quarta-feira, 29 de maio de 2013

Falta de planejamento, demissões, redução de custos e o período crítico da Record

Não é surpresa para ninguém que a meta da Rede Record, desde que foi comprada pelo Bispo Edir Macedo, sempre foi ultrapassar a Rede Globo. Na disputa pela audiência, o único objetivo era alcançar a tão almejada liderança. E não foram medidos esforços para isso. Investimentos milionários na área da teledramaturgia, tentativa de copiar várias atrações bem-sucedidas da líder, uma vasta contratação de profissionais da concorrência e produção de novos programas fizeram parte desse pacote em busca do primeiro lugar. Só que o objetivo nunca foi atingido e o máximo que a emissora conseguiu foi tirar a vice-liderança do SBT. Entretanto, desde o ano passado, até o segundo lugar tem sido ameaçado e a crise foi instaurada.


Após ver a emissora de Silvio Santos voltar a ameaçar seu segundo lugar, conquistado graças aos investimentos feitos nos últimos anos, a Record percebeu que todo o esforço feito havia sido em vão. Tanto que o ano de 2012 foi traumático para a empresa: novelas que fracassaram, reality que não empolgou, matérias apelativas no seu principal jornalístico, enfim, um período nada agradável.

Atualmente a emissora se vê obrigada a correr atrás do prejuízo. Com a tentativa de corrigir os equívocos cometidos anos atrás, o corte de custos foi inevitável. E essa redução de despesas tem ocasionado uma sucessão de demissões em vários setores da Record. Um dos mais afetados é, sem dúvida, o
da teledramaturgia, alvo de altos investimentos desde a época em que havia a tentativa de imitar o padrão de produtividade da Globo. Começou com a eliminação da faixa das 19h, após o fracasso de "Rebelde" ----- agora, a empresa exibe apenas uma novela por vez e todas, independente do estilo, às 22h30 ----, e foi parar até nas bem-sucedidas minisséries. Em 2013, o corte também afetou as séries bíblicas. "José do Egito" foi a última produção da Record que contou com investimentos milionários; a ordem agora é economizar também nessas obras. Ainda nesse setor, estão ocorrendo muitas rescisões contratuais com atores contratados inicialmente a peso de ouro. Também há muitos profissionais que não estão renovando seus contratos e muitos deles, inclusive, já voltaram para a Globo ---- caso de Françoise Fourton, que já está em "Amor à Vida", além de Marcelo Serrado, Nathália Rodrigues, Gabriel Braga Nunes e Tuca Andrada que pularam do barco mais cedo.

E, além da redução dos custos, as outras alternativas que serão utilizadas para aliviar as finanças são: a terceirização ---- há muitos nomes de produtoras independentes candidatas a assumir tanto as novelas quanto os programas da emissora ---- e a extinção de algumas atrações. Segundo o jornalista Flávio Ricco, "O Melhor do Brasil", "Programa do Gugu" e "Legendários" estariam na lista dos que passariam a ser produzidos pela produtora "Casablanca". Já o "Programa da Tarde" entraria na lista de programas que seriam eliminados. Porém, graças ao acordo do principal patrocinador, sua duração foi prolongada até o final desse ano. O "Tudo é Possível", por exemplo, não teve a mesma sorte: foi extinto ainda em 2012 porque não dava retorno financeiro.

Segundo a jornalista Keila Gimenez, a Record ainda estaria de olho no contrato milionário do Gugu. A emissora concluiu que, com o salário do apresentador (em torno dos três milhões mensais), daria para manter 600 funcionários com um salário mediano. Ou seja, não será surpresa caso ele volte para o SBT, assim como fez Eliana algum tempo atrás.

Como se não bastasse essa quantidade de problemas, ainda há casos de sérios atritos entre os profissionais da empresa. Caso da briga envolvendo o diretor Vildomar Batista e o apresentador Britto Junior, por exemplo. O desfecho desse desentendimento, que se tornou público, foi o afastamento do diretor do "Programa da Tarde"; o que pode implicar na saída dele da emissora. Também teve o mal-estar causado pela situação do Tiririca. O humorista (e hoje deputado) se desentendeu ao vivo com os apresentadores do mesmo programa em questão e poucas semanas depois foi divulgada a rescisão do contrato do 'palhaço'.

