sexta-feira, 30 de agosto de 2013

Sequestro de Paulinha destaca núcleo central, proporciona ótimas cenas e movimenta "Amor à Vida"

Antes mesmo de "Amor à Vida" estrear, foi noticiado que o autor faria uma espécie de rodízio de núcleos, onde cada uma das respectivas tramas teria destaque e um bom desenvolvimento a cada semana ou mês. Por enquanto essa premissa tem sido mantida. Após vários capítulos tendo todos os holofotes voltados para Félix (Mateus Solano) e César (Antônio Fagundes) ---- quando o vilão tem sua homossexualidade exposta ----, e com uma semana dedicada ao drama de Nicole (Marina Ruy Barbosa), a história envolvendo o casal protagonista voltou a ter o destaque que tinha nas primeiras semanas de novela graças ao sequestro de Paulinha (Klara Castanho).


Félix tramou o rapto da sobrinha para se livrar novamente da garota e convenceu Ninho (Juliano Cazarré) a executar o plano com o pretexto de se aproximar da filha e ainda trazer a Paloma (Paolla Oliveira) para junto dele. Já Alejandra (Maria Maya) topou fazer parte do esquema por dinheiro. Para o telespectador que vê pouco a novela, o sequestro pode ter parecido sem propósito, no entanto, a situação não fica nada forçada ao levar em consideração as 'viagens surreais' do rival de Bruno (Malvino Salvador) e o mau-caratismo de sua comparsa, que nunca foi confiável.

O sequestrou movimentou ainda mais a novela, que conseguiu prender a atenção do telespectador, o que resultou em uma excelente audiência. As sequências envolvendo os personagens dessa trama foram muito bem produzidas, dirigidas e interpretadas. E os atores do núcleo aproveitaram a chance para se sobressair. Ou seja, ficou perceptível o
cuidado que o autor, o elenco e a produção de "Amor à Vida" tiveram para colocar as cenas no ar.

Enquanto Paulinha ficou presa no cativeiro, Klara Castanho pôde mostrar o quanto que está entregue à personagem, que já merece ser considerada a melhor de sua ainda curta carreira. A atriz-mirim protagonizou excelentes embates com Maria Maya e chegou a emocionar ao lado de Juliano Cazarré. Aliás, os dois atores também cresceram na trama e fizeram ótimas cenas. Outra atriz que também teve a oportunidade de se destacar foi Neusa Maria Faro, um dos xodós de Walcyr Carrasco. Ciça foi uma grande aliada de Paulinha, cuidou da menina e ganhou um merecido destaque na história. A enfermeira ainda foi jogada de um penhasco pela vilã, mas acabou se salvando graças a um pescador que a levou para o hospital. Foram sequências fortes e bem realizadas.

Na última semana, foi a vez de Paolla Oliveira e Malvino Salvador se destacarem. Após a ótima cena onde Alejandra contrata dublês para enganar a polícia (uma situação criativa proposta pelo autor, que acabou deixando tudo mais verossímil), o casal se desesperou e resolveu ir atrás da filha viajando para o Peru. Todos os momentos foram marcados pela tensão, impulsionada pela trilha de fundo que proporcionou o clima de suspense.

Antes do embate entre os mocinhos e os sequestradores, houve uma reconciliação. Bruno e Paloma protagonizaram uma linda cena e acabaram transando. Mais uma vez a química do casal ficou explícita e o momento de entrega foi de muito bom gosto. Já as sequências envolvendo o resgate da Paulinha proporcionou clássicas brigas que sempre costumam lavar a alma do telespectador. Bruno espancou Ninho e Paloma estapeou Alejandra. O quarteto convenceu e a pancadaria ficou bem realista. Paolla Oliveira, Juliano Cazarré, Maria Maya, Malvino Salvador e Klara Castanho encararam difíceis cenas e brilharam. Palmas também para a direção que foi mais uma vez impecável e, claro, para o autor que conseguiu escrever uma sequência repleta de ação. Vale destacar ainda o momento em que Paloma ameaça jogar Alejandra do penhasco, mas desiste e a 'salva'.
O sequestro terminou com Bruno pedindo Paloma em casamento. O mais tradicional clichê da teledramaturgia, que nem por isso enfraqueceu a bela cena protagonizada pelos atores.

