quinta-feira, 25 de julho de 2013

Sérgio Mamberti e Juca de Oliveira: os grandes destaques de "Flor do Caribe"

Normalmente é uma estratégia infalível: escalar um bom ator para interpretar um interessante personagem para viver uma boa história é garantia de êxito. Portanto, Walther Negrão mostrou que sabia exatamente o que estava fazendo quando escalou Sérgio Mamberti para dar vida ao Dionísio Albuquerque e Juca de Oliveira para viver o Samuel em "Flor do Caribe".


Desde o primeiro capítulo, ficou evidente que esses dois grandes atores haviam recebido ótimos papéis. Em uma novela onde o 'mais do mesmo' se fez presente em quase todos os núcleos, foi um grande acerto do autor abordar a questão do nazismo, ainda que tenha precisado usar da licença-poética para justificar a diferença de idade entre os personagens.

Dionísio participou ativamente do nazismo delatando as famílias dos judeus, as enviando diretamente para o campo de concentração. Entre os traídos pelo vilão, estava Samuel, na época uma criança, e seus pais. O pai de Ester (Grazi Massafera) acabou ficando sozinho no mundo, enquanto que o avô de Alberto
(Igor Rickli) ganhou medalhas dos nazistas e uma verdadeira fortuna por causa dos 'serviços' prestados.

Walther Negrão soube se aproveitar de um triste marco na história para criar uma atraente trama. Sérgio Mamberti e Juca de Oliveira são atores que engrandecem qualquer novela e a presença dessa dupla em "Flor do Caribe" é um atrativo e tanto. Infelizmente eles não tiveram muitos embates até então e quase nunca contracenam, entretanto, juntos ou não, são os responsáveis pelas melhores cenas da novela ---- ao lado, é bom ressaltar, de Laura Cardoso, que aparece bem menos do que merece.

A história envolvendo esses dois ricos personagens ainda gerou alguns desdobramentos na última semana, o que resultou na entrada de excelentes atores. Jonas Mello causou repulsa ao viver Arruda, o gangster enviado por Dionísio para matar Samuel, enquanto que Elias Gleizer emocionou assim que surgiu em cena ----- Manolo, seu papel, é um cigano que ajudará o judeu a se vingar do vilão. Já Inez Viana entrou para viver Maria Adília, filha de Veridiana, mãe de Candinho (José Loreto), Lino (José Ligabue) e Dadá (Renata Roberta), e grande amor de Dionísio.  Candinho, aliás, é filho da sofrida mulher com o nazista. Inez tem feito grandes cenas ao lado de Laura Cardoso, Cláudia Netto (Guiomar) e Sérgio Mamberti. As participações de Jonas, Elias e Inez movimentaram o melhor núcleo da trama e foram muito bem vindas.

E em meio a esses desdobramentos, é preciso elogiar Juca de Oliveira pelo profissionalismo na cena em que Samuel é trancado por Arruda em uma cabine que ia enchendo de água a cada minuto. O ator dispensou dublê e fez questão de estar presente do início ao fim. O resultado foi uma excelente sequência que apresentou ótimas atuações e uma impecável direção.

O núcleo do nazismo sempre foi o mais interessante da novela das seis e o desenvolvimento da história apenas comprova isso. Sérgio Mamberti havia feito apenas algumas participações nos últimos anos (incluindo "O Profeta", "Desejo Proibido" e "O Astro") e fazia falta na televisão, principalmente vivendo um papel de destaque no elenco fixo. Já Juca de Oliveira deu um show vivendo o psicopata Santiago em "Avenida Brasil" e acertou ao emendar na obra de Walther Negrão para interpretar esse carismático judeu.

