quarta-feira, 20 de maio de 2015

"Fera Radical": um grande sucesso de Walther Negrão

Exibida entre 28 de março e 18 de novembro de 1988, "Fera Radical" foi um grande sucesso de Walter Negrão. A novela das seis caiu no gosto popular com uma clássica história de vingança, tema muito usado em folhetins, filmes e livros. A trama foi reprisada no "Vale a Pena Ver de Novo" entre 16 de dezembro de 1991 e 8 de maio de 1992, além de ter ido ao ar duas vezes no quadro "Novelão da Semana", do "Vídeo Show".


Protagonizada por Malu Mader, a novela conta a história de Cláudia, uma mulher que jura vingar o massacre sofrido por sua família. Uma casa incendiada, gritos, pavor e correria: esta mescla de momentos aterrorizantes vivem atormentando a mocinha (belíssima jovem moradora de Ipanema, Rio de Janeiro), que volta à pequena Rio Novo, fictícia cidade onde sua família foi dizimada, para descobrir os culpados e destruir a vida dos responsáveis pelo trauma que sofreu há 15 anos.

Uma trama clássica que prendeu a atenção do telespectador; afinal, é sempre atrativo acompanhar a saga de uma pessoa em busca de justiça. Quase todas as produções que se utilizam deste recurso são bem-sucedidas, caso desenvolvam o enredo com competência, obviamente. E foi o caso de "Fera Radical".
As investigações de Cláudia foram o mote do início da novela e as armadilhas do destino, como uma grande paixão e o forte afeto sentido pelo homem que deveria destruir, atrapalharam seus planos.

Ao chegar em Rio Novo, a protagonista descobre que Altino (saudoso Paulo Goulart) e Donato (Elias Gleiser, que infelizmente faleceu no último sábado) são os poderosos fazendeiros da região, cujas fazendas mantêm um frigorífico. Ela começa a trabalhar com Altino e rapidamente ganha a confiança do patrão, que ficou preso a uma cadeira de rodas após a chacina que acabou com a família da mocinha. Só que Joana (saudosa Yara Amaral), esposa do fazendeiro, não gosta daquela jovem e desconfia de suas intenções.

Enquanto começa a lutar contra o afeto que sente por Altino, Cláudia ainda se apaixona por Fernando (José Mayer), filho do casal. E o rapaz corresponde ao sentimento, depois de muitos desentendimentos (típicos de um casal que vive entre tapas e beijos, presente em todo filme romântico). Mas, antes de gostar da mulher que planeja acabar com sua família, o peão teve um longo caso com Marília (Carla Camurati), filha de Donato, e noiva de seu irmão (Heitor - Thales Pan Chacon).

Cláudia também acaba se envolvendo com Heitor, o que provoca um quadrilátero amoroso no núcleo principal. A maior virada da trama acontece quando Altino e Joana descobrem a verdadeira identidade da mocinha. A revelação expõe o lado íntegro do fazendeiro e o lado diabólico de sua esposa, a verdadeira responsável pela chacina que matou a família da protagonista ---- ela, inclusive, fica ainda mais furiosa ao descobrir que a jovem foi criada por Marta (impecável Laura Cardoso), antigo amor de seu marido. Yara Amaral brilhou na novela e fez uma vilã clássica maravilhosa ----- com direito até a momentos de loucura, já na reta final da história.

Entre as cenas marcantes do folhetim, está a sequência onde a mocinha, vestida de noiva e pronta para se casar com o filho da vilã, é ameaçada com uma arma pela esposa de Altino. E Cláudia mata Joana, após uma forte briga das duas ----- o revólver dispara acidentalmente. Malu Mader e Yara se destacaram. Já o momento que Fernando resgata Cláudia do tribunal, montado em um cavalo branco, após sua amada ser inocentada do crime, encerrou a novela com chave de ouro. Um desfecho claramente inspirado nos filmes da Disney e que até hoje é lembrado.

Além de todos os ótimos atores já mencionados, vale citar também Denise Del Vechio (Olívia), Cláudia Abreu (Ana Paula), Chica Xavier (Júlia), Tato Gabus Mendes (Paxá), Milton Gonçalves (delegado Damasceno), Zezé Macedo (Hermínia), Ivan Cândido, entre outros. O elenco não era muito numeroso, uma vez que a trama não apresentou muitas outras histórias além da principal.

"Fera Radical" foi uma grande novela de Walther Negrão e o protagonismo de Malu Mader até hoje é lembrado, tanto pelo enredo, quanto pela atriz, que estava no auge da beleza. Dirigida por Gonzaga Blota e Denise Saraceni, a novela das seis teve 203 capítulos e conseguiu conquistar a audiência do horário. Uma história clássica e muito bem contada.

