terça-feira, 6 de maio de 2014

Repleta de personagens populares, "Geração Brasil" faz boa estreia e aposta na tecnologia para conquistar o público

Com a árdua missão de reerguer os baixos índices de audiência do horário das sete da Globo (ainda que os números das seis e das nove também estejam ruins), estreou nesta segunda-feira (05/05) "Geração Brasil", substituta da fracassada "Além do Horizonte". Dos mesmos autores do sucesso "Cheias de Charme", a nova novela, dirigida por Denise Saraceni, tem a tecnologia como foco e usará este tema bastante atual para ajudar a contar a trama, que apresentou um primeiro capítulo muito atrativo.


Filipe Miguez e Izabel de Oliveira começaram contando a história de uma forma ágil e bem-humorada, dando o pontapé inicial através do núcleo de maior importância da trama, composto pela Família Marra. E o início teve a já conhecida fórmula da 'volta do tempo'. Primeiramente foi exibida uma situação do 'futuro', para depois exibirem momentos do passado (no caso, três meses antes). Jonas Marra (Murilo Benício) e sua esposa Pamela Parker (Cláudia Abreu) apresentaram os dez finalistas de uma competição lançada pela empresa do gênio da tecnologia. Gênio este que conseguiu fama, muito dinheiro e construiu um império graças ao computador popular, prático e de fácil manuseio que ele criou.

A trama gira em torno justamente do 'mito' Jonas, espécie de Steve Jobs brasileiro, cuja primeira aparição lembrou muito a de Tony Stark, do ótimo filme "Homem de Ferro". E graças ao esquema da 'volta no tempo', o público foi apresentado com mais detalhes aos personagens diretamente ligados a Jonas. Afinal, a sequência do passado mostrou uma renovação dos votos de casamento dele com a extravagante
Pamela, no Vale do Silício, Estados Unidos, onde a família mora. Foi possível, por exemplo, conhecer um pouco da personalidade da patricinha Megan (Isabelle Drummond), filha do casal, extremamente fútil e arrogante; além da própria esposa do milionário, que ama um exagero para exercer sua profissão de atriz.

Jonas ainda tem uma forte ligação com um guru com pinta de canastrão, o Brian Roberto Benson (Lázaro Ramos). E o guru, por sua vez, tem uma mãe que fez uma operação de mudança de sexo, a elegante Dorothy Benson, vivida pelo ótimo Luís Miranda. E a apresentação inicial de alguns personagens foi feita de forma criativa, através do exagerado e venenoso repórter Shin-Soo (Rodrigo Pandolfo), que falou um pouco deles para o telespectador. O fato ainda deixa explícito que a história também abordará o universo das celebridades, assim como fez a excelente "Sangue Bom" ---- que também tinha uma repórter fofoqueira (Suely Pedrosa - Tuna Dwek).

O primeiro capítulo ainda destacou alguns outros núcleos importantes, como o liderado por Davi (Humberto Carrão). O jovem está focado em um projeto de um novo computador e acaba se encantando com Manuela (Chandelly Braz) quando a vê dançando, assim que chega em Recife (ele é do Rio de Janeiro) para apresentar seu projeto em um evento da Marra. Ela é outra viciada em tecnologia, fã de Jonas Marra e também está no mesmo evento. Este será o casal principal da novela, mas, segundo consta, haverá um triângulo amoroso com Megan e a química que sempre floresce entre Humberto e Isabelle com certeza irá dividir as torcidas, o que poderá alterar (ou não) os rumos da história.

A estreia foi repleta de cores fortes e perfis caricatos, características já vistas na primeira novela dos autores, "Cheias de Charme". O capítulo foi bem movimentado e apresentou a história de forma atrativa, explorando com competência o humor e também a dualidade de alguns personagens, como o casal composto por Jonas e Pamela, onde ambos têm seus segredos. Também foi possível perceber que o folhetim usará a tecnologia a seu favor para conquistar o público, mas não precisará ficar refém dela para contar a trama. Embora o tema seja a modernidade, a produção é uma clássica novela das sete, com uma comicidade aguçada, casais românticos e conflitos entre o rico e o pobre. Tudo muito tradicional, ao contrário de "Além do Horizonte", que arriscou de todas as formas e precisava de seu tema central (a Comunidade) para que o enredo fosse contado.

