quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Retrospectiva 2014: os destaques do ano

O ano de 2014 teve equívocos, mas os acertos foram muitos. Várias produções se destacaram neste ano e mereceram uma sucessão de elogios. A audiência nem sempre correspondeu, o que foi uma lástima, entretanto, números e qualidade muitas vezes não andam juntos. Vale a pena relembrar todos os destaques e novamente aplaudir o trabalho que foi apresentado ao público.





"O Rebu": A melhor novela de 2014. George Moura e Sérgio Goldenberg fizeram um remake repleto de qualidades e conseguiram impressionar. Dirigida brilhantemente por José Luiz Villamarim e com primorosa fotografia de Walter Carvalho, a trama contou com um elenco estelar e personagens que transbordaram complexidades e dubiedades. A história ---- que teve um ótimo texto e uma trilha sonora impecável ---- em torno do assassinato de Bruno Ferraz se mostrou muito bem amarrada e a grande quantidade de cenas densas norteou o folhetim de apenas 36 capítulos, que era apresentado em três tempos (noite da festa, manhã do dia seguinte e flashbacks). O suspense esteve presente do início ao fim.



"Amores Roubados": Antes de impressionar com o remake de "O Rebu", a mesma equipe apresentou uma microssérie primorosa. Escrita por George Moura e dirigida por José Luiz Villamarim, a trama teve dez capítulos e prendeu o público com um enredo cheio de suspense e romance. O elenco repleto de grandes nomes deu vida a vários personagens muito bem delineados e a história era baseada no livro "A Emparedada da Rua Nova". Depois de terem apresentado a maravilhosa "O Canto da Sereia" em 2013, o autor, o diretor e a equipe conseguiram novamente fazer uma produção de alto nível. O ano televisivo de 2014 foi iniciado em grande estilo.




"Meu Pedacinho de Chão": O que seria mais uma mesmice foi transformado em um mundo mágico. Luiz Fernando Carvalho fez o remake de Benedito Ruy Barbosa virar uma encantadora novela, repleta de cor e elementos dos contos de fadas. A história pecava pela falta de acontecimentos, entretanto, o diretor conseguiu hipnotizar através do lúdico e da volta à infância. O figurino colorido dos personagens, os atores propositalmente exagerados e a belíssima cidade cenográfica foram os grandes atrativos desta sensível novela. Destaque ainda para a chegada do inverno, quando todas as casas ficaram cobertas com neve e as bochechas dos atores rosadas para simbolizar o frio. Foi um folhetim de grande qualidade, cujo capricho não será esquecido.



"Amor à Vida": A novela só ficou no ar em janeiro de 2014, no entanto, foi a trama de maior destaque do ano segundo o Google, o que apenas comprova a popularidade e o sucesso da história de Walcyr Carrasco. O folhetim entrou para a história da teledramaturgia ao exibir o esperado beijo gay de Félix (Mateus Solano) e Niko (Thiago Fragoso), que quebrou um tabu que há anos se prolongava. Como se não bastasse este feito, a última cena entrou para a galeria das mais tocantes dos folhetins com o momento que César (Antônio Fagundes) e Félix fazem as pazes em frente ao pôr do sol. Walcyr estreou no horário nobre com pé direito.



"Malhação Sonhos": A atual temporada da novelinha é mais um grande acerto de Rosane Svartman. A autora foi responsável pela ótima "Malhação Intensa" (escrita com Glória Barreto), em 2012, e agora novamente consegue produzir (em parceria com Paulo Halm) uma trama adolescente da melhor qualidade, dirigida por Luis Henrique Rios. A história já passou do capítulo 100 e não perdeu o fôlego. Todos os casais funcionam, o elenco é promissor, o texto é ótimo e os personagens são muito bem construídos. A trilha sonora também é muito bem escolhida. O resultado é uma trama destinada a todas as idades e que se mostra superior a várias novelas que estão no ar. Não por acaso conseguiu aumentar a audiência do horário e deixou para trás o equívoco que foi a temporada da "Malhação Casa Cheia".



"A Teia": A série policial de Carolina Kostcho e Bráulio Mantovani, dirigida por Rogério Gomes, teve dez episódios e foi baseada em uma história real. A trama fez jus ao título e foi realmente muito bem entrelaçada, onde Paulinho Vilhena brilhou na pele do bandido Marco Aurélio Baroni. O elenco, aliás, era muito bom, com destaque também para João Miguel e Andreia Horta, que protagonizaram a série junto com Paulo. A produção esbanjou qualidade e não ficou devendo a nenhum seriado americano. Seu único erro foi a agilidade excessiva da narrativa que muitas vezes confundia o telespectador. Ao invés de ser uma trama ágil, foi uma trama corrida. Mas não prejudicou o bom conjunto da obra.




"Doce de Mãe": Produzida pela Globo em parceria com a Casa de Cinema de Porto Alegre, a série foi oriunda do telefilme que deu a Fernanda Montenegro o Emmy Internacional. A deliciosa história protagonizada pela carismática Dona Picucha mesclou drama e comédia com maestria. Ainda tinha um elenco de peso e o texto abordava com precisão os problemas do cotidiano de uma senhorinha que era de bem com a vida. Todos os episódios primaram pelo bom gosto e quem acompanhou esta produção pode se sentir um privilegiado. Uma pena que não terá segunda temporada.



"O Caçador": A série, que teve Sérgio Goldenberg entre os roteiristas e contou com a ótima direção de Heitor Dhalia, apresentou a história de um policial preso injustamente. Ele acaba virando um caçador de recompensas, enquanto tenta provar sua inocência. Foi um excelente produto e, assim como "A Teia", não ficou devendo aos formatos americanos. Cauã Reymond teve um grande desempenho nesta produção e Aílton Graça também se destacou. A trama exibiu ótimas cenas de ação e conseguiu prender o interesse de quem assistia através das constantes descobertas que o protagonista fazia junto de seu braço direito.




"A Grande Família": A série que ficou no ar de 29 de março de 2001 a 11 de setembro de 2014, teve 489 episódios, e chegou ao fim neste ano com um último episódio repleto de nostalgia e sensibilidade. A história protagonizada pela Família Silva conquistou o público e fechou seu ciclo da melhor forma possível, utilizando a metalinguagem como instrumento para coroar esta produção tão longeva. Foi praticamente impossível não ter se emocionado com o final daquela trama que ficou quase 14 anos no ar. Destaque para Marco Nanini, Marieta Severo, Tonico Pereira, Guta Stresser, Pedro Cardoso, Marcos Oliveira, Evandro Mesquita, Lúcio Mauro Filho e Andrea Beltrão.




"Aprendiz Celebridades": Foi a décima temporada de "O Aprendiz", mas com famosos. E este foi justamente o grande êxito do reality. Ao convocar tipos conhecidos do público (ainda que alguns não fossem tão conhecidos assim), o programa conseguiu apresentar algo novo e manteve todas as conhecidas qualidades da competição. Roberto Justus foi firme com as 'celebridades', da mesma forma que era com os anônimos, e a atração (que premiou Ana Moser) não mereceu a baixa audiência. Haverá mais uma temporada em 2015 e tomara que seja tão boa quanto esta.



"The Noite": O programa estreou em março e marcou a transferência do Danilo Gentili da Band para o SBT. E Silvio Santos acertou em cheio ao contratá-lo. O talk show é um sucesso nos fins de noite da emissora e conseguiu incomodar até a Globo, que há anos exibe o "Programa do Jô". Danilo é um ótimo apresentador e faz boas entrevistas. Não há dúvidas de que foi a grande contratação que o SBT fez em 2014.



"MasterChef": A versão nacional do formato que faz sucesso no mundo todo foi o maior êxito da Band em um ano marcado pelos problemas que enfrentou com o "CQC". Apresentado por Ana Paula Padrão, a competição de culinária (que consagrou Elisa campeã) fez muito sucesso e os chefs Erick Jacquin, Paola Carosella e Henrique Fogaça foram os responsáveis pelos melhores momentos da atração com seus comentários ferinos, duros e algumas vezes bem-humorados. A segunda temporada já está garantida e estreia em maio de 2015.



"Plano Alto": Escrita por Marcílio Moraes, a minissérie foi uma grande produção da Record. A trama apresentou uma ótima história envolvendo os meandros da política e as manifestações violentas promovidas pelos black blocs. Protagonizada por Gracindo Jr., Milhem Cortaz e Bernardo Falcone, a história contou com um ótimo elenco, bons personagens e conflitos pertinentes em um ano marcado pelas eleições. A audiência foi bem baixa, mas não fez jus ao produto, que mereceu muitos elogios.



"Questão de Família": A série, produzida pela Atitude Produções, foi uma grata surpresa do GNT. Protagonizada por Eduardo Moscovis, a trama despertou atenção e a história de um juiz que precisa lidar com os casos que julga e seus próprios problemas foi muito bem desenvolvida. Todos os episódios estavam bem produzidos e o resultado pôde ser visto no ar. A segunda temporada já está sendo gravada e vai ao ar em 2015. Merecia mesmo uma continuação.





Fernanda Lima: O ano de 2014 foi muito bom para ela. Depois de ter se destacado em várias temporadas do "Amor & Sexo", virou apresentadora principal do "SuperStar" e ainda foi convocada pela Fifa para comandar a cerimônia do sorteio dos grupos da Copa do Mundo. Para culminar, fechou o ano apresentando mais uma bem-sucedida temporada do "Amor & Sexo". Fernanda se encontrou como apresentadora e virou a melhor do país, sem exagero. Seu domínio de palco é admirável.