"Flor do Caribe" conseguiu sair do período de marasmo, mas ainda continua sem maiores atrativos. Quase todos os núcleos demoram para evoluir e vários personagens foram tendo suas participações cada vez mais diminuídas ---- caso de Natália (Daniela Escobar) e Juliano (Bruno Gissoni), Chico (Cacá Amaral) e Olívia (Bete Mendes), Dom Rafael (Cesar Troncoso) e Cristal (Moro Anghileri), por exemplo. No entanto, a trama do nazismo continua bem desenvolvida e as brilhantes atuações de Sérgio Mamberti e Juca de Oliveira evidenciam o talento desses grandes atores, que são, merecidamente, os principais destaques da história de Walther Negrão.

31 comentários:

Barbie Californiana disse...

Nem acredito que vou ser a primeira a comentar nesse blog tão visitado... =]

Barbie Californiana disse...

Poxa, que interessante, Sérgio, nem sabia que a novela tratava desse assunto (Nazismo)... a única que vejo mesmo é mesmo a das 8. Eles são mesmo bons atores. Parabéns pelo texto, muito bem escrito como todos os outros.
Ps.: o primeiro comentário, foi emoção de ser a primeira... hehee
beijos e linda 6º feira.

Felisberto Junior disse...

Olá!Bom dia
Sérgio
eu penso que o texto é bom, também, o que minha filha que assiste reclama é que os protagonistas não estão bem. A Grazi ainda é esforçada, mas está bem limitada, já Henri Casteli hummm... conseguem estragar o bom trabalho de Walter Negrão. Muito boa a ideia de inserir o tema do judeu X o nazista, com excelentes atuações de Juca de Oliveira e Sérgio Mamberti, conforme vc destacou. Walter Negrão tonha prometido no lançamento da telenovela, que iria ter várias viradas na trama..aguardar, né?
Obrigado pelo carinho
Belo final de semana]
Abração

jhwz2011 disse...

Nao vejo esta novela acho chata demais, e sei que eles estao arrebentando porque sao otimos atores

Filha do Rei disse...

Sérgio, alegro-me hoje, especialmente, ver uma matéria sobre estes dois excelentes atores.Por que hoje? Porque é o dia dos avós e geralmente aqui no Brasil quem tem uma certa idade já não é mais valorizado.Em outros países são os mais respeitados por terem uma história de vida e Sérgio Mamberti e Juca de Oliveira provam que a experiência deve ser valorizada sim, que os anos passam ,mas os tesouros continuam com cada pessoa.Alegro-me em vê-los em cena.
Tenha uma excelente sexta-feira. Bjs

Elvira Akchourin do Nascimento disse...

Sérgio, concordo que a trama nazismo X judaísmo está sendo bem desenvolvida (embora a questão da idade de Mamberti e Juca gere polêmica) e ganhou em interesse com a entrada em cena de Inez Vianna, Jonas Mello e Elias Gleizer.

Lulu on the Sky disse...

Sérgio,
Infelizmente não vejo a novela, mas admiro os trabalhos dos dois atores que são bem versáteis em qualquer personagem.
Bom fds.
Big Beijos
Lulu on the sky

MARILENE disse...

Eles são grandes atores e enriquecem a novela com suas interpretações. A questão da idade nem me preocupa, pois estão ótimos e o tema retrata uma realidade vivida por muitos. Bjs.

Zilani Célia disse...

OI SERGIO!
AINDA BEM QUE O AUTOR TEM ESTE RECURSO,VAI ESCREVENDO E SENTINDO A ACEITAÇÃO DO PUBLICO, O QUE LHE PERMITE TENDENCIAR A NOVELA PARA O LADO QUE DE MELHOR TIVER A OFERECER, DAÍ, ENTRA O VALOR DOS BONS ATORES QUE VÃO NOS PRENDENDO, COMO É O CASO DE JUCA DE OLIVEIRA, PRINCIPALMENTE.
ABRÇS

http://zilanicelia.blogspot.com.br/

Demian disse...

