segunda-feira, 4 de julho de 2016

Segunda temporada de "Os Dez Mandamentos" foi um erro e provou que a Record não sabe lidar com o sucesso

A segunda temporada de "Os Dez Mandamentos" estreou no início de abril, após um intervalo de quatro meses ---- a 'primeira fase' chegou ao fim em 23 de novembro de 2015. A autora Vivian de Oliveira tinha o desafio de contar a continuação da saga dos hebreus, mas sem o atrativo das dez pragas do Egito e dos embates entre os egípcios e o povo liderado por Moisés (Guilherme Winter). Para culminar, ainda tinha que inserir novos conflitos para os personagens que seguiram na história e interligá-los aos novos perfis que entraram. Não era uma tarefa fácil e a dificuldade pôde ser sentida ao longo dos três meses de exibição.


A Record, ao criar a continuação da trama, prejudicou todo o conjunto da obra. Primeiramente porque retalhou o último capítulo da novela, deixando em aberto todo o aguardado acontecimento envolvendo a entrega da tábua dos dez mandamentos para Moisés e tudo que isso implicaria posteriormente. O mínimo que o público merecia era a conclusão daquele instante tão esperado, o que não aconteceu, decepcionando e muito. O desfecho da 'primeira temporada' foi frustrante e não deixou de ser uma propaganda enganosa, pois só viu o final quem pagou (ou ganhou dos pastores) o ingresso do filme de mesmo título que a emissora lançou em todo país ---- na verdade um compacto dos capítulos do folhetim.

E, além de ter perdido a oportunidade de encerrar o vitorioso ciclo da novela em grande estilo ---- até porque a mesma foi o maior sucesso da história do canal ----, a Record ainda deixou a autora limitada na 'segunda temporada', que não conseguiu fazer milagres no roteiro. Afinal, não tinha muito o que ser contado ao longo dos três meses de exibição.
Tanto que Vivian resolveu apostar nos romances dos casais da trama, pois não haveria como criar muitas invencionices em cima da conhecida trama bíblica em torno da saga dos hebreus, principalmente após a morte da vilã Yunet (Adriana Garambone) e a saída de Ramsés (Sérgio Marone). A consequência foi a perda do destaque de praticamente todos os antigos personagens, cedendo espaço para os novos, que também não tinham maiores conflitos.

Para culminar, os defeitos já observados na primeira temporada ---- mas que ficaram em segundo plano em virtude dos atrativos envolvendo os bons efeitos das dez pragas, os ótimos embates entre Moisés e Ramsés e a marcante abertura do mar vermelho ---- ficaram em foco na segunda, passando a incomodar bem mais, como as inúmeras enrolações, os figurinos completamente equivocados (parecendo fantasias de Carnaval de tão artificiais) e grande parte do elenco deixando a desejar nas interpretações. Também houve uma diferença gritante nos efeitos especiais e nas caracterizações, sentidas principalmente na reta final da segunda temporada. Ou seja, os problemas, que eram coadjuvantes anteriormente, e ficaram pequenos diante dos acertos, viraram protagonistas.


Um dos poucos êxitos da 'nova fase' foi o drama de Betânia (Marcela Barrozo), irmã de Zípora (Giselle Itiê), que ocupou o posto de 'mocinha' da história. Afinal, ficou em busca da filha por um bom tempo, enfrentou as ameaças do feiticeiro Balaão (Leonardo Nogueira) e ainda foi obrigada a se casar com o frio rei Balaque (Daniel Alvim), precisando também aguentar a arrogante rainha Elda (Francisca Queiroz). Foi um enredo interessante em meio aos demais, já desgastados ou nada atrativos. Até mesmo a vilania de Corá (Vitor Hugo ótimo) cansou com as constantes repetições em torno da desconfiança que o mesmo fazia questão de explanar, a respeito dos poderes de Deus e da liderança de Moisés.


Vários personagens ficaram soltos no roteiro e a perda de rumo da história ficou evidente. A novela não prendia a atenção e nem despertava interesse em acompanhá-la diariamente. Algumas das raras situações que funcionaram foram a morte de Joquebede (proporcionando uma linda cena para a grande Denise Del Vechio) e o momento em que a terra se abriu, matando Corá e todos os seus discípulos. Aliás, toda a sequência que culminou na morte do vilão apresentou bons instantes de tensão e o efeito especial da terra engolindo todos ficou bom, embora nada de extraordinário. Entretanto, é preciso citar as inúmeras falhas de continuidade da cena, o absurdo das roupas limpinhas em meio ao vendaval de areia e os efeitos toscos envolvendo o tornado de fogo. Ficou bem claro que a equipe responsável por esse tipo de situação na segunda temporada não era a mesma da primeira, onde a qualidade era vista.