Fernanda Gentil: Foi a musa da Copa. Ela simplesmente apareceu em quase todos os links da Globo na época da Copa do Mundo e cobriu os bastidores da seleção brasileira com competência. Carismática e desenvolta, noticiava a rotina do time sempre de bom humor e fazendo piadas. Até chorou depois que o Brasil perdeu de 7 a 1 da Alemanha, em um jogo que entrou para a história das vergonhas. Não por acaso virou uma das repórteres mais queridas pelo público e caiu nas graças da emissora. Merece o reconhecimento que vem tento e ascensão profissional. Foi o ano dela.





"Sessão de Terapia": A terceira temporada foi tão primorosa quanto as duas anteriores e a série protagonizada por Zécarlos Machado é a produção mais caprichada do GNT. O canal a cabo mais uma vez conseguiu apresentar um produto riquíssimo e repleto de grandiosas atuações. Os dramas dos personagens abusaram da densidade e quem assistiu se viu completamente envolvido por todas aquelas pessoas que foram se consultar com o psicólogo Theo, que também precisou enfrentar seus dilemas. Além do ator principal, é preciso destacar Letícia Sabatella, Selma Egrei e Paula Possani.



"3 Teresas": A segunda temporada repetiu todas as qualidades vistas na primeira. Protagonizada por Manoela Aliperti, Denise Fraga e Cláudia Mello, a série consegue fazer rir e chorar com a mesma facilidade. A história de três gerações da mesma família é repleta de tramas de fácil identificação e as atrizes têm uma sintonia maravilhosa em cena. Tetê, Teresa e Teresinha são cativantes e esta produção é uma das melhores do GNT. Pena que a terceira temporada só irá ao ar em 2016.



"Conselho Tutelar": Criada por Marco Borges e Carlos de Andrade, a série foi mais um acerto da Record, após "Plano Alto". Protagonizada por Roberto Bomtempo e Paulo Vilela, a história teve quatro episódios e retratou o cotidiano de um dedicado conselheiro tutelar que tinha o assistente como seu braço direito. Todas as tramas foram bem desenvolvidas e foi interessante acompanhar o desenvolvimento dos casos que os protagonistas precisavam resolver. A segunda temporada já foi encomendada pela emissora para 2015.



"Amor & Sexo": O programa se encerraria em 2013, mas teve sua vida prolongada devido ao sucesso. E a temporada de 2014 foi tão divertida quanto as outras. Ou seja, a atração comandada por Fernanda Lima voltará em 2015 e, ao que tudo indica, não sairá do ar tão cedo. A Globo pretende continuar com o regime de temporadas em virtude do êxito do formato, que continua com fôlego de sobra e prendendo o telespectador com aquela bagunça organizada.




"Tá no ar: a TV na TV": Estreou em abril e foi o melhor programa de humor que a Globo estreou em anos. Criado por Marcius Melhem, Marcelo Adnet e Maurício Farias, o formato abusa das piadas ácidas, ridiculariza os comerciais e debocha da própria emissora. O elenco é ótimo e a agilidade dos quadros impede qualquer tipo de situação entediante. Após o fracasso da série "O Dentista Mascarado", em 2013, Adnet se encontrou com esta nova atração que já tem uma segunda temporada prevista para o início de 2015.




"Eu que amo tanto": A série do "Fantástico", baseada no livro homônimo de Marília Gabriela e escrita por Euclydes Marinho, foi excelente. Mariana Ximenes, Marjorie Estiano, Susana Vieira e Carolina Dieckmann protagonizaram os quatro episódios e todas se entregaram por completo. Dirigida por Amora Mautner e Joana Jabace, a produção teve apenas um defeito: a curta duração das histórias, uma vez que contá-las em capítulos com menos de 10 minutos foi um equívoco. Mas o saldo geral foi mais do que positivo, incluindo o desempenho das atrizes, que puderam ser vistas interpretando mulheres obcecadas e desequilibradas emocionalmente.



"Dupla Identidade": A série de Glória Perez foi um baita êxito da autora após a problemática e criticada novela "Salve Jorge". A trama que contava a saga de um violento serial killer conquistou o público e a atuação magistral de Bruno Gagliasso impressionou. O elenco todo foi merecedor de aplausos e a adrenalina esteve presente do começo ao fim. Dirigida brilhantemente por Mauro Mendonça Filho, a produção fechou o ciclo de séries de 2014 da Globo em grande estilo.







Boa Surpresa (1): Sophie Charlotte e Patrícia Pillar em "O Rebu".
As duas atrizes tiveram uma parceria ótima no remake e a boa sintonia da dupla ficou evidente. Duda e Angela tinham uma relação sombria, que mesclava amor, dependência, cumplicidade, ódio e ciúmes, deixando no ar, de forma subentendida, um clima sexual. Ambas protagonizaram inúmeras cenas tensas e conseguiram se destacar em todas elas, comprovando o acerto da escolha delas como protagonistas.



Boa Surpresa (2): Retorno de Maria Flor em "O Rebu".
Sua última novela foi "Eterna Magia", em 2007, e desde então nunca mais havia participado de um folhetim. Após sete anos afastada, Maria Flor finalmente voltou no remake de George Moura e Sérgio Goldenberg e pôde presentear o telespectador com seu talento. Ela viveu a introvertida Camila e fez uma boa dupla com o ótimo Júlio Andrade, intérprete do Oswaldo. E é bom saber que Maria Flor estará em "Sete Vidas", próxima novela das seis, escrita por Lícia Manzo, que estreia em março de 2015.


Boa Surpresa (3): "Globo de Ouro Palco Viva".
Em virtude do sucesso que as reprises do "Globo de Ouro" fizeram, o Canal Viva resolveu produzir um especial do programa musical, apresentado por Márcio Garcia e Juliana Paes. Apesar das falhas pontuais (como a escolha de algumas apresentações, o cenário equivocado e o isolamento dos apresentadores), a ideia foi muito bacana e serviu para despertar a atenção dos saudosistas. Ao que tudo indica, em 2015, devido ao êxito, haverá mais uma edição.



Boa Surpresa (4): "Como Será?".
A ideia de condensar "Globo Universidade", "Globo Educação", "Globo Ecologia", "Globo Ciência" e "Ação" em um só programa foi ótima e colocar a sempre simpática Sandra Annenberg para apresentar melhor ainda. A jornalista comanda a atração, que exibe programas sociais, sustentabilidade e cidadania, com competência e ainda recebe alguns convidados. O grande problema é o horário, já que começa às 06h de sábado. No entanto, os programas que foram condensados já eram exibidos na mesma faixa horária.


Boa Surpresa (5): Volta de Joana Fomm em "Boogie Oogie".
Após um longo período se recuperando de sérios problemas de saúde, a grande atriz retornou na novela das seis na pele da ferina Tia Odete. Foi uma grata surpresa e um prazer ver novamente Joana atuando em um folhetim. Só é de se lamentar que o autor Rui Vilhena tenha matado sua personagem de forma gratuita. A participação dela foi muito rápida e nem deu para aproveitar suas cenas com Betty Faria, relembrando o sucesso de "Tieta". Pena.



Boa Surpresa (6): "Hora Um da Notícia".
O telejornal estreou no dia 1º de dezembro, às 05h, no lugar do "Globo Rural", com o objetivo de atrair a audiência no início das manhãs. E a estratégia deu certo, já que os números do horário aumentaram significativamente. Apresentado pela simpática e competente Monalisa Perrone, o jornal virou uma ótima opção para quem quer se informar logo cedo.



Boa Surpresa (7): Aparição da Fatinha em "Malhação Sonhos".
Após ter brilhado em "Além do Horizonte", na pele da mocinha Lili, mostrando uma franca evolução, Juliana Paiva foi convidada pela autora Rosane Svartman para uma rápida participação na atual temporada. Ela prontamente aceitou e foi muito divertido ver Fatinha (personagem que fez mais sucesso na "Malhação Intensa") de volta e grávida do seu amado Bruno (Rodrigo Simas). Durou apenas um capítulo, mas valeu a pena.


Boa Surpresa (8): Mariana Ximenes em "Eu que amo tanto".
A estreia da ótima série dirigida por Amora Mauter e Joana Jabace causou impacto. Isso porque Mariana Ximenes se entregou por completo no episódio e ainda protagonizou uma cena quente com Márcio Garcia, exibindo seus seios. A atriz encarou o desafio, mais uma vez mostrou seu talento e a produção estreou em grande estilo.



Boa Surpresa (9): Juliana Silveira em "Vitória".
A atriz é um dos poucos acertos da novela da Record. Priscila é uma neonazista cruel e está sendo muito bem interpretada. Juliana vive sua primeira vilã na carreira e está mostrando que é um profissional versátil. Sua personagem é o grande destaque da trama.








Melhor Cena (1): Beijo de Félix e Niko em "Amor à Vida".
O esperado momento foi exibido no último capítulo da novela de Walcyr Carrasco e foi histórico. Um tabu foi quebrado e o gesto de amor dos personagens os consagrou como o par gay mais querido da teledramaturgia. Mateus Solano e Thiago Fragoso estiveram ótimos e não esconderam o orgulho da cena. A sequência foi noticiada pela imprensa de vários países, incluindo a do Brasil, obviamente.



