segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Retrospectiva 2015: os melhores casais do ano

Seguindo com a retrospectiva do ano que passou, nada mais justo do que relembrar os melhores casais da ficção. Assim como costuma ocorrer em todos os anos, foram muitos pares que transbordaram química e despertaram torcidas. Claro que os equivocados também existiram, mas esses nem merecem menção. O que vale é a listagem dos romances que engrandeceram os enredos e conquistaram o telespectador.






Lígia e Miguel ("Sete Vidas"): A novela de Lícia Manzo foi um primor e um dos muitos destaques foi o casal protagonista, formado por uma mulher segura de si e um homem complexado. O romance conturbado foi envolvente do primeiro ao último capítulo e os dois não tiveram que enfrentar vilões ao longo da história: o grande impedimento para a felicidade do casal era justamente a vida e todos os traumas que ela causou no sofrido navegador, que se viu no meio de um furacão e cercado por sete filhos completamente desconhecidos. Débora Bloch e Domingos Montagner repetiram a boa química vista em "Cordel Encantado" e combinaram perfeitamente.



Danny Bond e Marília ("Felizes para sempre?"): A prostituta conheceu o amor da sua vida em um programa a três, quando foi chamada para apimentar a relação de um casal que estava em crise. Ela acabou provocando a obsessão de Cláudio (Enrique Diaz) e apresentou a pureza de um sentimento verdadeiro para Marília, mulher que estava a cada dia mais infeliz no casamento. As duas protagonizaram lindas cenas na obra de Euclydes Marinho, onde a cumplicidade se fazia presente em meio a uma trama repleta de podridão e corrupção por todos os lados. O final foi trágico ---- a garota de programa foi assassinada pelo marido do seu amor ----, mas o breve romance foi muito bonito e cheio de sensualidade. Paolla Oliveira e Maria Fernanda Cândido estavam totalmente entregues.





Júlia e Pedro ("Sete Vidas"): Uma paixão que inicialmente não podia ser concretizada em virtude de um suposto incesto. Uma relação que parecia impossível. Um amor que corroía dos envolvidos minuto a minuto. Os 'irmãos' que se apaixonaram protagonizaram inúmeras cenas dramáticas, onde a dificuldade da aproximação, em virtude do encaminhar da vida, sempre deixava os dois angustiados e incompletos. Mesmo quando o empecilho do laço sanguíneo foi destruído, houve uma quebra do relacionamento por causa de mágoas não cicatrizadas e novas relações construídas. Isabelle Drummond e Jayme Matarazzo emocionaram várias vezes e tiveram química em todas as cenas. Após muito sofrimento, Júlia e Pedro conseguiram um final feliz no barco de Miguel, depois de um longo tempo afastados.



Pedro e Karina ("Malhação Sonhos"): O casal Perina foi um sucesso e a química entre Rafael Vitti e Isabella Santoni incontestável. Os atores se destacaram e fizeram várias cenas cômicas e dramáticas. O casal, que vivia entre socos, chutes e beijos, foi um dos muitos acertos da temporada escrita por Rosane Svartman e Paulo Halm. Foram muitas brigas, beijos, situações impagáveis e várias inversões de papéis ---- onde ele mais parecia uma menina indefesa e ela um garoto corajoso. O par representou muito bem a questão da atração entre opostos, onde um completava o outro. Nos momentos finais, inclusive, a menino medroso conseguiu ajudar a salvar a sua Esquentadinha, vencendo a sua tão característica covardia.



Laura e Caíque ("Alto Astral"): O casal protagonista da primeira novela de Daniel Ortiz foi um acerto e o romance até migrou para a vida real. Nathalia Dill e Sérgio Guizé combinaram desde a primeira cena e deu gosto torcer para que o mocinho ficasse com a mocinha. A clássica história do amor de outras vidas foi explorada através deles e o par fez muitas cenas bonitas, onde a compreensão foi uma das principais características. A mulher que lutava para encontrar sua mãe encontrou apoio no homem que precisou enfrentar seus medos, aceitando seu dom de ver e conversar com espíritos, além de curar as pessoas através de um poder sobrenatural.



Anthony e Giovanna ("Verdades Secretas"): A atração arrebatadora que um sentia pelo o outro movia o casal, que foi firmado através da ambição e do tesão. Reynaldo Gianecchini e Agatha Moreira tiveram uma química incrível e ganharam um grande destaque na trama de Walcyr Carrasco. O final do par, aliás, foi marcado pela ousadia, uma vez que os dois terminaram juntos, mas sendo sustentados pelo estilista Maurice (Fernando Eiras), que passou a 'fazer parte' da relação.



Marcelo e Maria Inês ("Alto Astral"): Edson Celulari e Christiane Torloni esbanjaram sintonia em todas as cenas e quando os personagens ficavam juntos havia uma cumplicidade evidente. Os dois, aliás, dividiram o protagonismo da trama com Laura e Caíque no quesito par romântico. O final feliz só aconteceu quando Maria Inês descobriu a verdadeira face da falsa amiga Úrsula (Silvia Pfeifer), conseguindo ficar com eu amor sem qualquer culpa. A história deles foi muito bonita e bem desenvolvida pelo autor. Vale mencionar, inclusive, o quão foi bom ver dois atores veteranos sendo valorizados.