36 comentários:

OX disse...

Essa novela foi muito boa. Uma das poucas que eu gostei desse autor.Malu Mader estava lindíssima,apesar da inexperiência como atriz. Paulo Goulart emprestou seu carisma e conquistou a todos.Até hoje não me conformo com a morte de Yara Amaral e o falecimento de Elias Gleizer me deixou abalado. Abraço.

Yasmin disse...

Só vi essa novela quando reprisou no Novelão, pareceu boa mesmo mas a Malu tava mal pra caramba no papel.

Anônimo disse...

Não vi nada demais nessa novela.

BIA disse...

Acho legal estas reprises pois dá a oportunidade para quem não viu,de ver as novelas antigas! Boa semana Sérgio! :)

Bjs

Lulu on the sky disse...

Amei essa novela, eu tenho inclusive o vinil internacional
big beijos

Rafaella disse...

Gostei de relembrar, foi uma novela bem boa e que saudade de Paulo Goulart, Elias Gleizer, Yara Amaral... Quanta gente boa já se foi.

Luma Rosa disse...

Oi, Sérgio!
Não assisti a novela, mas vi uma montagem de cenas em que a Malu Mader parava a motocicleta toda vestida de preto e ao tirar o capacete, balança os cabelos para os lados! Surreal a mocinha :) Poderiam passar novamente na tv aberta.
Beijus,

Anônimo disse...

A Malu quando fez Fera Radical já era experiente, já tinha feito papéis marcantes como a Walkiria de Tititi, a Glorinha da Abolição em O Outro, a Lurdinha de Anos Rebeldes... Desde 82 ela já atuava. E nunca ouvi falar que ela estava ruim no papel, pelo contrario, tanto que dali pra frente virou protagonista em toda novela que participou. Quanta saudade desses novelões da Globo, em 88 mesmo eram Fera Radical, Sassaricando e Vale Tudo, e se olhar as anteriores e posteriores a essas só tem novela boa. Ah, tenho uma curiosidade Sergio, como voce se lembra dessas novelas da década de 80?

Anônimo disse...

*Lurdinha de Anos DOURADOS.

Valéria disse...

Eu adorei essa novela e já tinha até pedido pra você relembrá-la aqui no blog. Demorou mas veio. Concordo com tudo o que foi escrito e ficou muito bom esse seu resumão sobre a história que realmente não tinha muitas tramas paralelas. As novelas deveriam ser sempre assim. Quanto mais personagem, mais gente avulsa e mais encheção de linguiça.

paulo disse...

Pra mim Fera Radical é uma das mais mornas novelas da maravilhosa safra da década de 80, o que não quer dizer que é ruim, apenas ela não tinha assunto pra 200 capítulos mas foi esticada por conta do imenso sucesso. Eu adorei na época, Malu estava no auge da beleza, seus cabelos lisos, seu rosto quase sem maquiagem e suas roupas pretas colantes destoavam da moda das mulheres da época e fez sucesso. A novela apesar de ser rural e se passar quase toda a ação numa fazenda não tinha musicas breganejas na trilha(o que se tivesse um remake com certeza teria), mas sim muito rock, pop e mpb, a cara dos 80s. A musica "A Cura" do Lulu Santos ate hoje se for tocada lembra Fera Radical. Sem duvida uma novela marcante sim.

Ulisses disse...

Adorei voltar no tempo com esse seu post e me recordei de várias coisa que nem lembrava mais. Essa foi a única novela boa do Walther Negrão.

Vera Lúcia disse...


Olá Sérgio,

Quantos atores 'feras' já não estão mais aqui para enriquecer nossas novelas, hein?
Adorei a oportunidade de relembrar esta ótima novela.
Saudades das novelas naquela época.
Ótimo texto.

Abraço.

Ed Taborda Assunção disse...

Essa novela não é do meu tempo Sérgio, mas sempre ouvi falar dela. Malu Mader parecia interpretar um tipo de mocinha bem diferente. E vendo a sinopse assim, nunca ia pensar que era escrita pelo Walter Negrão, que sempre faz novelas água com açúcar. Sinto falta da Malu nas novelas.

Anônimo disse...

Não julguem o trabalho do Walter Negrão pelas novelas recentes ruins, assim como outros autores hoje perderam o prestigio, na década de 80 escreviam novelas maravilhosas, do Walter Negrão posso citar a excelente Livre para voar de 84, Direito de Amar de 87, Fera Radical de 88, Top Model(com Antônio Calmon) de 89. Só novelas top.
Apenas hoje em dia é difícil as novelas serem boas porque os atores novatos são fracos, os veteranos parecem desmotivados, a trilha sonora não ajuda, não há mais a magia e a ingenuidade de antes, enfim, tudo se perdeu. As novelas não são mais como antes.

luiz claudio disse...

