terça-feira, 6 de setembro de 2016

Apesar dos resquícios da temporada anterior, "Malhação - Pro Dia Nascer Feliz" apresenta um bom começo

Após um hiato de pouco mais de duas semanas, em virtude da cobertura das Olimpíadas, estreou no dia 22, uma segunda-feira, "Malhação - Pro Dia Nascer Feliz". Escrita por Emanuel Jacobina e dirigida por Leonardo Nogueira, que também foram responsáveis pela fraquíssima "Malhação - seu lugar no mundo" (terminada no início de agosto), a nova temporada começou ambientada no Ceará, mais especificamente em Morro Branco, com direito a imagens paradisíacas do lugar e merchandising de um parque aquático, servindo de pano de fundo para a apresentação de alguns personagens que se divertiam no local.


Era o parque, aliás, o ambiente de trabalho de Joana (Aline Dias), a primeira mocinha negra em 21 anos de "Malhação". A situação também serviu para provocar o primeiro embate entre ela e a vilã Bárbara (Bárbara França), namorada do chato mocinho Gabriel (inexpressivo Felipe Roque). Faxineira do local, a protagonista, orientada pelo chefe, foi pedir para o casal não se beijar 'com entusiasmo' na piscina porque uma criança viu e falou com a mãe. O pedido irritou a hóspede que logo fez questão de humilhar a funcionária, sendo repreendida pelo namorado. A atrizes se saíram bem nesse início de rivalidade e prometem ser bons nomes do elenco.

Vale citar, inclusive, que Aline já trabalhou em duas produções da Globo: a novela "Sangue Bom" (2013), onde viveu uma das filhas adotivas da perua Bárbara Ellen (Giulia Gam), e a série "Sexo e as Negas" (2014). A intérprete, ao que tudo indica, fará jus ao protagonismo do seriado adolescente e já se destacou nas cenas em que Joana é ameaçada pelo padrasto, Agenor, interpretado pelo ótimo Jackson Antunes, novamente vivendo um tipo canalha.
A menina fez questão de dizer que estava para nascer o homem que iria bater nela e a briga acabou implicando em sua saída de casa, deixando a avó (Damiana, grande Ilva Niño), com quem tem uma relação de muito carinho. A mocinha, então, partiu para o Rio de Janeiro e recomeçou a vida do zero.

Entre as tramas apresentadas, a que mais desperta atenção é justamente a da família de Bárbara. A vilã tem duas irmãs ---- a rebelde Juliana (Giulia Gayoso) e a carente Manuela (Milena Melo) ---- e é a responsável por elas. O pai das três é o rígido Ricardo (Marcos Pasquim), ex-jogador de vôlei que ergueu a academia Forma, e tem uma relação conflituada com o cunhado Caio (Thiago Fragoso) ---- que era irmão da falecida esposa de Ricardo e na época um grande amigo. Os dois faziam até uma dupla bem-sucedida de vôlei de praia, mas tudo ruiu quando a mãe das meninas morreu. E Caio tem uma ótima relação com as sobrinhas, especialmente Manuela, que sempre corre para os braços do tio quando briga com o pai. Isso ficou perceptível logo na estreia, inclusive, destacando a talentosa Milena Melo, que interpretou a neta de Regina Duarte em "Sete Vidas". Todos os perfis desse núcleo parecem bem construídos e com promissores conflitos.

A personagem de Deborah Secco também provoca interesse, pois mescla um pouco drama e comédia. A atrapalhada Tânia é uma mãe solteira de dois filhos que acaba indo trabalhar como recepcionista na academia de Ricardo, que logo gosta dela. Mas Caio também a verá com outros olhos, o que promete prejudicar ainda mais a relação dos ex-amigos, dando início a um triângulo amoroso. Ela ainda abriga Joana em sua casa, pois era amiga da falecida mãe da mocinha. Deborah se mostra segura no papel e está se saindo bem dando vida pela primeira vez na carreira a uma mulher mais madura, responsável por dois adolescentes ----- Luzia (Barbara Maia) e Fábio (Caio Manhente).

