terça-feira, 24 de junho de 2014

"Caras & Bocas": um sucesso em 2009 e um sucesso em 2014

Exibida no horário das sete, na Globo, entre 13 de abril de 2009 e 8 de janeiro de 2010 ----- depois do fracasso "Três Irmãs e sendo substituída pelo fracasso "Tempos Modernos" ------, "Caras & Bocas" foi mais uma novela de imenso sucesso escrita por Walcyr Carrasco. A partir de 13 de janeiro de 2014, começou a ser reprisada no "Vale a Pena Ver de Novo" e vem obtendo bons índices de audiência. É, inclusive, a única novela da emissora no ar que conseguiu um bom retorno do Ibope, em meio a um período nada favorável, onde todas as tramas inéditas ----- "Joia Rara"/"Meu Pedacinho de Chão", "Além do Horizonte"/"Geração Brasil" e "Em Família" ----- fracassaram nos números, com exceção de "Amor à Vida" (do mesmo Walcyr). A reprise (que em alguns momentos chegou a ter mais audiência que a novela das seis e das sete) já está perto do fim e será substituída pela igualmente ótima "Cobras & Lagartos", do talentoso João Emanuel Carneiro.


O êxito do folhetim de Walcyr não é muito difícil de ser explicado, afinal, a história foi ótima, repleta de bons personagens, ágil, com várias reviravoltas e um elenco muito bem escalado. O casal central da novela era formado por Dafne (Flávia Alessandra) e Gabriel (Malvino Salvador), que foram separados na adolescência por causa do avô milionário da garota (Jacques - Ary Fontoura). Trama folhetinesca bem comum. Porém, o tema principal era voltado para o mundo das artes e a hipocrisia que reina no mercado.

Tanto que o protagonista na novela era um macaco. Isso porque o primata amava brincar com tintas e fazia vários rabiscos nas telas de Denis (Marcos Pasquim), um pintor fracassado de paisagens, que não conseguia vender seus quadros na rua, onde costumava trabalhar. Quando Xico ---- que fugiu de um circo, onde sofria maus tratos ---- começou a ser cuidado por Espeto (David Lucas), filho do homem que
tentava ganhar dinheiro com sua arte, a vida daquela família mudou. Simone (Ingrid Guimarães), uma caçadora de talentos, que tinha uma galeria em sociedade com Dafne, se impressionou quando viu as 'pinturas' (na verdade quadros destruídos pelo chimpanzé) e transformou Denis em um sucesso.

Toda esta trama foi uma sacada de mestre do autor, que usou o humor amplamente explorado no horário das sete, para criticar a valorização que o mercado das artes plásticas dá a alguns trabalhos, que muitas vezes não significam nada e não passam de uns rabiscos, com o intuito de passar um ar de intelectualidade para o mundo. A abordagem da novela foi divertida e passou longe da chatice, embora o risco tenha sido grande, já que o assunto não era muito fácil de ser tratado.

Mas além de toda esta temática, claro que muitas outras tramas paralelas fizeram sucesso. O casal protagonista foi um acerto e Flávia Alessandra e Malvino Salvador esbanjaram química. Elizabeth Savalla, após ter interpretado várias mulheres ricas, ganhou de presente a Socorro, uma dona de bar humilde, simples e muito amorosa. Claro, a atriz deu um show. O mesmo vale dizer para Isabelle Drummond, que virou um dos destaques da novela com sua espevitada Bianca, filha de Dafne e Gabriel, que era a responsável pela movimentação de praticamente todos os núcleos. O bordão "É a treva!", dito pela garota virou febre na época e até hoje a atriz não conseguiu uma personagem melhor que esta na carreira. Sua parceria com Miguel Rômulo, o nerd Felipe, também foi um acerto e o esperado beijo do casalzinho só ocorreu no último capítulo, cercado de expectativas.

Débora Evelyn se destacou na pele da vilã Judith, seu último grande papel na televisão até agora. Fernanda Machado também fez bonito na pele da esnobe Laís, que depois acabou mudando de postura por amor. Ary Fontoura e Bete Mendes encantaram com o romance entre Jacques e Piedade, mostrando mais uma vez o talento do autor para criar casais da terceira (ou melhor) idade. Fúlvio Stefanini (Frederico), Neusa Maria Faro (Mercedes), Carmem Verônica (Josefa), Marcos Breda (Pelópidas), Cristina Mutarelli (Zoraide), Henri Castelli (Vicente), Dhu Moraes (Dirce), Roney Facchini (Ernani), Maria Clara Gueiros (Lili) e Alice Assef (secretária Beth) foram outros bons nomes do elenco.