Melhor Cena (2): César e Félix fazendo as pazes em "Amor à Vida".
Depois da linda cena protagonizada por Félix e Niko, foi a vez do principal personagem da novela protagonizar uma sequência tocante ao lado do seu pai. Foram muitas brigas pesadas e vários desentendimentos, entretanto, na hora da dor o sentimento falou mais alto. Após ter sofrido um derrame e ainda cego, em virtude do envenenamento de Aline (Vanessa Giácomo), César se viu sozinho e acabou sendo cuidado justamente pelo filho que mais odiava. O simples 'eu te amo' dito por Félix ao pai, em frente a um pôr do sol, foi o suficiente para que o dono do Hospital San Magno se desarmasse, também declarando o seu amor ao filho, deixando sua homofobia de lado. Um final lindo e sensível, com direito a um show de Antônio Fagundes e Mateus Solano.



Melhor Cena (3): Cadu encontrando a família do seu doador em "Em Família".
Foi a sequência mais bonita da trama de Manoel Carlos. O momento que Cadu encontra o filho e a esposa do rapaz que faleceu (e teve seu coração transplantado no marido de Clara) emocionou quem assistiu. Deu para ver, inclusive, que Reynaldo Gianecchini e Giovanna Antonelli ficaram tocados de verdade com a cena. Bonito de se ver.




Melhor Cena (4): Duda cantando 'Sua Estupidez' em "O Rebu".
Logo na estreia do remake de George Moura e Sérgio Goldenberg, houve uma cena de pura emoção, protagonizada por Sophie Charlotte. A sequência em que Duda canta a música de Roberto Carlos para todos os convidados da festa e ainda chora foi linda e de uma sensibilidade rara. No último capítulo, o telespectador veio a saber que aquele choro angustiado era de arrependimento por ter 'matado' Bruno. Grande cena e uma das mais lindas do ano.



Melhor Cena (5): Queda de Jaime Favais de um penhasco em "Amores Roubados".
Murilo Benício e Isis Valverde protagonizaram uma impactante cena. Jaime e a filha Antônia têm uma forte discussão no topo de um penhasco e, no meio da briga, o poderoso empresário se desequilibra e cai, morrendo na hora. A sequência em que a jovem constata a morte do pai foi dilacerante.



Melhor Cena (6): Duda bate em Bruno e o coloca no freezer em "O Rebu".
A sequência onde Duda e Bruno têm uma forte discussão, e ela dá uma pancada na cabeça do namorado com uma estátua, foi o melhor momento de Sophie Charlotte e Daniel de Oliveira. Destaque para a atuação da atriz no instante que personagem enxuga o sangue do chão, segura o vômito e depois arrasta o que seria o cadáver do rapaz para dentro do freezer. Uma cena impactante.



Melhor Cena (7): Angela diminui a temperatura do freezer e mata Bruno em "O Rebu".
Patrícia Pillar brilhou na sequência onde Angela Mahler vai verificar o corpo de Bruno e acaba escutando ele gritar por socorro de dentro do freezer. Ao invés de tirá-lo de lá, ela simplesmente diminui a temperatura do aparelho e o mata. O grito de desespero dado por Daniel de Oliveira foi impressionante. Mais uma grande cena deste primoroso remake.



Melhor Cena (8): Angela é assassinada nos minutos finais do último capítulo de "O Rebu".
Foi a sequência mais surpreendente do final da novela. Nenhum site de notícias conseguiu noticiar este fim e o telespectador foi pego de surpresa com um desfecho forte. Depois de fazer um acordo com Duda, onde a menina confessa que assassinou Bruno, livrando a mãe da culpa, a empresária acaba morta em sua mansão por Severino (Cláudio Jaborandy), que a matou a mando do canalha Carlos Braga (Tony Ramos). A última cena do remake não poderia ter sido mais ousada e triste.



Melhor Cena (9): Marilda e Nenê se reencontrando em "A Grande Família".
A cena foi linda e usou a metalinguagem a seu favor. Isso porque a emoção do reencontro protagonizado pelas amicíssimas Nenê e Marilda foi mesclado com o encontro de Marieta Severo e Andrea Beltrão, que também são grande amigas. Aquele abraço apertado foi dado pelas personagens e pelas atrizes. Um momento lindo.



Melhor Cena (10): Despedida de "A Grande Família".
O último episódio foi nostálgico e muito bonito. Foi difícil não ter se emocionado na sequência final, com toda a família muito unida e muito ouriçada reunida na casa dos Silva e fazendo um brinde. Quando apareceu na tela a palavra 'fim', houve a constatação do encerramento de um vitorioso ciclo que será sempre lembrado.



Melhor Cena (11): Atropelamento de Alan em "Malhação Sonhos".
É sempre uma dificuldade produzir alguma sequência mais forte em "Malhação" devido aos problemas envolvendo a classificação indicativa do horário; entretanto, a equipe da atual temporada conseguiu driblar esta limitação com maestria no momento da morte de Alan (Diego Amaral). A cena do atropelamento foi muito bem feita e o clima de tensão se manteve presente do início ao fim da sequência.



Melhor Cena (12): Imaginação macabra de Edu em "Dupla Identidade".
Era apenas um sonho, ou melhor, um pesadelo. Porém, a sequência onde Edu (Bruno Gagliasso) imagina a filha do delegado Dias (Tati) amarrada e pendurada como se fosse um lustre, enquanto ele se delicia com um banho de banheira, impressionou. A cena foi forte e assustadora, apesar do curto tempo que ficou no ar.




Melhor Cena (13): Edu torturando psicologicamente Vera em "Dupla Identidade".
Tudo começou quando o serial killer fez Vera (Luana Piovani) de refém para escapar da cadeia. Depois, ele a amarra em uma árvore, a amordaça e a tortura psicologicamente em uma sequência onde a tensão chegou ao clímax. O momento mais arrepiante foi quando ele encostou uma faca na garganta da policial e a vendou. Bruno e Luana protagonizaram uma primorosa cena.



Melhor Cena (14): Queda de um avião na estreia de "Alto Astral".
Logo no primeiro capítulo da novela das sete, o telespectador pôde ver uma sequência impecável, onde os efeitos especiais impressionaram. A cena da queda do avião onde estavam Maria Inês (Christiane Torloni) e seus dois filhos foi muito bem realizada. O momento em que a aeronave tenta aterrissar em uma estrada, obrigando os motoristas a desviarem, e perde uma turbina ao bater em um caminhão, foi incrível.



Melhor Cena (15): Elenco cantando 'Chuá Chuá' em "Meu Pedacinho de Chão".
A encantadora novela conseguiu surpreender até nisso. A cena onde todos os personagens cantam, fazendo um lindo musical, foi tocante e impecável. Luiz Fernando Carvalho ousou e colocou todos os atores soltando a voz, emocionando quem assistia. Um momento de pura poesia.


Melhor Cena (16): Morte de LC em "Além do Horizonte".
O psicopata criou uma máquina da felicidade (que na verdade deixava as pessoas com retardos mentais) e terminou morrendo dentro de sua criação. A sequência em que o vilão se descontrola e entra na máquina (após ver sua comunidade incendiada) foi ótima. O fogo atinge o aparelho, que provoca uma imensa explosão, destruindo todo o local. Uma atuação primorosa de Antônio Calloni e um show de efeitos especiais.


Melhor Cena (17): Zelão corta sua franja em "Meu Pedacinho de Chão".
Disposto a conquistar sua amada Juliana (Bruna Linzmeyer), o capataz resolve mudar de visual radicalmente para amenizar um pouco a sua aparência intimidadora. O momento que o personagem corta sua comprida e característica franja (e chora copiosamente) foi uma cena primorosa, destacando o imenso talento de Irandhir Santos.



Melhor Cena (18): Edu na cadeira elétrica em "Dupla Identidade".
Foi apenas mais um sonho/pesadelo do psicopata, porém, a sequência onde Edu é eletrocutado na cadeira elétrica, e ainda é observado pelos cadáveres de todas as suas vítimas, foi forte e, para variar, Bruno Gagliasso fez bonito. A cena foi muito bem executada e a impressão passada era de que realmente ele estava levando um choque letal.




Melhor Cena (19): Explosão de um Shopping em "Alto Astral".
Silvio de Abreu, que supervisiona a novela de Daniel Ortiz (seu antigo colaborador), se 'vingou' anos depois da explosão que matou Leila e Rafaela em "Torre de Babel". Isso porque ocorreu uma explosão em outro shopping, mas desta vez Christiane Torloni e Silvia Pfeifer não morreram na ficção. A cena, que usou a metalinguagem de uma forma genial (quando Maria Inês fala para Úrsula: "Nós não vamos morrer. Não dessa vez!"), teve ótimos efeitos especiais e destacou o desempenho das atrizes.



Melhor Cena (20): Primeira vez de Zelão e Juliana em "Meu Pedacinho de Chão".
A cena em si nem foi vista, porém, foi lindo ver a felicidade de Zelão após ter se casado com sua professorinha. E a sequência onde o capataz leva Juliana (Bruna Linzmeyer) para casa, em cima de seu cavalo, ao som do clássico 'Velha Infância', dos Tribalistas, foi um momento encantador e de puro romantismo. Parecia um príncipe com sua princesa, fazendo jus aos contos de fadas.



Melhor Cena (21): Morte de Eliane em "Império".
Logo no início da segunda fase da novela de Aguinaldo Silva, o telespectador pôde conferir o show de atuação de Drica Moraes. Isso porque a cena do falecimento de Eliane (Malu Galli) foi o melhor momento da atriz na novela. Cora chorava e gargalhava ao mesmo tempo, misturando alegria e dor pela morte da irmã. Drica foi fenomenal e aquela sequência foi a mais forte da trama até agora.