O rapto de Paulinha movimentou as últimas semanas de "Amor à Vida" e ainda voltou a colocar o núcleo central como ponto de destaque da história. Os números de audiência têm correspondido: a novela repetiu seu recorde semanal, obtendo 37 pontos de média geral, e alcançou 41 pontos no capítulo da última segunda-feira (26/08) em São Paulo. São índices cada vez mais animadores e muito merecidos. Walcyr Carrasco está conseguindo fugir (ao menos por enquanto) de qualquer tipo de enrolação e se mostra cada vez mais inspirado na condução de sua obra. E, por tudo o que tem sido divulgado na mídia especializada, o término do sequestro será apenas o início de outra reviravolta na trama. O telespectador agradece.

42 comentários:

Filha do Rei disse...

Realmente, as cenas foram cuidadas:direção,fotografia,atores.Valeu a pena assistir.

✿ chica disse...

Noooossa foram cenas fortes, bem feitas, reais, que me deixaram com taquicardia.Sério! abração, lindo fds! chica

Clau disse...

Bom dia Sérgio :)
Vejo cenas de Amor a Vida raríssimas vezes,então entendi melhor o motivo do sequestro da Paulinha,lendo esse post.
Bom fim de semana!
bjs!

Vera Lúcia disse...


Olá Sérgio,

As cenas do capítulo de ontem foram mesmo muito bem trabalhadas. Estou gostando muito da rapidez com que os fatos acontecem. Isto torna a trama mais interessante.
Diante de sua explicação inicial pude entender a razão de alguns núcleos ficarem 'apagados' de vez em quando. Em contrapartida, percebo que o Autor não abre mão de dar destaque à Valdirene e a Márcia, que praticamente estão presentes em todos os capítulos.

Enfim, as cenas envolvendo o resgate da Paulinha foram regadas a suspense e refletiram o talento de todos os envolvidos, até do Juliano Cazarré, que representa Ninho, que sempre achei sem brilho na novela.

Excelente final de semana.

Abraço.

Felisberto Junior disse...

Olá!Bom dia
Sérgio
Bela análise, como sempre!
Se a trama central não andar pra frente com esse sequestro, Walcyr vai ter que repensar a novela.Digo isso,porque , Na minha opinião, as tramas paralelas já estão meio perdidas e chatas.Talvez, somente a "risadaria" e agora o "drama" da Valdirene, me interessam um pouco.
Obrigado pelo carinho
Belo final d semana
Abração

Demian disse...

Sérgio, concordo com tudo que vc escreveu. Gosto muito de Amor à vida... Entendo que alguns núcleos fiquem apagados durante um tempo para que outros se sobressaiam. No entanto, não consigo entender porque o autor criou tantos personagens sem história que estão apagados e sem função praticamente a novela inteira. E são personagens entregues a excelentes atores. Carolina Kasting, Vera Zimmermann, Emílio Orciolo Neto, só para citar alguns, deveriam também ter uma oportunidade de se destacarem. O autor poderia dar um tempo na relação Patrícia/Michel, já que mesmo com a entrada de Sílvia e Guto, que poderia render um bom conflito, praticamente não alterou a situação dos personagens... Poderia também dar um descanso à Perséfone, já que a história dela é sempre a mesma... Até Márcia e Valdirene, duas personagens tão queridas, cujo núcleo dá oportunidade a todos de brilharem todos os dias, poderia ficar "na geladeira" uns dias para que outros atores da novela pudessem se destacar. Mas enfim, Amor à Vida, apesar de alguns senões, continua imperdível... Abraços

Zilani Célia disse...