Ainda havia um ótimo núcleo que retratava com competência o judaísmo, composto pela sempre ótima Ana Lucia Torre (Ester), Jaime Leibovitch (Mendel), Sidney Sampaio (Benjamin), Raquel Ripani (Tatiana) e Júlia Lund (Hanna) ---- com uma participação especial de Tereza Raquel, que ficou alguns capítulos interpretando a enérgica judia Rebeca. Além da religião ter sido usada como foco principal para os conflitos dos personagens, o câncer de Tatiana ainda foi inserido na história, promovendo, inclusive, uma linda cena da atriz raspando os cabelos (inspirada em "Laços de Família").

Outro núcleo bem desenvolvido foi o protagonizado por Fábio Lago (Fabiano), Suzana Pires (Ivonete), Vanessa (Sophie Charlotte) e Adenor (Otaviano Costa). Apesar da forte comicidade presente, o drama do personagem de Fabiano rendeu uma das melhores sequências da novela, quando o 'corno' descobre que sua esposa tinha um caso com aquele que ela dizia ser seu irmão. Após muitas investigações e situações cômicas, o desfecho foi bem dramático, com destaque para a atuação de Fábio, Suzana e Sophie, que conseguiu se destacar ao longo da história mesmo com um papel pequeno.

Vale elogiar também a dupla Cássio/Léa. Marco Pigossi virou um dos sucessos da história com seu gay afetado, cujo bordão "Eu tô Rosa Chiclete!" emplacou logo no início. E através deste papel, o ator ganhou prestígio da Globo, passando a ser requisitado para as novelas da emissora. A relação do homossexual com a mãe de Judith era divertida e a atuação da Maria Zilda foi outra digna de elogios.

"Caras & Bocas" foi mais uma ótima novela de Walcyr Carrasco, dirigida por Jorge Fernando, e o imenso sucesso feito na época foi mais do que merecido; assim como é justo e compreensível o bom retorno na audiência no "Vale a Pena Ver de Novo"; substituindo, curiosamente, "O Cravo e a Rosa", outra novela do autor que emplacou e foi reprisada pela segunda vez, obtendo, novamente, um bom Ibope. Um duplo sucesso.

59 comentários:

Anônimo disse...

Muito boa msm...fico feliz pelo walcyr carrasco.

Luly

Anônimo disse...

ADOREI O POST! FOI UM SUCESSO MESMO ESTÁ REPETINDO O FEITO, O QUE SÓ PROVA QUE ESSE PAPO DE PÚBLICO SE AFASTANDO PORQUE SÃO NOVOS TEMPOS NADA TEM HAVER. O QUE QUEREM É NOVELA BOA, SÓ ISSO.

Flávia disse...

Walcyr segue sambando na Globo, Sérgio! kkk E vc leu que ele tá tão bem quisto que a Globo deixou ele escolher pra qual horário vai escrever a sua próxima novela???? Quem pode pode! bjkk

Thallys Bruno Almeida disse...

A última grande novela de Walcyr Carrasco. E seu único acerto pleno do horário das sete. Definitivamente, nenhuma das três que ele fez depois repetiria a qualidade (os índices de ibope até pode ser, mas a qualidade, não mesmo - e olha que Gabriela foi boa, mas acho apenas boa. Longe de ser ótima como foi O Astro).

Fui frontalmente contra essa reprise por já estar bastante cansado das obras do autor (e do talifanismo em relação a ele) e alimentava o desejo de ver Cobras e Lagartos no ar, mesmo com os anteriores impedimentos do ministério público. E sim, ainda acho que essa overdose significava desprestígio a outros autores que mereciam bem mais ter uma reprise no VAPVDN, ainda mais depois da adoção daquele recurso do SBT de última semana com a primeira da outra.

Mas quando olho pra essa novela, confesso que esqueço momentaneamente as críticas que fiz e prefiro apenas curti-la em todas as suas qualidades. Ele parecia mais preocupado em realmente fazer uma novela ótima, despretensiosa e divertida do que em arranjar briga com a imprensa por não saber admitir críticas como aconteceu em seu último (e esquecível) trabalho.

