quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Érico e Verônica e Wilson e Charlene: os casais coadjuvantes que emocionaram em "Sangue Bom"

"Sangue Bom" apresentou um sexteto central que formou três casais, havendo algumas trocas ao longo da novela. E o relacionamento dos seis resultou em ótimas cenas, todas tendo Amora (Sophie Charlotte) como foco principal. Entretanto, dois casais coadjuvantes também ocasionaram bons conflitos e contaram lindas histórias. Vide Érico (Armando Babaioff) e Verônica (Letícia Sabatella), e Wilson (Marco Ricca) e Charlene (Mayana Neiva).


Wilson virou um sujeito amargurado e infeliz desde que sua esposa faleceu e costumava tratar todas as pessoas com extrema frieza. O início de sua relação com Charlene, como já era de se supor, foi recheada de conflitos e brigas. Sobrava até para o filho adotivo dela, que era destratado pelo empresário. Mas com o tempo e entre idas e vindas, o casal foi ficando cada vez mais próximo. Até o momento em que ela virou a grande 'salvação' do dono do Kim Park.

Charlene acabou sendo a grande responsável pela retomada da vida de Wilson, que passou a sorrir e voltou a sentir vontade de viver, como na época em que estava apaixonado pela filha de Glória (Yoná Magalhães).
Marco Ricca soube mostrar absolutamente todas as facetas desse excelente personagem e sua química com Mayana Neiva, uma ótima atriz e que convenceu desde o início, foi nítida.

Já Érico e Verônica viveram um relacionamento que começou através de uma mentira. Após sofrer uma dura traição de sua noiva (Renata - Regiane Alves), o personagem mais íntegro e justo de "Sangue Bom" acabou conhecendo Palmira Valente, personagem criada pela ex de Natan (Bruno Garcia) para fugir dos problemas e conseguir se apresentar no 'Cantaí' sem medo de ser julgada. Ele se apaixonou perdidamente pela cantora e foi correspondido. Depois que descobriu a verdadeira identidade dela, o filho de Gilson (Daniel Dantas) se decepcionou mas acabou perdoando depois de um tempo separados.

No entanto, um grave acidente de carro fez com que Érico passasse a sofrer de um transtorno de personalidade. O personagem que antes era compreensível e amável, se transformou em uma pessoa arrogante, cruel e muitas vezes sarcástica. Ele acabou atacando todos que o cercavam, incluindo os amigos que lhe queriam bem e os 'inimigos' responsáveis pelo seu sofrimento. Mas seu principal alvo foi Verônica. Renata acabou sendo a arma para magoar a mãe de Maurício (Jayme Matarazzo), uma vez que Érico reiniciou o namoro que havia terminado após flagrá-la com Tito (Rômulo Arantes Neto).

Porém, o sentimento e sua personalidade admirável falaram mais alto. O rapaz desistiu de lutar contra o amor que sempre sentiu e voltou a se encantar com Verônica ao vê-la no palco cantando, só que dessa vez se mostrando como é, enterrando a Palmira de vez. E vale destacar a tocante cena em que Renata termina tudo com Érico e o deixa livre para viver com a 'rival'. Armando Babaioff e Regiane Alves emocionaram e mostraram que a parceria cênica que tiveram foi um dos muitos acertos dessa novela. Mas o que Armando teve de sintonia com Regiane, teve de química com Letícia Sabatella. O casal encantou assim que foi formado e não foi difícil despertar a simpatia do telespectador. Érico e Verônica são diferentes mas se completam.

Armando foi crescendo cada vez mais na história e teve mérito para isso. Letícia, embora tenha interpretado mais uma personagem boazinha e que dá bons conselhos para os outros, conseguiu emocionar em todas as cenas de Verônica, incluindo as vezes em que cantou vestida de Palmira Valente, enriquecendo a novela com sua linda voz.
Marco Ricca sempre foi um grande ator e é uma figura fácil nas obras de Maria Adelaide Amaral. O ator conseguiu despertar raiva nas cenas em que Wilson destratava as pessoas e arrancou lágrimas quando Wilson lembrava de sua esposa. Vale destacar a sequência em que o duro empresário ganhou um abraço de seu filho (Bento), que foi o melhor momento protagonizado por ele na trama. Já Mayana Neiva não teve o destaque que merecia, mas fez bonito e sua parceria com Marco foi ótima.