OI SÉRGIO!
A NOVELA CONTINUA AGRADANDO, PRINCIPALMENTE PELA AGILIDADE COM QUE É CONDUZIDA PELO AUTOR, SAINDO FORA DO NORMAL DAS NOVELAS QUE QUANDO TEM ALGO A REVELAR, FICAM SEMANAS "ENROLANDO", O QUE IRRITA BASTANTE. NESTA MESMO QUE A HISTÓRIA NÃO FOSSE BOA, O QUE NÃO É O CASO, SERIA VISTA PELAS NOVIDADES TRAZIDAS A CADA DIA.
ABRÇS
http://zilanicelia.blogspot.com.br/

eder ribeiro disse...

Sérgio, apesar de não acompanhar tdos os dias a novela, vc sabe da minha admiração pelo autor e pela direção por proporcionar uma novela movimentada e uma trama q se renova. Abçs.

Thallys Bruno Almeida disse...

Bem, Sérgio, vamo lá. rs

1 - Não resisto à comparação entre Paloma e Morena, rsrs. Bem, há que se considerar que o desenvolvimento das personagens por parte de cada autor conta bastante, mas foi muito bom ver que Paloma reconheceu as injustiças que cometeu com Bruno e seu temperamento, embora em alguns momentos passional, me aparenta que ela é uma pessoa mais ajuizada; em contrapartida à irritante Morena, que fazia uma ***** atrás da outra e ainda por cima era barraqueira e arrogante ao extremo. A defesa de Paloma em relação à sua filha foi muito mais convincente, já que ela deu a cara pra bater e se comportou como uma verdadeira guerreira em defesa da filha e sem colocá-la em risco como fez Morena, que ainda por cima ignorava a própria mãe e o filho em situações de perigo preferindo ir atrás do idiota do Theo. E ainda por cima eu não vi Walcyr Carrasco "empurrar" abaixo do público sua protagonista, como várias vezes vi Glória Perez fazer com a dela no twitter. A sensação de "aposta pessoal" de Glória em Nanda Costa me irritava muito.

2 - Paolla Oliveira mereceu essa personagem e virou em definitivo a página da Marina de IC. Desde o início vem acertando e fazendo parcerias maravilhosas com Suzana Vieira, Antônio Fagundes, Mateus Solano e Malvino Salvador (Malvino, que aliás nunca achei bom ator, surpreendentemente ótimo). Não bastasse estar mais linda e sensual do que nunca, sua entrega a personagem me cativou logo de cara e isso só fez crescer ainda mais ao longo da novela, como nas cenas do sequestro. Ela merece todos os aplausos por esse desempenho ótimo.

3 - Quando eu falo que a química entre ela e o Malvino é explosiva, não há exagero. A cena de quinta-feira foi de puro bom gosto. O desejo mostrado nos olhares dos dois, os beijos, o clima sensual, a canção de Bruno Mars sendo usada em uma cena de transa inédita (já que até ali esteve apenas em flashbacks). E mesmo nas outras cenas ao som da Paula Fernandes, a química estava ali, nítida e impressionante.

4 - Klara Castanho arrasou e fez uma parceria sensacional com a Neusa Maria Faro na primeira semana do sequestro. Ainda bem que sua Ciça não vai sair da trama. Juliano Cazarré e Maria Maya foram igualmente perfeitos.

5 - Esse rodízio de destaque de tramas tem feito bem à novela, permitindo revelações e cenas surpreendentes. Torço para que esse "rodízio" chegue aos personagens que estão mais sumidos, como a trama interreligiosa entre Pérsio/Rebeca e um novo destaque ao autismo de Linda, ambos "prejudicados" pelo excesso de Patrícia/Michel/Perséfone.

6 - Mais cenas excelentes pra Paloma virão agora em sua volta ao Brasil, onde sua felicidade estará longe de ser completa: sua prisão inusta, sem apoio da família; sua internação, contando apenas com Bernarda, Bruno e Lutero pra sair dali; e a briga com o pai após descobrir a traição dele sobre Pilar (Suzana Vieira). E tenho certeza que a Paolla vai continuar brilhando.