Melhor Cena (22): Chegada do inverno em "Meu Pedacinho de Chão".
Nada mais encantador do que ver a neve chegando na Vila de Santa Fé, marcando o início do inverno. Foi mais um presente que o diretor Luiz Fernando Carvalho deu ao telespectador. Toda a linda e colorida cidade cenográfica ficou branca e os personagens mudaram de figurino, passando a usar roupas mais pesadas, onde cores como amarelo, rosa e vermelho cederam lugar para o preto, azul claro e verde piscina. Uma obra prima.










Como se nota (apesar dos equívocos e problemas já mencionados na retrospectiva dos piores do ano), 2014 foi repleto de produções de qualidade, cujos momentos marcaram quem assistiu. Todas as produções, cenas e profissionais presentes nesta lista de destaques merecem elogios e o telespectador foi presenteado com ótimas produções e grandes atuações (citadas na retrospectiva dos melhores atores e atrizes). Esta foi a última postagem de 2014 e desejo a todos os leitores um ano repleto de saúde, paz, prosperidade e muito sucesso! Feliz Ano Novo e nos vemos em 2015!


64 comentários:

Gabriella disse...

Primeiramente, feliz 2015! hehe E essa sua última retrospectiva fechou esta sua saga de retrôs com chave de ouro. O Rebu e Meu Pedacinho de Chão foram as grandes novelas de 2014 e isso é unânime na crítica. Foram mesmo novelas maravilhosas e caprichadas, com destaque pro Rebu. Também destaco Sessão de Terapia, 3 Teresas e Questão de Família, três ótimas séries do GNT. As cenas que vc elegeu como melhores de fato foram. Só cenão! Parabéns, Sérgio.

Anônimo disse...

Mais uma retrospectiva sensacional, Sérgio. Tô meio bêbada mas dá pra comentar. hahaha O Rebu foi a melhor novela do ano e entrou pra galeria de novelas primorosas da Rede Globo. Meu Pedacinho de Chão também entrou na lista e ambas foram aclamadas pela crítica. Pena que a audiência não foi boa. E Dupla Identidade, O Caçador, Doce de Mãe, Sessão de Terapia e 3 Teresas foram séries maravilhosas. Lamento não ter visto Questão de Família. E essas cenas que vc elegeu como melhores eu vi todinhas!!!!!!!!! Adorei todas e fizeram por merecer taí. Fernanda Lima se destacou mesmo que nem a Fernanda Gentil. Adorei também a galeria com as boas surpresas.

Olímpia Menezes disse...

Parabéns pela detalhada e rica retrospectiva. Nunca comentei seus posts mas resolvi começar o ano comentando já que ler, eu leio há muito tempo. Achei 2014 um ano bem bom para as produções. O Rebu e Meu Pedacinho de Chão podem não ter feito sucesso mas foram novelas que deram prestígio para a emissora e para o elenco. Eu fui fã das duas. Amor à Vida está na lista do Google como a mais acessada porque foi um sucesso de repercussão e audiência. Ainda quebrou um tabu histórico e concordo que tanto essa cena do beijo quanto a do perdão foram lindas. Não achei a novela ótima, achei mediana, mas teve muitos méritos.

Sobre as séries, concordo com todas as menções, em especial para as do GNT. E Amores Roubados foi uma microssérie maravilhosa. Essa equipe só fez coisa boa na Globo até agora. Queria ver em uma obra inédita porque o autor tem talento.

As cenas que vc destacou foram ótimas e elejo o inverno de Meu Pedacinho, o beijo gay e as pazes de pai e filho em Amor à Vida, a morte do LC em Além do Horizonte, e todas as cenas finais de O Rebu. Parabéns pela retrospectiva. E feliz ano novo!

Van disse...

Oi Sergio

você fez uma retrospectiva impecável. Foi bom relembrar algunas das cenas que você destacou, lindas e super bem feitas!

Feliz Ano Novo com muita paz e realizações para você e os seus!

Beijos

Ricardo disse...

Imaginei quais as tres primeiras cenas e acertei. A última cena de amor a vida foi linda mesmo. Mas a minha preferida de todas é a do Cadu conhecendo a família do doador. Foi uma repercussão impressionante e ao contrário do casal clarina, cujas tags eram combinadas 24 horas antes, o nome do Cadu entrou espontaneamente nos tts. No face da globo a imagem foi super curtida e elogiada e a única que eu me lembro a ser repercutida no fantástico. Mérito do incrível trabalho do Giane. Incluiria ai tbm a cena que ele descobre que precisa de um transplante. Parabéns pelo ótimo trabalho Sérgio.

Ricardo disse...

Quanto aos outros destaques, gostei do inverno de Meu pedacinho de chao e da incrível atuação da Mariana Ximenes em eu que amo tanto. Já tá na hora de voltar para a tv.

Andressa Mattos M. disse...

Sérgio, nada melhor do que essa retrospectiva pra fechar 2014. Vc fez uma retrospectiva melhor que a outra. O Rebu foi a novela mais impecável desse ano e tudo deu certo, até mesmo o curto número de capítulos que no fundo foi bom pra evitar barriga. Meu Pedacinho de Chão eu não gostei pq achei a trama fraca, mas teve um conteúdo estético admirável mesmo e é mérito do diretor.

Amor à Vida fez história e fiquei surpresa quando li em algum site que ela tem a melhor audiência depois de Avenida Brasil. E foi um sucesso mesmo. O beijo gay marcou pra sempre e o final foi um dos mais emocionantes já vistos.

Muitas das séries que vc mencionou eu lamento não ter visto, mas Sessão de Terapia é primorosa mesmo. E adorei a parte das boas surpresas. Concordo com todas elas. E as 20 melhores cenas que vc citou foi excelentes. Destaque pras duas de Amor à Vida, pra todas de O Rebu e para a morte do LC em Além do Horizonte. E eu vi a metalinguagem da explosão do shopping em Alto Astral e achei uma sacada de gênio. Nossa, me deliciei com esse seu último texto. Tenha um lindo ano novo e em 2015 estarei aqui de novo. Beijo.

Anônimo disse...

O Rebu, Meu Pedacinho de Chão e Amores Roubados foram as grandes produções de 2014. Das séries, destaco Dupla Identidade, Caçador e Doce de Mãe. Das cenas, estou de pleno acordo com todas que vc mencionou. Parabéns pela seleção e bom 2015.

Thallys Bruno Almeida disse...

E vamos lá comentar cada item. Tenho pontos a comentar e discordar.

O Rebu: não concordo que tenha sido a melhor novela de 2014. Teve grande produção, elenco, ambientação, trilha sonora, mas não gostei da forma como eles conduziram a história, o que me tirou o interesse em acompanhar. Larguei na metade e só vi depois a última semana. Não achei a novela tão boa assim, embora vc tenha adorado.

Meu Pedacinho de Chão: uam novela encantadora, com ótima linguagem adotada pelo diretor Luiz Fernando Carvalho e personagens carismáticos criados por Benedito Ruy Barbosa, porque essa novela tem um autor também. Essa história de "o que seria mais uma mesmice" é futurologia desrespeitosa, em meu ver. É tipo dizer que o BRB só faz novela ruim, e O Rei do Gado, feita pela mesma dupla, tá aí pra provar que não. Não acho que todos os louros tenham que ser só de LFC, porque ele deu uma linguagem linda mas quem criou as histórias e os personagens foi Benedito. E ainda tem os atores, Irandhir, Osmar Prado, Geytsa, Tomás e principalmente Juliana Paes.

Amor à Vida: acho desnecessária a inclusão, pois já entrou na lista de 2013. A alta quantidade de acessos e os bons números de ibope não mudam minha opinião: novela fraca, que não soube sustentar o que tinha de bom. A inclusão das cenas de Félix-Niko-César na parte de boas cenas já era suficiente para representá-la.

A Teia: uma boa série, mas pouco tenho a falar porque não vi todos os episódios.

Malhação Sonhos: uma boa temporada, com história atraente, bons personagens. Só peca nessa mania de querer ressuscitar personagem da temporada 2012/13 sem a menor necessidade. Mas, fora isso, é um bom trabalho dos autores.

Amores Roubados: um acerto pleno do começo ao fim. Elenco afiado (principalmente Patrícia, Cássia, Dira, Benício, Isis, Osmar, Irandhir e Jesuíta), história de impacto, atraente e muito bem desenvolvida. Aqui os autores acertaram em cheio e merecem todos os aplausos. Amei essa série mais do que nunca.

Doce de Mãe: uma linda e deliciosa produção que rendeu cenas emocionantes tão lindamente protagonizadas por nossa Fernanda Montenegro e um elenco tão brilhante que a rodeava.

O Caçador: não concordo com a inclusão. História confusa, falhas de direção e não achei que Cauã Reymond tenha se destacado, pelo contrário. A série pra mim ficou devendo e na prática não passou de um pretexto para Cauã protagonizar cenas quentes com várias atrizes. Não gostei. Aplaudo apenas Cleo Pires, Ailton Graça e Alejandro Claveaux.

Pra mim, a melhor novela do ano é Boogie Oogie. Por mais básica, batida e clichê que seja sua premissa (troca de bebês e segredo da vilã), a novela me prende mais do que qualquer outra já tenha conseguido esse ano. É uma novela sem ter medo de ser novela e isso não é pouca coisa. A história me envolve, o elenco tem chance de brilhar, quase ninguém é sub aproveitado e a novela tem uma das melhores trilhas do ano. Considero a melhor novela do ano simplesmente porque reavivou meu interesse em me envolver por uma história cativante, por mais basicona/clichê/batida que seja. Às vezes voltar ao básico faz bem. Oxigena o gênero para preparar para obras complexas.