É necessário também expor os erros crassos em torno da passagem de tempo de 40 anos. O envelhecimento dos personagens ficou constrangedor e foi inacreditável ver todo aquele conjunto de erros no ar. O processo de caracterização pareceu amador. Todos ficaram com cabelos grisalhos, mas quase sem rugas. E a maquiagem ficou exposta nos que tinham um pouco mais de rugas, parecendo uma espécie de pó branco. Para piorar, foi ridículo ver atrizes como Juliana Didone chamando um rapaz que parecia mais velho que ela de 'filhinho'. Nenhum ator escapou da situação grotesca em cima da 'passagem dos anos', nem mesmo Sidney Sampaio, que protagonizará "A Terra Prometida". Tanto que, por causa da novela substituta, Josué foi o único que não envelheceu. Aliás, esse 'milagre' deixou tudo ainda mais absurdo. Afinal, o rapaz parecia um mutante dos "X-Men" que tinha o dom da juventude eterna.


Os momentos finais da novela passaram em branco, deixando explícito o quanto que a continuação não deveria ter sido feita. Os índices de audiência se mantiveram bem altos para os padrões da Record (em torno dos 15 pontos), mas nunca mais ameaçaram a liderança da Globo, que vem exibindo uma "Velho Chico" morna e com altos e baixos (além de obter índices quase sempre menores que os da novela das seis, "Êta Mundo Bom!"). A repercussão da segunda temporada foi infinitamente menor que a da primeira. Pouco se falou sobre a trama e muitas vezes nem parecia que ainda estava no ar. Os sinais do esgotamento se fizeram presentes do início ao fim.


Vale, inclusive, relembrar que a emissora não aprendeu com seus erros. Afinal, é impossível esquecer o que o canal fez com a novela "Caminhos do Coração" (2007/2008), escrita por Tiago Santiago. O folhetim (apesar dos efeitos grotescos) fez um imenso sucesso, surpreendendo a todos, ameaçando até a primorosa "A Favorita" (de João Emanuel Carneiro), da Globo, na época. O êxito da produção, que tratava de seres geneticamente modificados (claramente inspirada na franquia "X-Men"), fez a emissora criar duas continuações: "Mutantes: Caminhos do Coração" (2008) e "Mutantes: Promessas de Amor" (2009). As duas 'novas fases' só serviram para deixar o autor ainda mais perdido e não chegaram nem perto da audiência obtida anteriormente. Ou seja, ao invés de fechar um ciclo no auge, o canal preferiu esticar ao máximo uma produção vitoriosa nos números, fazendo a mesma chegar ao fim com índices péssimos.


No caso de "Os Dez Mandamentos", como já mencionado, a questão da audiência não foi afetada com impacto. Entretanto, a Record conseguiu prejudicar todo um conjunto que parecia plenamente vitorioso em 2015. Sem o orçamento de antes e exibindo uma continuação deficitária ---- onde o ritmo lento, as caracterizações amadoras, as cenas de luta artificiais e os personagens estagnados puderam ser observados com facilidade ----, a segunda temporada da primeira novela bíblica da emissora foi um grande erro. Definitivamente, a continuação da história escrita por Vivian de Oliveira e dirigida por Alexandre Avancini apenas comprovou que a emissora não sabe lidar com o sucesso.

34 comentários:

Heitor disse...

Ótimo texto. A Record é uma amadora. Destruiu um produto que poderia ter ficado guardado na memória. Agora o que vai ficar na memória é esse envelhecimento com talco que parece coisa da Rede TV.

Matheus Nogueira disse...

Sérgio,vc tem Razão.e me fez voltar lá no tempo,quando você fez um post sobre´´A Fazenda´´e eu já falava que a Record não sabe lidar com o sucesso.a Record deveria ter entrado com´´Escrava Mãe´´no lugar de´´Os Dez Mandamentos´´.seus diretores não fizeram isso por incompetência e amadorismo.

Vanessa disse...

Postagem perfeita.Eu mesmo amava a novela,mas não consegui ver essa temporada fake.Parecia outra novela de tão ruim.E nem verei a Terra Prometida porque o Sidney Sampaio é péssimo ator.

