quinta-feira, 3 de outubro de 2019

"Se Joga" é uma mistura de tudo e mais um pouco

O encerramento do "Vídeo Show", no dia 8 de janeiro, após quase 36 anos no ar, não beneficiou a Globo em nada. A antecipação da "Sessão da Tarde" não amenizou as constantes derrotas para o "Balanço Geral" da Record. O desrespeito que a emissora teve com um de seus formatos mais longevos até hoje é merecidamente criticado. Agora, quase oito meses depois, o canal resolveu lançar um novo programa para ocupar a faixa e tentar barrar o crescimento da concorrência. Nesta segunda-feira (30/09), então, estreou o "Se Joga".


Comandado por Érico Brás, Fernanda Gentil e Fabiana Karla, o programa tem aproximadamente 55 minutos de duração, quase o mesmo tempo do finado "Vídeo Show". A atração é ''vendida'' como um formato para toda família que reúne entretenimento, jogos, dinâmicas e participação de famosos e plateia. Há também a presença de Marcelo Adnet, Paulo Vieira e Jefferson Schroeder, que se revezam entre repercutir as pautas, nas brincadeiras e em quadros de imitações e paródias. Achou muita informação? Realmente essa é a essência do novo produto da Globo.

Provavelmente sem saber a receita certa para enfrentar as fofocas da "Hora da Venenosa", quadro de Fabíola Reipert do "Balanço Geral", e o próprio sensacionalismo 'natural' da Record, a emissora resolveu juntar tudo o que já funcionou em vários programas da casa em um só.
Ainda copiou algumas fórmulas da concorrência; afinal, o quadro "Invadindo o Celular" é uma espécie de "Para Quem Você Tira o Chapéu" do "Programa Raul Gil", do SBT. A primeira participante foi Paolla Oliveira e a atriz teve que ''reagir" a fotos de celebridades, no caso colegas de elenco de "A Dona do Pedaço", como Lee Taylor (Camilo) e Sérgio Guizé (Chiclete), entre outros amigos. A única diferença, obviamente, é a inexistência de saias justas. Ela não precisou desaprovar ninguém. Só elogios. A intérprete também teve que reagir a notícias, mas todas positivas, e recebeu um depoimento da avó.

Paulo Vieira trouxe o quadro "Emergente como a gente", do extinto "Programa do Porchat", da Record, para o "Se Joga". Mudou apenas o título: "Isso é muito a minha vida". Os dilemas da classe C são o mote e o humorista vai bem. Já o game "Que Conta é essa?", com anônimos, é uma cópia do até hoje lembrado "Vídeo Game", quadro do "Vídeo Show", comandado por Angélica. Há também a participação da plateia e nem a disposição do auditório no cenário chegou a ser alterada. O mesmo quadro de perguntas e respostas, inclusive, é usado para famosos. Agatha Moreira e Reynaldo Gianecchini foram os convidados do programa de terça (01/10) e se divertiram bastante. A 'punição' para o derrotado era pagar uma prenda, que no antigo "Vídeo Show" era chamado de "mico".

Outra 'novidade' do formato é o "Se joga no Dado". Um dado cai no meio do palco e os três apresentadores precisam realizar provas rápidas através da orientação em envelopes grudados em cada lado do dado. As disputas expõem desafios que todo mundo já viu inúmeras vezes nos outros canais e na própria Globo. Uma chatice. O "Nuvem de Palavras" é claramente uma ideia retirada do "Encontro", atração matutina de Fátima Bernardes, onde a apresentadora cita e desdobra os assuntos mais comentados nas redes sociais. Gentil, Fabiana e Érico falam superficialmente sobre algumas situações, mas não opinam. Tudo para não causar maiores constrangimentos. O mesmo vale para as breves notícias dadas na hora do "GShow", quando são noticiadas algumas matérias do site sobre celebridades e as novelas da casa ---- vale lembrar que o "Vídeo Show" já exibia algo semelhante nos últimos anos.

