terça-feira, 7 de março de 2017

Sem rumo, "A Lei do Amor" não tem mais história para contar

"A Lei do Amor" acaba em abril, ou seja, falta cerca de um mês para o seu fim. Mas a novela parece ter acabado desde a morte de Fausto (Tarcísio Meira). Depois que o patriarca da família Leitão se vingou de Magnólia (Vera Holtz), sofrendo um infarto fulminante pouco tempo depois, a história não demorou para se esgotar e perder o rumo completamente. Vale citar, claro, que as inúmeras mutilações no roteiro em busca de uma maior audiência contribuíram bastante para isso. Porém, ainda assim, o conjunto vem se mostrando bem frágil.


O único acontecimento relevante, exibido semana passada, foi o flagra que Letícia (Isabella Santoni) deu em Tiago (Humberto Carrão) e Marina (Alice Wegmann), batendo no marido e na amante. A sequência mereceu elogios e, por sinal, foi a responsável pela maior audiência da novela, superando até a estreia, marcando 32 pontos. Esse irritante triângulo amoroso, inclusive, é só o que sobrou no enredo. Tirando isso não há mais nada a ser contado, evidenciando uma clara invenção de conflitos forçados para preencher o tempo dos capítulos, desfigurando até mesmo características de vários personagens. 

O casal protagonista, por exemplo, foi destruído. Os mocinhos faziam parte da cota de acertos do folhetim, cuja química entre Reynaldo Gianecchini e Cláudia Abreu era incontestável. Entretanto, Pedro e Helô ficaram sem conflito e perderam o destaque que tinham.
Viraram meros coadjuvantes. Para culminar, os autores inventaram um drama raso e inverossímil para o par: um antigo amor do rapaz, que escondeu uma filha dele e voltou por causa de uma armação de Tião (José Mayer). A situação, além de ter se mostrado uma bobagem, serviu para aniquilar a personalidade dos papéis. Afinal, Helô virou uma mulher ciumenta e insegura do nada, enquanto Pedro se transformou em um sujeito capaz de trair o amor da sua vida com a ex. Essa situação, ao invés de trazer destaque para os mocinhos, serviu apenas para enfraquecer o par.

E a relação entre Tião e Magnólia se esgotou muito rapidamente. O embate entre vilão e vilã prometia, mas o contexto peca pela repetição e os dois parecem sem função depois que se juntaram. Os atores são ótimos e conseguem se destacar, porém, nada daquele contexto consegue mais ser aproveitado. Já cansou ver o canalha debochando de seu amor do passado, enquanto a matriarca dos Leitão aceita os insultos sem reagir. Aliás, a maior reação da vilã resultou em uma situação totalmente inverossímil: afinal, esfaqueá-lo na barriga e depois dizer para a polícia que ele caiu em cima da faca foi forçado demais.

A morte de Fausto provocou outro problema no enredo: a perda de função de todos os personagens da mansão, atingindo até mesmo a carismática Luciane (Grazi Massafera). A periguete sempre foi o maior êxito da novela e não por acaso roubou a cena, destacando o talento de Grazi. Ela, inclusive, protagonizava cenas hilárias ao lado de Tarcísio Meira. Mas, após o falecimento do patriarca, a personagem ficou solta no roteiro e o contexto em cima da sua ambição em ser primeira dama se mostra bem raso para o tamanho do papel. Nem mesmo a volta do senador Venturini (Otávio Augusto) ---- que não deveria ter sumido ---- melhorou o destaque de Luciane, infelizmente. Analu (Bianca Muller), o já citado Pedro, Hércules (Danilo Grangheia) e até Vitória (Camila Morgado) ficaram avulsos. 

A irmã do mocinho, por sinal, agora protagoniza uma situação evidentemente inventada de última hora pelos autores. Vitória, depois de se vingar da mãe e do ex, Ciro (Thiago Lacerda) --- que se regenerou, ficando também sem conflito ---, descobre que seu filho recém-nascido não é do ex e sim fruto de um estupro. O estuprador em questão é Leonardo (Eriberto Leão), que entrou na trama recentemente e se envolveu com Salete (Cláudia Raia) --- mais uma personagem que ficou sem relevância, após seu insosso romance com Gustavo (Daniel Rocha) não ter agradado. Essa 'descoberta' da filha de Magnólia soa desnecessária, comprovando a criação de um conflito que nunca sequer foi cogitado na história. Uma solução nada convidativa. 