O filho de Tânia, inclusive, vem protagonizando cenas típicas de gato e rato com Manuela. O clichê costuma funcionar e o casal já desperta atenção, destacando a química dos atores. Outro futuro casal que já mostra potencial é o formado por Juliana e Lucas (Bruno Guedes), um típico par que começa com implicância mútua até virar amor. A relação de Jéssica (Laryssa Ayres) --- uma das personagens da fase passada que permaneceu na atual --- com o professor Beloto (Sérgio Malheiros) também é mais um positivo observado. Os dois trabalham na academia e vivem se provocando. Ou seja, a nova história apresentada, no geral, é bastante gostosa e vem se mostrando convidativa.

Os únicos problemas observados são justamente os resquícios da temporada anterior. Com exceção da citada Jéssica, é um erro manter perfis como Artur (Gabriel Kaufmann) sem Júlia (Livian Aragão) e Nanda (Amanda de Godoi) sem Filipe (Francisco Vitti). Ele está claramente deslocado e ela se envolverá com outro rapaz, o lutador Rômulo (Juliano Laham) ---- o novo romance será de difícil envolvimento em virtude do passado da personagem, que culminou em um desfecho mal desenvolvido (e gratuito).

Para culminar, o autor ainda fez questão de manter na nova fase Krica (Cynthia Senek) e Cleiton (Nego do Borel), que agora administram o Hostel. Os personagens representaram tudo o que há de mais absurdo em torno da gravidez na adolescência. Isso porque Jacobina ignorou todos os problemas que isso acarreta na vida de uma menina que está saindo do ensino médio, preferindo romantizar a situação, transformando tudo em uma espécie de alívio cômico. Mas não teve graça. E manter esses perfis é um equívoco completo, até porque eles já não tinham muita função em "Seu Lugar no Mundo". Também foi desnecessário continuar tendo o colégio Dom Fernão como cenário, focando em suas dificuldades 'panfletárias' que nada contribuem para o enredo. Essa permanência, aliás, ainda implicou em um furo grave na história, pois Juliana e Manuela estudam ali. Qual a lógica de duas patricinhas, filhas de um empresário rico, estudarem em uma escola caindo aos pedaços? Nenhuma. Portanto, fica claro que os erros da nova trama são os defeitos da história terminada em agosto que o escritor quis persistir.

"Malhação - Pro Dia Nascer Feliz" teve um bom começo e Emanuel Jacobina, ao menos por enquanto, parece mais inspirado, lembrando a época em que conquistou a todos com a rica história da temporada de 2010 do seriado adolescente, protagonizada por Pedro (Bruno Gissoni) e Catarina (Daniela Carvalho). Dificilmente o atual enredo se mostrará tão bem construído quanto o mencionado (até porque os mencionados resquícios da fase passada prejudicam), entretanto, se conseguir ser ao menos próximo, levando em consideração elenco, personagens e conteúdo, já valerá a pena. Resta torcer para que a nova produção se mantenha bem conduzida e não se perca por completo como aconteceu com "Malhação - seu lugar no mundo", que merece ser esquecida. Esse começo, pelo menos, está muito bom.

40 comentários:

Anônimo disse...

O Ricardo já explicou que colocou as filhas em escola pública pra elas conviverem com pessoas de todos os estilos, classes e jeitos. E não apenas as filhas de ricos.

Heitor disse...

Excelente crítica. A nova fase tá bem boa e me surpreendi. Mas essas coisas da fase passada estragam tudo. Tinha que começar do zero.

Gabriella disse...

Endosso toda a crítica. E poderia mesmo criar um outro colégio, dessa vez de classe média mostrando que tb tem problemas. E me desculpe o primeiro comentarista, mas essa justificativa é sem o menor sentido. E pra fazer isso ele coloca as filhas em uma instituição onde o ensino é horrível????? Como assim? Só falta se mudar pra favela sendo rico só pra obrigar a conviver com os pobres.

