terça-feira, 20 de junho de 2017

"Malhação - Viva A Diferença" apresenta protagonistas bem construídas e cinco atrizes talentosas

No ar há pouco mais de um mês (estreou no dia 8 de maio), "Malhação - Viva a Diferença" já pode ser considerada um acerto. A temporada de Cao Hamburger, dirigida por Paulo Silvestrini, vem abordando temas importantes de forma séria e o enredo muito bem escrito pelo autor é repleto de qualidades. A audiência, por sinal, está correspondendo (a média está acima dos 20 pontos, excelente índice e o maior em dez anos de "Malhação"). E um dos muitos êxitos da atual fase é a escolha (e construção) das cinco protagonistas.


Keyla (Gabriela Medvedovski), Tina (Ana Hikari), Ellen (Heslaine Vieira), Lica (Manoela Aliperti) e Benê (Daphne Bozaski) são perfis cativantes e totalmente verossímeis, representando a adolescência de uma forma nada maniqueísta. Não há boazinha e nem malvada, há meninas em busca de seus desejos e com muitos dilemas, repletas de virtudes e defeitos. São todas cem por cento humanas, precisando lidar todos os dias com as diferenças que tinham tudo para separá-las, mas que só as unem mais.

Os perfis foram construídos com extrema habilidade pelo autor e a escalação podia colocar tudo a perder. Afinal, atrizes fracas não conseguiriam passar todas as nuances das protagonistas, aniquilando o DNA do roteiro dessa temporada. E o risco era elevado, pois "Malhação" lança talentos desde a sua estreia, em 1995. Ou seja, os escolhidos são sempre novatos, implicando em uma chance maior de tropeços.
O que não deixa de ser compreensível, levando em consideração a falta de experiência de cada um. O seriado não deixa de ser uma 'escola' de artes, observada pelo público. Tanto que alguns intérpretes são ótimos e outros se mostram limitados. Em toda fase.

Mas deu tudo certo. Não poderiam ter escalado meninas melhores. As cinco estão muito bem e seguras em cena. A seleção para cada papel foi precisa e a sintonia entre elas é visível a todo instante. As atrizes crescem juntas, mas conseguem brilhar separadamente sem problemas. Isso acaba sendo resultado de um conjunto de fatores: além de serem talentosas, foram beneficiadas pelos perfis ricos criados por Cao Hamburger, que retrata a adolescência com verossimilhança, sem exageros ou esteriótipos. O roteiro, inclusive, flui com facilidade, mesmo quando não há grandes conflitos ou ganchos. Reflexo da agradável história.

Lica é uma patricinha revoltada, cujo maior drama é a traição do pai, Edgar (Marcelo Antony), que teve uma filha com a melhor amiga da mãe (Marta - Malu Galli). E essa filha é justamente Clara (Isabella Scherer), a então melhor amiga de Lica, que soube antes da relação extraconjugal. A situação deixou a garota ainda mais rebelde, a ponto dela se envolver com Felipe (Gabriel Calamari), namorado de Clara, só para atingi-la. O que a menina não esperava era gostar mesmo de Felipe. Toda essa situação vem sendo bem explorada e Manoela Aliperti está impecável. Ela, aliás, foi uma grata surpresa de "3 Teresas", ótima série do GNT, onde se destacou ao lado de Cláudia Mello e Denise Fraga. A atriz ainda protagonizou recentemente um beijo gay, quando Lica beijou K1 (Talita Younan) --- e Samantha (Giovanna Grigio), que não foi mostrado. Mais uma prova da liberdade dessa temporada.

E Tina é uma adolescente decidida e que precisa enfrentar o racismo da família para ficar com Anderson (Juan Paiva). Mitsuko (Lina Agifu) não aceita que a filha namore um negro e faz de tudo para impedir o namoro. O pai Noboru (Carlos Takeshi) tenta contemporizar, mas também não vê com bons olhos. E a caçula, Telma (Julie Kei), é uma peste que adora ver o circo pegar fogo. Embora seja um clichê, a questão vem sendo tratada com densidade e veracidade. Não só pela rejeição da família de Tina, como também em momentos do cotidiano, vide a hora em que o casal foi abordado por policiais e ele foi ofendido --- isso até rendeu protesto de um deputado policial, que se 'indignou' com a cena. Ana Hiraki é um achado e merece elogios por seu desempenho.

