quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Dominada por flashbacks, "Cidade dos Homens" não deveria ter voltado

"Cidade dos Homens" ficou no ar entre outubro de 2002 e dezembro de 2005. Foi uma coprodução bem-sucedida da Globo com a O2 Filmes e fez sucesso. Agora, a série voltou ao ar em quatro episódios (de 17/01 a 20/01), doze anos depois. Escrita por George Moura (responsável pelas primorosas "O Canto da Sereia", "Amores Roubados" e "O Rebu") e Daniel Adjafre --- dirigida por Pedro Morelli ---, a trama retorna mostrando os protagonistas mais maduros e com filhos.


Acerola (Douglas Silva) e Laranjinha (Darlan Cunha) mantêm o forte laço de amizade e agora são pais de dois garotinhos: Clayton (Carlos Eduardo Jay) e Davi (Luan Pessoa). As crianças representam uma espécie de substituição, como se assumissem a posição de futuros protagonistas da trama. Os meninos, por sinal, esbanjam carisma e têm a mesma sintonia que os atores agora mais experientes tiveram entre 2002 e 2005.

O enredo que envolve o quarteto é um típico dramalhão. Davi, filho de Laranjinha, tem um problema grave no coração e o rapaz descobre que a sua avó morreu da mesma doença. O menino precisa de uma cirurgia, mas o pai não tem dinheiro para pagar um hospital particular e depender da saúde pública é assinar o atestado de óbito da criança.
Já Clayton, filho de Acerola, roubou dinheiro de um traficante e ainda levou uma arma para casa. Laranjinha quer aproveitar a oportunidade para usar a quantia no tratamento do filho, mas Acerola não aceita e acaba ameaçado pelo melhor amigo, que aponta uma arma para sua cabeça.

Entretanto, tudo isso só ocorre no último episódio. Os outros três se baseiam em flashbacks da temporada de doze anos atrás, chegando até a reprisar tramas quase inteiras. Os personagens da 'nova jornada' só aparecem no início e no final dos episódios. A estreia, por exemplo, relembrou como Acerola descobriu que seria pai, após ter transado com a namorada sem camisinha, para o desespero da família. Os quatro capítulos somados têm 128 minutos e só há 52 minutos de cenas inéditas. Ou seja, é muita reprise e pouca história.

Usar algumas imagens da época que a série fazia sucesso na Globo é mais do que válida, até para o público fazer a comparação de como os protagonistas eram e de como estão. Porém, exageraram na dose e utilizaram os flashbacks como 'muletas' para a sustentação de quatro episódios. Fica claro que a história poderia ter sido desenvolvida em apenas um capítulo, como de fato aconteceu, no último. Portanto, era bem melhor ter produzido o retorno do seriado como um especial de cerca de uma hora e vinte, ao invés de transformar em microssérie de quatro dias. Nem tinha enredo para isso. Acabou virando um "Vale A Pena Ver De Novo" exibido à noite.

"Cidade dos Homens" foi uma produção que alcançou um incontestável sucesso, deixando Darlan Cunha e Douglas Silva conhecidos nacionalmente (até hoje Laranjinha e Acerola são lembrados pelo público). A série merecia ter voltado de uma forma melhor. Infelizmente, a nova história ficou em segundo plano e o excesso de flashbacks prejudicou o conjunto dessa nova e curta temporada. Era melhor não ter retornado.

20 comentários:

Vivian disse...

Eu desisti ontem. Vi o primeiro e foi tudo flahsback e o segundo foi a mesma coisa. Cansei.

Anônimo disse...

Achei essa série insuportável na época. Não entendi essa volta.

Murilo disse...

Ainda bem que o Manoel Carlos desistiu de fazer uma continuação de Presença de Anita, não é?

Flávia disse...

George Moura é outro dos seus autores favoritos e vc criticou. Cadê os seus haters agora, Sérgio???? kkkkkkkk

Pamela Sensato disse...

Não entendi também o porque da volta, enfim enfiaram o pé na jaca!

Beijinhos ❥
*Blog Resenhas da Pam*

Fernando Original disse...

Cri-criticos de dramaturgia precisam aprender a ler: leia os sites das novelas e das emissoras, é muito importante para argumentar, pois crítica também é argumento! Acesse o GSHOW e entenda o motivo da narrativa ser assim, "Dominada por flashbacks".

Anônimo disse...

Pena que tenha gente que não saiba discordar e parta pra falta de educação. Será que existe alguém que discorde e seja educado? Na internet nunca vi. São todos que nem esse idiota desse Fernando acima.

Lucas disse...

Sorte que existe tv a cabo, pq a aberta está cada vez mais M***A.

Sérgio Santos disse...

Pois é, Vivian.

Sérgio Santos disse...

Poderia ter sido um episódio maior ao invés de 4 com flashbacks o tempo todo.

Sérgio Santos disse...

Não teria sentido isso, Murilo. Anita morreu.

Sérgio Santos disse...

Estão caladinhos, Flávia. rsrs

Sérgio Santos disse...

Não deu pra entender, Pamela.

Sérgio Santos disse...

E vc precisa aprender a ser mais educado na hora de discordar, Fernando. Aliás, vc nem era assim. O que te deu??? E o fato de terem explicado não atenua em nada o completo erro que foi. Pra ver reprise que passasse no Vale a Pena Ver de Novo, desculpa.

Sérgio Santos disse...

Uma pena, anonimo...

Sérgio Santos disse...

Não é pra tanto, Lucas.

Maria Isabel disse...

A globo ta querendo mais temporada viu ze povinho

Maria Isabel disse...

A globo ta querendo mais temporada viu ze povinho

Fernando Original disse...

Sérgio desculpe, mas não fui mal educado. Meu comentário não há uma vírgula ou palavra que vc possa dizer que eu fui mal educado contigo. Alias, estupido e grosseiro foi o anônimo que comentou em 20 de janeiro de 2017 às 18:26 me chamando de idiota. Peço-lhe desculpa, mas seu blog é aberto, os comentários são moderados, eu leio e não deixarei de concordar ou discordar!

Sérgio Santos disse...

Pode concordar ou discordar à vontade, Fernando. O espaço é aberto a isso mesmo. Mas ao me classificar como "cri-critico que não lê" vc tentou me desqualificar. Mas tudo bem.