terça-feira, 19 de junho de 2012

Estreia de Gabriela apresenta mais qualidades que defeitos

Estreou, nesta segunda-feira (18/06), a nova novela das onze da Rede Globo: "Gabriela". Ao contrário do que aconteceu ano passado em "O Astro", a novela não é um remake da trama exibida em  1975 (adaptada pelo já falecido Walter George Durst) e sim uma adaptação do livro de Jorge Amado (Gabriela Cravo e Canela). Walcyr Carrasco (autor responsável por esta missão) mostrou que terá competência para apresentar essa nova versão para o público e a estreia teve mais acertos que erros.


A história começou a ser contada em 1895, em Mata do Siqueíro Grande, Bahia. Logo no início, o temido Coronel Ramiro Bastos (Antonio Fagundes) inicia um confronto para tomar as terras de um pequeno fazendeiro (vivido por ZeCarlos Machado). Foram cenas bem produzidas e com muitos tiros, facadas, enfim, quase um faroeste. Após o triunfo de Ramiro, há uma passagem de tempo, e a partir desse ponto se inicia a trama, em Ilheus, 1925.

A fotografia impressiona e fica claro o quanto que os responsáveis foram primorosos na parte técnica da obra. Os cenários e a cidade cenográfica estão maravilhosos, o que não é nenhuma
surpresa em se tratando de uma produção da Globo. Outro acerto foi a abertura: primorosa e linda, de um bom gosto e tanto. Também é necessário ressaltar o quanto que foram felizes em não alterar a trilha sonora, mantendo as músicas da versão de 1975.

Juliana Paes teve um desempenho convincente e não fez feio. A atriz precisou se concentrar somente nas expressões da personagem, uma vez que mal abriu a boca no primeiro capítulo. Pecou nos excessos de sorrisos maliciosos, mas não merece muito mais críticas. E Juliana sabe que está com uma grande responsabilidade em mãos, pois Sônia Braga continua no imaginário de todos os telespectadores, incluindo os que ainda não eram nascidos na época em que a trama foi exibida.

O Bataclã, um cabaré que se mostrou luxuoso demais para os padrões da época, provou que se destacará bastante ao longo da história. As prostitutas comandadas por Maria Machadão terão muita 'interação' com vários personagens da trama e as atrizes têm tudo para se destacar. Porém, ficou claro o grande equívoco que foi a escalação de Ivete Sangallo para o papel central do núcleo. Uma cantora que pouco atuou na vida não poderia ganhar um tipo tão importante. Estava forçada e não convenceu. Pena que Mauro Mendonça Filho e Roberto Thalma (diretores) tenham imposto (segundo vários colunistas) a cantora para o papel, o que  acabou fazendo com que Walcyr Carrasco desistisse de Elizabeth Savalla para viver Maria Machadão.

Os sotaques estavam um pouco exagerados, mas é normal haja esta certa rejeição no começo; posteriormente o público vai se acostumando. Entretanto, alguns atores ultrapassaram até mesmo os limites do aceitável: Maitê Proença, Ivete Sangallo e Marcelo Serrado se encaixam nesse quesito. Humberto Martins também precisa melhorar a pronúncia. Espera-se que com o tempo, acertem e amenizem um pouco esse exagero. Mas, a grande maioria do elenco merece elogios. Será ótimo ver Laura Cardoso, Vera Zimmermann, Neusa Maria Faro, José Rubens Chachá, Chico Diaz, Genézio de Barros, Antônio Fagundes, Bete Mendes, José Wilker, Frank Menezes e tantos outros atores talentosos neste time.

A nova adaptação de "Gabriela" pareceu promissora e tem tudo para agradar. Walcyr Carrasco é um autor que sabe como poucos escrever tramas de época --- "Xica da Silva", "A Padroeira", "Chocolate com Pimenta" e "Alma Gêmea" estão aí para provar --- e tem uma das obras mais famosas de Jorge Amado em mãos. A boa audiência da estreia (30 pontos com picos de 35) é animadora e mostra que os telespectadores estão entusiasmados com a nova trama. Cabe ao autor e elenco manterem esse interesse do público até o último capítulo.

36 comentários:

Thallys Bruno Almeida disse...

A estreia, numa visão geral, está aprovada. Mas uma coisa me desapontou um pouco: a duração. O capítulo foi ótimo, mas se em vez da Tela Quente fizessem um capítulo de uma hora e meia pra depois emendarem no Jornal da Globo, a impressão poderia ser ainda melhor.