Em meio aos pares formados a partir do sexteto central ----- Amora (Sophie Charlotte) e Bento (Marco Pigossi), Malu (Fernanda Vasconcellos) e Maurício (Jayme Matarazzo), Giane (Isabelle Drummond) e Fabinho (Humberto Carrão) ----, incluindo ainda o divertido par composto por Lucindo (Joaquim Lopes) e Damáris (Marisa Orth), pode-se dizer que Wilson e Charlene, e Érico e Verônica também conseguiram se sobressair na história e conquistaram o público; mostrando que Maria Adelaide Amaral e Vincent Villari acertaram na criação desses dois lindos casais, interpretados por quatro atores que, embora tenham sido coadjuvantes, valorizaram cada cena que foi ao ar.

50 comentários:

Lucas disse...

Bom dia, Sérgio


Muito legal esse seu posto. Gosto de Charlene e Wilson, mas não curto Verônica e Érico. De qualquer forma é inegável a química entre a Sabatela e Babaioff. Eu gosto dos coadjuvantes cômicos como Damáris, Tina, Barbara Ellen e Lucindo. Já dos coadjuvantes dramáticos eu curto o Wilson, a Dona Gloria e Irene. Acho que esses três foram os que mais me emocionaram. Yoná, Debora e Ricca tiveram cenas muito tocantes. O restante para mim poderia simplesmente desaparecer porque são bem inúteis. kkkkkkkkkk. Abraços

MICHELE OLIVEIRA disse...

Gostei da forma como a relação do Wilson e da Charlene se desenvolveu pois foi doce e verdadeira, ela trouxe para a vida dele a leveza que ele perdeu quando a Lívia morreu.Já Verônica e Erico, apesar de inicialmente gostar deles,acho que o romance perdeu o brilho com esse acidente dele e mudança de personalidade. Enfim,gostei muito da novela e acho sim que coadjuvantes tem direito a ter destaque, mas infelizmente alguns tiveram mais destaque que os protagonistas. Exemplo é o Felipinho que teve muito mais chances de aparecer em cena com história própria (que ninguém queria ver) do que o Mauricio, por exemplo.

MICHELE OLIVEIRA disse...

Sérgio, li no post anterior seus comentário sobre Bento e Amora terminarem sozinho,com a possibilidade de uma reconciliação.Acho que isso seria coerente já que ele ficou em função dela a novela inteira e o amor dela, mesmo torto,sempre foi verdadeiro.Mas também seria coerente os dois sozinhos, com a possibilidade de seguirem caminhos separados. Uma despedida sincera, que deixasse em aberto as duas possibilidades, seria ideal. Não sei se você assistiu Vidas em Jogo, mas foi o que aconteceu com Patricia e Francisco. Ela teve uma trajetória de maldades pior que a Amora, mas uma redenção linda e coerente. Francisco, assim como Bento,era voluvel..Amava Patricia, depois amava Rita , mas não se desligava da Patricia (tá certo que tinha o filho dos dois no meio)e depois, ao descobrir que a Rita não era quem pensava, amava Patricia imediatamente. Mas numa cena linda, a Patricia liberta o Francisco e manda ele ser feliz. Na cena final, depois de acharem que ele e os amigos morreram,ela se joga nos braços dele , emocionada...Mas fica a dúvida, se eles continuariam juntos ou se era só a emoção do momento..

Fábio Coutinho disse...

Concordo com tudo que você disse Sérgio, eles realmente formaram um ótimo casal.Mas a Charlene nessa reta final está muito apagada, mas a Mayana Neiva não fez feio em cena, atuou muito bem.Mas achei o Érico um tanto confuso, de não saber se decidir, primeiro ele pede a Renata em casamento e vendo que ela recusou, correu atrás da Verônica.Acho que falta mais atitude do personagem de saber o que quer e acho que ele terminando sozinho seria justo.

Pamela Sensato disse...

Ah é uma pena que está acabando a novela viu...gosto tanto ;)
Esse Érico me irrita de um tanto não queria que a Verônica ficasse com ele kkkkkk

-Resenha nova no blog hoje confira lá ;)

Beijoss *-*

==> Blog Resenhas da Pâm

Rebecca disse...