Cobra e Jade ("Malhação Sonhos"): O lutador e a patricinha protagonizaram cenas difíceis na temporada e foi muito interessante acompanhar um sendo o responsável pela mudança do outro. Os dois eram complexados e usavam a vilania como válvula de escape para o esquecimento dos problemas. Felipe Simas e Anaju Dorigon tiveram química de sobra e ainda protagonizaram várias cenas ótimas, quando os personagens ficaram perdidos em uma mata isolada e nas mãos de um psicopata. O par Cobrade, aliás, foi o única da história que se casou. A cena da cerimônia, inclusive, primou pela sensibilidade e ainda implicou na reconciliação de Duca e Bianca, outro ótimo par da trama.



Bruno e Stephanie ("Verdades Secretas"): O improvável casal foi uma grata surpresa da trama de Walcyr Carrasco. O menino que perdeu a virgindade com a prostituta, se apaixonando por ela, é uma situação clássica da teledramaturgia e mais uma vez funcionou a contento. João Vitor Silva e Yasmin Brunet protagonizaram cenas quentes, muito bem dirigidas por Mauro Mendonça Filho, e combinaram juntos. Ele mostrou que cresceu como ator e ela fez uma boa estreia como atriz, após uma longa carreira de modelo. O casal não ficou junto no final, mas protagonizou muitos momentos delicados em meio a um enredo cheio de suspense e temas fortes.



Cidinha e Afeganistão ("Alto Astral"): Foi outro par que não terminou junto, porém, esbanjaram química ao longo da trama e ainda protagonizaram uma sucessão de cenas hilárias. Monica Iozzi e Gabriel Godoy tiveram uma ótima sintonia e ainda divertiram o público durante todo o período em que o burro rapaz era apaixonado pela 'versão pobre e feia' da patricinha Scarlet. Tanto que os personagens cresciam quando estavam juntos em cena. Foi uma estreia com o pé direito da Monica em novelas e um começo promissor do Gabriel em folhetins, após seu elogiado trabalho na série "O Negócio".



Duca e Bianca ("Malhação Sonhos"): A relação do casal era uma espécie de 'nova tentativa', uma vez que Gael (Eriberto leão) e a falecida mãe da garota não tiveram um final feliz. Afinal, a trama do lutador que se apaixonava pela atriz estava sendo repetida. Só que desta vez o desfecho foi bem-sucedido. O casal Duanca passou por várias provações até a emocionante reconciliação depois do casamento de Cobra e Jade. Arthur Aguiar e Bruna Hamu tiveram uma ótima sintonia e convenceram em todas as cenas do par, cuja relação era marcada pela insegurança e ciúmes de ambos, onde uma gota no oceano ou um simples grão de areia podia mudar tudo. No final, a instabilidade virou confiança.




Grego e Margot ("I love Paraisópolis"): A fraca novela de Alcides Nogueira e Mário Teixeira foi marcada pelos equívocos, mas um dos raros acertos foi esse casal. Aproveitando a química de Caio Castro e Maria Casadevall (vista em "Amor à Vida" com Michel e Patrícia), os autores acabaram criando um ótimo par, que rapidamente virou o melhor da novela, ofuscando os mocinhos ---- que perderam a função depois que se casaram, protagonizando cenas repetitivas e melosas. O amor que moveu a relação do traficante com a patricinha funcionou e o relacionamento deles foi o mais atrativo da trama das sete.




Lena e Gabriel ("Amorteamo"): A série escrita por Cláudio Paiva, Guel Arraes e Newton Moreno foi um grande acerto. Entre os muitos pontos positivos da produção, estava o casal formado por Arianne Boelho e Johnny Massaro. Os atores tiveram sintonia, fizeram muitas cenas tocantes, e o romance puro dos personagens emocionou, principalmente nos momentos finais. A cena do casamento, exibida no último episódio, após tantas mortes e 'mortos-vivos', foi muito bonita.




João e Vicki ("Malhação Sonhos"): O nerd e a patricinha descobriram que tinham muito mais coisa em comum do que imaginavam e a dupla deu muito certo nos últimos meses da ótima temporada. Sarcásticos, os dois proferiam inúmeras frases irônicas para os demais e a experiência dela complementava a certa 'inocência' dele. O início da relação foi marcada pelas enganações, uma vez que ele fingia ser o que nunca seria para agradá-la. No final, ficou claro que ela gostava do jeito que João era. Vicki, inclusive, foi a 'professora sexual' do seu 'Johnny Be Good', tirando o atrapalhado personagem da 'seca' ---- que durou praticamente a fase toda.