Como nem tudo é perfeito, entre os muitos acertos da nova novela, há um problema que provavelmente será amenizado com o tempo: o sotaque forçado dos personagens que moram nos Estados Unidos. O sotaque americano de tipos como Pamela, Megan, Brian e Jack (Carlos Miele) está forçado e irritante. No início, é até possível aceitar, mas com o tempo cansa. Provavelmente, quando todos estiverem no Brasil, a situação será 'consertada' pela direção da trama, amenizando os exageros até sumir com eles por completo.

Mas os atores não foram afetados por este equívoco. Cláudia Abreu e Isabelle Drummond já se destacaram e com certeza formarão uma ótima dupla. Murilo Benício está impecável como o admirado Jonas Marra e em nada lembra o Tufão, de "Avenida Brasil", ou o Jaime, de "Amores Roubados". Humberto Carrão mais uma vez mostra seu talento ao interpretar um jovem engajado e seu amadurecimento é nítido. Outros bons destaques foram Chandelly Braz, Taís Araújo (na pele da jornalista Verônica), Rodrigo Pandolfo, Luís Miranda e Gisele Fróes (Rita). Lázaro Ramos também se saiu bem, mas precisará tomar cuidado porque seu personagem é um dos mais caricatos da trama e o risco de lembrar o também caricato Foguinho (de "Cobras & Lagartos"), até no figurino, é grande.

E os autores optaram pelo lema 'Não se mexe em time que está ganhando'. Afinal, o elenco é praticamente o mesmo de "Cheias de Charme", apresentando apenas alguns nomes que não fizeram parte da novela das Empreguetes. O time esbanja talento, mas a repetição exagerada pode causar uma sensação de déjà vu. Entretanto, se o conteúdo for bom e os perfis diferentes (ao que tudo indica são), não haverá muito problema.

"Geração Brasil", pelo menos na estreia, cumpriu o que havia prometido nas chamadas. Com ótima abertura (onde os nomes dos atores parecem digitalizados na hora pelo computador) e trilha musical que mistura País do Futebol (funk de MC Guime) com California Dreaming (Mamas & The Papas), a segunda novela de Filipe Miguez e Izabel de Oliveira apresentou um bom enredo, começou de forma atraente (mesclando tecnologia com o universo das celebridades) e conseguiu trazer uma história repleta de personagens populares. Se conseguirá elevar os índices de audiência do horário ainda é cedo para prever, mas ficou bem claro que a trama tem todos os elementos para agradar o público. Resta aguardar.

62 comentários:

Anônimo disse...

Esperava mais!

Mayra disse...

Eu gostei e concordo com o texto. Também achei o sotaque americanizado péssimo mas não tenho tanta certeza que irão tirá-lo. O elenco é muito repetido e me encomodou sim! Achei a novela no geral legal mas não sei se vai emplacar. A audiência foi ruim.

Thallys Bruno Almeida disse...

Eu simplesmente adorei essa estreia. OK que ainda é cedo pra dizer alguma coisa, mas que me deu vontade de acompanhar, isso deu e não foi pouca não, rs.

Quanto ao sotaque, a princípio não me incomodou não, e no caso da Pamela até se encaixou como luva pelo próprio contexto over da personagem. Mas eu não duvido é nada que quando os Parker Marra chegarem ao Brasil, se esse sotaque americano sumir por completo, os cricris de plantão vão dar um jeito de criticar isso também. Afinal, né...

Adorei logo de cara os Marra, em especial Pamela e Megan. Cláudia e Isabelle estão maravilhosas demais, provando que carisma e talento andam juntos perfeitamente, independente da geração. Sobre o Lázaro, discordo: não tem praticamente nada do Foguinho aí. Se tiver, no máximo, alguma coisa de figurino da época que o Foguinho herdou a herança do Omar em C&L e ainda assim olhe lá. É caricato sim, mas de outra forma muito diferente e não chegou a me incomodar por enquanto. Pandolfo tá mto bem vivendo uma especie de Leo Dias chinês (o Leo é repórter do tal TV Fama tem um tempinho), Taís tá linda, Chandelly maravilhosa, Carrão começou mt bem...

