quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

"Chaves": um sucesso atemporal

No dia 24 de agosto de 2014, o "Chaves" completa 30 anos de SBT. Quando foi exibido pela primeira vez em 1984 no Brasil, o seriado não era mais produzido no México ----- "El Chavo del Ocho" ficou no ar entre junho de 1972 e janeiro de 1980. Porém, esse fato não prejudicou em nada o seriado, que virou um fenômeno no Brasil. Desde então, a emissora de Silvio Santos vem mantendo a série fixa em sua grade e foi alvo de reclamações dos fãs todas as vezes que retirou o seriado, protagonizado por Roberto Gomez Bolaños, do ar.


Após uma sucessão de trapalhadas provocadas pelo SBT ---- vide a reprise de "Carrossel" e depois um jornalístico que naufragou na audiência -----, o horário das 18 horas foi preenchido com "Chaves", um verdadeiro coringa da emissora. Na verdade, o programa ia ao ar às 18h30 e só acabava às 19h45m. Agora, em mais uma alteração feita na grade, a atração inicia às 19h20m. Embora não tenha conseguido levantar o Ibope, a série ---- que ainda conta com Maria Antonieta de las Nieves (Chiquinha), Florinda Meza (Dona Florinda), Carlos Villagrán (Kiko), Ramón Valdez (Seu Madruga), Rubén Aguirre (Professor Girafales), Édgar Vivar (Sr. Barriga) e Angeline Fernades (Dona Clotilde) ---- causou uma certa repercussão recentemente por causa dos episódios inéditos exibidos.

Os telespectadores e fãs ficaram indignados com algumas mudanças na dublagem. Seu Barriga, Seu Madruga, Dona Clotilde e o Chaves não estavam mais com as mesmas vozes. Porém, os dubladores originais (com exceção do pai da Chiquinha, dublado pelo ator Carlos Seidl) já faleceram e não havia outra
alternativa a não ser substituí-los. Independente dos novos dubladores escolhidos, era natural que o público rejeitasse.

Mas esse tipo de repercussão apenas serviu para comprovar como o "Chaves" ainda tem importância. Apesar dos episódios já terem sido reprisados inúmeras vezes e dos fãs já saberem absolutamente tudo o que vai acontecer, a história da convivência entre o menino pobre, a menina sardenta, o homem que deve o aluguel, o garoto mimado, a mãe agressiva e a bruxa do 71 em uma vila simples, continua despertando interesse e causando nostalgia.

O humor inocente e os personagens cativantes são os responsáveis por esse tão longevo sucesso. Roberto Gomez Bolaños conseguiu criar uma história que agradou e ainda agrada todas as idades. Difícil achar uma pessoa que nunca tenha visto "Chaves". E mais uma prova do carinho que os brasileiros têm pelo seriado é a recepção que os atores da série recebem quando visitam o país. Carlos Villagrán, Edgar Vivar e Maria Antonieta de las Nieves tiveram tratamento de 'popstars' quando passaram pelo Brasil. E claro que --- enquanto estão por aqui --- o SBT sempre os convida para participações nos programas da casa, o que alavanca a audiência.

A verdade é que o "Chaves" entrou para a história da televisão brasileira e continua tendo importância. Afinal, não dá para desprezar um produto que é reprisado há quase 30 anos e ainda consegue prender os fãs diante da tevê e conquistar novos admiradores. Não é à toa que a emissora de Silvio Santos não abre mão desse sucesso atemporal.

34 comentários:

Karla disse...

Adorei Zamenza! Chaves fez parte da minha infância e também de muita gente ainda hoje. Carinho especial pelo programa. Bjos.

Fabíola Oliveira disse...

Oi, Sérgio, simplesmente adorei o post de hoje. Eu também fico bestificada como um programa tão simples e de baixo custo conseguiu fazer tamanho sucesso e pensar que, quando o Sílvio Santos negociou com a Televisa, ele nem queria colocar o Chaves no pacote.

Na verdade, esse programa veio para o Sílvio como uma imposição contratual junto com vários outros programas que o dono do SBT comprou a gigante mexicana Televisa.

Acho incrível como um programa consegue passar 30 anos no ar sem desgastar sua fórmula. Considero isso um fenômeno...

Um dos episódios que considero mais interessantes é a ida dos moradores da vila a Acapuco...

Engraçado, né, Sérgio, que o povo tem preconceito com novela mexicana e um dos programas de maior sucesso no Brasil é justamente uma produção mexicana.