Dupla Identidade foi a série policial do ano. Deu um banho em A Teia e O Caçador. A redenção de Glória Perez, que trouxe um trabalho fantástico e levou Bruno Gagliasso para outro patamar com sua visceral atuação vivendo o serial killer Edu. Além do trabalho de direção fantástico de Mauro Mendonça Filho e René Sampaio, a visceral trilha de Andreas Kisser (Sepultura) e do elenco coadjuvante que completou este elenco. Digno de aplausos.

Fernanda Gentil e Fernanda Lima mereceram demais o sucesso que fizeram. Duas maravilhosas.

Plano Alto e Conselho Tutelar foram ótimas séries produzidas pela Record, em especial a primeira, por sua forte trama política.

O Tá no Ar foi a retomada da Globo aos bons tempos de humor. Liberdade artística como poucas vezes se viu, atores em sua melhor forma e esquetes hilários, como Jardim Urgente, Galinha Preta Pintadinha e Pesca Fatal. (continua)

Thallys Bruno Almeida disse...

(continua) Eu Que Amo Tanto foi a série certa no horário e formato errados. Amora Mautner inspiradíssima, Euclydes Marinho excelente e elenco afiado. Na minha preferência, Mariana >> Marjorie >>>>>>>>>>>>>>>>>> Carol >>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>> Suzana (em termos de episódio).

Aprendiz Celebridades não merecia flopar, mas foi outra prova que mostrou que quando o vencedor não é definido pelo público, a chance de vitória justa é muito maior.

No The Noite, Danilo Gentili ampliou seu sucesso mantendo seu estilo escrachado nas entrevistas. Não à toa se deu tão bem no SBT.

O Masterchef foi de longe o melhor reality do ano. Trouxe um novo filão (reality culinário), jurados carismáticos e competidores em sua maioria bons de fato. A final foi maravilhosa.

Nas boas surpresas: Sophie e Patrícia eu elogiei na lista dos atores e atrizes, então não falarei agora.

O remake do Globo de Ouro mostrou o quão carismática e desenvolta é Juliana Paes até mesmo na apresentação. E o quanto Márcio Garcia é desperdiçado pela emissora. A dupla funcionou muito bem, apesar de alguns textos serem claramente lidos e valeu a pena rever os artistas antigos que fizeram a história do programa, apesar das inclusões desnecessárias de astros pop da geração mais nova.

O Hora 1 foi uma aposta até arriscada, o SBT vinha se destacando no horário com o jornal do César Filho. E a aposta no formato – e na Monalisa – deu certo.

A volta da Joana Fomm foi maravilhosa e foi divertido vê-la com o deboche maravilhoso que ela imprime às suas vilãs. É uma pena que tenha saído tão cedo da trama, o que poderia enriquecer mais. (a menos que ela tivesse combinado antes por causa do tratamento)

Mariana Ximenes merece todos os elogios e aplausos porque considero-a a melhor atriz da geração dela com vantagem considerável. A forma como ela se entrega a cada personagem é fascinante e agora em Eu Que Amo Tanto não foi diferente.

Discordo frontalmente sobre Juliana Paiva. Não vi qualquer evolução e nem um desempenho brilhante em sua personagem de Além do Horizonte - aliás, não gostei dela. E essa ideia de chamá-la pra viver a Fatinha de novo foi absolutamente ridícula e em nada acrescentou à história. Assim como não teria nenhum sentido chamar a Isis Valverde pra reviver a Rakelly ou a Suellen numa novela. "ah mas o silvio de abreu tb repete personagem" Repete porque quer contar com o ator na novela mas não tem papel pra ele, é diferente. É como "única saída", em respeito ao ator. Agora isso aqui, com todo respeito aos autores, eu acho de uma total falta de propósito. Eu adorei a personagem na Malhação original dela, mas passou. Acabou. É bola pra frente.

No lugar dessa palhaçada, eu insiro o Emmy de Joia Rara, muito merecido e que coroou um difícil, mas encantador trabalho de Duca e Thelma. Não foi sua melhor novela, como Cordel e Cama, teve seus problemas, mas a história, eu considero que foi sim digna de um Emmy. Essa história de ganhar só pela produção não cola comigo.

Entre as melhores cenas, destaco Amores Roubados. Isis e Murilo extraordinários na cena final, dando tudo de si e engrandecendo uma sequência maravilhosa – e isso que o final foi mudado, no livro original ela era emparedada viva.

As sequências de O Rebu foram muito boas, mesmo eu não tendo gostado muito da trama. As da reta final, melhores ainda. Sophie se saiu muito bem cantando RC, mas mais ainda junto dele no especial.

As cenas de A Grande Família foram lindas, assim como o episódio em si. Fecharam com chave de ouro uma série marcante. E a cena de Em Família tb foi bem feita.

Retiro as cenas de Alto Astral, Malhação e ADH. Boas, mas não o suficiente perto das cenas que acima mencionei e considero melhores. No lugar delas, insiro duas cenas de Joia Rara que me encantaram muito mais: uma, a morte de Ernest nos braços de Pérola. A outra, a cena final, com Glória Menezes vivendo a Pérola adulta.

Thallys Bruno Almeida disse...

(continua) E, das cenas de Dupla Identidade, destaco a cena da cadeira elétrica. Uma ousadia e tanto da autora Glória Perez.

No fim das contas, fico com o que mais me agradou esse ano: Amores Roubados, Dupla Identidade, Boogie Oogie, Emmy de Joia Rara, Fernanda Gentil, Fernanda Lima, Hora 1, Joana Fomm, Globo de Ouro, Eu Que Amo Tanto, Tá no Ar, Plano Alto, Sessão de Terapia, Aprendiz, Masterchef, The Noite, Doce de Mãe e o fim de A Grande Família. É isso. Aproveito pra desejar um ótimo 2015 pra vc.

Ana Carolina disse...

Maravilhosa retrospectiva. Completíssima. O Rebu foi mesmo a melhor novela do ano e Meu Pedacinho de Chão foi uma novela linda esteticamente. As demais nem se comparam. E nem sabia disso do Google sobre Amor à Vida. E olha que ficou no ar só em janeiro... Fez sucesso mesmo.

As cenas que vc destacou foram muito boas e marcantes. Especialmente as de O Rebu que foram impactantes. Eu tb amei a volta da Fatinha na Malhação e me diverti. Legal ver a autora fazendo essa mescla da temporada de 2012 com essa. E Amores Roubados foi uma grande microssérie. Só discordo da inclusão do Aprendiz Celebridades pq achei aquilo uma besteira. Beijo!

Elvira Akchourin do Nascimento disse...

Feliz Ano Novo, Sérgio. Mais uma boa retrospectiva. Concordo com os elogios para Amores Roubados, Doce de Mãe, o fim de A Grande Família, Dupla Identidade. As surpresas Sophie Charlotte e Patrícia Pillar, em O Rebu, a volta de Joana Fomm em Boogie Oogie, Hora 1 da Notícia. Cenas de paz de César e Félix, Cadu encontrando a família do doador, Duda cantando Sua Estupidez, e a imaginação do Edu na cadeira elétrica.

Anônimo disse...

Muito boa a sua retrospectiva final! Um textão com tudo o que tivemos de melhor em 2014. Destaco O Rebu, Meu Pedacinho de Chão e Amores Roubados.

Gustavo Nogueira disse...

Ótimo texto Sérgio.Em relação as produções só vou comentar as que eu assisti:

O Rebu: concordo Sérgio, foi a melhor novela de 2014 e a melhor novela das 11.Teve uma história ágil, com uma ótima dose de suspense, personagens interessantes e complexos, atores com ótimos desempenhos enfim teve um ótimo conjunto.

Amores Roubados: gostei da microssérie Sérgio, Cássia Kiss, Patrícia Pillar, Murilio Benício, Irandhir Santos, Dira Paes, Osmar Prado e Isis Valverde tiveram ótimos desempenhos.

Amor à Vida: não achei uma grande novela, achei regular na minha opinião é uma das novelas mais fracas do Walcyr Carrasco ao lado de Sete Pecados, mas reconheço o sucesso que a novela obteve e as qualidades dela.Não achei péssima a nível Fina Estampa, Em Família e Salve Jorge, teve seus méritos, mas também não achei ótima e nem empolgante.Destaco as ótimas atuações de Matheus Solano, Antônio Fagundes, Elizabeth Savalla, Vanessa Giácomo, Susana Vieira e Thiago Fragoso.O ponto alto da novela na minha opiniao foi o final que foi ótimo e um dos melhores que eu já vi.

Malhação Sonhos: já está na lista das melhores temporadas de Malhação, está sendo muito bom acompanhar essa temporada, repleta de histórias interessantes, casais repleto de química e ótimos desempenhos tanto do elenco veterano quanto do jovem.

A Grande Família: Assisti até o ano de 2004, depois fui me cansando.


Não assisto Amor e Sexo, portanto não posso opinar sobre a Fernanda Lima.Concordo em relação a Fernanda Gentil.

Eu que amo tanto: foi uma ótima série, Marjorie Estiano, Mariana Ximenes, Susana Vieira e Carolina Dieckman tiveram ótimos desempenhos, o único defeito foi a curta duração que teve e por ser apenas um mero quadro do fantástico, pelas ótimas histórias merecia muito mais.

Dupla Identidade: uma ótima série de Glória Perez, ótimas atuações de Bruno Gagliaso, Débora Falabella, Luana Piovani, Marcelo Novaes, Marisa Orth e Aderbal Freire Filho.O final me decepcionou, mas não manchou o ótimo saldo da série.