Paula disse...

Tu demorou muito pra escrever sobre a estreia dessa nova temporada mas valeu esperar. Ficou muito rico e bem embasado o texto.

Pâmela disse...

Adorei a crítica e concordo com você. Ao menos esse início tá melhor do que a temporada passada inteira. Espero que ele tenha a mesma inspiração que teve quando escreveu a ótima temporada de 2010.
Deborah Secco é o destaque do núcleo de veteranos. Tá sendo muito bem vê - la de volta e em um tipo diferente do que costuma interpretar. Além de tudo tem uma boa química com o Marcos Pasquim.
Aline honra a mocinha mesmo, ela é ótima, lembro dela em Sangue Bom. Agora o Felipe Roque, Deus do Céu... Bom pelo menos a história ainda não está uma bagunça e eu espero que continue assim.

Ulisses disse...

Eu acho ruim, mas comparada com a anterior é a oitava maravilha do mundo.

Fabiana disse...

A nova história é legalzinha mesmo. O erro maior é ver aquela gente da temporada passada ruim.

Anônimo disse...

Essa Malhação é excelente, bem mastigadinha, redondinha, história bem clichê, mas com um desenvolvimento interessante.

Aline Dias honra o papel de protagonista e vem se destacando, porém apesar de seu par romântico com Felipe Roque ser bem desenvolvido, a atuação constrangedora do rapaz prejudica o casal e espero que o Jacobina bote ela pra fazer par romântico com o irmão dele.

Débora Secco sem dúvida nenhuma é o destaque da trama e tem uma ótima química com Marcos Pasquim.

Arthur, Krica e Cleiton são totalmente desnecessários e Jéssica e Nanda, apesar da morte do Felipe pra mim estão legal na novela.

O elenco jovem foi bem escalado e da um banho de atuação na temporada anterior. Esses tem muito carisma em contra partida da outra que só tinha personagem seeeem sal.

porlapazyporlavida lc disse...

Pelo pouco que vi, Juliana e Lucas, Fábio e Manuela irão roubar o coração dos fãs no quesito casais. S2.

Anônimo disse...

Discordo quando se refere q esse elenco da nova temporada da um banho de atuação pq o fato de vc não ter gostado dos personagens da temporada passada não quer dizer q o elenco atuou mal eles atuaram super bem sim nem todos mais alguns atuou bem sim só tiveram a má sorte do autor não ter tido a capacidade de desenvolver os personagens de uma forma melhor não prejudique os talentosos por causa da péssima forma como a temporada anterior foi conduzida ;)

Anônimo disse...

Não desmerece os talentosos por causa da péssima forma como a temporada anterior foi conduzida pelo autor ;)*

Lulu on the sky disse...

Não vejo Malhação faz tempo.
Bom feriado!
Big Beijos
blog Lulu on the sky

Giovany Gdss disse...

Eu estou gostando muito dessa nova malhação! Como eu tenho idade parecida à dos personagens, é muito melhor ver essa temporada que a outra, em que os conflitos pareciam de novela das 9 (e muitíssimo mal desenvolvidos). Essa temporada tem um ar mais jovem, que é bem mais legal. Aline Dias está bem como Joana, mas conta com um par inexpressivo. Gostei de quase tudo, menos da continuação de Krica e Cleiton; o Nego do Borel é um pé no saco, e a Krica é um personagem anormal (não é muito comum engravidar recém saída do ensino médio ficar 'feliz' com com isso). Num saldo geral essa malhação é boa, mesmo com esses 'restos' da última temporada (que graças à Deus eu só vi o finalzinho por falta do que fazer e dava pra perceber que era uma merda). Espero que o autor não perca a mão e continue com a malhação rendendo bons resultados.

F Silva disse...

Algo a comentar...

