sexta-feira, 24 de abril de 2015

Os 20 anos de "Malhação", uma das produções mais longevas da Rede Globo

No dia 24 de abril de 1995, estreava na Globo o que viria a ser uma de suas produções mais longevas: "Malhação". Ao som de "Assim caminha a humanidade", cantada por Lulu Santos na abertura (que virou um dos maiores hits da trama), a história sobre os dramas adolescentes começou a ser contada tendo uma academia como pano de fundo, vide o título do seriado. Juliana Martins e Danton Mello formavam o casal protagonista (Bella e Héricles) e fizeram parte de um elenco que tinha nomes como Carolina Dieckmann, Silvia Pfeifer, Fernanda Rodrigues, Bruno de Lucca (uma criança ainda), Nair Bello, John Herbert, entre outros.


Os autores Emanoel Jacobina e Andrea Maltarolli (também autora da novela "Beleza Pura", falecida em 2009) foram os idealizadores deste tão bem-sucedido projeto voltado para os adolescentes ---- baseado também no boom de academias de ginástica na época ---- e escreveram várias temporadas, incluindo a primeira, em parceria com Patrícia Moretzohn e Marcia Prates. Emanoel, em entrevista ao Jornal Extra, declarou que "Malhação" nasceu em uma oficina de dramaturgia para formação de atores da Globo em 1994. O diretor Roberto Talma (que lamentavelmente faleceu nesta quinta), inclusive, foi quem teve a ideia de transformar algo informal em um seriado, depois que viu vários jovens frequentando uma academia construída perto da Globo.

E foi exatamente o que virou o formato: uma vitrine para novos talentos. Só que os novatos não eram mais vistos, e analisados, apenas pelos diretores da emissora, eram também observados pelo público. Logo na primeira temporada, aliás, surgiu uma das figuras mais marcantes e queridas do seriado: o Mocotó, vivido por um inexperiente André Marques.
O malandro que vivia dando em cima das meninas virou uma febre e permaneceu na trama por cinco anos (95/96/97/98/99), voltando ainda em 2012 para uma participação especial na fase Intensa, escrita por Rosane Svartman e Glória Barreto.


Ao longo destes vinte anos, "Malhação" apresentou 22 temporadas e uma legião de personagens. Muitos são lembrados até hoje e fizeram história, já outros caíram no esquecimento. O mesmo vale para as fases, onde umas se destacaram pelos dramas marcantes, enquanto outras foram apagadas em virtude dos enredos fracos e da baixa repercussão. E nada mais natural do que uma produção, com tanto tempo no ar, ter altos e baixos. Afinal, não é possível acertar sempre.


A academia de ginástica permaneceu até a sexta temporada (sendo que na quarta houve uma mudança de foco, onde a corrida de automóveis ganhou importância) e durante este tempo foram cinco casais protagonistas. Danton Mello e Juliana Martins formaram o casal central do primeiro ano, Fernanda Rodrigues e Cláudio Heinrich (Luiza e Dado) do segundo, Luana Piovani e Pedro Vasconcellos (Patrícia e Vudu) do terceiro, Cássia Linhares e Rodrigo Faro (Bruno e Alice) do quarto e Juliana Barone e André Marques (Cacau e Mocotó) do quinto.


Em 1998, resolveram inovar e transformaram o seriado em uma espécie de programa comandado pelos atores, chamado de "Malhação.com". Era tudo ao vivo e o universo tecnológico (que começava a crescer na época) servia como tema principal. Havia também uma interação com o telespectador, que ligava para conversar com o elenco. André Marques, aliás, adquiriu muita experiência como apresentador ali. Mas o formato em si não deu muito certo, fazendo a equipe voltar para as histórias tradicionais.


E na sexta temporada (protagonizada por Priscila Fantin e Mário Frias, que fizeram um lindo par), a Academia Malhação saiu de cena, entrando no lugar o inesquecível Colégio Múltipla Escolha. A ideia era mostrar o ambiente escolar dos adolescentes, até então pouco abordado na teledramaturgia  ---- uma vez que "Carrossel" e "Chiquititas" abordavam mais o universo infantil ----, e explorar todos os conflitos envolvendo as dificuldades de adaptação, estudos, nascimento de amizades sólidas, rivalidades, além, claro, dos amores. E um dos casais mais lembrados era o formado por Touro (Roger Robeth) e Érika (Samara Felippo); afinal, foi através deste par que a trama falou sobre a AIDS. A menina descobriu ser soropositivo e precisou enfrentar o preconceito dos demais, além de sofrer com a falta de informação, até encontrar o final feliz ao lado do seu amado.


Nesta fase também foi apresentado o personagem (um dos muitos) que virou um clássico da "Malhação": o professor Pasqualete (Nuno Leal Maia). E a fase ainda marcou o início da saga de uma música que viraria uma das maiores identidades da trama adolescente: "Te levar daqui", do Charlie Brown Jr. . Exibida na abertura, o hit não mudou mesmo com as novas temporadas e diferentes aberturas que vieram depois. Foi, sem dúvida, um dos maiores sucessos do seriado, que ainda foi responsável pela popularização da banda, que infelizmente se desfez após a morte de Chorão e Champignon.


Já a sétima temporada, exibida no ano 2000 (protagonizada por Ludmilla Dayer e Fábio Azevedo), contou com a participação de um garoto que se transformou em uma paixão nacional: o Cabeção (Sérgio Hondjakoff). O personagem fez tanto sucesso que ganhou uma importância que não tinha, ofuscou os protagonistas, e permaneceu no seriado por cinco anos (curiosamente, o mesmo tempo do querido Mocotó). Ele enfrentou várias desilusões amorosas e era o principal foco cômico das histórias, se destacando em todas as fases que contaram com sua presença.