Matheus Nogueira disse...

só completando,Sérgio,o SBT,esse sim valoriza suas novelas infantis.consequência disso é q Maísa,Jean Paulo Campos e Larissa Manoela estão lá até Hoje.abraços,Sérgio

Anônimo disse...

E O QUE FOI A CENA FINAL COM UMA "LUTA" ENTRE DOIS CARAS COBERTOS POR PANOS????? HAHAHAHAHAHA

Fabiana disse...

Parabéns pela crítica.Um sucesso que virou um mico com esses efeitos ridículos.

Odilon disse...

Escrava Mãe é muito melhor produzida e tem bem menos audiência.Não consigo entender e essa Terra Prometida promete ser outra tosquice.

leonardo lun disse...

Meu, na boa, não entendo como essa novelinha pode fazer sucesso, serio! Olhei uma vez e parecia que tava assistindo uma peça de teatro pastelão, os diálogos eram artificiais, sem falar na caracterização, como tu bem lembrou. Na boa, e Record é muito amadora,

Marcia Pimentel disse...

Bom dia, Sérgio.
Concordo com você d começo ao final do seu texto. Me decepcionei muito com a segunda temporada de Os Dez Mandamentos. Confesso que fiquei vários dias sem ver. E o final que decepção! Que luta foi aquela no final? Que bizarro! Foi uma pena o que aconteceu, porque eu amei a primeira parte, me emocionei e há muito tempo eu não acompanhava uma novela. Eu vou acompanhar A Terra Prometida torcendo para que seja tão boa quanto foi a primeira parte de Os Dez Mandamentos.
Abrçs

Vinícius disse...

Uma novela tosca dessas tem uma legião de fanáticos que acham a oitava maravilha do mundo.Nunca entenderei.

Anônimo disse...

Eu assisti a primeira temporada inteira de "Os Dez Mandamentos",mas desisti da segunda justamente pela falta de história, que foi uma tremenda chatisse.
Em ambas temporadas a atuação do elenco sempre foi muito mediano/ruim, com raras excessões. E nessa temporada a coisa piorou de vez.

Adriana Garambone,Vera Zimermann,Giuseppe Oristiano e Paulo Gorgulho fizeram muita falta nessa nova temporada assim como Camila Rodrigues e Sérgio Marone( e suas caras e bocas).
Diante de um Elenco tão ruim,apenas Victor Hugo,Marcela Barroso,Denise Del Vecchio e Larissa Maciel se salvaram.

Anônimo disse...

De boa novela na primeira temporada, passou pra terrível na segunda.
Elenco péssimo, cenário de papelão,efeitos toscos e uma história fraquíssima.
Não ponho a culpa em Vivian de Oliveira,pois sei que ela fez o que pode pra não cair a peteca.

Guilherme Winter é péssimo, é um dos melhores do elenco, mas continua fraquíssimo. Fazem falta alguns atores da temporada anterior como Adriana,Paulo Gorgulho e Vera Zimermann.

Pâmela disse...

Infelizmente os únicos bons nomes do elenco foram: Guilherme Winter (sempre ótimo), Leonardo Vieira e Marcela Barrozo a trama dos dois me chamou a atenção. E também foi só. Que a Record não me invente "A Escrava Mãe - segunda parte".

Mudando de assunto, não sei se você chegou a saber mas o elenco de Laços de Família foi minunciosamente pensado pelo Maneco. Ele exigiu a presença de Vera Fischer, Tony Ramos e José Mayer para os papéis principais se não, não faria a novela, além de ter feito a Camila especialmente para a Carolina Dieckmann. Os únicos "poréns" aconteceram justamente com o Fred e a Capitu que eram para serem interpretados por Murilo Benício e Carolina Ferraz. Murilo sei que não aceitou porque o Fred tinha o perfil muito parecido com o do Leonardo, papel anterior do ator nas novelas do Maneco, agora a Carolina não sei o motivo. Dai os papéis caíram nas mãos de Luigi e Giovanna que defenderam muito bem. Fica a curiosidade sobre os bastidores da novela.

Bárbara Nassar disse...

Confesso que não estou assistindo, mas já achei PÉSSIMO o que eles fizeram de comprar os ingressos para as sessões de cinema

Beijos, Love is Colorful

Ana Paula disse...

