sexta-feira, 14 de agosto de 2015

Com um final irretocável, "Malhação Sonhos" fecha seu ciclo e entra para a lista das melhores temporadas

No dia 14 de julho de 2014 estreava "Malhação Sonhos", substituindo a fracassada "Malhação Casa Cheia", iniciada em 2013. A partir de então, o público começou a acompanhar uma trama adolescente repleta de tipos críveis, que precisavam enfrentar muitos dilemas e, apesar das inúmeras diferenças de personalidade, tinham algo em comum: todos sonhavam. O sonho era o que movia todos os personagens, sem exceção. Pois esta saga, que durou mais de um ano e envolveu o telespectador, chegou ao fim nesta sexta (14/08), com um capítulo emocionante, tenso e irretocável.


Escrita por Rosane Svartman e Paulo Halm, com direção de Luiz Henrique Rios e Marcus Figueiredo, a história prendeu a atenção desde o primeiro capítulo. Apesar de ser um seriado adolescente, esta temporada foi voltada para todas as idades, uma vez que abordou diversos assuntos com propriedade, sem subestimar o público. O sucesso alcançado fez jus ao conteúdo de qualidade que foi apresentado. Não ficou devendo a nenhuma ótima novela, cujos gastos de produção são bem maiores. E esta foi praticamente a mesma equipe responsável pela "Malhação Intensa", exibida em 2012/2013, que também conseguiu conquistar o telespectador através de um enredo bem escrito.

A saga de vários jovens que buscavam seus sonhos foi muito bem desenvolvida pelos autores, que conseguiram manter o ritmo da história, evitando maiores enrolações ou estagnação do roteiro. O esquema de rodízio em torno dos casais e dos dramas de cada núcleo foi uma das principais razões para o êxito na condução da história.
Enquanto uma trama ficava em evidência, repleta de reviravoltas, as demais serviam para 'sustentá-la', deixando um pouco os outros conflitos em compasso de espera. Assim, o enredo ia se encaminhando sem qualquer sinal de desgaste e muito menos com a sensação de 'barriga' ou repetição.

E todas as tramas tiveram seu momento de destaque. A história mesclou com extrema competência a comédia e o drama, havendo ainda muitos musicais, que ajudaram a permear toda a temporada com clipes lindos. Outro grande acerto foi a criação dos casais: todos os pares românticos funcionaram e apresentaram conflitos que envolveram o telespectador. Tanto os principais ---- compostos por Duca (Arthur Aguiar) e Bianca (Bruna Hamu), Pedro (Rafael Vitti) e Karina (Isabella Santoni), Cobra (Felipe Simas) e Jade (Anaju Dorigon) ----, quanto os coadjuvantes ---- compostos por Mari (Malu Campos) e Jeff (Cadu Libonati), Dandara (Emanuelle Araújo) e Gael (Eriberto Leão), Sol (Jeniffer Nascimento) e Wallace (Antônio Carlos), entre outros.


Colocar como pano de fundo uma Academia de Artes (a Ribalta) e uma de Lutas (a do Gael, que ainda rivalizava com a Khan), fazendo uma espécie de comparação entre dois universos completamente distintos, ao mesmo tempo que semelhantes em alguns aspectos, foi mais uma sacada de mestre. Os ambientes complementaram perfeitamente toda a história que foi sendo contada ao longo dos meses. E os relacionamentos estabelecidos, entre os frequentadores destes distintos locais, ajudou bastante nas interações, que muitas vezes resultavam em inúmeros conflitos. Afinal, Duca e Wallace, por exemplo, se apaixonaram por uma atriz e uma cantora, respectivamente, enquanto o guitarrista Pedro se viu envolvido com uma lutadora nada calma. Já o lutador Cobra se envolveu com a dançarina Jade, entre tantas outras relações peculiares. E houve também espaço para semelhante se atrair por semelhante, vide o dançarino Jeff e a cantora Mari.


A história contou ainda com bem construídos vilões, que ajudaram a movimentar o enredo e não ficaram devendo em nada aos 'malvados' de horários mais tardios. Apesar das limitações da Classificação Indicativa, Lobão (Marcelo Faria) e Heideguer (Odilon Wagner) esbanjaram canalhice e crueldade, fazendo de tudo para atingir seus objetivos. O empresário era um poço de ambição e ganhava dinheiro fraudando torneios de muay thai, enquanto o treinador servia como seu capacho e aliado nos esquemas de apostas. Porém, o psicopata dono da Academia Khan tinha uma fixação por Gael ---- ele nunca perdoou o ex-amigo depois que o mesmo abandonou as lutas para ficar com a esposa ---- e este seu lado passional provocava uma constante rixa com o ricaço. A tensão desta relação de interesses era um ingrediente a mais nas vilanias da dupla.