Em 2001, a oitava temporada foi protagonizada por Rafaella Mandelli e Iran Malfitano, conseguindo manter a atenção do telespectador e apresentando para o público mais uma personagem que viraria um clássico: a Dona Wilma, interpretada pela maravilhosa Bia Montez. A rabugenta inspetora do colégio Múltipla Escolha foi um dos perfis mais marcantes e divertidos da história, o que implicou em sua permanência, assim como ocorreu com tipos como Cabeção e Mocotó. Ela até ganhou um bar (o inesquecível Giga Byte), ponto de encontro de todos os alunos do Múltipla Escolha. Além desta chata adorável, também entrou o Professor Afrânio (Charles Paraventi), outro tipo marcante que se fixou no seriado até 2007 ---- ele e Bia saíram juntos no mesmo ano.


Já a fase de 2002, que contou com Juliana Silveira (uma das melhores revelações) e Henri Castelli vivendo o par central (Júlia e Pedro), foi uma das mais marcantes de "Malhação". A temporada tinha uma história principal forte (famílias que passaram a se odiar em virtude de um erro médico); um casal protagonista repleto de química; uma vilã sarcástica e sensual (Thaíssa - Bárbara Borges); e ainda contou com a presença de Kadu Moliterno e André D`Biase (dupla que viveu os até hoje lembrados Juba e Lula da série "Armação Ilimitada"). Vale citar também a boa dupla formada por Cauã Reymond e Sérgio Hondjakoff, uma vez que Maumau e Cabeção tiveram uma sintonia perfeita ---- como esquecer deles e do famigerado Ogromóvel (um Chevette caindo aos pedaços)?


Mas a temporada de 2003 apresentou uma queda vertiginosa de qualidade. Manuela do Monte e Sérgio Marone foram protagonistas insossos, o casal era extremamente idiotizado e toda a trama que os cercava deixava muito a desejar. Uma fase para esquecer. Porém, em 2004, "Malhação" contou com uma de suas mais emblemáticas histórias, até hoje citada pelo público saudoso: o enredo era voltado para uma banda de rock chamada de 'Vagabanda'. Guilherme Berenguer e Juliana Didone protagonizaram, mas os grandes destaques mesmo foram a vilã Natasha (vivida pela ótima Marjorie Estiano) e o bobalhão Catraca (João Velho), ambos integrantes da banda liderada pelo mocinho. O sucesso foi tanto que a trama chegou a marcar 40 pontos no Ibope e todas as músicas cantadas pela Vagabanda emplacaram, não só na ficção, como na vida real.


Só que as três temporadas seguintes fracassaram e foram repletas de problemas: a de 2005 (12ª), protagonizada por Fernanda Vasconcellos e Thiago Rodrigues (Betina e Bernardo), a de 2006 (13ª), encabeçada por Luiza Valdetaro e Bernardo Melo (Manu e Cauã, cujo tema principal era o mundo do skate), e a de 2007 (14ª), que contou com Fiorella Matheis, Thayla Ayala e Romulo Arantes Neto (Vivian, Marcela e André) como trio central. Todas com casais fracos, tramas pobres, elenco muito cru e falta de conflitos atrativos. Foi a partir desta situação que "Malhação" começou a enfrentar desconfianças do público e da crítica. O fôlego do seriado era constantemente contestado.


A décima quinta temporada (2008) serviu para salvar a trama adolescente, ainda que temporariamente. Sophie Charlotte, Nathalia Dill e Mariana Rios foram as grandes revelações desta fase e a história fez muito sucesso. Até hoje os embates entre a mocinha Angelina e a vilã Débora são lembrados, incluindo, claro, as trapalhadas da patricinha Yasmin Fontes, que ainda cantava muito bem. Foi uma história muito agradável e bem escrita. Vale destacar ainda a mudança na música de abertura: saiu Charlie Brown Jr. e entrou Strike, com 'Paraíso Proibido'.


Só que em 2009, "Malhação" voltou a decair com a problemática história protagonizada por Bianca Bin e Micael Borges (Marina e Luciano). Os equívocos eram tantos que o mocinho vivido por um inexpressivo Micael foi ofuscado pelo vilão interpretado por Humberto Carrão (Caio), que acabou virando o galã da trama, pois tinha bem mais química com Bianca ---- ainda muito inexperiente. A trama passou por várias modificações para tentar emplacar, mas não obteve sucesso. A audiência foi fraca.


Para piorar a situação, a temporada substituta (17ª) ---- "Malhação ID" ---- também não foi nada atrativa. Fiuk e Cristiana Ubach (Bernardo e Cristiana) formaram o fraco casal central e todo o enredo da fase era bobo demais, deixando o universo adolescente bastante irreal. Não foi possível comprar a história, que não empolgou a audiência. Mas "Malhação" conseguiu se reerguer novamente em 2010, com a ótima trama escrita por Emanoel Jacobina (não por acaso um dos criadores do seriado), que contou com Daniella Carvalho (Catarina) e Bruno Gissoni (Pedro) como protagonistas. Todos os conflitos eram interessantes e ainda havia uma boa dose de suspense envolvendo a bipolar Raquel (Ariela Massoti), além de muita comicidade com o carismático goleiro Maicon (Marcello Melo Jr.), que fez um hilário par com Babi (Maria Pinna).


