terça-feira, 26 de maio de 2015

Segunda temporada de "Questão de Família" se mostra tão boa quanto a primeira

A estreia de "Questão de Família" em 2014 engrandeceu a grade do GNT. O canal a cabo conseguiu produzir outra excelente série, após as impecáveis "Sessão de Terapia" e "3 Teresas". Com roteiro de Sérgio Rezende (que dirige) e Rodrigo Lage (criador), a trama em torno de um juiz de vara de família, que também tem seus dilemas familiares para enfrentar, foi uma grata surpresa do ano passado, prendendo a atenção. E o êxito da produção implicou em uma continuação, que estreou no dia 1º de abril.


A segunda temporada está tão boa quanto a primeira. Os 13 episódios exibidos no ano passado deixaram o telespectador completamente envolvido com o enigma envolvendo o assassinado do Coronel Fernandes (Eduardo Galvão) e as investigações de Pedro (Eduardo Moscovis), que aparentemente tinham chegado ao fim com a confissão do irmão (Marcos - Iano Salomão) no desfecho daquela fase. Já nesta outra leva de capítulos, a história tem uma passagem de tempo equivalente a um ano e seu foco passa a ser voltado para o retorno de Márcia (Esther Góes), a mãe do protagonista, verdadeira assassina do pai dele.

A trama ficou ainda mais interessante e apresentou outros bons desdobramentos também na vida profissional de Pedro. O juiz ---- que tinha como rotina perseguir as partes cujos processos eram julgados por ele (com o intuito de ter certeza na hora das suas avaliações) ---- teve seu nada ético hábito descoberto graças ao poderoso Cássio (Fúlvio Stefanini, uma ótima aquisição desta temporada).
Obviamente, isso gerou uma investigação e acabou prejudicando seu até então ilibado nome. Para recuperar seu prestígio, ele pediu ajuda ao amigo detetive Daniel (Pedro Brício), que mais uma vez o ajuda.

Mas enquanto precisa lidar com este problema profissional, o protagonista inicia um nova relação com sua ex-esposa (Renata - ótima Georgiana Góes) --- mãe de suas duas filhas ---, assume um filho que surgiu de forma 'inesperada', e ainda se vê envolvido diretamente na fuga do irmão da penitenciária (preso injustamente, já que assumiu um crime que não cometeu). Para culminar, Pedro se depara com uma nova irmã (filha que sua mãe teve com o amante assassinado pelo Fernandes) e vive o dilema de denunciar ou não Márcia pela morte de seu pai.

Os conflitos ficaram mais entrelaçados e foram desenvolvidos para que o telespectador ficasse mais familiarizado com todo o passado e o presente daquele introspectivo juiz. A trama também ganhou novas situações paralelas interessantes, como a ambição de Ana Paula (talentosa Luiza Mariani) pelo cargo de desembargadora, que acaba colocando a advogada em um perigoso jogo de interesses, envolvendo até mesmo a ninfomaníaca esposa de Cássio (Thaís, vivida por Aline Fanju). Cássio, aliás, é um tipo que deixou a série ainda melhor. O influente desembargador não tem escrúpulos e faz o que for preciso para alcançar seus objetivos. Fúlvio Stefanini está impecável.

Outro ponto positivo desta segunda temporada foi a escalação de Esther Góes para viver a mãe de Pedro. A grande atriz se destacou assim que apareceu e faz cenas excelentes com Eduardo Moscovis. Em 2014, no último episódio, escalaram a mesma Juliana Martins (intérprete da Márcia no passado) para viver a personagem, o que soou muito falso ---- mesmo com a técnica de envelhecimento. A produção acertou em cheio ao perceber o equívoco, e principalmente na escalação da substituta porque Esther tem traços realmente parecidos com os de Juliana.

"Questão de Família" (que tem Mariza leão e Erica Lotty na produção ---- com argumento de Paulo Halm e Heloísa Rezende) é uma série muito caprichada e esta segunda temporada foi uma merecida continuação deste projeto tão bem escrito. Todos os dramas pessoais do protagonista Pedro foram intensificados, ao mesmo tempo que os casos familiares individuais apresentados em cada capítulo (analisados pelo juiz) continuaram enriquecendo o conjunto do enredo. Tudo em meio a dilemas morais e éticos que permeiam a vida dos personagens do seriado dramático. As qualidades da primeira temporada foram mantidas e aperfeiçoadas. Uma terceira fase em 2016 seria muito bem vinda.