...Mas o dono e proprietário do primeiro capítulo pra mim é Murilo Benício. A versatilidade que esse cara emprega a seus personagens é impressionante. Só me chama a atenção que esse seja seu terceiro personagem seguido que é traído, mas não acho que vá comprometer tanto assim. Semelhança seguida que eu tb vi no Luiz Carlos Vasc, com outro personagem que é preso.

O caso da repetição de uma boa parte do time de CdC por enquanto não chegou a me incomodar tanto assim não. Só inspira mais cuidados pra que os autores não repitam isso numa terceira novela.

A essa altura do campeonato, pouco me importa se começou com a pior estreia dos últimos tempos, isso hoje não quer dizer nada pra mim e acho que tudo seria mais fácil se conseguíssimos desapegar mais dessa história de relacionar audiência com qualidade e se preocupar mais em curtir (ou não) a trama. Adorei a estreia e quero me apaixonar por essa trama do mesmo jeito que fui fã incondicional de Cheias de Charme. Competência pra isso os autores têm e muita. Que venham os próximos.

Felipe disse...

Tudo muito legal, mas é pra ser sincero? Não achei grandes coisas. Concordo com a sua crítica embora ache otimista demais. O primeiro capítulo foi atrativo mas achei tudo muito caricato. Todos estão com vários tons acima. Pode até ser proposital mas parecem palhaços. O Benício é o melhor. Amo Cláudia Abreu mas ela esta toda errada nessa personagem. Precisa melhorar e muito. A Isabelle tá bem se não fosse aquele Fiuk do lado dela. E ia falar do Guru ser parecido com o Foguinho mas como você já mencionou no texto não falarei, mas digo que ele não corre o risco ele já está parecido.

Mas é cedo ainda. Quero ver a Renata Sorrah que ainda não apareceu.

paulo disse...

Kkkkkkkkk, mais um fracasso. A estreia foi péssima no ibope. Fiz um esforço pra assistir esse primeiro capitulo dessa novelinha e vou te falar, nunca vi tanta bobagem junta. E pelamor, aquela musica terrível da abertura tem o que a ver com Beatles? É o fim do mundo mesmo. Fecha as portas rede Globo, antes que a coisa fique pior do que já esta.
*a proposito, o novo Cansastico ontem amargou o pior ibope da sua historia e por pouco não ficou em terceiro em alguns momentos. Fecha as portas globo!!!

Fernanda disse...

Sérgio, só pela estreia acredito que acontecerá com esses autores o que ocorreu com a dupla de Cordel Encantado em Joia Rara. Quiseram repetir o sucesso aproveitando até o elenco, mas não deu certo.

Eu me incomodei com o elenco todo igual (sim porque foi todo igual) e parecia uma Cheias de Charme modificada por causa disso. Fabian com Chayene de novo? E apesar de amar a Cláudia Abreu achei a personagem parecida com a Chayene principalmente na hora que ela fala que se sentiria uma 'brasileira'. E a Taís tá fazendo uma Penha sem aquele sotaque suburbano, não é? Até um filho igual aquele menino que dançava ela tem. Sei lá, Sérgio, vamos esperar um pouco mais. Mas o seu texto tá muito bom.

✿ chica disse...

Espero que quem a possa assistir possa ver coisas legais nela a cada capítulo! Parece divertida! abração,chica

Bell disse...

Não assisti, mas quero acompanhar.
O problema é que ficamos muito tempo em TV e computador e acabamos limitando nosso tempo.
Já estou arrancado esses vícios aos poucos.

Cc disse...

QUE NOVELA TOSCA, INFELIZMENTE DESDE AVENIDA BRASIL A GLOBO VEM APELANDO PRO POPULARESCO. SE A NOVELA QUER RETRATAR O FUTURO EM QUE ESTAMOS VIVENDO ACERTOU PORQUE NUNCA VI NADA MAIS BREGA E CAFONA QUE OS DIAS ATUAIS.

Pamela Sensato disse...

Eu assisti e achei super engraçada ..e espero rir mais!!
Adorei os atores!

Beijoss *-*
==> Pâm Focada na Dieta

Melina disse...

Sérgio, querido, vi a estreia. Concordo com seu texto e há muitos elementos para conquistar o público e o primeiro capítulo foi agradável, mas todas as minhas suspeitas se confirmaram. A Pamela tem um pouco de Chayene sim, principalmente nos exageros e na cafonice. A Megan é uma Amora Campana sem a metade da complexidade e bem mais caricata. Aquele guru do Lázaro Ramos é uma caricatura que lembra os personagens do Zorra Total.