Não há dúvidas que essa crise é apenas o retrato da falta de planejamento da Record. A emissora acabou tropeçando na própria arrogância ao ter a plena certeza de que seria líder em poucos anos somente por causa do 'rio' de dinheiro investido. Em nenhum momento foi cogitada a possibilidade de erro e a alta cúpula da empresa sempre fez questão de desmerecer a concorrência, alegando que a liderança era uma questão de tempo. Não era. Após anos copiando várias atrações da Globo, contratando atores da concorrência através de sedutoras e elevadas propostas financeiras, investindo alto na teledramaturgia e tentando apresentar uma grade parecida com a da líder, o máximo alcançado era a vice-colocação e alguns períodos de liderança --- fato que já havia acontecido com o SBT várias vezes na época em que a empresa de Silvio Santos era a segunda colocada com folga. Ou seja, um resultado muito aquém do que era esperado e propagado.

Entretanto, ao demonstrar preocupação com as bobagens feitas e ainda tentar consertar os erros cometidos, a Record prova que está tentando se reestruturar e nem tudo está perdido. Um bom resultado dessas mudanças tem sido o remake de "Dona Xepa". Apesar do horário equivocado ---- uma história leve e infantil como essa não pode ser exibida depois das dez da noite-----, a emissora acertou na produção dessa novela simples e despretensiosa, evitando qualquer tipo de 'revolução' ("Máscaras") ou apelo ("Balacobaco"). Apesar da audiência não ter correspondido até agora (muito provavelmente por causa do infeliz horário), não deixa de ser uma pequena luz no fim do túnel.

A Record não precisa só de uma grande reestruturação. Também é necessário que a emissora pare de querer ser a Globo e passe a se preocupar em produzir conteúdo de qualidade para os telespectadores, ignorando qualquer tipo de disputa pela liderança. A consequência dessa preocupação, que também inclui o fim das constantes alterações de horário na grade, será o reconhecimento do público e um período de tranquilidade que a emissora perdeu há muito tempo.

40 comentários:

Bruno Marques disse...

Falta de planejamento e uma ânsia desmedida pelo poder foram os grandes culpado pela atual momento da Record!!!
Não gosto da record por tudo o que seu dono representa,mas torço pelos funcionários!!
Abraços Sérgio!!!

Carlos disse...

O que já dissemos aqui em posts passados é o que acontece agora. Falta de planejamento resultou nisso. Aliás, falta de planejamento é a razão de tudo isso. Pra Globo ser o que ela é hoje, tirando o fator "ditadura" que tanto falam, foi através de muito respeito com o telespectador. Antes de ligarmos a TV já imaginamos o que está passando, algo que não acontece nas outras emissoras. Quer fazer TV? Comece respeitando o telespectador, depois vai para a segunda fase. É tão difícil assim ir etapa por etapa?

Abraços.

Anônimo disse...

Zamenza tu falou que são poucos os vilões que se destacam, mas na minha opinião o Renato Mendes interpretado por Fábio Assunção foi o maior deles, melhor que esse caricato do Félix. Via @itsjehaguiar

Anônimo disse...

Achei deselegante seu texto. Criticar a programação de uma emissora tudo bem, é papel de um critico de TV, mas falar da situação financeira nada a ver. Uma vez você também falou da situação financeira da redeTV! O que você quer, que as outras emissoras acabem e só reste a globo? Se essa também já não é mais nenhuma maravilha imagina sem concorrência. E sei que você vai se defender e não vai reconhecer o erro da sua postura pois isso não é o seu forte, mas pense melhor antes de escrever seus textos.

Paty Michele disse...

Amadores, Sérgio, amadores.

A Record chegou bombando e teve seu auge, mtos atores correram pra lá e agora estão assim, quase a ver navios. Torço para que o Gugu se aposente. Não suporto o tom apelativos do programa dele.

bjão e bom feriado.

Filha do Rei disse...

Sérgio, o grande erro da Record sempre foi se focalizar na Globo e não ter a motivação correta: de fazer o melhor e que a liderança de audiência seria uma consequência.
Tenha um lindo feriado.Bjs

Lulu disse...

Sérgio,
O que mais me irrita na Record e querer imitar a Globo. Seja em novelas, noticiários, até a redação do jornalismo é parecida com a emissora carioca.
É preciso que a Record crie sua própria identidade e mostre seu diferencial. Traga programas com conteúdo.

Bom feriado.
Big Beijos
Lulu
http://luluonthesky.blogspot.com.br

Danizita L. disse...

