sábado, 26 de janeiro de 2013

Lado a Lado: uma novela que se orgulha de ser novela

A trama das seis, exibida pela Globo, sem dúvida, é a melhor novela que está no ar. "Lado a Lado" demonstrou capricho e qualidade desde o primeiro capítulo e desde então não tem decepcionado em nenhum momento. A primorosa produção, o grandioso elenco e o texto bem escrito fazem da obra de João Ximenes Braga e Cláudia Lage a grande produção do momento. E todo esse agradável conjunto não busca nenhum tipo de ousadia ou renovação, muito pelo contrário. Apenas reforça o que há de mais tradicional na teledramaturgia.


"Lado a Lado" é uma novela que se orgulha das suas 'origens folhetinescas' e nunca buscou nenhum tipo de revolução dramatúrgica. Há duas mocinhas determinadas e corajosas (Laura e Isabel) que enfrentam muitos obstáculos para alcançar a tão almejada liberdade. Uma vilã preconceituosa  (Constância) que faz de tudo para proteger a família mesmo que para isso precise utilizar métodos tortos e condenáveis. Dois mocinhos (Edgar e Zé Maria) destemidos que lutam bravamente por justiça e igualdade. E, claro, há ainda um núcleo cômico, que representa o teatro da época e seus problemas. Em suma, todos os elementos tradicionais de uma telenovela.

Dentro desse universo folhetinesco, os autores ainda foram sábios ao inserir contextos históricos e pouco abordados na teledramaturgia. Ao mostrar um Rio de Janeiro do início do século XX, a trama retrata o início da favelização da cidade e foi muito feliz ao abordar a Revolta da Vacina e a Revolta da Chibata. Ainda exibe o
início do futebol no Brasil e o surgimento do samba. Alguns consideram essas situações didáticas demais, além de forçadas. Mas não são. São fatos históricos inseridos com muita competência dentro de um contexto dramatúrgico, servindo de base para a trama.

E o elenco ainda reúne atores que não aparecem com tanta frequência na televisão. Caso de Maria Padilha, Patrícia Pillar, Milton Gonçalves, Alessandra Negrini, Werner Schunemann e Christiana Guinle, por exemplo. Ainda contou com ótimas participações de Maria Fernanda Cândido e Beatriz Segall. Além desse grandioso time, a escolha das protagonistas foi muito feliz. Marjorie Estiano roubou a novela pra ela, enquanto que Camila Pitanga também faz bonito. E ver esses atores dando show, proferindo um bom texto e vestindo figurinos tão caprichados é muito prazeroso para qualquer telespectador.

Em meio a tantas obras que procuram fugir do óbvio, "Lado a Lado" é uma novela que se orgulha de todos os clichês da teledramaturgia. E a produção representa o que há de melhor em um folhetim. Não é por acaso que o gênero fez e ainda faz sucesso no Brasil. João Ximenes Braga e Cláudia Lage novamente merecem os parabéns e os números crescentes que a trama vem conseguindo no ibope, embora ainda não sejam os ideais, são mais do que merecidos.

54 comentários:

Bruno Marques disse...

Parabéns Sérgio pelo belo texto!!!
Concordo com tudo que você escreveu.E se lado a Lado se orgulha de ser novela ,eu me orgulho de ser fão dessa novela!!!
Marjorie Estiano realmente roubou a novela pra si!
Só pra terminar,tô curtindo muito essa mais recente abordagem que os autores fizeram a intolerância religiosa!
Isso mostra apenas que o Brasil pouco mudou!!!

EDER RIBEIRO disse...

Pena, Sérgio q o horário não me permite assisti, pois vc critica a novela positivamente e por isso, merecia ser assistida. Parabéns pela crônica. Abçs.

Anônimo disse...

