sexta-feira, 1 de maio de 2015

Série impecável, "Os Experientes" valorizou os atores veteranos e comprovou que a velhice rende várias histórias primorosas

Foram apenas quatro episódios. "Os Experientes" estreou no dia 10 de abril e teve seu último episódio exibido no dia 1º de maio. A série foi produzida no final de dezembro de 2013 e início de 2014, mas só conseguiu espaço na grade da Globo em 2015. E é de se lamentar não só a demora da emissora para colocar este produto no ar, como também a curta temporada. Afinal, o seriado que colocou os mais velhos como protagonistas apresentou um conjunto de qualidades.


A produção expôs mais uma parceria de sucesso entre a Globo e a O2 Filmes (responsável pela coprodução), repetindo a competência vista em "Felizes para sempre?", minissérie do início do ano, citando apenas um exemplo mais recente. Dirigida por Fernando Meirelles e criada pelo seu filho, Quico Meirelles, a série (roteirizada por Antônio Prata, que escreveu o primeiro, e Márcio Alemão Delgado, escritor dos três restantes) apresentou quatro episódios independentes, colocando em evidência várias formas de lidar com a experiência de vida, e todos foram primorosos.

O primeiro contou com a luxuosa participação de Beatriz Segall vivendo a esperta Yolanda, senhorinha que se viu vítima de um assalto a banco e conseguiu ser mais inteligente que o assaltante e os policiais juntos. A atriz teve uma ótima parceria com João Cortês, ator conhecido pelos comerciais de celular que se mostrou uma grata surpresa.
O episódio (cujo título foi "Assalto") mesclou com maestria momentos cômicos (com puro humor involuntário) e instantes dramáticos, além de ter exibido também uma boa dose de tensão. A cena final, com a idosa chorando e caminhando sozinha depois do assalto ter terminado, foi de uma sensibilidade rara.

Mas, se a estreia conseguiu mesclar vários elementos em uma só história, o segundo episódio ("Atravessadores do Samba") optou por um clima nostálgico de um grupo de sambistas septuagenários. Eles faziam pequenas apresentações em botecos da cidade e se viram sem chão após a perda de um dos integrantes ----- que se suicidou depois de cantar pela última vez para os amigos -----, precisando lutar contra a saudade para um recomeço. Ainda foi preciso lidar com a entrada de uma cantora (praticamente uma Yoko Ono do samba), que acabou sendo responsável por uma desarmonia. A peculiaridade deste capítulo foi a escalação de 'não atores' que se saíram muito bem: o apresentador Goulart de Andrade, a cantora Bibba Chuqui e os sambistas Wilson das Neves, Zé Maria e Germano Mathias.

Já o terceiro episódio ("O Primeiro Dia") misturou emoção e humor ferino com maestria. Protagonizada por um genial Juca de Oliveira, a trama contava a história de Napoleão, um advogado aposentado que descobria ter apenas 12 meses de vida. Vivendo apenas com a fiel empregada Neusa (ótima Teca Pereira) desde que sua esposa faleceu, o solitário homem resolveu procurar o filho (Luiz - Dan Stulbach) para uma reaproximação. O enredo riquíssimo provocou riso e emoção com a mesma facilidade. Uma das melhores frases da série foi proferida nesta trama, inclusive: "É saboroso poder ofender as pessoas de maneira adequada!". Juca deu um show e vale destacar ainda as luxuosas participações de Lima Duarte, Othon Bastos, Otávio Augusto, Karin Rodrigues e Cecília Homem de Mello.

O quarto episódio ( "Folhas de Outono") fechou a série em grande estilo, contando a história de Francisca, mulher que perdeu o marido e encontrou um novo amor onde menos esperava. Protagonizada pela grande Selma Egrei, a trama conseguiu envolver com um enredo delicado e cheio de críticas à hipocrisia da sociedade. A viúva tinha dois filhos, sendo que Daniel (Eucir de Souza) não aceitava a forma como a mãe lidava com o luto (saindo com a amiga que morava ao lado). E, por ironia do destino, ela acabou se apaixonando justamente pela vizinha, Maria Helena, vivida pela sempre ótima Joana Fomm. O romance foi tratado com delicadeza e tudo foi muito bem conduzido. Encerrou a temporada mantendo o alto nível.

