quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

O Canto da Sereia confirma a boa impressão inicial e estreia com qualidade de sobra

Finalmente estreou a produção mais aguardada pela crítica e pelos telespectadores. Baseada na obra homônima de Nelson Motta, "O Canto da Sereia" foi ao ar nessa terça-feira (08/01) e apresentou uma história recheada de suspense e drama, onde uma cantora de axé é assassinada na frente de seus fãs em cima de um trio elétrico. Ao exibir uma produção caprichada e uma trama instigante, não demorou muito para que as boas impressões causadas nas chamadas se confirmassem.


A microssérie representou muito bem a rede de interesses que rodeia uma cantora famosa. Era fã de um lado, assessor de outro, seguranças em volta, governador tentando se dar bem, enfim, a vida de Sereia se resumia a uma verdadeira aglomeração de pessoas. E curiosamente, a protagonista demonstrava uma tristeza profunda nos momentos em que conseguia ficar só.

Dirigida por José Luiz Villamarim e com texto de Sérgio Gondenberg, Patrícia Andrade e George Moura --- tendo a supervisão de Glória Perez e direção de núcleo de Ricardo Waddington ---, a obra de Nelson Motta foi muito bem adaptada para a televisão. Além do bom texto, ficou perceptível que a direção afiada, atores bem escalados e uma fotografia impecável completaram o conjunto de acertos. Isis Valverde conseguiu deixar Suelen, a periguete marcante de "Avenida Brasil", totalmente de lado e incorporou uma cantora baiana com
perfeição. Sem deixar cair na caricatura, a atriz convenceu em cima do trio elétrico; emocionou na tocante sequência em que Sereia escreve no seu diário --- deixando claro que tem consciência a respeito de sua morte --- e ainda impressionou no momento em que sua personagem é assassinada em pleno Carnaval de Salvador. O restante do elenco também é digno de elogios. Fabíula Nascimento, Marcelo Médici, João Miguel, Gabriel Braga Nunes e Marcos Palmeira brilharam, enquanto que Marcos Caruso mostrou o grande ator que é ao interpretar Jotabê, um governador nada confiável e o oposto do popular Leleco, também de "Avenida Brasil". Aliás, é importante valorizar o bom trabalho de Camila Morgado; outra ótima atriz vinda da trama de João Emanuel Carneiro e que, apesar de gerar controvérsias na comédia, sempre dá show no drama. Outro bom nome no time é o de Zezé Motta, que retorna à Globo após alguns anos na Record.


Como a produção tem apenas quatro capítulos, a missão de apresentar todos os acontecimentos ao público sem transparecer pressa é árdua. Mas pelo que se viu na estreia, a tarefa foi muito bem-sucedida. Apesar de ter causado uma certa frustração ver Sereia ser assassinada logo no primeiro capítulo, deu gosto de ver a riqueza da trama e a dubiedade dos personagens. Também foi fascinante perceber o clima de tensão disfarçada em todas as cenas que antecediam o assassinato de Sereia. Havia um clima confuso no ar, onde tristeza e alegria se misturavam com a mesma intensidade. A abertura, linda e muito bem produzida, também evidenciou essas sensações. Características que apenas aumentaram o interesse pela trama.

"O Canto da Sereia" estreou com o pé direito e já deixou um gostinho de 'quero mais' assim que subiram os créditos. Quem terá tido motivos para eliminar a tão amada Sereia e emudecer sua linda voz? A dúvida permanecerá até o fim e os que viram o primeiro capítulo dificilmente não assistirão os três restantes. Afinal, uma obra de grande qualidade, um bom elenco e um mistério envolvendo o assassinato de uma cantora de sucesso são motivos suficientes para o telespectador ficar grudado na telinha até o desfecho dessa fascinante e intrigante história.

46 comentários:

✿ chica disse...

Parecer boa mesmo!! Não assisti! Mas pelas chamadas, achei que seria legal! abração,chica

Lulu disse...

