terça-feira, 13 de outubro de 2015

Trama central deslancha e movimenta "A Regra do Jogo"

A atual novela das nove estreou cercada de expectativas, substituindo o fracasso "Babilônia". Após o fenômeno "Avenida Brasil", a ansiedade para assistir ao novo trabalho de João Emanuel Carneiro era alta. A produção teve um ótimo início e apresentou um bom enredo central. Porém, ao longo dos capítulos, o folhetim foi apresentando personagens demais e a trama foi se diluindo, deixando o conjunto desinteressante. A desconfiança em torno da capacidade da história aumentou, assim como os números de audiência foram diminuindo, em virtude ainda do sucesso de "Os Dez Mandamentos".


Entretanto, depois de um mês de novela no ar, o autor mostrou que ainda está em plena forma e provocou uma excelente virada na trama. Em uma situação parecida com a revelação da verdadeira identidade de Flora (Patrícia Pillar em "A Favorita"), guardadas as devidas proporções, a cena em que Zé Maria (Tony Ramos) se mostra um cruel bandido sanguinário, proporcionou uma grande guinada na história, que imediatamente começou a ser encaminhada com agilidade. Agora, realmente parece que o folhetim começou de fato, após longas semanas de prólogo, onde o bandido da facção se dizia inocente do massacre de Seropédica.

Todo o núcleo central voltou a ser o foco de "A Regra do Jogo", depois de muitas cenas desnecessárias das tramas paralelas, quase todas cômicas, que não precisavam ter ocupado tanto espaço neste início. Com certeza o autor teve esta atitude em virtude das discussões em torno do 'excesso de violência' das novelas do horário nobre e da 'rejeição' do público, que preferia ver algo mais leve.
Então, João optou pelo excesso de humor, mas falhou ao deixar o principal de lado: justamente as peças do tabuleiro que movem todo o conjunto. Bastou colocá-las em evidência para o enredo deslanchar.

A exposição da face até então escondida de Zé Maria proporcionou uma atrativa reviravolta e evidenciou o imenso talento de Tony Ramos, que cresceu muito em virtude da agressividade do bandido. Visto inicialmente como um injustiçado, o personagem tinha uma cara de sofrido e teve vários momentos bonitos com Djanira (Cássia Kiss), seu grande amor, e Juliano (Cauã Reymond), seu filho. Mas, agora, o vilão tem protagonizado muitas cenas fortes, que revelam o lado cruel e sanguinário de um dos membros da facção criminosa da trama. É um presente poder prestigiar um dos melhores atores do país vivendo um diabo no horário nobre.

Vale lembrar que Silvio de Abreu tentou isso anos atrás, com o Clementino de "Torre de Babel", mas precisou alterar o rumo por causa da rejeição do público, acostumado a ver o intérprete fazendo bonzinhos. E, em 2014, Tony já havia brilhado na pele de um canalha corrupto, no impecável remake de "O Rebu" (o poderoso Carlos Braga), e agora está se destacando merecidamente em "A Regra do Jogo", após a boa virada, que vem implicando em ótimos desdobramentos até então. O flagra que Djanira deu, vendo Romero Rômulo (Alexandre Nero) e o Zé Maria se cumprimentando, por exemplo, foi outro acontecimento que movimentou a novela.

Após ser enganada pelo filho e pelo namorado, a íntegra mulher se desesperou e fez questão de enfrentar Romero, descobrindo ainda que ele faz contrabando de armas do exército para a facção. As cenas foram muito boas e culminaram também no ponto de partida da saga de Tóia (Vanessa Giácomo), que começou a investigar com afinco todos os passos de Zé Maria ---- foi ela, inclusive, que contou para a mãe que o fugitivo da polícia não tinha nada de santo, logo depois de flagrá-lo em um casarão luxuoso, cheio de capangas. Ficou perceptível que a ação do folhetim aumentou, desenrolando bem o principal núcleo.

O crescimento de Zé Maria na história resultou ainda no estreitamento da cumplicidade entre Romero (Alexandre Nero) e Atena (Giovanna Antonelli). Isso porque o marginal, indignado com a descoberta de Djanira, partiu para cima do ex-vereador e deslocou seu braço sem dificuldade. Para defender o amado, a 171 ameaçou o integrante da facção com uma arma e ainda deu um tiro de raspão no vilão. Romero agradeceu a ajuda e a quantidade de segredos que 'os unem' aumentou, implicando na aproximação da dupla, que segue trocando farpas e ironias. Ascânio (Tonico Pereira) é outro que cresceu ainda mais no núcleo, formando um bom trio com o 'casal'.