Vários temas importantes foram abordados e funcionaram muito bem na condução da trama. A gravidez na adolescência foi explorada através do drama de Mari; a homofobia pôde ser vista na relação entre o pai Lincoln (Edmilson Barros) e o filho Jeff; o câncer de mama foi tratado com grande sensibilidade com a luta de Lucrécia (Helena Fernandes) pela cura da doença ---- houve até uma cena marcante da personagem fazendo um autoexame, que gerou repercussão ----; o machismo foi exposto em virtude das atitudes de Duca e Gael em relação ao desejo de Bianca ser atriz e no de Karina em ser lutadora; e o racismo se evidenciou assim que Sol e Wallace melhoraram de vida. Estas foram as principais questões exploradas, entre outras também citadas ao longo dos meses, que complementaram bem o roteiro e tiveram função no enredo, evitando uma 'panfletagem gratuita' que em nada acrescenta ao conteúdo ficcional (como ocorreu em "Babilônia", por exemplo).


Já as atrativas viradas se mostraram vitais para o fôlego da temporada. Muitas situações tensas e dramáticas marcaram a história, quase sempre provocando uma empolgante reviravolta. O assassinato de Alan (Diego Amaral), irmão de Duca, foi uma delas. Atropelado por Lobão, o rapaz, que estava prestes a desmascarar o esquema de apostas dos vilões, não resistiu aos ferimentos e sua morte foi um choque para os personagens, destacando o talento dos atores, entre eles Arthur Aguiar e Iná de Carvalho (Dona Dalva). A revelação do suborno de Bianca --- que pagou Pedro para namorar sua irmã --- foi a mais forte, uma vez que culminou na armação de Lobão, que fingiu ser o verdadeiro pai da menina. E tudo só veio à tona depois que Bianca sofreu uma tentativa de sequestro, sendo salva por Duca. Inúmeras cenas dramáticas marcaram esta fase, destacando principalmente Isabella Santoni, Eriberto Leão, Anaju Dorigon e Bruna Hamu.


Além destas, outras viradas empolgantes movimentaram a história, como: o início do Warriors --- marcando a nova vida de Karina ao lado de Lobão ---;  luta entre Nat (Maria Joana) e Lobão --- que culminou no desaparecimento da personagem, quase morta pelo vilão ---; o sequestro de Karina --- a garota ficou mantida em cárcere privado no apartamento do 'falso pai' ---; a ameaça de Heideguer aos familiares de Cobra no meio do Warriors; a internação de Dona Dalva; o esperado embate final entre Duca e Cobra no torneio --- cuja vitória foi do mocinho ---; a luta demonstrativa entre Lobão e Gael --- onde o canalha dopou o adversário e tentou matá-lo ---; o salvamento de Karina; a fuga de Cobra e Jade --- que ficaram perdidos em um lugar distante ---; a revelação de que Cobra é filho de Gael; o ataque do psicopata Haroldo (Álamo Facó); a prisão de Heideguer --- entregue pelo próprio filho, Henrique (Michel Joelsas) ---; a volta de Nat --- encontrada por Luiz (Maurício Pitanga) em uma clínica psiquiátrica ---; a quase morte de Cobra; a fuga de Nat da clínica; o plano de Lobão para separar Duca e Bianca --- provocando ainda um rompimento do lutador com Gael ---; entre tantas outras.


Os romances também foram os responsáveis por muitos bons momentos, gerando grandes torcidas do público. A química esteve presente em todos os pares. Pedro e Karina divertiam com o clima do primeiro amor e as constantes brigas do menino medroso com a garota estressada eram hilárias. A relação de Duca e Bianca era a representação do Gael com sua falecida esposa --- o lutador que não aceita a profissão da atriz --- e os dois precisaram enfrentar uma avalanche de problemas, onde uma gota no oceano ou simples grão de areia mudava tudo, até o final feliz. Cobra e Jade tinham um relacionamento quente e repleto de ironias, que culminou em um lindo casamento. Mari e Jeff eram o retrato da cumplicidade e do afeto, enquanto Sol e Wallace se sobressaíam através da arrogância da cantora, que mandava na relação. João tinha uma paixão por Bianca e a venerava, mas, depois de muito insistir e não ser correspondido, encontrou o amor nos braços de Vicki, menina tão debochada quanto ele. Lírio (Paulo Dalagnoli) e Ruiva (Ana Rios), Dandara e Gael, Delma (Patrícia França) e Renê (Mário Frias); Lincoln e Rute (Josie Antello) também se destacaram. E além de João com Bianca, aliás, alguns outros pares foram formados, como Duca e Nat, Lírio e Joaquina, Henrique e Bianca, Wallace e Ruiva, entre tantas outras 'combinações'. Teve par para todos os gostos.


