sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Débora Falabella e Bruno Gagliasso se destacam em "Dupla Identidade"

Eles tiveram um início de carreira muito semelhante. Débora Falabella e Bruno Gagliasso fizeram pequenas participações na Globo até serem aprovados no teste que fizeram para "Chiquititas", no ano de 2000, quando conseguiram um destaque no sucesso do SBT na pele de Estrela e Rodrigo. Quatorze anos depois, os dois se reencontram em "Dupla Identidade" e se destacam interpretando Ray e Edu, um casal que foge dos pares românticos tradicionais.


Edu é um serial killer acima de qualquer suspeita. Formado em direito, Eduardo Borges é estudante de psicologia, trabalha em um escritório de advocacia e conseguiu ganhar a confiança de Oto (Aderbal Freire-Filho), um poderoso político. Para culminar, ainda é voluntário em um grupo de apoio à vida. Mas por trás desta sua máscara social, o rapaz é um verdadeiro monstro que tortura mulheres antes de matá-las. Já Ray é uma carente mulher, que sofre de Transtorno de Borderline, ou seja, é carente demais, apresenta constantes mudanças de estado emocional e está com os sentimentos sempre à flor da pele.

O protagonista psicopata encontrou naquela frágil figura um álibi perfeito. Extremamente manipulável, Ray é dominada por Edu sem dificuldades, que consegue usá-la de todas as formas, inclusive satisfazendo suas fantasias sexuais macabras, como passar na boca o mesmo batom que ele passa na boca dos cadáveres de suas vítimas.
O rapaz tem prazer em ficar no controle da situação, enquanto que ela se deixa dominar por um estado de êxtase e aparente felicidade desde que deixou o advogado entrar em sua vida.

O casal, como se nota, foge dos tradicionais pares românticos. Todas as cenas do casal são repletas de tensão, com um trilha de suspense ao fundo, para deixar o telespectador receoso em relação ao serial killer, afinal, ele pode fazer algum mal à namorada a qualquer momento. Ou seja, automaticamente se torce para Ray se livrar do rapaz ou então da polícia pegá-lo logo,evitando mais algum crime bárbaro. E os atores estão impecáveis.

Bruno Gagliasso lutou pelo papel ---- pediu para Glória Perez fazer o teste, mesmo depois da autora ter dito que queria um ator mais velho ---- e o esforço valeu a pena. Ele está brilhante na pele de Edu e convence na simpatia do personagem, enquanto aterroriza nos momentos que o psicopata está cometendo seus crimes. Seu olhar, que mescla uma fera diante de sua presa com um ser diabólico, é perfeito.

Já Débora Falabella volta à televisão em grande estilo. Após o sucesso da Nina, de "Avenida Brasil", a atriz precisou tirar umas longas férias para descansar a imagem e acertou em cheio ao aceitar o convite de Glória e retornar com uma personagem tão interessante. Ray não lembra em nada a vingativa mulher da trama de João Emanuel Carneiro e possibilita novos desafios para Débora, que tem se saído muito bem com esta nova missão.

E o casal esbanja química. Bruno e Débora têm uma clara sintonia em cena, facilitada, inclusive, pelo tempo que trabalharam juntos em "Chiquititas". A atração, praticamente fatal, que um personagem sente pelo outro está presente em todos os momentos que estão juntos e as sequências, quase sempre repletas de sensualidade, são ótimas.

Débora Falabella e Bruno Gagliasso estão impecáveis em "Dupla Identidade" e tem sido um prazer ver estes dois talentosos atores contracenando na série de Glória Perez. O acerto da escalação dos dois fica claro em cada episódio. Ambos merecem aplausos pelo grande trabalho apresentado.

50 comentários:

Vitor disse...

Ótimos atores e a série idem. Sou viciado tal como com A Teia e com O Caçador

Anônimo disse...

ESTÃO FANTÁSTICOS MESMO!!!!!!!!!!!!

William O. disse...

Acho essa série um belo de um plágio mas concordo que os atores estão muito bem e os personagens são bem interessantes. A Débora principalmente impressiona com os desequilíbrios da Ray.

Bruna Gouveia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Bruna Gouveia disse...

Verdade eles estão ótimos. Coincidências do destino né, o primeiro trabalho deles na TV foi junto em Chiquititas. E novamente agora, se reencontram e dão esse show que estamos acompanhando.

Parabéns pela postagem e pelo blog, Sérgio. rs. Bjos

A Viajante disse...

Oh...que pena... achei que fosse uma novela... vou tentar assistir pela internet! Adoro essa dupla!! Beijo, Sérgio!

Elvira Akchourin do Nascimento disse...

Sérgio, concordo cem por cento com você. Gagliasso e Débora estão ótimos e a trama é muito instigante.

BIA disse...