Já a quase morte de Tóia em um barco ---- situação parecida, aliás, com a quase morte de Max (Marcello Novaes) em "Avenida Brasil" ---- inseriu de vez a mocinha em todo o imbróglio da facção, uma vez que a heroína novamente conseguiu flagrar Zé, desta vez transportando armas. O bandido tentou matá-la provocando um naufrágio, mas não conseguiu. Toda a sequência foi outro ponto a favor do atual momento da novela, que segue movimentada e com bons conflitos. O instante que a mocinha se depara com o marginal em um escuro matagal, após escapar do barco nadando até uma ilha, foi de tirar o fôlego.

"A Regra do Jogo" ainda está no início e João Emanuel Carneiro, ao que tudo indica, criou uma excelente trama central e as qualidades da mesma começaram a se evidenciar com a revelação do lado maquiavélico de Zé Maria. Desde então, a trama vem prendendo a atenção através de um enredo recheado de suspense. Quanto mais as peças do tabuleiro de xadrez se mexem, mais a história desperta interesse. Tomara que o jogo prossiga atrativo, como tem sido até o momento.

45 comentários:

Rafaella disse...

Deslanchou msmo. Agora pelo menos dá vontade de assistir aos outros capítulos. Mas os núcleos paralelos seguem bem ruins e chatos.

Maria disse...

Pois é, a novela parece que deslanchou de verdade. Sobre a acusação de que João Emanuel Carneiro só desenvolve os núcleos principais das suas novelas e "esquece" os paralelos, não é exatamente verdade. Da Cor do Pecado, Cobras & Lagartos e Avenida Brasil tiveram personagens coadjuvantes tão bons quantos os protagonistas. E mesmo que A Regra do Jogo venha a ter apenas a trama principal interessante(o capítulo de hoje, por exemplo, foi quase todo sobre o desaparecimento da Tóia), isso não será problema caso a história tenha fôlego pra se sustentar até o final. Foi assim em A Favorita e funcionou direitinho. O que não pode é toda a trama se esgotar, como foi o caso daquela Boogie Oogie, que só tinha o casal principal interessante e que se diluiu quando ficou junto em definitivo, fazendo a novela se arrastar até o desfecho.

Anônimo disse...

A novela melhorou mesmo, quanto a isso não podemos negar.

OX disse...

Sérgio, estou gostando muito da trama central e essa facção criminosa está se mostrando cada vez mais atrativa. Só estou meio decepcionada com os rumos do Orlando. O vilão parecia promissor, mas acho bem chato esse envolvimento dele com a Nelita. E concordo que a revelação do lado negro de Zé Maria foi parecido com o da Flora e deslanchou a novela, principalmente em cima de Atena, Romero, Tóia e Djanira. Os núcleos secundários, principalmente o da favela, ainda não mostraram a que vieram, mas confio no autor. Vamos ver. Abraço.

✿ chica disse...

Estou gostando muito dessa novela. Tá bem legal! abraços., linda semana,chica

Ed Taborda Assunção disse...

A novela está bem mais interessante. O capítulo de ontem foi um dos melhores. Criar toda a situação do barco ficou bem mais atrativo do que dar um simples tiro na Tóia lambisgóia. Os personagens estão crescendo bastante, principrincipalmente Romero, Atena, Tóia, Dante e Zé Maria. Acho uma pena a Djanira ter que morrer, mas fazer o quê. Vi que até a personagem da Paula Bulamarqui vai morrer também. Acho que as pessoas só reclamam de violência quando a novela é ruim. Minha própria mãe não assistia Babilônia por que dizia que era violenta. Mas A Regra do Jogo é tão violenta quanto, então isso só mostra que as pessoas se ligam a esse negócio de violência quando a novela não presta. A propósito, é só a trama central que melhorou mesmo, por que os secundários continuam péssimos. Ontem teve uma cena gigantesca do Bruno Mazzeo que só serviu pra quebrar o suspense da Tóia. O Orlando precisa ter mais importância também, por que já Babilonizaram o personagem e a situação em que ele está atualmente é bem chatinha. Espero que a entrada da Carolina Dieckmann dê novos rumos ao personagem.
Abraços

Unknown disse...

Concordo, a novela é ótima!. Mas Djanira íntegra mulher? Ela abandonou seu filho ainda criança na rua ! Que tipo de mãe faz isso? Djanira de santa não tem nada.

Fabiana disse...