Sérgio, eu também escrevi sobre a minissérie e gostei muito.
A atriz é muito versátil e causa inveja nos colegas ficou sabendo? Tô com boa expectativa e não li o livro.
big beijos
Lulu

Felisberto Junior disse...

Olá!
Bom dia!
Sérgio
vou fazer as minhas , as palavras de Nelson Motta quando escreveu o livro : “Eu imaginei: o que poderia ter mais impacto na Bahia? O assassinato de uma rainha do Carnaval no Carnaval ”, e penso que a "plim plim" acertou em cheio ao fazer essa mini produção.Eu assisti o primeiro , e concordo com seu texto, a minissérie está muito bem produzida. Ísis foi muito bem.
Boa quarta feira
Abraços
ClicAki Blog(IN)FELIZ

Filha do Rei disse...

Realmente, uma obra muito bem cuidada, espero q não fique só na primeira impressão. A Isis cresce dia a dia. Tenha uma abençoada quarta.

Vera Lúcia disse...


Oi Sérgio,

Isis Valverde foi realmente extraordinária ao incorporar Sereia.
Não cheguei ao assistir o capítulo na íntegra, pois estava dividindo minhas atenções com outras atividades (minha "secretária" para assuntos domésticos está de férias-rsrsrs. Daí, tive que adiantar algumas tarefas para o dia seguinte), mas gostei do que vi e pretendo continuar a assistir a microssérie. Concordo com suas impressões acerca do restante do elenco.

Ótimo dia.

Beijo.

Rafael Barbosa dos Santos disse...

Assino em baixo!
ES-PE-TA-CU-LAR define a estréia de O canto da sereia. O capítulo foi muito bem apresentado, ágil, dinâmico e já nos inseriu ao universo da trama. Todo o elenco teve a chance de brilhar. A trama é envolvente, o que significa que é impossível não assistir aos próximos capítulos. Uma série bem produzida, estética de primeira, texto incrível, a abertura é linda, e o elenco é um grande acerto, todos mandaram muito bem, com destaque para a linda da Ísis valverde, que mais parece uma baiana nata. Sereia é linda, tem humor, humana, é famosa, paparicada e rodeada de fãs e muito glamour ao mesmo tempo em que parece sentir um grande vazio dentro de si, ou seja, a protagonista é incrível e coloca Ísis definitivamente no primeiro time. Todas as sequencias foram maravilhosas, mas destaco a cena do assassinato, uma cena de impacto, emocionante e antológica. Quem matou Sereia afinal e o mais importante, qual o motivo? Sereia sabia que iria morrer e me parece esconder um grande segredo. Então agora, é apreciar esta maravilha de série. É de se lamentar apenas que a série tenha somente 4 capítulos, por tanto aproveitemos que o que é bom dura pouco hehe.

Abraços!

GustavoGM disse...

Adoreia a minissérie. Elenco, roteiristas e direção estão de Parabéns por essa produção.

Quanto ao quem matou a Sereia vou com o povo do Twitter ou foi a Claudinha Mlk por recalque ou foi o Roni por inveja!! hahaha

Falando sério e fugindo do óbvio acho que ela mesma encomendou a própria morte! Na cena em que a Sereia morre ela parece ver o atirador e abre os braços para ser baleada. Vai ver ela estava doente e quis ter uma morte que fosse lembrada para sempre.

Vanessa Barbosa. disse...

Eu simplesmente amei o primeiro capítulo. As cenas muito bem editadas, aumentam ainda mais o suspense.. todos seremos um pouco detetives nesses 4 dias.
Sérgio querido, dediquei-lhe um selinho lá no blog, foi com muito carinho, vai lá conferir.
Beijos e tenha um ótimo dia.

Thallys Bruno Almeida disse...

A série foi SENSACIONAL!!!!