Também acho brilhante as atuações do Juca e do Mamberti. A novela não é lá essas coisas, mas bem melhor do que outras do autor, como Araguaia, por exemplo. Só discordo quando as pessoas criticam as atuações da Grazi, do Henri Castelli e do Rickli, não acho que eles comprometam tanto assim como dizem... São talentosos e esforçados sim, o Igor Rickli então melhorou muito desde a estreia...

Celina Alves disse...

Essa é a parte top da novela e os dois são excelentíssimos atores!
BjoBjo querido;)
Celina Alves
Luxos e Luxos

Sérgio Santos disse...

Oi Barbie. Pois é, foi a primeira. rs Mas meu blog está longe de ser esse "fenômeno" que vc acha. Obrigado pelo carinho e pelo comentário. bjs

Sérgio Santos disse...

Oi Felis. O casal protagonista é chato, mas tenho achado Grazi ótima, mesmo vendo pouco a novela. Pois é, o autor prometeu viradas, mas cumpriu só uma parte. Tem a virada (acho que tiveram duas e olhe lá), mas o período cansativo se estende por longas semanas. Abraços.

Sérgio Santos disse...

Jhwz, eu vejo pouco a novela. Cheguei a ver diariamente na época em que estava movimentada, mas depois acabei largando por causa do marasmo. abçs

Sérgio Santos disse...

É verdade, Cléu. Mas juro que foi coincidência mesmo, nada planejado. rs Sérgio e Juca são os grandes e merecidos destaques da novela. Estão vivendo ótimos personagens. Bjs e bom fim de semana.

Sérgio Santos disse...

Verdade, Elvira. A questão da idade gerou mesmo críticas, mas faz parte da licença-poética. Pena que os demais núcleos continuem cansativos. bjs

Sérgio Santos disse...

Lulu, obrigado pelo comentário. bjssss

Sérgio Santos disse...

Exato, Marilene. Nunca me incomodei com questão de idade em novela justamente por não interferir na trama. Caso sejam dois bons atores, ok. bjsss

Sérgio Santos disse...

Pois é, Zilani, essa é a vantagem da novela ser uma obra aberta. bj

Sérgio Santos disse...

Oi Demian, concordo. A novela não é lá essas coisas, mas é bem melhor que Araguaia, do mesmo autor, por exemplo. O Igor evoluiu muito mesmo. Acho a Grazi ótima e o Henri não tem comprometido. abraços.

Sérgio Santos disse...

Concordo, Celina. bjsssss

jhwz2011 disse...

eu pensava que voce era tao fanático por novela que via do começo ao fim mesmo não gostando dela rs, alias porque nao ve as novelas do Vale a Pena Ver de Novo?

Thallys Bruno Almeida disse...

De início, Sérgio, como as chamadas não me empolgavam, fiquei um tanto temeroso de esses dois autores serem mal-aproveitados como tem ocorrido com Laura Cardoso. Ainda mais no caso do Sérgio Mamberti, que já tinha um tempo sem fazer uma novela inteira. Felizmente, me enganei e dou meu ponto positivo ao grande destaque concedido por Walter Negrão aos dois.

Dionísio é um tipão daqueles bastante desprezíveis: nazista convicto, ganancioso e até mesmo machista (como mostrado numa cena em que ele tenta dar em cima de Maria Adília, filha de Veridiana, após humilhar Candinho). Seus embates com Guiomar (Cláudia Netto maravilhosa) e Alberto (Igor Rickli, numa bem-vinda e visível crescente após o fraco início) são excelentes, embora ainda superiores sejam os encontros com Samuel.

E o Juca, então, dispensando dublê e fazendo questão de encarar o quase afogamento: uma entrega como poucas vezes tenho visto recentemente, que só acrescenta ainda mais à genialidade do mesmo.