Concordo, demorou demais pra começar mas agora parece que pegou ritmo.Tenho gostado bastante, mas não vejo necessidade daquela favela. Não aguento mais favela.

alguém disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
alguém disse...

Que tipo de mãe faz isso? Muitas seriam capazes, eu diria. Não deve ser nada fácil pra mãe alguma criar, sozinha (me corrijam se eu estiver errado), um filho desobediente, rebelde e que já é envolvido com más companhias desde pequeno. A sociedade santifica e idealiza demais as mães, criam um ideal de mãe irreal, esperando delas sempre ações puras, altruístas e elevadas. Só que uma mãe é um ser-humano imperfeito como qualquer outro, tão capaz de errar em um momento da vida como qualquer pessoa. 'Santa" Djanira não é, mas ela pode ser considerada uma pessoa boa e íntegra nos dias atuais. O fato dela ter dado uma segunda chance a Romero de coração aberto, provou isso e também mostrou que ela amadureceu como mãe e pessoa.

Lulu on the sky disse...

Podemos dizer que agora dá gosto de ver a novela
Big Beijos
Lulu on the Sky

Gabriel disse...

Concordo a novela deslanchou de vez agora q começou a andar com a trama principal. Aliás a novela podia ser só o núcleo Central q tava ótimo. Fora a família do Feliciano (mt por causa do personagem dele) e da Tina e o marido não gosto mt das tramas paralelas. Não comprei a personagem da Nelita e acho a filha dela a Belisa um porre, sei q ela é como se fosse os olhos da razão da famila mas dava pra ser menos chata não (? )parece uma adolecente problematica. Acho a trama da mulher q é maltratada pelo marido totalmente deslocada da novela e a história do merelô e as meninas achava engraçado no começo mas depois me cansou, são duas personagens totalmente sem história que só vivem em função do merlô, totalmente dispensável.
Mas apesar dessas críticas adora a novela. A trama principal segura mt bem e agora q ela ganhou mas destaque realmente deu um salto de qualidade.

Rodrigo Budrush disse...

Oi, Sérgio! A novela realmente melhorou bastante desde que o Zé Maria se revelou. Assisti a praticamente todos os capítulos na última semana e achei bem bom - mas, como já comentaram, os outros núcleos ainda deixam muito a desejar. Bati um papo sobre isso e a concorrência com ODM no programa Senta Lá, do YouTube. Fica o convite para você assistir! :) https://youtu.be/rrKy-bggzqo

F Silva disse...

Sérgio, depois de mais de 50 anos de teledramaturgia os autores tem tido grandes desafios em produzir novelas que tenham grandes atrativos para o público. Dois, dos principais desafios são: 1º - A pulverização das mídias, que tem mudado radicalmente a forma de se ver televisão e, 2º o público que hoje se encontra bem estratificado.

Bom, sobre o 1º desafio, não tenho muito o que comentar, aliás nem é tanto um desafio dos autores e sim dos executivos de televisão, eles é que tem que encontrar soluções pra isso.
Sobre o perfil do público posso dizer que de acordo com pesquisas realizadas pela USP, novelas com estruturas tradicionais tem sido pouco atraentes para um o público mais jovem, que preferem os modernos formatos das séries americanas. Muitos diretores da Globo tem buscado imprimir essas tendências em suas obras. Vemos o resultado disso em todas as séries apresentadas no horário nobre e em algumas novelas dos horários habituais.

Porém, o desafio maior é, de fato, apresentar ao público um enredo que realmente seja interessante, lembrando que muitos temas apresentados recentemente nos enredos já estão desgastados e outros em processo de esgotamento, e são facilmente rejeitados pela maior parte desse público.

Agora, independente de todos esses problemas modernos, uma coisa que, eu, particularmente acho é que novela é novela e não pode deixar de ter sua estrutura básica: Histórias de amor cativante - bons conflitos familiares e sociais - vilões e mocinhos bem definidos pra definir bem a saga e gerar a torcida do público.

O público gosta de torcer, contra ou a favor. Lembra de "Celebridade" (Maria Clara x Laura), "Senhora do Destino" (Maria do Carmo x Nazaré Tedesco) "Fina Estampa" (Tereza Cristina x Grizelda) entre tantos outros exemplos, onde o público identifica o protagonismo e o antagonismo. Isso é novela.

Dinte disso que expus vamos ao tema do Post. João Emanuel Carneiro tentou inovar com "A Favorita", ou seja, quem era a vilã, Flora ou Donatela? Ele pretendia conduzir o roteiro nessa "pegada" e a trama sofreu rejeição. Depois que vilã e mocinha foram reveladas a trama chamou o público de volta e se tornou um grande sucesso.