O elenco foi repleto de gratas revelações e escalações acertadas. Arthur Aguiar, Bruna Hamu, Rafael Vitti, Isabella Santoni, Felipe Simas e Anaju Dorigon brilharam, honrando a importância dos seus personagens, uma vez que todos moviam a história. Guilherme Hamacek foi ganhando cada vez mais destaque em virtude do seu bom desempenho e Jeniffer Nascimento se sobressaiu através do seu inquestionável talento vocal. Malu Campos foi outra cantora que se mostrou uma boa atriz e emocionou cada vez que soltou sua voz. Já Yasmin Gomlesvsky se entregou na pele da doida Joaquina, que de maluca não tinha nada, e ganhou um justo destaque na reta final. Maria Joana engrandeceu o elenco com sua presença e Nat foi o seu melhor papel até então (ela também esteve em "Araguaia" e "Flor do Caribe"). Outros bons nomes foram Jean Amorim (Marcão), Bruno Fraga (Zé), Ana Rios (Ruiva), Paulo Dalagnoli (Lírio), Lellêzinha (Guta),  Jéssica Lobo (Fabi), Dani Dillan (Paula), Gabriel Reif (Rominho), Bianca Vedovato (Tomtom), Ramon Francisco (Rico), Caio Lucas Leão (Luiz Cláudio), Cadu Libonati (Jeff), Antônio Carlos (Wallace), Manu Gavassi (Vicki) e Maurício Pitanga (Luiz), que teve sua importância aumentada nos últimos meses.


Mas os atores mais experientes também fizeram a diferença na temporada. Iná de Carvalho deu um verdadeiro show vivendo a descolada Dona Dalva; Eriberto Leão viveu seu melhor momento na carreira interpretando Gael; Marcelo Faria se destacou na pele do diabólico Lobão; Patrícia França convenceu com sua responsável Delma; Emanuelle Araújo brilhou atuando e cantando com sua doce Dandara; Felipe Camargo se saiu muito bem vivendo o atrapalhado Marcelo; Danielle Suzuki exibiu sua sensualidade através da solitária Roberta; Leo Jaime novamente divertiu revivendo o Nando da "Malhação Intensa"; Mário Frias fez um cativante Renê; e foi um imenso prazer ver Odilon Wagner interpretando um personagem que fez jus ao seu talento. O Heideguer foi um vilão odiável e muito bem escrito. Já Helena Fernandes e Guilherme Piva esbanjaram sintonia, protagonizando inúmeras cenas ótimas através do inusitado 'casal' Lucrécia e Edgar. Ainda é preciso citar o talentoso Edmilson Barros, que divertiu com o arretado Lincoln (o bordão "Mas meniiiiino" era impagável), Josie Antello, Edvana Carvalho (Bete) e Ademir de Souza (que participou durante alguns meses vivendo o canalha Simplício).


A trilha sonora (nacional e internacional) foi outro ponto que complementou este harmônico conjunto. Foram várias músicas bem selecionadas e que ajudaram a contar a história, entre elas: "Agora só falta você" (Pitty), tocada na abertura; "Uma Gota no oceano" (NXZero), tema de 'Duanca'; "Tudo que você quiser" (Luan Santana), tema de 'Majeff'; "Quase sem querer" (Maria Gadú), tema de 'Perina'; 'Beside You' (Simply Red), tema de Karina e Cobra; "I told you so" (Kathryn Dean ---- que fez uma ótima participação na última semana), tema de 'Cobrade'; "Your Window Pain" (Kirsch & Bass), tema de Karina; "Love me again" (John Newman); "Ela me deixou" (Skank); "Meu novo mundo" (Charlie Brown Jr.); "Shake the room" (Gamu); "Summer" (Calvin Harris); "BOP" (Raimundos); entre tantas outras. Foi um presente para os ouvidos.