Sobre os "sem maiores atrativos", concordo em parte. Algumas tramas, felizmente, têm avançado em capítulos das últimas semanas: o reencontro de Maria Adília (Inez Viana cada vez mais maravilhosa) com Veridiana e os filhos após Lino conhecê-la; o romance entre Lino e Carol (que agora terá Taís no meio pra formar triângulo, devido a um trabalho desta); os preparativos do casamento de Natália e Juliano; a ascensão e queda de Hélio - de vice-presidente do grupo Albuquerque a humilhado pelas mulheres que namorou e demitido do mesmo. Inez, Laura, Zé Henrique Ligabue, Maria Joana, Daniela Escobar, Bruno Gissoni e Raphael Vianna têm se saído muito bem em cada uma dessas sequências. Por outro lado, Cassiano se mostra mais um frouxo que só ladra, Ester ficou bastante chata (apesar de já ter enfrentado Dionísio e Alberto outrora), o núcleo dos tenentes voltou a ficar sem função, a inveja da Doralice a tornou insuportável...

No fim das contas, embora não seja uma ótima novela, Flor do Caribe segue com mais acertos do que erros (embora uma diferença não mto pequena) e alterna capítulos ótimos com outros de marasmo completo. Ainda assim, Negrão e equipe merecem os aplausos por valorizarem esses gênios como merecem e, no caso de outros que mencionei, diferenciar seus papéis de tipos parecidos que viveram anteriormente (casos de Ailton Graça, Rita Guedes e Raphael Vianna). Abçs!

Thallys Bruno Almeida disse...

*esses dois gênios

Sérgio Santos disse...

Jhwz, não vejo porque não fico o dia inteiro vendo tv, né? E também tenho outras coisas pra fazer. Novela das seis e das sete se eu não gosto vejo bem pouco. A das nove é que acabo vendo mesmo odiando, porém, caso não goste, deixo de ver vários capítulos.

Sérgio Santos disse...

Thallys, sobre essas situações citadas por você, eu as incluo na trama do nazismo, ou seja, estão na parte dos elogios. Incluindo Maria Adília e o Hélio, que têm ligação com Dionísio.

Porém, pelo pouco que vi, Natália e Juliano continuam mal aparecendo e esse interesse do Lino pela Taís foi totalmente forçado. Vi ali uma clara tentativa de fazer render uma situação que não tinha mais para onde ir. E o resto, incluindo protagonistas, continua com aquele festival de ameaças de sempre.

Acho a novela boazinha e só. Abraços.

Anônimo disse...

adoro essa novela mas o autor nao se ligou muito na questao da idade de dionisio e samuel. Sergio mamberti e mais novo que juca de oliveira e na novela ele tem uns 30 anos a menos.Nada a ver isso!!!

Sérgio Santos disse...

Obrigado pelo comentário, Anônimo. Isso gerou controvérsia mesmo. abçssss

Wiron Barreto disse...

EU QUERIA SABER UMA COISA: QUAL A IDADE DO DIONÍSIO ALBUQUERQUE NESTA NOVELA, VISTO QUE SE FALA MUITO QUE ELE ATUOU NA 2ª GUERRA EM 1945. SE ESTAMOS EM 2013, SÃO PELO MENOS 78 ANOS. SE IMAGINARMOS QUE, EM 1945 ELE TINHA UNS 30 ANOS ENTÃO ELE ATUALMENTE ESTARIA COM MAIS DE 100 ANOS. E AGORA, COMO OS AUTORES RESPONDERÃO ESTE QUESTIONAMENTO?

Sérgio Santos disse...

Wiron, realmente essa questão da idade gera controvérsia. É uma licença-poética da obra porque se formos analisar friamente é sem nexo mesmo.

Anônimo disse...

O nazismo e a escravidão negra são temas que deverão estar sempre presentes nas novelas, para que o mundo jamais se esqueça e as novas gerações tenham conhecimento dessas atrocidades que foram cometidas, e que ainda persistem em alguns lugares, como focos de um grande incêndio que ainda não se apagou totalmente. Graças a Deus, o mundo evoluiu.
-Isaac Rosenthal