Não sabia da história destes dois atores Sérgio! Muito bom saber mais sobre a dramaturgia, suas obras e seus atores! Gosto da Débora e do Gagliasso também, são ótimos atores mesmo!
Bom fim de semana! :)
Bjs

Bia Hain disse...

Olá, Sérgio, como vai? Eu acompanho algumas cenas, mas não acompanho direto. Sou meio impressionada, acabo achando que todo mundo que está à volta pode ser um psicopata, já pensou?
O Bruno arrasa nesses papeis intensos... tenho medo que um dia ele surte como fez o artista que viveu o Coringa no cinma. Um abraço!

Vera Lúcia disse...


Olá Sérgio,

Eu bem que gostaria de estar assistindo à série, mas não tem sido possível. Débora e Bruno são excelentes atores. Costumo ver alguns pedacinhos, mas não o suficiente para embasar um bom comentário por minha parte. Gostei de ler suas considerações, aliás, sempre bem colocadas.

Excelente domingo.

Abraço.

Vera Lúcia disse...


Ops.: Ótimo restinho de sábado também-rsrs. Bjs.

Andressa Mattos M. disse...

Sérgio, tenho acompanhado a série e tenho gostado embora algumas situações me incomodem como o excesso de didatismo. Mas Debora e Bruno estão maravilhosos e merecem o reconhecimento. Parabéns pela postagem! Beijo e bom fim de semana.

Gustavo Nogueira disse...

Assisto Dupla Identidade e é visível a química existente entre o Bruno Gagliaso e a Débora Falabella.Eles estão ótimos.O curioso é que o Bruno Gagliaso nunca foi um grande ator, em algumas novelas ele convencia e até se saía bem(Sinhá Moça e Joia Rara), em outras não se saía bem(Passione e Cordel Encantado).Agora ele está ótimo e concordo que o Edu está sendo o melhor papel da carreira dele.Já a Débora Falabella sempre foi uma boa atriz, seus papéis mais marcantes foram a Mel de O Clone e a Nina de Avenida Brasil.Acrescento também a vilã Beatriz de Escrito nas Estrelas, em que ela finalmente se livrou do estigma de mocinha boazinha e chorona.Agora ela também está ótima como a Ray e convence.

MARILENE disse...

A atuação dos dois atores é impecável. Débora e Bruno convencem, têm química, e dão tudo de si. Merecem aplausos.
Mal construído, em minha opinião, é o papel da psicóloga (rss), muito forçado. Bjs.

Anônimo disse...

Concordo com o texto elogioso ao casal e com o comentário de Marilene sobre o a personagem da psicóloga forense que é péssimo.

Tainá disse...

Nao dava muito por essa série pq tenho dois pés atrás com a Glória mas tô gostando do que tenho visto. E os atores estão mt bem. Principalmente esse casal desequilibrado. Débora e Bruno estão de parabéns mesmo!

Anônimo disse...

Amo esse blog, amo esses atores e amo voce também!

Italo disse...

Essa série é tão boa quanto O Caçador. O horário das sextas ganhou boas séries esse ano, Sérgio. Tirando O Rebu que foi a melhor produção de 2014. Débora e Bruno estão ótimos. Abraço.

Rita Sperchi disse...

Bom dia de domingo Serginho querido, nesse post não vou falar nada pq não assisti, apesar de ser dois ótimos atores, te elogio sempre com tudo que tem por aqui,

Abraços com carinho!

└──●► *Rita!!

Uma Interessante Vida disse...

Eles estão mesmo arrasando. bjs

Anônimo disse...

Sérgio, aquele babaca do Thalys foi de encher no facebook pq o Daniel tinha esculachado ele no Twitter horas antes. Deve ter te escolhido pra extravasar a raiva. Mas se deu mal pq tu deu uma leva de patadas nele. Deu até pena. kkkkkkk

Quércia N. disse...

Os dois estão muito bem e merecem esse post elogioso. Só acho a série caricata demais.

Amanda Ventura disse...

Tenho gostado muito de acompanhar esta série e fico ansiosa pelo próximo episódio. As atuações de Bruno e Débora são marcantes. Ray está muito bem construída, retrata de forma fiel a personalidade borderline. Mérito não apenas da atriz, mas também de Glória Perez e da direção.

Acho que Glória Perez tem altos e baixos como novelista, mas como autora de séries ela é ótima. Em Dupla Identidade mais uma vez ela demonstra seu talento para escrever histórias mais curtas e com menos personagens.

Sobre a relação entre Edu e Ray, não acredito que o psicopata faça algum mal a ela ou a filha. A relação com Ray é sua garantia, faz parte da fachada de bom moço que ele precisa manter para continuar matando sem levantar suspeitas. Acho que Edu se casará com Ray, a fragilidade dela lhe convém. Em algum momento ela vai descobrir sobre os crimes, mas provavelmente não vai acreditar ou então vai se iludir achando que ele mudará graças ao amor dela.