A Flávia Alessandra mandou bem demais vivendo a Dafne e fez uma parceria linda com a Isabelle Drummond. Malvino, a quem considero fraco, estava mediano - não compromete em cenas leves, mas deixa a desejar nas que mais exigem. E seu personagem durante um tempo ficou insuportável por causa do machismo, mas se salvou pela intensa química do par (Gabriel e Dafne) e não desapareceu no final como ocorreu com Bruno e Paloma.

Pasquim, aliás, sofria do mesmo mal do Malvino, tanto que achei que ele ficou devendo no momento em que o Denis confessa as farsas do Xico e das falsificações. Se bem que perto de Sérgio Marone e Julio Rocha eles pareciam Fábio Assunção e Murilo Benício.

Nada melhor do que ver Fúlvio Stefanini com um personagem de verdade, um canalha da pior espécie. Savalla maravilhosa demais, Bete Mendes vivendo um par fascinante com Ary Fontoura, Deborah Evelyn brilhantíssima.

Fábio Lago e Suzana Pires tavam ótimos e conseguiam compensar a vergonha alheia que era o Otaviano tentando atuar. O núcleo judeu foi belíssimo e deu um banho naquele arremedo de núcleo interreligioso onde a Paula Braun atuou em AAV (aliás, aquilo era um monte de arremedos de temas sociais, Maneco inclusive aprendeu direitinho agora cometendo os mesmos erros).

Espero sinceramente que Walcyr consiga em sua próxima novela das 23h acertar plenamente em temas sérios como acertou combinando comédia e drama aqui em C&B. Capacidade pra isso ele tem, mas tem coisa que ele precisa melhorar e muito. Adorei Caras e Bocas, adoro até hoje, mas fico tranquilíssimo pela volta de Cobras e Lagartos. Esse retorno mostra que a Globo tb tem outros autores que merecem ser valorizados. E por falar em valorização, fico feliz por Duca e Thelma terem renovado o contrato, agora com a chance de estarem no horário nobre. Um tapa na cara de quem duvida da capacidade delas.

Fernanda disse...

Sérgio, eu não estou revendo mas lembro dessa novela e gostei muito. Um grande sucesso. E nem sabia que a reprise chegou a dar mais audiência que as novelas inéditas. Fiquei surpresa. A novela foi redondinha e muito divertida. Bacana a sua postagem. O Walcyr escreverá a novela das onze do ano que vem, né? Será interessante ver uma obra inédita nessa faixa já marcada por remakes. O único que gostei foi de Gabriela, o resto achei chato. Beijo.

Felipe disse...

Eu não vi essa novela, acredita? Mas na época era um fenômeno, só se falava na novela do macaco. Mas foi bom ler esse seu texto pra me inteirar mais sobre essa novela. Deve ter sido boa mesmo. Pena que toda vez que você fala do Walcyr surge o mala-mor dos comentaristas pra repetir as mesmas coisas que sempre fala parecendo uma vitrola com defeito na rodagem do disco. Ele deve repetir esse mantra na frente do espelho todo dia. Mas faz parte da democracia, não é?

Anônimo disse...

Concordo com todo o texto e também com a parte que diz que Isabelle Drummond ainda não ganhou nenhuma personagem melhor que a Bianca na carreira.

Anônimo disse...

Dessa novela só lembro do Cássio, André e Léa. Não estou assistindo a reprise.

Thallys Bruno Almeida disse...

E eu sinceramente não entendo porque alguns comentaristas ficam se doendo porque eu faço críticas ao Walcyr, parece até que tem medo de discordar de alguma coisa escrita blogueiro. Alguns deles só sabem discordar usando de xingamentos ou agressões verbais e depois querem ter moral pra dizer que eu sou o chato da história só porque critiquei o autor ~queridinho~ deles. Mas se eu tiver que falar, eu vou falar e ninguém vai me impedir.

Thallys Bruno Almeida disse...

*pelo blogueiro

Anônimo disse...

Ainda bem que agora existe o canal viva pra reprisar clássicos de verdade, as antigas, porque essas novelecas tipo essa tal de caras & bocas só deve agradar ao publico mais jovem mesmo. ECA!

Gustavo Nogueira disse...

Eu gostei bastante dessa novela, Sérgio, na época em que foi exibida.Mas atualmente não tenho acompanhando na reprise.E concordo com tudo o que vc disse, Sérgio.Caras e Bocas foi uma ótima novela, muito ágil e com muito humor.Eu considero essa novela melhor do que Morde e Assopra, Gabriela e Amor à Vida, todas do Walcyr.

