sexta-feira, 19 de julho de 2013

"A Grande Família" emociona ao homenagear Rogério Cardoso

Uma das mais longevas séries da Globo não tem conseguido evitar os sinais do tempo. "A Grande Família" tem apresentado um natural desgaste, que começou a ser mais evidenciado no início de 2012. Porém, os dez anos da morte de Rogério Cardoso fizeram o programa parar para refletir o seu passado. As tentativas de novas linguagens, os diferentes e atualizados conflitos da família, a nova fase dos personagens, enfim, tudo foi deixado de lado por pelo menos um dia. A equipe resolveu recordar os bons tempos, homenagear um inesquecível ator e ainda emocionar o público.


O episódio dessa quinta-feira (18/07) foi dedicado ao saudoso intérprete do Seu Flor e relembrou inúmeras cenas protagonizadas pelo impagável pai da Nenê (Marieta Severo). A família Silva contou para Florianinho a origem do seu nome, o que acabou gerando várias recordações e momentos tocantes. Momentos esses que emocionaram o elenco e o público, fazendo aumentar ainda mais a saudade de Rogério Cardoso, que começou na série em 2001 e deixou o programa em julho de 2003, após sofrer um infarto fulminante. 

A preocupação em exibir boas lembranças e proporcionar uma bela homenagem ficou evidente. A surpresa do episódio ficou por conta da participação de Suely Franco, que vivia uma namorada de Seu Flor. A personagem visitou os Silva, recordou vários bons momentos com seu amor e depois acabou falecendo no sofá da sala com um sorriso no rosto. Lineu e companhia fizeram questão de enterrá-la perto de Floriano para que
o casal ficasse junto. Foi uma bela e até divertida sequência. A série ainda contou com a presença de Camila Pitanga (que já havia participado outras vezes), vivendo Marina, uma outra filha de Floriano. O episódio terminou relembrando a tocante cena onde Nenê diz para seu pai o quando o ama, sendo plenamente correspondida por ele. Após essa bonita recordação, a matriarca da família Silva olha para a câmera e diz que aquele era o seu pai. Com Marco Nanini, Marieta Severo, Guta Stresser, Pedro Cardoso e Lúcio Mauro Filho visivelmente emocionados, a homenagem se encerra com a frase "Para sempre Seu Flor".

"A Grande Família" estava devendo um especial sobre Rogério Cardoso e valeu a pena esperar. Nada mais justo do que relembrar toda a trajetória do ator na pele desse marcante personagem no mês em que se completa dez anos de sua ausência. Rogério interpretou um dos tipos mais marcantes do seriado e costumava roubar a cena e virar protagonista inúmeras vezes. Aliás, essa era uma característica dele: em qualquer produção conseguia se destacar.

Até hoje as pessoas se lembram do Seu Salgadinho de "Explode Coração" (1995) e do Rolando Lero, da "Escolinha do Professor Raimundo". Rogério também se destacava em humorísticos como "Chico Anysio Show" e "Viva o Gordo", além de ter participado de várias peças teatrais e filmes, como "O Auto da Compadecida", por exemplo. O ator, mesmo fazendo parte de "A Grande Família", ainda proporcionava muitas gargalhadas ao lado da saudosa Nair Bello no "Zorra Total", no quadro "Santinha e Epitáfio" ---- naquela época, o agora saturado programa da Globo tinha algumas boas esquetes, como a citada e a do intolerante Seu Saraiva, vivido pelo igualmente saudoso Francisco Milani. A série e o "Zorra" foram os últimos trabalhos dele. Enfim, é muito difícil selecionar algum melhor trabalho desse cativante profissional que demonstrava paixão pelo que fazia.

Rogério Cardoso era um talento que ria e fazia rir, além de ter a plena capacidade de fazer chorar. "A Grande Família" emocionou ao homenagear esse grande e amado ator. O público foi presenteado com um lindo episódio, que transmitiu perfeitamente o carinho que todos sentiam tanto pelo Seu Flor quanto pelo profissional que o interpretava. O telespectador pôde ver um programa que fez questão de aplaudir e relembrar os melhores momentos de um personagem que até hoje faz falta na família Silva e em todas as famílias brasileiras. 

42 comentários:

Carlos disse...

Essa série me impressiona semana após semana. Com desgaste, sem desgaste de uma coisa ninguém pode duvidar: na capacidade que a equipe tem de criar histórias novas.