Gostei do Jonas Marra e da interpretação do Murilo e também da Chandelly Braz com sua Manuela, uma nordestina nada caricata. O Davi também parece um bom personagem e o Humberto está bem. Mas aquele Ricardo Tozzi de novo fazendo par com a Cláudia Abreu é duro de lidar. E nem comento aquele Fiuk porque acho a presença dele em qualquer produção uma ofensa.

O elenco todo repetido causou sensação de mais do mesmo e de falta de criatividade. O Luiz Miranda de mulher está divertido mas é bom deixar claro que não é a invenção da roda. O Falabella sempre faz isso em suas novelas. Lembro da Dona Roma e da Ana Girafa.

Acho que o máximo que essa novela vi conseguir é um ibope parecido com o de Sangue Bom. Porque se uma novela boa daquela não conseguiu mais, duvido que essa consiga.

Não me empolguei com a estreia mas ainda verei mais um pouco pra ter uma opinião mais concreta. Um beijo!

Gustavo Nogueira disse...

Gostei da estreia da novela, Sérgio.Tem um enredo interessante e o personagem central, Jonas Marra(ótimo Murilo Benício).Como você disse, os destaques do primeiro capítulo foram Murilo Benício, Cláudia Abreu e Isabelle Drummond.Gostei do casal Davi e Manuela, não quero ver o Humberto fazendo par novamente com a Isabelle(deveriam dar um tempo).Espero que o Humberto forme um belo par com a Chandelly, mas é óbvio que a personagem dela será odiada pelos fãs da Isabelle e do Humberto, que querem que seus personagens fiquem juntos a todo o custo.

Gustavo Nogueira disse...

Corrigindo: e o personagem central, Jonas Marra(ótimo Murilo Benício)é cheio de mistérios.

Elvira Akchourin do Nascimento disse...

Um capítulo tão borbulhante quanto uma taça de champanha. Assim pode ser resumida a estreia de Geração Brasil. Com claras referências a Bill Gates e Steve Jobs e outros magnatas da tecnologia, muito boas a abertura e o recurso de apresentar todos os personagens marcando seus nomes na tela. Ótimos Murilo Benício, Claudia Abreu, Lázaro Ramos, Luís Miranda e Isabelle Drummond. Outros destaques: Humberto Marrão e Chandelly Braz. Em suma, trama interessante, ritmo ágil, bons desempenhos, belas locações na Califórnia, nos Estados Unidos, em São Paulo, Rio de Janeiro e Pernambuco. Se continuar nesse ritmo da estreia, acredito que Geração Brasil fará sucesso.

Anônimo disse...

Li que essa novela só vai engrenar mesmo depois da Copa. Portanto, até lá teremos muita enrolação e barriga pela frente. Achei a estreia boa mas nada de incrível.

Patricia Galis disse...

Gostei de tudo e de todos. Mesmo do sotaque kkkk, na Claudia Abreu tudo fica perfeito, o que disseram em inglês são coisas básicas que todos entendem.
Elenco de primeira....vou continuar assistindo se permanecer neste patamar.

Kellen Bittencourt ( Trilhamarupiara) disse...

Olá amigo, eu adorei o primeiro capitulo, achei bacana a apelação tecnologica, afinal é ela que esta dominando o mundo atualmente, tbém gostei dos personagens de forma geral, apenas o guru que eu achei um pouco extravagante e brega demais kkk mas no geral foi uma boa estréia, qto o sotaque concordo com vc, com o tempo e a mudança dos personagens centrais para o Brasil deve mudar! Abraçosss

Kerollay disse...

Gostei do capitulo como já imaginava! O elenco quase todo bom e eu destaco principalmente Taís Araujo, Rodrigo Pandolfo, Humberto Carrão, Isabelle Drummond, Luis Miranda e do Lázaro. Murilo Benício foi o dono da novela (como já disseram) eu fico boba como ele muda em cada personagem ô homem bom ator admiro demais. A Claudia Abreu é maravilhosa mas eu senti um pouco da Chayene na Pamela principalmente quando ela diz "No Brasil eu me sinto a própria mineira do acarajé" mas ela é maravilhossa e logo acha o tom, gostei também que os dois atores que eu mais odeio no elenco não tiveram tanto destaque. Enfim acredito que a novela venha a ser boa!