Melina disse...

Sérgio, querido, gostei muito dessa novela na época. Não estou vendo a reprise mas o sucesso repetido não chega a ser surpresa. E é verdade, a anterior foi O Cravo e a Rosa que também fez sucesso. E incrível como nos últimos tempos as únicas novelas da Globo que fazem sucesso são as do Walcyr. Incluindo a Amor à Vida, que reforçando o comentário da comentarista Flávia, deixou o autor com o prestígio em alta na Globo, para o desespero dos que ainda menosprezam a novela, em vão. Pena que a minha Sangue Bom também não fez um sucesso merecido. Aliás, saudades, viu, Sérgio? Depois veio aquela Além do Horizonte que só ficou boa no fim e essa Geração Brasil que é um fiasco de tão chata. Sabe se a Maria Adelaide e o Vincent demorarão pra escrever outra das sete? Um beijo.

Melina disse...

Esqueci de dizer, Sérgio, as chamadas de O Rebu estão me deixando animada. Parece que teremos uma novela de primeira pra salvar esse período catastrófico que nos encontramos.

Felisberto Junior disse...

Olá, Boa tarde, Sérgio
sim,essa foi uma boa novela do Walcyr, com belas cenas , umas com os dramas da vida e outras com humor.
O que me chamou atenção,em sua análise,é o fato que uma reprise ter mais audiência que uma novela atual.
Algo não está muito certo no reino da teledramaturgia da plim plim.
Obrigado pelo carinho,bela continuação da semana, abraços!

Anônimo disse...

(Cont. do comentário 8)- Cássio surgiu de uma modinha da época de colocarem gays para terem relacionamentos amorosos com heterossexuais (A Favorita (2008) e Duas Caras (2007)também tiveram isso). Gostei da relação dele com a Léa, mas achei super coerente da parte do Walcyr em colocar o Cássio ao lado do seu querido "amigo" André no fim da novela. Apesar da implicância da mãe e irmã do André em relação a essa singela e bonita "amizade".

Andressa Mattos M. disse...

Sérgio, realmente foi um megasucesso e está sendo de novo, mas eu não gostei da novela. Talvez por meu apego aos bichos, não sei. Me sentia desconfortável vendo aquele macaco submetido ao stress das gravações e quando substituiam por um homem vestido de macaco achava trash. A única personagem que eu gostava era a Bianca, uma patricinha voluntariosa mas de bem com a vida. Não essa patricinha caricaturada e vazia que a Isabelle tem interpretado na atual novela das sete.

Fazendo uma comparação com as novelas desse autor, eu preferi muito mais Morde e Assopra. Amei a trama da robô, o Solano de cientista ficou uma graça, o drama da Dulce me envolveu e me emocionou de uma forma imensa, a pão dura da Salomé foi o último bom papel da Jandira Martini que fazia uma boa dupla com aquela empregada que não me recordo o nome. Ainda tinha a Adriana Esteves maravilhosa. E essa também foi sucesso, né? Se estiver enganada me corrija porque não sou boa em números de audiência. Beijo.

Andressa Mattos M. disse...

Sérgio, me permita acrescentar. Ao ler o comentário do anônimo falando do Cássio, me lembrei do Áureo de Morde e Assopra, que também foi a última vez que vi o André Gonçalves se destacando em uma novela. Adorava a parceria dele com a personagem da Vanessa Giácomo, que ali já dava sinais que seria uma Aline maravilhosa. Ainda tinha o Ary Fontoura com a Elizabete Savala fazendo um casal de prefeitos corruptos. Amava! Reparou que seu texto foi sobre Caras e Bocas, mas que eu acabei falando de Morde e Assopra? Desculpe. :)

Karina Marques disse...

Essa novela foi boa demais. Foi uma delícia de assistir e é isso que o público do horário das sete quer, pena que muitos autores não entendem isso. Falem o que quiser do Walcyr Carrasco, mas ele sabe fazer novelas como poucos e sempre conquista o público. Até quando errou ele conseguiu dar a volta por cima e acertar. Sempre que posso dou um jeito de dar uma olhada na reprise porque a novela foi divertida demais!

Adriana Helena disse...

