sábado, 4 de fevereiro de 2012

As Brasileiras consegue atrair o interesse do telespectador

Após o sucesso de "As Cariocas" --- série baseada na obra de Sérgio Porto e exibida pela Globo em 2010 ---, Daniel Filho resolveu dar continuidade ao projeto. O diretor disse, em uma entrevista à Revista da TV, do Jornal O Globo, que já pensava nessa continuação mesmo antes da produção estrear no ano passado. Primeiramente chegou a se especular que o nome seria "As Paulistas", para logo depois ser desmentido. O boato provavelmente surgiu porque Daniel Filho queria abordar várias regiões do país, mas uma de cada vez. No fim das contas, optou-se por abranger quase todos os estados em uma mesma temporada, surgiu, então, "As Brasileiras".



Não são grandes as diferenças entre as séries. A abertura, por exemplo, é exatamente igual, o que é um ponto positivo. Foi uma grande ideia que, embora seja aparentemente simples --- um cenário todo branco, com duas escadas, onde todas as atrizes passeiam como se estivessem desfilando ---, funcionou perfeitamente e o resultado foi ótimo. O único senão é que como nessa temporada temos 22 atrizes ao invés de 10, a vinheta acabou ficando tumultuada demais.

Outra semelhança é a
 narração do Daniel Filho. O diretor sempre lança frases espirituosas que acabam sendo indispensáveis enquanto a história é desenvolvida. Virou uma marca. E funciona.

No primeiro episódio, "A Justiceira de Olinda", Juliana Paes interpretou Janaína, uma mulher que pensava estar sendo traída pelo marido, vivido por Marcos Palmeira. Com uma faca em mãos, ela castra o marido enquanto ele toma banho. Depois a mulher descobre que não estava sendo enganada e que tudo não passou de um mal entendido. A partir daí, o que se vê é a saga da esposa tentando reimplantar o membro no coitado do marido. Apesar dos atores terem exagerado na caricatura e do texto muitas vezes ter sido grosseiro, o episódio foi divertido.

E a única diferença que se observa em "As Brasileiras" é justamente o ar mais popularesco e o abuso das caricaturas. Mas é impossível saber se todos os episódios restantes terão essa característica. Isso só Daniel Filho e os roteiristas --- Adriana Falcão, Jô Abdu, Marcos Bernstein, Carol Castro, Clarice Falcão, Gregório Duvivier, Marcelo Saback, Sylvio Gonçaves e Marcio Alemão Delgado --- têm a resposta.

O elenco é recheado de estrelas globais, mas não deu para entender a escalação de Ivete Sangalo, Xuxa e Sandy. Fernanda Montenegro, Glória Pires, Juliana Paes, Mariana Ximenes, Leandra Leal, Maria Flor, Maria Fernanda Cândido, Patricia Pillar, Giovanna Antonelli e Alice Braga, foram os maiores acertos na escalação. Dira Paes, Leticia Sabatella, Claudia Jimenez, Isis Valverde, Cleo Pires, Bruna Linzmeyer, Sofhie Charlotte e Juliana Alves costumam alternar bons e maus momentos em suas interpretações, então resta esperar e ver o desempenho de cada uma. Suyane Moreira é quase uma novata, talvez seja uma supresa boa; ou não.

"As Brasileiras" teve uma ótima audiência, vencendo "Rei Davi", produção bíblica da Record, que estava conseguindo ultrapassar a Globo no horário. A série tem tudo para repetir o sucesso de "As Cariocas", e pelo que foi visto no primeiro episódio, irá conseguir sem grandes dificuldades.

6 comentários:

Lucas - www.cascudeando.zip.net disse...

Olá! O seriado tem suas qualidades, um texto inteligente. Mas pra mim "As cariocas" ainda tá na memória afetiva...
Lucas - www.cascudeando.zip.net
@cascudeando

Sérgio Santos disse...

Oi, Lucas. "As Cariocas" foi uma boa produção mesmo, mas vamos aguardar os próximos episódios de "As Brasileiras" para podermos comparar melhor. Abraço!

Silvania Correia disse...

Acompanhei boa parte de "As cariocas", mas não vi nenhum episódio de "As brasileiras" ainda. Como achei a proposta da primeira criativa, espero que a segunda seja agradável também, com o texto inteligente e original, fora do habitual das séries globais.

Sérgio Santos disse...

Silvania, ao menos por enquanto, "As Brasileiras" está mantendo o mesmo nível de "As Cariocas", na minha opinião. O primeiro episódio foi bem bobinho, mas já gostei bem mais do segundo ("A Inocente de Brasília", protagonizado por Claudia Jimenez). Vamos ver os próximos como serão.

silas disse...

Excelente trabalho, dizem que todo site ou blog tem um pouquinho do seu autor, e é sempre bom fazer o que gostamos...parabens e sucesso com seu trabalho.

Sérgio Santos disse...

Muito obrigado, Silas. Abração!