Concordo em quase tudo que você falou. A sintonia do Babaioff com a Regiane Alves E a Sabatella foi nítida. A escolha dos três para viver o triângulo, que apesar da insistência dos autores em tentar mante-lo se dissolveu a partir do momento que Érico e Verônica se apaixonaram, foi certeira. Os três protagonizaram cenas emocionantes e brilharam em todas. A química com a Sabatella, além da sintonia, é indiscutível. Formaram um lindo casal. Acho que os autores se perderam com a história,mas não consigo parar de torcer para que eles terminem juntos.
A única coisa que discordo é sobre Érico e Verônica serem diferentes, nossa, os acho tão parecidos. Em tudo. haha.
Excelente post.

A Viajante disse...

Justo... mas fiquei com peninha de Renata... gosto da história dos dois, também... beijo!

Lulu on the Sky disse...

Gostei mais do casal Érico e Verônica e torço para que fiquem juntos. Nada haver ele com a Renata. Faltou quimica.
Ótimo dia pra vc!
Big Beijos
Lulu on the sky

Elvira Akchourin do Nascimento disse...

Sérgio, como já escrevi antes, gostei da redenção do Wilson por meio do amor pela Charlene. As cenas da reconciliação dele com o Bento foram emocionantes.
Também achei grande a química entre Érico e Verônica e muito bonita a cena em que Renata o deixa livre e parte para novos rumos.
Palmas para Marco Rica e Mayana Neiva, Letícia Sabatella (que voz linda!) e Armando Babaioff. Regiane Alves também convenceu.

Elvira Akchourin do Nascimento disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Melina disse...

Sérgio, meu querido, mais um texto ótimo! Concordo com tudo e só tenho críticas a fazer ao Érico. O personagem era lindo mas aquele acidente imitando o que aconteceu com o personagem do Luis Melo em Amor À Vida prejudicou o papel. Ficou cansativo e o casal acabou perdendo o charme. Torço para que eles fiquem juntos mas não com o mesmo entusiasmo que tinha antes.

Wilson e Charlene formaram um lindo casal. Mas Mayana não foi valorizada.

Sérgio, fugindo do assunto, você lei o Jornal Extra hoje? Tem uma ótima matéria sobre Sangue Bom com os autores dizendo que Amora foi a grande protagonista da novela. E, dessa parte você vai gostar ainda mais, a Maria Adelaide Amaral disse que a novela foi um divisor de águas para Sophie Charlotte, Humberto Carrão e Isabelle Drummond. Os três protagonistas que você mais gosta, o que só mostra mais uma vez o quanto que tu é coerente.

E o jornal fez um balanço dos prós e contras. Na parte negativa criticam a Fernanda Vasconcellos vivendo mais uma mocinha justiceira. Nem preciso dizer que eu concordei! Um beijo!

Melina disse...

*leu

Amanda disse...

Os dois casais conseguiram crescer e merecidamente. Foram lindos casais. Mas concordo com a MICHELE sobre Felipinho. Foi um personagem desnecessário, irritante e que teve mais destaque do que muito personagem bom e o Maurício é um exemplo.

MARILENE disse...

Esses dois casais deram vida à trama. A trajetória de vida de Wilson, sua tristeza e rancor, sua reabertura para o amor, através de Charlene, foi tudo sincronizado e belo.
O interesse de Verônica por Erico, simples e transparente, também apresentou cenas lindas. Houve um período chato, onde ele se comportou de forma nada coerente, independente do acidente. Parece-me, no entanto, que voltará a ser o mesmo, no final. Bjs.

Nati Caetano disse...

Boa tarde Sergio

A trama envolvida nesta novela é fascinante, existem novelas que hoje retrata acontecimentos da vida real, isso é muito bom.

Gostei do seu blog.
Abraços
Nati

Milene Lima disse...

Érico e Verônica são lindos demais juntos. Eles falam pelo olhar, transbordam amor, é fascinante. A melhor coisa da novela, pra mim, entre tantas coisas lindas.

Um beijo, Sérgio.

Kellen Bittencourt ( Trilhamarupiara) disse...

Olá amigo, entre os dois casais eu gostei e acompanhei mais o Erico e da Veronica! A Leticia está ótima, o tempo não passa p ela! Abraçoss

Maria Lúcia Gromann disse...