Em "Avenida Brasil" não houve esse problema, porém, em "A Regra do Jogo" ele qui repetir, ao que parece, o "erro" de "A Favorita". Agora, com as viradas, muito bem citadas no post, revelando de fato quem é o vilão e qual é o seu objetivo, a trama fica com com cara de novela e o jogo ficou realmente atrativo.

Posso estar equivocada, mas depois de tanto tempo acompanhando novelas, observando comportamentos e pesquisando sobre o tema, acho que tem certas estruturas, que são realmente interessantes em formatos mais curtos, mais são verdadeiros fiascos quando se trata de novelas. Tivemos e temos aí, exemplos recentes que não me deixam mentir.

Um grande abraço.

MARILENE disse...

Sergio, eu já havia desistido da novela, considerando-a muito chata. Durante o dias em que estive viajando, tive que assistir à trama, eis que minhas irmãs a acompanhavam. Percebi as mudanças e mudei de ideia (kkk). Creio que está crescendo e merecendo uma nova avaliação. Bjs.

Rita Sperchi disse...

Bom dia Serginhoquerido, é sempre assim
a gente gosta ou não gosta, e com o passar do
tempo vamos vendo se melhora e com
certeza deu um aguinada estou gostando da atuação de todos

Abraços com carinho!

└──●► *Rita!!

Anônimo disse...

Eu considero o núcleo principal de A Regra do Jogo semelhante ao de Cobras & Lagartos. A história principal é cheia de bons personagens e cada hora um deles está em destaque. Bel, Duda, Leona, Estevão, Foguinho, Ellen, Omar Pasquim em uma, Romero, Atena, Toia, Juliano, Dante, Djanira, Ascânio na outra. Isso tira ainda mais um conflito entre duas mulheres, característico do JEC e faz a trama mais completa e atraente. Estou viciado nessa novela como estive nas outras do autor. Não falha nunca. Aguardando ansiosamente os próximos capítulos.

rui disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
luiz claudio disse...

Não adianta, essa "novela" é muito ruim. Ontem perdeu pra ODM por três pontos, um fracasso histórico. E já tem ate briga nos bastidores por conta disso. No dia que a globo voltar a fazer novela com cara de novela quem sabe não atrai seu publico de volta.

Diana disse...

A novela pode ter melhorado, mas dificilmente vai atrair mais público. Já está a mais de um mês no ar... As pessoas não gostam de pegar a estória já no meio do caminho. Então, eu acredito que a Regra do Jogo não vá recuperar a audiência (ainda mais porque, como muitos já disseram, os núcleos paralelos continuam ruins). Depois que acabar Os Dez Mandamentos, as pessoas vão arranjar outra coisa para assistir. Eu, por exemplo, não assisto a Regra do Jogo (tentei e desisti). Prefiro assistir Caminho das Indias pela internet. Gosto de novela com cara de novela. Essa mania da Globo de tentar inovar e fazer novela com cara de seriado não está dando certo. Não fica nem uma coisa nem outra.

Anônimo disse...

Nunca vi tanto mau gosto numa só novela, tanta breguice, tanta gente feia e sem talento, tanta "musica" ruim, ARGH!!!!! Aproveita que tá passando Cambalacho no canal a cabo e aprende o que é a época das NOVELAS de verdade, com trama, gente talentosa, trilha sonora 80s de qualidade, vai adquirir bagagem de TV Sergio Santos!

Vera Lúcia disse...


Olá Sérgio,

Passei a assistir mais a novela, mas ainda não me apaixonei. É certo que a trama melhorou e está maias movimentada. Fui surpreendida ontem com o tiro levado por Djanira, pois não me inteiro previamente dos acontecimentos de uma novela. Creio que algo vai mudar doravante com relação ao personagem de Zé Maria, haja vista o que ocorreu com sua amada. Aguardemos... Seguirei assistindo para ver o que acontece.

Ótimas considerações.

Abraço.

Elvira Akchourin do Nascimento disse...

Praticamente de uns dez dias para cá, A Regra do Jogo melhorou muito. Os capítulos de anteontem e ontem, O começo do fim e Bodas de sangue, foram emocionantes. Destaques para Cassia Kis, Tony Ramos, Tonico Pereira, Alexandre Nero, Giovanna Antonelli, Jackson Antunes, Tonico Pereira.

Pedro Bertoldi disse...

