

Fernando Oliveira disse...

Sérgio, sua análise é perfeita e concordo com tudo. A novela é gostosa de assistir, não cansa. As imagens são lindas e cada ator conseguiu diferenciar seu trabalho atual dos anteriores. Gosto de ver o Henri Castelli em cena e a Grazi etá se saindo bem. Cláudia Neto perfeita. Espero que essa novela siga bem e encerre sem contratempos.

Elvira Akchourin do Nascimento disse...

Boa crítica, Sérgio. Concordo com tudo. Gosto dos conflitos da novela: nazismo X judaísmo, tensa relação entre Donato e Hélio, volta de Guiomar, romance de Natália e Juliano. Também acho pequena a participação da Laura Cardoso. O núcleo dos aviadores ainda não disse a que veio. A melhor cena do Alberto, por ora, foi quando a mãe tentou se entender com ele, não conseguiu, e ele acabou desabafando ao tocar piano. Alguns grandes desempenhos. Belas fotografia e trilha sonora.

MARILENE disse...

Você fez uma análise abrangente e apresentou fundamentado posicionamento. A novela apresenta todos os quesitos que mencionou, prós e contras, e é agradável de se ver. Bjs.

Mariana Nascimento disse...


Oi Sergio,

Eu não assisto todos os dias flor do caribe, mais os capitulos que consigo ver, percebo a melhora que ocorreu em relação ao início e as diferenças com araguaia.
Araguaia foi uma novela, pra mim, estranha, sem pé nem cabeça.Até entendia aquela parte indígena, mais achava muito artificial, não sei explicar.
Flor do caribe melhorou com a chegada dos personagens que vc citou, mnais ainda me incomoda muito o trio protagonista (sem falar do candinho).
Não acho que Grazi esteja ruim como Ester, mais ela não me passa uma mulher firme, determinada e sim quase uma criança mimada. E tbm acho que tem erro de direção e produção pq ela sendo uma digamos empresária, não consigo enxerga-la de forma mais séria com aquelas roupas, sem falar no cabelo que parece de comercial de cerveja. Tudo bem, que ela mora na praia, mais deve haver um meio termo.
O vilão, percebo melhora, mais ainda falta muito, e o Henri, não me convence.
Porém a novela está melhor e com audiencia razoavel.
Bjos
Mariana

Vera Lúcia disse...


Olá Sérgio,

Passando para ler suas observações sobre a novela, já que não a sigo.
Por aqui vou me informando sobre o que rola na telinha e que foge à minha observação.

Beijo.

Paty Michele disse...

Oi Sérgio
Vi o primeiro capítulo, mas não me empolguei pra continuar.

Estou vendo Sangue Bom e aguardando suas impressões, pq estou adorando a trama.

beijos.

Lulu disse...

Não vejo a novela, apesar de adorar o autor, não suporto Grazi Massafera.
Big Beijos

Anônimo disse...

Natália, Juliano e Laura Cardoso s2 \o/

Anônimo disse...

Na minha opinião, o único acerto dessa novela foi a abordagem do tema do nazismo, porque o resto não me prendeu. O trio protagonista é composto por atores fraquíssimos, a história é batida e a incrível Laura Cardoso não está sendo valorizada como deveria. Mais uma novela das 18h que não me prendeu. Desde Cordel Encantado não assisto nenhuma novela desse horário. Que venha Jóia Rara!

Jessy R. disse...

Apesar de clichesada, eu estou gostando muito, e desde o segundo capítulo vicei na novela, é uma história batida, mas acho que mesmo uma história dessas se bem encaminhada, pode ser boa, eu gosto do Igor como Alberto, acho que ele melhorou muito na segunda fase da novela, gosto do Henri como Cassiano, acho que ele está bem também, a Ester é uma personagem bastante apagada, eu acho sem graça, que não vejo muita personalidade nela, não gosto das cenas do Cassiano e Ester, são melosas, muito chororô, quase insuportáveis. Acho que o núcleos paralelos são muito bons, Natália e suas filhas, quirino e doralice, Juliano, Veridiana e seus filhos também, mesmo o pessoal achando que o trio não dê conta, tem os veteranos que são ótimos, Laura Cardozo, Sérgio Lambeti, Claudia Netto, destaque para o núcleo internacional, Moro Anghileri que está ótima como Cristal, César Trancoso , o Jean o duque, em fim, uma novela deliciosa de assistir, nada revolucionário, mas boa.

Sérgio Santos disse...