Aliás, o último episódio fez uma inteligente mescla com os três anteriores, ligando indiretamente as histórias. O filho machista de Francisca era o gerente claustrofóbico do banco que foi assaltado na estreia da série; a protagonista foi (com a futura namorada) a um baile onde os Atravessadores do Samba (do segundo episódio) faziam uma apresentação; e, para finalizar, um casal amigo da viúva era justamente Del Bello (Othon Bastos) e Nininha (Karin Rodrigues), fiéis companheiros do rabugento Napoleão (do terceiro episódio). Foi uma ideia muito inteligente e que exigiu atenção do telespectador.

"Os Experientes" foi uma primorosa série da Globo com a O2 Filmes e os quatro episódios apresentados esbanjaram bom gosto, histórias ricas, linda trilha sonora, belíssima fotografia e personagens fascinantes. Valeu muito a pena ver tantos atores veteranos protagonizando a produção, evidenciando que todos eles merecem muito espaço na televisão. Ficou claro que a velhice pode sim proporcionar, além de sabedoria e experiência, ótimos enredos para a teledramaturgia. Uma segunda temporada é praticamente uma obrigação.

36 comentários:

OX disse...

Sérgio, eu vi todos. Só não gostei do segundo com os sambistas, mas os outros foram maravilhosos. O que a Globo tinha na cabeça quando engavetou essa produção por tanto tempo? Também torço por uma segunda temporada e os veteranos merecem ser o centro das atenções. Por que não? Esse último episódio foi belíssimo e tão bonito quanto o anterior, com o Juca de Oliveira. A estreia com a Beatriz Segall foi espetacular. Abraço.

Anônimo disse...

Quando ouvi na chamada "Ultimo episódio" fiquei chocada. Como assim já? Acabou muito rápido. Seu texto ficou perfecto.

Gabriella disse...

Fazia tempo que não via tanto ator veterano junto. Deveriam fazer isso nas novelas também, mas a juventude é sempre mais valorizada. Concordo com o texto e merecia no mínimo mais uns 6 episódios.

✿ chica disse...

Parece ter sido o máximo! Eu perdi essa série! abração, lindo fds! chica

BIA disse...

Deve ter sido muito legal mesmo! Que ótimo valorizarem esta fase tão linda da vida! Muito se tem a aprender com os veteranos, sabedoria passada de geração para geração!
Bom fim de semana Sérgio! :)

Bjs

Felisberto N. Junior disse...

Olá, Boa tarde, Sérgio
eu vi todos, mas "naquelas" , de nunca ao vivo, né?
hehehe,gostei da "Yoko Ono do samba", inclusive foi esse episódio ("Atravessadores do Samba") que mais gostei dos 4, considerando , realmente, que o quarto episódio foi uma mescla ...sim,gostei de ver os atores veteranos protagonizando, sabia que já tinha visto o João Cortês , mas não sabia de onde, e a comprovação que a velhice pode sim proporcionar, ótimos enredos para a teledramaturgia.Bela análise!
Agradeço, bom final de semana,belos dias,abraços!

eulara luane disse...

gostei muito do ultimo episódio , realmente a sociedade é muito hipócrita , a outra coisa que eu gostei foi da musica sangue latino do Ney Matogrosso tocando no terceiro episódio , outro episódio que eu achei lindo , linda historia e trilha para contemplar , parabéns ao Juca de oliveira , Dan stulbach e quem compôs a trilha sonora kkkkk , serio ficou excelente !!!

Lulu on the sky disse...

Não acompanhei esse seriado Sérgio, não tenho como opinar.
Big Beijos
Lulu on the Sky

Sabrina disse...

A velhice sempre rende ótimas histórias e essa série comprovou isso mesmo.Só perdi a do Juca de Oliveira que pelo que li deve ter sido tão bom quanto os outros, mas tentarei assistir pela internet se a Globo permitir.Quatro episódios é muito pouco, só que duvido que a emissora faça outra porque pelo que li a audiência não foi lá essas coisas. Mas também com o horário que foi exibida ficaria difícil.

Anônimo disse...

Uma série primorosa dessa a Globo faz 4 episódios, aquela Chapa Quente faz uns 20. Não entendo.

Henrique disse...

O que eu mais gostei dessa série foi a mistura de delicadeza com deboche.Tudo funcionou e é de assustar como esses veteranos maravilhosos andam esquecidos.E Lima Duarte, cadê?Absurdo.

Vera Lúcia disse...


Olá Sérgio,

Não assisti, embora as chamadas tivessem atraído a minha atenção. Pelo seu excelente relato dá para perceber que foi uma série bem interessante. Acho importante esta valorização de atores veteranos, que ainda têm muito a oferecer à televisão brasileira.

Ótimo domingo.

Abraço.

Ana Carolina disse...