Até mesmo o divertido casal formado por Antônio (Pierre Baitelli) e Ruty Raquel (Titina Medeiros) foi desfeito sem mais nem menos. Antes responsáveis por várias cenas hilárias, os dois foram perdendo destaque até ficarem em terceiro plano, sem maiores atrativos. A ideia de Maria Adelaide e Vincent foi simplesmente acabar com o par, juntando a massagista com Jáder (Érico Brás) --- mais um sem função após a morte de Fausto --- e o debochado rapaz com a atualmente irrelevante Jéssica (Marcela Ricca), que perdeu a importância depois que deixou de ser vilã. E Antônio ainda se envolverá com Letícia, que descobrirá a volta do seu câncer. Esse envolvimento, ao menos, servirá para destacá-lo novamente, pois ele sempre foi um dos melhores perfis do folhetim.

E o próprio mistério em torno da verdadeira identidade de Marina/Isabela já cansou, sem contar o machismo desnecessário que permeia o triângulo formado com Tiago e Letícia, onde ele é sempre a vítima indefesa, mesmo sendo um canalha. A enrolação dos autores está evidente e o mistério só será solucionado no último capítulo, com direito a três cenas gravadas secretamente. A questão é que pouco importa esse 'grande enigma'. O contexto se esvaziou.

"A Lei do Amor", lamentavelmente, ficou sem rumo e entra em seu último mês quase sem história para contar. Após tantas mudanças ao longo de sua exibição, a novela de Maria Adelaide Amaral e Vincent Villari acabou não resistindo e agora agoniza até o seu último capítulo. Resta saber se pelo menos na última semana os acontecimentos serão mais convidativos, pois é o mínimo que se espera. 

58 comentários:

Felipe disse...

Onde eu assino?????

Cézar disse...

Mais uma análise precisa. Meus parabéns!

Anônimo disse...

É verdade, parece que o enredo acabou depois da morte do Fausto. Tá tudo inventado sem lógica e numa enrolação só. Uma pena.

Anônimo disse...

Aqueles seus haters que dizem que você não critica seus autores favoritos tão queimando a língua, né Sérgio????!!!!!

JF disse...

E, por incrível que pareça, essas situações sem sentido fizeram a audiência da novela crescer. A Lei do Amor vai conseguir escapar do retumbante fracasso que caminhava pra ser, porém sua repercussão é baixa e quando acabar será facilmente esquecida. Maria Adelaide Amaral e Vincent Villari(junto com Sílvio de Abreu e Ricardo Linhares, que interferiram na trama sem necessidade) ensinaram como destruir uma excelente novela em poucos meses!

✿ chica disse...

Tá mesmo enrascada, parada e enrolada....abração, chica

Debora disse...

Olá Sérgio tudo bem???


Mesmo sem assistir a novela, gostei bastante da sua análise (posso dizer que já sei bastante da novela)!!!


Beijinhos;
Débora.
http://derbymotta.blogspot.com.br/

Pamela Sensato disse...

Eu não assisto porém logo de manhã ao abrir a loja liguei o rádio e os locutores estavam zoando a novela dizendo que está mega enrolada kkkkk

Beijinhosss ♥
Blog Resenhas da Pâm

Adriana Helena disse...

Sim amigo Sérgio, você falou tudo e mais um pouco: a novela ficou completamente sem rumo e tornou-se por demais enfadonha....Não estou mais conseguindo assistir, está chata demais...rsrs
Acabou-se o que era doce!!

Agora é esperar pela próxima novela das 9 porque esta, infelizmente, acabou antes do fim...rsrs
E olha que tinha muito potencial...
Uma pena!!!

Beijos e uma ótima semana querido amigo!! :)))

Lulu on the sky disse...

Que novela chata, não consigo mais assistir.

Big Beijos
Lulu on the Sky | You Tube

Gustavo Nogueira disse...