Adoro suas críticas..e Lado a Lado merece mesmo...assisto desde o primeiro capitulo e com exceção de umas 2 ou 3 semanas de enrolação, no geral a novela tem sido muito boa, com andamento aceitavel para o horário e outros dignos de horário nobre (quase estupro de Laura, Descoberta do filho de Isabel)...enfim..só não gosto dessa rotação que os autores fazem com os protagonistas...tempos em tempos uns tem otimas histórias enquanto os outros coadjuvam ou viram figurantes, ou simplesmente somem (no caso, sempre o Edgar)...gosto mais qdo a s histórias andam juntas, dessa forma agrad mais o público, pois quem não gosta de um núcleo, acaba assistindo por outro que gosta, o que não acontece na novela...mas enfim...tirando isso...amo a novela e já estou triste que está chegando ao fim...
qto a Marjorie...que dizer...pra mim qdo lembrar de Lado a Lado, é o primeiro nome que me vem à mente, junto com Thiago e Patricia...não to curtindo muito Isabel agora, ta muito rispida e chorosa, muito maria do bairro...e gostava muito do Zé Maria (sem a Isabel, não consegui gostar do casal, infelizmente), mas nesses ultimos capitulos, o Zé virou um herói de todos e de tudo...saiu da linha real e ultrapassou todos os limites do imaginário pra mim...acabei que enjoei do personagem tbm...
não esquecendo de D. Eulália...que atriz a Débora..palmas ora ela...tbm adoro Celinha, Carlota, Bonifácio, Guerra...enfim...S. Afonso, tia Jurema...parabéns a todos os atores...estão ótimos
Cat

Rita disse...

Bom dia Serginho meu querido, nossa
que alegria falar dessa novela.
Adoro novelas de época, acho bonita
pelas roupas,e pela graça de todos atores e atrizes que compõem essa trama
Patricia Pilar um sonho, Morjorie uma fofa, bom todos em seu papel estão
maravilhosos, adoro a Celinha com seu jeito maluquinho bom enfim todos lindos e divinos nos seus papeis muito gratificante
Eu tiro meu chapéu pra ela
Bjuss de bom final de semana
Rita!!!

Elvira Akchourin do Nascimento disse...

Concordo, Sérgio. Gosto especialmente das cenas que denunciam os vários tipos de preconceito. Por ter um elenco reduzido, cada núcleo recebe a devida atenção e possibilita que os atores se destaquem. Drama e humor estão bem contrabalançados. "Lado a Lado" segue sendo a melhor novela no ar e merecedora de maior audiência.

BIA disse...

Oi Sérgio!!!

Realmente você entende do que esta falando, é sempre bom ler suas análises porque transmitem seriedade e credibilidade de quem é justo e correto no que escreve, a gente vê tantas barbaridades escritas e sofismos em sites oficiais que é muito bom ler pessoas isentas de inveja e maldade.
Ah!!! Que bonita esta foto do post, o figurino de época dos atores, especialmente a roupa da Patrícia Pillar está linda!!!
Concordo em absoluto com você que tem muitos homens tão ou mais consumistas do que as mulheres, bem colocado!!!
Bjs :)

Thallys Bruno Almeida disse...

Ótimo artigo, Sérgio. Uma crítica que faz justiça a toda a qualidade que a novela nos apresenta.

Marjorie e Camila roubaram juntas a novela pra si, haja visto o brilho da primeira nas cenas do estupro de Laura e da segunda na semana seguinte, nas cenas de Isabel humilhando Catarina, Berenice, Zenaide e Constância numa tacada só. A naturalidade de Patrícia Pillar impressiona a cada cena, Lázaro Ramos tá cada vez mais seguro no papel (embora Zé Maria irrite em certas situações), o núcleo do teatro me agrada cada vez mais, tanta gente boa junta dá um gosto danado de se ver. Só não tô gostando do Rafael Cardoso, Daniel Dalcin (péssimo desde a Malhação 2009) e Klebber Toledo (no caso dele, ele só ficou "parecendo" bom ator em M&A devido à alta dramaticidade da Dulce e sua trama; mas agora dá pra ver que ele é MUITO limitado, muito ruim mesmo). Mas ainda assim isso não atrapalha.

