sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Gabriella Mustafá, Juliana Paes e Eliane Giardini fizeram jus ao destaque de Zana em "Dois Irmãos"

"Dois Irmãos" vem se mostrando uma minissérie caprichada, repleta de cenas que exigem muito do elenco. A seleção de atores, por sinal, foi muito bem realizada. Luiz Fernando Carvalho foi preciso na escolha dos nomes e também na preocupação com a semelhança física de vários intérpretes em virtude das mudanças de fase (são três no total). E um dos maiores êxitos da produção foi o trio de atrizes interpretando a emocional Zana.


Gabriella Mustafá, Juliana Paes e Eliane Giardini honraram a importância dessa personagem do romance homônimo de Milton Hatoum. Cada uma pôde brilhar na sua fase correspondente e a precisão da caracterização deixou tudo ainda mais crível. As três realmente pareciam a mesma pessoa em épocas distintas. E ainda conseguiram passar toda a transformação emocional da mulher que sonhava em formar uma família, mas tropeçou miseravelmente na missão de ser uma boa mãe para seus três filhos.

A novata Gabriella participou somente do primeiro capítulo, o mais arrastado da minissérie, e se mostrou uma grata revelação. Apesar da sua curta participação, a atriz teve uma ótima química com Bruno Anacleto (Halim jovem) e soube transmitir o ar enigmático que cercava aquela menina sensual e de olhar sedutor.
Embora não tenha interpretado cenas muito dramáticas, seu desempenho mereceu elogios. A sua primeira aparição na televisão foi promissora e a intérprete passou com competência o bastão para a colega Juliana.


Juliana Paes interpretou Zana na segunda fase, que durou dois capítulos e meio. Teoricamente, uma participação curta. Porém, pareceu bem mais duradoura em virtude das várias sequências extremamente fortes vividas pela atriz, que se entregou por completo. O período mais passional da personagem que idolatra o filho Omar (Matheus Abreu), deixando de lado o gêmeo Yaqub e a filha Rânia (Letícia Almeida), proporcionou para a intérprete uma sucessão de cenas dramáticas dificílimas. Não houve um momento sequer de leveza da esposa de Halim (Antônio Calloni). Os olhos marejados de Zana foram uma constante. As lágrimas surgiam durante todo o tempo, alternando instantes de superproteção daquela mãe com situações de puro desespero em virtude das inconsequências de Omar, implicando em fortes embates com o marido.

Não é exagero constatar que foi um dos melhores momentos de Juliana Paes na televisão. Após um brilhante desempenho em "Totalmente Demais", onde interpretou a complexa Carolina Castilho, a intérprete pôde mostrar novamente o quanto se firmou como atriz ---- porém, vale lembrar que minissérie foi gravada em fins de 2014, início de 2015. Zana teve todas as suas camadas e passionalidades muito bem exploradas, evidenciando o talento da profissional, que repetiu a boa parceria com Luiz Fernando Carvalho depois do remake de "Meu Pedacinho de Chão", quando se destacou na pele da afetada Catarina. As suas cenas com Matheus Abreu e Antônio Calloni foram de uma entrega visceral.


Já Eliane Giardini é a grande estrela do restante da minissérie, ficando responsável pela personagem da metade do quarto capítulo em diante. O público pôde acompanhar a atriz em um grande momento na pele da corajosa Anastácia em "Êta Mundo Bom!" e agora ganhou o privilégio de vê-la interpretar com extremo brilhantismo um dos melhores tipos de "Dois Irmãos". O trabalho de Luiz Fernando Carvalho com o elenco foi tão primoroso que é claramente perceptível a postura e as expressões de Juliana Paes na atuação de Eliane. A veterana conseguiu manter a composição da colega, imprimindo ainda a sua identidade ao papel. Afinal, a mãe obcecada por Omar ganhou uma 'casca' mais forte na terceira fase, em virtude de tantos sofrimentos passados ao longo dos anos, embora a sua passionalidade continue ali.

As cenas de Eliane Giardini com Antônio Fagundes mantêm a química vista entre Gabriella Mustafá e Bruno Anacleto na primeira fase, e Juliana Paes e Antônio Calloni na segunda. O fogo do casal segue aceso, assim como os fortes embates por causa dos gêmeos. E a atriz tem protagonizado ótimos momentos ao lado de Cauã Reymond, agora interpretando Omar e Yaqub. Eliane sempre foi uma intérprete dramática competente e vivendo Zana pode explorar todas as suas facetas emocionais com facilidade. Dá gosto de vê-la em cena e não é precipitado enfatizar o merecimento nas futuras premiações de Melhor Atriz de Série. Ela e Juliana merecem demais os troféus. Resta torcer para não serem esquecidas, como foram Patrícia Pillar e Marjorie Estiano em "Ligações Perigosas" ano passado.


"Dois Irmãos" é uma minissérie que faz jus ao elogios recebidos desde a estreia e um dos maiores acertos da produção foi a escalação de Gabriella Mustafá, Juliana Paes e Eliane Giardini para a interpretação de Zana. A personagem controversa e assustadoramente passional ganhou três atrizes talentosas, que honraram a riqueza desse papel tão complicado dramaticamente.

22 comentários:

Bruna disse...

Que texto maravilhoso!!!!!!!! Juliana e Eliane estão sublimes mesmo!!!!!

Anônimo disse...

Onde eu assino?

Hector disse...

Juliana esteve fenomenal e agora a Eliane está fantástica. A Gabriela foi uma grata surpresa. Concordo com todo o texto.

✿ chica disse...

Como estou em férias, não assisti ainda, mas aqui contigo, me "enfronhei"...abraços praianos,chica

Vanessa disse...

Que maravilhosa surpresa esse texto. Adorei a Gabriella e sempre amei Juliana e Eliane. A entrega delas é impressionante mesmo!

Zyon disse...

Juliana Paes e Eliane Giardini parecem a mesma pessoa. Que trabalho preciso do diretor e da caracterização!

Lulu on the sky disse...

Gosto das atrizes mas não acompanho a série.
Big Beijos
Lulu on the Sky

Anônimo disse...

Adoro as três.

Elaine disse...

Que show a Eliane vem dando agora. E Juliana esteve maravilhosa também!

Débora disse...

E Eliane foi escalada pelo Walcyr pra novela das nove dele. Adorei saber porque Anastácia foi uma das melhores personagens de A Lei do Amor.

Sérgio Santos disse...

Mt obrigado, Bruna!

Sérgio Santos disse...

Embaixo, anonimo... rs

Sérgio Santos disse...

Obrigado, Hector.

Sérgio Santos disse...

Sem problemas, Chica. Bom descanso!

Sérgio Santos disse...

Fico feliz que tenha gostado, Vanessa. É um trio de talento mesmo. bjssss

Sérgio Santos disse...

Foi um trabalho conjunto mesmo, Zyon!

Sérgio Santos disse...

Ok, Lulu.

Sérgio Santos disse...

Idem, anonimo.

Sérgio Santos disse...

Verdade, Elaine.

Sérgio Santos disse...

Eu li, Débora. Adorei saber e tomara que seja um papel tão bom quanto foi a Anastácia.

Sérgio Santos disse...

Ah, Débora, e Anastácia foi de Êta mundo Bom!. rs bjsss

Sérgio Santos disse...

Aliás, Zyon, boa menção ao processo de caracterização.