Eziel e Nina ("Verdades Secretas"): O garoto que vivia sofrendo bullying por ser gordo e a menina, que participava das humilhações no início da trama, acabaram se apaixonando. Os dois se uniram através da solidão, uma vez que ele sempre foi sozinho e ela se sentiu preterida quando suas amigas passaram a priorizar Angel (Camila Queiroz). A aproximação da parte dela se deu primeiramente por interesse, mas depois foi gostando do novo 'amigo'. Felipe Hintze e Bella Piero protagonizaram uma sensível cena final, onde Eziel se declara para Nina, sendo correspondido com um beijo. O improvável casal foi um dos poucos com um final feliz na trágica novela das onze.




Rafael e Laís ("Babilônia"): A novela de Gilberto Braga, Ricardo Linhares e João Ximenes Braga foi uma catástrofe, mas esse casal foi um dos raros acertos da trama. Embora o início do romance tenha sido desenvolvido de forma errônea, o par foi ganhando cada vez mais destaque, ofuscando os protagonistas e mostrando uma ótima química. Chay Suede e Luísa Arraes convenceram protagonizaram boas cenas juntos, incluindo as sequências em que ambos defendiam Estela (Nathalia Timberg) e Teresa (Fernanda Montenegro) dos ataques homofóbicos de Consuelo (Arlete Salles).





Hilda e Osvaldo ("Verdades Secretas"): Walcyr mais uma vez criou uma ótima história amorosa protagonizada por personagens 'experientes'. O romance do casal foi muito bonito, destacando o talento de Ana Lucia Torre e Genésio de Barros, que protagonizaram uma tocante cena final, quando Hilda morreu nos braços do seu amor. Osvaldo fez questão de ficar junto dela, iniciando um namoro aguardado há anos, mesmo quando soube de sua doença terminal.



Lívia e Felipe ("Além do Tempo"): O amor que atravessa o tempo foi lindamente representado pelo casal protagonista da melhor novela de Elizabeth Jhin. Alinne Moraes e Rafael Cardoso transbordam química e a linda relação dos mocinhos é apaixonante. Nada melhor do que uma novela onde dá para torcer pelo casal principal sem qualquer tipo de ressalva. Os atores protagonizaram cenas fortes e tocantes na primeira fase, ambientada no século XIX, e repetem o bom entrosamento na segunda, exibida em 2015.  A clássica história do amor de outras vidas foi contada de uma forma ousada e muito envolvente. O par, sem dúvida, honra o protagonismo do enredo.




Lourdeca e Visky ("Verdades Secretas"): Um casal um tanto quanto inusitado. Após um verdadeiro festival de ofensas, a solitária secretária e o afetado braço direito de Fanny (Marieta Severo) começaram a viver uma espécie de amizade colorida. Na frente dos demais, os ataques continuavam, mas quando estavam sozinhos havia uma clara cumplicidade, que quase sempre resultava em sexo. Dica Camero e Rainer Cadete formaram uma ótima e divertida dupla, que funcionou como um alívio cômico dentro de um folhetim bem pesado, onde prostituição, drogas e crimes eram o foco principal.





Emília e Bernardo ("Além do Tempo"): O amor que atravessa o tempo também é explorado em outros casais na trama de Elizabeth Jhin, além de Lívia e Felipe. Como é o caso do par representado brilhantemente por Ana Beatriz Nogueira e Felipe Camargo. Os atores têm cumplicidade cênica e o encontro de Emília com Bernardo na primeira fase (após um longo período achando que ele estava morto) foi repleto de delicadeza. Já na segunda fase, o sentimento permanece e o agora escritor será o responsável pela humanização da personagem, que está tomada pelo ódio da mãe Vitória (Irene Ravache).




Aníbal e Guida ("Sete Vidas"): A autora Lícia Manzo já havia juntado os atores em "A Vida da Gente" e resolveu repetir a dose na sua segunda novela, obtendo o mesmo êxito. Luiz Serra e Cláudia Mello combinam juntos e mais uma vez tiveram sintonia em todas as cenas, mesmo vivendo personagens completamente diferentes da trama anterior. O senhor solitário se encantou por uma mulher mais jovem, que só queria se aproveitar da situação, e no fim percebeu que sua companheira estava mais perto do que ele imaginava. A cena final, com os dois caminhando e se exercitando juntos foi ótima.




Maria Helena e Francisca ("Os Experientes"): A primorosa série de Quico Meirelles, dirigida por Fernando Meirelles, teve quatro episódios impecáveis. E no último houve um inusitado casal que conseguiu emocionar com sua história. Uma mulher que tinha acabado de perder seu marido se viu apaixonada, e sendo correspondida, pela amiga, que a apoiou no momento difícil. Elas tiveram que lutar com o preconceito da família, mas conseguiram ficar juntas e bem. Joana Fomm e Selma Egrei foram magistrais e formaram um par muito bom.