Anderson, aliás, é irmão é Ellen. A outra protagonista é uma nerd, expert em programas de computador. Embora pareça forte por fora, por dentro precisa lidar com a extrema carência em virtude da ausência da mãe, uma enfermeira que passa a maior parte do tempo em um hospital público, e do assassinato do pai (morto com vários tiros). Ainda que frágil internamente, a garota enfrenta tudo e todos com a cabeça erguida, sem tolerar qualquer tipo de preconceito. Isso até resulta em um radicalismo, pois ninguém pode falar nada politicamente incorreto perto dela sem ouvir um sermão. Ela também é alvo da disputa disfarçada entre Fio (Lucas Penteado) e Jota (Hall Mendes).

Já Benê é a líder do grupo de amigas. A nerd tímida fez questão de adicionar o contado de todas assim que se conheceram. Carente de afeto, a menina nunca teve amigos e apresenta dificuldade de relacionamento. Ela sofre de Síndrome de Asperger, um grau leve de autismo. A doença vem sendo abordada ainda de forma superficial, mas terá maior importância ao longo da trama. A garota tem uma mãe amorosa (Josefina - Aline Fanju) e um irmão mais novo implicante (Julinho - Davi Souza). Sem Benedita, as meninas já tinham se separado há muito tempo. A garota funciona como uma espécie de elemento apaziguador, amenizando alguns conflitos que muitas vezes se tornam inevitáveis. Benê também tem um amor: o arrogante Guto (Bruno Gadiol), garoto mais cobiçado da escola que começou a lhe dar aulas de piano depois que perdeu uma aposta. Daphne Bozaski está irretocável na pele dessa personagem apaixonante ---- ela e Heslaine, por sinal, já trabalharam com o autor em "Que Monstro Te Mordeu?" (2014) e "Pedro e Bianca" (2012), respectivamente.

Por fim, Keyla foi a responsável pelo encontro das protagonistas, graças ao seu parto em pleno metrô, provocando pânico em todas. Mãe adolescente, a garota precisa lidar com as responsabilidades que um bebê traz e com os problemas que começam a refletir na escola. Para culminar, ela nunca mais viu o pai da criança e mente dizendo que Tato (Matheus Abreu) é o pai de seu filho ---- a ideia, inclusive, foi dele, pois sempre foi apaixonado pela sua amiga de infância. Keyla ainda conta com o apoio do pai, Roney (Lúcio Mauro Filho), e das próprias novas melhores amigas, que nunca mais se desgrudaram depois do nascimento de Tonico. Cao também começou a abordar os emagrecedores milagrosos através dessa personagem. Como está gordinha depois que virou mãe, a menina vem enfrentando problemas com autoestima e resolveu tomar remédios sem prescrição médica. Acabou internada. Tema importante sendo tratado com propriedade. Gabriela Medvedovski vem se mostrando uma dedicada atriz e seu carisma é nítido.

"Malhação - Viva A Diferença" merece uma sucessão de elogios por muitas razões e uma delas é esse quinteto protagonista. Pela primeira vez na história do seriado adolescente o foco principal não é um romance e, sim, uma amizade verdadeira, cujas diferenças mais aproximam do que separam. As personagens são cativantes e as atrizes transbordam talento. Todas vão muito longe na carreira. Esse é só o começo.

13 comentários:

Juan A. disse...

Que temporada maravilhosa e gostosa de assistir. E que texto excelente. Perfeita sua critica. Estávamos precisando de uma temporada boa, a ultima foi Sonhos, que também foi maravilhosa. Essa temporada tem tudo pra entrar pra lista das melhores de toda historia de Malhação. E que atrizes talentosas, realmente foram um achado. Abraço Sergio

Guilherme disse...

Eu fico emocionado com essa temporada de Malhação a cada dia mais. Eu digo mais. Tem tudo para ser a melhor temporada da história da novelinha teen. É uma temporada diferente de tudo que passou anteriormente, mais madura, realista, que fala a linguagem jovem de uma maneira natural com gírias, um modo de falar mais condizente com o jovem de hoje. Eu fico impressionado com o uso da tecnologia mostrado até aqui na história. Essa necessidade que nós temos de mexer no celular a todo momento e em qualquer lugar. O risco de conhecer pessoas pela internet. Toda essa abordagem é brilhante e já devia ter sido desenvolvida há muito tempo em Malhação. O perfil das protagonistas é maravilhoso, bem diferente do que a gente tá acostumado nas temporadas anteriores, com perfis maniqueístas, meninas bobinhas ou más, sem um perfil mais trabalhado como se fosse novela adulta. Enfim, tem tudo para ser a melhor temporada de todos os tempos. Parabéns Cao pelo sucesso e pelo talento. Adorei a crítica Sérgio.

