quinta-feira, 27 de novembro de 2014

"As Meninas do Jô": um quadro que debate política de forma descontraída e informativa

O "Programa do Jô", por ser um talk-show (o primeiro formato nacional, vale lembrar ----- que acabou sendo o precursor dos atuais "Agora é Tarde" e "The Noite"), não tem como se inovar. Portanto, é perfeitamente compreensível que a atração comandada há mais de vinte anos (incluindo o "Jô Soares Onze e Meia, do SBT) não tenha sofrido grandes mudanças. Porém, o quadro semanal apelidado de "As Meninas do Jô" foi uma excelente ideia e engrandeceu o formato.


O intuito nada mais é do que debater sobre política e os rumos do país. Cristiana Lôbo, Lilian Witte Fibe, Ana Maria Tahan e Cristina Serra entendem do assunto e expõem seus respectivos pontos de vista com competência, assim como o próprio Jô, que participa ativamente da conversa. Já a inteligente Lúcia Hippólito havia se afastado do programa por causa de uma grave de doença que afetou muito sua saúde (Síndrome de Guillain-Barré); porém, a jornalista ----- ainda em recuperação, mas bem melhor ---- voltou ao quadro, engrandecendo o time.

Aliás, Lúcia retornou junto com o quadro, que precisou ser interrompido durante o período eleitoral. Infelizmente, há uma lei no país que proíbe que se fale dos candidatos em programas de entretenimento nos canais abertos em época de eleições.
E, obviamente, o debate fez muita falta. Mas as meninas voltaram com muitos assuntos para comentar e todo o cenário político (principalmente o escândalo da Petrobrás) está mais do que propício para boas e calorosas discussões.

O quadro inicialmente era exibido toda quarta-feira e agora passou para as terças. Entrosadas, as jornalistas conduzem bem todos os temas abordados pelo Jô e o apresentador sempre faz questão de inserir sua costumaz ironia nas conversas, o que acaba deixando o debate mais descontraído e menos formal. Os cinco blocos do programa são preenchidos com facilidade e quem assiste não sente o tempo passar, mesmo tendo mais de uma hora de debate. 

Cristiana Lôbo é a mais precisa em suas análises, enquanto Ana Maria Tahan é a mais animada. Lilian Witte Fibe imprime um tom mais debochado e Lúcia Hippólito detalha muito bem o conteúdo que é abordado. Já Cristina Serra é a mais centrada. Ou seja, há uma harmonia presente no grupo que deixa o debate muito interessante de ser acompanhado. Uma complementa a outra. 

A volta do quatro foi muito bem vinda e merece ter vida longa no programa. Quando as jornalistas ficam semanas sem aparecer, a ausência é sentida. Seria interessante, inclusive, que o grupo tivesse uma atração jornalística na Globo News, afinal, o canal a cabo produz vários formatos ótimos e informativos. 

"As Meninas do Jô" foi a melhor novidade do "Programa do Jô" nos últimos anos e o retorno do quadro neste período Pós-Eleições é mais do que apropriado. Quem consegue ficar acordado até tarde, tem uma boa opção para assistir nas madrugadas de terça. 

23 comentários:

Felipe disse...

Também acho o quadro ótimo e só lamento o horário. Ir ao ar quase duas da manhã é absurdo. E preferia um programa delas na Globo News só com elas e sem o Jô.

Anônimo disse...

Gosto da Cristiana, da Lilia e da Lucia Hipolito que estava fazendo falta. Mas aquela Cristina Serra é um nojo e o Jô cansa com suas piadas fora de hora. Mas gosto do quadro e concordo com o texto.

Martha disse...

Um debate muito produtivo e cheio de gente inteligente. Pena que pouca gente tem a chance de ver por causa do horário.

Anônimo disse...

Gosto muito desse debate e senti falta nas eleições. Essa legislação eleitoral é uma vergonha assim como tudo nesse país.

Andressa Mattos M. disse...

Sérgio, também gosto muito desse quadro embora muitas vezes não consiga assistir. Adoro todas as jornalistas e o Jô coloca umas ironias ótima pra fluir o debate. Apesar de ter mais de uma hora, não dá mesmo pra sentir o tempo passar e ainda causa a sensação de ficar faltando assunto. Beijo.

Anônimo disse...

Fiquei preocupada com a Lucia Hipollito. A doença dela foi assustadora. Bom vê-la de volta!

Lulu on the Sky disse...

Não vejo o JÔ, passa muito tarde e eu já estou dormindo.
Ótimo dia pra você.
Big beijos
Lulu on the Sky

Clara Sol disse...