Eu queria tentar entender de onde uns e outros tiraram que "a novela tem um monte de equívocos que fazem com que mereça a baixa audiência", ah, pelamordeDeus! Não há problema em se fazer uma novela tradicional desde que bem-feita. Acontecerá o mesmo que aconteceu com Força de Um Desejo: fará mais sucesso exportada do que dentro do próprio país. No mais, autores, elenco e equipe merecem os aplausos. Uma novela como essa faz falta e eu confesso que queria que Pequeno Buda viesse logo agora, pq Flor do Caribe não tá me animando muito... Abçs!

Rafael Barbosa dos Santos disse...

Realmente, uma novela descaradamente novela, com todos os ingredientes que sempre funcionam. lado a lado é uma trama caprichada e bem feita. Ainda acho que o conteúdo histórico, embora seja de grande importância, muitas vezes foi apresentado de forma didática sim, e o ritmo um pouco lento também incomodava. Enfim, quando a novela apostou no mais puro melodrama, a trama reagiu na audiência e demonstrou todo o seu potencial, a novela aconteceu. E por isso aprendi a gostar da novela e tenho tentado acompanhar sempre. Sempre achei que merecia uma audiência mais alta, e agora então, nem se fala. É uma excelente opção, neste período tão fraco na teledramaturgia.

Abraços.

Lulu disse...

Sérgio, vejo a empolgação que você fica cada vez que a novela vai ao ar. O começo foi muito arrastado e agora tá ganhando ritmo.
Big Beijos

Thallys Bruno Almeida disse...

OPS: fará falta.

Milene Lima disse...

Esses dias li uma crítica abordando o excesso de clichês em Lado a Lado como sendo uma coisa negativa, a falta de novidades. Ora, mas o que há de mal com os clichês quando eles são tão bem retratados como nessa novela? É o melhor que se pode querer num enredo:drama, romance, comédia, heróis e mocinhas. Perfeito! Viva a escola Gilberto Braga, pra mim, ainda a melhor que há.

Já sinto saudades.
Beijo, Sérgio.

Cecilia sfalsin disse...

Ola Sérgio,
Tudo bem?
Particularmente pouco acompanho novelas, porém não deixo de dar uma olhada vez em quando, e esta é uma das tramas que com certeza merece meus aplausos, pelo excelente elenco, pela
sensibilidade e ao mesmo tempo ousadia vividos por Isabel, Laura,,Zé Maria e Edgard. e por toda uma sequência histórica que o autor desenvolveu com bastante sabedoria. Realmente concordo com seu texto e espero ansiosa para as grandes surpresas que vem por aí.

Um beijo em seu coração e um bom domingo pra ti viu ;-)

Sérgio Santos disse...

Bruno, muito obrigado. Não me canso de elogiar essa novela. Realmente a abordagem da intolerância religiosa na pela da Jurema (Zezeh Barbosa) está muito útil e infelizmente pouca coisa mudou mesmo. Abraço.

Sérgio Santos disse...

Oi Eder, uma pena. É uma grande produção. Abraço!

Sérgio Santos disse...

Oi Cat, obrigado. Amo essa novela e lamento quando leio críticas a respeito. Entendo a opinião de todos, mas essa produção não merece.

Também acho esse heroísmo do Zé Maria exagerado demais e os autores erram a mão ao fazê-lo sempre o salvador da pátria. Sobre a rotatividade dos protagonista, acho interessante porque assim todos têm a chance de se destacar, incluindo os coadjuvantes. Mas compreendo quem não gosta.

Débora Duarte faz uma Eulália impagável. Além do elenco que é primoroso.

Isabel está uma estúpida mesmo, concordo. E quem paga o pato é a Laura. Abraços.

Sérgio Santos disse...

Oi Rita! A Isabela Garcia tá mesmo impagável como Celinha, assim como Marjorie, Patrícia, enfim, o elenco é muito bom. A novela é muito boa. Dá gosto de acompanhar. Beijos.

Sérgio Santos disse...

Oi Elvira. Sem dúvida. O humor está muito bem mesclado com o drama e a como o elenco é pequeno, todos têm a chance de destacar. É mais um ponto positivo da novela. E a intolerância está sendo muito bem retratada. Beijos.