Mas, repetindo o que parecia ser uma sina (fase ruim sempre vindo depois de uma boa), a temporada de 2011 (19ª) foi uma das mais fracassadas. Chamada de "Malhação Conectados" (protagonizada por Bia Arantes, Thais Melchior e Caio Paduan), a história tinha o objetivo de inovar a linguagem do seriado e para cumprir o objetivo foi inserido um clima sombrio no enredo, repleto de mistérios. Realmente foi uma tentativa válida e seria interessante acompanhar os desdobramentos de todo aquele enigma exibido. Só que o público rejeitou e a autora Ingrid Zavarezzi se viu obrigada a modificar toda sua trama, o que simplesmente destruiu a história, a ponto da mocinha virar a grande vilã. O seriado novamente mergulhava em uma crise.


Só que a luz no fim do túnel veio na vigésima temporada, iniciada em 2012. Escrita por Rosane Svartman e Glória Barreto, a trama foi chamada de "Malhação Intensa" e o slogan da nova fase era uma volta às origens. Pois as autoras conseguiram cumprir a promessa com louvor. A história (apesar do problema com o mocinho --- Guilherme Prates foi substituído por Guilherme Leicam) arrebatou o público e fez muito sucesso. Os personagens carismáticos caíram no gosto popular e a trama foi muito bem escrita. Pilha (Peter Brandão), Gil (Daniel Blanco), Orelha (David Lucas), Ju (Agatha Moreira), Lia (Alice Wegmann), entre tantos outros, foram perfis cativantes e as autoras ainda emplacaram um casal que entrou para a história do seriado: Bruno e Fatinha. Rodrigo Simas e Juliana Paiva esbanjaram química e a periguete que amava Clarice Lispector entrou para a galeria dos tipos inesquecíveis.


Só que a temporada substituta não conseguiu manter o nível da Intensa. Com o título de "Malhação Casa Cheia", a nova fase, exibida em 2013/2014, transformou o universo adolescente em universo infantil. Recheada de conflitos bobos e protagonizada por um casal sem química (Ben - Gabriel Falcão e Anita - Bianca Salgueiro), a história não despertou interesse e afastou o público. Os poucos acertos foram o destaque de Hanna Romanazzi, vivendo a patricinha Sofia, e o par formado por Micaela (Laís Pinho) e Martin (Hugo Bonemer), que ofuscou os protagonistas. No mais, muitos equívocos e problemas de desenvolvimento.


Agora, o seriado completa 20 anos em grande momento. A temporada 'Sonhos' (22ª), escrita por Rosane Svartman e Paulo Halm (mesma equipe da bem-sucedida 'Intensa'), já entrou para a lista das melhores do seriado e conquistou o telespectador com uma trama adolescente destinada a todas as idades, onde uma escola de artes e uma academia de luta são panos de fundo para o enredo. E, por mais difícil que possa parecer, todos os casais ----- Pedro (Rafael Vitti) e Karina (Isabella Santoni), Cobra (Felipe Simas) e Jade (Anaju Dorigon), Duca (Arthur Aguiar) e Bianca (Bruna Hamu), Mari (Malu Campos) e Jeff (Cadu Libonatti), Dandara (Emanuelle Araújo) e Gael (Eriberto Leão), Sol (Jeniffer Nascimento) e Wallace (Antonio Carlos), entre tantos mais ----- são bem construídos, assim como seus conflitos. Ainda há uma leva de gratas revelações, onde muitos atores/atrizes se firmarão na carreira em virtude do evidente talento mostrado.


O dia 24 de abril de 2015 ficará marcado como o dia que "Malhação" completou 20 anos ininterruptos no ar, com mais de 5000 capítulos, no ano do cinquentenário da Rede Globo. Uma marca que merece ser comemorada bastante. Não é qualquer produção que consegue atingir este feito, ainda por cima apresentando fôlego para muitas outras temporadas pela frente. O seriado adolescente marcou a infância e adolescência de muita gente e já revelou uma legião de atores que hoje seguem carreira não só na Globo, como também na Record, SBT e canais a cabo. São inúmeros personagens, muitos intérpretes e vários profissionais que fizeram parte de toda esta respeitável história ----- história esta que ainda não tem data para acabar. Parabéns, "Malhação"!




52 comentários:

Victor Sanches disse...

Mas que verdadeira AULA você deu! Uma análise de quem entende mesmo do assunto e sabe do que está dizendo, dá pra sentir propriedade na sua escrita. Você é um apaixonado por televisão e transmite sua paixão para nós leitores. Eu não vi todas as temporadas, mas fui fã de academia, do Mocotó e da temporada da Vagabanda. Também gostei muita da Júlia e do Pedro que foi uma história bem rica. E a de 2010 não me muito lembrada mas merece porque fez sucesso (lembro do ultimo capítulo ter dado 26 pontos) e foi muito boa. O Marcelo Melo Jr, inclusive, foi revelado ali. A Intensa foi a volta das cinzas depois da catastrófica fase anterior tão bem descrita por você e agora a Sonhos vai muito bem de audiência. Malhação merece respeito pela história que representa na teledramaturgia nacional. Parabéns a ela e a você por esse brilhante texto, Sérgio!

Alessandra disse...

Isso que é voltar no tempo. Seu texto foi uma verdadeira viagem nostálgica. Me vi mergulhada no meu passado através dessa sua homenagem aos 20 anos da Malhação. E estou acompanhando a Sonhos que está ótima, mas a que está em meu coração é a do Mocotó, a primeira, e a da Vagabanda. Foram boas e bem acabadas. Ê TEMPO BOM!