A trama do sequestro foi muito bem-feita, embora eu tenha preferido levemente a segunda semana, onde Bruno e Paloma viajaram ao Peru em busca da filha. E que venham mais emoções. Abç!

Rafael Barbosa disse...

Olha Sérgio, acompanho a novela todos os dias e ainda assim achei o sequestro forçado, e não é a primeira vez que vejo situações em Amor á vida, a mais perceptível no meu ponto de vista foi aquela armação da Leila. Enfim, as razões do Félix são bem claras, mas e as do Ninho e Alejandra? até então ele era um cara com um estilo e ideal de vida próprio e diferente, ele sempre delirou dentro desse estilo dele, mas daí a topar a sequestrar a filha achando que assim vai reconquistá-la e fazer Paloma voltar para ele como se nada tivesse acontecido e serem feliz para sempre, achei forçadíssimo. E no meio do sequestro ele parecia alguém com problemas mentais, ou uma criança de 5 anos. Já a Alejandra que semre foi uma pessoa esperta e misteriosa, tudo bem, ela quer dinheiro, mas porque não pediu uma quantia de cara logo pro Félix pelo serviço? ficou com aquela desculpa de gastos que estava tendo, ou porque não pediu o resgate para Paloma? achei confuso o interesse dela, no começo ela queria a Paloma fora de seu caminho porque gostava do Ninho, depois ela quis aproxima-lo dela de olho na herança de Paulinha, aí ela também caiu nessa de achar que o sequestro era a melhor saída, sendo que o Ninho sendo o pai biológico ele teria direito a menina de qualquer jeito, para ela seria mesmo interessante, Ninho e Paloma juntos viajando por aí, sem a fortuna da família? e ela virou uma assassina insana nesse sequestro. Bem, a única coisa que gostei nesse sequestro todo foi a oportunidade dos autores envolvidos se destacar com algumas grandes cenas isoladas, e aquela armação perfeitamente arquitetada da Alejandra para fugir do País, de resto achei tudo maçante e cansativo, eu consegui vibrar com esse sequestro. Na verdade estou menos empolgado com a novela, o que tem me prendido mais é a trama central, os conflitos da família Khoury, principalmente os do Félix, e o casal Valdirene e Carlito e a Márcia. As Paralelas andam chatas e não se desenvolvem e parece seguir um caminho bem diferente do que eu esperava. No meu ponto de vista, acho que a novela está longe de ser ruim, mas não a classifico como boa. Se bem que cada vez mais eu acho que não existe novela ruim, porque toda novela tem seu público, e mesmo novelas consideradas boas ou ótimas, tem muitos que não gostam, conheci várias pessoas que odiaram Avenida Brasil e Cheias de charme e outras que gostaram de Salve Jorge. Acho que o negocio é assistir o que gosta e ser feliz, dane-se a audiência, crítica e as redes-sociais, isso pode apontar possíveis falhas e acertos de uma trama, do ponto de vista técnico, mas cada um sente uma historia, personagem ou obra no geral de forma bem pessoal, cada um interpreta diferente uma trama, cada um tem seu gosto. Enfim, uma novela boa ou ruim é algo bem subjetivo. achei um absurdo esses dias um rapaz, no tópico de um grupo sobre novelas no face, que admitiu amar Amor a Vida e que tinha medo de dizer isso com medo da pressão de uma maioria que não gosta, com medo de ser considerado menos inteligente, acho isso lamentável.

Abraços

Rafael Barbosa disse...

ops, onde escrevi "Autores" leia-se atores hahahaha.

MARILENE disse...

Você fez uma excelente análise. As cenas foram bem feitas e convincentes. Aquela do aeroporto, com um casal parecido, foi um disfarce criativo e perfeito. A trama se desenvolve rapidamente e sempre temos caminhos novos. Bjs.

Van disse...

Oi Sergio

Haja criatividade! Fico boba como esta novela não para de dar reviravoltas, nada é o que faz parecer que será até o final. Nunca vi uma novela tão dinâmica.