Anonimo, dos anos 80 você esqueceu de "pão pão beijo beijo(83)" e "chega mais(80)", muito boas também, novelas inesquecíveis, assim como Fera Radical.

MARILENE disse...

Sergio, eu me lembro da novela (rss), mas os detalhes a memória abandonou e foi muito bom relembrá-la através de sua postagem. É triste recordarmos os grandes atores que já se foram. Bjs.

Sérgio Santos disse...

OX, pois eu tb fiquei mt triste com a morte do Elias Gleiser. Ele era o avô do Brasil. Parecia da família. Foi uma grande perda. Yara e Paulo foram outros nomes que nos deixaram e fazem falta. Abçs

Sérgio Santos disse...

Não achei a Malu mal não, Yasmin, mas respeito sua opinião. bjs

Sérgio Santos disse...

Ok, anonimo.

Sérgio Santos disse...

Tenha um bom fim de semana, Bia. bjs

Sérgio Santos disse...

Foi ótima mesmo, Lulu. bjs

Sérgio Santos disse...

Quanta gente boa, Rafaella...

Sérgio Santos disse...

Essa cena foi uma das marcantes dessa novela, Luma. O Viva poderia reprisá-la. bjs

Sérgio Santos disse...

Anonimo, em nenhum momento eu disse que a Malu estava ruim no papel, pelo contrário. E essa eu vi vários capítulos, mas em vídeos, não na época, obviamente. Mas as que eu não vi, eu pesquiso, leio, pra poder escrever. Só que nesses casos não posso dar opinião sobre atuações, cenas ou destaques.

Sérgio Santos disse...

Eu lembro, Valéria. E eu tinha prometido. Realmente demorou um pouco, mas chegou. A novela foi mt boa e é bom ter menos personagens mesmo. Se tiver demais, pode prejudicar, a não ser que o autor consiga desenvolver tudo mt bem.

Sérgio Santos disse...

A trilha era maravilhosa, Paulo, e várias músicas marcaram. E como tinha poucos personagens ajudava a deixar tudo em torno de um mesmo assunto, o que poderia cansar.

Sérgio Santos disse...

Mt obrigado, Ulisses. Eu tb não gosto do estilo das obras do Negrão.

Sérgio Santos disse...

Pois é, Vera, isso é triste. Obrigado pelo carinho, que bom que gostou. bjs

Sérgio Santos disse...

Pois é, Ed, essa novela fugiu um pouco do estilo dele. E essa mocinha era aquela clássica vingativa. Abraços!

Sérgio Santos disse...

Tem muito ator jovem bom, anonimo. Mas claro que tem uns péssimos.

Sérgio Santos disse...

Essas novelas tb marcaram, Luiz. Mas essas eu não vi.

Sérgio Santos disse...

Pois é, Marilene, mta gente boa já se foi e todos fazem muita falta. bjssss e obrigado pelo carinho.

Ciça lopes disse...

Uma das melhores que assisti na Globo
abraço
Ciça

Sérgio Santos disse...

Obrigado pelo comentário, Ciça!

Anônimo disse...

Fera Radical não faz parte desse tipo de novela atual onde a protagonista é aquela coisa insossa,a mais esquecida das personagens e que tem pouca importância na trama. Fera Radical é Cláudia da Silva o tempo todo!Não acredito que alguém possa gostar da novela e não gostar da personagem ou da atuação da Malu(MARAVILHOSA em todos os aspectos)...aliás, nem consigo imaginar FR sem a beleza e o estilão maderiano de ser!
Cláudia movimenta a trama e faz girar todas as engrenagens da novela.É uma personagem complexa:uma hora decidida, forte,sedutora,maquiavélica,quase uma vilã querendo vingança; outra hora: imatura,carente,insegura,romântica,apaixonada,desajeitada,às vezes divertida,teimosa,uma vítima querendo justiça.

Quatro motivos fazem de FR a minha novela do coração:

4- A trilha sonora espetacular;
3- Os eternos tapas e beijos de Cláudia e Fernando(mais tapas,aliás!);
2- Joana Flores (Yara Amaral) e seu olhar de louca;
1- A pós-moderna/icônica Cláudia(Malu Mader)-pelo conjunto da obra: moto Agrale,tataravô do pc,roupa preta de couro, melhor tirada de capacete...