Cheguei agora de noite em casa e comecei a ler alguns comentários de blogs sobre TV e achei interessante alguns comentários. Revi o episódio da rosa perfumada e percebi a genialidade dos autores em recriar um episódio que já estava completo. Outra bela sacada foi a volta da dona Juva e a sua morte. Creio que quem assisti desde o início, não esperava a morte de uma personagem tão carismática. A morte dela foi linda, engraçada, triste, tudo ao mesmo tempo. Eu ri e depois me senti mal por isso, olha o que um programa me fez. A volta da Marina também foi ótima, após anos lá estava ela. Uma personagem que não poderia faltar. Você só errou nessa parte, Marina é filha do Seu Flor e não peguete. Mas, ok, foram tantas, né? Aquele velho safado rs.

Por falar em velho safado, o legal do episódio foi isso. Não fizeram do seu Flor um santo, mostraram como o personagem era, o que criou um ar triste, mas alegre, por mais estranho que isso possa parecer. A emoção dos atores estava nítida, principalmente quando a Guta foi dar o abraço coletivo. Ali era a atriz. Ouso falar que ali eram os atores.

O legal é que os autores conseguiram fazer um episódio de reprises, mas criaram um episódio novo. Os personagens não ficaram em uma sala, parados, lembrando. Teve toda uma história nova. Poucas séries fazem isso, e quando fazem, poucas fazem de uma forma tão natural. Brincar com passado do personagem, antes até do início da série (foto do Flor com a mãe da Nenê), presente (a ação da história) e futuro (Florianinho pretendendo dizer quem foi seu bisavô) foi uma bela sacada. Criaram uma vida real dentro da ficção. E o mais legal é que assim vimos também que os personagens evoluíram. É como o Agostinho disse: é por causa dele que sou assim hoje. A maturidade chegou a todos os personagens e eles reviveram o passado, assim como fazemos as vezes, mas não que o presente seja sem graça e já tenha dado. Nosso presente um dia será lembrado da mesma forma, e é assim que vi o episódio.

Como li em um blog, é interessante que um programa que fala da atualidade e de vários temas polêmicos até, consiga falar e atingir o seu público, fazendo cada um refletir. No episódio de ontem o que tinha de gente na internet falando pra valorizar os seus avós... E fiquei me perguntando: quantos programas fazem isso? Digo, criar essa identificação? Para mim essa é uma das razões d'A Grande Família ainda está no ar. A equipe está de parabéns.

obs.: Zorra Total faz homenagens de 10 em 10 anos? Achei tão oportunista eles terem feito antes da Grande Família. Quero dizer, o de ontem foi faltando 6 dias já o do Zorra foi mais de uma semana. Pareceu até que foi feito na pressa sei lá. Fora que não lembro deles fazendo isso, lembro de 1 ano depois, as vezes 2. Mas ok, foi válido para relembrar o Epitáfio e de quebra a dona Santinha.

Abraços

Bia Hain disse...

Ele era mesmo fantástico...era latente no episódio de ontem a emoção do elenco da Grande família. Sem dúvida, uma grande perda a partida desse artista, que nunca será cansativo de ser relembrado, com seu jeito peculiar de não conseguir segurar o riso em cena. Um abraço!

Carlos disse...

"Creio que quem assistE desde o início..." Doeu o meu assistI rs.

"O português é um idioma tão bonito quando falado corretamente" Lispector, Chiquinha.

Abraços

Mary disse...

amigo, gostei do texto, assisti a homenagem ontem gostei muito, me lembrou da grande família da época em que eu assistia todos os dias.. fiquei com uma saudade enorme.. foi uma boa homenagem mesmo.. beijos mil amigo e ótimo final de semana..

Elvira Akchourin do Nascimento disse...

Sérgio, também gostei desta emocionante e merecida homenagem ao Rogério Cardoso. Além das presenças citadas por você, Marcela Ricca teve uma simpática participáção.

Rita disse...

Serginho confesso que senti saudades da boa risada dele, no vídeo Shwou passou algumas coisas sobre ele eu adorei com certeza fez muita falta, 10 anos parece que foi ontem
Abraços de bom final de semana
bjuss
Rita!!!

Lulu on the Sky disse...

Putz o Rogério Cardoso era incrível.
Feliz dia do amigo!
Big Beijos
Lulu on the sky

Vera Lúcia disse...