Tá certo Sérgio, mas tem algo errado nessa temporada, que não está diretamente ou totalmente relacionado ao enredo criado por Jacobina.

Os resquícios da temporada anterior, que você cita no post, estão longe de ser os únicos problemas a serem observados.

O problema ali é a ausência de personagens cativantes que sempre marcam as temporadas de sucesso dessa novela. Pra isso acontecer é necessário um conjunto de fatores, os quais já discorremos muito aqui no "De Olho nos Detalhes", e que ao meu ver, não encontrei até agora na atual temporada.

Não basta termos apenas perfis interessantes, um roteiro bem conduzido e correto. Esse perfis têm que ter carisma pra fisgar o coração do público e bombar nas redes sociais.

Há um problema sério nos protagonistas. Aline Dias não é tão ruim, porém já foi-se o tempo que uma mocinha humilde e batalhadora como protagonista, despertavam interesse em acompanhar. É só observar o histórico das temporadas de sucesso pra aferir isso, "Fatinha" e "Karina" que o diga. Já o mocinho da trama é um jovem bonito e ambicioso, tem um perfil mais atrativo, mas o Felipe Roque é um canastra. Muito fraco.

No último parágrafo você diz que "Malhação - Pro dia Nascer Feliz" teve um bom começo e Jacobina está mais inspirado. Já eu acho que essa frase se encaixa melhor com o início promissor de "Seu Lugar no Mundo", a temporada passada, que no seu encaminhamento, se perdeu completamente.

É isso Sérgio, "Pro dia nascer Feliz" dá pro gasto, mas tá muito longe de ser aquilo que esperamos numa temporada de Malhação.

Beijos...

Bell disse...

Ainda não vi nenhum capitulo.

bjokas =)

Felisberto N. Junior disse...

Olá, Sérgio...bom dia,só vc mesmo para me fazer assistir Malhação, claro que não foi ao vivo, mas, na Gshow, mas gostei do que vi, principalmente a Aline Dias e a Débora, bem diferente... que continue mantendo esse bom início.
belos dias, bom finde, abraços!

Pedro Bertoldi disse...

Oi Sérginho! Estou gostando bastante desta temporada. Parece até que o Jacobina leu as tuas críticas à temporada passada e acrescentou núcleos familiares para quase todos os personagens principais e isso faz muita diferença. Estou gostando do núcleo das irmãs e da academia. Até o núcleo da escola ficou melhor com esses personagens do mofo, achei eles bem carismáticos. Acho um equivoco sem tamanho manter o Cleiton e a Krica: eles não tinham história em SLNM e não tem agora. As cenas deles são bem descartáveis. O Arthur sem a Júlia não ficou legal: eu não gostava deles na outra tbm, mas ele não tem função nenhuma agora a não ser tentar entrar pro mofo e fazer mentirinhas. A ideia de a Jéssica ter uma irmã mais nova (a atriz é perfeita, muito parecidas)m já que ela era uma personagem bem carismática (uma das poucas) da temporada passada e foi muito, mais muito mal aproveitada e agora tá tendo o destaque merecido. Estou gostando da participação da Nanda, mas acho que vai ser muito difícil criar simpatia pelo casal novo, já que o casal anterior era muito marcante. (mas acho que ela e Felipe não teriam muita história agora e seria meio que a mesma coisa da Krica e do Cleiton). A Aline Dias tá muito bem, e tá dando um show. agora o Felipe Roque... senhor! Muito canastrão. Vai prejudicar o par. Aliás, o Jacobina tá errando nos protagonistas masculinos, porque o Rodrigo tbm era um mala. Os destaques pra mim é a Ju e o Lucas. Roubando a cena.

Unknown disse...

Oi, Sérgio adoro suas críticas, eu também não gostei do retorno do Cleyton e da Krica.Mas a Globo queria que o Lucas Lucco,por causa dos shows, ele não quis e tivemos que suportar esses aí. O mocinho é horroroso de atuação, pode prejudicar a mocinha é ótima.bjs

Sérgio Santos disse...