Sérgio Santos disse...

Oi Bia. Muito obrigado pelo carinho. Os figurinos são muito caprichados. Beijos e bom domingo.

Sérgio Santos disse...

Thallys, também não entendo essas poucas críticas que surgem. Não merece.

Olha, eu gosto mt do Rafael Cardoso e nada tenho a reclamar da atuação dele. O Daniel é limitado e o Klebber regular. Mas nada contra.

Também não tô muito animado com, Flor do Caribe, não. Pena que Lado a Lado tá perto do fim. Abraço.

Sérgio Santos disse...

Oi Rafael. Sempre gostei da novela e acho que demorou demais pra reagir na audiência. Merecia ser um sucesso desde o início. E não vejo problema no conteúdo histórico abordado, mesmo que para isso se utilize algum didatismo. Até porque se não usasse em alguns aspectos muita gente diria que a linguagem é 'rebuscada demais' para a população. Abraço

Sérgio Santos disse...

Oi Lulu. Pois é, fico empolgado com a novela. Não acho que tenha sido arrastada não, mas respeito sua opinião. bj

Sérgio Santos disse...

Pois é, Milene. O que há de mal? Nada melhor do que ver uma novela que usa os clichês da teledramaturgia com propriedade e competência. O resultado é essa boa novela que vemos. Também já sinto saudades. Beijos!!!!

Sérgio Santos disse...

Oi Cecília. Obrigado pelo comentário. Essa é uma novela que vale muito a pena. Beijos e bom domingo!

Felisberto Junior disse...

Olá!Bom dia!
Sérgio
realmente concordo com sua crítica positiva. Sem muita "invenção", a telenovela está tendo uma boa aceitação do público.Alguns fatos históricos, como a Revolta da Vacina e a Revolta da Chibata, foram muito bem "dramatizados".
Belo domingo!
Abraços

Regina Rozenbaum disse...

Gosto demais de novelas de época. Acho que já escrevi isso por aqui. Sempre que posso, assisto e babo. As interpretações estão primorosas tanto quanto o figurino e cenários que me transporta sem dificuldade àquela época. Estranho só o papel, pequeno e sem brilho, de Werner S. que considero um excelente ator.
Beijuuss Sérgio

♥ Luciana de Mira ♥ disse...

Ja assisti algumas vezes, mas confesso que acho um tanto chata esta novela...

Bia Hain disse...

Sérgio, percebi desde o início que a trama seria boa...apesar de não acompanhar assiduamente, é uma novela que quando posso assistir, o faço com prazer, por tratar de temas que parecem distante mas permanecem atuais, como discriminação e jogo de poder. Um abraço!

MARILENE disse...

Sergio, vejo a novela desde o início e a considero excelente. Enredo, interpretações, acontecimentos da época... tudo muito bem retratado, sob minha ótica leiga. Concordo, plenamente, com sua perfeita análise. Bjs.

João França disse...