Thallys, o tema do nazismo foi uma ótima sacada do autor. Está sendo muito bem desenvolvido também. Respeito sua opinião sobre a Laura, mas a vejo muito apagada. Por enquanto.

O elenco é irregular mas tem muito ator bom também. Grazi está bem, assim como o Henri. Acho que Débora está regular porque não vejo tantas diferenças assim em cima da Tessália, mas ela não faz feio.

A novela tá muito agradável. Não acho incrível, mas é boa e o autor evoluiu muito. Abraços.

Sérgio Santos disse...

Foi o segundo, Rafael. rs

Sim, eu lembro bem da trama da novela e achei muito entendiante. Além da temática demorar muito para se desenvolver, o contexto não tinha elementos que conseguiam prender o público.

Achei o Max um vilão muito fraco e o desfecho dele foi ridículo, com uma cena primária e mal produzida. O próprio Lima Duarte disse que achou seu personagem um lixo (e é bom deixar claro que considerei essa atitude dele lamentável pq por mais que um ator ache isso não pode falar, pois além de ser um desrespeito com o autor ainda é antiético).

Mas ao contrário da novela anterior, Flor do Caribe está sendo muito bem desenvolvido e o Walter merece elogios por ter se aperfeiçoado e corrigido os erros. Abraços!!

Sérgio Santos disse...

Danizita, o Igor melhorou bastante se compararmo com seu desempenho nos capítulos iniciais, porém, ainda está longe de ser bom. Mas a novela tá bacana. bjssss

Sérgio Santos disse...

Obrigado, Felis. Sim, o tema do nazismo é muito apropriado e o autor ousou ao abordá-lo numa trama das seis. E realmente pecaram na escalação do vilão. Um ator mais experiente viveria esse personagem lindamente. Henri alternas altos e baixos. Abraços.

Sérgio Santos disse...

Eder, obrigado pelo comentário. abraços.

Sérgio Santos disse...

Oi Fernando. Muito obrigado. Também espero que a novela fique assim até o final. Cláudia Netto chegou depois mas já tem em mãos a melhor personagem da novela. Abraços.

Sérgio Santos disse...

Elvira, obrigado! Essas tramas citadas por vc são as melhores da novela mesmo. E os atores estão muito bem.

Sim, essa cena cem que Alberto toca piano e a mãe chora foi muito linda. Aliás, Cláudia Netto está maravilhosa.

O núcleo dos pilotos é o pior da novela e com mais atores fracos também. Pelo menos está tendo função ajudando o Cassiano. E que bom que diminuíram com aquelas bobagens de namoros... Beijos.

Sérgio Santos disse...

Muito obrigado, Marilene. Beijos! =)

Sérgio Santos disse...

Oi Mariana! Eu detestei Araguaia e só consegui acompanhar nas semanas iniciais. Depois não tive mais paciência, a não ser uma cena ou outra. Um completo equívoco na minha opinião.

Flor do Caribe representa o oposto disso. Não é uma novela maravilhosa, mas é agradável e não cansa o público. Vc assiste e sente vontade continuar vendo, mesmo que não diariamente.

Grazi está bem, após um início péssimo e muito exagerado na linguagem "tatibitati". Henri alternas boas cenas com outras nem tanto. Igor melhorou mas continua fraco. O ibope tá razoável mesmo. Vamos ver se entra na meta nos próximos meses. bjsss

Sérgio Santos disse...

Oi Vera! Obrigado por sua constante visita aqui! ;) bj

Sérgio Santos disse...

Senhorita Patrícia, eu já escrevi um texto sobre a estreia de Sangue Bom e vc nem leu, né? Que decepção... tsi tsi bjsssss

Sérgio Santos disse...

Repeito sua opinião, Lulu. bjsssss

Sérgio Santos disse...

Também adoro esse trio, anônimo. Pena que Laura apareça pouco. Abraços.

Sérgio Santos disse...

Oi Anônimo. Entendo seu ponto de vista. É uma trama muito batida mesmo as pelo menos está sendo bem contada. Como disse, não acho uma trama ótima, mas é bem desenvolvida. Abraços.

Sérgio Santos disse...

Oi Jessy. Pois é, por mais batida que seja uma história, se esta for bem contada, já é motivo para receber elogios. A novela tá gostosa e os núcleos paralelos são muitos bons, com exceção do Cadinho e dos pilotos.

Também não gosto quando Ester e Cassiano ficam juntos porque há muito exagero e chororô. Parece uma novela mexicana. Por isso acho que a novela ganha com eles separados. Seria bom se só os juntassem no último capítulo mesmo. bjsss