quinta-feira, 26 de novembro de 2015

Canal Viva acerta com a nova "Escolinha do Professor Raimundo" e prova que o humor do programa é atemporal

Para homenagear os 25 anos da estreia de um dos mais populares e queridos programas humorísticos do país, o Viva fez uma espécie de 'remake' da "Escolinha do Professor Raimundo", que estreou nesta segunda-feira (23/11). O canal a cabo já havia feito um projeto semelhante em 2013 com a produção de quatro episódios inéditos do clássico "Sai de Baixo", fazendo um imenso sucesso. Outra experiência, essa sem tanto êxito assim, foi o "Globo de Ouro Palco Viva" em 2014 ---- neste ano de 2015, aliás, foi exibida uma edição temática de Axé. E, do que foi visto da "nova Escolinha", pode-se constatar que a ideia funcionou perfeitamente.


O programa original surgiu no rádio em 1950 e depois foi para as TVs Rio, Excelsior e Tupi. Sua estreia na Globo foi em 1990, ficando no ar até 1995, e voltando em 1999 como quadro do antigo "Zorra Total". A atração de sucesso começou a ser reprisada pelo Canal Viva em 2010, assim que o mesmo foi inaugurado, e as reprises diárias estão há cinco anos obtendo um bom retorno da audiência. Assim como era com a "Escolinha do Professor Raimundo" na década de 90, o remake é dirigido por Cininha de Paula e, agora, o principal personagem, que serve de escada para todos os demais, é interpretado pelo filho do humorista: Bruno Mazzeo.

E a escolha do novo elenco foi muito acertada. Além das caracterizações terem ficado perfeitas, a escolha dos nomes combinou perfeitamente com os intérpretes originais ---- muitos deles, infelizmente, já falecidos. Mateus Solano vive o Zé Bonitinho (do saudoso Jorge Loredo - morto em março de 2015); Maria Clara Gueiros interpreta a Dona Cândida (da ótima Stella Freitas);
Betty Gofman faz a Dona Bela (da saudosa Zezé Macedo - morta em 1999); Ângelo Antônio é o Joselino Barbacena (do saudoso Antônio Carlos Pires - falecido em 2005); Fabiana Karla vive a Dona Cacilda (da querida Cláudia Jimenez); Evandro Mesquita é o Armando Volta (do carismático David Pinheiro); Dani Calabresa vive a Dona Catifunda (da grande Zilda Cardoso); Marcelo Adnet é o Rolando Lero (do saudoso Rogério Cardoso - morto em 2003); e Marcos Caruso dá vida ao Seu Peru (do múltiplo Orlando Drummond).

Já Kiko Mascarenhas é o Galeão Cumbica (do saudoso Rony Cócegas - morto em 1999); Marco Ricca interpreta o Pedro Pedreira (do saudoso Francisco Millani - falecido em 2005); Ellen Roche vive a Dona Capitu (da atriz Cláudia Mauro); Fernanda de Freitas interpreta a Marina da Glória (da competente Tássia Camargo); Lúcio Mauro Filho dá vida ao icônico Aldemar Vigário (personagem do seu pai Lúcio Mauro); Otaviano Costa é o Seu Pitolomeu (vivido por Nizo Neto, filho de Chico); Fernanda Souza é a Tati (da Heloísa Périssé); Marcius Melhem interpreta o Seu Boneco (do Lug de Paula, filho de Chico); Rodrigo Sant`Anna é o Seu Batista (do talentoso Eliézer Motta); e Otávio Muller é o querido Baltazar da Rocha (do saudoso Walter D`Ávila - falecido em 1996).

O programa ficou uma delícia e foi possível perceber que, assim como acontecia na versão original, os atores não sabiam o que os colegas iam dizer, proporcionando muitos risos involuntários na 'sala de aula'. Eles mesmos são a 'claque', só que nada forçada. Bruno Mazzeo incorporou bem o icônico personagem de seu pai e conduziu com competência todo aquele time de atores, que mergulharam de cabeça nessa proposta de reviver algo que está na memória de tanta gente. Tudo fluiu da melhor forma possível e todos estavam à vontade interpretando aqueles tipos tão memoráveis e que marcaram tantas gerações.

Entre os destaques, é preciso mencionar o show do Mateus Solano na pele do conquistador Zé Bonitinho. O ator, cujo último trabalho foi o consagrado Félix, de "Amor à Vida", incorporou o personagem com maestria e ficou impagável. O mesmo vale para Marcos Caruso, que divertiu interpretando o afetado Seu Peru. Orlando Drummond, hoje com 95 anos, com certeza está orgulhoso do colega, que é um dos grandes nomes do elenco desse especial. Fabiana Karla também ficou perfeita de Dona Cacilda, assim como Marcelo Adnet de Rolando Lero e Dani Calabresa de Catifunda. O casal de humoristas, aliás ---- ele trabalhando atualmente no "Tá no Ar" e ela no "Zorra" ----, mais uma vez mostrou o talento para a imitação.