É verdade Sérgio!
Essa novela foi maravilhosa a tal ponto que repetiu o sucesso retumbante na reprise em Vale a Pena ver de novo!
Uma história com excelentes atores e o autor Walcyr, acertou na mão, o que não está mais acontecendo atualmente.

Engraçado como os tempos mudam e as novelas vão perdendo um pouco da criatividade! Há algo errado nos folhetins atuais!

Amigo, sempre com posts agradáveis e interativos! É bom demais estar aqui!

Beijos e uma grande e especial semana!!

Barbie Californiana disse...

Infelizmente não estou acompanhando, Sérgio. beijinhos

Athyne Tedesco disse...

Adorei esse post justamente por se tratar dessa novela que tanto amo, Caras e Bocas é o que podemos chamar de verdadeira novela das sete com doses de romance, mistérios, e muita comédia, e apesar de ter uma trama aparentemente simples inovou em vários aspectos como essa ótima critica a arte moderna, e também colocando um macaco como protagonista.

O bom de Caras e Bocas é que todos os núcleos foram bons, começando do casal protagonsita que esbanjava quimica, a Bianca que como você disse é a melhor personagem a carreira da Isa, o Cássio, o núcleo do Denis (aliás apesar de achar o personagem um mala eu acho impressionante a complexidade que o Walcyr deu a esse personagem), o maravilhoso núcleo do Fabiano, enfim tudo funcionou nessa novela.E o Walcyr como sempre deu destaque a todos até aos personagens que deveriam ser meros figurantes como o delegado, os irmãos da Laís, a Cleo e a Clô, o que mostrou o quando ele tem respeito com os atores que escala para suas novelas.

Ah eu acho que um outro acerto da novela foi tocar no tema do tráfico de animais, aliás acho que por isso que a novela deu tão certo, já que ela misturava temas pouco abordados antes com tramas folhetinescas e personagens carismáticos, e isso pra mim são os ingredientes perfeitos para uma boa novela das sete sem deixar de citar é claro os bons diálogos e a boa direção.

Alexandra disse...

Acho a novela muito divertida. Acompanho pouco a novela pois trabalho, mas no geral acho a história boa, só não simpatizo com o núcleo da Ivonete. (Acredito que eu seja a única pessoa a não gostar deles), ahahah. Mas no geral, achei uma boa novela, e valeu o sucesso. O elenco tbm é ótimo, Deborah Evelyn, Drummond, Miguel, Rachel Ripani, Ary, Fulvio, Savalla, Bete Mendes, Maria Zilda, Maria Clara Gueiros, entre outros. To gostando desses textos falando de novelas de outros anos, como Mulheres Apaixonadas, Caras e Bocas... Espero por um post falando de Por Amor :P

Anônimo disse...

Essa novela foi muito bom. Uma das melhores das sete! Mereceu o sucesso duplo.

A Viajante disse...

Concordo Sérgio! Mas o mais bacana do remake é percebermos como alguns atores evoluíram... um beijo!

Anônimo disse...

O poder do Walcyr é comprovado na sua informação que Caras e Bocas veio depois de um fiasco e foi substituída por outro fiasco. O autor conseguiu elevar o ibope da emissora mesmo imprensado por dois fracassos. Aliás, o mesmo aconteceu com Amor à Vida que foi um sucesso imprensado entre o fracassado Salve Jorge da Capadócia e Em Família Sonolenta.

Sérgio Santos disse...

Foi boa mesmo, né Luly? Tb fico feliz por ele.

Sérgio Santos disse...

Obrigado, anônimo.

Sérgio Santos disse...

Li sim, Flávia. Saiu no Extra que depois do sucesso de Amor à Vida, o prestígio dele aumentou ainda mais e depois da novela das onze dele, ele poderá escolher o horário. Creio que optará pelas 18h. bjs

Sérgio Santos disse...

Thallys, a última grande novela dele foi Amor à Vida pra mim e a novela não parece esquecível pra vc pq vc vive falando dela. E achei Gabriela excelente, a última novela das onze de sucesso.

Olha, fiquei surpreso agora. Então vc está vendo a reprise? Realmente depois de ter reclamado tanto da reprise não deixa de ser curioso.

Caras e Bocas foi uma novela ótima, fez sucesso, teve um elenco grandioso (como de praxe nas novelas dele), personagens ótimos, enfim, tudo muito bom e deixou saudades. Gostaria de ver o Fulvio na próxima novela dele até pq a Globo não renovou o contrato dele, mas uma pena que depois daquela declaração infeliz do ator, provavelmente nunca mais será escalado. Pena pq só Walcyr se lembrava dele.