Eu adorei primeira temporada inteira de "Os Dez Mandamentos",mas desisti da segunda justamente pela falta de história, que parecia uma mistura de malhação, falando de sapecaiaia só falta colocar a música do Charlie Brown Jr com Totalmente Demais, colocaram um Arliza bíblico que é o Joarão,
ambos atores bons mas a atriz do Arliza original é mil vezes melhor do que a "atriz" ex do Latino que coitado do Petrônio por contracenar com essa
canastrona que deveria ganhar o troféu Cigano Igor.
Em ambas temporadas a atuação do elenco sempre foi muito mediano/ruim, com raras excessões. E nessa temporada a coisa piorou de vez.
Adriana Garambone,Vera Zimermann,Giuseppe Oristiano, Mel Lisboa, Samara Felippo, Zé Carlos Machado, Angelina Muniz e Paulo Gorgulho fizeram muita falta nessa nova temporada assim como Camila Rodrigues e Sérgio Marone( e suas caras e bocas).
Diante de um Elenco tão ruim,apenas Victor Hugo,Marcela Barroso,Denise Del Vecchio, Petrônio Gontijo e Larissa Maciel se salvaram.
Agora do elenco que colocaram na segunda temporada eu colocaria o Milhem Cortaz e o Leonardo Vieira.

Sérgio Santos disse...

Mt obrigado, Heitor!

Sérgio Santos disse...

Pois é, Matheus...

Sérgio Santos disse...

Foi mt ruim, Vanessa. E tb acho o Sidney fraco.

Sérgio Santos disse...

Ridículo, anonimo.

Sérgio Santos disse...

Mico msm, Fabiana!

Sérgio Santos disse...

Verdades, Matheus.

Sérgio Santos disse...

Tb acho Escrava Mãe infinitamente melhor, Odilon!

Sérgio Santos disse...

Foi bem fraco msm, Leo.

Sérgio Santos disse...

Uma decepção, Marcia. Destruição uma produção bem-sucedida.

Sérgio Santos disse...

Nem eu, Vinicius.

Sérgio Santos disse...

Onde eu assino, anonimo????

Sérgio Santos disse...

Concordo, anonimo.

Sérgio Santos disse...

Pâmela, boa observação sobre Laços dee Familia. Do elenco eu já sabia, mas sobre a Carol Ferraz e o Benício eu não lembrava. bjão!

Sérgio Santos disse...

Isso foi uma vergonha, Bárbara. bjs

Sérgio Santos disse...

Pois é, Ana Paula, quantos equivocos. Indefensável.

Nagatomo disse...

To vendo gente aí criticar não só a novela mas também a trama,que por sinal é linda sim,a bíblia retrata isso muito bem e quem é evangélico como eu ficou feliz com a luta no final.Muita gente pode não ter entendido pois não é cristão,mas aquela luta simboliza o anjo do senhor protegendo a alma de Moisés do anjo enviado pelo inferno,com a derrota deste.Para mim isso foi muito lindo e só quem é cristão entendeu a cena.MAS tenho que concordar que a novela deixou a desejar muito,e não tenho nem o que falar do envelhecimento dos personagens e de os filhos sendo mais velhos que os pais,sem palavras mesmo,parecem que fizeram a novela com pressa.

Sérgio Santos disse...

Nagatomo, sim, a luta final fez essa alusão mesmo. Porém, ficou ridículo pelos efeitos toscos e aqueles dois caras cobertos com pano como se fossem crianças brincando de fantasma em casa. Ficou grotesco. Se não tinham condições de fazer, seria melhor encerrar na morte do Moisés e pronto. E essa segunda temporada foi uma imensa decepção.Uma pena.

Unknown disse...

Realmente essa temporada passou em branco, foi péssima, atuações grotescas, enredo bobo, enrolação além do limite. Conteúdo a autora tinha, já que a primeira fase se concentrou apenas em Êxodo, e agora ela tinha material suficiente em Levítico, Números e Deuteronômio, mas resolveu focar na chatice de Moabe, com aquele amadorismo incrível da atriz que fez a Elda. Achava a Gisele Itiê ruim, mas ela conseguiu superar! Os únicos pontos bacanas mesmo são os que seguiram as Escrituras, como a lepra da Miriã, construção da arca e do tabernáculo, rebelião de Corá e o sacerdócio de Arão. Muitos capítulos dos livros tratam de leis e seria maçante ver isso na novela, mas o foco dado as irmãs da Zípora foram excessivos e chatos, dispensável. Porém se fez necessário essa segunda temporada, pois passar de uma forma tão abrupta pra historia de Josué ia deixar as pessoas mais perdidas ainda, kkkkkk

Sérgio Santos disse...

Ótimo comentário, Unknown!