Gostei da parceria cênica entre Patrícia Pillar e Sophie Charlotte, elas estiveram impecáveis.Gostei do retorno da Maria Flor, a acho uma boa atriz, achei interessante ela estar em Sete Vidas.Gostei da Joana Fomm em Boogie Oogie e gostava da personagem, uma pena ela ter saído.Gostei da participação da Juliana Paiva em Malhação.Mariana Ximenes realmente teve um grande desempenho, convenceu e teve uma ótima química com o Márcio Garcia.Em relação as melhores cenas, eu concordo e assino embaixo, realmente todas foram ótimas e entraram para a história com exceção da cena do Edu na cadeira elétrica, achei muito bizarro e desnecessário.Feliz Ano Novo para você também Sérgio, que o seu 2015 seja repleto de muitas felicidades e muita paz.




Fernanda disse...

Sérgio, adorei essa última retrospectiva. O Rebu foi mesmo a produção mais incrível do ano. Que novela. A gente ficava ansioso pelos capítulos e aqueles dois últimos capítulos superaram qualquer expectativa, tanto que vc citou várias cenas como melhores. Meu Pedacinho de Chão eu vi pouco pq achei a trama enfadonha, mas o diretor foi primoroso. Transformou a novela em um mundo lúdico mt bonito.

Amor à Vida entrou pra história e eu lembro que marcou 48 pontos. Acho que nem os jogos da copa marcaram isso. Saudades dessa novela. E Doce de Mãe foi uma série linda demais. Também gostei de mais uma temporada de Sessão de Terapia. O erro do Eu que amo Tanto foi mesmo a duração curta. Enfim, concordo com todas as suas lembranças, menos com as produções que eu não pude acompanhar. Um beijo e amo seu blog. Feliz 2015!

F Silva disse...

Algo a comentar...

Bom Sérgio, como eu não vejo tudo isso, (vejo mais teledramaturgia), não posso comentar tudo o que foi exposto, mas te parabenizo pelo excelente post.

Já observou que a Tv Globo se destaca em sua totalidade. Isso se deve ao fato de ela ser a emissora que mais produz em detrimento da morosidade que é as outras emissoras que se destacaram de forma pontual e com produções de qualidade bem questionável.

Eu consegui contar neste post 43 itens entre profissionais e programas relacionados a TV Globo. Apenas 08 de outras emissoras.

Parabéns a Globo que é a melhor tanto em qualidade como em quantidade na produção de produtos para o entretimento televisivo.

E me parece que continuará em 2015, afinal de contas se comemorará os 50 anos da emissora... bom mas acho que isso é assunto pra outro post, não é mesmo?

Um grande abraço!

Diogo S. disse...

Oi Sérgio! Certamente meu destaque da dramaturgia é "Meu Pedacinho de Chão", que delícia foi acompanhá-la, mesmo que pouco, devido ao horário. A chegada do inverno foi muitíssimo bem lembrada, deixou a trama ainda mais charmosa. Forte abraço para você e um 2015 excepcional!! :)

Kauê disse...

Realmente Sérgio! Apesar de tudo 2014 teve ótimos momentos e muitos destaques. "O Rebu" de longe foi a melhor novela do ano passado, um trabalho de excelente qualidade. "Amores Roubados" roubou a cena e superou as expectativas da própria emissora, foi um sucesso! "Meu Pedacinho de Chão" foi de uma sensibilidade incrível. "Malhação Sonhos" está ótima. "Sessão de Terapia" foi excelente nessa terceira temporada e como disse já havia dito Paula Possani foi muito bem é boa atriz e merece mais oportunidades. "Eu que amo tanto" foi muito bom mas de fato pecou pela pouca duração dos episódios mas valeu pela entrega e o show que as atrizes escolhidas deram em cena. "Dupla Identidade" foi um ótimo produto de Glória Perez e Bruno Gagliasso surpreendeu. Ótima parceria entre Sophie Charlotte e Patricia Pillar. Maria Flor é mt boa atriz, gosto dela e estava fazendo falta. Gostei mt das vinte cenas apresentadas, cada uma com a sua qualidade e representam momentos marcantes de suas respectivas tramas, com destaques: Cadu encontrando a família do seu doador foi uma das cenas mais bonitas da problemática "Em Família" foi mt emocionante. Duda Cantando "Sua Estupidez", foi uma linda cena e Sophie brilhou. O assassinato de Angela Mahler fechando com chave de ouro "O Rebu" e fugindo do final óbvio foi de arrebentar. A imaginação de Edu vendo a filha do Dias amarrada, o momento da cadeira elétrica, a tortura psicológica que fez com Vera, ainda acrescentaria Ray se cortando com o garfo e quando ela quebra o carro do Edu tbm foram ótimas cenas. Como já tem bastante cenas eu ainda menciono a ótima cena da Drica Moraes e da Mallu Galli quando Eliane morre em "Império" e Cora nega socorro a irmã, ótima sequência em que ambas atrizes foram ótimas. Parabéns pelo ótimo texto! E parece que 2015 tem mt coisa boa vindo por aí, já estou ansioso :)

Rosane Svartman disse...

Feliz ano novo! Feliz ano todo! Ótima retrospectiva. Deu vontade de ver muita coisa que eu perdi... E assim começam as resoluções para 2015.

Sissym Mascarenhas disse...



Sergio,

Não vai acreditar! Mas este ano consegui acompanhar a novela das 21H, ver alguns seriados, adorei o que terminou Dupla Identidade. Mereço parabens! hahahah

Meu amigo, FELIZ 2015.

E desejo muito trabalho, antenado com as novidades, com sugestoes, criticas e muita conversa por aqui.

Beijos

Reinaldo SP disse...

Olá Sérgio, queria parabenizá-lo pelo seu blog, suas críticas são as mais completas, justas e coerentes possíveis, toda a avaliação acima condiz perfeitamente com a realidade artística da televisão brasileira. Existem páginas que fazem uma avaliação pouco profunda do assunto levando mais em consideração a popularidade e a audiência do produto e, por isso mesmo, acho sua página a mais condizente com relação às críticas. A maior prova disso é que as maiorias das produções listadas por você também foram indicadas pelo consagrado APCA.
Amores Roubados e O Rebu foram produções impecáveis e as cenas citadas acima foram, com absoluta certeza, as mais impactantes do ano. Isis Valverde e Murilo Benício brilharam em absoluto nas sequências finais de Amores Roubados. Já Patrícia Pilar, Daniel de Oliveira e Sophie Charlotte nos impressionaram por completo nas cenas envolvendo a morte de Bruno. O fato de O Rebu não ser sido uma trama linear pode ter sido um dos motivos da incompreensão de uma parte do público, era uma trama que exigia bastante atenção e foco e acredito também que o tempo real da novela (que foi de dois dias) não tenha ficado claro para todos. Felizmente esses pequenos detalhes não me impediram de saborear a essa magnífica obra de arte.
Meu Pedacinho de Chão foi uma produção fabulosa que nos fez remeter à época em que ainda éramos crianças (quem não se lembra dos anos 90?). Sou uma pessoa que teve bastante contato com produções desse gênero (os filmes de Tim Burton ou a antiga série Contos de Fada da TV Cultura são alguns exemplos disso), não tive muitas dificuldades em adaptar-me à trama. Foi mais que merecido o reconhecimento da novela em sua lista.
Tive o prazer de conferir as séries Questões de Família e Sessão de Terapia da GNT. Eduardo Moscovis novamente mostrou todo o seu talento em Questões de Família, fiquei feliz em saber que a série regressará em 2015, afinal de contas, produções como essa merecem mais temporadas. Sessão de Terapia esteve igualmente ótima assim como todos os atores envolvidos, em especial Bianca Comparato que fez episódios marcantes na temporada do ano passado chegando, inclusive, a ganhar o APCA.
Assim como você, também fiquei surpreso com o regresso da atriz Maria Flor às novelas, infelizmente não havia conferido o seu último trabalho na Globo, a novela Eterna Magia, mas assisti a vários de seus trabalhos paralelos os quais esteve se dedicando bastante durante esses anos. Espero que Maria Flor seja bem aproveitada na Globo, é uma atriz bastante talentosa.

Reinaldo SP disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Reinaldo SP disse...

Antônio Calloni deu um show como os antagonistas LC (em Além do Horizonte) e Osório (em Eu Que Amo Tanto), a ator construiu dois tipos completamente diferentes um do outro. As protagonistas da série Eu Que Amo Tanto estiveram ótimas, mas os episódios mais marcantes, na minha opinião, foram os de Mariana Ximenes e Marjorie Estiano. Joana Fomm teve uma passagem brilhante em Boogie Oogie, pude matar as saudades da atriz, espero muito vê-la novamente.
A novela Amor à Vida, de certa forma, também mereceu ser mencionada. De uma forma geral, a novela teve mais acertos que desacertos sendo que foi uma das poucas tramas atuais (juntamente com Avenida Brasil) que conseguiu criar tipos marcantes e inesquecíveis. A novela também tem chamado bastante atenção do mundo afora, os vários perfis espanhóis da novela no twitter comprovam sua alta popularidade nos países vizinhos (o mesmo tem ocorrido com a saudosa novela A Vida Da Gente que também foi bastante exportada). Entretanto, fiquei sabendo que censura tem sido presença constante por lá e acredito que muitos não conhecerão a novela por completo.
Como forma de complementação (ainda não havia comentando antes), meus atores favoritos do ano foram Tony Ramos, Irandhir Santos, Patrícia Pilar e Cássia Kiss, resumi a minha lista em apenas quatro atores como você deve ter notado. Preferi não utilizar o termo coadjuvante e acredito que as premiações não deveriam utilizá-la visto que muitos coadjuvantes terminam virando protagonistas, mas enfim. Provavelmente teria incluído Bruno Gagliasso na minha lista, mas, infelizmente, não pude conferir a série Dupla Identidade, entretanto, Tony Ramos também fez bonito vivendo um canalha inescrupuloso, um tipo totalmente diferente de seus últimos personagens. Irandhir Santos se destacou de forma brilhante em Amores Roubados e Meu Pedacinho de Chão. Já Patrícia Pilar e Cássia Kiss brilharam duplamente em O Rebu sendo que, com toda certeza, foram as grandes damas do ano.
Até mais Sérgio.