Mais uma ideia acertada foi a interação através do site da trama, chamado de 'transmídia'. Os telespectadores escreveram várias cenas curtas (chamadas de Fanfics) e os autores selecionaram uma para ir ao ar. A felizarda foi a autora da sequência em que Bianca sonhava que estava com Duca e João ao mesmo tempo, ocorrendo uma alusão ao clássico "Dona Flor e seus dois maridos". Outra criação de uma fã, que também migrou para a televisão, foi o sonho de Pedro, imaginando Gael e Karina transformados em vampiros ---- houve, inclusive, uma lembrança ao último bom folhetim de Antônio Calmon: "O Beijo do Vampiro".


A reta final da trama foi repleta de emoção e cenas tensas, honrando tudo o que a temporada veio apresentando desde a estreia. O casamento de Cobra e Jade foi lindo, assim como a reconciliação de Duca e Bianca. A união de Bianca e Jade (as cunhadinhas), aliás, foi um acerto, primando pela comicidade. O relacionamento de João e Vicki mostrou que o nerd encontrou uma garota que o ama pelo que ele é. Já o plano de Lobão, que aproveitou a falta de memória de Nat para manipulá-la, movimentou os momentos mais derradeiros. A luta do vilão com Duca foi muito bem feita, assim como o embate entre Nat e o mocinho. A cena da perseguição ao mestre da Khan também teve uma produção caprichada e a chegada de Josefina (Nanda Costa) ---- que conseguiu comprar a fábrica que servia de local para a academia de Gael e para a Ribalta ---- serviu como um 'bônus' que ajudou a deixar os acontecimentos finais mais tensos, revelando ainda a verdadeira Joaquina, que enganou os personagens e o público.


Os últimos capítulos mesclaram situações emocionantes com outras repletas de adrenalina. A cena em que Lucrécia revela para Edgar que ele é o pai de Jade foi arrepiante. Helena Fernandes, Guilherme Piva e Anaju Dorigon protagonizaram um momento tocante, que apenas expôs o laço que já existia naquela família. A declaração de amor que Duca fez para Bianca, em meio ao espetáculo "A Megera Domada" ---- que inspirou o par 'Perina' ----, foi outra bonita cena. A sequência do nascimento do filho de Dandara e Gael também primou pela emoção, uma vez que todo o passado aterrorizante do mestre veio à tona --- sua primeira esposa faleceu no parto de Karina. A chegada do bebê, chamado de Miguel (uma referência indireta ao personagem de "Sete Vidas" que teve sete filhos ---- afinal, além de Karina, Bianca e Cobra, Gael também é um pouco pai de João, Pedro e Duca), foi delicada e um belo clipe (ao som de "Amor pra recomeçar", do Frejat) coroou este momento.


Já a tensão ficou por conta de Lobão e Josefina. O mestre da Khan sequestrou Karina ---- um dos maiores clichês novelescos, principalmente no penúltimo capítulo ---- para atrair Gael e conseguiu levar seu rival para onde queria. Esta relação obsessiva que o lutador tinha com o ex-amigo lembrou muito, inclusive, o ódio que Flora (Patrícia Pillar) nutria por Donatella (Cláudia Raia) em "A Favorita". A luta entre os personagens foi excepcional e teve como 'pano de fundo' o incêndio da Ribalta, provocado pelo parceiro da vilã (Paulo - Cleiton Moraes). Os dois lutavam, enquanto a fábrica era corroída pelo fogo. Foram cenas de extremo capricho e recheadas de adrenalina. A tensão aumentou ainda mais quando Nat e Pedro arrombaram a fábrica e conseguiram ajudar Gael. O guitarrista, inclusive, teve um atitude heroica e salvou a sua 'chamuscadinha'. Já Duca lutou com Luiz e Nat acabou salvando Lobão (seu algoz) do incêndio, mandando o canalha direto para cadeia para vê-lo pagar por seus crimes.


E após a sucessão de cenas tensas, o último capítulo ficou voltado para a sensibilidade. Todos se reuniram na fictícia praça José Wilker (uma homenagem ao saudoso ator) e cantaram "É preciso saber viver" (clássico de Roberto Carlos e Erasmo Carlos, tocado também pelos Titãs), protagonizando o último clipe da temporada, que ficou tão lindo quanto os anteriores. Lucrécia, Gael, Nando e Edgar fizeram um belo discurso sobre a arte de sonhar, que precisou ser renovada depois da Ribalta ter sido destruída pelo fogo. Além deste bonito momento, o público ainda pôde ver a punição de Josefina, que acabou presa junto de seu comparsa. E os casais tiveram seus merecidos finais felizes, sendo uma grata surpresa a exibição de um beijo entre duas meninas e dois homens, em meios aos inúmeros pares que se formaram na trama.