Oi Sérgio
Nossa mas uma crítica perfeita. Esse seu blog é um primor.

Eu adoro o casal Érico e Verônica, além dos atores terem muita química, a história em si é emocionante. O Casal Wilson e Charlene, eu achei bonito apesar das poucas aparições atualmente. Essa novela é emocionante, não me canso de rever a cena em que Bento da um tapa em Amora e a cena da morte da Simone.

Kaká disse...

Sérgio, que bom que você resolveu postar esse texto abordando esses lindos casais. Adoro os dois, principalmente o formado por Wilson e Charlene. A parceria dos dois foi perfeita. Sempre admirei o Marco Ricca, e acho que ele arrasou nesse papel, mostrando todas as facetas do seu personagem, muito bem construído por sinal. Aliás, adorei as cenas dele com o Bento nessa reta final. Ele e o Pigossi formam uma boa dupla. Enfim, adorei toda a história dele e a sua conversão de um cara chato e amargo em um homem feliz, capaz de atitudes doces, sem esquecer que a Charlene foi fundamental para isso. Parabéns aos quatro atores e obrigado aos autores por terem acertado nesta parte da novela.

Anônimo disse...

Essa novela flopou total, esquecível. Pra variar, aqui no blog fez sucesso(e só aqui).

Paty Michele disse...

Olá Sérgio
olha eu comecei adorando essa novela, mas depois fui esfriando... até deixar de ver. Mas final de novela eu sempre assisto e amanhã não perco por nada. Adorei a Verônica com o Érico, quanta química!

Um bjo, querido.

Sérgio Santos disse...

Obrigado, Lucas! Eu sempre gostei de Érico e Verônica. E eu também me divirto com esses personagens que vc mencionou, mas a Tina teve algumas fases bem cansativas. Mas Glória, Irene e Wilson emocionaram mesmo. Abraços.

Sérgio Santos disse...

Oi Michele, eu também acho que a relação de Wilson com Charlene foi muito bonita. E concordo que o acidente do Érico foi desnecessário. Acho que poderia tê-lo colocado de saco cheio mesmo de ser bonzinho mas não usando esse artifício do transtorno. E acho que demoraram demais para voltá-lo ao 'normal'. Poderia ao menos ter sido na semana passada.

Eu creio que o final deles será essa volta implícita. Até porque já ficou bem claro na novela que ele jamais se afastará dela. E qual mulher suportaria isso? Eu não vi Vidas em Jogo, então não tenho como opinar, mas interessante saber que houve uma situação parecida. Bjsssss

Sérgio Santos disse...

Fábio, na verdade a Mayana ficou apagada ao longo da novela. Uma pena. Mas ela não fez feio e o par com Wilson foi bonito. Realmente essa fase confusa do Érico deu uma cansada e acho que demoraram demais para transformá-lo de volta naquele bom e velho Érico. Mas ainda assim queria vê-lo com Verônica. Abçs.

Sérgio Santos disse...

Pamela, o Érico era o meu personagem masculino preferido na novela depois do Fabinho. Mas depois desse transtorno ele ficou babaca. bj

Sérgio Santos disse...

Muito obrigado, Rebecca. Armando cresceu merecidamente na novela e a parceria dele com Regiane era tão boa quanto com Letícia. Foi um festival de cenas emocionantes e bem interpretadas. Também acho que houve uma perda de rumo nesse romance dele com Verônica mas também não consegui deixar de torcer por eles.

Eu acho eles diferentes: ele pragmático, 'conformado' e até sério demais às vezes. Ela lúdica, idealizadora, serena... Mas claro que são parecidos também, na lealdade, na integridade, enfim. Bjs

Sérgio Santos disse...

Oi Ju. Mas a Renata acabou pagando pelos erros que cometeu. E o fim dela nem foi triste... rs Bjsss

Sérgio Santos disse...

Obrigado pelo comentário, Lulu. Bjs e boa sexta!

Sérgio Santos disse...

Elvira, a cena da reconciliação do Wilson com Bento foi linda mesmo, assim como a relação dele com Charlene. E todos os atores foram muito bem e emocionaram. A Letícia tem uma voz linda mesmo e a Regiane teve uma ótima parceria com o Armando. Bjs

Sérgio Santos disse...

Melina, muito obrigado. E realmente o Érico teve uma condução um pouco errada.