Desculpe, anônimo, mas isso só seria verossímil se a escola público em questão tivesse um ensino maravilhoso. Só que essa tem um ensino do mesmo nível da sua estrutura; ou seja, péssimo. Que pai faria isso??? Não tem a menor lógica, o que só reforça o equívoco em manter o colégio da fase passada nessa. Como disse o outro comentarista, é como se ele resolvesse se mudar para uma favela mesmo sendo rico só pra ensinar as filhas a conviver com os pobres. Não dá.

Sérgio Santos disse...

De acordo, Heitor.

Sérgio Santos disse...

Perfeita colocação, Gabriella. E é verdade, a desculpa não cola. Continua sendo um furo grave do roteiro. Nenhum pai que tivesse condições daria uma educação de quinta para seus filhos.

Sérgio Santos disse...

Que bom que valeu, Paula. Esperei mais pra ter uma impressão mais completa mesmo.

Sérgio Santos disse...

Obrigado, Pâmela. É verdade, esse início ao menos já tá melhor que o da outra. Mas concordo que o mocinho é péssimo e até coloquei isso no texto. A Deborah está mt bem mesmo. bjs

Sérgio Santos disse...

Entendo, Ulisses.

Sérgio Santos disse...

Pois é, Fabiana...

Sérgio Santos disse...

Muito bom o seu comentário, anonimo!

Sérgio Santos disse...

Concordo plenamente, porlapazyporlavida lc !

Sérgio Santos disse...

Eu não desmereci, anonimo. Pelo contrário, nos textos da fase anterior eu sempre fiz questão de elogiar os atores que tinha gostado.Mas não foram todos, obviamente.

Sérgio Santos disse...

Ok, Lulu. bjs

Sérgio Santos disse...

Vamos torcer, Giovany... Abração!

Sérgio Santos disse...

Vamos ver como tudo se encaminha, F Silva... Eu realmente gostei desse começo e do novo enredo, mas acho o mocinho insuportável e o ator mt ruim. Achei bacana a composição da mocinha, mas vamos ver se será ativa. E a família do Pasquim é a melhor da trama de longe. Já os resquícios da fase anterior, tirando Jéssica, acho muito equivocados. Mas nem me animo mt porque, como vc bem disse, o início da outrafoi bom e depois deu no que deu...

Sérgio Santos disse...

Ok, Bell. bj

Sérgio Santos disse...

Que bom que tenho essa 'influência', Felis. rsrs abração!

Sérgio Santos disse...

Oi Pedro. É verdade, percebi tb que o autor inseriu agora família pra vários deles e é assim que tinha que ser msm. Tb acho o Roque péssimo e Krica, Cleiton e Artur avulsos. Só que acho que Nanda não deveria ter seguido tb. Já Jéssica tem tido um bom desenvolvimento. Aguardemos.

Sérgio Santos disse...

Mt obrigado, Unknown. É esse tipo de comentário que me incentiva. Fico feliz. bjsss

Anônimo disse...

Não eu falei do comentario a cima q desmereceu os talentosos da temporada passada quando disse q os atores dessa dao banho de atuação nos da temporada passada por causa dos personagens q eram sem graças e isso eu discordo pois não é pq o ator não soube desenvolver os personagens de uma forma melhor q os atores não atuaram bem foi para o anónimo acima e não para vc eu sei q vc nunca desmereceu eles sempre leio seus textos e são ótimos eu adoro muito :)

Sérgio Santos disse...

Entendi, anonimo. =)

Sérgio Santos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Eslane Costa disse...

Nessa Malhação além do roteiro está totalmente repaginado, eu vejo desde já, Lucas e Juliana e manu e Fábio ofuscando desde já o casal protagonista, que aliás o desenvolvimento deles tá bem lento.

Sérgio Santos disse...

Concordo, Eslane.