Já a última cena lembrou o desfecho da temporada "Intensa", dos mesmos autores. Nando ('coincidentemente' o personagem que participou das duas temporadas) contou o final de todos os personagens e foi emocionante ver os sonhos se realizando, um a um. Sol virou uma cantora de sucesso (uma Beyoncê brasileira); Pedro um guitarrista famoso; João um comediante de sucesso; Jade uma enfermeira dedicada; Cobra um lutador vitorioso; Nat uma campeã de muay thai; e Karina finalmente começou a lutar profissionalmente, sendo treinada pelo seu pai. Bianca se transformou em uma atriz requisitada; Wallace foi treinar na Tailândia; e Duca e Gael viraram sócios em uma Academia chamada de "Força e Honra". O único 'pesadelo' foi de Heideguer, Lobão e Luiz, que acabaram presos na mesma cela e jogando xadrez. Uma punição merecida. A imagem final foi com todo o elenco, direção e equipe reunidos na cidade cenográfica, soltando balões em meio a fogos de artifício. Um encerramento belíssimo de uma temporada que entrou para a lista das melhores.


"Malhação Sonhos" ficou praticamente 14 meses no ar, ou seja, mais de um ano. Foram 280 capítulos. Após a bem-sucedida temporada em 2013 ("Intensa"), Rosane Svartman, Paulo Halm e equipe conseguiram mais uma vez apresentar uma trama de grande qualidade. Os autores, inclusive, se mostram aptos para a estreia de "Totalmente Demais", primeira novela da dupla, cuja estreia será em novembro, no horário das sete. A fase, que acaba de ter o seu longo e elogiado ciclo fechado, conquistou o público, a crítica e ainda conseguiu comemorar os 20 anos do seriado adolescente (completados em abril) em grande estilo ----- afinal, a audiência também correspondeu, elevando os índices da temporada passada. Foram muitos dramas, risos, músicas e tensão ao longo deste tempo. E valeu muito a pena ter acompanhado cada conflito, cada reviravolta, cada relação, cada história. Porém, tudo tem um prazo para terminar e é bom que se encerre deixando um gosto de saudade, como esta temporada deixou. O sonho foi delicioso e deu para aproveitá-lo ao máximo. Mas chegou a hora de acordar. Resta agora a lembrança que ficou de uma produção onde absolutamente tudo funcionou. Força e honra!


46 comentários:

porlapazyporlavida lc disse...

Que texto lindo, Sérgio! Essa temporada vai deixar uma saudade enorme mesmo. Foram muitos os acertos. Confesso que sentirei principalmente saudade do meu casal preferido formado por Duca e Bianca; de Gael e suas frases muito épicas (o último dia fácil foi ontem; quer moleza, mastiga água; ai meu saco; pelo amor dos meus bonsais), de Dona Dalva e sua adorabilidade reversa (mais Duanca que eu; e tão desbocada quanto); de JoVicki (apesar de só ter aparecido na reta final, amei muito os dois juntos... Como você disse o João encontrou alguém que o amava pelo que ele era e que também era tão debochada quanto ele. Eles eram geniais juntos); da relação engraçada de Pedro e Gael e de João e Gael, além claro da linda amizade entre Pedro e João; da amizade entre Duca, Zé e Marcão (este último sempre chamando Dona Dalva de "minha gata"/"minha velha" era demais) e de Nando que pra mim era um ótimo alívio cômico. só faltou a Tizinha aparecer para ficar com ele... Se bem que ele terminou com duas né? então, deve estar bem feliz. Enfim, vou sentir saudades da temporada como um todo... E pense num elenco talentoso, até o Zé cantava S2. Beijos Sérgios até a próxima. Acho que me empolguei um pouco escrevendo haha.Ai Deus, que vazio!!!

Isabela disse...

Chorei com o final e chorei tudo de novo lendo esse seu texto maravilhoso.

Larissa disse...

Nossa, Sérgio, essa crítica foi uma viagem por tudo o ue aconteceu. Vc escreve divinamente bem e essas suas análises finais sempre se superam!

