quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

Áudio da primeira fase vira um dos trunfos da segunda de "Além do Tempo"

Que Elizabeth Jhin inovou com "Além do Tempo" não há dúvidas. Afinal, transformar duas novelas em uma, e ainda ter coragem de mudar drasticamente uma trama que estava dando tão certo, é para poucos. Porém, a direção de Rogério Gomes e Pedro Vasconcellos também merece menção pela ótima ideia de inserir vários áudios de diálogos marcantes da primeira fase na segunda. O que começou de uma forma mais comedida no início do enredo ambientado em 2015, acabou virando uma marca do folhetim.


A estratégia deixa as situações ainda mais interessantes de serem acompanhadas e muitas vezes provoca um impacto bem maior. Algumas vezes, o áudio é inserido no meio da cena, enquanto os personagens se olham, já em outras é colocado no encerramento do capítulo, enquanto os créditos sobem. A ida para o intervalo, dependendo da cena que acabou de ser exibida em questão, também é contemplada com o som de embates do século XIX, assim como a própria abertura da novela, onde a música tema ("Palavras ao Vento", cantada lindamente por Cássia Eller) é retirada para a inserção dos diálogos mais marcantes da vida passada.

Esta 'mistura' de fases funcionou muito bem no conjunto de "Além do Tempo" e ainda serviu para manter a memória viva de todo o enredo ambientado por volta de 1895. Não que esse recurso fosse necessário para o público se lembrar de tudo o que houve antes, entretanto, funcionou como uma espécie de união do útil ao agradável.
Isso porque há sempre um complemento do que é exibido no momento atual da história e ainda ocorre uma exposição do passado de cada um, mostrando a 'evolução' dos personagens ou então a repetição dos mesmos erros, como fosse um grande e tenebroso carma.

A situação mais impactante, até agora, foi quando Lívia (Alinne Moraes), Melissa (Paolla Oliveira), Felipe (Rafael Cardoso) e Pedro (Emílio Dantas) se encontraram em Belarrosa na vinícola do mocinho. O gancho do capítulo foi exatamente o momento mencionado e, enquanto subiam os créditos, o áudio do forte diálogo da primeira fase, enquanto todos estavam duelando à beira de um penhasco, foi colocado, gerando um impacto ainda maior daquele (re)encontro. Uma sacada de mestre e que deixou a aguardada cena melhor do que o imaginado. Afinal, nunca se sabe quando esse recurso será utilizado pela equipe da novela, provocando sempre várias 'surpresas'.

O momento em que Melissa procura Lívia, e praticamente implora para que a rival não fique com seu marido, foi outra situação merecedora de elogios pelo choque provocado através da inserção do áudio da primeira fase. E desta vez a equipe ousou mais, pois inseriu toda a briga entre a mocinha e a vilã ---- quando a filha de Dorotéia (Júlia Lemmertz) faz questão de falar da sua origem nobre em detrimento da pobreza da filha de Emília (Ana Beatriz Nogueira), um dos melhores embates da história passada em 1895 --- na abertura da novela, no lugar da música tema.

E a canção "Palavras ao Vento" também foi retirada quando Pedro e Anita (Letícia Persiles) se encontraram acidentalmente e acabaram falando sobre Lívia ---- nesta situação, optaram por exibir o instante que ela repreende a obsessão que ele sente pela sua melhor amiga (quando os dois eram irmãos na primeira fase). Outro bons exemplos que merecem citação, proporcionando todo um clima ainda mais empolgante para a trama, estão: o áudio em que Melissa e Pedro resolvem se aliar contra Lívia e Felipe no século XIX ---- colocado quando a vilã procura o canalha e conta do caso dos mocinhos ---- e o descontrole de Felipe enquanto lê o diário de Berenice (Elisa Brites) ---- inserido no momento em que o rapaz encontra Alex (Kadu Schons) com Melissa no Rio de Janeiro. Vale ressaltar, inclusive, que alguns diálogos da própria segunda fase também têm sido utilizados nessas situações.

"Além do Tempo" é uma novela de muitas qualidades e esta novidade da inserção de áudios referentes à primeira fase é uma delas, que acabou virando um dos trunfos da segunda. Uma ideia aparentemente simples, mas que funcionou perfeitamente na obra de Elizabeth Jhin, que nada mais é do que duas histórias transformadas em uma só, onde tudo o que foi feito e dito no passado tem total influência no que ocorre no presente.