Assim como o Bruno Marques também não gosto nem um pouco do Edir Macedo, mas os funcionários da emissora,que fazem seu trabalho honestamente merecem espaço.
Querer chegar à liderança, ok, todo mundo tem direito de desejar o melhor, mas tem que fazer por onde, ter respeito pelo público, que é um ponto ultra importante em se tratando de uma emissora de televisão. E isso vale para todos os outros setores...
Sinto falta da Manchete, acho que foi a única emissora que soube competir com a Globo com elegância.Ter emissoras fazendo guerra entre si não é legal, legal mesmo é ver cada uma fazendo sua parte para garantir o melhor para seus telespectadores.
Bjs Sérgio ; )

paulo disse...

Não vejo essa coisa da Record tentando imitar a globo. Só porque aquela bancada do jornal da record com a redação atrás é igual a do JN? Mas isso é uma tendência mundial, não foi a globo que inventou isso. Assistam o jornalismo da CNN, da RTP, ou mesmo da band News, ou qualquer outro, é a mesma coisa. E as novelas também não me parece que foi a globo que inventou o formato, dããã... Qual emissora que contratou uma famosa apresentadora e seu papagaio da concorrente e levou pra fazer o mesmo tipo de programa? Qual emissora com medo da concorrente liderando o ibope a tarde trouxe de volta a Chatinha, ops, Carminha e cia pro novelão? Qual emissora lidera pela manhã com o Fala Brasil? Olha, não sou nem um pouco fã da Record e detesto a igreja Universal mas essa conversa de Record com inveja da "poderosa"(???) rede globo me dá ZZZZZZZZZZ.
Abrçs!

Clau disse...

Oi Sérgio :)
Vc foi perfeito ao escrever que a Record acabou tropeçando na própria arrogância.
Não tenho um grande apreço pela Globo,mas sei que a Record só rasteja,engatinha,tropeça,e nunca vai chegar aos pés da principal concorrente.
Bjs!
Aproveita o feriado \o/

Barbie Californiana disse...

Isso é o que acontece com empresas que não tem uma decisão bem definida, Sérgio... eles mudam a programação como quem muda de look... rs rs rs Seria cômico se não fosse trágico... o público só leva fé no que é sólido e tem seriedade. A Record tem tudo para dar certo, só precisa de uma boa gestão. beijinhos e bom feriado.

Jessiiiih =) disse...

Ahhh adoroo comentar sobre tv, entao de cara amei seu blog =)

Sérgio Santos disse...

Exatamente, Bruno. O resultado é isso tudo. Abraços.

Sérgio Santos disse...

Carlos, assino embaixo. Nada foi "do nada" e nem por causa exclusivamente do dinheiro. Tem que ser um conjunto e a Record ignorou isso. Gastou mais do que podia antes mesmo de começar a colher os frutos que pretendia. Deu nisso. Abraços.

Sérgio Santos disse...

Anõnimo, o Renato foi um ótimo vilão. Mas em Celebridade a grande "estrela" era a Laura e não ele. Eu me refiro ao grandes vilões, não aos ajudantes ou comparsas. Até pq nessa mesma novela ainda teve o Márcio Garcia.

O Olavo, de Paraíso Tropical, pode ser incluído na lista de grandes vilões pq ele era o pensante. O Félix, caricato ou não, vai fazer história.

Sérgio Santos disse...

Achou deselegante, anônimo? Ou vc nem se deu ao trabalho de ler?

Se a questão financeira não estivesse causando nada na programação, concordo, nada teria o que dizer. PORÉM, como isso implicou em dispensa de atores, redução de custos nas novelas, fim da faixa da teledramaturgia das 19h, o cancelamento de um programa e a grande chance do fim de outro, eu acho que é necessário falar sim.

Até porque, a emissora sempre fez questão de propagar seus gastos milionários nas produções, quando não havia a menor necessidade.

Eu quero que acabe tudo e só fique a Globo? Vc leu isso no texto também?

Achei engraçado vc se precaver e ressaltar que eu iria me "defender pq eu não admito meus erros". Meus erros? Só pq vc não concorda com um texto meu significa que eu estou errado e vc certo? Um pouco de prepotência, não? Vc discorda de mim, ok, direito seu. Mas eu tenho o direito de me expressar no meu blog, afinal, a emissora ainda não censurou ninguém sobre esse assunto, por enquanto.

Imagino o quanto vc está indignado ao ver tantos sites noticiando todos os problemas que tem ocorrido na Record, que pelo visto vc é fã. E não se preocupe, eu sempre penso bem antes de escrever meus textos.

Sérgio Santos disse...