Cobras e Lagartos foi uma novela maravilhosa tb e não duvido que faça o msm sucesso que a reprise de C&B fez. Será merecido.

Sobre a Duca e a Thelma, era óbvio que elas teriam o contrato renovado, a Globo jamais deixaria elas soltas. Mas curioso isso de vc falar que "foi um tapa em quem duvidava da capacidade delas". Tinha quem duvidasse, é? Não sabia e nem li nada a respeito de colocar o talento delas em dúvida.

Sérgio Santos disse...

Fernanda, sim, ano que vem a novela das onze será do Walcyr e inédita. Tb achei Gabriela excelente. bjs

Sérgio Santos disse...

Obrigado, anônimo.

Sérgio Santos disse...

Anônimo, tb achei coerente o final do Cássio e toda a situação envolvendo o personagem foi mt divertida. Ainda chegou depois o Kleber Toledo fazendo o "Moranguinho" pra melhorar o núcleo. E eu lembro mesmo disso de ter gays se envolvendo com mulheres. Aliás, o Walcyr fez isso em Morde e Assopra tb, mas o final foi o mesmo estilo que de Caras e Bocas e igualmente divertido.

Sérgio Santos disse...

Anônimo, te garanto que o público dessa novela não era/é só de jovens, não.

Sérgio Santos disse...

Foi muito boa, Felipe. Pena que vc não viu. E sim, democracia é isso, cada um pode falar o que quiser e quantas vezes quiser, desde que não abuse.

Sérgio Santos disse...

Oi Gustavo, eu tb não tenho acompanhado, mas na época eu vi a gostei mt. Foi um conjunto de acertos. abçs

Sérgio Santos disse...

Pois é, Melina esse fato não deixa de ser curioso. Recentemente, as únicas novelas com bom retorno no ibope têm sido as do Walcyr: duas reprises e a inédita que acabou.

Nossa, eu tb sinto mta falta de Sangue Bom e acho uma grande injustiça não ter feito sucesso. Mas quem não viu perdeu uma ótima trama. Bjssss

Sérgio Santos disse...

Ah, Melina, sim, as chamadas de O Rebu estão fantásticas, e estão comprovando que vem novela épica por aí. Tomara que não decepcione pq o período, tirando Meu Pedacinho de chão que é diferente (sei que vc não gosta), está tenso.

Sérgio Santos disse...

Felis, incrível isso, né? A reprise ter mais ibope que uma inédita. Sucesso é sucesso em qlq época. abçs

Sérgio Santos disse...

Andressa, olha, com certeza o macaco era mt bem tratado. Tanto que tinha um homem como dublê nas cenas que o bicho não poderia realizar. Lá os animais são tratados feito reis, não há maus tratos. Mas respeito que não tenha gostado. Além de Bianca, tinha muito personagem bom tb.

Mas eu tb adorei Morde e Assopra. A novela começou precisando de uns ajustes, mas depois de feitos, ela ficou excelente e seguiu assim até o fim.

A Salomé fazia uma ótima dupla com a Cleonice (Vera Mancini) e foi msm o último bom papel da Jandira Martini. O msm vale, aliás, como vc disse, pro André Gonçalves, que depois do hilário Áureo só pegou papel desgraçado e a própria Flávia Alessandra, que depois da Naomi/humana/robô, só pegou papel fraco.

Não tem problema de ter falado mais da outra novela, o espaço é livre. E como eu já mencionei, achei essa novela ótima tb. Dulce emocionou, o Solano fez um Ícaro ótimo, Savalla e Ary formaram um casal genial, ainda tinha Marina Ruy Barbosa de Alice que humilhava a mãe, enfim... A Vanessa fez um bom laboratório com a Celeste pra depois encarnar a Aline. Bjsssss

Sérgio Santos disse...

E sim, Andressa, Morde e Assopra foi um sucesso de audiência. bj

Sérgio Santos disse...

Karina, concordo com vc. Bjssss

Sérgio Santos disse...

Adriana, e vc sempre carinhosa. Um beijo e obrigado pelo comentário.

Sérgio Santos disse...

Ok, Barbie. bj

Sérgio Santos disse...