Beijos

Milene Lima disse...

Eu também gostei muito das cenas. Me rendo à Paola Oliveira, a danada me fez queimar a língua crítica e me convenceu demais naquelas cenas. Mas quem sobrou mesmo, entre todos os envolvidos, foi a Klara Castanho. Que guria talentosa! A cena dela e o Ninho hoje foi muito emocionante.
Por que o Walcyr Carrasco desistiu de matar o César? Que pouxa,viu! Tô garrando uma ojeriza no Antônio Fagundes que por mim ele passa uns bons anos sem me fazer ouvir aquela voz chata.
O Ninho é chato. Mas ainda amo o Cazarré.

Beijo, Sérgio.

Elvira Akchourin do Nascimento disse...

Boa análise, Sérgio. Embora emocionantes, achei as cenas do resgate da Paulinha pouco verossímeis. Gostei da reconciliação de Bruno e Paloma. Maria Maya convenceu como a invejosa e cruel Alejandra. Klara Kastanho, bem, como sempre. Juliano Cazarré esteve melhor em personagens anteriores.

Barbie Californiana disse...

Sérgio, de fato, foi uma cena forte e bem feita... concordo que o autor está sabendo conduzir a novela de uma maneira inteligente, pois todas as histórias estão sendo bem contadas. Sua descrição está perfeita. Parabéns. beijinhos

Sérgio Santos disse...

Concordo, Cléu. bjsss

Sérgio Santos disse...

Jura, Chica? rs Foram ótimas cenas mesmo. bjs

Sérgio Santos disse...

Pelo menos o post serviu pra te informar sobre o andamento da novela, Clau... ;) bj

Sérgio Santos disse...

É verdade, Vera. Muito capricho nas cenas e ótima direção. Todos os atores foram muito bem e ainda movimentou a novela.

Sem dúvida Márcia e Valdirene nunca perdem o destaque e eu gosto muito. Lamento mesmo é o excesso de cenas com Michel e Patrícia, eles sim cansaram. Bjs e boa semana.

Sérgio Santos disse...

Muito obrigado, Felis. Olha, o único núcleo que eu acho chato é o da Patrícia com Michel. O resto eu continuo gostando de tudo. Abração.

Sérgio Santos disse...

Obrigado, Demian. O único núcleo que eu estou vendo ser subaproveitado é o da Linda. Como ainda tem novela pra caramba, espero que isso mude. Sobre a Carolina Kasting, concordo que não está sendo bem aproveitada. Do Emílio eu não sinto falta, confesso, e acho o núcleo da Gigi bem trabalho. Vera Zimmerman ultimamente só tem sido escalado pelo Walcyr. Fez O Profeta (que ele supervisionou), Gabriela e agora Amor à Vida. Então acho boa a escalação, ainda que seja num papel pequeno. Abração.

Sérgio Santos disse...

Zilani, eu odeio enrolação em toda novela. Por isso que sempre gosto das novelas do Walcyr porque ele evita qualquer tipo de barriga. Mas com Amor à Vida ele tá se superando. bjsss

Sérgio Santos disse...

Sei sim, eder! :) abçsss

Sérgio Santos disse...

Concordo, Thallys. Paloma passou uma uma fase irritante mas nem por isso Paolla deixou de dar show. A protagonista é ótima, bem construída e ainda forma um lindo par romântico. Não vejo motivos para qlq crítica.

Também espero que o rodízio favoreça Linda, que faz falta. Porém, acho difícil (pena) que Michel e Patrícia percam a importância porque eles fazem sucesso, infelizmente. Embora goste da Maria Casadevall.

Achei mt estranho quando li que Ciça morreria. Walcyr sempre escala Neusa e seria sem sentido se ele a tirasse da trama. Agora tudo fez sentido, ele simplesmente quis destacá-la na novela.

Pérsio e Rebeca são personagens bem pequenos e isso ficou claro desde o início, não acho que terão uma grande importância.