Seria uma boa o Gugu se aposentar mesmo, Paty. Pq na Record ou no SBT, a apelação é a mesma. Beijão!

Sérgio Santos disse...

Pois é, cléu. bjsssss

Sérgio Santos disse...

Sim, Lulu. Basta ver a Band e o SBT. São emissora com identidades próprias. A Record não tem isso. bjs

Sérgio Santos disse...

Exatamente, Danizita. A Manchete fazia uma concorrência das boas e obrigada a fazer a Globo se mexer. Aliás, aquela emissora era boa demais. Até hoje não me conformo com o seu triste término. Ainda por cima foi substituída pela Redetv!... Beijos!

Sérgio Santos disse...

Paulo, por favor, né! Vc jura que falou sério? Já viu o logo do Jornal da Record? Vc não acha que o Domingo Espetacular não é uma cópia do Fantástico? Vc não acha que aquele programa de esportes (não lembro o nome) não é uma tentativa de copiar o Esporte Espetacular? Até uma cópia do Vídeo Show foi cogitada, mas encerrada a tempo.

Alta Estação, vc lembra? Uma cópia pirata da Malhação. Enfim, não vou exemplificar tudo...

Vc misturou as bolas nas comparações. Uma coisa é contratar uma pessoa, ainda que seja para fazer a mesma coisa da outra emissora. Outra é não contratar e ainda criar um programa igual. Se a Globo tivesse colocado uma mulher e um fantoche imitando a Ana Maria, ok. Outro caso é o Altas Horas. Seria uma cópia do Programa Livre se a Globo não tivesse contratado o Serginho.

A reprise de Av Br foi ridícula e oportunista, mas ainda assim foi um produto da própria casa. Não foi nada pego da concorrência. Menos. Abraços!

Sérgio Santos disse...

Desse jeito não vai mesmo, Clau. Aliás, o Silvio Santos falou uma coisa curiosa: as concorrente tentam ser líderes por alguns minutos, pq no fundo todas sabem que o telespectador vai voltar pra Globo depois que o programa X acabar. Querendo ou não, é isso mesmo. bjs

Sérgio Santos disse...

Pois é, Barbie. E o SBT fazia muito isso. Ainda bem que parou. Já a Record ficou com a mania. bjs

Sérgio Santos disse...

Que bom, Jessiiih! Bem-vinda. Bjs!

Thallys Bruno Almeida disse...

Bom artigo, Sérgio.

A arrogância da cúpula da Record daria nisso. Infelizmente, os funcionários pagam o pato. Até mesmo um presidente de uma das divisões da Record (a emissora do Rio, acho) foi demitido por não concordar com a política de demissões desde o ano passado.

Investiram tanto em direitos esportivos alardeando exclusividade e, agora, tiveram que vender os direitos de cabo do Pan 2015/19 ao SporTV, que pelo visto vai dividir com ESPN e BandSports como tem sido feito recentemente.

No DE, matérias vergonhosas como a do Guiherme de Pádua e a anti-Canto da Sereia e inúteis como a do Pica-Pau. Isso sem falar no fato de que o programa nunca mencionou o mensalão, muito em parte devido ao seu apresentador que é um dos líderes dos bajuladores do governo petista.

No Programa da Tarde, a situação entre o Britto e o Vildomar ficou insustentável de tal forma que o diretor foi afastado. E há um tempo atrás, o Hiran Silveira, ex-diretor de dramaturgia, era conhecido por não receber os atores, mas ficava os perseguindo via redes sociais.

Espero mesmo que a emissora reencontre seu caminho para que possa se consolidar. Mas eu começaria mudando a cúpula. Tiraria Honorilton Gonçalves (vice-pres. artístico), Douglas Tavolaro (vice de jornalismo - e autor dos livros do Macedo), Marcelo Caetano (diretor de programação), Vildomar Batista (diretor artístico), só pra ter alguns exemplos dessa cúpula arrogante, e colocava gente de verdade que entende de televisão, publicidade e marketing como a Globo tem feito recentemente assim que o Carlos Schroder assumiu a direção geral. Nessas horas, vemos como Boni, o velho Boni, tem razão. Abçs!

EDER RIBEIRO disse...

Sérgio, o q falta a Record é se identificar com o público. Porém, o seu maior objetico é ultrapassar a Globo, acho pouco para uma emissora q quer ser grande. Abçs.

paulo disse...