Anônimo disse...

Ótimo texto! Faltou citar um outro personagem clássico que ficou por um bom tempo, o Rafa. Ele e o cabeção juntos eram demais.

ps: Essa malhação já entrou para a lista das melhores (se não for a melhor) da história.

ps 2: Olha lá ele puxando sardinha para Duca e Bianca hauhauauha. João e Bianca são um casal bem melhor.

ps 3: João já está na lista de personagens clássicos - o Guilherme Hamacek é facilmente o melhor ator dessa geração.

Bruna Gouveia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Bruna Gouveia disse...

Caramba, tive um susto agora. Caiu à ficha, eu estou mesmo ficando velha! kkkkk Incrível como eu me lembro de muitas das temporadas, pra não dizer todas. rs

Recordar é viver Sérgio. Que saudades de algumas dessas temporadas, impossível esquecer muito desses personagens. Queridos, sempre queridos! O Cláudio Heinrich, o inesquecível Dado, Mocotó, o Nuno Leal Maia, professor Pasqualete, a Dona Wilma, Cabeção, nossa, estou te escrevendo todos esses nomes, personagens, com um sorriso dos mais bobos no rosto. É a minha adolescência toda essa novelinha com ares de seriado. Alguns casais memoráveis, muitos deles, melhores do que os protagonistas, diga-se. Como esquecer - Touro e Érica; Jaque e Urubu, João e Natacha, reparou que eu tenho uma queda, pra não dizer um tombo, por """vilões""" né?! Não á toa, nessa eu torço (muitooooo) por Cobra e Jade <3

Adoro casais passionais, com histórias tórridas, dramáticas e com ares de complexidade.

No entanto, cheguei a gostar de alguns mais românticos também - Letícia e Gustavo (nossa eterna miss Gari), Julia e Pedro, Débora e Pedro (lembra o pobrinho?), enfim todos tipos muitos queridos, saudosos, e que ficaram para sempre em minha memória e coração. Me fiz uma promessa que essa será a última temporada que eu verei, e se conseguir cumprir mesmo, acho que estou fechando com chave de ouro. A temporada da Rosane e do Paulo está muito boa, cheia de tramas envolventes, uma rica história, e eles ainda me presentearam com um casal maravilhosa e apaixonante para shippar, que é Cobrade (Cobra e Jade). O casal pelo qual eu mais torci entre todas as temporadas, e eu assistir muitasssss. Encerro depois deles um ciclo.

Pronto a partir do ano que vem, já posso fazer o estilo chato blasé, cult, e dizer que não vejo mais malhação. kkkkkk

E como de costume, sua crítica está maravilhosa. Grade beijo, Sérgio. ^^

Gabriel disse...

Que texto maravilhoso!!! Mt bom.
Com certeza esses 20 anos de malhação fizeram parte e marcaram mt gente. Minhas primeiras memórias de malhação são do múltipla escolha, e varios personagens e situações me marcarm como o professor Pascalhete, caberão, mau mau, o ouro móvel, dona Wilma, giga-byte, vaganbanda, enfim mts coisas.
Sempre que acontecia uma mudança mt radical (como o fim do múltipla escolha) ou um personagem querido saia eu simplesmente odiava.
Mas claro algo dura tanto tempo tem que ir se reinventando pq se não fica gasto, cansa. Ate pq os adolecentes q assiatem hj não são os mesmo q assistiam a 20 anos atras e a novela (série, novelinha? ??) tem q ir se.adaptando.As vezes as mudanças dão certo outras não mas são inevitáveis para a longevidade do programa.
E logo nos 20 anos tá no ar uma temporada mt bem escrita e fazendo mt sucesso mostrando q malhação tem motivos pra comemorar e q com boas histórias ela pode durar quanto tempo a globo quiser.

Thais disse...

A temporada q mais me marcou e q para mim até hoje é a MELHOR é a da vagabanda. Me apaxonei pela Marjorie estiano ali e desde então faço o possível para acompanhar todos os trabalhos dela. Não concordo com sua crítica a malhação ID, eu gostava muito dessa e principalmente do casal Bernardo e Cristiana, apesar da visível falta de talento do Fiuk. Diferente de vc, não curti muito a de pedro e catarina, o casal era p/ mim tanto faz como tanto fez. Babi e Maicon eram os únicos q gostava nessa temporada. Mas concordo com o porre q foi a da época do skate, a da Thayla, a de conectados q sinceramente até hoje eiu tento entnder aquele mistério do número q foi deixado no ar e a da casa cheia q eu nem assisti, mas só pelos comerciais já dava para ver q não valia a pena. Essa temporada está maravilhosa, a segunda melhor (só perde p/ a da vagabanda, na minha opinião) Pedro e karina, melhor casal <3

Anônimo disse...

Vc disse que achava que o texto tinha valido a pena apesar do trabalhão que deu, pois eu digo: valeu demais! Parabéns!

Lisandra disse...

Marjorie Estiano, Juliana Silveira, Sophie Charlotte, Mariana Rios, Anaju Dorigon, Bruna Hamu e Isabela Santoni foram as melhores revelações da Malhação com uma clara superioridade de Marjorie, que já virou uma grande estrela. Seu texto está simplesmente impecável. Como disse o primeiro comentarista foi mesmo uma aula. Uma nostálgica aula.

William O. disse...