Ana Mack disse...

Discordo em relação ao Humberto Carrão. Nos últimos papéis que pude acompanhar, ele tem se repetido demais, com o ônus de estar sempre com uma fraquíssima cara de nada. As poucas cenas do personagem já me fizeram dormir. Quanto à química com a Isabelle, nem sempre funciona, visto que o que ganhou o público em CdC foi o oponente do Elano ser "mau caráter". Muito se falou da falta de química de ambos à época. Parece que consertaram em SB, o que leva à conclusão de que depende muito dos papéis que eles interpretam para dar certo. Por outro lado, apesar de a Chandelly Braz ser um rosto novo ainda como mocinha e despertar a ira dos talifãs por ser namorada do chatíssimo Carrão, justamente por ser a namorada(ou ex, alguém sabe?) promete ter química de sobra com seu par romântico. Não vejo favoritos, em se considerando o público geral.

Não escutei nenhuma dos Beatles ainda, mas a ótima California Dreaming, dos Mamas & the Papas já vale a minha atenção.

De resto, concordo com tudo. Promete me agradar bem mais que Cheias de Charme, que pecava ao ser maniqueísta muitas vezes.

Athyne Tedesco disse...

Eu particularmente gostei desses dois primeiros capítulos da novela, a tecnologia é um tema super atual, porém nessa novela está sendo mostrado tudo de uma forma muito "avançada" e isso a principio está afastando o público que entende pouco dessas questões tecnológicas, mas a mim e a outros jovens por exemplo isso não incomoda.

O elenco é de sua grande maioria maravilhoso. Murilo Benício mais uma vez arrasa e esse personagem não lembra em nada os anteriores sucessos dele. Claudia Abreu está ótima como sempre e não acho que a Pâmela pareça com a Chayene, só se for na exuberância. Humberto Carrão mais uma vez maravilhoso fazendo um mocinho que apesar de ser bonzinho é carismático. Luiz Miranda maravilhoso como sempre, eu já tinha acompanhado outros trabalhos dele no teatro e ele é ótimo fazendo transexuais. Isabelle Drummond também arrasando em um papel completamente diferente de tudo que ela já fez.

E fora esses atores que eu citei tem vários outros e seria impossível citar outros em um único comentário é muita gente boa, ah e em relação a personagens são tantos bons: Jonas, Pâmela, verônica, Megan, Davi, Dorothy, Brian, Shin soo, estou adorando também o Barata do Leandro Hassum que entrou hoje, e também gostei da periguete Luene apesar das poucas aparições.

Se a novela vai continuar me agrando só o tempo dirá mas eu acredito que ela só tem a melhorar com a chegada dos Marras no Brasil e ainda falta a entrada de vários personagens legais como a familia do Jonas (a mãe o irmão e os sobrinhos) bom vou continuar acompanhando porque por enquanto a novela tem sido bastante agradável de assistir.

Anônimo disse...

O ibope caiu mais ainda no segundo capitulo, míseros 20 pontos. Globo desesperada em 3, 2, 1...

Sérgio Santos disse...

Ok, anônimo.

Sérgio Santos disse...

Mayra, eu acho que irão atenuar isso sim. E eu espero pq tem horas que o sotaque aparece e tem horas que some, ou seja fica forçado. O ibope tá ruim mesmo, mas ainda é cedo.

Sérgio Santos disse...

A estreia, Thallys, foi boa e a trama é interessante. Os personagens populares foram criados msm para conquistar o público e há chance de acontecer.

O sotaque está cansativo e artificial. Se fosse só na Pamela, até daria para engolir pq ela é exagerada e está sempre interpretando, mas em todos fica cansativo. Pode misturar inglês com português que é engraçado, mas o sotaque força.

A repetição do elenco ainda não incomoda a mim, mas quem reclama tem razão pq é mta repetição e nos mesmos núcleos. Mas o elenco é bom então ok.

A estreia não foi a pior de todos os tempos, empatou com ADH, o que tb não significa que tenha sido bom.