O povo fala de novela mexicana, mas algumas são ótimas e bombaram por aqui como Usurpadora, a trilogia das marias, Rubi ( eu adorava Rubi e a atriz que interpreta esse personagem é linda e é uma espécie de Ísis Valverde lá no México)...

Não acho que o México seja um celeiro de novelas ruins como preconceituosamente queremos acreditar às vezes. Esse país só tem um jeito diferente do nosso de fazer novela.

São aquelas atrizes vestidas de forma bregérrima, a maquiagem pesada, as interpretações dramáticas, mas algumas histórias são até bem consistentes...

Beijão, Sérgio!

Barbie Californiana disse...

Adoro Chaves... fez parte de minha infância, Sérgio... e agora quem assiste é minha sobrinha. ;) beijinhos

Smareis disse...

Olá Sérgio!

Depois de um tempinho ausente, aqui estou.
Parabéns pela bonita postagem!
Eu sempre gostei muito dos episodio do chaves. Difícil alguém que não tenha visto pelo menos uma vez. Acho que perde um pouco a graça quando a vós da dublador muda, mas acho que ainda faz sucesso mesmo assim.
Um abraço com muito carinho, e ótima semana!
Beijos grande!(•~?•~)? ? ?

Smareis disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Smareis disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Smareis disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Vera Lúcia disse...


Concordo, Sérgio. É um seriado que ainda agrada e mantém seus telespectadores.
Embora não assista mais, houve época em que me diverti com este programa.

Ótima semana.

Abraço.

MARILENE disse...

Sergio, 30 anos é uma grande façanha. Nunca assisti, mas reconheço que deve ter mérito, eis que se sustenta há tanto tempo. Bjs.

paulo disse...

O sucesso do Chaves é simples de explicar, é um humor bobo, ingênuo, simples e feito por gente talentosa de verdade e com emoção de verdade. Tudo que os humorísticos apelativos de hoje não tem. E a imagem "borrada" e antiga do seriado não impede seu sucesso, viu Sergio. Aliás é um charme a mais.

Felisberto Junior disse...

Olá, Sérgio
Justa e merecida a lembrança do Chaves, aqui!Marcou a infância de muita gente. Penso que o humor inocente e os personagens cativantes , as piadas eternas , que são entendidas tanto hoje quanto sempre e a simplicidade, tanto das falas, quanto dos cenários, dos personagens, etc.. agrada todo tipo de pessoa, podem ser algumas das razões de seu sucesso atemporal!
Bela análise!
Obrigado pelo carinho, belo dia, abraços!

Thallys Bruno Almeida disse...

Como fã de Chaves, gostei muito desse post. É incrível como a previsibilidade das ações no caso do Chaves jamais afetou o humor. Embora entre os fãs, é natural que a última temporada da série clássica seja considerada inferior devido à saída de Villagrán (devido a uma briga com Bolaños) e Ramón Valdés, uma vez que Seu Madruga e Quico são considerados os personagens mais carismáticos da série, em especial o primeiro.

Lendo algumas notícias antigas em sites sobre Chespirito (apelido de Bolaños, algo como ~pequeno Shakespeare~), lembro que a série era um tanto discriminada pela baixa produção e pelas situações apresentadas. Ao longo do tempo, a mídia começou a ter maior respeito pelas séries CH.

Só tenho um adendo a fazer, o dublador do Quico (Nelson Machado) também foi trocado, pela mesma razão do Carlos Seidl: o SBT propôs que ele abrisse mão de receber direitos autorais por mais de 20 anos e ele recusou isso.

Não fui contra a nova dublagem dos inéditos, já que provavelmente o elenco original não tenha gravado. O que fui contra foi a redublagem de alguns episódios clássicos que tinham partes nesse lote inédito, caso do Festival da Boa Vizinhança, que tinha uma última parte inédita após a peça do Chapolin.

Outra prova do sucesso são as homenagens recebidas - e o melhor, em vida - por Bolaños da Televisa, uma em 2000, e outra no ano retrasado.

Poucos programas são capazes de provocar esse sucesso atemporal. E Chaves, com sua baixa produção e o carisma e talento de seu elenco, conseguiu isso. É pra poucos. Abç!

Danizita L. disse...

Amo Chaves, e outra produção de Bolaños que eu também sou fã é Chapolin Colorado, rsrs. É incrível mesmo como essa produção nunca perde o brilho, tanto é que conquistou e ainda conquista pessoas de todas as idades.

Bjs ;-)

Clau disse...