Anita e Afonso ("Além do Tempo"): O batalhador rapaz precisou lutar pelo amor da ingênua (até demais) empregada na primeira fase. Depois de muita insistência e uma boa dose de companheirismo, Afonso conseguiu conquistar o seu amor. Já na segunda fase, mais madura e resolvida, a personagem se apaixonou por Afonso logo de cara. Porém, traumatizada pela vida passada, Anita não quer compromisso sério. Só que, ao contrário do que ocorreu em outro século, o sentimento forte parte dos dois. Já a química permanece a mesma e Letícia Persiles e Caio Paduan fazem boas cenas juntos. Bem difícil não torcer para que o par fique junto nessa nova reencarnação também.




Moisés e Zípora ("Os Dez Mandamentos"): A trama de sucesso da Record, escrita por Vivian de Oliveira e dirigida por Alexandre Avancini, contou uma das mais conhecidas histórias da Bíblia e o casal formado por Guilherme Winter e Gisele Itié funcionou. A a química do par, inclusive, migrou para a vida real. A relação dos personagens começou com aquele tradicional jogo de gato e rato, onde um vivia atacando o outro, até culminar no amor que os uniu até o final.



Teresa e Estela ("Babilônia"): O casal foi alvo da maior polêmica da fracassada novela das nove em virtude do lindo beijo protagonizado no primeiro capítulo. Infelizmente, elas perderam espaço da trama por causa dos preconceituosos e conversadores. Porém, apesar de tudo, Fernanda Montenegro e Nathalia Timberg protagonizaram belas sequências e ter tido essas duas juntas em cena foi um privilégio. Grandes e admiráveis atrizes.




Carolina e Arthur ("Totalmente Demais"): A novela de Rosane Svartman e Paulo Halm está apenas começando, mas já é possível ver o grande acerto dos dois casais principais. Um deles é o formado por Fábio Assunção e Juliana Paes, que esbanjam química em cena. Os personagens são muito bem construídos e vivem trocando ironias, aumentando a tensão sexual que os une. As apostas que um sempre faz com o outro, aliás, permeiam a relação e uma delas é a responsável pelo enredo central da história: a transformação de Eliza (Marina Ruy Barbosa). O imaturo e prepotente agenciador de modelos evita se apegar a qualquer pessoas e controla seus sentimentos, mas Carolina é seu ponto fraco. Ela, por sua vez, é apaixonada por ele e também fica balançada quando está ao lado de Arthur.



Eriberto e Renan ("Sete Vidas"): Um par que primou pela sensibilidade, tão bem construída pela autora. O tímido e delicado homem era casado com uma megera que o dominava, mas se libertou quando se separou para ir atrás do homem da sua vida e com quem tanto se identificava. Eriberto foi muito bem interpretado por Fábio Herford, que teve uma grande sintonia com Fernando Eiras. O casal protagonizou cenas muito boas e o romance foi bem aceito pelo público.




Mássimo e Salomé ("Além do Tempo"): Luís Melo e Inês Peixoto tiveram uma química perfeita desde a primeira cena. Na fase ambientada no século XIX, Mássimo era casado com Salomé e vivia se aborrecendo com a mania de grandeza da esposa, que por sua vez se irritava com a simplicidade do marido. Já na segunda fase, ela é a empregada dele e os dois começam a se aproximar aos poucos. A autora foi muito inteligente nas duas relações e os atores se destacam sempre. Um par divertido demais.



Jonatas e Eliza ("Totalmente Demais"): Os mocinhos da trama das sete são cativantes e conquistaram assim que apareceram juntos. A menina era fechada e introspectiva, em virtude do assédio que sofria do padrasto, mas se abriu para o amor quando passou a conviver com aquele que viria a ser o seu anjo da guarda. A agora modelo (ex-florista) e o agora funcionário de uma empresa de cosméticos (ex-vendedor de balas e flanelinha) se completam ---- ele sempre consegue extrair um sorriso sincero dela. Felipe Simas e Marina Ruy Barbosa estão ótimos e têm uma química incontestável. A cena da primeira vez do casal, aliás, foi a mais linda da novela até agora.




Gema e Raul ("Além do Tempo"): O amor que precisou enfrentar muito preconceito no século XIX não foi vitorioso em 1895, em virtude da intolerância do filho de Gema e da sociedade conservadora. Porém, mais de 100 anos depois, o sentimento permaneceu o mesmo e agora há uma nova chance na história ambientada em 2015. Louise Cardoso e Val Perré protagonizam muitas cenas sensíveis, além de várias dramáticas, e estão muito bem. O par combina e a relação foi desenvolvida com extrema competência pela autora. Dá gosto de torcer para que os dois fiquem juntos, após tanta luta e tanto sofrimento.





Germano e Lili ("Totalmente Demais"): A bem-sucedida parceria de Humberto Martins e Vivianne Pasmanter (vista anteriormente em "Mulheres de Areia" e "Uga Uga") foi novamente repetida e mais uma vez funcionou. O casal é um dos mais atrativos da trama de Rosane Svartman e Paulo Halm. O núcleo deles é o mais dramático do folhetim e os personagens encararam a dor da perda da filha da formas diferentes. Ele com agressividade e ela com tristeza extrema. Mas, aos poucos, o par está conseguindo acender a chama que estava se apagando. As cenas são sempre ótimas e os intérpretes merecem todos os elogios.





