quarta-feira, 19 de outubro de 2011

O poder das 'tias'

Elas não fazem parte do elenco principal. Não são protagonistas e nem antagonistas. Começam suas participações com pequenas cenas e falas quase sem importância, mas com seus respectivos talentos vão se destacando cada vez mais até virarem grandes 'sensações'. Estou me referindo às tias mais recentes da teledramaturgia: Tia Neném, Tia Magda e Tia Íris.

Em "Insensato Coração", Tia Neném só duraria até a metade da trama. Em uma novela onde tivemos uma verdadeira carnificina e vários personagens eram assassinados, a personagem da grande Ana Lucia Torre teria o mesmo trágico desfecho. Mas graças ao talento dessa excelente atriz, a eterna pinguça foi tendo cada mais mais repercussão e o público, quando soube o que aconteceria com ela,passou a exigir uma mudança na história.Foram atendidos. Tia Neném ficou até o fim com suas ótimas tiradas venenosas. Uma pena que mal apareceu no último capítulo e sua apreensão pela morte de Norma (Glória Pires) não foi explicada, mas isso são águas passadas.

Em "O Astro", Tia Magda é uma coadjuvante. A confidente de Clô(Regina Duarte) serve basicamente de escada para a viúva de Salomão Hayalla (Daniel Filho) desabafar suas amarguras. Mas Rosamaria Murtinho sabe aproveitar todas as oportunidades que têm e já protagonizou grandiosas cenas juntamente com Regina. Difícil o espectador não ter se emocionado nas sequências em que a infeliz e solitária tia chora ao confessar que era amante de Salomão. A atriz deu outro show quando sua personagem era ameaçada por Samir(Marco Ricca) e se via 'obrigada' a envenenar sua suposta amiga contra Lili (Alinne Moraes). Em suma: Rosamaria fez de um papel aparentemente sem grandes nuances,uma inesquecível personagem.

Já em "Fina Estampa", vimos recentemente a entrada da grade Eva Wilma interpretando a ardilosa Tia Íris,  que guarda um segredo da vilã Tereza Cristina (Christiane Torloni) e se utiliza disto para chantageá-la. A novela continua fraquíssima e totalmente desinteressante, mas a personagem é um dos poucos pontos altos da trama. Sua parceria com a talentosa Thais de Campos (Alice) promete boas situações.

As 'tias', pelo visto, vieram pra ficar. São interpretadas por grandes atrizes, que através de suas experiências cênicas, conseguem transmitir para o telespectador tudo o que o texto pede,e ainda dão o 'bônus' de sempre terem atuações memoráveis. Palmas para elas. Quem ganha somos nós!

5 comentários:

C@l€b€ Børg€s disse...

O incrível é que as tias são na grande maioria más!!!

Sérgio Santos disse...

É verdade,C@lebe!Talvez por isso elas acabem marcando mais.Abraço.

Brasfoot disse...

A tia Magda no final falou na cara da Clô que sempre teve inveja dela e foi expulsa de casa. Porém, arrependida, ela se suicida num hotel. Isso prova cada vez mais que as tias da ficção geralmente nasceram para serem más, e, talvez, nunca vi tia boazinha na ficção.

Sérgio Santos disse...

Brasfoot, vc tem razão. E assim elas acabam se sobressaindo mais e sendo inesquecíveis. Fora o talento das atrizes que foram escolhidas para os respectivos papéis, claro. Abraço!

Sissym disse...

Eu sou fã da Eva Wilma e gosto muito quando faz este tipo de papel que entrelaça uma dúbia vilã a apresentação cômica.

Bjs