terça-feira, 18 de março de 2014

Presença de Dani Calabresa na bancada foi o ponto alto da volta de um "CQC" sem grandes mudanças

A sétima temporada do "CQC" estreou nessa segunda-feira (17/03). Após o tradicional período de férias, a equipe voltou com algumas reformulações e novos quadros. Mas a grande surpresa desse novo ano foi a presença de Dani Calabresa na bancada, no lugar de Oscar Filho, que era o substituto de Rafinha Bastos. A hegemonia masculina foi quebrada e a humorista, apesar de inicialmente tensa, se saiu muito bem comentando as matérias da atração.


Dani foi o grande destaque, assim como aconteceu na estreia da sexta temporada, em 2013. Porém, na época, colocaram a humorista em um quadro muito aquém do seu talento. A verdade é que ela deveria ter sido inserida na bancada desde que entrou no "CQC". Mas antes tarde do que nunca. E a parceria com Marcelo Tas e Marco Luque funcionou perfeitamente.

Sem a talentosa Mônica Iozzi, agora no "BBB" da Globo", a Band contratou uma nova repórter para fazer parte da turma. E a equipe acertou na escolha. Naty Graciano começou sem aparentar nervosismo e ficou à vontade. Suas matérias (sobre futebol e política) foram ótimas e ela promete. Vale lembrar que
a primeira opção era Fred Melo Paiva, mas o jornalista fechou o contrato e logo depois pediu férias, o que acabou implicando no seu desligamento.

Mas os novos quadros não pareceram tão novos assim. Felipe Andreoli, Maurício Meirelles, Guga Noblat, Oscar Filho e Ronald Rios apresentaram várias matérias e quase todas apresentaram os temas corriqueiros do programa: política, esportes, eventos, reivindicações do povo, enfim. Apenas a forma de conduzi-las apresentou pequenas alterações, mas nada de muito significativo.

O único quadro realmente interessante foi o de Felipe Andreoli, onde crianças de 4 a 11 anos comentam várias manchetes dos noticiários. Chamado de #SemFiltro, a matéria divertiu com os comentários diretos e inocentes do público infantil. Mas não foi algo novo. A ideia foi claramente copiada do extinto "Conversa de Gente Grande", programa comandado por Marcelo Tas, que não teve vida longa na Band.

O clássico 'Top Five' foi mantido e nem poderia ser diferente, já que é um dos trunfos da atração. Já "Olho por olho" (quadro para ver se turistas serão enganados durante a Copa), "50 X 50" com participação de Fábio Porchat (onde ele e Maurício Meireles faziam apostas absurdas) e a rápida aparição de Rafinha Bastos no início do programa, para fazer propaganda do seu "Agora é Tarde", foram outros pontos que marcaram a volta da atração.

Por tudo o que foi visto na estreia da sétima temporada quase nada irá mudar no "CQC". As pequenas novidades não surtiram efeito e pareceram mais uma 'maquiagem' em tudo que já estava presente no programa. E em se tratando de um produto que tem apresentado sinais de desgaste, essa estratégia pode não ter sido muito feliz. No entanto, Dani Calabresa na bancada foi o grande acerto desse retorno pouco atrativo e só o tempo dirá se o ano de 2014 será bom ou ruim para a atração da Band.

14 comentários:

Zilani Célia disse...

OI SÉRGIO!
PENA NÃO PODER OPINAR POIS NÃO VI O PROGRAMA, MAS, COMO CONFIO SEMPRE EM TEUS POSTS, ACREDITO QUE SEJA COMO O DIZES.
ABRÇS

http://zilanicelia.blogspot.com.br/

Felisberto Junior disse...

Olá,Sérgio
sim,bela análise, concordo plenamente, até pensava, à epoca,que Dani iria direto para a bancada, o que foi corrigido agora, porque no quadro , anterior, foi muito mal.
Sim, com certeza, novidades mesmo, além dessa, não existiu, uma maquiagem no formato e só!O programa, começa à dar sinais de "fórmula desgastada!" .Aguardar o ano...!
Obrigado,bela semana, abraços!

Anônimo disse...

Vi a estreia e achei um saco! Tudo a mesma coisa e como está no seu texto só com umas pequenas modificações! É o famoso engana trouxa! Esse programa já acabou há muito tempo e nem a Calabresa salva.

Anônimo disse...

Se o CQC acabou imagine Zorra Total, Faustão, Big Brother, Programa do jô, malhação, etc, etc... a GLOBO acabou e ninguém avisou.

Fernanda disse...

Não me empolguei com essa volta, Sérgio! Como você disse, a Dani na bancada foi a única coisa atraente, além do tradicional Top Five. Nem do quadro das crianças eu gostei. O programa tá desgastado mesmo e a Band tá se perdendo desde que deixou escapar o Gentili.

OX disse...

O CQC está muito desgastado e não tem mais graça. Então fica a pergunta: ainda é um programa de humor ou de jornalismo? Concordo com seu texto, nada de empolgante a não ser a Calabresa na bancada.

Vera Lúcia disse...


Olá Sérgio,
Quem poderia comentar aqui seria o maridão, que tem o hábito de assistir ao programa. Eu não vejo, mas apreciei ler as suas considerações.

Beijo.

Sérgio Santos disse...

Sem problemas, Zilani. Bjssss

Sérgio Santos disse...

Ela deveria ter sido colocada na bancada desde sempre, Felis. Mas pelo menos antes tarde do que nunca. Abçssss

Sérgio Santos disse...

Obrigado pelo comentário, anônimo.

Sérgio Santos disse...

Anônimo, o que isso tem a ver com o meu texto?

Sérgio Santos disse...

Fernanda, eu gostei do quadro das crianças, embora tenha sido uma cópia do programa Conversa de Gente Grande. Mas no geral tá td bem desgastado mesmo. bjsssss

Sérgio Santos disse...

OX, acho que eles tentam mesclar uma coisa com outra, mas tb não vejo graça no programa. Abçs

Sérgio Santos disse...

Sem problemas, Vera! bjssssss