Romero e Atena ("A Regra do Jogo"): Alexandre Nero e Giovanna Antonelli repetem a química vista em "Salve Jorge", quando interpretaram Stênio e Helô, e se destacam ainda mais quando estão juntos. Todo folhetim tem um casal protagonista de mocinhos, mas na trama de João Emanuel Carneiro o par principal é justamente composto por dois bandidos. A relação foi movida inicialmente por tesão e ambição, mas acabou virando uma espécie de aliança eterna, onde um sempre pode contar com o outro, mesmo que haja traição e quebra momentânea de confiança --- o que chega a ser 'normal' quando as pessoas envolvidas apresentam falhas de caráter. É o melhor casal da regular novela das nove.





Toda história precisa de um bom romance, sendo utilizado como foco principal ou não. A teledramaturgia em 2015 contou com vários ótimos casais, como os mencionados, e com certeza em 2016 novos casais se formarão na ficção, despertando torcidas e, algumas vezes, rejeição. Resta aguardar o próximo ano para saber quem serão os personagens que protagonizarão sequências repletas de química e quais serão os pares que serão ignorados em listas como essa.

60 comentários:

Fernanda disse...

A retrospectiva do amor. hahahahaha Adorei! Os meus preferidos são Ligel, Peju, Romena, Joliza, Perina, Duanca, Carthur, Laurique e Cobrade.

Lulu on the sky disse...

Oi Sérgio, com certeza aposto no Romero e Atena
Big Beijos
www.luluonthesky.com

Rafaella disse...

Amei a seleção de casais e só não gostei do Grego com a Margot e os de Babilônia pq essas duas novelas não dava...

porlapazyporlavida lc disse...

Que retrospectiva maravilhosa. Lembrar desses casais lindos que encheram minha telinha de esperança foi maravilhoso. Esse ano foram muitos casais acertados. Meu preferido Lívia e Felipe, mas acho que você já deve ter notado. Os atores transbordam química e as cenas são delicadas e lindas... É de encher os olhos!!!! E Laura e Caíque? Amei muito tb. Vibrei com cada cena dos dois. E eles ainda tinha um mais, a Bella, que dava a história de amor, um ar mais leve, descontraído e "puro". De malhação, fico com Duanca! Nossa, como eu sofri quando os dois se separaram e passaram muitoooo tempo separados. A história deles, para mim, foi a melhor da temporada. Tinha toda aquela carga emocional de Gael e a falecida esposa. Senti falta de Dandael falando nisso. Acho que depois de Duca e Bianca, Dandara e Gael formaram meu casal preferido. é interessante pensar que Gael quase revive sua história, só que dessa vez a mulher em questão era professora de canto e não atriz. Enfim, eram todas do meio artístico. Outro casal que me marcou muito foi Pedro e Júlia. Deus, como eles sofreram! Deu até pena dos dois... Mas no final o amor, aquele amor complicado, enrolado, de enlouquecer um, mas mais verdadeiro impossível venceu. Foi linda demais a cena final dos dois. Vibrei tantooooo. Por fim, Anita e Afonso. Eles me conquistaram aos poucos, porque no início era difícil defendê-la. Mas agora? Não vejo a hora de os dois ficarem juntinhos. haha. Acho que falei de todos os que me marcaram. Não sei, já meio que perdi a conta e não lembro mais. haha. Beijossss Sérgio. Até a próxima.

Petista do amor disse...

Sérgio você esqueceu de trÊs casais, Inês e Marcos Palmeira em Babilônia, Beatriz e Diego tbm da fracassada novela e Tóia e Romero que estão roubando a cena em A regra do jogo explodindo em química, Vanessa e Alexandre ótimos!

Tainá disse...

Só sendo petista mesmo pra gostar de Toia e Romero... KKKKKKK Amei a lista, Sérgio!

Petista do amor disse...

Olha garota eu não aceito você falar assim comigo, me diminuindo, vc nem me conhece e nem meus valores, eu sou petista do amor e não proclamo ódio como vc estar proclamando contra mim, eu não gosto disso!! DILMA vai ficar SIM e você vai ter que aprender a ter mais amor com as pessoas, eu não gosto de discurso de ódio como o seu, menina espero que Deus tenha misericórdia da sua alma e te lave no sangue VERMELHO do divino e se ele quizer o LULA vai voltar sim para PRESIDENTE e dar continuidade ao belíssimo trabalho do PT no Brasil, eu espero garota que vc se retrate

Ricardo disse...