O "Se Joga" é uma tentativa desesperada da Globo de barrar a concorrência. Entretanto, fica difícil entender a demora para a elaboração desse projeto. A emissora retirou Fernanda Gentil da área de esporte ano passado e só agora a apresentadora voltou ao ar e em uma atração que não tem sua identidade. É tudo jogado, com o perdão do trocadilho. Poderia ser comandado por qualquer comunicador, tanto que ganhou a companhia de dois atores que até então nunca apresentaram nenhuma atração. Fica até a dúvida se havia mesmo necessidade de três pessoas comandando um formato de 55 minutos. Obviamente, Fernanda, Érico Brás e Fabiana Karla ainda estão pouco entrosados e nervosos. Nada que o convívio não melhore. Porém, é um produto que deve passar por muitos ajustes ao longos dos meses, até porque a audiência não sofreu alterações --- continua perdendo para a Record, como ocorria com o "Vídeo Show" e a "Sessão da Tarde". É uma mistura de tudo e mais um pouco. Se isso é bom? Só o tempo vai dizer. Mas fica difícil negar que é um começo bastante questionável.

20 comentários:

Anônimo disse...

Acabaram com o Vídeo Show pra isso...

Bruna disse...

Que programa ruim! Bem feito por terem cancelado o Video Show.

Anônimo disse...

É... Por enquanto, na faixa horária compreendida entre o "Jornal Hoje" e a "Sessão Da Tarde", só "Se Joga" para perder. Pelo menos "O Álbum Da Grande Família" se encerrou, mas o melhor mesmo era a Rede Globo nunca ter exterminado o "Vídeo Show".

Guilherme

chica disse...

Assisti um dia apenas! Muita gritaria naquele dia! Vamos ver se melhora! abração,chica

Adriana Helena disse...

Ahh Sérgio, nunca haverá outro programa como o Vídeo Show que nos divertia tanto...
Mas sua análise criteriosa mostrou que essa nova atração até tenta, mas será que vai em frente?
Tomara né? Eu não posso assistir, mas nas propagandas vejo que é uma correria e confusão...hehehe
Beijos e uma semana liiinda!! :)))

Pedrita disse...

ainda acham q podem competir com sensacionalismo. em vez de fazer o q acredita e um bom resultado, ficam inventando moda. odeio programa com auditório. acho muito velha essa fórmula. beijos, pedrita

Anônimo disse...

VERGONHA ALHEIA foi isto que eu senti quando vi o programa.

Anônimo disse...

Video Show já não era o mesmo, horrível. Tudo na Globo atualmente parece tosco, chato. Estão totalmente perdidos. Esse programa é ridículo, só sendo muito fã da Globo pra perder tempo em plena tarde dando ibope praquilo. Mil vezes ver as reformas de casa no Discovery ou qualquer outra coisa nos canais abertos, MENOS isso.

Anônimo disse...

Sérgio, outra vez queria sugerir que você escrevesse um texto, desta vez falando do imenso êxito de "A Dona Do Pedaço" e "Bom Sucesso", comparando as duas obras. E olhe, novamente envolvendo criações de Walcyr Carrasco, Rosane Svartman e Paulo Halm, pois há um texto neste blog publicado três anos atrás sobre os fenômenos em todos os sentidos que "Totalmente Demais" (2015) e "Êta Mundo Bom!" (2016) foram.

Guilherme

Anônimo disse...

Só vc mesmo pra elogiar essa porcaria de programa.

Sérgio Santos disse...

Pois é, anonimo.

Sérgio Santos disse...

Tb achei, Bruna.

Sérgio Santos disse...

Concordo, Guilherme.

Sérgio Santos disse...

Verdade, Chica.

Sérgio Santos disse...

É bem isso, Adriana... jbs

Sérgio Santos disse...

Isso, Pedrita...

Sérgio Santos disse...

Idem, anonimo.

Sérgio Santos disse...

Concordo que o VS tinha se perdido, anonimo, mas nao podia ter aquele fim...

Sérgio Santos disse...

Obrigado pela dica, Guilherme.

Sérgio Santos disse...

Eu critiquei, anonimo. Vc sabe ler?