20 comentários:

Fernanda disse...

Adoro essa série, Sérgio. Também estou achando essa temporada tão boa quanto a do ano passado e os ganchos sempre nos prendem pra querer ver na semana seguinte. Pena que acho que ano que vem não terá pq o Du Moscovis estará na novela do João Emanuel Carneiro.

Lilly Silva disse...

Ainda não assisti, porém achei o seu post interessante!
Abraços!!!

http://simplesmentelilly.blogspot.com.br/

Anônimo disse...

Eu só vi a primeira temporada e gostei muito. Nem sabia que já tinha começado a segunda. GNT tem um péssimo trabalho de divulgação.

MARILENE disse...

Sergio, você falou, anteriormente, sobre a primeira fase, e fiquei encantada. Lamentei não ter assistido. Sua postagem me reavivou a memória e espero que lancem em DVD, já que não acompanho séries pela TV. Gosto de ver tudo de uma vez (rss). Cheguei a perguntar , na locadora, se tinham, mas me disseram que ainda não. Vou continuar esperando. Bjs.

William O. disse...

Eu já prefiro a primeira. Achei que a entrada do Fulvio deixou o formato mais parecido com uma novela onde precisa ter o vilão pra destruir o mocinho. Mas continua muito boa.

Thamires disse...

Adoro essa série e serve pra matarmos as saudades do Du Moscovis que largou as novelas desde Alma Gêmea. Concordo com sua crítica e quero aproveitar pra perguntar se vc sabe se esse ano terá mais uma temporada de Sessão de Terapia!

Zyon disse...

Uma série dramática que não fica devendo em nada a produções americanas do gênero.Gostei muito do seu texto e sempre assisto essa série toda quarta. É uma produção merecedora de reconhecimento e também apoio uma terceira temporada.

Anônimo disse...

Sergio, excelente review! Também sou fã da série. Como você, também acho que tecnicamente a segunda temporada supera a primeira e os autores puderam explorar ainda mais cada personagem. Ah, revi hoje mesmo um episódio, acebei me ligando nos créditos e pescando uns detalhes (correções) para o seu review...olha a revisora! A serie foi criada pelo rodrigo lages que escreve ao lado do diretor (sergio rezende) com base um argumento do paulo halm e da heloisa rezende. parabéns pela crítica e vamos torcer para que o restante da temporada seja ainda mais intrigante que a primeira!

Vera Lúcia disse...


Olá Sérgio,

Não vi nada a respeito, mas pelas suas considerações posso perceber que é uma série bem envolvente. Não costumo assistir nada no canal GNT e o seriado me passou despercebido. Gosto muito de ver o ator Eduardo Moscovis em cena.Ele é um ótimo ator. Projetos bons merecem continuidade. Que a segunda temporada seja também um sucesso.
Gostei de me inteirar sobre a série através de sua ótima abordagem.

Abraço.

Andressa Mattos M. disse...

Eu acompanho essa série, Sérgio, e gosto muito. Du Moscovis está ótimo e o elenco é muito bom. Gosto também desse paralelo do juiz de vara de família que precisa lidar com as questões familiares. Beijo.

Sérgio Santos disse...

Pois é, Fernanda, tb acho que a temporada do ano que vem não será produzida por causa disso. Que nem 3 Teresas esse ano, por ex, que não terá infelizmente. bjs

Sérgio Santos disse...

Obrigado, Lilly. bjs

Sérgio Santos disse...

Poderiam ter divulgado mais msm, anonimo.

Sérgio Santos disse...

Vc ia adorar, Marilene. Tem tudo a ver com seu universo. bjssss

Sérgio Santos disse...

Entendo, William. abçs

Sérgio Santos disse...

Thamires, lamentavelmente esse ano não terá Sessão de Terapia. Selton está dirigindo um filme e não pôde dirigir a quarta temporada. Nem sei se ano que vem terá, mas deveria, a série é a melhor produção do GNT.

Sérgio Santos disse...

Mt obrigado, Zyon. E concordo com vc. abçs

Sérgio Santos disse...

Mt obrigado pela revisão, anonimo. Já acrescentei essas informações suas. E a série é mt bem construída. A segunda temporada está boa demais. bjsssss

Sérgio Santos disse...

Mt obrigado, Vera. =) bjs

Sérgio Santos disse...

Eu tb gosto mt, Andressa. bjssss