Adorei a lista, Sérgio. Anthony e Giovanna não valiam nada, mas poucos valiam alguma coisa em Verdades Secretas né? rs. O triangulo com o Maurice fo super ousado e mais uma vez Giane emplacando um casal na sua lista. Ansioso para ver se ele vai entrar nas outras listas.
Ele e Agatha tiveram muita química e combinaram bastante em cena. Quanto aos outros casais, gosto muito de Lívia e Felipe, Emília e Bernardo, Anita e Afonso e os maravilhosos Mássimo e Salomé, de Além do tempo. Achava legal Maricelo de Alto Astral. Hilda e Osvaldo também eram um casal bonito.
Só não curto Atena e Romero, detesto os personagens.

Tainá disse...

Lula e ela merecem te roubar até o fim da vida só por essa sua cegueira de militante doente. hahahahaha CREDO! Tinha que amar Tóia e Romero!

Beatriz disse...

Tainá, ela ama Toia e Romero pq ela se identifica, só pode. Um bandido fazendo a moça de trouxa.... No caso, dois bandidos fazendo a moça de trouxa.

Bárbara Almeida disse...

Verdades secretas foi DEMAIS em todos os aspectos, amei amei amei. Não vi a maioria das novelas. Acho nada a ver a Toia e o ROmero, gosto dele com a Atena, mas ele é mo idiota com ela.

Beijos, Love is Colorful

Petista do amor disse...

Sou militante, mas sou militante do amor e vc precisa saber respeitar os seres humanos que vieram do poder de deus e ele enviou o PT para salvar o Brasil e abrir os olhos da humanidade, um beijo VERMELHO.

Anônimo disse...

DEU ENVIOU O PT PRA SALVAR O BRASIL!!!!!!!!!!! HAHAHAHAHAHAHAHA PREFERIA SER CEGO!!!!!!!!!!!!!


Mudando de assunto, ótima lista. Só casal bom, Sérgio. Curti.

Sissym Mascarenhas disse...



Sergio,

Desejo o sucesso redobrado em 2016! Estou de olho nas suas noticias.

Bjs

Lorena disse...

Sérgio, que lista justa e maravilhosa! Você como sempre pontuando bem o que cada casal ofereceu de melhor. Preciso destacar nessa lista Livipe em Além do Tempo, casal bem escrito e bem folhetinesco, que nos encanta a cada cena graças à história sublime e a química do Rafael Cardoso com a Alinne Moraes. E Duca e Bianca, MEU CASAL <3 Nosso casal né Sérgio, pq você curtiu eles tanto quanto eu. Fiquei tão feliz com o desfecho deles, mesmo achando que eles mereciam muito mais. E agora Joliza, que mal começou e já encantou todo mundo com a delicadeza nas cenas, Rosane e Paulo nos dando o que fazem de melhor. Parabéns pela lista, sempre no ponto!

Melina disse...

Sérgio, querido, que retrospectiva maravilhosa. Os casais das novelas ruins eu nem me importo, mas os das boas eu concordo plenamente. Adorei todos, especialmente Lígia e Miguel, Pedro e Júlia, Cobra e Jade, Eziel e Nina, Hilda e Oswaldo e Anthony e Giovanna. Também adoro Lívia e Felipe, Emília e Bernardo e Afonso e Anita. Parabéns por mais essa ótima e completa lista. Um beijo.

Ricardo disse...

Esqueci de citar Gema e Raul, de Alem do Tempo. Que sintonia incrível da Louise Cardoso e so Val Perré e a história é linda.

Jessica Vanhoni disse...

Esse casal Romero e Toia é chato sim. Aceita,querida!
Romena.Romena.Romena
Shippo sim!

Jessica Vanhoni disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Andressa Mattos M. disse...

Ótima e completíssima lista dos casais do ano, Sérgio. Vc é o mais detalhista e completo sempre. O meu preferido é justamente quem está em primeiro: Ligia e Miguel. Débora Bloch e Domingos Montagner foram maravilhosos!

Vera Lúcia disse...



Oi Sérgio,

Sem dúvida, você aponta os casais que primaram pela cumplicidade, química e simpatia. De todas as tramas que acompanhei, embora algumas esporadicamente,
fui conquistada por Ligia e Miguel, Laura e Caíque, Marcelo e Maria Inês, Rafael e Laís, Lívia e Felipe, Emília e Bernardo, e Anita e Afonso. Os demais agradam/agradaram, mas a nível diferente dos que mencionei. Gostei demais da atuação da Monica Lozzi, que, aliás, me surpreendeu. E era bem divertido ver Cidinha e Afeganistão em cena. Também me diverti com o envolvimento de Lourdeca e Visky.

Parabéns por mais esta excelente retrospectiva.

Abraço.

Elvira Akchourin do Nascimento disse...

Mais uma boa lista, Sergio. Para mim, os melhores casais foram Lígia e Miguel, Júlia e Pedro, Laura e Caíque, Anthony e Giovanna, Grego e Margot, Rafael e Laís, Lívia e Felipe, Emília e Bernardo, Jonatas e Elisa, Gema e Raul, Germano e Lili e, mais do que todos, Romero e Atena.

Tamires Marins disse...

Oi, Sérgio, tudo bem?