Alexia Martins disse...

Lendo o texto e chorando!! rs

Essa temporada deixará muitas saudades, histórias bem construídas, dinâmicas, repleta de drama, ação, aventuras, e muito romance. Rosane, Paulo, e todo o demais time de co-autores e roteiristas estão de parabéns!! Trabalho primoroso! Quanto ao elenco, trata-se de uma turma aplicada e talentosa, espero vê-los brilhando em futuras produções. Só me resta agradecer por essa linda história, sobretudo, por Cobra e Jade o meu casal favorito entre os pares. Vibrei, me emocionei, e torci bastante por Cobrade! Anaju e Felipe têm uma das melhores químicas que eu já vi, e torço muito, para que no futuro tal parceria volte a se repetir. Eles ficam otimos juntos, são dois talentos! Obrigada a você também, Zamenza, por esses lindos, bens escritos, e emocionantes textos. Saudades desde já. Um beijo *-*

Ulisses disse...

Uma das melhores temporadas mesmo e bem melhor que essa novela das sete chata e que essa das oito horrível. Mereceu o sucesso que fez e seu texto honrou a qualidade da trama!

Fernanda disse...

Sérgio, fico impressionada como vc consegue detalhar tudo com precisão cirúrgica e ainda consegue analisar perfeitamente tudo. Melhor que mt crítico formado. A diferença é que vc fala com paixão e isso faz toda a diferença, ao contrário de alguns que se dizem 'experts' mas só escrevem bobagens frias.

Eu assino embaixo desse seu primoroso texto e acredite não deu pra ver que era tão grande. Foi tão delicioso ler tudo que fiquei triste quando cheguei no fim. A temporada foi linda e melhor que muitas novela desse ano. Os autores estão aptos mesmo pra Totalmente Demais e estou ansiosa pela estreia. E queria que vc conhecesse a Rosane e o Paulo ou o pessoal dessa Malhação porque vc também fez parte de tudo isso, pode ter certeza. Beijos.

Anônimo disse...

Eu agradeço aos autores e a vc também. Conheci esse blog graças a essa temporada e desde então nunca mais saí daqui. Vc é maravilhoso!

OX disse...

Sérgio, meu amigo, que belo texto final! Resumiu um ano em 20 parágrafos. E 20 parágrafos completos e deliciosamente bem escritos. O elenco foi um acerto, a trilha, a história, os casais, as reviravoltas, enfim. Eu que não costumo acompanhar Malhação comecei a ver por causa dos seus empolgados elogios e vi que vc estava certo, foi ótima mesmo. Um abraço!

Italo disse...

Texto impecável para uma temporada impecável. Justo.

Rosane Svartman disse...

Querido Sérgio, esse texto me fez voltar no tempo e refletir sobre os desafios, conflitos e escolhas da temporada. Obrigada, mesmo,, pelo diálogo e pela inspiração. Até já!

regina conceicao marcelino de campos disse...

Que lindo texto,parabéns,chorando...emociona,melhor temporada,eternizou em meu coração

Evanir disse...

A algum tempo não tenho visitado os blogs onde fiz belíssimas amizades
e unindo uma grande quantidade de pessoas tenho uma lembrança linda e por vezes triste, pios muitos deixaram de me vistar quando já não tinha mais forças para ficar muito tempo no computador.
Por vezes chego a pensar ,que minha luta foi em vão.
E por outra penso que tudo vale a pena nessa vida bendita.
Eu agora vou falar da sua postagem , jovens que sabiamente
trabalham e lutam para conseguir realizar seus sonhos.
Essa última que foi malhação foi bem diferente ,
mas de verdade sempre gostei dessa verdadeira fabrica de grandes talentos .
Feliz Domingo abraços.
Evanir.

Zilani Célia disse...

OI SERGIO!
EU COMECEI A VER MALHAÇÃO SEM GRANDES EXPECTATIVAS,VIA UM CAPÍTULO, PULAVA DOIS ,TRÊS, MAS, AOS POUCOS FUI ME INTERESSANDO E ACABOU QUE GOSTEI E ACOMPANHEI COM BASTANTE INTERESSE, MÉRITO COMO BEM O DIZES DOS ESCRITORES QUE CONSEGUIRAM NOS MANTER INTERESSADOS, IMPRIMINDO UMA DINÂMICA INTERESSANTE QUE PRENDIA O TELESPECTADOR, ENTÃO, MÉRITO DELES E TOMARA QUE A QUE VEM POR AI SEJA DO MESMO NÍVEL.
MUITO BOM TEU TEXTO.
ABRÇS
-http://zilanicelia.blogspot.com.br/

Bia Hain disse...