Assino embaixo da sua crítica Sérgio.Realmente A Lei do Amor perdeu ainda mais o rumo após a morte do Fausto e os autores estão inventando situações absurdos para segurar o público até o final da novela, como essa história do pai do filho da Vitória, que nunca foi mencionado deixando claro que foi inventado de última hora pelos autores.Essa traição do Pedro com a Helô é ridícula e serviu apenas para acabar com o personagem, não há mais minha torcida para eles ficarem juntos depois disso.Aliás coitada da Cláudia Abreu, seu último bom papel foi em Cheias de Charme, depois disso ela pegou aquela Pamela caricata na péssima Geração Brasil e agora essa mocinha apagada Helô, que sempre foi avulsa, onde seu únicos bons momento foi a vingança contra a Magnólia e os embates com o Tião, tirando isso...Não culpo apenas o grupo de discussão pelo o que a novela se tornou, os autores também se perderam.Aliás, se for parar para pensar as novelas da Maria Adelaide Amaral nunca foram perfeitas e sempre tiveram alguns problemas, ela nunca esteve na minha lista de autores preferidos, muito menos o Vincent Villari.Ti Ti Ti era boa, mas depois se perdeu, Sangue Bom era boa só por causa da trama central, envolvendo a Amora e Bento e o casal Giane e Fabinho porque o resto eu achei bem cansativo, como aquele romance insosso do Érico e Verônica que se perdeu, aquele núcleo do Filipinho que era chato demais e além disso o ator era péssimo, aqueles personagens pretensiosamente cômicos que eu nunca vi graça, como aquela Tina e o Barata, eu só gostava da Damares e da Bárbara Ellen e ainda tinha aquele núcleo da agência que era chato demais e totalmente irrelevante e aquele triângulo cansativo da Rosemere, Perácio e Brenda.Ou seja, na minha opinião as novelas da Maria Adelaide Amaral e Vincent Villari sempre tiveram problemas e isso ficou ainda mais evidente em A Lei do Amor, eles não deveriam ter ido para o horário nobre, esporam ainda mais suas deficiências como novelistas.

Raquel disse...

Oi Sérgio!

Sinceramente, eu nunca consegui enxergar em ALDA esse potencial que você e tantos outros comentaristas de TV exergavam. A trama sempre me pareceu meio confusa e sem um verdadeiro fio condutor. Afinal de contas, ALDA era sobre o que mesmo? Já tinha feito esse mesmo comentário em outro post seu sobre a novela.

A novela começou com uma boa primeira semana e as semanas seguintes seguiram razoavelmente bem movimentadas, apesar de totalmente desiteressantes ao grande público, que não conseguiu comprar a história da novela (não que isso signifique que a história fosse ruim necessariamente). Daí vieram as mudanças, mas atribuir somente a elas a total falta de rumo da trama me parece um equívoco. Na minha opinião, tentaram cortar a gordura pra ajudar a compreensão do telespectador e acabaram deixando só a trama principal que nunca teve fôlego pra protagonizar meses a fio no ar. O grande número de personagens e pretensas histórias paralelas sugerem que o plano era confundir e enrolar o telespectador o máximo possível, sem avançar a trama principal. Enquanto o tempo ia passando, iam mostrando os dramas dos outros personagens e a trama principal seria levada em banho-maria. Só esqueceram de contar com o fato de que as tramas paralelas não eram interessantes o suficiente, que povão não gosta de tramas super-complicadas e que uma trama diária confusa não consegue manter interesse por muito tempo e fica rapidamente cansativa (no horário das 21 hs mesmo, “A Regra do Jogo” deveria ter servido de exemplo). Tiveram que cortar vários personagens e tramas pra deixar a novela mais clara e ficaram com esse núcleo principal que se esgotou rapidamente e desde a metade da novela não tem muito pra onde ir. É muito provavel que essas histórias mal-costuradas simplesmente não faziam parte do planejamento e por isso mesmo parecem tão mal-ajambradas nessa reta final.

A trama do triângulo Isabella/Marina-Tiago-Letícia sempre esteve prevista. A morte de Fausto no meio da novela, idem. A volta do câncer de Letícia tb. A derrocada de Magnólia e a punição por parte de Tião usando prostitutas tb (era pra ser com a filha da Salete, e agora é com a Aline). A única parte da trama de talvez tenha sido mudada foi a trama política, mas tb duvido que ia ser o suficiente pra salvar a lavoura. A trama da Salete tb não vingou e precisou ser modificada. Enfim, nada tãaaaaoooo promissor assim.

Enquanto os autores das 21 horas continuarem a querer escrever tramas de séries americanas em forma de novela, vão continuar fracassando. Não é à toa que os maiores sucessos dos ultimos anos tenham sido as novelas com mais cara de novela: Império e Amor à Vida (e olha que nem foram lá primores de novelas). Glória Peres só precisa fazer o básico pra emplacar um sucessão pela frente. Que não invente muito.

É isso.

Raquel disse...

Só um adendo ao comentário do Gustavo que eu acabei de ver. Sangue Bom só fez (relativo) sucesso porque:

1) ¾ dos telespectadores amavam odiar a Amora. Dentre esses, metade só assistia por causa de Fabine, a outra metade adorava a Malu.
2) Os outros ¼ achavam o máximo a personagem dúbia-com-trauma-de-infância-com-nome-de-fruta.