O figurino do guru é igual ao do Foguinho rico. Por isso as semelhanças surgem. E o Murilo tá ótimo.

Sérgio Santos disse...

Entendo, Felipe. Eu gostei mt a estreia e tô gostando até agora. Mas tb não achei incrível. Tem mtas coisas semelhantes a Sangue Bom e a própria Cheias de Charme, mas não achei a minha critica otimista demais não. Elogiei e critiquei o que achei merecedor. Não acho que a Cláudia esteja toda errada, ao contrário, acho ótima. Mas o Lázaro corre alguns riscos, embora não esteja achando ele ruim. Tb aguarda a entrada da Sorrah.

Sérgio Santos disse...

Paulo, não sei se será fracasso. Mas novela das sete sempre é mais "boba" msm. E não disse que a música de abertura tinha a ver, disse que a trilha faz essa mistura. E eu me confundo sempre com Califórnia Dreamin. Não é Beatles, é The Mamas & The Papas. Já consertei.

Sérgio Santos disse...

Obrigado, Fernanda. Olha, não sei, mas pode ser que sim ou que não. Todas as possibilidades ainda estão abertas. Não vi nada da Chayene na Pamela, mas talvez causa essa impressão pq ambas são exageradas e caricatas. A Verônica tem uma trama parecida com a da Penha no sentida na batalha de vida, mas a Taís tá sabendo diferenciá-la. Enfim... bj

Sérgio Santos disse...

Obrigado pelo comentário, Chica. bj

Sérgio Santos disse...

Isso é, Bell, mas são vícios difíceis de serem tirados. rs

Sérgio Santos disse...

Ok, Cc.

Sérgio Santos disse...

Tb gostei, Pamela.

Sérgio Santos disse...

Oi Melina! Isso sim eu concordo, a Pamela tem da Chayene o exagero e a cafonice, mas eu acho a personagem totalmente distinta. E Cláudia soube diferenciá-la na minha opinião.

O guru é mt caricato mesmo ,embora mts outros tb sejam. A Megan tem mt da Amora de fato, mas a complexidade dela será impossível repetir pq aquele perfil é único. Mas eu até brinquei no Twitter dizendo que a Giane tinha virado tudo o que tanto criticou na rival.

Sim, o Falabella usa mt esse recurso de homem vestido de mulher. Aliás, saudade da Dona Roma. Gostava mt daquela personagem.

Sim, vamos ver como tudo será desenvolvido. bjs

Sérgio Santos disse...

Tb, Gustavo. E Benício tá ótimo mesmo. E, sim, a Manu já está sendo odiava por parte dos fãs da Isabelle. Aliás, quem está descendo a lenha na menina de forma gratuita é o típico talifã. Não há razão pra isso. Sorte que tem tb gente mais sensata que torce para Megan e Davi mas que não tenta desqualificar o outro casal (que por sinal nem foi formado) Eu vou gostar (acho) que das duas possibilidades. Mas nem dá pra falar ainda, nada aconteceu. Tem mta gente ansiosa demais. Enfim...

Sérgio Santos disse...

Interessante comparação, Elvira. Tb gostei mt da estreia e a novela parece promissora. Atores fazendo bonito, personagens com apelo popular, enfim, vamos ver se dará certo. bjs

Letícia disse...

Boa noite, meu caro Sérgio, tudo bem?

Olha confesso que não dei bola para além do horizonte, nem no final eu prestei atenção...
Agora assisti o dois primeiros capítulos de Geração Brasil gostei bastante, achei ágil e adorei rever o Benício em ótima forma... Outra grata surpresa foi a presença do Miele, sempre gostei dele e agora como ator estou adorando e espero que tenha bastante destaque...
Realmente a sensação que se tem que é um deja vú de Cheias de Charme pelo grande número de atores que participaram da trama anterior... Mas se a estória for tão boa quanto e que tenha características próprias então, o público já estará no lucro... Gostei bastante e vamos vê como vai ficar daqui para a frente... Os primeiros capítulos foram bem legais e gostei de assisti...
Bjs meu caro Sérgio e uma ótima semana...

Sérgio Santos disse...

Eu tb li isso, anônimo.

Sérgio Santos disse...