Sim, eu li e gostei muito. Sophie foi a grande figura da novela e carregou a trama. Isabelle e Humberto encantaram e formaram um casal apaixonante. Justo os autores citarem os três e não nego que adorei porque sempre foram os meus preferidos.

Sobre os pontos fracos, concordei com a matéria sobre algumas situações vividas pela Tina, mas discordei sobre Marisa Orth pq a achei excelente. Já sobre a Fernanda viver mais um tipo parecido, realmente não tinha como negar, mas não considero isso um ponto fraco como a matéria considerou. Enfim. Bjs

Sérgio Santos disse...

Amanda, eu também concordo com a Michele. O Felipinho foi um personagem irritante e teve mais destaque do que merecia. Focaram muito tempo nele com aquelas bobagens de Famosinho da Casa Verde e deixaram outros atores sem boas cenas. Maurício é um bom exemplo, e cito também Louise Cardoso, Norival Rizzo, enfim. Bjs

Sérgio Santos disse...

É verdade, Marilene. Alguns até poderiam considerar Wilson um vilão de uma forma simplista, não vendo o rancor que ele carregava. E o casal foi mt bonito. O mesmo vale pra dupla Erico e Verônica. Olha, espero que o bom e velho Érico volte e está voltando mesmo. Bjs

Sérgio Santos disse...

Obrigado, Nati. bjsss

Sérgio Santos disse...

Milene, o casal é lindo mesmo e a troca de olhares diz tudo. Bjsss

Sérgio Santos disse...

É mesmo, Kellen, Letícia não envelhece. Mesma fórmula da Paula Toller, Flávia Alessandra, enfim... bj

Sérgio Santos disse...

Maria Lúcia, obrigado pelo carinho. bjs

Sérgio Santos disse...

Kaká, confesso que esse post eu fiz porque insistiram muito. Eu ia encerrar meus posts sobre a novela com o texto dos casais do sexteto, sem, claro, deixar de escrever o saldo final. Mas acabei citando também esses dois casais. E foram ótimos mesmo. Marco fez uma excelente composição e o personagem dele foi muito interessante. Os quatro tb foram responsáveis pelos pontos positivos da trama. Abraços.

Sérgio Santos disse...

Não foi só aqui, não, anônimo. Mas realmente não foi um sucesso de ibope, pelo contrário, ficou devendo e muito. Mas não deixo de elogiar uma trama onde vejo qualidades de sobra por causa de números.

Sérgio Santos disse...

Jura, Paty? Justo vc que gostava tanto. Obrigado pelo comentário. Bjsss

Sérgio Santos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Thallys Bruno Almeida disse...

Pelo menos uma coisa que a gente concorda em Sangue Bom...

Primeiro, Érico e Verônica. Um par emocionante, onde Érico inicialmente sofreu pela dor de saber que Renata o traiu covardemente com o Tito. Depois, a demissão da agência do Natan graças ao Fabinho e seu recomeço. E ela com o sofrimento de ter sido traída por ele com a Bárbara Ellen e, mais tarde, dando vazão ao sonho de cantar, que guardava oculto por sentir que o ex-marido não a apoiava, ainda que através de um alter-ego (Palmira Valente). Depois, a mudança de personalidade provocada pelo traumatismo do acidente, que fez o outrora melhor mocinho da trama também virar um babaca, apesar dos merecidos socos em Natan e Tito. Emoção pura em cada sequência, química intensa, cenas tocantes, trilha perfeita. Valeu pela Letícia demonstrar essa veia para o canto (numa voz belíssima) além daquele visual mais insinuante da Palmira. E, em tempos de tantos Caio Castro e Cauã Reymond, Armando conseguiu mostrar que há esperança de termos bons atores jovens no Brasil. Tomara que ele faça um protagonista rápido.

Depois, Charlene e Wilson. Uma relação que começou tensa, mas que o fez retomar a alegria de viver, mesmo com as loucas tentativas de Damaris de separá-los ao tentar atrapalhar o processo de adoção de Pedrinho por parte dela. Ficou visível o quanto Wilson se sentiu culpado pelos devaneios da ex e fazia tudo pra reconquistar a jovem. Ficou visível o quanto os dois formavam outro belo par. Fico feliz que a MAA dessa vez tenha dado um papel de verdade ao Marco, após ele não ter tido muita sorte com o Gino em TiTiTi (antes do épico Samir d'O Astro 2011).