Sergio, como você mesmo diz qual o problema de uma emissora querer ser a primeira, você queria que a Record almejasse ser o que, uma RedeTV? E copiar malhação, tenha dó, qualquer programa jovem agora é cópia daquela chatice? E o Domingo Espetacular cá pra nós, é MIL vezes mais interessante que a atual fase do Cansástico. E da mesma forma que Ana Maria Braga foi pra globo com papagaio e tudo, o Paulo Henrique Amorim, a Milena Ciribelly e outros tantos foram pra Record fazer o mesmo que faziam na globo e que você diz que é cópia. Além do mais o grande Chacrinha já dizia "na TV nada se cria, tudo se copia".
Abrçs.

Pedro Bertoldi disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Pedro Bertoldi disse...

Sérgio, concordo plenamente.
A caminho da liderança chega perto do caminho da falência. É uma pena, já que se seu dono parasse de atacar tudo que ele diz ser do capeta, sobraria tempo pra planejamento.
Ah e parabéns pela elegância ao responder o anônimo lá de cima. Isso mostra a superioridade de quem tem algo chamado respeito.
Vc sabe que sou fã e acho muito elogiável a sua postura de responder a TODOS os comentários!
São pequenos detalhes que me fizeram um leitor assíduo do teu blog!
Abraços querido Sérgio!

Letícia disse...

boa Tarde Sérgio, tudo bem?

Ótimo artigo, sempre vi este desejo da Rede Record como uma certa arrogância, mas principalmente de seu proprietário, que tem revanchismo com a Rede Globo. A princípio não haveria nada de errado nisto o problema é a maneira como foi feita. O sucesso da emissora carioca é uma afronta para os donos da Record e é ainda que começa os problemas da emissora.

A Rede Record não procura uma identidade própria e sim imitar a Globo. Primeiro levou vários profissionais da concorrente para seus estúdios oferecendo salários mais altos, tudo bem. O grande problema da Record é querer ser a Globo, e sua frustração é não conseguir apesar de todo dinheiro investidos não chegou nem perto disso. Como se vê não era uma questão, a princípio, financeira,
mas de encontrar um caminho. A Globo, não tem uma igreja na sua retaguarda, tem uma cultura mais empresarial mesmo, seu foco é a busca pela qualidade (há momentos que peca nisto também), sabe investir nos seus produtos procurando não apenas o público brasileiro, mas um público ao redor do mundo vendendo seus programas, principalmente seu carro chefe, as novelas. Querendo ou não vende a imagem de nosso país lá fora, e é uma das quatro maiores do mundo. A Record quis começar por um patamar que a Globo demorou anos para conseguir.

O SBT do Silvio Santos, provavelmente, tem planos mais modestos que a Record. O apresentador é mais realista que o bispo e por isso não se preocupa tanto com a liderança, sabe que não tem o cacife da Globo e faz seu trabalho e busca se estilo, mesmo que este seja buscando atrações bregas das emissoras lá de fora. Sem contar o carisma enorme que o apresentador tem. Adoro o Silvio, e ele está cada vez melhor, e não dá sinal de cansaço, seu problema maior será encontrar um substituto a altura, mas isto é uma outra história.

Gosto quando estas e outras emissoras investem em teledramaturgia , pois temos vários atores, obviamente a Globo não tem como ter espaços para todos e é legal vê-los trabalhando, mesmo que não tenham a mesma visibilidade que a Globo oferece. Apesar de não acompanhar a novela "Dona Xepa" sei que Ângela Leal é sua protagonista, provavelmente, na Globo ela já não conseguisse o mesmo espaço e isto é maravilhoso, neste aspecto a Record está de parabéns.

Apesar de tudo, prefiro assisti a Globo, mesmo que tenha seus defeitos, mesmo que tenha seus erros, Salve Jorge não deixa de ser um equívoco, mas também tem seus acertos, como "Lado a Lado", "Cordel Encantado", "A Vida da Gente" por exemplo, ainda assim é a melhor entres as redes de tv abertas. Tem programas que não gosto de assisti, então vou fazer outras coisas.

Enfim... Um abraço e um excelente final de semana.

Milene Lima disse...

Eu lamento verdadeiramente isso, pelo simples fato de ter ojeriza a monopólios. Não tenho repulsa a globo, vejo o que gosto da sua programação, mas me causa incômodo esse poder todo. O que a Globo fez com o meu Botafogo é de causar asco, mas eles podem tudo, né?
Espero que a Record, mesmo pertencendo aquele bispo mala, consiga se refazer e fique ali com o SBT assombrando a toda poderosa, com programação de qualidade.
O telespectador agradece, amém.