JrGiam disse...

Concordo com a lista, Sérgio. Mas eu incluiria mais duas produções na lista dos melhores: "Império" vem mostrando que Aguinaldo Silva ainda é capaz, sim, de escrever um autêntico novelão das 9. Apesar de alguns equívocos, a saga do Comendador José Alfredo tem prendido o público e não demorou muito a elevar a audiência do horário nobre em 5 pontos, o que não é pouco. E "Boogie Oogie", pode não ser um primor de novela, mas cumpre a sua missão de divertir o público do horário das 6. Um dos méritos da trama de Rui Vilhena é a trama ágil e com bons ganchos a cada capítulo. E tendo nas mãos um elenco pequeno, o autor poderia muito bem privilegiar somente o casal principal, mas resolveu fazer o oposto, desenvolvendo um núcleo por vez. Prova disso é que os protagonistas Sandra e Rafael foram deixados meio de lado durante um tempo enquanto outras tramas eram desenvolvidas e só agora voltaram a estar no centro da trama. Isso faz com que sempre haja alguma coisa acontecendo na novela. A direção de Ricardo Waddington poderia fugir um pouco do convencional, como fez em "Avenida Brasil" e "Cordel Encantado" e deu muito certo nas duas produções, mas não compromete o trabalho. Até porque, diante de tantas produções com visual de cinema, uma novela gravada de forma tradicional até fazia falta.

Karina Abreu disse...

Muito bom ver a atriz Juliana Silveira na lista. Eu acompanho ela desde malhação e vi ela evoluir como atriz, essa vilã veio em boa hora pra ela, Juliana merecia estar na globo pois na record pouca gente vai reconhecer o talento dela.

Fran disse...

Uma boa surpresa tb foi a volta de Irandhir Santos a tv e uma das muitas cenas lindas dele como Zelão foi quando ele se da conta q quanto a sua ignorância q refletia em sua aparência,o afastava das pessoa e q por isso precisava mudar!

juliana s disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
juliana s disse...

Maravilhosa sua última retrospectiva de 2014. Me deu vontade de rever algumas cenas que você citou. Espero que em 2015 tenha coisas boas na TV.
Feliz ano novo pra você também, muita saúde, felicidade, sucesso... e que você continue nos presenteando com seus textos incríveis, que eu adoro ler. Bjsssss

Vera Lúcia disse...

Olá Sérgio,

Parabéns pela impecável retrospectiva. Encerrou as postagens de 2014 com chave de ouro. Não tive oportunidade de assistir a todas as programações focalizadas, mas pelo que acompanhei posso corroborar com suas ótimas impressões.
Não vou alongar-me nos comentários porque ainda estou em viagem e a conexão está deixando a desejar.

Tivemos uma divertida virada. Não perdi a oportunidade de pular sete ondas-rs. Pena que um hóspede do hotel torceu o pé ao pular as ondas e teve que sair carregado numa cadeira de praia.

Desejo-lhe um maravilhoso 2015, com muito sucesso em seus projetos.

Grande abraço.

Pauline disse...

Ficou ótima essa retrospectiva!! Inclusive achei muito digno o Giane estar na lista de Melhor Cena. Realmente foi a cena mais linda da novela e ele merece ser muito elogiado pelo esforço pra fazer essa cena maravilhosa. A novela já estava com uma audiência fraquíssima, mas ele foi o único que conseguiu salvar a trama. Outro nome que também achei digno estar nessa foi o da Mari Ximenes. Sem dúvidas uma das minhas atrizes favoritas! Adoro ela! E é mais uma que merece todos os aplausos do mundo inteiro!

Kellen Bittencourt ( Trilhamarupiara) disse...

Olá amigo, excelente retrospectiva, tivemos no geral boas obras em 2014, que 2015 possa ser ainda melhor, um excelente ano p vc! Abraçoss

Anônimo disse...

COMO ASSIM DIZER QUE MEU PEDACINHO DE CHÃO PECOU NO ROTEIRO?! A NOVELA ERA PURA POESIA NAS FALAS DOS PERSONAGENS!

Anônimo disse...

Sérgio, adorei a seleção dos destaques, principalmente na parte das novelas, das surpresas e das melhores cenas! O Rebu foi uma das melhores produções da Globo e foi uma novela onde absolutamente tudo funcionou, desde o elenco, passando pelos personagens e indo até a trilha sonora. Meu Pedacinho de Chão também foi uma obra encantadora e só teve como defeito a história que era chatinha. Amor à Vida ficou no ar só em janeiro mas marcou 48 pontos e ainda exibiu duas cenas antológicas. E todas as cenas que vc mencionou foram incríveis. Destaco as de O Rebu, a explosão do LC, o beijo gay e a reconciliação em Amor à Vida, e a neve em Meu Pedacinho de Chão. A da Drica chorando e rindo a morte da Eliane foi bem boa também. E das surpresas destaco a Fatinha na Malhação que foi maravilhoso e a volta da Maria Flor após tantos anos. Adorei!




Thamires

Raquel disse...

Sérgio, vou comentar sobre as novelas que foi o que eu acompanhei em 2014.

Pra mim, o melhor produto de teledramaturgia do ano foi Amores Roubados. A série foi perfeita do começo ao fim, com atuações maravilhosas, estória bem contada e ritmo marcante. Dentro da sua categoria de série, teve melhor qualidade do que todas as novelas desse ano.

No horário das 6, Meu Pedacinho de Chão foi a melhor aposta e a melhor produção. Apesar da baixa audiência, considero a novela mais redondinha do ano. O Emmy pra Joia Rara em 2013 mostra o quanto ficamos devendo em novelas boas nesse ano. Na minha opinião, Boogie Oogie é melhor que JR. Antes uma novela cheia de vilões interessantes do que uma novela cheia de casais sem sal.

No horário das 7, por incrível que pareça a melhor do ano, pra mim, é Além do Horizonte. Fico mordida com o destaque que dão a Geração Brasil, com fracasso e tudo, e a ignorada que em ADH, sabe-se lá por que. Todo mundo que entende de TV vê que Geração Brasil foi o maior mico do ano junto com Em Família, mas ainda assim enchem de indicações a premios. Geração veio com um elenco estrelado, uma história com cara de horário das 7 e com autores de um mega-sucesso anterior e se mostrou desinteressante do começo ao fim. Além do Horizonte veio com VÁRIOS atores inexperientes, uma proposta arriscada de roteiro e autores desconhecidos, conseguiu se reestruturar e melhorar do meio pro final e ainda surpreendeu com uma última semana alucinante. Não tá claro qual foi a maior decepção? Por que o tratamento diferente? Enfim, desculpa o desabafo.

Alto Astral até começou mais ou menos, mas tem muito do mesmo pra prender o interesse. Entre o arriscado e irregular e o mais do mesmo e constante, sempre vou ficar com o arriscado.

No horário das 9, Império pra mim é a melhor novela desde Passione... Mas também não quer dizer muita coisa. Começou bem, mas acabou muito rapidamente. Também, com um único núcleo bom é difícil carregar uma novela. Vejamos Babilônia.

E Malhação eu até tentei, mas já estou velha pra isso. Não deu pra mim.

Sérgio Santos disse...

Feliz 2015, Gabriella. Que bom que gostou. Obrigado. bjs

Sérgio Santos disse...

Espero que não tenha tido ressaca, anônimo. rs O Rebu foi a melhor novela do ano e Meu Pedacinho foi linda. Pena que não viu Questão de Família, foi uma ótima série. E fiz questão de citar todas essas cenas pq foram excelentes. bjs

Sérgio Santos disse...

Olímpia, então vc faz parte do time dos leitores que só leem e não comentam. Bem vinda ao espaço dos comentários. O Rebu foi primorosa e Meu Pedacinho tocante. Já Amor à Vida fez sucesso e entrou pra história. Essas cenas todas foram mt marcantes e bem feitas. Tb achei um ano mt bom pra televisão. Bjs e feliz ano novo.

Sérgio Santos disse...

Mt obrigado, Van. Desejo o dobro pra vc. bj

Sérgio Santos disse...

Ricardo, mt obrigado. E vc acertou as 3 primeiras pq já me conhece há bastante tempo. E essa cena do Cadu foi tocante e merecidamente elogiada. Foi a melhor da novela. César com Félix no final emocionou mt e o inverno de MPDC foi incrível. Tb acho que Mariana já pode voltar. Abraços.

Sérgio Santos disse...