Amanda Ventura disse...

Sérgio, só mais uma coisa. Acho que a relação de Edu e Ray é o grande diferencial desta série, que de resto é muito inspirada em outras produções estrangeiras sobre serial killers, principalmente The Fall. Não acho que isso torne a série menos instigante, mas a relação de Edu com uma borderline foi uma grande sacada da autora que acrescentou muitos pontos à trama.

Sérgio Santos disse...

Vitor, essa série é tão boa quanto A Teia e O Caçador, concordo com vc.

Sérgio Santos disse...

Verdade, anônimo.

Sérgio Santos disse...

A Débora tem crescido mt na série, William. E mais uma vez se destaca.

Sérgio Santos disse...

Pois é, Bruna, bela coincidência do destino. E obrigado pelo carinho! Bjsss

Sérgio Santos disse...

Tente ver aí de Portugal, Ju. bjs

Sérgio Santos disse...

Obrigado, Elvira. Tá bem boa, né? E a dupla está incrível. bjs

Sérgio Santos disse...

Obrigado, Bia. E tenha uma ótima semana. bj

Sérgio Santos disse...

Bia, eu não curto filmes assim, mas séries nacionais eu gosto bastante. Mas não fique impressionada. rs ;) Acho que o Bruno faria um bom Coringa. Beijos e boa semana!

Sérgio Santos disse...

Mt obrigado pelo carinho de sempre, Vera. Eu tenho certeza que vc iria gostar da série. Bjs e boa semana.

Sérgio Santos disse...

Entendo, Andressa. E os atores estão mt bem. Que bom que gostou do texto. Bjs e boa semana.

Sérgio Santos disse...

Gustavo, há uma química evidente mesmo. E eles estão impecáveis. Eu sempre achei o Bruno um bom ator mas depois do Ricardo, de Sinhá Moça, ele adquiriu um cacoete de falar pra dentro em todo personagem que me irritava muito. Por isso não gostei dele em Passione e em Cordel. Mas ele aboliu isso e agora está ótimo, voltando aos bons tempos. Débora sempre foi incrível mesmo. Abçs

Sérgio Santos disse...

Marilene, mta gente não gosta da Vera mesmo. Luana começou mt exagerada mas melhorou na minha opinião. Mas a personagem sempre solta frases de efeito mesmo e é bem didática. Bjssss

Sérgio Santos disse...

Obrigado, anônimo.

Sérgio Santos disse...

Tb tenho gostado bastante, Tainá. Bjssss

Sérgio Santos disse...

Vc me ama, anônimo? Obrigado. rs abçs

Sérgio Santos disse...

Tb acho, Italo. E O Rebu foi mesmo a melhor produção do ano de longe. Saudades, aliás. abçs

Sérgio Santos disse...

Sem problemas, Rita. Bjs e boa semana.

Sérgio Santos disse...

Fato, Barbie. bj

Sérgio Santos disse...

Foi por isso, anônimo? Então escolheu errado msm pq minha paciência tem limites.

Sérgio Santos disse...

Entendo, Quércia. bjssss

Sérgio Santos disse...

Concordo com vc, Amanda. Mérito da Glória e da direção tb. A série está mt interessante e dá vontade de acompanhar msmo. Tb acho que Ray é a fachada perfeita para Edu e que dificilmente ele fará algum mal a ela, mas as cenas do casal transmitem uma tensão boa.

Tb acho que a relação do par é um diferencial que acrescenta muito à trama. A única novela da Glória que gostei foi O Clone, mas nessa série ela está inspirada. bjssss

Lara disse...

Concordo com os elogios, e com a Amanda. Acho que o diferencial dessa série é o envolvimento do serial killer com uma borderline. Além de trazer um frescor na trama, que tem muitas semelhanças, a maioria até inevitáveis, em relação a outras obras do assunto, é uma trama muito bem defendida pelo Bruno e a Débora. Acho que a construção da Ray está sendo muito boa, e que a personagem cresce a cada capítulo. O fato da Ray ser uma borderline nos permite esperar por muitas situações, é uma personagem intensa e imprevisível, e isso faz com que a personagem seja uma das possíveis surpresas contra o serial killer. Os méritos também vão para a direção, está primorosa.

Anônimo disse...

Essa série tá boa e esses dois estão roubando a cena. Torço para ela matar ele no final que nem vc disse no Twitter.

Sérgio Santos disse...

Lara, estou de pleno acordo com vc. Ray tem crescido a cada episódio mesmo e Bruno se destaca desde o início. A trama está sendo mt bem dirigida! bjs

Sérgio Santos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Sérgio Santos disse...

Seria muito bom, anônimo. Tb torço para que no final Ray o mate. Seria um desfecho incrível. abçs.