Quando eu acho que a Ísis Valverde não tem como ficar mais apaixonante, agora ela brilha de novo como Sereia. Como não se apaixonar por uma atriz tão talentosa/carismática/simpática e uma mulher tão linda e sensual como ela? Ísis se jogou mesmo no papel e, pra quem nunca tinha cantado na vida, começou bem nesse quesito. Uma LINDA, não é à toa que vem conquistando esse merecido sucesso todo.

Uma coisa que eu achei legal: as músicas cantadas são clássicos de artistas baianos dos anos 80 e 90, o que comprova que todo e qualquer gênero tem música boa e música ruim, é só questão de identificação.

Imagens lindas de Salvador (o ponto onde a personagem morreu é considerado uma das partes mais emocionantes quando os artistas se apresentam nesse circuito, no Carn. de Salvador), enredo impactante (toda aquela roda de interesses girando em torno de objetivos os mais escusos possíveis), elenco coadjuvante perfeito (bem lembrada a volta da Zezé Motta, que tava no Rebelde), direção precisa do Waddington/Villamarim, texto perfeito dos autores e a contradição - Glória Perez brilhando na supervisão de texto dos três e falhando horrores na própria trama.

O primeiro capítulo foi sensacional. Dá até um aperto saber que vai acabar rápido, mas que os próximos sejam tão bons quanto. Grande abraço!

Carlos disse...

Acho que só eu mesmo que não ligo para essa "atriz" Isis Valverde. Não a acho péssima, mas pegando a Sereia como exemplo, não consegui vê-la como uma cantora baiana com atitude, estava mais pra paquita. Sotaque então, nível "As Brasileiras". Mas nem vou culpá-la por isso, porque a Globo nem deu tempo pra moça, que pode ser simpática e linda, mas boa atriz...

Quanto a trama, a edição foi boa, fotografia idem, mas vocês não estão cansados de ver a mesma coisa? Bahia = axé, macumba, micareta... Tudo tão esteriotipado, e pior, a anos assim. E agora mais um "Quem matou?" Pior que ainda tive que ter paciência pra esperar aquela porcaria de BBB acabar. Fiquei zapeando tanto que até perdi as contas. Bom que hoje nem precisarei fazer isso porque tô nem aí pra quem matou essa mulher.

Abraço

Adriana Helena disse...

Olá Sérgio, meu amigo mais antenada da tv brasileira de qualidade!!
Você é mesmo fantástico, pois as impressões que teve desta estreia foram as mesmas que senti! Na verdade até me emocionei com a interpretação da Ísis que arrasou com a Sereia!
Figurino, iluminação, cenários, atores e equipe em perfeita perfeição de atuar!
Trabalhos assim, realmente valem a pena ser vistos!

Amigo, demorei a retornar porque estava em recesso passeando na casa da minha vozinha! Agora retornei e desejo que o seu Ano novo seja bom demais da conta em todos os sentidos amigo!
Fique bem!
Um semana muito feliz! :)))))

Tatiane disse...

Ségio também gostei muito do primeiro capítulo, espero que outros três sejam do mesmo nível.

Carlos disse...

Já ia me esquecendo: ainda colocaram uma atriz que nem sabe cantar pra ser... CANTORA! Cuma? Nem com tecnologia a voz da Isis ficou boa. Poderiam ter escolhido a Emanuelle Araújo que canta, é baiana e não aparece todo instante na TV. E antes que falem "ah, mas porque esse bairrismo?" Oras, em "As Brasileiras" várias atrizes fizeram o papel de seus estados, até a própria Isis. Por que não deixar uma atriz boa como a Emanuelle, que tem presença de palco, fazer uma personagem que precisa disso? Seria muito menos forçado. Mas boa sorte pra equipe.

Abraço

Pri Dotta disse...

Adorei o blog! Já estou seguindo, parabéns (: Abraço.

MARILENE disse...

Sergio, as chamadas já mostravam a riqueza da produção e despertavam interesse. Estou certa de que será um sucesso. Eu sou viciada em filmes (rss) e, nesse horário, geralmente estou assistindo algum, razão de não acompanhá-la. Bjs.