Andressa, mt obrigado. E concordo plenamente com seu comentário. Tudo deu certo em O Rebu até mesmo a curta duração, embora eu não negue que gostaria que tivesse tido ao menos 70 capítulos. MPDC teve uma trama que deixou a desejar, mas todo o resto compensou. Sessão de Terapia é a melhor série do GNT e eu lamento mt que não tenha a quarta temporada em 2015 por causa da agenda do Selton Mello. Na seleção das cenas, eu acrescentei mais duas pq tinha me esquecido, agora são 22. Tb adorei todas. bjão e bom ano novo!

Sérgio Santos disse...

Obrigado, anônimo, tb concordo com vc. Bom 2015.

Sérgio Santos disse...

Thallys, em nenhum momento fui desrespeitoso com Benedito. E tb não disse que ele é sinônimo de novela ruim, mas que seria mais uma mesmice seria e isso é um fato. Novamente teria fazendeiros rivais, um padre simpático e comilão, um dono de bar onde se reúnem todos os fazendeiros, o capataz que se apaixona pela professora (só para citar um exemplo, ocorreu com Malvino Salvador e Carolina Kasting em Cabocla), a menino mauricinho que não gosta de política, ao contrário do pai que quer vê-lo prefeito, a mulher do coronel elegante e fina (Catarina não seria teatral e teria a mesma base da Patricia Pillar em Sinhá Moça), trama arrastada, enfim. Por isso o trabalho do diretor precisa ser valorizado.

O Rebu foi um trabalho primoroso e achei O Caçador uma série mt bem feita. A Teia pecou na pressa, mas tb teve um saldo positivo. Dupla Identidade foi genial msm e sei que vc odiou a volta da Fatinha, assim como tb percebo que vc não gosta da Juliana Paiva.

O Masterchef foi incrível e citei Amor à Vida porque a novela fez história e ainda teve o dado do final do ano do Google. Fora que todas as retrospectivas citaram a trama, não só a minha. Eu que amo tanto foi uma grande produção no formato errado. Feliz 2015 pra vc tb.

Sérgio Santos disse...

Oi Ana, obrigado. O Rebu foi maravilhosa e deixou saudade. As cenas finais, então, foram espetaculares. Pois é, Amor á Vida conseguiu ser destaque msm só tendo ficado no ar em janeiro. E foi mt bacana ver Fatinha de volta. Os autores interligarem as Malhações foi uma sacada de mestre. Entendo vc não ter gostado de Aprendiz, mas eu adorei. bjao

Sérgio Santos disse...

Feliz ano novo pra vc tb, Elvira. E mt obrigado. Bjsss

Sérgio Santos disse...

Valeu, anônimo!

Sérgio Santos disse...

Mt obrigado, Gustavo. Tb achei O Rebu a melhor novela das 23h e a melhor do ano. Como foi bom ter acompanhado todas aquelas tramas ricas e instigantes.

Tb me decepcionei com o último capítulo de Dupla Identidade, mas o saldo foi incrível. Mta gente achou a cena da cadeira elétrica bizarra, mas eu gostei mt. E tirando Amor à Vida, que eu adorei, concordo com todo o restante do seu comentário. E obrigado pela sua presença aqui e feliz 2015, tudo de melhor.

Sérgio Santos disse...

Fernanda, obrigado! Pois é, o que mais teve em O Rebu foi cena densa e forte. Tanto que várias precisaram ser mencionadas. Doce de Mãe foi uma série deliciosa e lamento não ter continuação. Sessão de Terapia teve mais uma grande temporada e é verdade, Amor á Vida marcou 48 pontos e foi o maior índice do ano. Mas confesso que não lembro se algum jogo do Brasil marcou mais. Obrigado por tudo e fico feliz que goste de vir aqui. bj

Sérgio Santos disse...

F Silva, mt obrigado. Pois é, não tem como, a Globo sempre se destaca mesmo e não poderia ser diferente. É a que mais produz. E eu nem tinha contado, 43 itens? Nossa, escrevi demais mesmo. E o post que vc queria sobre o que virá em 2015 já está escrito. Abraços!

Sérgio Santos disse...

Diogo, obrigado. Meu Pedacinho de Chão foi linda demais mesmo. Aquela chegada do inverno foi inesquecível. Foi um presente para os olhos. Abraços e ótimo 2015!

Sérgio Santos disse...

Kauê, mt obrigado. E eu assino embaixo de todo o seu comentário. Tanto que fiz questão de acrescentar essa cena da Drica na hora da morte da Eliane que foi primorosa mesmo. Não sei se chegou a ler. E a cena da Ray se cortando com um garfo foi muito boa também. Abraços e obrigado pelo comentário!

Sérgio Santos disse...

Feliz ano novo, Rosane. É sempre uma honra pra mim te ver aqui no meu blog. Sou fã mesmo. Beijos e que o seu 2015 seja ainda melhor que 2014, com mais sucesso! Beijão!

Sérgio Santos disse...

Viu, Sissym? Milagres existem! Vc conseguiu ver tv! rsrs Feliz 2015 e tudo de melhor pra vc. bjão!

Sérgio Santos disse...

Reinaldo, eu que agradeço sua presença aqui. Seus comentários são sempre tão ricos e completos. Fico feliz que gostei dos meus textos e do meu espaço. E os seus dois comentários estão perfeitos. Eu concordo com cada palavra que vc escreveu e assino embaixo de tudinho. Não tenho o que acrescentar e que bom que vc conseguiu ver Questão de Familia e Sessão de Terapia. Foram duas séries excelentes mesmo.

O Rebu foi uma novela primorosa e a questão do tempo afastou parte do público mesmo, mas ao menos teve a mesma média de Saramandaia, melhor do que ter tido menos audiência ainda. Mas foi reconhecida pela crítica e isso vale muito. Meu Pedacinho foi linda mesmo e Amor à Vida foi a última novela do horário nobre que conseguiu imensa repercussão e ainda teve ótimos e atuantes vilões, o que não aconteceu mais desde então. Enfim, concordo com todo o resto do seu posicionamento. Abraços e bom 2015!

Sérgio Santos disse...

JrGiam, obrigado. Não inclui essas duas novelas pq não acho merecedoras. Acho ambas regulares e só. Império tem uma boa trama central, mas as paralelas estão perdidas e são mt cansativas. Boogie Oogie começou excelente e eu sempre elogiei, mas está cansativa com a repetição constante de assuntos, principalmente o tal segredo da Carlota. Mas concordo que o autor consegue encher a trama de ganchos, ainda que sempre eles sejam oriundos de constantes fofocas. Ou seja, não acho as duas novelas péssimas, mas tb estão longe de serem ótimas pra mim. Abraços!

Sérgio Santos disse...

Karina, obrigado. A Juliana é o grande destaque de Vitória em merece estar na lista. Tb acho que ela deveria estar na Globo, mas paciência. bjs

Sérgio Santos disse...

Fran, a aparição do Irandhir foi um presente mesmo. E acrescentei essa primorosa cena que vc citou na retrospectiva.

Sérgio Santos disse...

Mt obrigado, Juliana! Pois é, tb fiquei com vontade de rever essas cenas então escrevia. Algumas eu até revi mesmo. rs Bjão e tenha um lindo 2015. Obrigado pelo carinho!

Sérgio Santos disse...

Mt obrigado, Vera! Tentei encerrar o ano da melhor forma possível e acho que consegui. Fico feliz que tenham gostado. E pulou sete ondas? Legal. Nossa, coitado do sujeito que torceu o pé...Não trouxe boa sorte pra ele, hein... rs bjssss

Sérgio Santos disse...

Pauline, obrigado. Tb achei a cena do Gianecchini a melhor da novela e gosto mt do ator. Mariana é maravilhosa e sou fã. bjsss

Sérgio Santos disse...

Obrigado, Kellen! bjsss

Sérgio Santos disse...

Anônimo, roteiro não tem nada a ver com diálogos. Vc não deve saber a diferença. Me refiro à trama arrastada, aos poucos conflitos que deixaram o enredo desinteressante muitas vezes. Mas os diálogos eram bons e as cenas eram repletas de sensibilidade, fruto da direção impecável e das atuações brilhantes.

Sérgio Santos disse...

Obrigado, Thamires. A explosão do Shopping foi uma sacada de mestre do Silvio de Abreu, assim como a volta da Fatinha foi da Rosane. Ver Maria Flor de volta foi um presente e O Rebu foi primorosa. Concordo com seu comentário inteiro. Bjssss

Sérgio Santos disse...

Raquel, Amores Roubados foi grandiosa mesmo e Meu Pedacinho de Chão tocante.

Achei seu desabafo maravilhoso e eu concordo plenamente. Geração Brasil foi infinitamente pior que ALém do Horizonte e a própria crítica observou isso, tanto que ADH foi bem elogiada, principalmente na reta final, apesar dos problemas. E da metade pro final os autores souberam consertar vários erros, deixando a trama atraente. E GB foi mesmo o maior mico do ano junto com Em Família. E achei ótimo ela ter terminado com um ponto a menos que ADH. Pelo menos ADH não ficou com a pior média, não merecia mesmo.

E tb concordo sobre a vitória de Joia Rara. Ela era a única novela com condições de ganhar o Emmy pela sua estética e foi por isso que ganhou. O mesmo aconteceu na época com Caminho das Indias. Mas em 2015 é quase certo que Meu Pedacinho de Chão seja indicada e O Rebu também é merecedora. Fazendo uma comparação, tb acho Boogie Oogie um pouco mais interessante do que JR, apesar de ter ficado cansativa.

Eu gosto de ALto Astral. Não é nada de incrível, mas é gostosa de se acompanhar. A única novela atual que eu realmente gosto. Império acho regular. E Malhação Sonhos está dando um banho em todas as novelas,mas respeito que vc não goste. Bjsssss