Anônimo disse...

Parabéns pela excelente crítica. Tomara que elas leiam!

Adriana Helena disse...

Querido Sérgio, só pelas chamadas denota-se que a nova temporada de Malhação está maravilhosa!!
Queria muito assistir e pelo contexto do seu intocável texto amigo, nossa, vi que vale a pena mesmo!!
5 protagonistas carismáticas, lindas e muito alegres!!! Amei!!
Texto primoroso, realidade da vida bem delineada!! Que primor!!!
Sinônimo de sucesso!!!

Tenha uma semana maravilhosa querido!!
Beijos!!!!:))))

Lulu on the sky disse...

Olá Sergio,
Não acompanho Malhação, mas o pouco que vi, vi personagem mais humanas e próximas da nossa realidade. Nas outras temporadas só eram um bando de patricinhas mimadas querendo aparecer e com elenco bem fraquinho
Big Beijos,
Lulu
BLOG | YOU TUBE

Anônimo disse...

Texto maravilhoso. Cinco queridas e mocinhas ricas! Adorando a fase!

Anônimo disse...

Parabéns ótima crítica. Com certeza é a melhor malhação dos últimos tempos.

porlapazyporlavida lc disse...

Zamenzito, que texto maravilhoso. As meninas tão ótimas emsmo e o enredo é muito bem construído. Como você diz no twitter, "Cao Hamburger, eu te amo"

Fernanda disse...

Que temporada boa! Cao está de parabéns e a escalação dessas meninas foi a melhor possível. Como são talentosas. E o melhor tem belezas naturais, são de fácil identificação. Não são aquelas modelos de beleza que muitas temporadas tinham. São palpáveis, digamos. Adorei a crítica.

Debora disse...

Olá Sérgio tudo bem???


Fazia tempo que não vinha uma BOA temporada da Malhação. Essa está ótima, muito atual e real!!! Estou adorando.



Beijinhos;
Débora.
http://derbymotta.blogspot.com.br/

Bell disse...

Acompanhando pouco, mas gostando.

bjokas =)

Germana Araújo disse...

Olá Sérgio!!
Estou assistindo pouco essa temporada de Malhação, mas gosto da maior parte do que vejo. O foco na amizade, ao invés do romance foi um acerto, precisava mesmo de algo diferente depois de 20 e tantas temporadas.
As meninas são todas ótimas; não as conhecia (tanto que ainda me atrapalho com os seus nomes rs) mas tenho gostado bastante de todas: são seguras e entrosadas entre si, apesar de jovens. Esse, aliás, é outro acerto da temporada: os personagens adolescentes se parecem com adolescentes, tanto na aparência quanto nas atitudes (essa era uma reclamação constante desde quando eu era adolescente e comentava no colégio com as minhas amigas kkkk).
No mais, é isso. Abraços!!

Leitora disse...

Olá Sérgio!
Essa temporada está uma delicia. Dá gosto de sentar pra assistir. Todos os personagens em especial as protagonistas são maravilhosos, sinto que existe mais humanidade ninguém é mau feito e o pica pau e ninguém é o pobre coitadinho. Também estou gostando do destaque que os adultos tem na trama e isso sem deixar os jovens e adolescentes de lado. E ainda tem os temas abordados todos muito bem conduzidos, aliás não sabia que a Benê sofria de Autismo. Sobre o comentário da colega acima eu concordo com adolescentes que parecem adolescentes tanto na aparência quanto nas atitudes, pois eu e minhas amigas também discutíamos isso que eles não se pareciam em nada com adolescentes, a propósito lembro de uma temporada boa onde trocaram o protagonista por ele não se encaixar no padrão de galã (pelo menos foi isso que eu soube) eu não gostava do personagem, mas não por causa da sua aparência e sim por suas atitudes mesmo assim achei muito desrespeitoso a troca. Agora na atual até mesmo um(a) ou outro(a) mais bonito(a) está bem próximo da realidade. Também não sei se é impressão minha, mas todo o elenco me parece muito bem entrosado e isso é sempre garantia de sucesso. Como você mesmo já disse Malhação não é ruim basta ter autores bons e o Cao e seus colaboradores estão excelentes.