Barbie Californiana disse...

Tudo o que a Ísis faz é um sucesso, né verdade Sérgio? A minissérie começou como prometeu, encantando! beijos e tudo de bom.

Daniel Luís de Souza disse...

Olá Sérgio!

Depois de muito tempo como leitor assíduo do seu blog, finalmente estou estreando meus comentários por aqui...É até engraçado, porque nos comunicamos direto pelo twitter...

Bem, quanto à estreia da microssérie, assino embaixo de tudo o que vc escreveu. Tudo é simplesmente sensacional, desde o enredo, texto , fotografia, direção, e claro, o elenco.

Isis Valverde a cada dia comprova mais que veio pra ficar. Sua composição da Sereia é impecável, e me tocou principalmente nos momentos melancólicos da personagem, demonstrados pelo olhar.

Marcos Caruso brilha mais uma vez em um personagem completamente diferente de todos que já fez. Quem diria que Alex, Padre Inácio, Niemann, Patácio, Leleco e JB foram interpretados pelo mesmo ator?? Ele é genial!

Camila Morgado não nega que nasceu para o drama, ela é sempre impecável nesse gênero. Finalmente ela saiu da comédia, do qual particularmente não acho que seja a seara dela.

Marcos Palmeira, Gabriel Braga Nunes, Fabíula Nascimento (outra que demonstra versatilidade), Marcelo Médici (idem à Fabíula), João Miguel também estão ótimos.

E é muito bom rever Zezé Motta de volta à Globo, uma atriz talentosa tão mal aproveitada. Lembro das atuações dela em Xica da Silva, O Beijo do Vampiro e Sinhá Moça.

Então é isso, Sérgio!

Um abraço e nunca deixe de escrever no blog, vc é fera, suas análises são sempre excelentes!

Liste e Realize disse...

Olá, conhecendo seu blog hoje...
Eu não vi o primeiro, nem o segundo capítulo. Mas conheço pessoas que viram e gostaram muito, assim como você.
Espero que os 2 restantes continuem excelentes!

Beijos
Pâmela Rodrigues
Blog: Liste & Realize
Página no Facebook

tutankamon disse...

Vi ontem,uma pequena parte do capítulo quando tava rolando um bate-coxa da Ísis Valverde-irretocável...
Acho que irei acompanhar,o que assisti,me empolgou
Hehehehehehe!
amigão,
abraços fortes

Elvira Akchourin do Nascimento disse...

"O Canto da Sereia" confirmou mesmo a boa impressão deixada pelas chamadas. Texto e direção eletrizantes, com idas e vindas no tempo. Atuações marcantes de Ísis Valverde, Camila Morgado, Marcos Caruso, Marcelo Médici, Gabriel Braga Nunes, Fabiula Nascimento, João Miguel. Ótimo rever Zezé Motta.

Sérgio Santos disse...

Oi Chica. Sim, é muito boa! Bjs!

Sérgio Santos disse...

Oi Lulu. A microssérie é muito boa, mesmo. Olha, sobre isso de gerar inveja eu não sei se é verdade ou não. Vai saber... Bjs!!!

Sérgio Santos disse...

Oi Felisberto. O primeiro capítulo foi ótimo, né? A Globo acertou mesmo ao produzir essa obra do Nelson. Pena que seja tão curtinha. Abraços.

Sérgio Santos disse...

Oi amiga. Olha, não ficou só na primeira impressão, não. O segundo capítulo foi tão bom quanto. Bjs!

Sérgio Santos disse...

Oi Vera. Tinha certeza que, caso visse, iria gostar. E imagino os afazeres que surgem quando isso acontece... rs Bjs!

Sérgio Santos disse...

