quinta-feira, 18 de julho de 2013

"A Liga" estreia sua quarta temporada mantendo a qualidade das anteriores

A quarta temporada de "A Liga" estreou com uma excelente audiência (média de 11 pontos e picos de 13), deixando a Band na vice-colocação e na liderança por 27 minutos. Abordando o mundo do funk e a ostentação de muitos funkeiros bem-sucedidos, o programa conseguiu atrair a atenção do público, incomodou a concorrência e começou sua nova fase de uma forma bastante positiva.


Criado pela produtora argentina Eyeworks, o programa estreou em maio de 2010 na Band e agradou ao apresentar um formato semelhante ao do "Profissão Repórter", da Globo, mas sem a rigidez do jornalismo. Sempre composto por uma equipe que busca exibir e vivenciar cada tema escolhido, a atração tinha o polêmico Rafinha Bastos como figura central. E esse 'protagonismo' acabou custando caro quando o humorista foi dispensado da emissora após a controversa briga com Wanessa Camargo, depois da piada infeliz feita no "CQC".

"A Liga" perdeu uma expressiva audiência por causa da saída do apresentador e muitos acharam que a atração jamais conseguiria recuperar os bons índices alcançados na época em que Rafinha estava presente. O período mais crítico foi durante a terceira temporada, em 2012. Foi cogitado até o cancelamento do
programa por causa da inexpressiva audiência, que na época era comandada por Lobão. Entretanto, mesmo sofrendo com o baixo ibope, a qualidade do formato nunca foi perdida. Independente da equipe, as matérias sempre foram muito bem produzidas.

Portanto, essa expressiva audiência no primeiro episódio da quarta temporada foi merecido. Apesar de ter se beneficiado de um tema que está rendendo inúmeras polêmicas, principalmente após o assassinato do MC Daleste, com um tiro, durante seu show em Campinas, o programa conseguiu cumprir seu objetivo informando e matando a curiosidade do telespectador a respeito do mundo do funk ainda pouco explorado.

A equipe agora conta com Mariana Weickert, Rita Batista, Cazé Peçanha, China e Thaíde. Todos demonstraram dedicação plena ao programa e não fizeram feio. Mesmo tendo quase uma hora de duração, não deu para sentir o tempo passar, justamente por causa das atraentes reportagens.

Ao contrário do que muitos supunham, "A Liga" mostrou que ainda tem fôlego para muitas temporadas. A Band acertou ao continuar apostando nesse interessante formato e, caso os demais episódios venham a apresentar a mesma qualidade do programa exibido na última terça-feira (16/08), pode-se dizer que a quarta temporada deixará a emissora, a equipe e os telespectadores bastante satisfeitos.

8 comentários:

Thallys Bruno Almeida disse...

Bem, Sérgio, apesar de não ser o mais assíduo telespectador do A Liga, acho o formato bem legal porque, enquanto no Profissão Repórter a equipe jovem se preocupa mais em abordar o assunto através do viés jornalístico, aqui os apresentadores "vivem" as realidades abordadas e suas nuances. A Band acertou ao apostar nesse formato mais diferenciado, mais "documental" e por isso o A Liga tem sido um dos programas mais elogiados da parceria com a Eyeworks/Quatro Cabezas junto com o CQC (apesar deste não estar na melhor fase) e o Agora é Tarde. Abç!

eder ribeiro disse...

Sérgio, mtos criticam a baixa qualidade doa programas da rede aberta, em partes concordo, contudo, há mtos programas de qualidade, infelizmente, alguns são exibidos em horário que a maioria não pode assistir. Ainda bem q a Band não desistiu de investir na Liga, seria bom se esse programa incomodasse a Globo e ela percebesse que o Profissão Repórter pode ser exibido maia cedo. Abçs e bom finde.

Filha do Rei disse...

Sérgio, não acompanho A Liga, mas certamente é uma dica agora para as minhas férias. Vou conferir.

Barbie Californiana disse...

Nunca assisti, Sérgio, na verdade, nem conhecia, mas pelo o que você descreveu, parece ser bom. ;] beijos e linda sexta-feira.

Sérgio Santos disse...

Também não vejo muito, Thallys. Mas gravei essa estreia pra ver depois e foi um bom programa. Aliás, sempre foi. Merece muitas temporadas. Audiência merecida. O CQC perdeu a essência há tempos, o Agora é Tarde continua interessante. Abraços.

Sérgio Santos disse...

Exatamente, Eder. Há coisa ruim mas há coisa boa também. Generalizar é burrice. O Profissão Repórter tem um horário ingrato mesmo mas acho difícil a Globo mudar justamente por causa da grade cheia. Abçs

Sérgio Santos disse...

Cléu, é um programa interessante. bjssss

Sérgio Santos disse...

Obrigado pelo comentário, Barbie. bjsssss