Belo trabalho em montar todo esse post, parabéns.

Como você já deve ter percebido eu não sou muito de ver TV. Muitos desses casais eu não acompanhei ou acompanhei esporadicamente. Não se pode negar a química de Pedro e Karina, né? Até eu que acho que Malhação já deu o que tinha que dar gostava deles dois.
Dos casais de Verdades Secretas eu não gostei do Eziel e da Nina...achei bem forçado.
E sabe de uma coisa? Eu não gosto da Lívia e do Felipe de Além do Tempo. Pelo pouco que eu pude assistir eu achei a Lívia muito chata! hahahaha

Beijo
- Tamires
Blog Meu Epílogo | Instagram | Facebook

FELIZ 2016 :)

Elvira Akchourin do Nascimento disse...

Eu gosto também de Beliza e Juliano: boa química.

Liveware Lu disse...

Olá zamenza, adorei a retrospectiva dos casais do ano, mas meus favoritos mesmo foram 4 casais: Lígia e Miguel, Júlia e Pedro, Laura e Caíque, Lívia e Felipe. Tinha também o casal Sandra e Rafael de Boogie Oogie mas o casal perdeu totalmente a função depois da metade da novela assim como a própria novela, queria até incluir eles na minha lista mas não deu mesmo.

Maria disse...

Gostei de todos os casais citados! E coitada dessa comentarista aí acima que disse Romero e Tóia de A Regra do Jogo é um belo casal! O envolvimento deles podia até estar planejado na sinopse, mas não empolga e só enfraquece a personalidade da mocinha, que no início da trama foi a primeira a descobrir que o Zé Maria é um bandido, e depois da morte da Djanira, foi se transformando numa trouxa iludida.

Aliás, a falta de romance era considerado um dos problemas de A Regra do Jogo. Talvez pra compensar essa ausência, o autor criou esses casais formados por Lara e Dante e Domingas e César. Carolina Dieckmann e Marco Pigossi possuem química, mas o encantamento do policial pela ex-mulher de Orlando aconteceu sem mais nem menos e não convence. A situação que envolve Domingas, então, chega a ser estapafúrdia, pois não faz o menor sentido uma mulher acolher em sua casa um completo estranho e já se entregar a ele só porque o cara é carinhoso e gentil, diferente de seu ex-marido violento! E na verdade, falta de romance nunca foi um problema na novela. Primeiro porque Romero e Atena já cumprem essa "cota", são um casal altamente popular(é necessário citar Belisa e Juliano, que também têm ótima química). Segundo porque as últimas novelas do João Emanuel Carneiro("Avenida Brasil" e "A Favorita") não priorizaram romances e foram grandes sucessos. Esses casais que eu citei foram criados só pra agradar o público mais conservador(que ainda precisa identificar uma história de amor "fofa" dentro de um folhetim). Toda novela precisa de romance, é claro. Mas uma boa história, não é necessariamente uma história de amor. É preferível uma relação mais baseada em sexo, chantagens e troca de agressões do que em romantismo(como a de Romero e Atena) mas estando a serviço de um folhetim, do que uma história de amor púdica porém vazia e forçada, que apenas preenche uma lacuna.

Henrique disse...

Meu Deus.. Eu nunca li tanto absurdo em um texto como esse "petista do amor" escreveu kkkkkkk isso só pode ser piada ne? Q mundo a pessoa vive? Kkkkkkk

Jessica Vanhoni disse...

Kkkkkkk "petista do amor"
Meu cu. kkkkkkk

Jessica Vanhoni disse...

Kkkkkkk "petista do amor"
Meu cu. kkkkkkk

Ed Taborda Assunção disse...

Alguns casais eu não vi, mas dos que eu vi eu concordo completamente. Já o pior casal disparado é Romero e Tóia, sei que faz parte da sinopse da novela mas acho as cenas de romance deles insuportáveis.

Thallys Bruno Almeida disse...

Quanto aos casais, elejo os meus preferidos:

> Sete Vidas: Adorei Lígia e Miguel, Eriberto e Renan, Aníbal e Guida. Gostava de Júlia e Pedro no começo, porém Pedro me desanimou depois, me fazendo preferir Júlia com Felipe, que não prevaleceu.

> Além do Tempo: Curto todos os pares. Lívia e Felipe é um par maravilhoso. Sensacional. Alinne e Rafael esbanjando química. Também Afonso e Anita (apesar de gostar dessa fase atual do Afonso com a Berenice pra Anita se tocar do que tá fazendo), Emília e Bernardo, Gema e Raul, Mássimo e Salomé e curtia Doroteia e Bento na primeira fase. Provavelmente a Rosa deve terminar com o Bento.

> A Regra do Jogo: não curto muito Romero e Atena (mais pela novela e pelos fãs do casal), embora reconheça a ótima química e seu sucesso.

> Felizes Para Sempre: Denise/Danny Bond e Marília eram lindíssimas. Maravilhosas.