Parabéns por essa rica retrospectiva acompanhada de bem fundamentadas análises, Sérgio. As melhores foram mesmo a primeira, a de 2002, a da vagabanda e a Intensa. A atual, Sonhos também está muito boa e realmente por incrível que pareça todos os casais funcionaram e tem histórias bem construídas, vide Pedro e Karina Duca e Bianca, Jade e Cobra, e tantos outros. Malhação faz 20 anos com corpinho de 10.

Kauê disse...

Nossa, que volta no tempo... Pura nostalgia! Querendo ou não "Malhação" fez e continua fazendo parte da vida de muita gente. Lembro que comecei a acompanhar a partir dos anos 2000 por aí e adorava, não perdia um capítulo. Era rotina chegar da escola e se jogar no sofá pra assistir. Na sua bem escrita homenagem foi possível relembrar alguns tempos áureos e alguns não muito bons tbm. Sem dúvidas a fase "Múltipla Escolha", #Gigabyte" é uma das mais marcantes pra mim. E o tema de abertura com a música do Charlie Bronw Jr era um clássico, a partir daí virei fã da banda tbm. Como não lembrar de Dona Wilma, Professor Pasqualete, Cabeção e Rafa (Ícaro Silva que parmaneceu por mt tempo tb) e o inesquecível ogromóvel. Acredito que dentro desses 20 anos malhação serviu como uma "oficina" que revelou e continua a revelar grandes talentos, hj alguns estão em outras emissoras e outros nem carreira seguiram. Mas é tão bacana a gente ter acompanhado e de uma certa forma sentir que fazemos parte disso tb. A fase da "Vagabanda" tbm foi genial, quando já apostavam no universo musical. Essa fase foi responsável pela maior revelação da novelinha até então: Marjorie Estiano! Após algumas temporadas bem desanimadoras como a Bianca Bin e Micael Borges, Fiuk e Chris Ubach eu meio que parei de acompanhar. Gostei da fase da Sophie Charlotte e Nathalia Dill. Muitos assim como você dizem que a fase do Bruno Gissoni e do Marcelo Mello Jr foi boa, mas não acompanhei... Voltei a acompanhar em Malhação Intensa que foi ótima, temas muito bem abordados e elenco mt bem entrosado. Malhação Casa Cheia de Cheia não tinha nada, rs. E agora atualmente é um privilégio ter uma temporada mt boa e fazendo o maior sucesso. Que honra pra os autores, e pro elenco comemorar essa data com uma ótima fase no ar. Parabéns #Malhação20anos e à você por ter nos transportado ao passado relembrando tempos que ficarão pra sempre na memoria de todos nós apaixonados por televisão. Abçss =)

Guilherme disse...

Como a gente tá velho hein kkkkkkk o tempo voa mesmo, mas adorei esse passeio pela história de Malhação, seriado que voltou a me conquistar nessa temporada atual a melhor dos últimos anos tranquilamente com um elenco maravilhoso e uma história forte. Em relação às temporadas antigas, destaco as de 2004 claro que pra mim é a melhor de todas e a mais marcante da Vagabanda, amei também a de 2001 que eu vi depois no viva achei forte adulta a história e o elenco excelente, adorei a de 2002 também muito boa. Lembro da de 2008 que não me empolgou no começo mas depois foi melhorando, só achei muito longa, mas tinha uma boa história sim. Destaco ainda as temporadas de 2010 do Emanuel que foi boa, poderia ser melhor se o sumiço da Raquel melhor personagem da temporada tivesse durado menos e também a temporada de 2012 que mesmo com alguns problemas terminou muito bem.É um prazer passear pela história desse seriado que completa 20 anos nessa sexta feira e com gás pra muito tempo ainda. Parabéns pela matéria excelente.

Rosane Svartman disse...

Seu texto é uma linda (e bem emocionante) homenagem. Uma delícia de ler e uma viagem no tempo.

Anônimo disse...

Ótima crítica Sérgio, como de costume. Malhação é sem dúvidas uma das melhores produções da Globo - se não a melhor - até porque 20 anos não é 20 dias. Desde pequeno assistia Malhação, a novela teen emocionou, agradou, alegrou, enfim, marcou os finaizinhos de tarde de muita gente.
Queria aqui prestar minha homenagem a uma das maiores autoras de Malhação, a Rosane Svartman, suas temporadas foram bem construídas e fizeram bastante sucesso, a melhor foi essa - Malhação Sonhos - que trata do público teen como adulto. Meu casal preferido na trama é COBRADE sem dúvidas o melhor casal, Anajú Dorigon e Felipe Simas esbanjam uma ótima química nunca visto nas TVs eles tem muito futuro, e um futuro de sucesso.

Paulo Halm disse...

Vou levar essa pra vida. Ou pelo menos, pro meu Facebook, hehehehe...

Obrigado, Sérgio. Belo texto. Já disse e repito: são análises como essas que nos fazem escrever mais e melhor.

Um forte abraço e se prepare que segunda feira tem mais emoções!

Anônimo disse...

Impossível não se emocionar lendo essa sua bela crítica Zamenza, meus parabéns. Ler o seu texto foi como fazer uma gostosa viagem no tempo, e reencontrar bons e velhos amigos. Que nostalgia!!