Foi boa, né Athyne? Boa lembrança a sua sobre o tema do tráfico de animais, foi bem explorado msm. E sobre a valorização do elenco, o Walcyr sempre costuma fazer isso em suas novelas. Ele dá histórias pra todos, até para os que teoricamente seriam meros coadjuvantes sem função. Claro que algumas vezes ele erra e não dá importância a alguns, mas na maioria das vezes valoriza todo mundo e no caso de C&B isso ocorreu.

Isabelle foi um dos destaques, sendo que Bianca nem protagonista era. Mas foi a melhor personagem da atriz de longe. E foi uma boa preparação para as futuras novelas dela.

É verdade, o Dênis era um tipo complexo mesmo e considero esse o melhor papel do Pasquim. O pintor tinha desvios de caráter, mas amava a família e o filho. Apesar de explorar o macaco, ele tb gostava de verdade do bicho. Mt bacana. Bjsssss

Sérgio Santos disse...

Alexandra, foi boa mesmo e entendo não ter gostado do núcleo da Ivonete. rs Algumas vezes ficava um pouco repetitiva aquela situação do Fabiana perseguir a mulher, mas eu adorava.

Que bom que está gostando. Não sei se escreverei sobre Por Amor, mas tenho ouvido os pedidos que me fazem. Sempre quiseram que eu escrevesse sobre tramas passadas e tenho tentado fazer agora. bjs

Sérgio Santos disse...

Concordo, anônimo.

Sérgio Santos disse...

Ju, não é remake, não. Acho que vc quis dizer reprise. bjs

Sérgio Santos disse...

Anônimo, não tinha parado pra pensar nessa coincidência. Caras e Bocas conseguiu salvar o horário das sete depois de um grande fracasso, mas depois foi substituída por outro fiasco. E é mesmo, aconteceu algo semelhante com o horário das nove.

M D Roque disse...

Passou em Portugal há uns anos e mesmo sem ser em horário nobre, portugal parava para ver. :)

Abraço. D

http://acontarvindodoceu.blogspot.pt

Melina disse...

Sérgio, as chamadas de O Rebu estão fascinantes. Estou empolgadíssima com essa novela. E que elenco, não? Você vai escrever aquela sua postagem que já virou tradição aqui no blog: "O que esperar da novela?"

Só uma observação sobre a Geração Chatil. Eu vi ontem uma cena me me deixou estarrecida. Murilo Benício bancando o adolescente e sendo filho daquele ator que interpretou o radialista de Cheias de Charme (aliás, outro ator daquela novela comprovando a panelona que você havia mencionado). Nunca vi algo tão ridículo. Custava escalar um ator jovem pra fazer o Jonas naquela época? Vergonhoso o que fizeram com o Murilo. Deixaram o coitado passar ridículo. Que novelinha ruim, Sérgio. Um beijo.

Anônimo disse...

Sérgio, o autor fez isso em Morde e Assopra tb com relação ao gay que fica com mulher? Não lembro.

Elvira Akchourin do Nascimento disse...

Caras & Bocas foi uma novela divertida e, quando posso, dou uma espiada na reprise.

Filha do Rei disse...

Assisto e gosto muito.A magia desta novela não passou.

Sérgio Santos disse...

Que legal, M D Roque. Abraço.

Sérgio Santos disse...

Melina, as chamadas estão incríveis! E com certeza eu escreverei o que esperar da novela.

Sim, eu vi essa cena, aliás, ela segue sendo exibida em partes. Está ridículo mesmo. O Murilo não merecia passar por aquilo. Colocaram uma barba e um boné para fazê-lo parecer um adolescente e enfiaram um pai aparentemente mais jovem que ele. Sim, é o Gentil Soares de Cheias de Charme. A panela dessa novela foi imensa. bjs

Sérgio Santos disse...

Fez, anônimo, com o Áureo que transava de vez em quando com a Celeste. André Gonçalves e Vanessa Giácomo, aliás, faziam uma dupla ótima. Mas no final ele acabou ficando com o Josué (Joaquim Lopes) e fugiu de fusca com o soldado Xavier e a Pirulitona (Otaviano Costa). A cena foi mt boa.

Sérgio Santos disse...

Elvira, estava com saudades de vc. Bjsssss

Jéssica Camila disse...

"Caras & Bocas" foi a melhor novela que já assisti das 7 e uma das melhores da Globo! SAUDADES...