Oi Sérgio, boa tarde!
É desse humor inocente que eu gosto, assisto o Chaves desde criança.
Conheço os episódios de trás pra frente, mas nunca canso de ver.
Prefiro os dubladores originais, mas se eles já faleceram, o jeito é substituí-los.
Eu não sabia que o Chaves vai completar 30 anos de SBT.
Achei a postagem, adorável!
Bjs \o/

Sissym Mascarenhas disse...



Sergio,

Eu só tive tempo de sentar para ver Chaves quando minha filha passou a se interessar. Sempre gostei da simplicidade e bom humor.

Não conhecia detalhes e adoro saber, porque sou fã.

Bjs

Cc disse...

Serginho, veja que coisa: neste post vemos a turma do Chaves com a simplicidade e a ingenuidade de outros tempos, logo acima você vem falar desse maldito big brother que reflete bem a farsa e a idiotice que o mundo, as pessoas e a TV se transformou.

Maxxi disse...

Sérgio...

Infelizmente meu tempo não permite apreciar como outrora os episódios do Chaves, que apesar de uma série de fatores contra (ser adulto, não ter tempo, piadas batidas) ainda caio na gargalhada com o melhor e mais saudável programa da infância do brasileiro: o Chaves.

Fiz um sacrifício e assisti boa parte dos novos episódios (a nova dublagem realmente causou estranheza, mas antes ela do que o áudio em espanhol, não?)MAs o que mais gostei foi o festival da boa vizinhança, que desde criança apontava que haveria continuação.

Valeu pelo post... E sobre o BBB vamos falar lá no post do BBB...

Sérgio Santos disse...

Também tenho carinho, Karla. bjsss

Sérgio Santos disse...

Fabíola, ótimo seu comentário. É verdade, e pensar que o Silvio só colocou no ar pq veio junto com o pacote da Televisa. E virou esse sucesso.

Eu tb adoro o de Acapulco, mas tem vários outros muito bons. Os da escolinha, o da tinta amarela, o da casa da Bruxa do 71, enfim...

Eu tb já vi e gostei de novela mexicana. Essa Rubi eu nunca vi, mas A Usurpadora, Maria do Bairro e Marimar eu vi várias vezes e fui fã. rsrs bjsssss

Sérgio Santos disse...

Todo mundo já viu ou verá, Barbie. rs bjssss

Sérgio Santos disse...

Smareis, há quanto tempo! Saudades! bjssss

Sérgio Santos disse...

Vera, é um sucesso que jamais será esquecido e ainda repercute. E tb tem uma audiência considerável, se levarmos em conta a quantidade de vezes que foi reprisado. bjs

Sérgio Santos disse...

Nunca viu, Marilene? Vc é um caso raro. rs bjsssss

Sérgio Santos disse...

Paulo, lembro de vc dizendo que não gostava de Chaves. Mas o sucesso é merecido. Os personagens são cativantes, a trama é bacana e os diálogos divertidos. Sim, a qualidade da imagem não atrapalha, mas tb não pode ir ao ar no horário nobre. Abçs

Sérgio Santos disse...

Obrigado, Felis. Concordo com seu comentário. Abçs e boa semana.

Sérgio Santos disse...

Sim, Thallys, o SBT errou feio ao nunca exibir esses episódios inéditos, fazendo o espectador de besta. Eu vi todos os inéditos que passaram recentemente e imaginei como seria com as vozes originais. Mas quando a emissora resolveu exibi-los mais de 20 anos depois já era tarde. O sucesso é merecido e há fãs apaixonados.

Sérgio Santos disse...

Danizita, o Chapolin tb é ótimo! Um heroi genial! rsrs Aliás, todos os tipos criados foram incríveis. bjsss

Sérgio Santos disse...

Obrigado, Clau. Esse seriado marcou muita gente e ainda repercute. Eu mesmo de vez em quando dous umas olhadas, não resisto. Sim, em agoto completa 30 anos.

Sérgio Santos disse...

Sua filha tem bom gosto, Sissym! Chaves é mt bom. bjssss

Sérgio Santos disse...

Cc, acho sem sentido comparar Chaves com reality show. São coisas tão distintas... abçssss

Sérgio Santos disse...

Maxxi, eu tb sempre quis ver o final do Festival da Boa Vizinhança e nunca mostravam. Ficava indignado. Pelo menos agora exibiram, com quase 30 anos de atraso, mas foi.

Sim, é melhor a dublagem ruim do que em espanhol. Abçssss

Anônimo disse...

Programa que tem cheiro de infância! Delícia de post!

Sérgio Santos disse...

Concordo, anônimo. Obrigado!

Anônimo disse...

A unica coisa que o México fez de bom foi burrito e chaves...