"Lado a Lado" é uma das melhores produções dos últimos tempos. É uma pena que não seja reconhecida, mas quem é fiel à trama merece apreciar esse biscoito fino. Os cenários, figurinos, a ótima e diversificada trilha sonora (o samba da abertura promove um contraste inteligente e empolgante) e as bem-vindas atuações desse elenco primoroso fazem do produto final uma obra completa e densa, no melhor sentido da palavra.
Mais que isso, LAL é mais que louvável ao atirar sem piedade no telespectador a chance de conhecer uma vereda obscura da história de seu próprio país. Tenho certeza que muitas pessoas julgarão com mais consistência, senso e respeito a situação dos diferentes tipos sociais de 2013, com base nas histórias contadas de 1910, como a situação dos primeiros favelados, dos marinheiros, dos jornalistas e o divórcio. Além disso, não deixa de ser deliciosamente interessante comparar o elitista futebol e o sutil samba dançado por Isabel com os de hoje.
Tenho uma identificação e um apreço muito grande por quase todos os personagens, incluindo, claro, os vilões. Catarina é mesquinha e invejosa, mas possui um humor ácido e sutil que tempera muito bem suas picuinhas e armações. Irrita e inferniza o cotidiano das mocinhas, mas, no mais, não é muito perigosa, e possui olhos tristes que parecem revelar uma mulher sofrida que se despojou dos escrúpulos e se armou de ironia cômica para não sofrer mais. Estávamos com saudade de Alessandra, é uma delícia vê-la em cena. Já Constância é quase um totem da sociedade atrasada, tradicionalista, medrosa e ávida de poder que, sim, ainda existe a essa altura do século XXI. E o melhor é que a novela não se perde ao dar uma chance de defesa a essa camada social, vilanizada pelas políticas de valorização popular e pela própria dramaturgia ao longo dos anos. Constância é uma personagem esférica e completa - inescrupulosa, vingativa e rancorosa, mas ainda assim leal à sua motivação primária: a honra e o prestígio de sua família. Ela 'só' defende com unhas e dentes o seu bem mais precioso. E Patrícia derrama todo o seu talento mais uma vez.
Poderia falar muito de todos os personagens, mas seria demais. A novela merece todos os elogios e é um prato cheio para aqueles que gostam de assistir e sentir emoções fortes e muito diversas na frente da telinha. E, tratando-se do perfil do fim do Império e a República Velha no Rio, é melhor que qualquer apostila de História. E é sempre ótimo visitar seu blog, Sérgio, ainda que seja meu primeiro comentário. (:

VERINHA T disse...

Olá Sérgio,
Realmente tens razão os poucos capítulos que assisti foi por curiosidade pois todos aqui na cidade comentam maravilhas desta novela. Belo texto.
Uma boa semana. Beijos.

Mary disse...

migo assino embaixo de tudo que vc disse, não sou assídua telespectadora de lado a lado por conta do horário (acho que já comentei isso aqui contigo), mas sempre que vejo adoro, a trama é ótima, elenco perfeito, cuidado com os detalhes.. pena a novela estar num horário tão complicado, merecia mais audiência.. beijos mil e ótima semana..

Sérgio Santos disse...

Oi Felis! Obrigado pelo comentário. As revoltas foram muito bem abordadas mesmo. Abraço.

Sérgio Santos disse...

Oi Regina. Disse sim, eu lembro. Os figurinos estão impecáveis. E realmente o Werner Schunemann poderia aparecer mais, ele é ótimo. Beijos.

Sérgio Santos disse...

Luciana, respeito sua opinião. Bj

Sérgio Santos disse...

Oi Marilene. É uma novela muito gostosa de assistir. Mas eu nem me considero especialista, não. Beijão.

Sérgio Santos disse...

João, achei seu comentário excelente e assino embaixo! A novela é muito melhor do que qualquer apostila de história mesmo e o cenário do nosso país no início do século XX ainda serve de base para uma excelente trama. O elenco é muito bom!

Fico feliz que goste de vir ao blog e seja bem-vindo aos comentários. Abraço.

Sérgio Santos disse...

Oi Verinha, muito obrigado! Beijos e boa semana!

Vanessa disse...

Sérgio, querido,
Já disse aqui em outras oportunidades o quanto gosto de "Lado a Lado". Mesmo na fase mais tranquila, sempre acompanhei a trama. E fico feliz que ela tenha ganhado novos telespectadores com o fim das festas de fim de ano.

Quanto aos clichês, confesso que me incomodou um pouco no início. Até porque eu vinha de "A Vida da Gente" e "Avenida Brasil", duas tramas que driblaram os artifícios mais comuns. Aos poucos, porém, percebi que a qualidade de "Lado a Lado" não era colocada em xeque pelo uso dos caminhos mais comuns.

Aliás, sobre os clichês, achei que faltou você citá-los no texto, dar exemplos mesmo. Sei aos quais você se refere por ser uma telespectadora assídua da trama, mas seu público é imenso e nem todos, infelizmente, têm a chance de ver religiosamente a trama das seis. ;(

A respeito da trama em si, já comentei aqui algumas vezes meu apreço pelo lado nobre. Desde o início, foi o que mais me cativou. Minhas personagens preferidas continuar a ser a Baronesa e a Laura. Vibro sempre que há cena das duas juntas, mais ainda porque sei que vem show à parte da Patrícia Pillar e da Marjorie Estiano, pra mim, os grandes destaques da trama.