Oi Rafael. Concordo plenamente. E infelizmente é verdade, tudo o que é bom dura pouco. Sexta já é o último capítulo. Passou voando. Produção de qualidade, grande elenco, uma trama instigantes e fotografia impecável do Walter Carvalho. Tem como não gostar? Difícil. Abraços.

Sérgio Santos disse...

Gustavo,eu também vi essas piadas no Twitter. rs Olha, não acredito nesse final porque é o do livro. E os autores disseram que não seguiriam o fim da obra escrita. Mas talvez tenham blefado e sigam mesmo. Só esperando. Abraços.

Sérgio Santos disse...

Oi Vanessa, muito obrigado pelo selinho. Vou lá ver. E,sim, a estreia foi grandiosa e valeu a pena ter esperado. Bjs!

Sérgio Santos disse...

Thallys, foi sensacional mesmo e o segundo capítulo foi tão bom quanto. Claro que o de hoje e o de amanhã serão do mesmo nível. Isis está perfeita e parece mesmo uma cantora baiana. Não fez feio cantando por incrível que pareça. O elenco é um acerto, assim como tudo o que foi apresentado, verdade seja dita. Só é de se lamentar a curta duração. Abração.

Sérgio Santos disse...

Carlos, discordo. Acho Isis ótima e a vi perfeita no papel. E não acho que a série seja 'a mesma coisa' que vemos sempre. Aliás, não vi nada esteriotipado na série. A não ser que vc tenha se referido ao sotaque baiano, mas aí ficaria ridículo se não fizessem. Achei uma grande sacada colocar uma cantora de axé sendo assassinada em cima de um trio. Quando vimos isso?

Sobre o quem matou, isso existe em toda história de ficção do mundo e nunca irá acabar. Gera interesse e quase sempre uma boa trama. Nesse caso (infelizmente) só durará 4 dias. Acho que não dói esperar. E acho bom ver a Globo investindo mais em séries policiais, uma vez que antes só se preocupavam como humor, humor e humor.

Sobre a escolha da Isis, achei perfeita. Ela conseguiu deixar a Sulen de lado, assim como Fabíula esqueceu a Olenka, a Camila Morgado a No~emia e o Caruso o Leleco. Foram muito competentes e versáteis. Sobre a Emanuelle, concordo a respeito de seu talento nas duas áreas, mas seria uma escolha óbvia demais. Ela já cantou axé por muitos anos. Para isso colocassem a Ivete ou a Cláudia Leitte de protagonista e pronto.

Pelo menos vc gostou da fotografia, o que já é alguma coisa. Abração.

Sérgio Santos disse...

Oi Adriana. Muito obrigado pelo carinho de sempre. É uma produção de alta qualidade, né? Muito boa mesmo.

Ah sim, eu sei. Vc me contou que estava até no meio do mato nas férias. rsrs Beijão e feliz 2013!

Sérgio Santos disse...

Oi Tatiane. Olha, o segundo foi tão bom quanto. Não duvido que os dois restantes mantenham o nível. Bjsssss

Sérgio Santos disse...

Oi Pri, obrigado. Beijos.

Sérgio Santos disse...

Oi Marilene. Tente ver pela internet quando tiver tempo. Vale a pena. Bjs!

Sérgio Santos disse...

Oi Barbie. É verdade, começou encantando mesmo. Beijos!

Sérgio Santos disse...

Oi Daniel. Que bom te ver por aqui! É verdade, sempre estamos nos falando pelo Twitter. Bacana falar com vc aqui também.

Concordo plenamente com você e também fiquei feliz em ver Zezé Motta de volta à Globo após ficar naquela tal de Rebelde na Record. Espero que a emissora não a deixe ir embora novamente.

Marcos Caruso é um gênio. Mais um papel que ele interpreta magnificamente. Camila se sai melhor no drama mesmo, isso é nítido. Abração e obrigado pelo elogio!

Sérgio Santos disse...

Oi Pâmela. Obrigado pela visita. Beijos!

Sérgio Santos disse...