Duas lindas mulheres (Mayana Neiva e Letícia Sabatella), dois ótimos atores de diferentes gerações, dois casais coadjuvantes que emocionaram. Vão fazer falta. Abç!

Thallys Bruno Almeida disse...

PS: retiro a primeira frase do meu comment.

Vanessa disse...

Sérgio, meu querido,
E lá se foi a nossa novela amada. O que ver a partir de agora? rs. Por um lado, é sempre estranho esse sentimento de vazio. Por outro, é uma delícia ganhar algumas horas do seu dia. :)

Sobre os casais... O meu preferido sempre foi Érico e Verônica. A história deles foi linda desde o começo. Um se apoiou no outro em meio a tantas decepções. E foi bonito ver como deste amor eles se transformaram, realizaram sonhos. Achei uma pena apenas a MAA e o VV inventarem o tal transtorno para afastar o casal. Este tipo de situação, pelo menos a mim, soa tão falso. Seria tão mais crível uma dúvida do Érico em relação à Verônica, afinal ele se apaixonou pela Palmira, a dificuldade em se relacionar com uma mulher já bem-resolvida, mais madura, e ela em estar com o amigo do filho, etc. Enfim, havia possibilidades mais convincentes.

De qualquer forma, a relação deles foi bonita de acompanhar. Os diálogos também estiveram incríveis. Aliás, o texto foi, pra mim, um dos grandes trunfos de "SB".

Os atores também estiveram inspiradíssimos. Não conhecia muito bem o trabalho do Armando, mas só com o Érico ele já virou um dos meus atores preferidos. Já a Letícia nunca me chamou muito a atenção. Talvez por esse ar meigo demais... Pra mim, seu melhor trabalho era até então o de "A Muralha". Mas em "SB" ela também ganhou td a minha admiração, e, se vier se apresentar em SP um dia como cantora, certamente irei ao show. Vi no Youtube que ela tem gravações lindas.

A Regiane Alves também só confirmou que é uma atrizaça. A cena do término da Renata com o Érico foi de babar. Só lamento que ela nunca mais tenha sido convidada para grandes papeis.

Bom, era isso.

Beijão,

Vanessa

Carlos disse...

O que achou do pessoal de Sangue Bom no Mais Voce?

Sérgio Santos disse...

Ainda bem que vc retirou a primeira frase, Thallys, mas os casais foram muito bonitos e os personagens também. Pena que a Mayana não se destacou. Também achei que Marco agora ganhou um bom personagem da Maria Adelaide pq o Gino ficou apagado. E Letícia encantou com sua bela voz mesmo. Já Armando merece e precisa ser mais valorizado. Abraços.

Sérgio Santos disse...

Vanessa, agora fica aquele vazio mesmo que demora a passar. E o texto era mesmo um dos grandes trunfos da novela.

Também achei que o transtorno não foi uma boa solução e atrapalhou a boa condução do casal. Se o Érico mudasse de propósito seria mais interessante. Afinal, ele tomou tanta porrada sendo bonzinho que era até aceitável ele se revoltar e virar um escroto por um tempo.

A Letícia é uma boa atriz mas acho que já chega desse tipos bondosos e conselheiros dela. Apesar de não ter convencido muito como vilã em Caminho das Indias, ela já mostrou que tem capacidade pra outros tipos. A prova foi a Palmira, que pra mim era muito mais interessante que a Verônica.

Armando é ótimo mesmo e a Regiane é uma baita atriz. Que seja feliz agora com o filho que tá vindo. Beijão!!!!

Sérgio Santos disse...

Achei ótimo. Os seis e o Dennis muito entrosados e realizados pelo bom trabalho apresentado. O momento mais bonito foi a Isabelle e a Sophie chorando quando tocava De janeiro a janeiro.

Filha do Rei disse...

O Érico e a Verônica me encantaram, também concordo com um dos comentários de que a mudança de Érico quebrou algo,um pouco o encanto.Mas,depois acabou td bem.Armando Babaioff é talentoso e a Letícia tem demonstrado talento a um bom tempo.

Sérgio Santos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Sérgio Santos disse...

O casal foi encantador mesmo, Cléu. E o final muito bonito. Bjsss