Beijo, Sérgio.

Sérgio Santos disse...

Pois é, Thallys. É lamentável porque os funcionários não têm culpa. Também acho que precisa de uma reformulação maior e o ideal seria afastar todos os pastores envolvidos, já que não é de tevê que eles entendem, mas será impossível isso acontecer... A situação lá tá cada vez mais crítica. Abraços.

Sérgio Santos disse...

Eder, exato. Deveria se preocupar em apresentar algo de qualidade para depois pensar em ibope. abraços.

Sérgio Santos disse...

Paulo, não há problema algum em querer ser a primeira, aliás, é normalíssimo. Mas para isso é necessário primeiro que vc se estabeleça na vice-colocação, o que o Sbt não tem deixado nos últimos meses. E querer ser a líder copiando a líder? Meio difícil, não?

E novamente vc está misturando as bolas. No caso do Gugu, por exemplo, estou de acordo. Não há cópia porque ele é que deu a identidade para o Domingo Legal. Ele era a atração principal.
Agora, não os jornalistas citados por vc não eram o Fantástico. Eram meros empregados de uma atração que surgiu há tempos. O Fantástico é maior que eles. E apresentar uma cópia da Revista Eletrônica ainda por cima no mesmo horário da original é muita cara de pau, não? Nem estou entrando no mérito do que é melhor ou pior. Uma prova disso que estou falando é que o Fantástico sobreviverá com qualquer um apresentando. Mas o Programa do Gugu sobrevive sem ele? Aliás, o Programa Livre só não conseguiu se manter na grade do SBT pq a ausência do Serginho foi sentida. E a isso que me refiro.

Sendo melhor ou pior, aquele DE é um plágio do Fantástico. Assim como o "Legendários" começou tentando misturar Pânico e CQC no mesmo programa. Duas cópias em uma.

Sim, Alta Estação era uma cópia da Malhação. Vc não deve ter visto nada daquele treco, caso contrário concordaria comigo (vi um capítulo e fiquei constrangido). Aliás, nem vc e nem ninguém pq o fiasco foi tão grande que nem durou o tempo que a produção almejava.

O Chacrinha tem razão, mas não precisa copiar tanto uma emissora que a Record tanto despreza. Fica até contraditório. Abraços.

Sérgio Santos disse...

Pedro, muito obrigado. Isso aí que o Edir Macedo faz e diz eu prefiro até ignorar porque é tanta bobagem...

Sim, sempre faço questão de responder todo mundo que se dá ao trabalho de comentar e ler meus textos. Se o blog fosse desses dos grandes portais com mais de 500 comentários ficaria impossível, mas aqui dá pra fazer e ainda consigo trocar opiniões com vcs.

Sobre a minha resposta, tento ser educado até com quem não merece. rs Abração!

Sérgio Santos disse...

Letícia, obrigado pelo comentário. Concordo com vc e assino embaixo. (pra variar)

A Record antes de ser comprada pelo Edir Macedo não tinha reportagens apelativas e nem agressivas em cima da concorrência, por exemplo. Depois que a compra foi feita, o pastor gosta de usar o jornalístico em benefício próprio várias vezes. Uma lástima. Quantas vezes o Domingo Espetacular foi usado para alimentar a "guerra" entre as igrejas e também "agredindo" a Globo e descendo a lenha n Ibope? Isso citando poucos exemplos.

Sim, a Record tentou conseguir em poucos anos o que a Globo levou mais de 20 anos pra alcançar. Impossível. Beijão e bom final de semana!

Sérgio Santos disse...

Toda concorrência é benéfica, Milene. Principalmente para nós, público.

Sabe pq o Zorra Total continua líder isolado e ainda é o humorístico da Globo que apresenta a maior audiência, mesmo recebendo críticas de tudo quanto é lugar? Não é pq é bom e sim pq os concorrentes conseguem o feito de serem ainda piores. Aí nada muda mesmo.

A Globo só valoriza Corinthians e Flamengo pq são os clubes de maior torcida e geram mais lucro e ibope. Tudo um jogo de interesses. O meu Fluminense também sofre com isso. bjssss

Patricia Galis disse...

Programa da tarde já vai tarde aguentar até o final do ano ainda afff, alías a Record realmente caiu demais na programação e olha que o sbt é ruim tbm.

Sérgio Santos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Sérgio Santos disse...

Infelizmente vai, Patrícia. Conseguiu uma sobrevida. Bjs e obrigado pelo comentário.