Oi Tutankamon. Olha, acompanhe sim que vale a pena. Mas já tá acabando, infelizmente. Ah, essa cena foi muito boa! rs Abração!

Sérgio Santos disse...

Oi Elvira. Era quase impossível essa microssérie decepcionar. A produção é de grande qualidade mesmo e o elenco impecável. Também gostei muito rever Zezé Motta. Espero vê-la em outras tramas em breve. Beijos.

Sérgio Santos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Milene Lima disse...

É chato ser do contra, mas é mais chato ainda ocultar opinião, né? Então bora lá ser do contra: não desceu goela a baixo a Suellen como cantora e baiana. Pra mim ela ainda é Suellen. O primeiro capítulo eu gostei, foi envolvente, apesar da cantora fake. Mas ontem e hoje, misericórdia! Só eu achei aquilo tudo muito chato, com as cenas muito lentas? por que não chamaram o Gilbertão Braga pra adaptação?
Bom, é só a opinião de alguém que desligou a TV antes de assistir o capítulo inteiro e amanhã não assistirá o último.
Beijo!

Carlos disse...

Sérgio, toda história que tem a Bahia no meio tem: axé, macumba, carnaval... Esses são os esteriótipos que pra quem já foi lá sabe que não é apenas isso. É como colocar o Rio sempre com favela, praia e aquele subúrbio "típicamente carioca", sendo que é bem mais que isso. O que difere essa produção das demais em relação ao local é a morte, porque nas outras tramas a Bahia é alegre.

Sim, foi diferente essa morte, aliás ainda acho que ela mandou que alguém a matasse, pela pose que ela fez rs. De resto vemos o velho "quem matou". Nem toda trama policial tem isso, algumas vão muito mais além. O problema é que toda trama global tem tido essa pergunta nos últimos tempos.

Bom, Fabiula e Camila terem se livrado de duas personagens apáticas não é tão difícil, difícil mesmo foi o Caruso, mas ele é um ótimo ator, disso nem tinha dúvida. Quanto a Isis, compartilho da opinião da Milene: ela continua Suellen.

E qual o problema de ser óbvio? Se for pra encaixar no personagem não tem problema. A personagem é cantora de axé, logo tem que saber cantar, ter presença de palco, coisa que a Isis não teve, até pela pouca preparação. Ivete seria uma boa tbm, pq não? Só pra ser menos óbvio mesmo encaixando no personagem? De qualquer forma ainda acho Emanuell Araujo a Sereia perfeita, mesmo que a personagem do livro seja loira rsrs.

Abraço

Bruno Marques disse...

Que microssérie sensacional!!
Nossa!!!Que texto perfeito,que direção brilhante e o elenco então,nem se fala.Destaque total para Ísis Valverde,Gabriel Braga Nunes,João Miguel e Camila Morgado!!!
Espero que a Globo invista mais nessas Microsséries e não apenas uma vez por ano!!!

Sérgio Santos disse...

Milene, claro que não. Sempre gosto de ler suas opiniões. Olha, não sei se vc viu o penúltimo capítulo, mas a atuação da Isis foi extraordinária. Não achei a série nada lenta e com certeza verei o último hoje. Mas respeito sua opinião, claro. Beijão.

Sérgio Santos disse...

Carlos, entendi o que quis dizer. Mas eu vi muito talento na Isis. Se ela tiver mesmo encomendado a própria morte será o mesmo final do livro, por isso acho que haverá alguma surpresa. Mas se não houver, continuará sendo uma grande produção na minha concepção.

Gosto muito da Emanuelle e tenho certeza que ela daria show. Já a Ivete, não teria capacidade para vivenciar as dores da protagonista. Abraços.

Sérgio Santos disse...

Oi Bruno. Excelente mesmo. Ano passado a Globo exibiu duas microsséries: Dercy de Verdade e O Brado Retumbante. Ambas excepcionais. Vamos ver se no meio do ano eles apresentam outra. Abraços.