Gosto muito também do núcleo da Sandra. A Priscila Sol está ótima, espero que emplaque novos trabalhos depois de "Lado a Lado". E a Débora Duarte? Ainda bem que a Joana Fomm recusou o convite, porque ninguém faria uma Dona Eulália tão maravilhosa quanto a mãe da Paloma. :)

Bom, continuo a não curtir a divisão das protagonistas. Perco um pouco o interesse na novela quando o foco está sobre a Isabel. Aliás, adoro a Camila Pitanga, mas no drama não consigo gostar dela. Acho que passa do ponto. O teatro, pra mim, segue intragável. Nem a entrada do ótimo André Arteche me fez mudar de opinião, tampouco a presença da Alessandra Negrini, uma das minhas atrizes preferidas.

Olha, o didatismo nunca me incomodou, mas confesso que achei exageradas as falas na passeata em favor da Dona Jurema. Os personagens vomitaram tantas citações de livros didáticos... Me senti vendo o "Telecurso 2000". Teve até uma espécie de jogral. Chato ao extremo!

E é uma pena que "Lado a Lado" já esteja tão perto do fim. Pior ainda é imaginar que a próxima é do Walther Negrão, com Grazi e Henri Castelli de protagonistas. Que piada de mau gosto! Fora que vem todos aqueles bonitinhos, porém pouco talentosos de "Avenida Brasil". Bom, pelo menos eu 'descanso' do horário das seis. Rs.

Beijão, Sérgio. ;)

Sérgio Santos disse...

Oi Mary. Lembro do seu comentário a respeito da dificuldade em poder assisti-la. A novela é primorosa. Beijos.

Sérgio Santos disse...

Oi Bia, me esqueci de vc! A trama é muito bem escrita e está sendo muito bem defendida pelos atores. Merecia ser um sucesso. Beijos.

Vanessa disse...

Sérgio,
Não reli meu comentário antes de publicar... Agora que vi que foi cheio de errinhos. Vergonha. rs. Desconsidere, tá? rs.

Vou tentar voltar aqui amanhã para comentar os outros posts. ;)
Beijão

Vanessa disse...

Esqueci de fazer outro comentário... Achei muito bacana você trazer uma foto do elenco secundário para ilustrar o post. Reconhecimento mais do que merecido.

As protagonistas são excelentes, as antagonistas idem, mas não dá para não elogiar os demais atores. Com raras exceções, em especial no núcleo jovem, todos fazem um trabalho digno de muitos aplausos. E esse é um dos maiores trunfos de "Lado a Lado": o elenco de primeira.

Agora vou mesmo! rs.

Beijão, Vanessa

Thallys Bruno Almeida disse...

Sérgio, eu estava reparando numa coisa sobre essa alternância do foco das protagonistas feita pelos autores, que pra mim é uma boa sacada.

Até porque reclamar que um personagem não tá aparecendo tanto é a coisa mais normal do mundo, é perfeitamente compreensível.

Não vejo fãs da Isabel chiando quando a Laura está em primeiro plano, com sua belíssima história, os conflitos com a mãe, a emocionante relação com Edgar. Talvez um ou outro.

Mas percebo que alguns fãs da Laura reclamam e muito quando a Isabel tá no foco. Tá, o par Zé Maria-Isabel não agrada tanto quanto Laura-Edgar, mas poxa, tem as apresentações dela no samba, a briga com a Constância, os conflitos com o Elias, será que tudo isso não é importante também? Como se só a história da Laura importasse 100%, que a Isabel tinha que virar uma mera coadjuvante até sumir da trama... Isso incomoda. Não vou nem entrar em questão de preferência por atriz.