Que luxo de série. Valeu a pena acompanhar os 4 episódios e quem não viu perdeu um produto de qualidade.Não entendi a razão desse engavetamento da Globo e nem de ter sido tão curtinha.Vale até Emmy Internacional se bobear.O que eu mais gostei foi o do Juca de Oliveira, depois da Beatriz Segall, depois da Selma Egrei e depois dos sambistas. Beijos e concordo com a crítica!

MARILENE disse...

Sergio, eu me interessei pelas chamadas mas não vi nenhum episódio. Por outro lado, todas as críticas que li foram elogiosas, sugerindo, como você espera, que a série tenha continuidade. Bjs.

Filha do Rei disse...

A experiência leva à excelência e não poderia ser diferente com estes atores.
Devem ser aplaudidos de pé.

Sérgio, tenha uma semana abençoada! Bjs

Kauê disse...

Fica até difícil escolher um episódio favorito mas confesso que a cena final do primeiro ep em que Beatriz Segall passa despercebida no meio de tanta gente foi de cortar o coração. O segundo foi bom, mas não me agradou tanto. Já o terceiro foi sensacional e Juca de Oliveira genial do início ao fim. E o quarto fechou com chave de ouro com as ótimas Selma Egrei e Joanna Fomm, e a forma como foi conduzida a historia com leveza e de fato ficou evidente como a sociedade é hipócrita. Confesso que as vezes não entendo esse descaso com os atores veteranos, tem tanta gente realmente boa e com 'bagagem' que não recebe o devido valor. Raro os autores que valorizam essa classe. Pelo menos que essa série gere uma alerta e não se esqueçam dos grandes atores e atrizes nessa faixa etária e se tiver uma segunda temporada será mt bem vinda.

Sérgio Santos disse...

OX, o dos sambistas foi o mais fraco mesmo, mas nem por isso deixou de ser bom. E tb não entendo pq a Globo demorou tanto pra colocar essa série no ar. Maravilhosa. abçs

Sérgio Santos disse...

Obrigado, anonimo. E passou rápido msm.

Sérgio Santos disse...

Pena que não são todos os autores que valorizam os veteranos, Gabriella. Merecia msm mais uns 6 ou 10 episódios.

Sérgio Santos disse...

Que pena, Chica, foi incrível. bj

Sérgio Santos disse...

Boa semana, Bia. bjs

Sérgio Santos disse...

Ela foi msm quase uma Yoko Ono do samba, Felis. rs A série foi linda e cômica, sendo que mesclou tudo no final. Mt bom. abçs

Sérgio Santos disse...

Boa lembrança desse clássico do Ney, Eulara. A trilha foi outro acerto dessa série impecável.

Sérgio Santos disse...

Ok, Lulu.

Sérgio Santos disse...

Sabrina, tente ver msm pq esse do Juca foi um dos melhores. Eu torço pra uma segunda temporada mas tb acho que a Globo não fará, o que é uma lástima. Merecia e muito. bjs

Sérgio Santos disse...

Pois é, anonimo...

Sérgio Santos disse...

Lima tá sumido mesmo, Henrique. Ele fará uma pequena participação em O Love Paraisopolis. Mas tá merecendo um bom papel há tempos. E a série mesclou bem deboche com melancolia.

Sérgio Santos disse...

Sem dúvida, Vera. Bjs e boa semana.

Sérgio Santos disse...

Tb acho que vale Emmy, Ana. E a Globo demorou mt pra colocar no ar, não podia ter feito isso. Eu achei o da Beatriz Segall o melhor, o da Selma Egrei o segundo, o do Juca o terceiro e o dos sambistas o quarto. bjsss

Sérgio Santos disse...

Foi mt boa, Marilene. bjs

Sérgio Santos disse...

Perfeito, Cléu. bjs

Sérgio Santos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Sérgio Santos disse...

É mesmo, Kauê, é complicado escolher um melhor em meio a tantos incríveis, mas tb achei o da estreia o melhor. O do Juca e da Selma é até mais justo colocar como empate pq foram primorosos. E a série valorizou o talento desses gênios. Concordo com tudo. abçs

Elvira Akchourin do Nascimento disse...

Também gostei da série, especialmente do primeiro episódio. No quarto, as atuações de Selma Egrei e Joanna Fomm foram fantásticas.

Elvira Akchourin do Nascimento disse...

E me emocionei com o terceiro episódio, O Primeiro Dia. Juca de Oliveira e Dan Stulbach deram show.

Sérgio Santos disse...

Elvira, o primeiro, o terceiro e o quarto episódios foram espetaculares mesmo. Juca e Dan deram show assim como Joana e Selma.