Sobre Ivete Sangalo: em matéria de atuação, ela interpretou a si mesma e concordo que foi um ponto negativo, mas eu não a "condenaria" de forma tão rigorosa (do tipo "foi ruim e não tem jeito") logo no primeiro capítulo. Prefiro esperar mais um pouco pra ter uma melhor opinião sobre ela, assim como Serrado e Maitê.

Juliana agradou e a caracterização impressionou. Mas ainda acredito que amanhã começarão suas grandes oportunidades de se destacar. Acredito no sucesso dela nesse papel. Os atores do penúltimo parágrafo foram mesmo os grandes destaques, especialmente Laura, Fagundes, Neusa Maria e José Wilker.

O trabalho de direção de fotografia e as locações impressionaram, especialmente no tiroteio inicial e na migração de Gabriela para a Ilhéus dos anos 20.

Walcyr é mestre nas tramas de época e acredito que em Gabriela não será diferente. Espero que a boa impressão se mantenha (se possível, se amplie) nos próximos. Grande abraço!

Clau disse...

Oi Sérgio,bom dia :)
Que ótimo que 'Gabriela' teve mais qualidades que defeitos e também atingiu uma boa audiência.
Põxa vida,Walcyr Carrasco desistiu de Elizabeth Savalla,e a trocou por Ivete Sangalo????
Essa eu não sabia.
Ivete na minha opinião é uma atriz muito fraquinha.
Como sempre,adorei o post.
Bjs!

Elvira Akchourin do Nascimento disse...

Boa crítica, Sérgio. A massiva divulgação e a qualidade do capítulo inicial justificaram a boa audiência.
Como pontos positivos, cito a abertura e a trilha sonora, além das cenas dos retirantes da seca, do encontro de Nacib e Gabriela no Mercado de Retirantes e do Bataclã.
Como ponto negativo, as sequências do ataque do coronel Ramiro Bastos e jagunços, porque pareceram um faroeste caboclo.
Antônio Fagundes convenceu, Ivete Sangalo esteve mediana. Prefiro esperar um pouco mais para uma análise mais detalhada.

Adriana Helena disse...

Olá Sérgio, bom dia meu amigo!!
Ah, eu precisava vir aqui ler tudinho o que você escreveu sobre a grande estreia e tenho que concordar com tudo, você é muito perspicaz na análise!
Amei a abertura, foi a melhor da noite, bem como a interpretação dos super atores consagrados.
Quanto à Ivete, assim que vi as chamada para a novela não estava entendendo nada: afinal o que uma cantora de de tanto sucesso estaria fazendo como atriz em um papel tão importante? Bem, vamos esperar o desenrolar dos acontecimentos para ver o que acontece não é mesmo? Mas eu gostei bastante!!!

Um abração e uma semana maravilhosa!!!

Vera Lúcia disse...

Oi Sérgio,

Creio que a troca de Elizabeth Savalla por Ivete Sangallo não foi lá muito acertada, mas a vida nos bastidores das novelas também é complicada. Acredito que a Ivete poderá surpreender no decorrer da trama.

Muito bem colocadas as suas observações.

Ótimo dia!

Abraço.

Anônimo disse...

Não gostei do primeiro capitulo, as apresentações de personagens não foram boas, não aconteceu nenhuma grande cena. Parecia até uma novela do Maneco, pois estava com uma narrativa absolutamente lenta.

Marcia Pimentel disse...

Olá Sergio,

Eu adoreiiii a estreia de Gabriela. Para mim todos os atores foram perfeitos em suas apresentações, principalmete a Juliana Paes, foi perfeita em Gabriela. É uma pena que a novela passe muito tarde, quando der eu vou ver.

bjs.

http://marcia-pimentel.blogspot.com.br/2012/06/novidades-de-ultima-hora.html

Paty Michele disse...

Ah, eu gostei muito. Principalmente pq na primeira versão Gabriela levou semanas para chegar a Ilhéus. Ontem foi rapidinho. rsrrs
E os sotaques de "baiano da Globo" nunca são bons. Até Ivete, legítima baiana, mudou o jeito de falar. POR QUE?

Bjo, Sérgio, vamos acompanhar!

Dandara Blue disse...

Sérgio,
Excelente crítica,mais uma vez,parabéns!
Gostei demais do que assisti e entre pequenos tropeços e grandes passos, acho que a novela chegou lá.
O que menos gostei,pelo menos no primeiro capítulo, foi Marcelo Serrado,muito caricato.Acho que vamos ter muito o que comentar nos próximos meses e espero estar sempre por aqui,para dividir estas impressões com você.Beijo,Dandara

Sérgio Santos disse...