Já Marco Ricca impressionou com a perfeição da sua composição do Pedro Pedreira. A voz ficou parecidíssima com a do saudoso Francisco Milani. E Otaviano Costa conseguiu imitar a entonação de voz do nerd Pitolomeu, assim como Lúcio Mauro Filho criou uma cópia fidedigna do personagem de seu pai. O falador Aldemar Vigário foi incorporado com extrema competência pelo ator. Ele, inclusive, conseguiu replicar as 'piadas internas' que Lúcio Mauro fazia com Chico Anysio, só que com Bruno Mazzeo. Os dois várias vezes não seguraram o riso, contagiando todos os presentes, exatamente como ocorria no programa original.

A nova "Escolinha" ---- que já é a atração mais assistida do canal a cabo e entrará na grade da Globo, aos domingos, a partir do dia 13 de dezembro ---- foi uma grande ideia do Viva. A homenagem para um dos mais lembrados programas humorísticos do país honrou a grandiosidade desse legado que Chico Anysio deixou para o humor nacional. Após o bem-sucedido projeto da exibição de quatro episódios inéditos do "Sai de Baixo", o canal novamente acertou, desta vez revivendo os tempos de escola de tanta gente. Nada melhor do que reunir comicidade, personagens inesquecíveis e uma boa dose de nostalgia, que juntas evidenciaram que o humor da "Escolinha do Professor Raimundo" é atemporal.

25 comentários:

Yasmin disse...

Eu estou amando tanto quanto amei os especiais do Sai de Baixo. Tá bom demais! Pena que só dura uma semana.

Anônimo disse...

Foi uma boa ideia mesmo mas acho que os atores que não morreram poderiam muito bem fazer os papéis deles.

Lulu on the sky disse...

Olha Sérgio fico na torcida para que ganhe o público na Globo. Quem sabe eles resolvem colocar como fixo na grade?
big beijos

Rafaella disse...

Tô curtindo também. Esse especial e o do Sai de Baixo foram ótimos. Mas aquele do Globo de Ouro foi uma porcaria.

Saulo Henrique disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ernane disse...

Uma grata surpresa.Não esperava que fosse boa e me surpreendi.Tenho me divertido bastante.

Bell disse...

Ainda não assisti

bjokas e um lindo dia pra vc =)

Italo disse...

É muito bom o programa. Concordo com todo o texto. E o meu preferido é o Caruso de Seu Peru.

Zilani Célia disse...

OI SÉRGIO!
NÃO ASSISTI, MAS, ACREDITO QUE TENHA SIDO TUDO O QUE DIZES POIS ÉS UM BOM CRÍTICO.
ABRÇS
-
http://zilanicelia.blogspot.com.br/

Vera Lúcia disse...



Ah!, Sérgio,

Que divertidas lembranças deixou o programa original da "Escolinha do Professor Raimundo". Eu ria demais com o Rolando Lero ( Rogério Cardoso).
Não sabia deste remake no Canal Viva.
Grande ideia esta da produção de uma nova 'Escolinha'. Nosso saudoso Chico Anysio merece tamanha homenagem. Tomara mesmo que ela entre na grade da Globo.

Abraço.

MARILENE disse...

Sergio, programas de humor não me atraem. Pelo que descreveu, houve acerto e espero que tenha continuidade. Bjs.

Sérgio Santos disse...

Pois é, Yasmin, já acabou. Mas teve mais episódios que o Sai de Baixo. bjs

Sérgio Santos disse...

Alguns nem tem mais condições, anonimo. Mas seria uma ideia.

Sérgio Santos disse...

Quem sabe, Lulu. Há chances. bj

Sérgio Santos disse...

O do Globo de Ouro u tb não curti não, Rafaella.

Sérgio Santos disse...

Uma grata surpresa, Ernane.

Sérgio Santos disse...

Ok, Bell. bjsss

Sérgio Santos disse...

O Caruso foi genial, Italo. Ele, Mateus Solano, Marco Ricca, Lucio Mauro Filho, Marcelo Adnet e Dani Calabresa foram os destaques.

Sérgio Santos disse...

Obrigado pela confiança, Zilani. bjs

Sérgio Santos disse...

Tomara, Vera. O melhor eram as piadas internas e Rolando era genial .bjssss

Sérgio Santos disse...

Entendo, Marilene. bjsss

Sérgio Santos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
BIA disse...

Oi Sérgio!

Programas de humor são sempre bem-vindos, mesmo que sejam antigos e ao mesmo tempo atemporais, pois as notícias são tão exageradas na violência e destruição que é preciso focar em coisas que trazem alegria como este tão bem citado em seu blog! Um feliz fim de semana! :)

Bjs

Sérgio Santos disse...

Sem dúvida, Bia. bjão!

Sérgio Santos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.