Boa noite amigo.
Sérgio concordo com você que "As Meninas do Jô" foi uma excelente ideia e engrandeceu o formato. E realmente eu gostava de assistir nesta época por que tinha interatividade com as meninas participando e não só o Jô Soares falando, por que apesar de ser muito inteligente tem hora que é um porre escuta-lo.
Fica ele mesmo se entrevistando tornando o centro da atenção enquanto que o convidado passa a ser mais uma peça de adorno. Isso quando leva alguém que não sabe como se ater com as suas perguntas e interações dele. Enfim nunca mais assisti ao programa do Jô e por isso se fizer um comentário aos novos quadros e desse qualquer opinião estaria mentindo
.Abraços sempre.
ClaraSol.

Luma Rosa disse...

Oi, Sérgio!
Eu durmo bem tarde e de vez em quando assisto o Jô e as vezes uma reprise no GNT. Não gosto do compromisso de assistir todo dia por causa do horário e tudo depende de quem será entrevistado. A última vez que estava zapeando, estava lá o Oscar Magrini. Não foi uma entrevista produtiva mas foi interessante no sentido de saber um pouco mais da vida pessoal do ator.O brasileiro é bem preconceituoso com os filmes que aqui chamaram de pornô chanchada - será que escrevi direito? - Um genero cinematografico bem usado no exterior mas sem a conotaçõa pejorativa existente no Brasil... Alguns conceitos precisam ser revistos!
Beijus,

Vera Lúcia disse...


Olá Sérgio,

O 'Programa do Jô' é mesmo tarde e embora eu não durma cedo, somente o vejo esporadicamente. Cheguei a ver o quadro 'As Meninas do Jô' algumas vezes e gostei muito da participação de cada uma das jornalistas que o compõe. De certa forma, acho coerente uma lei proibindo que se fale de candidatos em programas de entretenimento em época de eleições. Isso poderia influenciar na decisão das eleitores de uma forma equivocada.

Excelente análise e considerações.

Beijo.

MARILENE disse...

Sergio, sempre gostei do programa do JÔ. Ele é homem culto e competente . O quadro com as "meninas" é muito bom, pois as matérias são tratadas com fundamento e seriedade, sem afastar o humor. Bjs.

Sérgio Santos disse...

Concordo, Felipe.

Sérgio Santos disse...

Anônimo, eu gosto de todas e acho que o Jô faz uma boa mediação. Abçs

Sérgio Santos disse...

É verdade, anônimo.

Sérgio Santos disse...

É uma pena mesmo, Martha.

Sérgio Santos disse...

Andressa, eu sempre faço questão de ver ou deixo gravando pra ver depois. É um debate mt bom e descontraído sobre assuntos importantes. bjs

Sérgio Santos disse...

Tb fiquei preocupado, anônimo. Que bom que está se recuperando.

Sérgio Santos disse...

Ok, Lulu. bj

Sérgio Santos disse...

Clara, esse quadro foi o grande acerto do programa. Tanto que é o único dia que faço questão de ver. E concordo com vc. bjs

Sérgio Santos disse...

Luma, não cheguei a ver essa entrevista com o Oscar. Beijos e obrigado pelo comentário.

Sérgio Santos disse...

Vera, eu não concordo com essa lei pq considero uma forma de censura.Mas esse quadro é mt bom e é mt informativo. bjs

Sérgio Santos disse...

Concordo, Marilene. bjs

Izabel Ramos disse...

O Programa do Jô perdeu tempo de arte e as entrevistas, em algumas ocasiões, somente foram realmente boas quando o convidado permanecia por dois blocos. A verdade é que qualquer telespectador do noturno percebeu que a atração nunca mais foi a mesma desde as alterações. Caso contrário, o tempo passava muito rápido e poucos assuntos eram colocados em pauta.
Portanto, é fácil concluir que a Globo estragou o Programa do Jô há dois anos e, assim, fez com que o humorista desejasse deixar o barco. Sem seus amigos no Sexteto e tempo para grandes entrevistas, ou seja, sem prestígio na emissora.
O que não é incomum, haja vista como o mesmo canal tratou Chico Anysio em seus últimos anos de vida, fato que se repete atualmente com Renato Aragão – que felizmente terá nova oportunidade em 2017 -, dentre outros exemplos.
Que Jô Soares volte ao ar logo e em um veículo que não o mantenha só para dizer que o faz. Ele é patrimônio do Brasil e merece mais do que a Globo estava oferecendo.