24 comentários:

Elvira Akchourin do Nascimento disse...

Sérgio, parabéns pela sua percepção dos detalhes, por sua boa memória das cenas que foram ao ar. Muito interessante mesmo este seu texto. Quero aproveitar a oportunidade para lhe desejar e à sua família um Feliz Natal.

Elisa disse...

ADOREEEEEEEEEEEEEIIIII!!!!!!!!!! Concordo plenamente!

Mario Affonso disse...

Gostei do texto....de um modo geral, a novela é ótima. As personagens chatas, cansativas e mal incorporadas não afetam o oletivo...

Thamires disse...

Também achei isso um bom atrativo. Até porque a primeira fase foi mt melhor que a segunda então é até normal que aproveitem isso.O momento mais impactante foi a abertura ao som do diálogo de Livia e Melissa.

Fernanda disse...

Sérgio, assino em baixo. Só acho que eles estão abusando um pouco desnecessariamente. Por exemplo, inserindo diálogos já da segunda fase. Não precisa. Bastava os da primeira.

Vinícius disse...

Parabéns pelo texto, Sérgio. Vc é bem detalhista mesmo. E observador.

porlapazyporlavida lc disse...

Zamenzitooo, concordo em número, gênero, grau e poesia. Esses audios deixam as cenas muito mais épicas... A tensão aumenta, a ansiedade tb. É muito poético ao meu ver. Amei relembrar esses momentos lendo aqui no seu blog. Foram cenas que o passado eo presente se misturaram e se complementaram de maneira bela. Aiai falar da minha novelinha me deixa inspirada a escrever bem muito. Beijão, Sérgio! Aproveito pra desejar um fim de ano cheio de pensamentos positivos, bons sentimentos e muita energia boa. Ahh, luz também ou criatividade. Beijosss. Até a próxima.

Thayná Cristina disse...

Boas observações, eu adoro os ganchos, sempre arrepia !

Vera Lúcia disse...


Olá Sérgio,

Como você é detalhista e PERFEITO em suas críticas e análises! Fico impressionada!
O recurso dos áudios foi mesmo uma ótima ideia, cujas vantagens você delineou muito bem. Além do mais, tal estratégia empresta mais emoção durante a exibição das cenas atuais.

Continue assim, brilhante, em 2016!

Feliz Natal para você e família, com muita paz, luz, alegria e bençãos.

Volto depois para ler suas postagens anteriores.

Obrigada pelo carinhos de sempre!

Grande abraço.

Melina disse...

Sérgio, querido, concordo que isso do áudio foi um diferencial mesmo. As vezes acho que abusam do recurso, mas no geral dá um impacto bom. Aproveito pra te desejar um lindo Natal e aguardo as retrospectivas. Beijos!

Bárbara Almeida disse...

Comecei a ver a novela apenas no final, e realmente a história é boa. Queria ter pego desde o início. Os ganchos são muito bons.

Beijos, Love is Colorful

Ed Taborda Assunção disse...

Infelizmente eu não tenho tempo pra assistir Além do Tempo, mas do pouco que eu vi dessa nova fase achei bem chatinha, embora não saiba se é boa ou não. Sei que a primeira fase era sensacional.
Abraços

Sérgio Santos disse...

Muito obrigado, Elvira. E te desejo tudo em dobro. =)

Sérgio Santos disse...

Que bom, Elisa. bj

Sérgio Santos disse...

Que bom que gostou, Mário. E que bom te ver aqui também!

Sérgio Santos disse...

Isso é verdade, Thamires.

Sérgio Santos disse...

Entendo, Fernanda.

Sérgio Santos disse...

Valeu, Vinicius. Sou detalhista msm.

Sérgio Santos disse...

Muito obrigado, porlapazyporlavida lc! Deixam a novela melhor mesmo, aumentando o impacto das cenas. E eu te desejo tudo em dobro. Bjão!

Sérgio Santos disse...

Sempre mesmo, Thayná!

Sérgio Santos disse...

Fico lisonjeado, Vera. =) Muito obrigado pelo seu carinho de sempre e é recíproco. bjão

Sérgio Santos disse...

Obrigado, Melina. Tb acho que algumas vezes a situação não é necessária, mas no geral é mt bom. bjs e te desejo em dobro.

Sérgio Santos disse...

Vc ia gostar mt, Bárbara. bjssss

Sérgio Santos disse...

A primeira era mt boa msm, Ed. A segunda decaiu, mas continuou boa. abçsss