Oi Sérgio! Tudo bem?
Faz tempo que não comento os seus posts porque a faculdade tem me deixado louco!!!
Sobre A Regra do Jogo tenho algumas coisas a colocar.
A televisão brasileira vive um período muito rico no que se refere a teledramaturgia. Em uma mesma faixa horária, a partir das 8 horas até mais ou menos às 11 da noite, as 4 grandes emissoras de TV (até mesmo o Canal Brasil que exibe Windeck), estão exibindo novelas para diferentes públicos e gostos. Fazia muito tempo que isso não acontecia e cá entre nós, a mais ou menos 40 a Globo é (ou foi) líder no horário das 9 independente daquilo que leva ao ar (prova disso é que até Babilônia era líder).
Quanto a novela atual considero que ela é uma novela tradicional embrulhada com recursos inovadores e com cara de série americana. Isso não é uma crítica. Acho muito complicado quando as pessoas dizem que não estão gostando da novela porque ela é diferente de Avenida Brasil. AvBr foi ótima, mas JEC não tem obrigação nenhuma de fazer a novela parecida. São obras diferentes. Acho que ela pecou no excesso de núcleos cômicos e de personagens que não dizem a que vieram. Mas há de se dizer que em matéria de organização JEC é inquestionável. Ele tem tudo planejado e tira várias cartas na manga. Acho que esse momento difícil que a novela passou foi só uma fase, assim como a Favorita que começou rejeitada também e terminou aclamada por público e crítica. Era isso. Abraços

Sérgio Santos disse...

Dá vontade msm, Rafaella. bjs

Sérgio Santos disse...

Nossa, Maria, bem apropriado seu comentário. Concordo. E nem me lembre da novela das seis... mt ruim. bjsss

Sérgio Santos disse...

Fato, anonimo.

Sérgio Santos disse...

Tb confio nele, OX. Abraço.

Sérgio Santos disse...

Tb, Chica. bj

Sérgio Santos disse...

Está msm, Ed, e a morte da Djanira provocou uma cena forte, promovendo mais uma virada. É verdade, esse papo de violência não cola, até -pq isso só ocorre msm quando a trama é ruim. Quando é boa isso é o de menos. Tb acho chato esse núcleo do Mazzeo, embora ache a Monique Alfradique ótima. abçs

Sérgio Santos disse...

Unknown, ela é íntegra e sofrida. Mas cometeu seus erros, não é santa. Isso é o que faz dela um perfil complexo.

Sérgio Santos disse...

Tá um excesso de favela msm, Fabiana.

Sérgio Santos disse...

Exatamente, alguém. É isso.

Sérgio Santos disse...

Verdade, Lulu. bjs

Sérgio Santos disse...

Concordo, Gabriel. E tb acho a Nelita um tipo cansativo. O nucleo da violência doméstica é avulso e nada acrescenta. Tb acho que isso do Merlô cansou rápido. Mas a trama central tá indo mt bem.

Sérgio Santos disse...

Concordo, Rodrigo. E assisti o vídeo e gostei mt. abçs

Sérgio Santos disse...

Mt interessante o sue comentário, F ilva, e concordo. Mas no caso da novela, até agora, não é a pulverização de nada, é o sucesso de Os Dez Mandamentos msm, que dá mais de 20 pontos, quando costumava dar uns 9 anteriormente. Ou seja, mta gente migrou de Babilônia e não voltou mais.

Sérgio Santos disse...

Entendo, Marilene. rsrs bjs

Sérgio Santos disse...

Saudades, Rita. bjs

Sérgio Santos disse...

Eu acho mt melhor que a de Cobras e Lagartos, anonimo. Mas eu tb sou fã do JEC, sempre fui.

Sérgio Santos disse...

O fato de ter perdido, Luiz, não faz dela ruim. Se for assim, todas as das concorrentes até hj foram péssimas pq sempre perderam. A novela melhorou bastante, mas respeito que vc odeie.

Sérgio Santos disse...

Diana,. eu já acho que qd acabar ODM o ibope de ARDJ vai aumentar em uns 5 pontos, no mínimo. E eu achei Caminho das Indias péssima, mas respeito que goste.

Sérgio Santos disse...

Aguardemos, Vera. bjssss

Sérgio Santos disse...

Exatamente isso, Elvira. bjs

Sérgio Santos disse...

Oi Pedro. Senti sua falta mesmo, mas a faculdade deixa a gente maluco realmente. Concordo integralmente com eu ótimo comentário. Abçs.