Essa novelinha fez parte da minha vida, assim como muitos dos seus emblemáticos personagens foram pautas das minhas antigas conversas. Lembro que o assunto no dia seguinte do colégio era: "você viu o que a Natasha fez ontem? Quando será que a Letícia e o Gustavo vão voltar a namorar? E o Ogro móvel por que não vendem logo... " rsrs Que saudade! Tantos personagens inesquecíveis, Mocotó, Cabeção, Mau Mau, a Bia, Professor Pasqualete, Natasha, dona Wilma, o Afrânio, a Miuki, etc. Casais e historias de amor que marcaram gerações, torcir e vibrei com muitos deles; Dado e Luiza, Nanda e Gui, Touro e Érika, Pedro e Júlia, João e Priscila, Jaque e Urubu, Letícia e Gustavo eternos. Acompanhei muitas temporadas, mas nenhuma nunca vai superar a marcante Vagabanda, maravilhosa demais. Tudo nessa temporada funcionou perfeitamente, e ainda nos revelou um talento chamado Marjorie Estiano. Quanto a Malhação Sonhos, infelizmente eu não acompanho com a freqüência que gostaria, mas o que eu vejo da temporada tenho gostado bastante. Creio que os autores estão sabendo trabalhar e discutir temas difíceis e polêmicos com muita propriedade e competência, parabéns a eles. E vamos combinar que tiveram a ousadia de criar Cobra e Jade, um casal que tem a essência e características dos antigos e memoráveis casais de malhação (sabem mesclar malícia e romantismo). Cobrade é o casal com a trama mais adulta desta temporada, e em minha opinião, é de longe o melhor casal. Sobretudo, pela interpreta da AnaJú Dorigon que é uma linda, super talentosa, carismática, grata revelação. Adorei o texto, abraço.

Rômulo.

Anônimo disse...

Nossa, o pessoal aqui se sentindo "velho" e com nostalgia de malhação, kkk, é cada uma...

Andressa Mattos M. disse...

Que texto, Sérgio! Vc é maravilhoso e puxo seu saco mesmo, não me importo. Adorei essa retrospectiva misturada com informação e com análises também de cada temporada. E que honra vc receber os comentários da Rosane Svartman e do Paulo Halm, os autores. Merecido. E as minhas preferidas foram a primeira, a da Rafaella Mandelli, da Vagabanda e agora a Sonhos.

Zilani Célia disse...

OI SÉRGIO!
MUITO BOM. TEU TEXTO NOS LEVOU POR TODO O CAMINHO PERCORRIDO POR "MALHAÇÃO", NOS ÚLTIMOS VINTE ANOS, QUE ALIÁS PERCORREMOS JUNTO, MAS NÃO LEMBRÁVAMOS DE MUITOS DOS DETALHES MOSTRADOS AQUI.
ABRÇS
http://zilanicelia.blogspot.com.br/

Denner disse...

20 anos é algo pra ser respeitado mesmo e você fez um grande resumo sobre todos esses anos. Melhor que muito crítico renomado por aí. Parabéns!

Anônimo disse...

Sérgio eu concordo com quase tudo, menos nas temporadas de 2005 e 2006 que foram um grande sucesso, principalmente a de 2005, onde chegava a bater diariamente as novelas das 7, tanto Bang Bang quando A Lua me Disse, é a segunda maior audiencia de todos os tempos, com 32 pontos, perdendo apenas pra temporada anterior, q tbm registrou 32 pontos, com décimos a mais.... teve as ótimas revelações da Fernanda Vasconcellos e Thiago Rodrigues, além do ótimo casal formado por Joana Balaguer e Marco Antonio Gimenez, Jaque e Urubu... a patricinha Amanda, vivida por Thiara Palmieri tbm era um sucesso, além de Letícia e Natasha, rivais na temporada anterior, viraram amigas, e continuaram sendo populares.

Fernanda disse...

Pra mim os piores casais protagonistas foram Betina e Bernardo, aquele Fiuk com a menina, Thayla com o Romulo, Ben e Anita e a Ludmila Dayer com aquele garoto que sumiu da mídia. Coincidentemente essas foram as piores temporada realmente. Já as melhores foram a primeira, claro, a da Rafaella Mandelli, a da Juliana Silveira (essa eu acho a melhor de todas), a da Vagabanda, a da Nathalia Dill/Sophie Charlotte eu não vi mas elogiaram bem mesmo, a Intensa e agora a Sonhos. Seu texto ficou riquíssimo e detalhado, Sérgio. Um mergulho no passado desses 20 anos. Parabéns! E que honra ter o comentário da Rosane e do Paulo. Vc merece.

Gabriel Fonseca disse...

Algumas temporadas de Malhação foram boas, outras foram medianas e outras péssimas.Gostei das temporadas de 2001, 2002, 2004.Não achei a temporada do Fiuk(que esteve inexpressivo claro) tão péssima assim achei mediana,o casal com a Christiana Ubach que teve um bom desempenho vivia entre tapas e beijos e tinham química.Gostava também da história da personagem da Olívia Torres uma gordinha que por determinação emagrece e fica bonita.Concordo com você em relação ao resto das temporadas seguintes.

Ed Taborda Assunção disse...