Olá, Sérgio, como vai? Nossa, mas você fez um verdadeiro dossiê de Malhação, rsrsrs. Acho que foi um up após algumas temporadas mal sucedidas, vamos ver o que virá pela frente. Abraço!

F Silva disse...

Algo a comentar...

Mais um texto excelente sobre uma excelente temporada de Malhação.

Os autores repetiram a façanha de criar uma temporada que superou a maravilhosa "Malhação - Intensa como a vida". Eu digo superou, pois nessa, os autores vieram com mais experiência e mais inspirados também.

"Malhação - Sonhos" esteve repleta de dramas interessantes, romances cativantes contados por personagens cheios de carisma. A trajetória dos dramas e dos personagens foi muito bem conduzida e está muito bem explanada nesse post.

Porém... (sempre existe um porém, né?...)

Discordo quando você diz que a final teve um capítulo irretocável. Foram, no total, 280 capítulos, e os autores conseguiram, como você cita no texto, manter o ritmo da história. Só que se a temporada tivesse acabado a muitos capítulos atrás, aí sim, os autores poderiam ter elaborado um final bem elaborado ou irretocável, como você creditou. Isso porque a trama derrapou na reta final. Por que acho assim?

Veja que os principais enredos, ou seja, as que mais envolveram o telespectador e movimentaram trama, já tinham terminado há muito tempo. Vamos a eles:

- Todos os problemas envolvendo as mudanças da complexa Jade. O final de Jade se deu ali no casamento com o Cobra. A volta de Jade, sem o Cobra, na função de coadjuvar a Bianca naquela patética ciumeira com o Duca, foi desnecessária, discordando de você, que aliás, fez até um post sobre isso.

- A trajetória do Cobra: a redenção do esquema da Khan e sua relação com Gael. O movimentado romance Jad, cujo final foi naquele lindo casamento.
- O fim do esquema fraudulento de Heideguer, com sua prisão e a primeira fuga de Lobão.

- Perina, o casal mais popular e hilário da história, terminou sua trajetória já a algum tempo.

- Os dilemas amorosos dos outros casais da história e os demais conflitos que tiveram seu destaque da trama já tinha terminado.

Já a tensa obsessão do Lobão em acabar com Gael foi esticada desnecessariamente, o embate épico entre os dois deveria ter acontecido antes, isso iria evitar assistirmos a duas absurdas fugas do vilão em locais cercados por várias viaturas da polícia.

A trama da perda de memória de Nat foi uma ótima sacada, mas esticaram demais, e aquele breve clima de triângulo amoroso com Duanca foi desnecessário. Aliás, nunca fui fã do casal Duanca, mas pelo menos eu vi uma Bianca diferente daquela chata do início da novela e o final desse romance "água com áçucar" terminou com aquela linda reconciliação há capítulos atrás.

E a trama mais absurda de todas, foi a fraca entrada da fraca Nanda Costa para acabar com o principal cenário da novelinha "A Ribalta". Trama absolutamente equivocada e desnecessária.

O final seria irretocável, se no último capítulo, há capítulos atrás, os autores dedicassem a conclusão daquilo que foi a grande temática da temporada. A realização dos sonhos que cada um almejou e uma possível reflexão sobre futuros sonhos. Afinal os sonhos quando se realizam, nascem outros, não é mesmo?

Enfim Sérgio, essa esticadinha equivocada, não tirou o brilho de uma temporada que vai deixar intensas saudades. Saudades de uma das melhores temporadas de Malhação. Um sucesso enorme. Sucesso em termo de prestígio(chegou a dar mais audiência que a novela das nove em alguns capítulos). Sucesso em termos de repercussão nas rede sociais.

Agora vamos acompanhar e torcer para o sucesso de "Seu Lugar no Mundo"... para o bem do nosso entretenimento.

abraços e até a próxima...

A Viajante disse...

Adorei sua narrativa! Adorei a retrospectiva. Morei 9 meses fora do Brasil e Malhação Sonhos era o único programa global que eu fazia questão de acompanhar, por realmente gostar do texto, do enredo, das personagens! Um beijo, Sérgio!

Yasmin disse...

