segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Domingos Montagner e Antônio Fagundes protagonizaram uma das melhores cenas de "Velho Chico"

A morte de Domingos Montagner foi uma das maiores tragédias do mundo das artes e uma imensurável perda para a classe artística. O sentimento de inconformismo em torno desse triste e irônico final que a vida lhe impôs (afogado no Rio São Francisco) persistirá por muito tempo ---- inclusive agora, durante os momentos em que o elenco olha para a câmera como se ela fosse o Santo, em uma bela homenagem. Mas, ao menos, o ator deixou algumas cenas gravadas de "Velho Chico", que comprovaram mais uma vez o quão grandioso ele era. Tanto que o intérprete protagonizou na penúltima semana de novela uma das suas melhores sequências ao lado de Antônio Fagundes.


O acerto de contas de Santo e Afrânio demorou mais de 50 anos e quase duas fases inteiras para acontecer, mas a espera valeu a pena. A atitude partiu do genro do poderoso coronel Saruê, que resolveu acenar com a bandeira da paz após tantas tragédias e sofrimento nas duas famílias. No momento em que o protagonista da novela se aproximava da fazenda do eterno rival, houve uma apropriada inserção de flashbacks, através de memórias (ou pesadelos) do namorado de Tereza (Camila Pitanga).

As cenas da primeira fase ---- com Rodrigo Santoro na pele de Afrânio e Renato Góes vivendo o Santo, cujo encontro na época provocou a morte de Belarmino (Chico Diaz) com um tiro no peito ---- deixaram o clima do reencontro ainda mais forte, funcionando como uma espécie de preparativo para a derradeira conversa.
O surgimento de Afrânio na sacada, observando o inimigo, aliás, representou exatamente a mesma situação de anos atrás. Só que agora não houve derramamento de sangue e nem enfrentamento com ódio nos olhos.

Afrânio desconfiou da atitude de Santo e até chegou a apontar sua arma para o peito do pai de Miguel (Gabriel Leone), mas a falta de reação do patriarca da família Dos Anjos desarmou o coronel, literalmente. Domingos Montagner e Antônio Fagundes foram viscerais do primeiro ao último minuto, conseguindo passar todo aquele ressentimento de anos e a expressão de derrota de ambos, que nunca saíram vencedores desse duelo de séculos. Foi uma sequência muito longa (mais de quinze minutos no total), ainda mais levando em consideração o atual período dos folhetins, onde há uma preocupação em evitar situações extensas demais.

E que presente os atores deram para o público. Curiosamente, não foi um momento de choro ou de briga ferrenha, pelo contrário: havia uma certa serenidade durante aquele longo diálogo, até mesmo quando Afrânio apontou sua arma para o até então inimigo. O coronel acabou mostrando uma fragilidade muito bem escondida ao longo do tempo, principalmente na hora que perguntou sobre o paradeiro de Martim (Lee Taylor), desesperado com o sumiço do filho. Já Santo demonstrou uma calma surpreendente, deixando claro que no fundo sabe sobre a verdadeira índole do Saruê, que nunca matou ninguém, apesar da fama.

A presença de Tereza durante os momentos finais do acerto de contas dos rivais deixou a sequência ainda mais sensível, pois o olhar da mocinha da novela entregava a paz que carregava naquele instante, observando de longe o pai e o namorado finalmente tendo uma conversa franca e apaziguadora. O instante de maior emoção foi na hora em que Afrânio confessou para Santo que no fundo sempre o admirou, admitindo que só se arrependia das duas mortes (Belarmino e Capitão Rosa) que carregou nas costas --- mesmo tendo sido Encarnação (Selma Egrei) a mandante de uma delas e da outra não ter sido feita pelas suas mãos.

Os dois quase deram um abraço, mas o momento afetuoso acabou sendo protagonizado por Tereza, que beijou Santo e depois deu um abraço bem apertado em seu pai, que desta vez não se incomodou em vê-la ao lado do seu maior rival. Ainda houve uma reza do protagonista diante do Rio São Francisco, abrindo seus braços para as águas ---- impossível não ter feito a associação trágica com a sua morte fora da ficção. A novela poderia ter acabado exatamente nessa sequência. Foi um show de sensibilidade, evidenciando o fechamento do ciclo daquela trama. E claro que a circunstância da cena deixou a emoção muito mais exposta. Foi uma das últimas cenas gravadas por Domingos e expôs a entrega daquele intérprete. Quase uma despedida em grande estilo, mostrando o baita ator que sempre foi.