Ótimo texto, Sérgio. Malhação marcou minha adolescência assim como a de muitas pessoas. Confesso que não assisti as primeiras temporadas, a primeira temporada que assisti foi a de 2002 que eu gostava muito, depoia veio uma horrível, e em seguida veio a que eu considero, e pelo que vejo é unanimidade, a melhor temporada de Malhação, a da Vagabanda. Nossa, era muito boa, e teve a revelação da Marjorie Estiano que hoje em dia já é uma grandiosa atriz. Aquelas músicas até hoje estão na minha cabeça. A de 2005 eu gostava mas detestava o casal principal e a de 2006 era pééééssima, eu nem lembro tanto dela por que quase não vi. A de 2007 eu comecei gostando mas depois ficou muito ruim e até cortaram ela, colocaram logo a de 2008, que também é uma das minha favoritas <3 Nathalia Dill e Mariana Rios eram impagáveis e até da Sophie Charlotte eu gostava, única coisa ruim era o Caio Castro mesmo. As temporadas com música são as minhas favoritas no fim das contas... Aquela da Bianca Bin era terrível de ruim e eu quase não vi, a ID achei mais ou menos, a de 2010 eu gostei muito, mas erraram em sumir com a melhor personagem da história por um bom tempo. A Conectados me chamou a atenção desde as primeiras chamadas por causa de todo aquele mistério do número e tal, sempre gostei de coisa assim, gostava no início, mas depois simplesmente sumiram com aquilo e a novela virou... Sei lá o que virou, ficou mt mt mt mt ruim, a pior temporada de todas. A Intensa veio pra salvar, era ótima demais, Fatinha e Bruno <3 o único porém foi tirar o mocinho pra colocar um robô no lugar, mas fora isso foi impecável. A de 2013 parecia novelinha infantil... E agora a Sonhos que infelizmente não posso assistir, mas sempre que vejo gosto muito.
Abraços

Juliana Santos disse...

Nossa, 20 anos de Malhação, como o tempo passa rápido.
A fase da academia eu lembro pouco. Só a partir da sexta temporada que eu recordo.
As que eu mais gostei foram as de 2002 com Juliana Silveira e Henri Castelli, 2004 com a inesquecível "Vagabanda", a de 2010 com Bruno Gissone, e claro, Malhação Intensa e Malhação Sonhos.
Eu até que gostava da "Malhação conectados", mas não fez sucesso. "Malhação Casa cheia", muito ruim, nem consegui assistir.
É muito bom ver que "Malhação" depois de tanto tempo, consegui ficar no ar. Eu adoro e não consigo imaginar o fim de tarde sem ela.
Parabéns pelo texto, ficou bem resumido, e me fez "viajar no tempo" muito bom!!!! Bjsssss

Sérgio Santos disse...

Muito obrigado, Victor! Fico feliz que vc goste dos textos e faço isso pra vcs mesmo. E vc tem boa memória, o último cap da Malhação 2010 deu 26 mesmo e fez mt sucesso. Tb gostei de todas essas temporadas e Malhação merece respeito pela longevidade. Abração.

Sérgio Santos disse...

Deu trabalho, mas valeu a pena, Alessandra! Dá saudade msm. bjs

Sérgio Santos disse...

Obrigado, Anônimo. E é vdd, o Rafa foi um ótimo personagem. Não dá pra citar tudo, tentei englobar o máximo que podia. Ainda tinha Miuky, Peralta, a Bia, enfim vários outros marcantes. E não é puxar sardinha, é só msm citar a ótima construção de todos os pares. E torcida cada um tem a sua, é mt válido. Eu não torço pro João com Bianca pq ele é mt legal pra alguém ficar só por pena. A menos que algo drástico ocorra e ela mude com ele, mas resta aguardar. Eu acho Duca e Bianca um lindo casal que repete a história do Gael com a falecida esposa. bjs

Sérgio Santos disse...

Ah, o Guilherme Hamacek é ótimo mesmo!

Sérgio Santos disse...

Estamos, Bruna. hahaha e Mt obrigado pelo carinho. Eu tb quando fiz esse resumão fiquei lembrando de tudo com detalhes e acabava dando um sorriso bobo. E eu tb tenho forte queda pelos vilões, te entendo.

Mas jura que vc gostava daquela praga da Leticia? Nossa, eu odiava. Torcia pra Natasha matá-la. hahaha E claro que lembro do Pedro, o pobrinho que conquistou a Débora. Casal ótimo. Dona Wilma era uma das minhas preferidas e qd ela saiu fiquei de luto. rs O Cabeção fez um imenso sucesso e eu amava a fase do Ogromóvel. Que saudade. E eu vejo temporada que eu acho ótima, as péssimas eu vejo por alto e passo longe. Não sei se a próxima será boa ou não, mas melhor que essa de agora é impossível. Bjão!

Sérgio Santos disse...

Mt obrigado, Gabriel. Olha, eu classifico como seriado adolescente pq novela tem início, meio e fim, Malhação não sai do ar nunca. Apesar de agora ter vtramas independentes que têm data pra começar e acabar, é difícil classificar como novela pq o título é o mesmo. Mas enfim, marcou msm a adolescência de mta gente e foram muitas temporadas boas. abçsss

Sérgio Santos disse...

Oi Thais! A da Vagabanda foi espetacular. Uma das melhores de longe. Eu realmente achei a ID mt ruim e achei aquele casal do Fiuk com a Cristiana mt insosso. Ela tb deixou mt a desejar na interpretação. Daquela fase eu só gostava do drama da personagem da Olivia Torres que se sentia feia. E a da Catarina eu achei excelente, tinha humor, romance, suspense, enfim, e a reta final foi repleta de cenas de ação. Bjsssss

Sérgio Santos disse...

Mt obrigado, anonimo.

Sérgio Santos disse...

Mt obrigado, Lisandra. E todas essas foram gratas revelações mesmo. bjs

Sérgio Santos disse...

Mt obrigado, William. E gostei disso de 20 anos com corpinho de 10. rsrs abçs

Sérgio Santos disse...

Kauê, fiquei mt feliz com seu comentário e agradeço o carinho de sempre. Mt obrigado. E boa lembrança ao Rafa que era um clássico também. Foram muitas temporadas, vários atores, inúmeros personagens e mta história pra contar. Abção!

Sérgio Santos disse...