Não estou fazendo julgamento de valor algum sobre os gostos pessoais de cada um dos telespectadores. Só estou dizendo que MAA e VV deram a sorte de ter personagens e atores carismáticos (pro amor ou pro ódio).

Anônimo disse...

Quase não assisti porque os poucos episódios que vi me pareceram muito fracos mesmo. Uma pena, porque Sangue Bom foi uma das melhores novelas que eu assisti desde que comecei a selecionar as histórias que acompanho. Esperava algo da mesma qualidade.

Gustavo Nogueira disse...

Raquel, eu gostava da Amora e achava ela uma personagem interessante, só achei que os autores falharam ao pesar a mão nas maldades dela, isso fez com que alguns a rejeitassem e não comprassem a sua redenção.No final das contas Sangue Bom só fez sucesso por causa da trama da Amora(mesmo quem a odiasse) e do casal Giane e Fabinho.Eu também gostava da Malu, apesar de sua excessiva bondade e de ser politicamente correta e do seu romance com Mauricio não ter sido bem desenvolvido.

Rafa disse...

Concordo, Sérgio. Apesar de ser ridícula, o triângulo amoroso é a única que ainda funciona. Mas algo que me incomoda até hoje foi a saída da Camila, que parecia ser um dos melhores conflitos da novela com a bulímia - o que só ia melhorar, caso a personagem viesse a engravidar na trama com esse transtorno. Você sabe dizer se a Bruna volta pro final, Sérgio? (já tendo deixado cenas gravadas, por exemplo)

Bruna disse...

Sérgio, acabei perdendo o interesse na novela desde o acidente da Isabela, por isso só assisto capítulos aleatórios. Mas lembro que o acidente da Carmen seria um dos assuntos pra essa fase. Já foi revelado algo sobre ou continua um mistério? Concordl com tudo na crítica!

porlapazyporlavida lc disse...

A novela perdeu todo o encanto mesmo. Zamenzito, você sabe me dizer se depois do grupo de discussão os autores são obrigados a fazer algumas mudanças caso a análise seja negativa? Ou eles podem simplesmente seguir com a ideia original?

Vera Lúcia disse...


Olá Sérgio,

Você está coberto de razão em todas as suas críticas. A novela parece mesmo sem rumo e descaracterizou muitos dos seus personagens. Achei totalmente sem sentido colocarem o filho de Vitória como sendo fruto de estupro. Aliás, não sabia que Leonardo é o estuprador. A relação Tião e Magnólia já cansou, pois caiu na mesmice. Tiago parece mais um babacão. Enfim, nada tenho a acrescentar às sua ótimas considerações.

Ótima semana!

Abraço.

Germana disse...

Olá Sérgio!!
Parabéns pela análise, muito precisa.
Pessoalmente, nunca consegui amar A Lei do Amor, sempre achei uma trama boa e só (talvez pelo excesso de expectativa, gostei muito das outras novelas da Maria Adelaide e do Vincent). Mas a impressão que dá é que depois da resposta negativa do grupo de discussão os autores começaram a querer resolver tudo de qualquer jeito, sem se preocupar com a coerência das situações, culminando nessa barriga no último mês.
Confesso que atualmente só assisto a novela por causa da Letícia (por incrível que pareça! rs) e do possível romance dela com o Antônio, que é um personagem que eu sempre gostei.
No mais, é isso. Abraços!!

Ricardo disse...

Fico triste quando vejo o que aconteceu com uma novela que prometia tanto. O que estão fazendo com o Pedro agora é uma absoluta falta de respeito com o Gianecchini e com o público.

Anônimo disse...

a questão é que o foco inicial tinha que ter sido desde a primeira fase no grande segredo da trama que era o romance secreto da sogra com o genro há mais de 20 anos! eu lembro que as chamadas de estréia eram há famílias que tem história pra contar outras a esconder, hj sabemos que isso era uma referência a ciro e magnólia mas simplesmente durante os 3 primeiros meses da trama não isso ficou nebulado, sabia-se que ela protegia o genro mas podia ser por medo, por ameaça e etc. nas chamadas agente acha que é o grande segredo da trama era a armação pra separar pedro e helô sendo que não tinha nada a ver! A trama onde um homem se relaciona com mãe e filha ao mesmo tempo sempre deus bons resultados de audiência em novelas vide laços de família, barriga de aluguel, américa e etc. Justamente por isso pq que a maria adelaide amaral não jogou o foco nisso desde a primeira fase? será que a alta cúpula da globo arregou? E pra completar um dos detentores do maior segredo da trama e um dos maiores vilões da história ta sendo redimido como se oque eles fez durante todo esse tempo de envolvimento em crimes, roubo da tecelagem, o fato de manter relações com a mãe e a filha durante anos e voluntariamente, bem como o fato de usar o sentimento das duas a seu favor , uma vez que ele sabia muito bem que tanto uma como a outra eram apaixonadas por ele fosse algo banal! ele ainda deu um soco na vitória gravída no inicio da trama que o levou ao chão e ameaçava a sogra/ amante de maneira bem violenta! e ele ainda vai ter final feliz? porran!