Mas, Patrícia, o problema não é o inglê,s disso eu tb gostei e acho as misturas mt divertidas. A questão é o sotaque americanizado artificial que ora aparece e ora vai embora. Se ficasse só na Pamela, ok, mas todos falam assim. Cansa.

Mas a novela parece boa mesmo. bj

Sérgio Santos disse...

Foi legal, né Kellen? Tb gostei. O guru é um dos mais caricatos mesmo. Mas no geral a trama foi mt boa e promete. Tomara que cumpra. bj

Sérgio Santos disse...

Kerollay, vc me deixou curioso, quais são os dois atores que vc mais odeia? Mas a estreia foi bacana mesmo e o elenco, no geral, foi mt bem, com destaque pro Benício. Ele é ótimo! Não vejo semelhança na Pamela com a Chayene, mas nessa frase específica eu tb senti isso. bj

Sérgio Santos disse...

Sem problemas, Ana. Eu vi mta quimica entre Cida e Lano, assim como vi entre Giane e Fabinho. Qd eles ficarem nessa, com certeza isso aparecerá de novo, mas tb acho que ele com Manu dará mt certo. Não concordo sobre o Humberto, mas ele tem emendado mta novela.

E a Chandelly é a namorada dele ainda. Estão juntos, acho, desde 2012. Se conheceram em Cheias de Charme.

Eu consertei o texto graças a vc que falou de The Mamas & The Papas. Eu sempre confundo com Beatles.

Bjssss

Sérgio Santos disse...

Athyne, tb gostei. E ainda tem mesmo a família do Jonas com a Sorrah que promete. A Isabelle tá mt bem vivendo um tipo totalmente diferente e o Benício ótimo. Enfim, no geral o elenco tá mt bem e os personagens são bem populares. Tb gostei da periguete e do Hassum. Vamos ver como tudo será encaminhado. Tomara que a boa impressão se mantenha.

Sérgio Santos disse...

O segundo deu 20, anônimo? Não sabia. Bem baixo mesmo.

Sérgio Santos disse...

Olá minha cara Letícia! Tb gostei desses dois primeiros caps. A trama parece bem boa e o elenco está mt bem, principalmente Benício. E realmente o excesso de repetição causa um déjà vu, não tem como. E vamos ver como tudo será desenvolvido.

A reta final de Além do Horizonte foi ótima e empolgante. Eu gostei e mt. Bjs e ótima semana!

Barbie Californiana disse...

Queria ter visto, Sérgio, mas não deu. :( beijinhos

Carlos disse...

Adorei a novela legal, divertida só falta entrar a família pobre do Jonas Marra, que vão arrasar na novela, e o núcleo da Aracy Balabania, ainda bem que a esmagadora maioria das pessoas descobriram todo o talento e carisma do Humberto Carrao,mas ainda tem gente que ainda nao sabe o que é talento ou nao,ainda bem que sao poucas. ele estava maravilhoso e sambando na cara de quem nao gosta dele

Luma Rosa disse...

Oi, Sérgio!
Me diverti nos dois primeiros capítulos e algumas cenas foram muito engraçadas, como a do carro que não obedecia o comando de voz e a perseguição que se sucedeu. Depois o modo de andar do Jonas Marra no autódromo. Alguns detalhes dessa novela são diferenciados e estou achando bacana a construção dos personagens. Até mesmo o sotaque que você achou forçado, tenho uma explicação para tal, afinal, era preciso diferenciar os brasileiros dos não brasileiros. O único personagem que não engoli foi o tal repórter, esse sim, muito caricato.
Um dos ramos do meu trabalho é o desenvolvimento tecnológico e esse também é um dos motivos de saber o que a massa espera e a pesquisa feita para a ambientação da novela, não é exagerada, como li por aí. A tecnologia do invisível logo estará em nossas casas - Você viu a foto que postei no "Luz" de uma sala que aparentemente tem uma vista muito bonita de montanhas e mar? Essa paisagem não existe, ela foi "reproduzida", assim como será possível mudar a paisagem. A moça dançando é uma reprodução em vídeo, mas também capta sinais de tv. Daqui para frente poderemos misturar a realidade virtual com a nossa realidade real e, como mostra a nova temática dos telejornais globais, posso adiante convidar amigos para uma festa e eles não precisarão sair de casa e estarão reproduzidos no "vidro" daquela sala.
Antes de saber das especulações sobre os personagens, imaginei que o Davi iria fazer par romântico com a Megan - Pois ele aparentemente é órfão e a Megan é enteada do Jonas. Parece que Jonas também teve um romance interrompido no passado... Quem sabe Davi não seja filho dele? O império não sairia das mãos da família e a sucessão por um presidente mais jovem estaria resolvida. Confabulações não somente minha, veja a página no facebook que vi agora a pouco https://www.facebook.com/daviemegan
Ah, sabe o personagem que mais gostei e que você não falou sobre ele? O Golden Retriever que só me faz sentir saudades do meu cão que partiu :( hahaha ontem ele estava ajudando na faxina. As crianças irão se amarrar se o colocarem mais em evidência.
Beijus,