Essas cenas da Paloma deverão ser fortes e o resgate dela tem tudo pra ser ótimo. Não sei se tão épico quanto o do Rafael em Alma Gêmea, mas só aguardando. abçs

Thallys Bruno Almeida disse...

Ah, um adendo, Sérgio. Sobre a resposta ao Demian em que vc falou da Vera Zimmermann, eu já acho que a escalação dela em Gabriela e Amor à Vida não é tanto dedo do Walcyr, mas sim do Mauro Mendonça Filho, já que tbm conta O Astro (2011), dirigida por ele.

Sérgio Santos disse...

Bem, Rafael, o Ninho aceitou traficar drogas, né? Esse ideal de vida dele nunca foi lá muito 'normal'. Sobre a armação da Leila: é o maior clichê da teledramaturgia, não vi problema. E, embora eu não seja um marginal, acho que o mandante paga a metade antes do sequestro e o restante durante ou depois do serviço. Acho esse detalhe uma besteira.

Também não achei nada de maçante e cansativo, mas respeito sua concepção. E eu já havia reparado que vc já não gostava tanto assim da novela.

Mas eu discordo, tem novelas ruins e boas sim. Sei que vc é otimista em relação a isso, tanto que não te vejo criticando muito novelas que foram massacradas, vide Fina Estampa, por exemplo. Mas, embora toda trama tenha alguém (nem que seja uma pessoa) que goste, há tramas péssima, razoáveis, boas e ótimas.

Mas, sim, muita gente odiou Avenida Brasil e Cheias de Charme. Aqui no blog mesmo li comentários criticando. Normal. Aliás, nunca vi uma novela, um filme, uma peça, um livro, ou seja lá o que for, ser elogiado por todas as pessoas do mundo. Há sempre a crítica, o que não gosta, enfim. Mas dá pra analisar quando uma novela é boa, média ou péssima.

Agora, esse garoto que vc viu aí é bem idiota. Ter medo de dizer do que gosta por causa da opinião de terceiros é bem deprimente. Abraços.

Sérgio Santos disse...

Exatamente, Marilene, a cena do disfarce foi muito criativa e deixou tudo mais verossímil. A agilidade da novela também engrandece a novela. bjsss

Sérgio Santos disse...

Van, eu sou fã da novela. Deu pra notar, né? rs bjs

Sérgio Santos disse...

Nem acredito que vc disse isso, Milene. Que surpresa. Bem, eu gosto da Paolla desde o primeiro capítulo então sou suspeito, mas nessas cenas ela foi perfeita mesmo.

Olha, o Walcyr não vai mais matar pq o César é um sucesso. E achei ótimo. Matar um personagem grandioso como esse seria um pecado. E há tempos que o Fagundes não tem um personagem tão bom quanto esse. Bjsssss

Sérgio Santos disse...

Oi Elvira. Eu achei tudo muito verossímil. Só a parte final, quando Bruno e Paloma não denunciam Alejandra e Ninho no aeroporto que achei forçado, mesmo sabendo que foi por 'pena' do Ninho. Os atores foram mt bem. Eu gosto do Cazarré mesmo o Ninho sendo insuportável. Bjsss

Sérgio Santos disse...

Muito obrigado, Barbie. ;) bjs

Sérgio Santos disse...

Sim, Thallys, pode ser também. Porém, a personagem dela é só uma secretária, difícil dar mais destaque do que foi dado.

Rafael Barbosa disse...