Jordan Costa Oficial disse...

Adorei a crítica. Esse fracasso é culpa dessas mudanças que fizeram. Grupos de discussão só servem pra estragar novela, os autores deveriam ter deixado as coisas seguirem seu fluxo natural.

F Silva disse...

Algo a comentar...

O problema é tão grave que até os críticos estão se repetindo em seus textos. Não há mais o que analisar.

Só ressalto que interferências no roteiro da novela é absolutamente normal quando a audiência vai mal. Se vai mal é porque o público não gostou do roteiro original. É bom lembrarmos que é justamente da novela das nove que vem o maior faturamento da emissora. É ela que paga as contas. Por isso, é imensa a responsabilidade dos autores que escrevem para o horário nobre. O Fórum de Teledramaturgia e o Sílvio de Abreu, coitado, é que tem que descascar o abacaxi.

Dá uma olhada na sinopse de "A Lei do Amor". É até interessante, todavia, é puro clichê, e batidíssimo ao extremo. Uma vilã maniqueísta separando um casal apaixonado através do clichê mais manjado da teledramaturgia.

Até aí tudo bem, afinal de contas, nada contra os clichês, que são recursos até necessários. O problema é com o encaminhamento da história que precisa ter um rumo claro e objetivo para criar um laço e segurar o telespectador, e isso, definitivamente, "A Lei do Amor" não apresentou, nem na trama central e nem nos núcleos paralelos.

O reflexo disso foi a audiência despencando ladeira abaixo.

Portanto, caro Sérgio, "A lei do Amor" não ficou sem rumo em seu último mês, ela já começou sem rumo em seu primeiro mês de exibição. A trama de Maria Adelaide e Vincent Villari já agoniza desde aquela mudança de fase.

Já vi novela bem pior, mas "A Lei do Amor" não tem "cancha" de novela do horário nobre...

um forte abraço...

Raquel disse...

F Silva, como sempre precisa nos seus comentários!

Concordo com tudo o que vc falou, tenho dito a mesma coisa: sempre faltou em ALDA um fio-condutor, um rumo claro pra onde a história vai se encaminhar. Confundir o público por meses (e até anos nos casos das séries americanas) é algo que cola em regime de 1 capítulo por semana (e olhe lá) pq não cansa o telespectador. Depois de passar semanas assistindo uma novela 6 dias por semana sem saber pra onde aquilo tudo vai, o povo simplesmente não tem paciência pra investir tanto tempo num produto que ele nem sabe se vai gostar (ou entender) o rumo. Novela, como eu disse várias vezes, é um super-investimento de tempo; 40min-1hora por dia, seis dias da semana é tempo demais pra se comprometer com uma história com tantas outras coisas concorrendo pelo tempo das pessoas nessa vida moderna. É um equilíbrio delicado entre não mostrar muito para manter o telespectador interessado em assistir o próximo capítulo, mas mostrar o suficiente para mantê-lo investido em gastar esse tempo todo assistindo uma novela. Tá difícil de os autores brasileiros acertarem o alvo com essas novelas das 21hs hoje em dia. Parece-me que o povão não comprou a idéia desde o início justamente pela falta de fio-condutor e isso resultou na baixa audiência.

Aqueles que deram um voto de confiança aos autores e enxergaram potencial na novela, o fizeram achando que eles sabiam onde queriam chegar e que o caminho até chegar lá seria interessante. Mas não era, e isso não tem nada a ver com as mudanças, e sim com a capenguisse da trama mesmo. Os problemas da trama na reta final da novela tem muito menos a ver com os grupos de discussão (que no meu ponto de vista produziu críticas muito válidas dessa vez) e mais com a falta de habilidade dos autores de escrever uma trama interessante pro grande público sem uma cansativa cortina de fumaça pra fingir “mistério”. A única verdadeira supresa da novela foi o caso da Magnólia com o Ciro. O resto (Isabela ou Marina?, Hercúles é cúmplice da mãe, a vingança de Tião) quem se importa?