Sobre a Camila ser "exagerada" no drama, é normal não se identificar com o estilo e respeito isso, mas não consigo concordar de jeito nenhum. Basta ver a Luciana de Mulheres Apaixonadas, a Mônica de Belíssima, a Rose de Cama de Gato, sem contar alguns de seus papéis no cinema, como nesse último filme dela (Receberia as Piores Notícias). E não estou impondo opinião nem obrigando ninguém, podem me contestar se quiserem. Nem mencionei a Marjorie pra não dizerem que eu é que estou implicando, haja visto.

Bem, Sérgio, é isso. Não há nada demais em ter preferências por tramas, personagens ou atrizes, mas tem horas que eu vejo um exagero nisso tudo, ter uma opinião um pouco mais incisiva de vez em quando faz bem (considerando-se que eu não desrespeitei ninguém) e isso tudo que eu falei tava meio que "entalado" e eu tinha aquela vontade de falar logo de uma vez, sabe? Abçs!

Thallys Bruno Almeida disse...

*haja visto que gosto muito dela (M. Est.) tbm.

Anônimo disse...

Bem, acabei de ler esse último comentário do Tallys, e como ele, tbm gostaria de falar....vejo nas redes que há uma richa entre quem torce pra Camila e Marjorie, eu não sou noveleira, a última novela que assisti foi paraíso, mas isso é mueio comum né...essa divisão, principalente, qdo os autores no caso, resolvem fazer rotatividade de foco entre os protagonistas, mas não confere tempo de história, semanas, cenas, de igual equilibrio entre os mesmos...eu gosto muito de LAL como um todo..só não gostava mesmo do trio Diva/mario/frederico rodando em circulos naquele chove não molha...mas o que vejo em relação as protagonistas Laura e Isabel é que qdo o foco é na Laura, a Isabel nunca vira coadjuvante, a história dela avança normalmente...agora qdo o foco seria a Isabel, praticamente Laura vira coajuvante, qdo não figurante, ou apenas oreelhão pra Isabel, como se não tivesse história própria para ser contada...como foi nas duas semanas anteriores a passada, na descoberta do Elias, que foi somente Isabel/Elias/Zé na novela...os outros personagens nem apareciam...vão dizer que a audiencia foi maior pela história...tbm concordo, afinal a história é boa sim, um dos pontos altos da trama...agora quem não gosta de ver um barraco entre mocinhas e vilãs em novelas, quem não gosta de ver a vilã se estrepar tbm?? ainda mais com tantas chamadas pela globo, como nunca tinha visto, qual novela não tem maior audiencia qdo rola esse tipo de trama?...
só pra deixar claro...não sou fanatica por Laura..é minha personagem preferida sim, mas adoro todos os outros núcleos, inclusive da Isabel e do Zé (separados, me desculpem, mas como casal não me cativou)...mas insisto, as histórias deveriam ser levadas juntas, assim, se um nucleo que não agrada o publico está mais em evidência,ele tem outro pra curtir, todos tem oportunidade de aparecer bem, sem ninguem precisar sumir..daí todo mundo fica feliz, vendo os personagens que gostam na telinha, e não ter que ficar dias e dias assisitindo sem ver os personagens que gostam...

desculpte o texto, é que já vi muito desse tipo de comentário...mas difícil aceitar a preferencia descarada do autor pela Camila, porque não fez uma novela só com ela como protagonista, se ele convidou outra para atuar como protagonista tbm, pois que tenha respeito com a a triz, com seu personagem e com seu publico que o assite...

Cat

Marcos Mariano disse...

Eu acho que essa novela é um grande exemplo do papel que a teledramaturgia deve exercer na sociedade. Uma ótima novela.

Abraços

Barbie Californiana disse...

Só por ser de época, já acho que a novela é boa, Sérgio. Os figurinos então, são um encanto. beijos e linda semana.

Sérgio Santos disse...

Oi Vanessa. Olha, eu nem tinha visto seu comentário e por isso só respondi agora. Errinho é mais do que comum, não ligue.

Fiz questão de postar uma foto com outros atores justamente para variar e valorizar os demais. Achei essa e adorei.