Domingos Montagner e Antônio Fagundes protagonizaram uma das melhores cenas de "Velho Chico", emocionando o telespectador através de admiráveis atuações. O veterano intérprete, aliás, começou a segunda fase muito equivocado, abusando da caricatura. O estranhamento do público foi mais do que compreensível, pois não tinha como lembrar nada do Afrânio da primeira fase. Mas, ao longo dos meses, o ator foi encontrando o tom e na reta final já mostra o baita profissional que é. Sorte a dele que uma de suas melhores cenas tenha sido justamente ao lado do saudoso colega, cuja morte ainda choca e provoca imensa tristeza.

26 comentários:

Heitor disse...

E eles olhando pra câmera agora? Nem dá mais para assistir.

porlapazyporlavida lc disse...

É doloroso demais. Ainda é difícil aceitar como realidade. Só de pensar na situação fico com lágrimas nos olhos.

Anônimo disse...

Essa cena foi incrível mesmo. Ainda bem que deu tempo dele fazer esse esperado encontro.

Vivian disse...

Ao menos ele se despediu da vida com uma baita cena dessa. Não podia ser diferente vindo dele.

Gabriella disse...

Tão triste essa perda. Não me conformo!

Olímpia Menezes disse...

São grandes atores e o Fagundes virou o jogo no final realmente. Já o Domingos não podia ter partido. Tinha muita coisa pra viver ainda.

✿ chica disse...

Os dois foram maravilhosos e ontem já me emocionei ao ver o capítulo com a falta dele suprida pela câmera...Triste, triste! abraços,chica

Italo disse...

É verdade. Pelo menos ele deixou esses momentos eternizados pra podermos lembrar do seu talento.

Clau disse...

Oi Sérgio,
Que postagem legal...
Não assisti, mas só de ler sua narrativa,
já achei muito emocionante...
Que perda irreparável,
desse bonito e talentoso ator :(
Beijos!

Adriana Helena disse...

Sérgio, muito boa tarde querido amigo!!
É com grande pesar que assisti a essa cena grandiosa e impactante da paz selada pelos personagens de dois atores maravilhosos!!
Ainda dói demais e é até inacreditável que Domingos se foi... É quase incompreensível amigo...
Chega a apertar o peito de saudades deste ator maravilhoso que partiu cedo demais, ele tinha tanto ainda para nos emocionar...

Seu texto está maravilhoso amigo, li e reli para relembrar da cena...
Já a novela ontem, foi de cortar o coração...
Difícil demais para os atores contracenarem com a câmera, como se fosse o Santo...
Nossa, os olhos da Teresa e da Piedade continham um sofrimento intenso demais, e nós que notamos cada detalhe, compreendemos a dificuldade do momento....

Uma bela homenagem a um ator que fez história!!
Obrigada amigo!!
Tenha uma semana maravilhosa!! :)))
Beijos!!!

Ed Taborda Assunção disse...

Não assisto a novela mas por um acaso vi essa cena e de início ela já me prendeu tão boa a atuação dos intérpretes. Domingos estava maravilhoso como de costume mas quem me chamou a atenção foi o Antônio Fagundes, que eu havia achado totalmente fora do tom no começo e agora tá impecável. O que foi aquela cena hoje de Afrânio x Saruê? Achei maravilhosa e ele tá brilhando muito nesse final. Pena que o Domingos se foi, tenho certeza que ele estaria brilhando também.

Pâmela disse...

Sérgio mais uma bela homenagem pro Domingos, que pra mim vai ser sempre o " Miguel" de Sete Vidas. Vou ser sincera tá sendo muito difícil acompanhar a novela eu tenho feito isso pelos atores que tem feito um baita esforço pra gravar. Sei lá... Eu assistir é tipo uma " recompensa" e acho que tem gente que pensa assim também. A cena foi realmente linda e eu não quis acreditar que foi a última sequência dele, não dá.

Sérgio Santos disse...

Verdade, Heitor.

Sérgio Santos disse...

É mt triste, porlapazyporlavida lc!

Sérgio Santos disse...

Verdade, anonimo.

Sérgio Santos disse...

Não podia msm, Vivian.

Sérgio Santos disse...

Nem eu, Gabriella.

Sérgio Santos disse...

Mta coisa, Olímpia... Inaceitável.

Sérgio Santos disse...

Triste, triste, Chica... bj

Sérgio Santos disse...

Pelo menos, Italo.

Sérgio Santos disse...

Mt obrigado, Clau. bj

Sérgio Santos disse...

Oi, Adriana. Obrigado pelo carinho, e é verdade. Endosso todo o seu comentário. bj

Sérgio Santos disse...

Esse embate do Afrânio com o Saruê foi épico, Ed. O Fagundes virou o jogo bonito. abçs

Sérgio Santos disse...

Pâmela, pra mim ele tb será o eterno Miguel de Sete Vidas. Seu melhor papel da carreira. E não aceito até agora o que aconteceu. bj

Elvira Akchourin do Nascimento disse...

Concordo totalmente com sua crítica, Sérgio.

Sérgio Santos disse...

Mt obrigado, Elvira!