Caroline disse...

Até o Gianecchini achou um absurdo essa situação do Pedro trair a Helô. Essa novela já está no buraco faz tempo só falta jogar terra pra enterrar de vez.

Malu disse...

Olha, eu tô bem decepcionada com essa novela. Jurava que ia ser um novelão, pois até que começou boa, a meu ver. O problema é que logo ficou claro que nunca teve uma história de fato, pelo menos não do casal protagonista. O único conflito era a chatice da Letícia, mas que ficou óbvio que não se sustentaria por muito tempo. Deu no que deu, me parece falta de planejamento. Ouvi dizer que a trama seria inicialmente das 23h, e o eixo central seria Isabela/Marina, sem a existência de Helô e Pedro, e daí o Silvio de Abreu aprontou das dele e mudou tudo. Não sei se é verídico, mas faz sentido. E quem se deu mal foi a própria Claudia Abreu e o Gianecchini. Ela ganhou uma personagem forte da Isabelle Drummond, que enfrentava Fausto e quem quer que fosse, para virar uma mocinha songamonga. Ele era o "homem perfeito" da novela, virou um babaca que trai e acha legal.
Enfim, continuei com essa novela até onde deu, mas tá difícil defender. Até Luciane se apagou! A única coisa que ainda me animo de ver vai ser Antônio e Letícia, apesar de que, mesmo ele tendo dito desde sempre que era apaixonado por ela, fizeram uma coisa legal com Ruty Raquel que vai acabar do nada (e ela muito provevelmente vai terminar a novela com o Jáder, que não tem nada a ver), mas enfim, Letícia merece o final feliz.
Outra coisa, o Tiago parece que é a maçã podre dos machos da novela mesmo pq além do Pedro ter virado um escroto, o Edu, que era um menino legal nem se importou em ficar amigão de Marina, claramente incomodando a irmã que ele diz amar tanto, além de flertar com ela sendo namorado de Xanaia.

Sérgio Santos disse...

Embaixo, Felipe... rs

Sérgio Santos disse...

Mt obrigado, Cezar.

Sérgio Santos disse...

Pena msm, anonimo.

Sérgio Santos disse...

Eles sempre queimam a língua, anonimo...

Sérgio Santos disse...

Pois é, JF...

Sérgio Santos disse...

Bjs, Chica.

Sérgio Santos disse...

Fico feliz, Debora! bjs

Sérgio Santos disse...

Está sim, Pamela...

Sérgio Santos disse...

Tá difícil, Adriana... Beijão e obrigado pelo carinho de sempre.

Sérgio Santos disse...

Se perdeu totalmente, Lulu.

Sérgio Santos disse...

Entendi, Gustavo.

Sérgio Santos disse...

Eu vi mt potencial, Raquel. Com exceção de Tiago/Leticia/Isabela, que sempre foi desenvolvido porcamente, a novela tinha um conjunto mt atrativo e era repleta de acontecimentos. Mas com o tempo foi se perdendo em meio a tantas intervenções e mudanças de rumo. Acabou mutilada e péssima.

Sangue Bom teve o problema com o chato núcleo do Felipinho, mas o restante era excelente. O único erro foi a demora em começar de fato, mas depois que começou ficou excelente até o fim. E discordo de que fez sucesso porque parte amava a Malu. Malu era uma mocinha insuportável a apática. Elae Maurício eram os mais apagados do sexteto. Amora e Fabine sim tinham muito mais repercussão. Bjs

Sérgio Santos disse...

Tb amei Sangue Bom, anonimo.

Sérgio Santos disse...

Rafa, tb achei a saída da Camila desnecessária. Msm grávida ela poderia continuar gravando e ter a gravidez como tema. Inicialmente diziam que ela voltaria sim no final, mas agora, depois de tantas mudanças, nem sei mais...

Sérgio Santos disse...

Bruna, a Mag mandou matar a Carmem pq ela descobriu o caso dela com o Tião...

Sérgio Santos disse...

Obrigados não são não, porlapazyporlavida lc ! Se eles quisessem mesmo manter tudo podiam,mas uma ou outra mexida seria obrigatória. Só que mexeram demais.

Sérgio Santos disse...

Pois é, Vera. Destruiram tudo. Lamentável. bjão

Sérgio Santos disse...

Exatamente isso, Germana. ótimo comentário. E obrigado pelo elogio. bjsss

Sérgio Santos disse...

É triste mesmo, Ricardo.

Sérgio Santos disse...

Precisa observação, anonimo!

Sérgio Santos disse...