Bom, não questionei a quantidade e nem como o pagamento foi feito, mas o interesse da Alejandra, não reparei se Félix estipulou ou não um valor para ela pelo serviço, achei que ela só tinha topado ajudar o Ninho e pegar a grana pra suprir os gastos, e só depois que deixou claro que seu interesse é a grana, bem talvez eu tenha reparado errado. Mas de qualquer forma não consegui vibrar com esse sequestro.
Sobre essa classificação de novela "Boa" ou "ruim", acho isso extremamente subjetivo, vai da cabeça e do gosto de cada um, não da pra dizer isso como uma verdade absoluta e universal. Os críticos tem o olhar técnico deles, mas como você sempre diz, eles não estão livres de sua própria opinião e gosto. E cada um vai ver a coisa a sua maneira, quantas pessoas não adoraram novelas consideradas "ruins"? Você por exemplo considera Amor a Vida uma novela excelente, mas boa parte da crítica, mídia e redes sociais a classifica como fraca. Tiro por mim, diferente do rapaz do tópico do face, nunca tive vergonha em dizer que curti Fina estampa e nunca me senti menos inteligente e com mau gosto por isso. Eu considero sangue Bom uma novela ótima, maarvilhosa e quase perfeita rs, mas o que tem de gente que diz que é ruim, e são pessoas que entende do assunto de blogs e etc. Cada um tem sua opinião e sua própria análise das coisas, não é porque um número de pessoas ou a crítica diz que essa novela é ruim, que eu mesmo gostando vou deixar de assistir e dizer que é ruim também, se eu não acho, e assim vice-versa. Penso assim.No caso do tópico ele

Abraços

Maxxi disse...

Sérgio...

Embora bem dirigidas, com esforço da esquipe de atores e diretores para dar veracidade àquelas cenas, discordo: elas foram desnecessárias. Quanto a cumprir sua função de dar movimentação às tramas, concordo, mas o sequestro foi desproposital.

Por sinal, Sérgio, estou vendo muitas mudanças sendo realizadas na base do "chute". Lembro bem do quanto Manoel Carlos foi criticado quando matou a personagem Nanda (Fernanda Vasconcelos) embora a audiência tivesse exigido que a personagem não falecesse. Mas ele matou, porque a morte era benéfica à trama. Agora vejo o César que iria morrer, não morreu. A Valdirene seria evangélica e não se tornou, enfim, são coisas que estavam na essência da trama e tomaram outro rumo sem planejamento. É o que penso.

Sérgio Santos disse...

Entendi, Rafael. Mas partindo desse seu princípio, podemos dizer também que não existe ator bom ou ator ruim, depende do telespectador gostar ou não dele. Mas ok, é um tipo de visão.

Os críticos colocam sim suas opiniões nas análises e isso desde sempre. Não existe imparcialidade e em lugar algum. Mas também tô pouco me lixando se fulano A ou B criticam, eu vejo o que gosto e ainda exponho aqui o que penso. E o lado bom de Amor á Vida é que quem odeia a novela não pode se apoiar no ibope porque os índices estão ótimos.

E tem muita gente também que é 'maria vai com as outras' e segue a onda. Eu, ainda bem, nunca fui desses e nunca serei. Tenho minhas opiniões, onde procuro sempre embasá-las. E esse garoto aí é um cagão. Abraços.

Sérgio Santos disse...

Sem problema, Maxxi. Bem, a morte da Nanda era vital mesmo pra trama mas o autor 'cedeu aos apelos' do público e criou aquela fantasma que não tinha nada a ver com a trama e ficou forçadíssimo.

No caso de Amor à Vida, eu acho ótimo que o autor procure ouvir o público, embora ele não tenha obrigação alguma. Aliás, o Salguei a Santa Ceia sumiu justamente por isso, ele ouviu as críticas. Ótimo.

Fagundes não tinha um personagem tão bom quanto esse há pelo menos dez anos e matá-lo seria uma desperdício. E Valdirene não fica mais conquistando um famoso por semana, ou seja, isso também foi uma mudança positiva. Eu nunca gostei dessa história dela virar evangélica e nem sei se Walcyr aboliu mesmo a ideia, mas se o fez, eu acho ótimo também. Mas respeito sua visão. Abraços.

Anônimo disse...

A trama é forçada, as cenas são mal escritas, os atores são fracos, enfim, não sobra nada, ou melhor, o Peru é bonito, uma boa locação. O que é mais chocante é como a trama é absurda, desde a própria idéia dos dois irem resolver o sequestro sozinhos, não chamar polícia, personagens trocando de personalidade conforme necessidade do enredo de exagerar. Tanta coisa mal construída que não dá nem para citar uma sequência que faz algum sentido na vida, embora ficar na cidade para comprar presentes após resgatar a menina é talvez a mais delirante. Um lixo.