> Malhação Sonhos: adorava Perina e curtia Cobrade - apesar de na época só gostar da Anaju, a química dos dois era muito boa. Não gostei de Duca e Bianca, preferia Dunat e Joanca.

> Verdades Secretas: Alex e Angel tinham química, mas depois do casamento com a Carolina toda a situação envolvendo o triângulo me impedia de gostar deles. Gostava de Anthony e Giovanna, Bruno e Stephanie, Eziel e Nina, Hilda e Osvaldo. Lourdeca e Visky achava meio exagerados, mas não era ruim.

> Alto Astral: gostava de Maria Inês e Marcelo; e Cidinha e Afeganistão. Porém, Laura e Caique não me agradavam.

> Totalmente Demais: gosto de Jonatas e Eliza; e Carolina e Arthur. Há quem goste de Arthur e Eliza, mas não os imagino como um par.

O casal de Os Experientes e o de Babilônia tb eram ótimos.

Ricardo disse...

Esqueci de falar sobre Salomé e Mássimo: Que casal maravilhoso. Os atores são tão fantásticos, que torço fervorosamente pelos personagens. Elizabeth Jhin acertou em cheio nessa novela e nos casais. Todos shippaveis. A cena da Salomé triste nesse sábado, indo embora da casa do Mássimo me chamou a atenção.

Thici disse...

Os únicos casais que concordo neste post são:

Denise e Marília (AS MELHORES)

Cobrade (ÓTIMOS)
perina (fofos demais)
Grego e Margot (tomaram o lugar de casal protagonista)
Lívia e Felipe (apesar de não acompanhar a novela)
Laura e Caique

Discordo completamente dos outros!

Júlia e Pedro - um erro de casal ambulante..Pedro um dos personagens mais CHATOS da história da teledramaturgia.

Jonatas e Eliza - Casal chato, água de salsicha..Não tem nada interessante. já vi 300 mil vezes em outras tramas. NEXT

Duca e Bianca - eram legais no inicio, depois se tornaram péssimos juntos..um deixava o outro chato. Combinavam com outras pessoas..Duca com Nat, e Bianca com João.

Romero e Atena têm quimíca (Alexandre e Giovanna claro!), mas os dois vilões são caricatos demais juntos..apesar de terem ótima sintonia, não consigo torcer por um casal como o deles.



Unknown disse...

Romero e Atena disparadamente são o melhor casal porque tem o romance, mas também tem uma véia cômica. A química da Giovanna e do Alexandre é indescutível! Mas amo também Carthur e Cobrade que também se enquadram no mesmo formato de casal que Romena, Joliza, Perina e Ligel, o resto não acompanhei, mas ainda prefiro Dunat a Duanca e Joanca a Joviki.

Camila Amaral disse...

Ainda faltou Gerlili que acho lindo desde a primeira entre Humberto e Vivianne, e prefiro Julipe a Peju, achava o Pedro um personagem muito chato!

Camila Amaral disse...

Ainda faltou Gerlili que acho lindo desde a primeira entre Humberto e Vivianne, e prefiro Julipe a Peju, achava o Pedro um personagem muito chato!

Camila Amaral disse...

Romero e Atena disparadamente são o melhor casal porque tem o romance, mas também tem uma véia cômica. A química da Giovanna e do Alexandre é indescutível! Mas amo também Carthur e Cobrade que também se enquadram no mesmo formato de casal que Romena, Joliza, Perina e Ligel, o resto não acompanhei, mas ainda prefiro Dunat a Duanca e Joanca a Joviki.

Anônimo disse...

Verdade

Sérgio Santos disse...

Que bom que gostou, Fernanda.

Sérgio Santos disse...

Que bom, Lulu. bjs

Sérgio Santos disse...

Entendo, Rafaella.

Sérgio Santos disse...

Vc sempre carinhosa, porlapazyporlavida. bjssss

Sérgio Santos disse...

Eu não achei esses casais bons, petista.

Sérgio Santos disse...

É msm, Ricardo. rs

Sérgio Santos disse...

Foi msm, Barbara.

Sérgio Santos disse...

Mt obrigado, Sissym.

Sérgio Santos disse...

Valeu, Lorena. bjão

Sérgio Santos disse...

Valeu, Melina.

Sérgio Santos disse...

Bjs, Jessica.

Sérgio Santos disse...

Obrigado, Andressa.

Sérgio Santos disse...

Sempre carinhosa, Vera. bjs

Sérgio Santos disse...

Mt obrigado, Elvira.

Sérgio Santos disse...

Percebi sim, Tamires. bjs

Sérgio Santos disse...

Eu coloquei Sandra e Rafael na de 2014, Livewere. bjs

Sérgio Santos disse...

Ótimo comentário, Maria.

Sérgio Santos disse...

Vdd, Ed.

Sérgio Santos disse...

Sem problemas, Thici.

Sérgio Santos disse...

Ok, Unknow. bjs

Sérgio Santos disse...

Não faltou não, eu coloquei.

Sérgio Santos disse...

Td bem, Camila; bj