Mt obrigado, Jordan!

Sérgio Santos disse...

Sim, F Silva. Tanto que agora só vou escrever sobre a tramada novela quando ela acabar. Não tem mais nada o que escrever. Eeu discordo da questão do clichê pq aquilo era justamente uma proposta para o público cansado das 'inovações'. Mas mexeram demais e destruiram todo o conjunto. E pra nada. Antes tivesse ficado como estava pq a média seria igual e a qualidade ao menos seria bem maior.

Sérgio Santos disse...

Ele achou mesmo, Caroline. E com razão.

Sérgio Santos disse...

Voce todo mundo, Malu. E a novela começou mt bem mesmo, isso ficou nítido. Era atrativa e com bons desdobramentos. Mas tudo foi se perdendo até virar isso aí. Decepcionante. bjssss

Raquel disse...

Sérgio, na boa…

Você e os seus seguidores no twitter podiam até não gostar da Malu e achá-la apática. Até concordo com vc que o Maurício era apagadíssimo (sumiu no meio da novela e sua história era a pior de todas). Mas equacionar o seu gosto pessoal com o resto inteiro do público é um erro. Eu odiava a Amora, mas sempre reconheci que a novela girava em torno dela e parte da repercussão vinha daqueles que a amavam e daqueles que a odiavam. Ou vc não vai nem admitir que ela tinha uma grande rejeição tb?

Mas a prova de que a Malu tinha repercussão, sim, foi que o grande mote do final da novela era de “com que a Malu ia ficar” e não a Amora. O povo só queria que ela se lascasse, tanto que nem um final feliz claro tiveram coragem de dar pra ela, terminando num final aberto enigmático em que ela reecontra o Bento. É claro que isso foi por conta da rejeição que sofria.

Enfim. Você podia até não se importar com a história da Malu, achar a personagem ruim, etc... Mas tinha muita gente que gostava. Não tem nada de mal em reconhecer isso.

Andressa Mattos M. disse...

Raquel, como não teve um final feliz claro? Ela e Bento terminam felizes num lindo recomeço pq eles sempre se amaram de janeiro a janeiro. E é impressionante como vocês, haters da Amora, até hoje não se esquecem da personagem e enfiam ela até num texto sobre A Lei do Amor. Isso é paixão encubada. Sem Amora não existia Sangue Bom. Já sem Malu existia tranquilamente. Perdão.

Anônimo disse...

Andressa 100000000000000 x Raquel 0

Raquel disse...

Andressa, se vc realmente não achou nem um pouquinho “diferente” o final da Amora e do Bento comparado com outros casais de novelas das 19hs, até mesmo da própria Sangue Bom, então realmente não tem o que falar. Eu não disse que foi feio, que foi brega, nem sequer que foi ruim. Eu disse que não foi claro como em geral são os finais de novela: com declarações de amor, beijos, promessas de amor, etc... O final mostrou uma possibilidade de re-encontro e foi só. Já conversei com várias pessoas que gostavam da Amora em outros forums e elas mesmas me disseram que o final foi “aberto” e culparam a vilanização da personagem por parte dos autores no decorrer na novela. Comparemos com o final de outra personagem “dúbia”: Carolina Castillo teve seu final felz ao lado do homem que amava, claramente dizendo e mostrando que eles agora formavam uma família. ISSO SIM é final comum pra novela das 19hs. No mínimo, o final da Amora foi bem incomum.

No mais, eu não consigo entender qual o problema do meu comentário em cima da Amora. Eu ainda falei que grande parte do sucesso da novela se deveu a ela mesmo, seja porque amavam ela ou seja porque odiavam ela. O próprio Gustavo que gostava da Amora concordou comigo. E o comentário só surgiu pq o Sérgio e todo mundo fica falando: ah, Sangue Bom dos mesmos autores foi tão boa, como ALDA pode ser tão ruim?... Bom, eu não achei tão boa assim, assim como A Lei do Amor. Agora repare que eu momento nenhum eu falei mal dos que gostam da Amora, critiquei seus gostos pessoais ou fiz julgamento sobre as suas opiniões. Vc que já veio concluindo que eu era hater da Amora.

Enfim. Sei que pra vc (e para o Sérgio tb), que a Amora era o que tinha de melhor na novela. Mas tinha muita gente que só assistia por causa de Fabine. E muitos outros que assistiam por causa da Malu, que a consideravam a mocinha da história. MAA dizia que os personagens favoritos dela era a Malu e o Bento. A Amora sempre foi a favorita do VV. Qual o problema nisso?