Sérgio Santos disse...

Obrigado pelo comentário, anônimo. abçs

Sérgio Santos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Thallys Bruno Almeida disse...

Bem, Sérgio, confesso que algumas coisas em Amor à Vida estão me desanimando.

Primeiro, eu não entendi o propósito dessa internação da Paloma. Os pais dela são médicos, conhecem bem a estrutura e se deixam levar por um papo do Félix? Ainda mais quando não se existe um laudo, mesmo que falsificado quanto a isso. Se bem que a cena dos choques elétricos da Paloma me impressionou pra caramba. Chegava até a dar um arrepio vê-la sendo submetida a um tratamento tão cruel, a entrega da Paolla Oliveira a essa cena foi perfeita. Mas dentro de um contexto bem puxado.

Segundo, até a Valdirene tá me cansando. Das últimas cenas dela só tenho gostado do casamento frustrado. Nem mesmo os ótimos desempenhos da Tatá, da Savalla e do Anderson me animam.

Terceiro, a trama da Nicole perdeu qualquer sentido e até mesmo os embates entre Leila e Lídia estão cada vez mais raros, a Fernanda Machado já não tá aparecendo tanto quanto antes, a própria Marina Ruy Barbosa também perdeu espaço... foi inserido um contexto espiritualista que considero totalmente inadequado.

Quarto, há capítulos que normalmente chegam a ter 1 bloco inteiro só de Patrícia, Michel e seus relacionados (nisso eu acredito que nós concordamos). Os dois caps dessa semana em que eles não estiveram parecem ser exceção. Maria Casadevall e Fabiana Karla não mereciam algo tão inútil. A sorte é que a Carol Castro tá saindo aos poucos desse núcleo-roubada e ganhando uma história própria. O próprio Walcyr poderia inclusive criar um romance entre ela e o outro advogado (Rafael, Rainer Cadete), já que ele me aparenta ser maduro, ao contrário do personagem do Caio.

Gosto da trama em si, mas esses são alguns pontos que vêm me incomodando e às vezes me tiram a vontade de ver os capítulos, por isso zapeio entre os outros canais. Mas quero ver o que a passagem de tempo do dia 26 de Setembro trará. Uma coisa ali já me interessou: a rivalidade entre Niko e Amarilys. Abçs!

Sérgio Santos disse...

Bem, Thallys, eu mesmo disse que essa internação da Paloma era forçada e inverossímil porque o juiz não tem um laudo para comprovar a sanidade mental dela. Mesmo os pais dela sendo médicos, o juiz poderia interná-la caso existisse o laudo. Mas essa situação foi totalmente descabida. Porém, isso não estraga a novela.

Como já disse, novela que considero excelente pode cometer deslizes.

Continuo amando Valdirene e o Walcyr merece elogios por ter acaba com aquilo de 'um famoso por semana' e desdobrando bem a trama dela, principalmente agora com um filho. Não sei o que querem mais, juro.

A trama da Nicole era sensacional mas agora tá bem claro que o autor se emputeceu mesmo e fez o que fez. Tanto que agora vai entrar a Sophia Abraão pra viver outra ruiva, ou seja, a morte não tava prevista mesmo. E a entrada dela com certeza movimentará o núcleo, assim como o acidente da Leila.

Patrícia e Michel eu concordo, estão mesmo cansativos e tá um saco. Mas quase toda novela tem uma situação ou personagem irritante. Faz parte.

Mas a Silva já tá com sua trama bem trabalhada, assim como Perséfone que também deixou de querer perder a virgindade toda hora (outro motivo para críticas que foi anulado pelo autor).

Ou seja, nada tenho a reclamar e continuo amando a novela, embora sempre aponte o que considero equivocado. E sem dúvida a trama do Niko vai crescer ainda mais. abçs