Oi, Thallys. A duração poderia ter sido maior na estreia mesmo. A nova adaptação tem tudo para fazer sucesso. Qualidade há de sobra. E você acertou, no segundo capítulo a Juliana se destacou bem mais! O elenco está muito bem escalado, salvo algumas exceções. Não gostei da Ivete e acho lamentável o que houve com a Elizabeth Savalla. Abração e obrigado pelo comentário.

Sérgio Santos disse...

Oi, Clau, boa noite! Na verdade não foi o Walcyr. O autor queria a própria Elizaebth Savalla para interpretar a Maria Machadão, mas os diretores da trama (Mauro Mendonça Filho e Roberto Thalma) impuseram a presença da Ivete. O que foi um grande equívoco. Beijos!

Sérgio Santos disse...

Elvira, obrigado! Os pontos positivos citados por você foram incontestáveis. Eu gostei da guerrilha inicial. O elenco está bem escalado, embora a Ivete tenha sido o maior erro de todos. A divulgação da trama foi intensa mesmo. Beijos e obrigado pelo comentário.

Sérgio Santos disse...

Oi, Adriana. Obrigado pelo carinho de sempre. Pois é, a estreia acabou tendo bem mais acerto que erros. A abertura é lindíssima. Impressiona. Acho que ninguém entendeu a escalação da Ivete. Se a queriam que a escolhessem para um papel bem menor, mas não esse. Enfim, vamos esperar mesmo. Beijão e boa semana pra você também.

Sérgio Santos disse...

Oi, Vera, não foi nada acertada mesmo e foi o maior erro da novela até então. No mais, não há muito o que se criticar. O segundo capítulo foi melhor que o primeiro. Beijos!

Sérgio Santos disse...

Oi, "Anônimo", obrigado pelo comentário. Na verdade essa história é bem lenta e arrastada, não há muito o que fazer para alterar isso sem modificar a obra original. Aliás, essa nova adaptação acabará sendo mais rápida, pois há menos capítulos para serem exibidos. Abração.

Sérgio Santos disse...

Oi, Marcia. Também gostei. Acho que a Globo deveria exibir "Gabriela" logo depois de "Avenida Brasil" e deixar de ter capítulos às quartas-feiras e colocá-los na segunda-feira, mas infelizmente isso não ocorrerá. Beijos e obrigado pelo comentário.

Sérgio Santos disse...

Oi, Paty. Agora teremos acontecimentos mais rápidos por causa da curta exibição. Serão 68 capítulos se não me engano. A estreia foi muito bacana. Também achei forçado aquele sotaque da Ivete, além da sua artificialidade cênica. Beijos! ;)

Sérgio Santos disse...

Oi, Dandara, obrigado pelo comentário. Acho que no saldo final ficou uma boa impressão, ao menos por enquanto. Também achei o Serrado exagerado e espero que ele acerte o tom o mais rápido possível. Beijos!

Regina Rozenbaum disse...

Ei Sérgio!
Minuciosa análise que me fez prestar atenção em detalhes passados desapercebidos. Sabe com o que fico chateada? O horário. É que temo acontecer como foi com o Astro: começo a assistir (faço esforço)e rapidim meu amante me chama. Morfeu não dá trégua para essa trabalhadora! Assim vou perdendo os capítulos...fazer o quê?!
Beijuuss e obrigada por sua visita que sempre gosto.

Bia Jubiart disse...

Bom dia Sérgio!

Realmente produção de primeira! Juliana está linda! Porém acho que atualmente já temos mulatas/negras belíssimas que poderiam fazer a Gabriela original do livro do Jorge Amada, ela nunca foi morena, na época da Sônia Braga tudo bem, mas atualmente não justifica...

Seja sempre bem vindo na Jubiart!

Beijooooooooo

Felisberto Junior disse...

Olá!Boa tarde!
Bela crítica...
...penso que a Juliana Paes tem tudo para responder as expectativas e repetir o sucesso de Sônia Braga na década de 70...apareceu pouco neste primeiro... as atenções pareceram estar voltadas para o bordel...
Eu penso que a Ivete, perdeu o tom, porque ficou no meio entre ELA cantora e ELA atriz...vamos aguardar..
Não gostei da Maitê e nem do Humberto Martins...nunca me convenceram...
Gostei da trilha sonora original com novos arranjos e abertura de Hans Donner e a fotografia impecável...além da Laura Cardoso ...minha atriz favorita!
Obrigado pelo carinho da visita!
Boa quarta!
Abraços

Bia Hain disse...