Guilherme, mt obrigado. E tamo ficando véio mesmo. hahaha É verdade, o sumiço da Raquel acabou se estendendo um pouco demais, mas ainda assim deu um ótimo clima de suspense para a temporada que foi ótima. E concordo com tudo o que vc escreveu. Malhação já fez história. abçs

Sérgio Santos disse...

Rosane, é sempre uma delícia te ver aqui. Ainda mais sabendo que vc está envolta nessa temporada com o Paulo e ainda envolvida na primeira novela de vcs. Deve tá sem tempo pra nada e ainda assim vem aqui. Sou mt grato e fico honrado. Emocionar vc é um privilégio pra mim. Parabéns! Bjão!

Sérgio Santos disse...

Mt obrigado, anônimo. E concordo com vc, Rosane merece todos os elogios possíveis. Já provou e comprovou ser uma grande autora! Tb amo Cobrade.

Sérgio Santos disse...

Paulo, a honra é toda minha. Ver vc e Rosane aqui é um privilégio pra mim. Fico feliz em saber que guardará o texto, pq pode ter certeza que essa temporada eu vou guardar pra sempre. Abração!

Sérgio Santos disse...

Rômulo, mt obrigado. Seu comentário me emocionou porque tb viajei lendo. E é verdade, Marjorie foi a maior revelação da Malhação e a Vagabanda foi inesquecível. Tb acho Cobra e Jade o casal mais maduro em termo de trama. Anaju é maravilhosa. abção!

Sérgio Santos disse...

Mt obrigado, Andressa. Vc é suspeita. rs E é uma honra pra mim receber comentários da Rosane e do Paulo! bjão!

Sérgio Santos disse...

Mt obrigado, Zilani. Bjssss

Sérgio Santos disse...

Valeu, Denner!

Sérgio Santos disse...

Sem problema, anonimo. Eu realmente achei essas mt fracas. Achei Thiago e Fernanda mt ruins nessa temporada e o casal sem graça demais. Fernanda foi evoluindo ao longo de suas novelas e se mostrou uma ótima atriz depois, mas Thiago ainda segue deixando a desejar, embora esteja bem em Sete Vidas. Jaque e Urubu formaram um ótimo casal, nisso eu concordo plenamente. Tb lembro dessa patricinha e era boa mesmo. abçsss

Sérgio Santos disse...

Mt obrigado, Fernanda. E concordo, tb achei esses os piores casais de longe. A da Julia e do Pedro foi uma das melhores mesmo e reunião na mesma fase tipos marcantes como Cabeção, Dona Wilma e Maumau. bjs

Sérgio Santos disse...

Mt obrigado, Gabriel. E sobre a Olivia Torres eu concordo, foi uma das poucas coisas que gostei daquela temporada. abçsss

Sérgio Santos disse...

Ed, muito bom seu comentário. Tb fez uma boa retrospectiva com a qual concordo em praticamente tudo. E o ponto fraco da fase da Angelina era o Caio Castro msm. A Conectados tinha uma inovadora proposta e gostei no começo, mas depois que mudaram tudo a ponto de transformar a mocinha em vilã eu desisti. Ficou horrível. Abração!

Sérgio Santos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Sérgio Santos disse...

Mt obrigado, Juliana! Os 20 anos passaram voando e a gente nem se deu conta. rs Bom saber as fases que vc gostou e não gostou. bjão!

Bruno Diego disse...

É injusto a temporada de 2006 ser lembrada como ruim, ainda mais com a de 2008 sendo "a salvação"!

Primeiro que, confesso, o casal de protagonistas não teve um pingo de química. Não pelos dois, mas sim pelo mocinho, já que a Manuela foi uma das únicas protagonistas não-songamonga que Malhação já teve.

O vilão era bom, e o ator, Gabriel Wainer, atuava bem.

A história central poderia ter sido uma das mais interessantes. Quem acompanhou seu início sabe. Mas arrastaram tanto, mas tanto, que quando houve a prevista "enorme reviravolta" (Momento em que Eduardo e Cauã descobrem que são irmãos), o tesão já tinha ido embora, parceiro!

Quase sempre o esporte base era repetido (Judô, natação, polo aquático e futebol), e nesse ano o skate foi uma novidade. Serviu de influência pra muito adolescente praticar, como eu, ainda mais tendo tudo haver com a banda que tocava na abertura há anos, o Charlie Brown Jr.

Sabe aquela fórmula de sucesso: Queridos personagens antigos, Giga, Múltipla, República, Clube, Ogromóvel e uma boa trilha sonora nacional e internacional?

Pois é, até aí rolou.

Enfim, entre pontos positivos, e inegavelmente outros negativos, esta temporada não apresentou nada que não tínhamos visto em outras discutíveis. Principalmente em 2000, 2003 e na sua anterior, 2005.


Então podemos dizer que essa foi a última temporada assistível de Malhação?

A audiência da mesma pode dizer isso:
Entre todas foi a terceira maior em média (31), e a de maior em um capítulo (45).

Rui Ricardo Soares Melo Filho disse...

As temporadas de Malhação de 2000, 2001 e 2002 são inesquecíveis. Eu acompanhei regularmente. Foram três temporadas com uma excelente trama e ainda divertidas. Brigas por namorado como as de Bia e Joana por Marcelo, Nanda e Valéria por Guilherme e de Julia e Thaíssa por Pedro entraram para a história. Sinto saudades. Tempos bons que infelizmente não voltam mais. Para mim restou o consolo de contar com o YouTube para reviver essa época sensacional.