Eu gosto da Camila Pitanga no drama e o único trabalho dela que não gostei foi em Insensato Coração. Porém, a Isabel está numa fase insuportável, mas não é culpa da atriz. Acho bacana essa variação de destaques e ciclos, porque ajuda até a dar uma renovada na história. Mas entendo vc não gostar.

Adoro o teatro e escreverei em breve um texto sobre o núcleo. Não me xingue! rs

Olha, citei como clichês o caso da vilã e dos dilemas das mocinhas e dos mocinhos, mas não explicitei tudo justamente pra não me estender muito no assunto. Mas entendo que pode ter feito falta mesmo pra quem não vê.

Não estou animado com essa próxima novela, não. Já começo a sentir saudades de Lado a Lado. bjssss

Sérgio Santos disse...

Thallys, eu também gosto muito dessa alternância. É benéfico para a história e para ambas, mas compreendo que como é um formato 'diferente' alguns não gostam.

Não vejo as pessoas criticando o destaque da Isabel e sim o casal com o Zé Maria. Tanto que só li elogios a respeito das cenas das humilhações e da descoberta sobre Elias. Mas imagino que deva mesmo ter gente que crie essa rivalidade, como ocorreu em Cordel Encantado entre Bianca Bin e Nathalia Dill e em A Vida da Gente com a Marjorie e a Fernanda. Abraço!

Sérgio Santos disse...

Cat, concordo que algumas vezes há um exagero no 'sumiço'. Realmente Laura em algumas cenas virou uma mísera figurante, assim como Isabel em outras também mal falava. Sou a favor dessa rotatividade, desde que ambas tenham chance de destaque e brilho.

Acho que os autores nem preferem Isabel e sim Zé Maria. Ali é nítido o favorecimento, a começar pelo inúmeros atos heroicos que dão a ele. Mas eu entendi bem o seu comentário. Abraços!

Sérgio Santos disse...

Marcos, concordo! Abraços!

Sérgio Santos disse...

Oi Barbie, obrigado pelo comentário. Bjs!

Vanessa disse...

Sérgio, ainda bem que vc viu meu comentário, senão eu teria ficado bem chateada. Hahaha.. (Brincadeira com fundo de verdade! Rs)

A foto é muito bacana mesmo, embora eu ache que a Patrícia Pillar merecia estar sozinha. Rs. Sério, a cada cena, como as do noivado da Celinha, eu me pergunto como pode ser tão incrível. Pena que “LAL” esteja tão perto do fim. E a Patrícia é uma atriz tão difícil de fazer novela... 

Tem atrizes que eu não gosto mesmo no drama. E a Camila é uma delas. Sempre acho que fica um tom acima. Há outras, por ex, que eu não curto como mocinha. E a Alessandra Negrini é um bom exemplo. Enfim, são grandes atrizes, mas que nem sempre te agradam em tudo.

Olha, faço questão de vir aqui só pra não concordar com nada do post do teatro. Hahaha.. Pra não ser atacado com tomates, sugiro um sobre a força dos núcleos paralelos de “LAL”. Até pq temos aí ótimos, como o do Bonifácio/Fernando, Praxedes/Sandra, irmãs da Cosntância... Rs.

Por um lado, estou adorando a chegada de “Caribe”, assim ‘folgo’ um pouco. É complicado acompanhar trama das seis. Eu só consigo via site oficial. Talvez só volte ao horário qdo a Lícia Manzo regressar. Rs. Ou se a Marjorie Estiano emplacar mais uma no horário. Rs.

Qto aos clichês, eu senti falta mesmo. Até porque vilões e mocinhos existem até nas tramas inovadoras. Mas não liga, não. Eu, como td jornalista, sou chata com texto. Rs. A falta de exemplos não diminuiu a qualidade do post.

Beijão!

Sérgio Santos disse...

Oi Vanessa! Olha quando entrar a Rogéria eu escreverei sobre o núcleo do teatro. Não vou resistir. rs

E eu já postei uma foto só da Patrícia e escrevi um texto só pra ela também. Merece.

Fico feliz que tenha gostado do texto, ainda mais sendo jornalista.

Saudades da Lícia Manzo, que ela retorne logo! Beijão!!!