Oi, Sérgio, eu achei bem interessante a estréia de Gabriela, o contexto do ambiente muito bem elaborado, e acho que escolheram bem a Juliana Paes para o papel. Uma pena que é tarde, não poderei acompanhar assiduamente, mas vou assistir quando der, com certeza. Um abraço!

Jeanne Geyer disse...

não vou poder assistir pelo horário, e também porque gosto muito de novelas bem urbanas.
bjs

Van disse...

Oi Sergio

Que análise mais completa, quase pude "visualizar" o capítulo. Deu uma vontade assistir, para ver os acertos e os erros que você cita.

Menino você é um gênio!

Beijos

Fabio Dias disse...

Achei ruim o primeiro capítulo, o segundo melhorou!
Torço pelo sucesso!

ótima análise!

Fabio
www.ocabidefala.com

Sérgio Santos disse...

Oi, Regina. Obrigado pelo comentário. O horário não é dos melhores mesmo e seria ideal que entrasse no ar logo depois de "Avenida Brasil". Mas a trama está muito boa. Beijos.

Sérgio Santos disse...

Oi, Bia, obrigado pelo comentário. Não gostei da escalação da Juliana mas por causa da idade mesmo e não por causa de ser negra ou não; porém, estou gostando da atuação dela. Está muito bem. Preferia Vanessa Giácomo no papel de "Gabriela". Beijos e obrigado pelo comentário.

Sérgio Santos disse...

Oi, Feliberto, obrigado pelo comentário. Também acho que a Juliana fará sucesso. A abertura está lindíssima e sou fã da Laura Cardoso. A Ivete não me convenceu e sua escalação foi um equívoco. Abração!

Sérgio Santos disse...

Oi, Bia, obrigado pelo comentário. A Juliana tem convencido e não duvido de seu sucesso. O horário acaba impedindo que muitos acompanhem a trama assiduamente, o que é uma pena. Beijos.

Sérgio Santos disse...

Oi, Jeanne, obrigado pelo comentário. Eu sempre gostei muito de novelas de época, mas de urbanas também. Beijos.

Sérgio Santos disse...

Oi, Van, obrigado pelo carinho. Tente ver pelo menos uns dois capítulos desta nova adaptação. Vale a pena. Beijos!

Sérgio Santos disse...

Oi, Fabio, gostei muito do primeiro capítulo, mas o segundo foi bem melhor mesmo. Abração e obrigado pelo elogio, que bom que gostou!

Claudia Santos disse...

Olá Sérgio, bom dia!
Eu estou adorando a novela.
Está um luxo só.
Mas devo dizer que estou odiando a atuação da Ivete,penso que para este papel deveriam ter colocado um atriz mais experiente,ela está muito forçada.
Enfim,estou adorando , pois que eu não assisti a primeira versão.
Tenha um ótimo fim de semana.
Beijos beijos.

Sérgio Santos disse...

Oi Claudia, também não assisti a primeira versão e não estou gostando nem um pouco da atuação da Ivete. Elizabeth Savalla (a escolha do Walcyr Carrasco) era ideal para o papel e achei uma lástima isso não ter acontecido. A novela está muito boa. Beijos e bom domingo! =)

Anônimo disse...

Caro sérgio, concordo plenamente com sua análise. Ressalto ainda que se tratando de sotaque nordestino, as produções da Globo sempre pecam.É bem verdade que nós nordestinos temos pontos em comum no sotaque, no entanto os pontos divergentes da nossa prosódia são bem acentuados, de acordo com o estado de origem do falante. Por exemplo: em Sergipe, fala-se muito o "pense numa coisa boa; pense nisso; pense naquilo" e o "cabrunco" é uma palavra usada para expressar diferentes tipos de sensações.Em Alagoas o artigo sempre está a frente do substantivo: fala-se "o fulano; a beltrana" e as palavras gota,gota serena e bexiga são muito utilizadas em expressões típicas desse estado. Sendo os personagens da trama, oriundos dos 3 estados mais próximos à Bahia (SE, AL e PE),os diretores deveriam se atentar mais para esta questão prosódica, tornando a obra ainda mais verossímil.

Boa semana!
Fábio - SE

Cris Henriques disse...

Olá Sérgio!

Tudo bem?

É a primeira vez que venho aqui. Estive a ler o teu post. Em Portugal, a Gabriela ainda não estreou. Estreia na próxima semana. Pelo que tenho visto nas imagens, esta será uma novela interessante e divertida, penso.

Vou acompanhar a novela.

Estou a seguir o teu blog. Deixo o endereço do meu para visitares se quiseres...

http://oqueomeucoracaodiz.blogspot.pt/2012/08/a-lua-e-o-mar.html

Um abraço,

Cris Henriques