Olá Sérgio,

Incrível que já se passaram 10 anos desde que este talentoso artista nos deixou. 'A Grande Família' perdeu o brilho com o falecimento de Rogério Cardoso. Eu me divertia demais com ele. Costumo assistir as reprises da 'Escolinha do Professor Raimundo' só para ver o Rolando Lero. Não há como não rir, mesmo já tendo visto as cenas.
A homenagem foi linda e merecida. Rogério Cardoso será inesquecível. Ele fazia rir em qualquer atuação, mas como Seu flor e Rolando Lero ele me fez dar boas gargalhadas.

Parabéns por mais este belo artigo.

Beijo e ótimo final de semana.

Paty Michele disse...

Oh, Sérgio deve ter sido tão lindo...
Perdi mais essa!
rsrs
A série está desgastada mesmo, mas retrata tão bem a vida no subúrbio carioca que se mantém no ar mesmo sendo repetitiva.

Um abraço e feliz dia do amigo.

Robson disse...

Ta sabendo bem, hein? A Marina (Camila Pitanga) é filha do Seu Flor, e irmã da Nenê, que antes de saber disso, achava que os dois tinham um caso! Abraços! E mais atenção!

VERINHA TIBURSKI disse...

Olá Sergio
sou suspeita em comentar porque sou super fã da grande família, acho que apesar das criticas eles arrasam.Também fiquei comovida com este episodio e confesso que chorei. Ele era um grande ator e todos os papeis citados acima foram muito bem interpretados por ele. Ele vai ser lembrado para sempre.
Um grande abraço e agradeço pelo carinho da visita.
Beijos.

Anônimo disse...

Sobre o post falando de saramandaia gostaria de salientar que o ator que faz a mama brusqueta se chama Luiz Henrique, já fez teatro e outros trabalhos na TV, e também já fez outros papéis além da mama, se informe melhor viu?

Thallys Bruno Almeida disse...

Episódio maravilhoso. De rir e emocionar. Valeu especialmente pelas participações da Suely, da Camila (embora tirada de algum episódio das primeiras temporadas, pela definição de imagem da época) e da Marcela Ricca (mencionada acima pela Elvira).

Pensar que já fazem 10 anos que Rogério nos deixou. Mais do que um humorista, um ATOR na pura essência da palavra. Saudades especialmente do Rolando Lero e suas bajulações ao professor Raimundo, de Seu Flor e suas confusões e de Epitáfio e as tamancadas que tomava de Santinha (a querida Nair Bello). A essa altura, ele, Nair, Chico, Golias e tantos outros que deixaram saudades devem estar gargalhando juntos lá em cima. O céu, sem dúvida alguma, está mais feliz. Abçs!

Sérgio Santos disse...

Oi Carlos, sabia que vc comentaria nesse post! E obrigado pela correção, realmente escrevi no automático sobre a peguete, porque né, no início todos achavam que era. No Twitter me corrigiram também. Devidamente acertado.

O episódio foi muito bonito e fugiu da pieguice. Também gostei de ver o Seu Flor sendo retratado exatamente como era.

Fiquei muito surpreso com a morte da Juva. Não esperava. Mas foi uma sacada de mestre. Olha, apesar de ter visto a intenção de fazer rir, eu não ri porque achei emocionante todo o episódio.

Foi um grande programa mesmo, embora vc já saiba minha opinião sobre esses dois últimos anos da série.

Olha, não achei a homenagem do Zorra oportunista. At´fiz questão de ver porque eu amava esse quadro só por causa do riso frouxo do Rogério e da Nair. Que dupla! Abração!!!!

Sérgio Santos disse...

Assino embaixo, Bia! Beijos!!!

Sérgio Santos disse...

Relembraram grandes momento, Mary! Foi um bonito episódio e uma merecida homenagem. bjs

Sérgio Santos disse...

É verdade, Elvira, a Marcella Rica fez uma boa participação também depois de já ter feito uma boa presença em Louco por Elas. Beijos.

Sérgio Santos disse...

Eu também, Rita! Ele era sensacional! Difícil alguém não ter gostado dele. bj

Sérgio Santos disse...

É verdade, Lulu. Feliz dia do amigo pra vc também. bj

Sérgio Santos disse...

