sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Destaque de "Dois Irmãos", Antônio Fagundes se "especializou" em cenas emocionantes com seus filhos na ficção

"Dois Irmãos" chega ao fim nesta sexta-feira (20/01) e um dos acertos da minissérie baseada no romance homônimo de Milton Hatoum foi o elenco escalado. Um dos grandes destaques da trama de Maria Camargo, dirigida por Luiz Fernando Carvalho, foi Antônio Fagundes interpretando o libanês Halim. O personagem já entrou para a lista dos melhores de sua carreira e ainda proporcionou para o ator uma cena, entre tantas brilhantes, emocionante ao lado de Cauã Reymond (Yaqub/Omar).


Halim, corroído pelo remorso por ter mandando Yaqub para uma aldeia no Sul, abraçou o filho pela primeira vez (enquanto se despedia do rapaz, que mais uma vez ia embora de Manaus), deixando suas lágrimas escorrerem, e fazendo questão de dizer que aquela também era a casa dele. A cena foi curta. Durou menos de 40 segundos. Ainda assim, o sentimento daquele pai arrependido pôde ser observado com nitidez graças ao talento de Fagundes, assim como a tentativa de controle da emoção de Yaqub, que interrompeu o longo abraço. Cauã também merece elogios.

Porém, essa não foi a primeira vez que Antônio Fagundes protagonizou uma sequência assim. Ele já virou um expert em momentos de pura emoção ao lado de seus filhos da ficção. A cena de "Dois Irmãos" foi a quarta do intérprete vivenciando situações parecidas, guardadas as devidas proporções, obviamente ---- afinal, cada trama tem as suas particularidades.
Além da minissérie, "Renascer", "Amor à Vida" e "Velho Chico" presentearam o ator e o público com cenas repletas de emoção e sensibilidade.

Após praticamente uma vida inteira de rivalidade, incluindo a disputa pela mesma mulher, José Inocêncio (Fagundes) e o filho João Inocêncio (Marcos Palmeira) se reconciliaram no último capítulo de "Renascer" (1993), novela de Benedito Ruy Barbosa. O pai pediu perdão em seu leito de morte e os dois deram um forte abraço, enquanto o poderoso fazendeiro segurava um pedaço da espada que o filho havia lhe dado, parecendo um crucifixo. Foi a despedida doída de suas pessoas machucadas em virtude de um longo período de mágoas guardadas. Zé Inocêncio faleceu nos braços do filho, com lágrimas nos olhos. A cena foi emocionante e até hoje é lembrada.


Já o momento protagonizado pelo ator em "Amor à Vida" (2013) foi a cena mais tocante da novela e entrou para a história da teledramaturgia. Foram 220 capítulos com César vomitando ódio em cima de Félix, destilando muitas vezes comentários homofóbicos. O filho não era santo, vale lembrar, e em várias discussões não tinha razão. Entretanto, a vilania do melhor personagem da carreira de Mateus Solano se dava justamente por conta da rejeição do pai e da inveja que sempre sentiu do carinho que a irmã Paloma (Paolla Oliveira) recebia dele. Na última cena da trama de Walcyr Carrasco, pai e filho se reconciliaram diante de um lindo pôr do sol e Félix finalmente ouviu César dizer que o amava, o chamando de 'meu filho'. A sequência foi primorosa e de uma delicadeza imensa, honrando os 48 pontos de audiência.


Ano passado, Fagundes protagonizou a terceira cena tocante ao lado de um filho na ficção e também no último capítulo. O sensível momento em que Afrânio fez as pazes com Martim (Lee Taylor), em uma mistura de sonho e alucinação, primou pela poesia. O abraço do pai que tanto renegou aquele filho, pedindo perdão por tudo o que havia feito, foi lindo e emocionou o telespectador. O ator mais uma vez expôs o seu conhecido talento e ao lado do colega Lee, uma grata revelação do folhetim de Benedito Ruy Barbosa e Bruno Luperi. Foi uma das muitas cenas delicadas da reta final da trama.


Antônio Fagundes é um dos melhores e mais respeitados atores brasileiros. Além de inúmeros bons trabalhos no cinema, no teatro e na televisão, o intérprete acabou adquirindo essa curiosa 'experiência' de vivenciar grandes emoções ao lado de talentosos colegas que interpretaram seus filhos no universo ficcional. O caso de "Dois Irmãos" acaba de entrar para essa seleta galeria de grandiosas cenas do talentoso ator, o que não deixa de ser uma curiosidade e uma coincidência bastante interessantes.

18 comentários:

Décio Lucas Pereira Rodrigues disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Décio Lucas Pereira Rodrigues disse...

Mais um ótimo texto, Sérgio. Antônio Fagundes é um grande ator e se destacou em todas essas produções. Essas cenas ao lado dos filhos dele na ficção foram emocionantes e a de Dois Irmãos comprovou essa especialidade de Fagundes em protagonizar essas cenas ao lado dos filhos.

Parabéns pela análise! Um grande abraço!

Anônimo disse...

ADOREI O TEXTOOOOOOOO!!!!!!!!!!!!!!!!

Caio disse...

A de Amor à Vida foi a melhor!

Anônimo disse...

Nossa, nem tinha parado pra refletir sobre isso! É verdade!

✿ chica disse...

Fagundes é o máximo,adoro os trabalhos dele! abraços praianos,chica e um lindo fds!

Anônimo disse...

Fagundes derrapou em Velho Chico, mas sempre foi um grande ator. Adorei a postagem.

JF disse...

Acrescento mais duas cenas lindas do Fagundes com filhos da ficção:

Em Por Amor, a emoção de Atílio ao descobrir que é pai de Léo(Murilo Benício), e quando este lhe diz, no último capítulo, que ele será avô.

Em Terra Nostra, quando Gumercindo faz o parto da esposa, Maria do Socorro(Débora Duarte), e a ajuda a trazer ao mundo seu primeiro filho homem.

Foram cenas maravilhosas também!

JF disse...

Ah, esqueci de citar outra cena semelhante protagonizada por ele em Por Amor. A mais importante: Quando o Atílio, depois de saber que seu filho com Helena(Regina Duarte) está vivo, vai ao apartamento de Eduarda(Gabriela Duarte) e pega o pequeno Marcelinho no colo pela primeira vez. Uma das cenas mais bonitas do final dessa novela maravilhosa! E dizem que Fagundes chegou a se queixar do personagem na época... mas acho que ele não tinha do que reclamar, pois também teve grandes momentos, como a cena citada.

Sérgio Santos disse...

Mt obrigado, Décio! Abração!

Sérgio Santos disse...

Que bom, anonimo!

Sérgio Santos disse...

Tb achei, Caio!

Sérgio Santos disse...

Não é, anonimo?! Só cena boa.

Sérgio Santos disse...

Ele é ótimo mesmo, Chica. bjs

Sérgio Santos disse...

Mt obrigado, anonimo.

Sérgio Santos disse...

JF, excelentes complementos. É verdade, essas cenas foram lindíssimas também e lembro bem. Ele não tinha motivo algum pra reclamar do Atílio, foi um grande personagem.

Izabel Ramos disse...

Protagonizada por Antônio Fagundes, o melhor ator em cena, e bem explorada por Eliane Giardini, que brilha em cenas mais dramáticas, a cena anuncia a decadência da família a partir da morte de seu patriarca, que passou a noite de natal fora porque não conseguia sequer suportar a voz do próprio filho.

Sérgio Santos disse...

Perfeito, Izabel.