Chorei lendo seu texto, Sérgio. O último, nem acredito! Essa temporada foi gostosa demais e valeu muito a pena. O último capítulo foi maravilhoso! Que saudade!

Anônimo disse...

Já tô com saudades e seu texto resumiu perfeitamente o que foi essa temporada. Agora que venha Totalmente Demais porque essa novela das sete já deu o que tinha que dar.

Melina disse...

Sérgio, querido, que textão maravilhoso. Fez um resumão perfeito da temporada, seguido das tuas ótimas análises. Foi uma produção pra todas as idades e boa mesmo. Adorei o último capítulo que fechou o ciclo com chave de ouro. Saudade já está dando. Um beijo.

Anônimo disse...

Que vazio deixou!

Filha do Rei disse...

Digo com toda franqueza: deixou saudades e assino em baixo cada palavra de teu post. Amei acompanhar esta temporada. Bjs

Sérgio Santos disse...

Desculpe a demora em responder, porlapazyporlavida lc. Aliás, desculpa a todos. E adorei sua empolgação. Tb sentirei falta de tudo isso e a temporada deixa muita saudade. Valeu a pena ter visto cada capítulo. bjs

Sérgio Santos disse...

Mt obrigado, Isabela.

Sérgio Santos disse...

Mt obrigado, Larissa.

Sérgio Santos disse...

Eu que agradeço, Alexia. Fico feliz que tenha gostado dos textos e seus comentários foram sempre ótimos. Não suma. Bjão!

Sérgio Santos disse...

Obrigado, Ulises.

Sérgio Santos disse...

Nossa, Fernanda, vc me emocionou. Mt obrigado mesmo, de verdade. E tb estou mt ansioso para Totalmente Demais. bjs

Sérgio Santos disse...

Que bom, anonimo. Obrigado.

Sérgio Santos disse...

Obrigado, OX. E coincidentemente foram 20 parágrafos, que combinaram com os 20 anos de Malhação. Abçs

Sérgio Santos disse...

Valeu, Italo.

Sérgio Santos disse...

Eu que agradeço o seu carinho, Rosane, e te dou parabéns pelo grande trabalho feito. Vc, Paulo e equipe deram um show. E até já! Que Totalmente Demais seja tão boa quanto. bjs

Sérgio Santos disse...

Obrigado, Regina.

Sérgio Santos disse...

Obrigado pela mensagem, Evanir.

Sérgio Santos disse...

Obrigado, Zilani. Foi uma grande temporada msm. bjs

Sérgio Santos disse...

Fiz msm, Bia. rsrs bjão

Sérgio Santos disse...

Obrigado, F Silva. E vc com ótimo comentário, como sempre. Mas eu discordo do seu porém pq realmente não vi defeito algum nisso. Pelo contrário, achei a dupla Jade e Bianca um acerto justamente para não deixar a personagem avulsa. E todos os ciclos foram se fechando aos poucos, evitando uma correria. Só faltava a do Lobão e não achei suas fugas absurdas, até pq em toda blitz de policia há mesmo um retorno metros antes, o que é algo ridículo, mas real.
O último capítulo foi repleto de adrenalina e emoção e achei ótima a sacada da Josefina no final. Além de revelar a verdadeira Joaquina, fazendo todo o sentido em torno da personagem, ainda mostrou a destruição da Ribalta, ocorrendo uma espécie de recomeço depois do fim.

E os autores conseguiram arrancar vários coelhos da cartola numa trama de 280 capítulos. Enfim, a primeira semana da novela foi bem gostosa. Embora não incrível. Aguardemos.

Sérgio Santos disse...

Nossa, que legal isso, Ju. Não sabia. bjs

Sérgio Santos disse...

Saudade msm, Yasmin.

Sérgio Santos disse...

Ah, F Silva, analisando friamente, essa temporada foi melhor que a Intensa pq na anterior houve um problema envolvendo o mocinho e tudo precisou ser alterado, o que não houve agora.

Sérgio Santos disse...

Que venha, anonimo.

Sérgio Santos disse...

Mt obrigado, Melina. bjs

Sérgio Santos disse...

Verdade, anonimo.

Sérgio Santos disse...

Deixou mesmo, Cléu. Bjão!

Sérgio Santos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Sérgio, além de cobrade, perina e duanca, quais atores você destaca também como revelações da malhação sonhos?

Sérgio Santos disse...

Anonimo, destaco Jeniffer Nascimento, Maurício Pitanga, Manu Gavassi e Yasmin Gomlesvky.