Participava do blog antes de Sangue Bom e parei de comentar quando vi a multidão de críticas a comentaristas que apareciam com uma opinião diferente da: Amora é a melhor personagem do universo. Voltei depois da novela acabar pra comentar sobre outras novelas que vim a acompnhar. Imaginei que depois de quase 4 ANOS! já dava pra dar a minha opinião sincera sobre a novela e a personagem. Pelo jeito estava errada.

Andressa Mattos M. disse...

Raquel, claro que o final foi incomum. Afinal, a Amora não era uma mocinha tonta e politicamente correta que no final sempre se casa na igreja e engravida. Ela foi muito mais do que isso. E Sophie Charlotte deu um show. Ninguém que gostava da Amora queria um final piegas desse, só quem gostava da Malu mesmo e sua tonelada de frases feitas em prol do amor, das flores e da não ambição (ai, que enjoo). E Sangue Bom foi uma novela aclamada pela crítica e teve ótima audiência. Então é claro que a expectativa por A Lei do Amor era ótima. Só quem não gostou de Sangue Bom mesmo era quem queria o final piega de Bento e Malu que jamais ocorreria até porque só sendo muito cego mesmo para achar que um casal que se amava desde a infância e tinha como tema "te amo de janeiro a janeiro até o mundo acabar" não iria ficar junto no fim. E pode falar sua opinião á vontade, mas querer falar de um personagem que você odiava em todo post é meio fixação. Só isso.

Raquel disse...

Andressa, vc tem a sua opinião e eu tenho a minha. Se eu tenho fixação pela Amora pq falei dela em alguns posts relacionados a A Lei do Amor (não é todo post, exagero seu) vc pelo jeito tb tem, pra vir me responder (de forma pouco respeitosa) em um comentário que eu fiz pro Sérgio sobre uma novela de quatro anos atrás. Pra que isso?

Aliás, vc continua assumindo coisas sobre mim, só pq a minha opinião sobre a personagem e Sangue Bom não são as mesmas que as suas. Realmente muita gente gostou da novela, e a crítica tb elogiou. Mas se eu for escrever aqui todos as coisas que não gostei em SB, ia acabar fazendo um post maior do que os do Sérgio, o que não cabe, pq o blog é dele. Já conversei com muita gente que gostou de Sangue Bom por causa de Fabine, já conversei com gente que não gostou da novela pq acharam que Amora foi vilanizada, já conversei com gente que não gostava dos núcleos cômicos da novela. Desmerecer a opinião dos outros não é legal. E Sangue Bom nunca foi uma unanimidade, nada é. A média final de audiência foi 25, maior que a novela anterior e as duas seguintes, mas menor que Cheias de Charme, Alto Astral, Totalmente Demais e Haja Coração (todas batendo os 30 pontos). Guerra dos Sexos foi considerada um fracasso com 23 pontos. Então, o sucesso de audiência tb foi moderado.

O Stycer achou Velho Chico o máximo. Escreveu vários posts elogiando a novela, a originalidade, tudo. O Sérgio parece não ter gostado muito. Isso quer dizer que um dos dois está certo ou errado? Não, são opiniões diferente apenas. É normal.

O fato de ainda haverem discussões sobre isso mostra realmente que a personagem foi marcante pra muita gente. O que não é pouco, devo admitir. Isso corrobora grandemente com a minha tese de que grande parte da repercussão da novela se deveu à Amora, uma personagem carismática que despertou paixões (pro bem e pro mal), assim como Fabine e outros. E é justamente o que falta em ALDA. Sempre foi esse o ponto do meu comentário original. Em termos de qualidade da trama, SB e ALDA me parecem similares (tirando os ajustes pra aumentar a audência, claro).

Obrigada pela discussão. Passar bem. :)

Raquel disse...

Errata: a média de Alto Astral foi 22 pontos; foi considerada de razoável sucesso pq levantou as audiencias anteriores de 20 e 19 pontos. O último capítulo que teve audiencia de 30. Totalmente Demais e Haja Coração tiveram ambas 27 de média, com 37 e 31.1 nos últimos capítulos. Só Cheias de Charme que bateu os 30 na média mesmo. Sangue Bom teve 25 de média com 28 no último capítulo.

Fica na interpretação de cada um se teve ótima audiência ou não. Na minha opinião, SB apenas não decepcionou, dado que a meta era 30 naquela época. Olhe as médias das novelas das 19 aqui:

https://audienciadatvmix.wordpress.com/audiencia-de-novelas/novelas-finalizadas/novelas-da-globo/novelas-das-19h00/