Ele faz muita falta mesmo, Vera! Eu sempre gravo A Escolinha do Professor Raimundo e vejo sempre. O Rolando era um dos melhores. Quando o Chico sacaneava o Rogério, então, era bom demais. bjsssss e obrigado.

Sérgio Santos disse...

Foi mesmo, Paty! Se puder, tente ver no site. bjão!!!

Sérgio Santos disse...

Robson, já corrigi o meu erro. Obrigado pelo conselho.

Sérgio Santos disse...

Verinha, eu edra fã da série até o final de 2011. A partir de 2012 eu me desencantei por causa das mudanças feitas. Depois passei a ver cada vez menos até a quase não ver mais. Porém, esse episódio eu fiz questão de prestigiar. Valeu a pena. bjs

Sérgio Santos disse...

Olha, anônimo, me desculpe, mas eu nunca soube que ele era ator e menos ainda dos seus trabalhos. Mas como vc queria que ele fizesse a Dona Redonda se ele trabalha na Gazeta? Aliás, essa emissora foi extinta no RJ há muitos anos. Nem se eu quisesse vê-lo eu conseguiria. Mas pode deixar que procurarei o currículo dele e me informarei.

Sérgio Santos disse...

O céu tá cada vez melhor e aqui tá cada vez pior, Thallys. Ele faz muita falta, assim como a Nair e o próprio Milani. A homenagem foi muito bonita e o episódio ficará marcado na história da série. Valeu muito a pena. Abraços.

Sérgio Santos disse...

PS; Carlos, não se preocupe com o erro. Nos comentário eu erro pra caramba na pressa... E a Chiquinha é genial! Frase clássica. rs abraços!

Filha do Rei disse...

Rogério Cardoso, um grande ator e que não deve ser esquecido.Linda homenagem e merecida.

Sérgio, tem um texto para ti lá no meu blog.
Tenha um lindo domingo.

Milene Lima disse...

Rogério Cardoso era fantástico. Devo a ele um bocado de risada. Gostava muito do seu Flor, mas a parceria dele com a Nair Belo era o que mais me cativava. Rolava muito improviso ali, né?

Beijo, Sérgio.

A viajante disse...

Rogério Cardoso faz muita falta nas comédias.... e você fez uma postagem primorosa. Mais uma. Beijo, querido!

Barbie Californiana disse...

Realmente, o Rogério era um excelente ator, senti muita falta quando ele se foi, Sérgio. :/ beijos e linda semana.

MARILENE disse...

Um grande ator. Ele dava mais vida àquela série. A homenagem, merecida, ficou belíssima e emocionante. Ele nos fazia rir, o que é muito importante (rss). Bjs.

Sérgio Santos disse...

Oi Cléu! Não merece mesmo. Obrigado pelo comentário. bjs

Sérgio Santos disse...

Milene, o bom daquele quadro era o improviso. Ele e a Nair riam deles mesmos e se divertiam em cena. Isso era contagiante. Saudades. Bjsss

Sérgio Santos disse...

Ju, muito obrigado pelo carinho. Bjssss

Sérgio Santos disse...

Quem não sentiu e ainda sente, né Barbie? bjs

Sérgio Santos disse...

Exato, Marilene. Era uma figura e um ótimo ator. Bjs

Nívea Marco disse...

Não vi o episódio, mas me emocionei lendo o texto. Eu adorava ver A Grande Família quando tinha o seu Floriano. Vou tentar ver esse episódio na internet. Beijos, Sérgio!

Sérgio Santos disse...

Nívea, muito obrigado pelo seu carinho! Que bom que gostou do texto. Beijão!

BIA disse...

Oi Sérgio!!!

Deve ter sido emocionante este episódio...
A Grande Família é mesmo uma das séries mais legais da Globo. Assim que tiver tempo vou ver este episódio na internet. Obrigada pela dica!!!
Bjs :)

Anônimo disse...

Bela homenagem!!
Legal também da parte dos cenógrafos voltar com um sofá verde na sala da Família Silva, para recordar o velho sofá do Seu Flor. Como a Dona Nenê mesmo disse: "Papai detestava dormir nesse sofá..."

Sérgio Santos disse...

Foi muito bonito, Bia. Vale a pena conferir mesmo. bj

Sérgio Santos disse...

É verdade, anônimo. Aliás, essa cena do sofá foi emocionante e valeu ser relembrada. abçs