Fabrício disse...

Sérgio, achei a novela boa mas nada além disso. O segundo capítulo, por exemplo, foi bem mais chatinho. Mas acho que será uma produção agradável e legal. Mas nada de espetacular.

E, Sérgio, não sei se você concorda comigo, mas a dificuldade que as novelas da Globo estão tendo para alcançar uma média até considerada aceitável apenas reforça o quanto que Amor À Vida fez um grande sucesso. Ela ter conseguido os índices que conseguiu e a repercussão que alcançou em uma fase tão desesperadora pra Globo foi um feito e tanto, não? Abraço!

Anônimo disse...

Sérgio, vc confundiu com Beatles pq eles gravaram uma versão de Califórnia também.

Sérgio Santos disse...

Tudo bem, Barbie. bj

Sérgio Santos disse...

Vc gostou mesmo, hein Luma? Mas tá bem legal de fato. Sobre o sotaque, aí é que tá, eles não são americanos, são brasileiros. O Jonas foi morar lá fora justamente por causa de seu projeto bem sucedido.

O Davi é filho do Jonas mesmo, isso tá quase óbvio. E claro que o império irá pra ele, mas os embates com o pai serão bem interessantes. O par principal é ele e Manu, mas Megan fará um trio amoroso. Aprovo os dois casais.

O cachorro é lindo mesmo, concordo com vc. E quando a gente perde sente a dor da perda. É verdade, a tecnologia está cada vez mais avançada. Nada mais parece absurdo. bjssss

Sérgio Santos disse...

Fabrício, tb não tô achando espetacular, mas tô gostando bastante. Não achei o segundo cap chato, sinceramente.

E claro que concordo com vc. É verdade, todas essas dificuldades que as novelas estão enfrentando na audiência e as que já acabaram recentemente tb enfrentaram só comprovam o quanto que Amor à Vida foi bem sucedida, tanto nos índices quanto na repercussão do público. Abraço.

Sérgio Santos disse...

Pois é, anônimo, eu me confundo sempre.

Anônimo disse...

Estou muito animada com Geração Brasil, o elenco é afinadíssimo e a competência dos autores dispensa maiores comentários. Estou na torcida para que GB seja mais um sucesso e que coloque Fillipe e Izabel de vez no Castin da Rede Globo. Bjs, Sérgio

Sérgio Santos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Sérgio Santos disse...

Anônimo, eu acho que independente disso, os autores já estão bem cotados na emissora e não correm riscos. bj

Filha do Rei disse...

Sérgio, gostei da estreia e dos capítulos que estão no ar.É uma novela dinâmica, com personagens interessantes. Espero que não se percam. Bjs

Sérgio Santos disse...

Tb torço para que não se percam, Cléu. Por enquanto eu gosto, mas não acho nada de incrível. Bjssss

Luma Rosa disse...

Então, estou entendendo errado. Para mim, apenas o Jonas é brasileiro e sua esposa, enteada e sogro são americanos e apenas a mãe da esposa era brasileira. Não é isso?

Sérgio Santos disse...

Luma, a Pâmela é americana mesmo, assim como o pai, mas a Megan como foi criada tb pelo Jonas não deveria ser tão forçada no sotaque. E eu tinha certeza que Brian e a mãe eram brasileiros, mas posso estar enganado pq não tenho certeza ainda, confesso. Bjssss

Sérgio Santos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

bom, eu adorei a novela. pra inicio de conversa n ligo pra o que os outros dizem, pouco me importo gostei e sim, vou assistir.

Sérgio Santos disse...

Ok, anônimo.